Tabela Matriz Novo Curso

200 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tabela Matriz Novo Curso

  1. 1. Tabela matriz a utilizar para a realização da 1ª parte da tarefa, conforme indicações do Guia da Sessão Conhecimento na área Biblioteca escolar Domínio Aspectos críticos que a Literatura identifica Pontos fortes Fraquezas Oportunidades Ameaças Desafios. Acções a implementar Competências do professor bibliotecário . Liderança . Formação em Tecnologia da Informação. . Planeamento Curricular. .Professora do Quadro de Escola há 13 anos. .Conhecedora de toda a comunidade educativa, sendo Presidente do Conselho Geral. . Pertencia à equipa no ano lectivo anterior. . Professora a tempo inteiro. . Primeiro ano como Professora Bibliotecária. . Ainda se verifica um fraca articulação entre os departamentos e a BE, devido à sua curta existência ( cerca de 2 anos ). . Formação Especializada. . Tempo para formação. . Professora Bibliotecária a tempo inteiro. . Constituição da equipa com vários elementos. . Coordenadores inter-concelhios. .Formação na área, disponibilizada pela RBE e DGIDG e Centros de Formação. . Falta de Legislação. . O professor bibliotecário ainda não é encarado como um recurso valioso no processo de ensino /aprendizagem. . Participação activa junto dos Departamentos e Conselhos de Turma. . Envolvimento na elaboração dos docs orientadores do Agrupamento. . Divulgação dos trabalhos realizados na BE, que contribuam para o sucesso educativo.
  2. 2. Conhecimento na área Biblioteca escolar Organização e Gestão da BE . Manual de Procedimentos. . Disponibilização de materiais e recursos de informação para uso nas práticas lectivas. . Desenvolvimento de uma actividade sistemática de recolha de informação. . Integração das BE´ s no desenvolvimento curricular. . Constituição de uma equipa que assegure as rotinas inerentes à gestão, que articule e trabalhe com a escola, professores e alunos. . Espaço organizado e adequado. . A BE está integrada no Projecto Educativo e PAA, R.I. do Agrupamento . Financiamento - Falta de orçamento próprio. . Falta de recursos materiais. . Apoio da coordenadora inter – concelhia, órgão de gestão e entidades locais. . Os professores da equipa tem poucas horas de apoio à BE. . Não há horas para professores colaboradores. . Elaboração e actualização dos documentos inerentes à gestão e organização da BE. . Produzir materiais e disponibilizar recursos que sirvam de apoio às aprendizagens.
  3. 3. Conhecimento na área Biblioteca escolar . Desenvolvimento de competências de leitura e de literacia da informação. Gestão da Colecção .Definição de uma política documental. . Disponibilização de um conjunto de recursos de informação, em diferentes ambientes e suportes, actualizada e em extensão e qualidade adequadas à necessidades dos utilizadores. . . Actualização da colecção. . Orçamento reduzido para actualização da colecção. . Apoio da R.B.E. e do PNL. . Ausência de uma política documental. . Elaboração do “ Plano de Desenvolvimento da Colecção”. A BE como espaço de conhecimento e . Articulação com os departamentos, . Reuniões semanais da
  4. 4. Conhecimento na área Biblioteca escolar aprendizagem. Trabalho colaborativo e articulado com Departamentos e docentes. professores e alunos na planificação e desenvolvimento de actividades educativas e de aprendizagem. . As BE’ estão integradas no Projecto Educativo e Regulamento Interno das escolas. . Desenvolvimento de competências de leitura e de um programa de literacia da informação, integrado no desenvolvimento curricular. equipa para planificação das actividades com vários ciclos de ensino e com várias estruturas. . Desenvolvimento de actividades com o Departamento de Línguas, Matemática e o PNEP. . Disponibilização de recursos humanos de apoio às aprendizagens. . A articulação e planificação não é feita com todos os Departamentos. . Nem todos os professores encaram a BE como um recurso essencial às aprendizagens. . Valorização do processo ensino /aprendizagens, no que diz respeito à avaliação dos alunos. . Reuniões com as várias equipas de trabalho ( Plano da Matemática, Plano do Português, PNEP, PTE) . . O ensino continua centrado na sala de aula. . A BE é mais utilizada pelos professores de Língua Portuguesa e para exposição de trabalhos. . Falta de apoio relativamente às novas tecnologias. . Construção de materiais de apoio aos currículos. . Participar em reuniões das várias estruturas do Agrupamento. . Realizar actividades que envolvam toda a comunidade educativa. Formação para a leitura e para as literacias . Construção de materiais para o desenvolvimento . Realização de actividades de promoção da . Os professores ainda não utilizam os . PNL . Formação de professores . Orçamento reduzido para aquisição de . Divulgação e participação em projectos com os
  5. 5. Conhecimento na área Biblioteca escolar das literacias. . Promoção de autonomia como aprendizagens de autonomia. leitura e literacia. . Integração da coordenadora do PNEP na equipa e de um dinamizador da página Web do Agrupamento. recursos disponíveis no processo de ensino/aprendizag em. materiais actualizados. . Tempo para elaboração de materiais. vários departamentos. . Disponibilizar recursos que promovam a literacia da informação. BE e os novos ambientes digitais. . Capacidade de antecipação e de alteração de práticas e modelos de trabalho. . A organização da informação digital é um factor crítico de sobrevivência das BE’s. . Acesso à informação através da internet. . Ausência do catálogo on-line. .Poucos recursos humanos com formação nas TIC. .Organização de colecções digitais. . Formação de utilizadores na área dos computadores. . Plano Tecnológico. . Fracos recursos humanos para dar respostas às necessidades dos alunos, na área das TIC. . Disponibilizar mais recursos on- line para trabalho na BE. . Promover a formação no uso das redes junto dos utilizadores. Gestão de evidências/ avaliação. . Recolha sistemática de Evidências. . Aferir a eficácia dos serviços que prestamos. . Tratamento estatístico de dados relacionados com algumas rotinas da BE. . A recolha de evidências é baseada apenas em relatórios de actividades. . Implementação do novo Modelo de Auto – Avaliação. . Falta de tempo para recolha de evidências e tratamento das mesmas. . Divulgação do Modelo de Auto – Avaliação. . Implementação do Modelo de Auto – Avaliação.
  6. 6. Conhecimento na área Biblioteca escolar Aferir o impacto que temos nas atitudes, comportamentos e competências dos utilizadores. . Comprovar a importância das BE’s nas aprendizagens. . Criação e aplicação de instrumentos de recolha de evidências. Gestão da mudança SÍNTESE Factores de sucesso Obstáculos a vencer Acções prioritárias . “ A BE como centro das aprendizagens e de construção de conhecimentos.” . As BE’s passam a ter um papel Informacional, Transformativo e Formativo. . Afectação de um professor bibliotecário . “Gerir para o sucesso educativo; para a melhoria das aprendizagens e do trabalho escolar; criar mais valias comportamentais, formativas e de aprendizagem junto dos nossos alunos.” . “ Gerir no sentido da optimização dos processos que produzam resultados e impacto de qualidade da BE e dos serviços que prestamos.” . Plano Tecnológico. . Centrar o trabalho da BE nas aprendizagens. . Desenvolver planos de melhoria.
  7. 7. Conhecimento na área Biblioteca escolar que trabalhe com a escola, professores e alunos. . Elaboração de Planos de Melhoria. . “ Ser prospectivo, estar atento e ter uma postura de investigação e de aprendizagem contínua.”

×