A CAJARANEIRA
(Spondias sp.)
Por: Francisco de Queiroz Porto Filho
Foto: Porto Filho. Planta na Faz. de Edilson Maia, na Chapada do Apodi, Açu-RN.
− Origem do nome: caja + rana.
− Sufixo “r...
- No Nordeste brasileiro, destacam-se as espécies:
- Spondias mombin L. (cajazeira),
- Spondias purpurea L. (cirigueleira)...
- Potencial de utilização na forma processada como polpa congelada, suco, néctar e
sorvete.
- A Cajaraneira, assim como a ...
A capacidade de sobrevivência da cajaraneira
Sobrevivência: produzindo por mais
de 100 anos;
Resistência a seca: Xilopód...
Alguns exemplares: por idade
130 anos: sequeiro
Pau dos Ferros-RN
8 anos: sequeiro
Upanema-RN
40 anos: sequeiro
Tabuleiro ...
Aspectos das raízes e xilopódios de uma planta de umbuzeiro
Xilopódio de uma planta de cajarana em Apodi-RN
Foto: Porto Fi...
Propagação das Spondias
A forma de propagação das Spondias, como a maioria das fruteiras
tropicais, ocorre pelos métodos s...
Propagação da Cajaraneira
PROPAGAÇÃO SEXUADA
- Mais de 90% dos endocarpos são desprovidos de sementes.
- Os endocarpos com...
* Plantio de varas pequenas
em sacolas plásticas
* Plantio de estacas grandes
em viveiros ou sombras
(superficial e escora...
Propagação vegetativa - Transplantio
Propagação da cajaraneira por enxertia
No caso da cajaraneira recomendamos estudos para comprovar a existência
desses bene...
Propagação de Spondias por enxertia no umbuzeiro
Plantas com cinco anos de idade em Petrolina – PE: A:cirigueleira, B:cajá...
Instalação do Sistema de Irrigação (novembro de 2014)
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro ...
20 a 25 dias após início da irrigação
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
35 a 40 dias após início da irrigação
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
60 dias após início da irrigação
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
74 dias após início da irrigação
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
120 a 125 dias após início da irrigação
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
140 dias após início da irrigação: Colocação das telas
IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Exu – Tabuleiro...
- 100 árvores
- Espaçamento de 8 x 8 m
(156,25 plantas/há)
- Produção de 27.000 kg
- 42.187,50 kg/ha
155 dias após início ...
PRODUÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso
Fazenda Santa Maria – Tabuleiro Grande-RN
Cajaraneira com 40 anos
- Sequeiro em...
Aspectos da variabilidade genética
Referência para qualidade de frutos de umbu-cajazeira (Spondias sp.) para consumo.
Faz....
Aspectos da variabilidade genética
Variáveis: diâmetro longitudinal (DL) e diâmetro transversal (DT) do fruto, em mm, rela...
JARDINS CLONAIS
EMPARN – IPANGUASSU-RN
Prec. Anual média = 625 mm
Temp. média anual = 27,8°C
CIMATE-DATA.ORG
IPA – ITAMBÉ-...
Composição físico-química e química de alguns frutos
Carbo- Fibra Vitamina
Umidade Proteína Lipídeos idrato Alimentar Cinz...
Nutrientes
na folha do imbuzeiro
% estação
chuvosa
% estação
seca
Matéria Seca (MS) 16,13 87,71
Proteína Bruta (PB) 18,07 ...
Comercialização
- Comercialização para o consumo in natura
PREÇOS NA COBAL - MOSSORÓ-RN
- Na safra (sequeiro) 1,00 a 1,50 ...
Comercialização
- Comercialização para fábricas de polpas
Preço pago pelo fruto entregue na Nossa Fruta em Pereiro-CE
-Saf...
Formas de aproveitamento da cajarana
Cajaranada:
-Polpa de cajaranas inchadas pré-cozidas ou
maduras crua
-Leite
-Açucar
P...
Opções de plantio
-Plantio em beiras de cercas
-Plantio em áreas propícias a erosão -Plantio comercial com espaçamento 10x...
Necessidades para o desenvolvimento da cultura
- Estudos de cultivo (produção de mudas, transplantio, espaçamento entre
pl...
Considerações finais
- Um agricultor com 100 plantas de sequeiro teria uma receita de:
100 plantas x 500 kg/planta = 50.00...
OBRIGADO !!
porto@ufersa.edu.br
A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A cajaraneira spondias sp.

466 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada no I Congresso Brasileiro de Agroecologia do semiárido, Mossoró-RN, 2015.

Publicada em: Educação
3 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
466
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
3
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A cajaraneira spondias sp.

  1. 1. A CAJARANEIRA (Spondias sp.) Por: Francisco de Queiroz Porto Filho
  2. 2. Foto: Porto Filho. Planta na Faz. de Edilson Maia, na Chapada do Apodi, Açu-RN. − Origem do nome: caja + rana. − Sufixo “rana” vem do tupi-guarani e significa “parecido com”, portanto cajarana = parecido com cajá. − É conhecida também por Cajá-umbú e/ou Umbú-cajá.
  3. 3. - No Nordeste brasileiro, destacam-se as espécies: - Spondias mombin L. (cajazeira), - Spondias purpurea L. (cirigueleira), - Spondias cytherea Sonn. (caja-manga), - Spondias tuberosa Arr. Câm. (umbuzeiro) e - Spondias sp. (cajarana, umbu-cajá, cajá-umbu e umbuguela), - Família Anacardiaceae - Possui 18 espécies distribuídas nos neotrópicos, Ásia e Oceania (Mitchell & Daly, 1995) Todas são árvores frutíferas tropicais exploradas através do extrativismo ou em pomares domésticos e em plantios desorganizados. - São espécies em domesticação que produzem frutos do tipo drupa de boa aparência, qualidade nutritiva, aroma e sabor agradáveis, os quais são muito apreciados para o consumo como fruta fresca ou na forma processada como polpa, sucos, doces, néctares, picolés e sorvetes.
  4. 4. - Potencial de utilização na forma processada como polpa congelada, suco, néctar e sorvete. - A Cajaraneira, assim como a umbugüeleira, é um híbrido natural entre a cajazeira e o umbuzeiro - A umbugüeleira é uma árvore semelhante à cajaraneira só que menos dissipada. - Origem desconhecida, características de planta xerófita e estão disseminadas em alguns estados do Nordeste como RN, CE, PI, PE e BA. - Em regra encontram-se próximo de residências indicando dependência do homem para sua propagação e dispersão. - Porte arbóreo, atingindo até mais de 8 m de altura e 15 m de diâmetro de copa. - Fruto do tipo drupa, globosa ou curto-elipsoide, casca fina e coloração amarelada quando maduro, polpa suculenta e sem fibras, sabor doce-acidulado. - Rendimento em polpa de 50% a 75%. Santos; Oliveira, 2008
  5. 5. A capacidade de sobrevivência da cajaraneira Sobrevivência: produzindo por mais de 100 anos; Resistência a seca: Xilopódios ?? Reserva na casca (casca espessa)??; O fechamento dos estômatos nas horas quentes do dia; A perda das folhas (caducifólia) no final da safra; Pouca exigência em solos. 130 anos, Sítio Liberdade, Pau dos Ferros-RN
  6. 6. Alguns exemplares: por idade 130 anos: sequeiro Pau dos Ferros-RN 8 anos: sequeiro Upanema-RN 40 anos: sequeiro Tabuleiro Grande-RN 70 anos: sequeiro Tabuleiro Grande-RN 16 meses: irrigada Upanema-RN 16 meses: irrigada Upanema-RN
  7. 7. Aspectos das raízes e xilopódios de uma planta de umbuzeiro Xilopódio de uma planta de cajarana em Apodi-RN Foto: Porto Filho
  8. 8. Propagação das Spondias A forma de propagação das Spondias, como a maioria das fruteiras tropicais, ocorre pelos métodos sexuais e assexuais. Porém: - Algumas seleções de cirigüela não produzem grãos de pólen férteis e nem sementes viáveis (Campbell & Sauls, 1991). - A cajarana ( umbu-cajá, cajá-umbu, umbugüela) tem mais de 90% dos endocarpos desprovidos de sementes propagam-se assexuadamente. (Souza et al., 1997) - O umbuzeiro, a cajazeira e o cajá-manga podem ser propagadas tanto por sementes como pelos métodos assexuais. SOUZA, F.X. de.; SOUSA, F.H.L.; FREITAS, J.B.S.. 1997 CAMPBELL, C.W.; SAULS, J.W, 1991.
  9. 9. Propagação da Cajaraneira PROPAGAÇÃO SEXUADA - Mais de 90% dos endocarpos são desprovidos de sementes. - Os endocarpos com sementes pouco germinam. - Acessos ocorrentes na Zona da Mata Pernambucana e do Agreste da Bahia parecem apresentar mais sementes viáveis Milhares de sementes de cajarana e 5 germinaram
  10. 10. * Plantio de varas pequenas em sacolas plásticas * Plantio de estacas grandes em viveiros ou sombras (superficial e escoradas) Propagação vegetativa da cajaraneira Estaquia  Preservação dos caracteres genéticos;  Início de produção depende, entre outros fatores, do tipo de estaca e irrigação Irrigada 2 anos e sequeiro 4 anos, aproximadamente.
  11. 11. Propagação vegetativa - Transplantio
  12. 12. Propagação da cajaraneira por enxertia No caso da cajaraneira recomendamos estudos para comprovar a existência desses benefícios. Enxertia Preservação dos caracteres genéticos. Uniformidade fenotípica dos pomares. Viabilidade de enxertia de outras spondias no umbuzeiro (aumentar tolerância à seca pela presença dos xilopódios) Espécies do gênero Spondias Ciriguela (Spondias purpurea L.) Cajá-manga (Spondias cytherea Sonn.), Cajá (Spondias mombin L.), Umbu (Spondias tuberosa Arruda), Cajarana, Cajá-umbu, Umbu-cajá, Umbuguela (Spondias sp.). Propagação assexuada
  13. 13. Propagação de Spondias por enxertia no umbuzeiro Plantas com cinco anos de idade em Petrolina – PE: A:cirigueleira, B:cajá-mangueira; C:cajazeira; D:umbu-cajazeira; E:umbugueleira; F:umbuzeiro. SANTOS, C. A. F. & LIMA FILHO, J. M. P., 2008
  14. 14. Instalação do Sistema de Irrigação (novembro de 2014) IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN Irrigação com 200 L de água/dia/planta
  15. 15. 20 a 25 dias após início da irrigação IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  16. 16. 35 a 40 dias após início da irrigação IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  17. 17. 60 dias após início da irrigação IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  18. 18. 74 dias após início da irrigação IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  19. 19. 120 a 125 dias após início da irrigação IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  20. 20. 140 dias após início da irrigação: Colocação das telas IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  21. 21. - 100 árvores - Espaçamento de 8 x 8 m (156,25 plantas/há) - Produção de 27.000 kg - 42.187,50 kg/ha 155 dias após início da irrigação: Início da colheita IRRIGAÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Exu – Tabuleiro Grande-RN
  22. 22. PRODUÇÃO DA CAJARANEIRA: Um relato de caso Fazenda Santa Maria – Tabuleiro Grande-RN Cajaraneira com 40 anos - Sequeiro em 2010, 1063,8 kg - Irrigada em 2014, 1894,3 kg 0 50 100 150 200 250 300 350 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Produção,Kg Semana Produção semanal da cajaraneira Sequeiro Irrigação 12, 1063.8 7, 1894.3 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 1800 2000 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Produçãoacumulada,Kg Semana Produção semanal acumula da cajaraneira Sequeiro Irrigação
  23. 23. Aspectos da variabilidade genética Referência para qualidade de frutos de umbu-cajazeira (Spondias sp.) para consumo. Faz. de Edilson Maia, Açu-RN Faz. em Cruz das Almas-BAFaz. do IPA, Itambé-PE In natura Processamento de polpa PH alto entre 2,2 ≥ x ≤ 3,5 ATT baixa ≥ 0,90 g/100g de ácido cítrico SST alto ≥ 9,5 ºBrix SST/ATT alto ≥ 10,0 RP - ≥ 50% DL/DT Frutos arredondados Frutos arredondados YAMAMOTO, E. L. M., 2014
  24. 24. Aspectos da variabilidade genética Variáveis: diâmetro longitudinal (DL) e diâmetro transversal (DT) do fruto, em mm, relação DL/DT, massa média do fruto (MMF), massa média da polpa (MMP), massa média da casca (MMC) e massa média do caroço (MMCR), em gramas, acidez total titulável (ATT), em % ácido cítrico, sólidos solúveis totais (SST), em oBrix, pH, relação SST/ATT, vitamina C, em mg/100g polpa; índice tecnológico (IT), em %; e rendimento de polpa (RP), em %. GEN. DL DT DL/DT MMF MMP MM C MMCR ATT pH SST VITC SST/ATT IT RP Mín. 23,2 20,6 1,0 6,8 4,0 1,0 1,0 0,8 2,5 10,1 7,7 8,3 5,6 53,3 Máx. 31,1 28,8 1,2 16,0 11,0 3,0 3,0 1,6 3,3 16,0 9,5 19,6 11,7 75,7 Méd. 27,1 24,8 1,1 10,7 7,03 1,97 1,75 1,2 2,9 13,88 9,19 12,82 9,09 65,3 CV% 7,75 8,94 3,0 24,0 27,3 29,45 31,38 22,0 8,96 11,80 6,22 30,54 18,6 9,64 Valores médios de comprimento (CF) e diâmetro do fruto (DF), em cm; peso do fruto (PF), da polpa (PP) e do caroço (PC), rendimento de polpa, % (PF/PP*100), em gramas; relação PP/PC; pH; acidez titulável (AT), em % ácido cítrico; sólidos solúveis (SS), em 0Brix; relação SS/AT; e ácido ascórbico (AA), em mg/100g polpa. Genótipo CF DF PF PP PC RP PP/PC pH AT SS SS/AT AA Mínimo 3,1 2,6 12,6 6,5 1,3 51,6 1,0 2,4 0,9 7,2 3,7 3,8 Máximo 4,8 3,8 27,2 19,1 9,3 70,2 9,3 3,0 2,6 14,0 10,6 16,4 Média 3,8 3,1 19,8 13,5 6,3 68,2 2,3 2,8 1,7 10,1 6,1 10,4 Desvio 0,4 0,2 3,9 3,0 1,5 1,2 0,2 0,3 1,5 1,4 3,5 CARVALHO, P, C. L. de. et al., 2008 YAMAMOTO, E. L. M., 2014 Variáveis físicas de frutos de 18 genótipos de umbu-cajazeira no Rio Grande do Norte Variáveis físicas de frutos de 50 genótipos de umbu-cajazeira no Estado da Bahia.
  25. 25. JARDINS CLONAIS EMPARN – IPANGUASSU-RN Prec. Anual média = 625 mm Temp. média anual = 27,8°C CIMATE-DATA.ORG IPA – ITAMBÉ-PE Prec. Anual média = 1.386 mm Temp. média anual = 24,1°C CIMATE-DATA.ORG EMBRAPA – CRUZ DAS ALMAS-BA Prec. Anual média = 1.136 mm Temp. média anual = 23°C CIMATE-DATA.ORG
  26. 26. Composição físico-química e química de alguns frutos Carbo- Fibra Vitamina Umidade Proteína Lipídeos idrato Alimentar Cinzas Cálcio Fósforo Ferro Sódio Potássio C Descrição dos alimentos (%) (g) (g) (g) (g) (g) (mg) (mg) (mg) (mg) (mg) (mg) Manga, polpa, congelada 86,5 0,4 0,2 12,5 1,1 0,4 7 9 0,1 7 131 24,9 Caju, cru 88,1 1,0 0,3 10,3 1,7 0,3 1 16 0,2 3 124 219,3 Goiaba, vermelha, com casca, crua 85,0 1,1 0,4 13,0 6,2 0,5 4 15 0,2 Tr 198 80,6 Laranja, pêra, crua 89,6 1,0 0,1 8,9 0,8 0,3 22 23 0,1 Tr 163 53,7 Acerola, crua 90,5 0,9 0,2 8,0 1,5 0,4 13 9 0,2 Tr 165 941,4 Cajá, polpa 92,4 0,6 0,2 6,4 1,4 0,4 9 26 0,3 7 148 Tr Umbu, cru 89,3 0,8 Tr 9,4 2,0 0,5 12 13 0,1 Tr 152 24,1 Cajarana 91,3 0,63 0,11 1,36 0,99 12,25 17,76 0,59 40 44 8 Tabela brasileira de composição de alimentos / NEPA., 2011. SANTOS, M. B. dos et al., 2010
  27. 27. Nutrientes na folha do imbuzeiro % estação chuvosa % estação seca Matéria Seca (MS) 16,13 87,71 Proteína Bruta (PB) 18,07 13,11 Fibra em Detergente Neutro (FDN) 37,23 35,15 Fibra em Detergente Ácido (FDA) 18,92 16,87 Digestibilidade “in vitro” Matéria Seca (DIVMS) 47,31 39,56 Tipo de folhas Quantidade de folhas consumidas (kg) Estação chuvosa Estação seca Folhas fora da copa1 Verde nos ramos 16,75 - - Maduras/secas chão - 33,25 20,68 (1) Peso total de folhas maduras e secas dispersas pelo vento. Composição e volume das folhas do imbuzeiro consumida por estação pelos animais Alimento e sombra para os animais Apresentado por: Nilton de Brito, EMBRAPA SEMIÁRIDO..
  28. 28. Comercialização - Comercialização para o consumo in natura PREÇOS NA COBAL - MOSSORÓ-RN - Na safra (sequeiro) 1,00 a 1,50 R$/kg - Na entre safra (irrigado) 2,00 a 3,00 R$/kg
  29. 29. Comercialização - Comercialização para fábricas de polpas Preço pago pelo fruto entregue na Nossa Fruta em Pereiro-CE -Safra 2014: 1,20 R$/kg -Safra 2015: 1,35 R$/kg
  30. 30. Formas de aproveitamento da cajarana Cajaranada: -Polpa de cajaranas inchadas pré-cozidas ou maduras crua -Leite -Açucar Preparo: misturar os ingredientes à gosto, bater bem no liquidificador e servir Pode-se fazer quase todas as receitas utilizadas com o umbú Coquetel: 200 g de polpa 200 mL de cachaça 250 g de leite condensado Gelo picado a gosto
  31. 31. Opções de plantio -Plantio em beiras de cercas -Plantio em áreas propícias a erosão -Plantio comercial com espaçamento 10x10 m as plantas fecham. Recomenda-se espaçamento maior (10x20 m, 15x15 m ou 20x20 m) -Plantio em picadas -Plantio em quintais
  32. 32. Necessidades para o desenvolvimento da cultura - Estudos de cultivo (produção de mudas, transplantio, espaçamento entre plantas, nutrição, seleção de melhores acessos para a indústria e/ou consumo in natura, etc...). - Estudos da desfolha, do manejo e de técnicas para irrigação. - Estudos da colheita, instalação de redes, etc... - Estudos pós-colheita, beneficiamento, transporte a granel, etc… - Estudos da comercialização (abertura de novos mercados), sêlo orgânico, etc... - Incentivar a produção (Preço justo). - Fomentar a agroindústria.
  33. 33. Considerações finais - Um agricultor com 100 plantas de sequeiro teria uma receita de: 100 plantas x 500 kg/planta = 50.000 kg de frutos 50.000 kg x 0,50 R$/kg = 25.000,00 R$/ano. - Viabilidade de irrigar, com duas safras e melhores preços na entre safra. - Pode-se irrigar apenas nos anos com disponibilidade de água. - Utilização do sistema Agro-pastoril na Caatinga - Utilização de áreas de preservação permanente (APP) ???
  34. 34. OBRIGADO !! porto@ufersa.edu.br

×