XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE
e
PRÉ-ALAS BRASIL
04 a 07 de setembro de 2012
UFPI – Teresina-PI
GRUPO...
Cine ópera, prazer sem limites? Uma etnografia imprópria no/do único
"cinema de pegação" de belém-pa
Mílton Ribeiro da Sil...
orientação sexual e de gênero em discussão ainda são empecilhos a uma
vivência plena, livre de preconceito e discriminação...
na sessão seguinte algumas das observações sobre o espaço, a dinâmica e as
pessoas.
A mancha de lazer e sociabilidade LGBT...
No início dos oitocentos, um evento importante marcou a expansão
da cidade em direção aos bairros hoje denominados Batista...
a uma origem operária, este foi, a partir da década de 1940, período final da
pesquisa de Sousa (2009), perdendo terreno n...
guetos homossexuais e, além de shows de drags queens, neles
apresentavam-se também transformistas e travestis.
Nesse conte...
Acerca dessa grande mancha, posso afirmar que corresponde ao
que Néstor Canclini (2008) chamou de “multifocalidade, police...
Imagem 1: Localização do Cine Ópera.
Fonte: Google Maps, 2012.
O Ópera, como é mais conhecido este cinema, encontra-se loc...
Foto 1: Fachada do Ópera.
Fonte: Blog Vida e Curtição Gay, 2012.
Um pouco da memória deste cinema é relatado no trecho da ...
Foto 2: Galeria de acesso ao Ópera.
Fonte: Blog Vida e Curtição Gay, 2012.
O acesso ao cinema pode ser constrangedor, mas ...
usuários, na bilheteria, que, como mostra a foto abaixo, já deixa clara a
intenção do cinema.
Foto 3: Bilheteria do Ópera....
[MILTON] A pessoa... foi... recente acho que não faz nem três meses.
[ERIC] Não, porque o que eu fiquei sabendo faz muito ...
Após a galeria, já na entrada, é possível visualizar um cinema em
decadência, possivelmente com as estruturas de sua época...
Aliás, todo o cinema é mal conservado. Com cadeiras ainda de madeira
e que nos remontam facilmente às décadas passadas. Os...
homens, uma travesti e um rapaz magrinho bem afeminado. Pergunto
a ela se muitos casais frequentavam o cinema, ela me resp...
partindo das redes de amizade, das vivências nos bares e boates, banheiros,
praças, cinemas ou em qualquer lugar que possi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cine ópera, prazer sem limites?: uma etnografia imprópria no/do "cinema de pegação" de Belém do Pará (pdf).

438 visualizações

Publicada em

Resumo: Este trabalho é resultado de pesquisa etnográfica sobre os tipos de sociabilidade e trocas erótico-sexuais masculinas no único "cinema de pegação" de Belém-PA, o Cine Ópera. Propomos, a partir da observação direta e participante no cinema e das entrevistas, tensionar aspectos relacionados às construções de gênero, sexualidade e corporalidade neste espaço de (des)prazer e (in)satisfação sexual. A partir da reconstrução das trajetórias desses sujeitos objetivamos compreender as motivações e representações sobre as práticas dissidentes relacionadas à sexualidade, ao prazer com pessoas do mesmo sexo, a masturbação e felação em pessoas/corpos/membros desconhecidos. Neste espaço moldado por masculinidades viris, por contatos e sinalizações pouco compreensíveis na escuridão do cinema, vultos transfiguram-se em corpos e performances são (re)(des)construídas.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
438
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cine ópera, prazer sem limites?: uma etnografia imprópria no/do "cinema de pegação" de Belém do Pará (pdf).

  1. 1. XV ENCONTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO NORTE E NORDESTE e PRÉ-ALAS BRASIL 04 a 07 de setembro de 2012 UFPI – Teresina-PI GRUPO DE TRABALHO GT05 - Culturas Corporais, Sexualidades e Transgressões: novas moralidades em debate na era dos Direitos Humanos Coordenadores Fabiano de Souza Gontijo (UFPI) e Laura Moutinho (USP) Cine Ópera, prazer sem limites? uma etnografia imprópria no/do único "cinema de pegação" de Belém-PA Milton Ribeiro da Silva Filho | UFPA | mfo@ufpa.br Francisco Moreira Ribeiro Neto | UFPA | netodellmar@hotmail.com
  2. 2. Cine ópera, prazer sem limites? Uma etnografia imprópria no/do único "cinema de pegação" de belém-pa Mílton Ribeiro da Silva Filho1 Francisco Moreira Ribeiro Neto2 Resumo: Este trabalho é resultado de pesquisa etnográfica sobre os tipos de sociabilidade e trocas erótico-sexuais masculinas no único "cinema de pegação" de Belém-PA, o Cine Ópera. Propomos, a partir da observação direta e participante no cinema e das entrevistas, tensionar aspectos relacionados às construções de gênero, sexualidade e corporalidade neste espaço de (des)prazer e (in)satisfação sexual. A partir da reconstrução das trajetórias desses sujeitos objetivamos compreender as motivações e representações sobre as práticas dissidentes relacionadas à sexualidade, ao prazer com pessoas do mesmo sexo, a masturbação e felação em pessoas/corpos/membros desconhecidos. Neste espaço moldado por masculinidades viris, por contatos e sinalizações pouco compreensíveis na escuridão do cinema, vultos transfiguram-se em corpos e performances são (re)(des)construídas. Palavras-chave: Cine Ópera, “Cinema de pegação”, Sexualidade. Entrada O texto que aqui apresentamos é fruto de um esforço conjunto, situados em momentos diferentes das vivências acadêmicas de cada um dos autores: a primeira pesquisa foi desenvolvida entre os anos de 2010 e 2012 e originou uma dissertação de mestrado, defendida em março de 2012, e a segunda é uma pesquisa iniciada em 2011, que resultará num trabalho de conclusão de curso, ainda em fase de construção. A pesquisa de mestrado versou sobre os tipos de sociabilidade que os LGBT estabelecem na cidade de Belém, assim como um mapeamento do circuito GLS, com ênfase nos bares e boates. Tinha, ainda, por objetivo, investigar como os LGBT dinamizam suas vidas e estilos de ser/viver na cidade, a partir do campo de possibilidades aberto com a assunção de uma sexualidade e/ou gênero dissidente. Como resultado desta, conclui-se que a 1 Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, área de concentração em Antropologia, da Universidade Federal do Pará. E-mail: mfo@ufpa.br 2 Graduando do 5º semestre de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará. E-mail: netodellmar@hotmail.com.
  3. 3. orientação sexual e de gênero em discussão ainda são empecilhos a uma vivência plena, livre de preconceito e discriminação, seja na casa, na família, ou na rua, no circuito GLS, pois as prescrições e imposições heteronormativas são uma referência para uma vivência mais próxima do aceitável, principalmente na construção e visibilidade de si (SILVA FILHO, 2012). Na segunda pesquisa, ainda em curso, o objetivo é compreender a dinâmica homoerótica de indivíduos não-gays ou não-homossexuais e que também não se enquadram na categoria “bissexual”, dizendo apenas que “curtem homens”, mas que estão no “cinemão” para extravasar sentimentos e/ou tesões por outros homens, num clima de total escuridão e impessoalidade. Com isso em vista, esta pesquisa, que está em sua fase de campo, se desenrolará com a possibilidade de entender, também, as representações desses homens que frequentam e interagem sexualmente com outros homens, tendo em vista seus discursos sobre gênero, sexualidade e corpo, sua relação de (im)pessoalidade e o (não) distanciamento entre os corpos. Visto que os espaços de encontro homoerótico estão distribuídos em Belém de forma heterogênea, podendo estar tanto em bairros de classe média alta, compondo a atual mancha de lazer e sociabilidade da cidade, quanto em bairros periféricos, mais afastados e geralmente de classe baixa, vislumbramos com esse trabalho apresentar, de maneira breve, o único “cinema de pegação” da capital paraense. Os dados de campo aqui apresentados fazem referência, como dito anteriormente, a duas pesquisas em fases distintas: uma já concluída e a outra em construção. Os trechos de entrevistas3 aqui apresentados fazem parte das entrevistas realizadas para a dissertação e algumas descrições e impressões do lugar e das pessoas são resultado da pesquisa de campo em andamento. Com essa explicação, pretendemos apenas acentuar a dificuldade que é escrever um texto em parceria com outro pesquisador, em momentos distintos de suas trajetórias acadêmicas, fruto de dois olhares diferentes, de dois momentos diferentes. Não é por isso que deixamos de antever questões éticas envolvidas na feitura de um material em parceria. Isto posto, apresentaremos 3 Os nomes das/dos interlocutoras/es são fictícios.
  4. 4. na sessão seguinte algumas das observações sobre o espaço, a dinâmica e as pessoas. A mancha de lazer e sociabilidade LGBT na capital paraense A cidade de Santa Maria de Belém do Grão-Pará foi fundada, em 12 de janeiro de 1616, por Francisco Caldeira Castelo Branco, que erigiu a edificação-marco do desenvolvimento urbano da cidade, o Forte do Presépio – Forte do Castelo4 anteriormente–, às margens da Baía do Guajará. A escolha para construção deu-se pela localização privilegiada do terreno, pois este se encontra na foz do Amazonas, “ao sul do estuário amazônico e protegido do oceano, este forte contribui para a expansão lusa no norte do Brasil5 ”, ponto estratégico de combate aos ingleses e holandeses6 , e que “desempenhou um importante papel na ocupação da região7 ”. Ainda no século XVII, com a expansão da cidade e do consequente desenvolvimento urbano, a cidade contava com três freguesias: Sé, Campina e Trindade. A primeira era conhecida à época como Cidade, onde hoje é o bairro da Cidade Velha. A segunda, na área imediatamente contígua, onde hoje se encontra o, quase extinto, bairro da Campina. E a terceira nas imediações do que conhecemos hoje como o bairro do Comércio. Na virada do século XIX para o XX, a cidade agregava mais uma freguesia, a de Nazaré – onde a referência hoje em dia é a Basílica de Nazaré. Assim a cidade crescia em todas as direções. A antropóloga Carmem Izabel Rodrigues (2008, p. 98), no texto em que descreve a formação do bairro do Jurunas, seu objeto de análise, diz que 4 Rodrigues (2008, p. 94) afirma que o Forte do Presépio sofreu inúmeras intempéries sendo “reconstruído e substituído na primeira metade do século XVIII pelo Forte de Castelo do Senhor de Santo Cristo”. 5 Cf. Almeida, 2008, p. 53. 6 “Nos dois eixos de extensão do sítio inicial (no sentido do Guajará e no sentido do rio Guamá), a expansão se fez tanto por meio de lutas contra os índios que resistiam à ocupação da terra e das águas na ilha grande de Joannes (hoje ilha do Marajó), no Guajará, porta de entrada dos navegadores invasores, assim como nas margens do rio Guamá, onde se localizavam, à época, grupos tupinambás, como também por meio de acordos de paz, trocas e negociações com diversos grupos indígenas que se misturaram, desde então, à população do núcleo que se constituía, como trabalhadores escravizados ou cooptados, ocupando, desde o início, parte do espaço da cidade, especialmente os arrabaldes, que já habitavam antes da chegada dos portugueses.” (RODRIGUES, 2008, p. 94-95). 7 Cf. Souza, 1997, p. 14.
  5. 5. No início dos oitocentos, um evento importante marcou a expansão da cidade em direção aos bairros hoje denominados Batista Campos, Jurunas, Condor, Cremação e Guamá: o aterramento do igarapé do Piry, um braço do rio Guamá que desaguava na baía do Guajará; a partir de então surgiram novas ruas e avenidas, ligando o centro da cidade aos arrabaldes paralelos ao Guamá. Com o aterramento, a estrada das Mongubeiras (hoje Almirante Tamandaré) ligou o largo do Bagé, no Arsenal de Marinha, ao largo da Pólvora e à estrada de Nazaré, que dava acesso ao único caminho terrestre de saída da cidade. Essa expansão da cidade, para o norte, evidencia o crescimento urbanístico de Belém, com inúmeras construções sendo erguidas, ruas e bairros sendo criados, estradas sendo alargadas e um processo de saneamento sendo implementado; isso tudo isso ligado à economia do ciclo da borracha, do século XIX. E, emergem nesse momento, dois importantes pontos atuais de sociabilidade: a Doca, no bairro do Reduto, e a Praça da República. Através do sistema de escoamento dos canais de águas pluviais, havia uma ligação entre o antigo Largo da Pólvora – atual Praça da República – e a Doca do Reduto8 – hoje Avenida Visconde de Souza Franco – e após a terraplanagem dessa área, em meados do século XIX, e contando com uma “aprazível localização e seu dinamismo comercial” a cidade ganhou um novo “cartão-postal” (SOUSA, 2009, p. 32-33). Com todas essas modificações ocorrendo na cidade, em finais do século XIX e início do XX, o bairro do Reduto passou a ocupar uma característica interessante, pois sua “localização junto aos terminais de transporte fluvio-marítimo favoreceu o surgimento de unidades fabris na área central ou em áreas próximas a esta, como era o caso do Reduto” (SOUSA, 2009, p. 67). Com isso, prédios para servirem de fábricas foram construídos e casas para abrigar a mão-de-obra operária também foram erguidas. A partir deste ponto é que pretendo desenvolver algumas das minhas hipóteses, pois com o processo de estigmatização que ligava o Reduto 8 “A conversão de igarapé do Reduto se iniciou em 1851, mas somente atingiu uma forma mais regular e duradoura em 1859 quando passou a ser chamada de Doca do Imperador, posteriormente, Doca do Reduto.” (SOUSA, 2009, p. 32). “A Doca do Reduto recebia as águas pluviais que vinham do antigo Largo da Pólvora (atual Praça da República) por meio de esgotos laterais construídos a partir do calçamento da Estrada do Paul d’Água. A partir dessa obra e do calçamento de várias ruas do Reduto realizados no final do século XIX o problema de saneamento das terras baixas predominantes na área foi sensivelmente reduzido, porém somente na segunda metade do século XX é que o problema das enchentes no bairro foi parcialmente solucionado, como trataremos mais adiante” (SOUSA, 2009, p. 33).
  6. 6. a uma origem operária, este foi, a partir da década de 1940, período final da pesquisa de Sousa (2009), perdendo terreno no mercado imobiliário, porque não tinha para onde se expandir, sendo deixado de lado em detrimento do bairro vizinho, o Umarizal. Mas esse é um tema que merece mais investigação, histórica e antropológica. Portanto, acredito que muitas das construções residenciais e industriais foram abandonadas, o que pode se observado fazendo-se uma rápida visita pelo bairro e verificando-se o nível de deterioração de algumas edificações, e num momento posterior foram compradas por empresários que almejavam desenvolver neste bairro um circuito de lazer. Na pesquisa desenvolvida pela antropóloga Telma Amaral Gonçalves (1989) com homossexuais na cidade de Belém na década de 1980, a autora não explicita nenhum lugar dos lugares de interação e sociabilidade entre os LGBTs; a não ser pelo Bar do Parque, na Praça da República, que surge com “uma frequência bem expressiva de homossexuais de ambos os sexos sendo que, particularmente à noite, quando o movimento aumenta no local, pode-se observar, além disso, um número razoável de prostitutas e, também, de travestis que fazem da prostituição o seu meio de vida.” (p. 7-8). Izabela Souza (1997), que desenvolveu uma pesquisa sobre as “tribos urbanas” da capital paraense, no contexto chamado por ela de “pós- moderno” – essa pesquisa inclui, ainda, uma observação sobre a dinâmica das drag-queens –, evidenciou no trabalho alguns lugares do circuito de sociabilidade juvenil em Belém, na década de 1990. Assim, aparecem, na etnografia, as boates Athenas e Zeppelin Club, conhecidos clubes mix9 da capital naquela década; assim como a Praça da República, lugar onde ela fez quase todo o campo. Então, ela ajuda a reconstituir o panorama deste circuito, a saber: Atualmente, além dos espaços que anteriormente eram comuns às drags, após 1995, se configurou na cidade uma espécie de território circunscrito, que não se restringia apenas a boates gays. Casas noturnas como o Bar La Nuit (Rua Doutor Moraes, 581), o 407 Night Club (Av. Gentil Bittencourt, 407), o Bar Lual (Trav. Rui Barbosa), a Boate Eqquos (Rua 28 de Setembro) são locais que já existiam como 9 Eram clubes que não faziam diferença de público, podendo congregar homens e mulheres, homossexuais e heterossexuais, assim como as travestis e transexuais, ou seja, congregavam também as sexualidades e gêneros dissidentes. Todas as boates descritas acima não existem mais.
  7. 7. guetos homossexuais e, além de shows de drags queens, neles apresentavam-se também transformistas e travestis. Nesse contexto, até o referido momento podia-se dizer que as drags ficavam muito restritas aos guetos homossexuais, frequentados por “iguais” ou “informados”. Outros bares e boates foram inaugurados e abriram suas portas para apresentações de drag queens, como o atualmente extinto Bar Go Fish (Trav. Rui Barbosa entre Av. Brás de Aguiar e Av. Nazaré), a boate Doctor Dance (Rua Boaventura da Silva entre Trav. Quintino Bocaiúva e Av. Visconde de Souza Franco), a Boate Mix (Trav. Almirante Wandenkolk entre Rua Antônio Barreto e Rua Diogo Móia). (SOUZA, 1997, p. 153) Sendo assim, atualmente, esta praça10 possui alguns coretos, um anfiteatro, um pequeno teatro experimental e um amplo gramado que servem de ponto de encontros e sociabilidade entre jovens e adultos; abriga ainda, o Bar do Parque, reduto da boemia da capital paraense nas décadas de 1970 e 1980, e o Teatro da Paz, construção que data de 1878, símbolo do período da borracha. E, durante muitos anos, a mesma recebeu a Parada Militar de 7 de Setembro – que acontece agora na Aldeia Cabana – e por ela ainda passam a Trasladação e a Procissão do Círio de N. S. de Nazaré11 , a Parada do Orgulho LGBT, sem falar da Festa da Chiquita. Comumente, é o ponto de chegada, nas manhãs de domingo dos meses de junho e outubro, do cortejo festivo comandado pelo grupo cultural “Arraial do Pavulagem”. Então, por tudo isso, a praça continua sendo um ponto de encontro e localização na cidade de Belém. De acordo com o exposto até agora, fica evidente que o bairro do Reduto e arredores, assim como a Praça da República (na imagem abaixo), configura[ra][m], pelo menos nos últimos 20 anos, uma grande mancha de lazer e sociabilidade juvenil. 10 Ainda, de acordo com Souza (2009, p. 45): “Deve-se aos intendentes Arthur Índio do Brasil, Barão do Marajó, Dr. Silva Rosado e Antônio José de Lemos, as principais reformas e melhoramentos introduzidos no logradouro, como o calçamento das ruas que o delimitam, a instalação de diversos equipamentos decorativos, o assentamento de monumentos e coretos, e principalmente a conformação de seu aspecto paisagístico, havendo a delimitação de passeios e jardins internos, fazendo com que a Praça ganhasse, em fins do século XIX e início do século XX, os contornos e perfis que hoje a caracterizam”. E continua: “Dentre os monumentos presentes na praça, vale ressaltar o da República, cuja pedra fundamental foi assentada em 15 de novembro de 1890, no governo de Justo Leite Chermont, que desejou comemorar um ano de proclamação da república com a instalação do referido monumento, feito pelo escultor genovês Michele Sansebastiano.” 11 A procissão do Círio acontece no segundo domingo de outubro, pela manhã, e faz o sentido inverso à Trasladação. Enquanto que esta “leva” a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré até a Catedral Metropolitana de Belém (Igreja da Sé), no sentido Nazaré-Cidade Velha, a primeira faz o contrário, retornando com a imagem para a Basílica de Nazaré, sentido Cidade Velha-Nazaré. A Trasladação acontece nas noites do sábado que antecede ao Círio e o próprio Círio acontece aos domingos pela manhã, sempre no segundo domingo do mês de outubro.
  8. 8. Acerca dessa grande mancha, posso afirmar que corresponde ao que Néstor Canclini (2008) chamou de “multifocalidade, policentricidade e polissemia” característica das grandes cidades, que divide as mesmas em várias áreas, centros e sentidos. Portanto, a praça e o Reduto carregam esses sentidos variados, principalmente para quem usufrui desses espaços e nele inscreve seus próprios fluxos, criando fronteiras simbólicas e se mesclando ao hibridismo possibilitado pelas grandes cidades (HANNERZ, 1997). “Cinema de pegação” ou “cinemão”: o Ópera no contexto belemense Entre os anos de 2010 e 2012, quando da realização da pesquisa de campo para o mestrado, contabilizava-se na cidade de Belém: seis boates (Malícia, Lux, Hache, Rainbow, Vênus e R4 Point), dois bares (Bar da Ângela e Veneza), quatro saunas (Calypso, Paradise, Reduto e Thermas 21) e um cinema (Cine Ópera); dentro do que consideramos como circuito GLS da cidade. Excetuando-se esses, ainda existem outros pontos de sociabilidade homoerótica, como: o sex shop “Comprinhas Quentes” com cabines individuais de projeção e locação de vídeos pornôs, localizado no Telégrafo; os banheiros dos shopping centers e das grandes lojas de departamentos, localizadas nos mais diferentes bairros da cidade; a Doca; e a não menos observável Praça da República, tradicional ponto de sociabilidade homoerótica, prostituição e michetagem, localizada no centro da cidade. Com uma configuração distinta às saunas, que também ajudam a compor a cena gay de Belém e que também são locais de sociabilidade mediados pelo comércio, existe no bairro de Nazaré, centro da cidade, o único “cinema de pegação” em que os contatos homocorporais são permitidos e incentivados, a partir da exibição de filmes pornôs HT12 durante todas as sessões. 12 De heterossexual e refere-se à classificação da indústria de entretenimento adulta, na qual os filmes são classificados de várias maneiras, mas que para esse momento não é importante explicitar.
  9. 9. Imagem 1: Localização do Cine Ópera. Fonte: Google Maps, 2012. O Ópera, como é mais conhecido este cinema, encontra-se localizado na Av. Nazaré, em frente ao Centro Arquitetônico de Nazaré, lugar que abriga a Basílica de Nazaré, símbolo máximo da Festa de Nazaré, da qual o Círio de N. S. de Nazaré faz parte, conforme imagem acima. O CAN, como também é conhecido o Centro Arquitetônico, é uma praça em frente à Basílica onde há época dos festejos, em outubro de todos os anos, montam-se o Arraial de Nazaré, com parque de diversões e barracas no estilo junino. Atualmente, o Ópera se encontra ladeado por duas lojas: uma de apetrechos para fantasias, O Mandarim (da galeria da qual o cinema faz parte), e outra de departamentos, as Lojas Americanas (que ocupou o lugar onde antes ficavam duas antigas salas de cinema, o Nazaré 1 e 2), de acordo com foto abaixo. Este cinema, desde sua fundação até os dias de hoje, é um ponto comercial de velada contestação homoerótica, embora exiba filmes heterossexuais, pois está situado próximo à igreja que representa a presença do catolicismo na capital paraense.
  10. 10. Foto 1: Fachada do Ópera. Fonte: Blog Vida e Curtição Gay, 2012. Um pouco da memória deste cinema é relatado no trecho da matéria abaixo: O último exemplo de fechamento de cinema em Belém é o do Ópera, vizinho dos Cines Nazaré. O Cine Ópera já encerrou suas atividades de exibição cinematográfica como era previsível, embora de forma imperceptível, pois o grande público de cinema não mais freqüentava a sala inaugurada em 1961, como me apresso a explicar, antes de ser contestado. O Cine Ópera conservou, até recentemente, um galardão nada invejável de ser o único cinema do Brasil a exibir, em película, filmes pornográficos. Os raros cinemas que ainda resistem utilizam o sistema digital. Com o fim das distribuidoras desse gênero, o Ópera adquiriu as últimas fitas remanescentes e, com esse material mais do que surrado (e canibalizado), ficou projetando repetidamente partes misturadas dos vários filmes existentes. Para os atuais espectadores do cine Ópera, o que menos interessa é o que está sendo exibido e não preciso dizer mais nada. Quero me ater ao fato de que, com programação regular, o cine Ópera deixou de ser sala exibidora de filmes. Ou, para ser mais claro, deixou de ser cinema (CARNEIRO in Portal ORM, acesso em 05/06/2012) Para se ter acesso ao cinema é preciso entrar na galeria, no interior do qual estão distribuídas lojas e lanchonetes, e onde, ao fundo, encontra-se a sala propriamente dita. Este cinema é o único que restou dos antigos cinemas de rua em Belém. E o segundo mais antigo em funcionamento na capital, perdendo apenas para o Cine Olympia, com seus 104 anos.
  11. 11. Foto 2: Galeria de acesso ao Ópera. Fonte: Blog Vida e Curtição Gay, 2012. O acesso ao cinema pode ser constrangedor, mas embora exista essa áurea de coerção, que poderia representar o sentimento de abjeção por aqueles que praticam sexo com pessoas do mesmo sexo, pois sabe-se claramente o que se faz, ou pelo menos o que se espera que façam, naquela sala. Em detrimento a isso, o cinema sempre está movimentado, em alguns dias a lotação chegando quase ao máximo. Em um local onde a entrada é permitida só para maiores de 18 anos, encontro no relato de uma interlocutora, como esta, à época menor de idade, conseguiu acessar este cinema sem maiores problemas. Evidenciando com isso os manejos e dribles possíveis no acesso tanto ao cinema, quanto à construção de si, mediados por laços de amizade e sociabilidade: (sobre a primeira ida ao Ópera) [MILTON] Que tu foi pro Ópera? [LAVÍNIA] Sim. Foi que eu fui pro Ópera com os meus amigos. É, eu não lembro como eu foi que eu consegui entrar com 13 anos, naquele cinema, né, proibido. Mas entrei, foi uma coisa, assim, estranha, sabe?! Eu não sei te explicar! Ao mesmo tempo me deu desejo, me deu medo, me deu tudo, né?! E os amigos naturalmente, como se já tivesse a carteirinha dali, né?! E eu não, sabe?! Para se chegar à roleta, na entrada da sala, é preciso passar antes, além das lojas e lanchonetes, acompanhados de olhares curiosos de seus
  12. 12. usuários, na bilheteria, que, como mostra a foto abaixo, já deixa clara a intenção do cinema. Foto 3: Bilheteria do Ópera. Fonte: Blog Vida e Curtição Gay, 2012. Os ingressos custam r$ 10, com a possibilidade de meia-entrada, porém é quase impossível comprá-las, sempre com a justificativa do bilheteiro de que já foram vendidas as cotas e que a lotação do cinema está no máximo, fato quase sempre desmentido, quando se adentra o recinto. Os curiosos, ou como diz João Silvério Trevisan (2000), os “suspeitos” (que seriam os simpatizantes, o “S” da sigla GLS), quase sempre procuram o lugar como ponto de encontro e contato sexual, pois sua fama atinge tanto os homo quanto os hetero-orientados, uma vez que a fama do cinema como um lugar de pornografia e sujeira é notoriamente conhecida na capital paraense, como demonstra o trecho de entrevista abaixo: (sobre o Ópera) [ERIC] Um amigo meu hetero falou que tinha ido lá. Aí, fizeram o “caminho do inferno” pra querer agarrar as pessoas. Ele falou que viu gente fazendo sexo oral. [MILTON] Mas aí ele falou se era homem com home? [ERIC] Sim, homem com homem. Até porque lá só vai homem, né?! [MILTON] Basicamente. [P. H] Porque, eu não sei se é verdade, mas parece que mataram uma pessoa lá! [MILTON] Recentemente. Não que mataram, morreu... [ERIC] Foi?
  13. 13. [MILTON] A pessoa... foi... recente acho que não faz nem três meses. [ERIC] Não, porque o que eu fiquei sabendo faz muito tempo. Que mataram uma pessoa lá dentro. Não sei se é verdade, nem sei quando foi isso. Quando ele falou isso nessa época eu nem tive coragem de ir. Aí, eu fui com esse meu amigo que vai fazer oito anos e tal. Aí, a gente foi lá pra ver como é que era, curiosidade. Ainda fez parte daquele, digamos assim, daquele momento de curiosidade, de conhecer coisas novas, foi no pacote. Deixa eu ver quando foi isso... [MILTON] Foi com a turma da praça da república? [ERIC] Foi com um deles que frequentava a praça, mas foi esse que eu conheci, em 2004 na Go!, que é meu amigo até hoje e que mora perto da Rainbow. Aí, a gente foi. Só que a gente não se sentiu bem. Porque é meio, sei lá, promiscuidade. Não era uma coisa que a gente estava disposto a fazer. Chegamos lá pra conhecer. Passava filme. E tinha travesti lá, tava andando por lá. Mas era assim: ou era homem ou era travesti, não tinha mulher. Aí, alguns caras ficavam só, de longe assistindo. Alguns ficavam se masturbando, no banco. E eu percebi que... parece que eu tava fazendo uma pesquisa, eu tava reparando em tudo. Aí, tinha um caraça que tava se masturbando, lindo, sabe?! Ele tava com capacete, aí, foi um rapaz fazer sexo oral nele e ele não deixou. Eu acho que ela tava só, enfim, assistindo. Aí, eu vi que ficavam pulando de um banco pro outro, eles faziam lá mesmo, né?! (Trecho da entrevista com ERIC, 27 anos, 24/01/2012). O trecho acima revela a alma do lugar. Ou pelo menos a imagem que se faz dele. Marcada pelo o estereótipo. De um lugar sujo, perigoso. Com público para todos os gostos. Lugar da impessoalidade, onde qualquer um pode entrar, mas que deverá manter-se anônimo, na escuridão, e sem muitas conversas. A imagem abaixo, de uma conversa capturada no site de relacionamentos Orkut, evidencia o ar de imprevisibilidade que o cinema traz: Imagem 2: Conversa sobre o Ópera no Orkut. Fonte: Pesquisa de campo, 2012.
  14. 14. Após a galeria, já na entrada, é possível visualizar um cinema em decadência, possivelmente com as estruturas de sua época de fundação, década de 1960. À entrada é possível ver, logo a frente, um velho sofá onde pessoas podem sentar e conversar. À direita, temos a escada, que dá acesso ao mezanino (uma pequena sala que dá visão à sala maior, do piso térreo) e à entrada para a sala do térreo. Na parede da escada, ainda no térreo, é visível uns cartazes de filmes pornôs antigos, todos HT. À esquerda, existe a saída. E entre a saída e entrada, na parede em que se recosta o sofá, há uma sala, que fora transformada em cabines, para sexo privativo. O valor cobrado para acessá-las é o dobro do cobrado na entrada e consta na bilheteria como camarote. Quando se alcança a sala principal, no térreo, é possível enxergar a magnitude da sala. Onde é possível acomodar, sentadas, 300 pessoas, facilmente. Sem contar os lugares do mezanino, o que somaria umas 30 pessoas a mais. Na extremidade oposta à entrada, encontra-se a enorme tela de projeção. E do seu lado direito, um pequeno banheiro, iluminado e pouco freqüentado (se comparado ao de cima, escuro e com trânsitos constantes). Foto 4: Interior do Ópera. Fonte: Fotolog Gaby Thais, 2012.
  15. 15. Aliás, todo o cinema é mal conservado. Com cadeiras ainda de madeira e que nos remontam facilmente às décadas passadas. Os banheiros, quase sem revestimento nas paredes, estão sempre imundos e fedidos, porém isso não impede o tráfego constante neles. Os mesmos não possuem portas, elemento esse que seria um impedimento a mais na busca por sexo. O trânsito entre os banheiros, o mezanino e a sala do térreo é constante, quase sempre sendo possível observas bundas nuas, paus em riste e mamadas vorazes entre os frequentadores. No banheiro de cima, que integra o mezanino, a porta cedeu lugar a apenas um tecido, que a cobre até a metade, sendo que do torso para baixo as pessoas ficam visíveis a quem estiver na pequena sala. É comum vermos mais de duas pessoas nos banheiros, quase sempre se tocando ou masturbando-se ou transando. Os convites e contatos para esses tipos de interação não são homogêneos ou disseminados, tendo cada um sua forma de abordagem. Signos comuns ainda não encontraram espaço neste ambiente, onde além do público ser volátil e “imprevisível” eles não se conformam enquanto unidade e/ou comunidade e/ou grupo. Entre os frequentadores assíduos do cinema é quase sempre possível encontrar um novato, que estará ali de passagem, e que poderá não estar interessado num intercurso sexual com alguém do mesmo sexo. Há pouca circulação de mulheres no local. Quando vão, nunca estão sozinhas. A não ser que freqüentem o local a mais tempo, que já sejam parte daquele cenário, como a interlocutora do trecho abaixo. No entanto, há freqüência de travestis e transexuais. Elas, quase sempre, estão observando e selecionando um possível parceiro. Ou estão a espreita de uma/um novata/o que invadiu-lhes o território. No trecho abaixo, uma rápida configuração do cinema é desnudada: Na ida, observo uma mulher me olhando de ponta de olho como se me reconhecesse claramente, mas se ressentia em se pronunciar e eu não corresponder. Apresento-me a ela e apertamos as mãos, ela chame-se Flor (nome fictício). Pergunto de cara se ela frequentava há muito tempo o cinema, no que ela me responde que há pelo menos uns dez anos. Ela tinha entre trinta e quarenta anos, estatura baixa, branca e loira. Anteriormente, dentro do cinema, quando desci para a sala maior, ela havia me acariciado o braço e se oferecido para me fazer um sexo oral, no que eu muito educadamente respondi que “hoje não, quem sabe outro dia?!”. Ela respondendo: “Tá legal”. Duvidei, nesta ocasião, se ela era mulher, pois só havia ela, muitos
  16. 16. homens, uma travesti e um rapaz magrinho bem afeminado. Pergunto a ela se muitos casais frequentavam o cinema, ela me responde que “muitos poucos, assim como poucas mulheres”. Afirmando, em tom meio jocoso, que “dava muita bicha” e que se eu não quisesse ser “chupado” por “eles” que viesse às terças, quando ela também vem. Despeço-me e sigo para parada de ônibus (Trecho do Diário de Campo, novembro de 2011). Existem também aqueles homens que só querem se masturbar. Sendo estes menos sujeitos ao sexo. E que vão ao cinema por ser um local em que tal prática é vista como corriqueira. A diferença entre este e um que quer ser mamado só é entendida na aproximação. Pois em nada se diferenciam, seja na performance, seja esteticamente. E será na hora da abordagem que as respostas surgirão. Este momento é extremamente delicado, principalmente para nós pesquisadores, pois temos que selecionar possíveis interlocutores e podemos ser mal interpretados no momento da abordagem. E também é mais difícil conversar num local como esse. Com sujeitos que estão com intenções diferentes da sua, como no caso relatado a seguir: Ao sair do banheiro do andar superior sento bem ao lado de dois homens que estão praticando sexo oral. Eles tinham entre trinta e trinta e cinco anos, são negros e já estavam ali há mais de meia hora. Estava eu, como um voyeur, olhando atentamente para o pênis e para a boca que o revestia em movimentos ordinariamente prazerosos. O que recebia o sexo oral me olhava pensado que eu talvez quisesse participar, pois anteriormente este homem estava no canto da sala revezando seu pênis entre as bocas de dois outros rapazes. Seu pênis era grosso com uns dezesseis centímetros de comprimento e a boca do outro o cobria por vezes completamente, aliás, fazia até um som surdo devido à rapidez com que friccionava o pênis (Trecho do Diário de Campo, novembro de 2011). Saída O público deste lugar é composto basicamente por gays, homens que transa com outros homens, travestis, transexuais e mulheres, em menos proporção. Durante as nossas conversas, o Ópera era quase sempre era mencionado como lugar propício ao contato sexual, pois a demanda erótico- sexual é facilitada pelo clima à meia-luz do cinema, sendo referendado como um lugar propício à transa ocasional, pois já foi mais famoso e vistoso na paisagem da cidade, mas que agora é retratado como um lugar de decadência. Desse modo, constatamos que existem inúmeras maneiras de se construir e vivenciar gêneros e sexualidades dissidentes na vida off-line –
  17. 17. partindo das redes de amizade, das vivências nos bares e boates, banheiros, praças, cinemas ou em qualquer lugar que possibilite a “pegação”. Referências CANCLINI, Néstor. Imaginários culturais da cidade: conhecimento/espetáculo/ desconhecimento. In: ______. A Cultura pela Cidade. São Paulo: Iluminuras/Itaú Cultural, 2008. (p. 15-31) CARNEIRO, José. O fim de todos os cinemas de rua, que pena! Disponível em: <http://www.portalorm.com.br/plantao/imprimir.asp?id_noticia=335589>. Acesso em 05/06/2012. GONÇALVES, Telma Amaral. Homossexualidade – representações, preconceito e discriminação em Belém. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Ciências Sociais). Belém. UFPA, 1989. HANNERZ, Ulf. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da Antropologia Transnacional. In: Mana, v. 3, n. 1, abril de 1997. (p. 07-39) RODRIGUES, Carmem Izabel. À beira do Rio Guamá... um bairro em movimento. In: BELTRÃO, Jane Felipe e VIEIRA JUNIOR, Antônio Otaviano (org). Conheça Belém, Co-memore o Pará. Belém. EDUFPA, 2008. (p. 93-107) SILVA FILHO, Mílton Ribeiro da. Na rua, na praça, na boate: uma etnografia da sociabilidade LGBT no circuito GLS de Belém-PA. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais, área de concentração em Antropologia) – Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais/UFPA. Belém, 2012. TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso. Rio de Janeiro. Record, 2000. Blogs, Fotologs e Matérias Foto do interior do Ópera <http://www.fotolog.com.br/gabythais/25565852/>. Acesso em 05/06/2012. Fotos do Ópera <http://vidaecurticaogay.blogspot.com.br/2011/10/fds-em-belem-do-para-calor- e-folia.html>. Acesso em 05/06/2012.

×