SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Hugo Carvalho
2º Slide – O Mar Português é um Tesouro nacional cujo potencial
está longe de ser totalmente valorizado.
É nosso dever proteger e cuidar deste recurso Natural, bem
como das zonas costeiras, assim como temos a obrigação de
aproveita-lo ao máximo para benefício de todos os Portugueses.
Portugal tem acompanhado a mobilização global do Oceano, tendo
sido levadas a cabo diversas iniciativas para o seu
aproveitamento como vetor estratégico de desenvolvimento.
Rita
Slide 3 – Ninguém gosta de ir á praia e ver o mar cheio de algas,
mas tal como nos humanos não podemos olhar só para a parte de
fora.
As algas marinhas são umas das joias do mar, adornando as águas
com vida, cor e fornecendo um recurso que pode melhorar a
nossa qualidade de vida tanto do ponto de vista da medicina,
gastronomia e cosmética. As algas podem ser encontradas tanto
em águas marinhas, como em águas doces.
A nossa empresa tem como objectivo o aproveitamento das algas
para o desenvolvimento da economia Portuguesa.
Filipe Gordinho
Slide 4
Existem milhares de variedades de algas marinhas, sendo
classificadas a partir da sua coloração, podendo ser
designadas algas verdes, vermelhas ou castanhas. Cada
alga é única na sua forma, sabor e textura. Embora nem
todas as algas marinhas existentes sejam consumidas,
uma grande parte é já incluída na alimentação humana.
Slide 5 - Nori: de cor negra, esta alga é conhecida por
envolver os famosos rolos de sushi.
Kelp: de coloração que varia entre castanho claro a verde
escuro, encontra-se muitas vezes disponíveis no mercado
em forma de flocos.
Kombu: de cor muito escura, e geralmente vendida em
tiras ou folhas, esta alga é utilizada para tempero de
sopas.
Arame: esta alga marinha em forma de arame, tem um
gosto mais doce e ameno que a grande maioria das algas
Lenora
Slide 6
Além do uso na gastronomia, as algas também estão presentes
em diversos produtos de beleza. As altas quantidades de sais
minerais presentes nesses organismos aquáticos ajudam a
melhorar o aspeto da pele, acabando com a flacidez e rugas e
acelerando o crescimento dos cabelos, bem como são capazes de
varrer as toxinas do corpo, ajudando a tratar espinhas e
borbulhas.
Assim a nossa empresa lançou uma gama de produtos de beleza
Alga cream é um creme 100 % natural á base de algas que acaba
com flacidez da pele e das rugas bem como hidrata a pele. Este
produto foi lançado no mercado com um preço de 15 euros
Francisca
Slide 6 - Como em tempos de crise não se pode desperdiçar nada
as algas que não podem ser aproveitadas na gastronomia ou na
cosmética são aproveitadas como fertilizantes , graças às suas
concentrações de nitrogénio e potássio. Servem também para a
correcção do pH do solo.
Para conseguir-mos sustentar a nossa empresa criamos um veio
de produção energética renovável que vai diminuir não só as
importações energéticas da nossa empresa bem como em
Portugal, como também nos vai permitir exportar esta energia e
melhorar a economia Nacional.
A energia das ondas é uma fonte de energia renovável que
resulta da transformação da energia contida nas ondas marítimas
em energia elétrica. Este tipo de tecnologia, embora ainda não
seja muito valorizada achamos que tem um incrivel potencial e
que pode ajudar a economia portuguesa .
A densidade energética das ondas é 10 vezes mais alta do que a
da energia eólica e 100 vezes mais alta do que a da radiação
solar, o que demonstra o inegável potencial energético das ondas
oceânicas.
Por esse motivo decidimos criar 4 produtos que neste momento
ainda não são comercializados que vão produzir energia eléctrica
através do movimento das ondas numa fase inicial só para a nossa
empresa.
Atenuador
– Este é um dispositivo flutuante longo que é alinhado
perpendicularmente em relação à frente da onda.
O dispositivo flutua efectivamente sobre as ondas e capta a
energia quando as ondas o atravessam, devido ao movimento
progressivo de contracção produz e armazena energia.
Conversores Oscilantes de Translação das Ondas –
Este é um colector instalado perto da superfície, montado sobre
um braço colocado perto do fundo do mar. O braço oscila como
um pêndulo invertido, devido ao movimento das partículas da água
nas ondas que produz energia.
Dispositivo Submerso de Diferença de Pressão
– Este é um dispositivo submerso, normalmente instalado perto
da costa e apoiado no fundo do mar. O movimento das ondas
provoca a subida e descida do nível da água acima do dispositivo,
induzindo uma diferença depressão que provoca a subida e
descida do dispositivo juntamente com as ondas.
As máquinas Pelamis, são compostas de vários cilindros
vermelhos, cada um deles do tamanho de um pequeno comboio
regional, conectados entre si, e que apontam na direcção das
ondas. Esta tecnologia baseia-se na introdução da energia criada
pelas ondas nos tubos, fazendo com que estes subam e desçam no
leito do mar. A energia assim armazenada é depois ligada a um
sistema hidráulico que a produz.
A nossa empresa realizou vários estudos oceânicos e costeiros e
chegou á conclusão que a zona de Peniche é a zona portuguesa
onde se vai conseguir produzir mais energia .
Devido a estas tão especiais condições naturais nós escolhemos a
nazaré como o local ideal para a produção de energia através das
ondas.
Power-point
Mas a Nazaré também tem as suas desvantagens e por isso
tivemos que escolher locais específicos para cada uma das nossas
máquinas pois podiam ser danificadas pela força das ondas.
A vermelho a localização das pelamis que estam á superfície
A verde os Conversores Oscilantes de Translação das Ondas que
necessitam de estar perto da superfície.
O atenuador a Azul, o mais frágil dos aparelhos e que por essa
razão tem que ficar numa zona calma.
A laranja o Dispositivo Submerso de Diferença de Pressão que se
localiza na zona mais perigosa devido á sua robustez e pois
necessida de elevados níveis de pressão para produzir energia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (7)

Projeto oleo
Projeto oleoProjeto oleo
Projeto oleo
 
Apresentação ipss´s
Apresentação ipss´sApresentação ipss´s
Apresentação ipss´s
 
Apresentação ipss´s
Apresentação ipss´sApresentação ipss´s
Apresentação ipss´s
 
CrunchOil | Absorvente de óleos
CrunchOil | Absorvente de óleosCrunchOil | Absorvente de óleos
CrunchOil | Absorvente de óleos
 
Alyson souto 1
Alyson souto 1Alyson souto 1
Alyson souto 1
 
Palestra abrepet
Palestra abrepetPalestra abrepet
Palestra abrepet
 
Reciclagem de Óleos Usados
Reciclagem de Óleos UsadosReciclagem de Óleos Usados
Reciclagem de Óleos Usados
 

Semelhante a Texto de apoio

E book chef fish-deco
E book chef fish-decoE book chef fish-deco
E book chef fish-decoDECOJovem
 
Trabalho dessalinização
Trabalho dessalinizaçãoTrabalho dessalinização
Trabalho dessalinizaçãoNascif Junior
 
Trabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo BTrabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo Bandrola
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturaisEmlur
 
2002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-12002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-1cristbarb
 
Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"
Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"
Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"Miguel Monteiro
 
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»Filipe Leal
 
Poluição das águas 2º período
Poluição das águas   2º períodoPoluição das águas   2º período
Poluição das águas 2º períodoospoluicao
 

Semelhante a Texto de apoio (20)

Trabalhos Tic - Apoio Escolar
Trabalhos Tic - Apoio EscolarTrabalhos Tic - Apoio Escolar
Trabalhos Tic - Apoio Escolar
 
A água
A  água A  água
A água
 
E book chef fish-deco
E book chef fish-decoE book chef fish-deco
E book chef fish-deco
 
Lusíadas
LusíadasLusíadas
Lusíadas
 
Trabalho dessalinização
Trabalho dessalinizaçãoTrabalho dessalinização
Trabalho dessalinização
 
Trabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo BTrabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo B
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Lusiadas Cruzeiros
Lusiadas CruzeirosLusiadas Cruzeiros
Lusiadas Cruzeiros
 
Lusonautas
LusonautasLusonautas
Lusonautas
 
2002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-12002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-1
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
 
Alqueva PORTUGAL turismo
Alqueva PORTUGAL turismoAlqueva PORTUGAL turismo
Alqueva PORTUGAL turismo
 
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolasCartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
Cartilha cultivo de_tilápias_em_gaiolas
 
Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"
Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"
Trabalho de oc - " de que forma e que o mar pode ajudar a ultrapassar a crise"
 
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
Fisica-Quimica 11º ano «Agua»
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Pescas 2011
Pescas 2011Pescas 2011
Pescas 2011
 
Poluição das águas 2º período
Poluição das águas   2º períodoPoluição das águas   2º período
Poluição das águas 2º período
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 

Mais de franciscaf

Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódicafranciscaf
 
4º desafio-problema
4º desafio-problema4º desafio-problema
4º desafio-problemafranciscaf
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilfranciscaf
 
Résumé de la mer
Résumé de la merRésumé de la mer
Résumé de la merfranciscaf
 
Passei o dia ouvindo o que o mar dizia
Passei o dia ouvindo o que o mar diziaPassei o dia ouvindo o que o mar dizia
Passei o dia ouvindo o que o mar diziafranciscaf
 
Roteiro de reflexão
Roteiro de reflexãoRoteiro de reflexão
Roteiro de reflexãofranciscaf
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobáticafranciscaf
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosfranciscaf
 
Texto sobre a morte de inês de castro
Texto sobre a morte de inês de castroTexto sobre a morte de inês de castro
Texto sobre a morte de inês de castrofranciscaf
 
Inova - grupo 4
Inova - grupo 4Inova - grupo 4
Inova - grupo 4franciscaf
 
Natação e mini voleibol
Natação e mini voleibolNatação e mini voleibol
Natação e mini voleibolfranciscaf
 
Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"
Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"
Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"franciscaf
 
Perguntas sobre a biodiversidade
Perguntas sobre a biodiversidadePerguntas sobre a biodiversidade
Perguntas sobre a biodiversidadefranciscaf
 
Perda da biodiversidade
Perda da biodiversidadePerda da biodiversidade
Perda da biodiversidadefranciscaf
 
Informações sobre a perda da biodiversidade
Informações sobre a perda da biodiversidadeInformações sobre a perda da biodiversidade
Informações sobre a perda da biodiversidadefranciscaf
 

Mais de franciscaf (20)

"La Mer"
"La Mer""La Mer"
"La Mer"
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
4º desafio-problema
4º desafio-problema4º desafio-problema
4º desafio-problema
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 
Résumé de la mer
Résumé de la merRésumé de la mer
Résumé de la mer
 
Passei o dia ouvindo o que o mar dizia
Passei o dia ouvindo o que o mar diziaPassei o dia ouvindo o que o mar dizia
Passei o dia ouvindo o que o mar dizia
 
Roteiro de reflexão
Roteiro de reflexãoRoteiro de reflexão
Roteiro de reflexão
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Guião
GuiãoGuião
Guião
 
Texto sobre a morte de inês de castro
Texto sobre a morte de inês de castroTexto sobre a morte de inês de castro
Texto sobre a morte de inês de castro
 
Inova - grupo 4
Inova - grupo 4Inova - grupo 4
Inova - grupo 4
 
Inova
InovaInova
Inova
 
Natação e mini voleibol
Natação e mini voleibolNatação e mini voleibol
Natação e mini voleibol
 
Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"
Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"
Reflexão "Depois do 9º ano que opções?"
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
Perguntas sobre a biodiversidade
Perguntas sobre a biodiversidadePerguntas sobre a biodiversidade
Perguntas sobre a biodiversidade
 
Perda da biodiversidade
Perda da biodiversidadePerda da biodiversidade
Perda da biodiversidade
 
Informações sobre a perda da biodiversidade
Informações sobre a perda da biodiversidadeInformações sobre a perda da biodiversidade
Informações sobre a perda da biodiversidade
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 

Texto de apoio

  • 1. Hugo Carvalho 2º Slide – O Mar Português é um Tesouro nacional cujo potencial está longe de ser totalmente valorizado. É nosso dever proteger e cuidar deste recurso Natural, bem como das zonas costeiras, assim como temos a obrigação de aproveita-lo ao máximo para benefício de todos os Portugueses. Portugal tem acompanhado a mobilização global do Oceano, tendo sido levadas a cabo diversas iniciativas para o seu aproveitamento como vetor estratégico de desenvolvimento. Rita Slide 3 – Ninguém gosta de ir á praia e ver o mar cheio de algas, mas tal como nos humanos não podemos olhar só para a parte de fora. As algas marinhas são umas das joias do mar, adornando as águas com vida, cor e fornecendo um recurso que pode melhorar a nossa qualidade de vida tanto do ponto de vista da medicina, gastronomia e cosmética. As algas podem ser encontradas tanto em águas marinhas, como em águas doces. A nossa empresa tem como objectivo o aproveitamento das algas para o desenvolvimento da economia Portuguesa.
  • 2. Filipe Gordinho Slide 4 Existem milhares de variedades de algas marinhas, sendo classificadas a partir da sua coloração, podendo ser designadas algas verdes, vermelhas ou castanhas. Cada alga é única na sua forma, sabor e textura. Embora nem todas as algas marinhas existentes sejam consumidas, uma grande parte é já incluída na alimentação humana. Slide 5 - Nori: de cor negra, esta alga é conhecida por envolver os famosos rolos de sushi. Kelp: de coloração que varia entre castanho claro a verde escuro, encontra-se muitas vezes disponíveis no mercado em forma de flocos. Kombu: de cor muito escura, e geralmente vendida em tiras ou folhas, esta alga é utilizada para tempero de sopas. Arame: esta alga marinha em forma de arame, tem um gosto mais doce e ameno que a grande maioria das algas
  • 3. Lenora Slide 6 Além do uso na gastronomia, as algas também estão presentes em diversos produtos de beleza. As altas quantidades de sais minerais presentes nesses organismos aquáticos ajudam a melhorar o aspeto da pele, acabando com a flacidez e rugas e acelerando o crescimento dos cabelos, bem como são capazes de varrer as toxinas do corpo, ajudando a tratar espinhas e borbulhas. Assim a nossa empresa lançou uma gama de produtos de beleza Alga cream é um creme 100 % natural á base de algas que acaba com flacidez da pele e das rugas bem como hidrata a pele. Este produto foi lançado no mercado com um preço de 15 euros Francisca Slide 6 - Como em tempos de crise não se pode desperdiçar nada as algas que não podem ser aproveitadas na gastronomia ou na cosmética são aproveitadas como fertilizantes , graças às suas concentrações de nitrogénio e potássio. Servem também para a correcção do pH do solo.
  • 4. Para conseguir-mos sustentar a nossa empresa criamos um veio de produção energética renovável que vai diminuir não só as importações energéticas da nossa empresa bem como em Portugal, como também nos vai permitir exportar esta energia e melhorar a economia Nacional. A energia das ondas é uma fonte de energia renovável que resulta da transformação da energia contida nas ondas marítimas em energia elétrica. Este tipo de tecnologia, embora ainda não seja muito valorizada achamos que tem um incrivel potencial e que pode ajudar a economia portuguesa . A densidade energética das ondas é 10 vezes mais alta do que a da energia eólica e 100 vezes mais alta do que a da radiação solar, o que demonstra o inegável potencial energético das ondas oceânicas. Por esse motivo decidimos criar 4 produtos que neste momento ainda não são comercializados que vão produzir energia eléctrica através do movimento das ondas numa fase inicial só para a nossa empresa. Atenuador – Este é um dispositivo flutuante longo que é alinhado perpendicularmente em relação à frente da onda. O dispositivo flutua efectivamente sobre as ondas e capta a energia quando as ondas o atravessam, devido ao movimento progressivo de contracção produz e armazena energia.
  • 5. Conversores Oscilantes de Translação das Ondas – Este é um colector instalado perto da superfície, montado sobre um braço colocado perto do fundo do mar. O braço oscila como um pêndulo invertido, devido ao movimento das partículas da água nas ondas que produz energia. Dispositivo Submerso de Diferença de Pressão – Este é um dispositivo submerso, normalmente instalado perto da costa e apoiado no fundo do mar. O movimento das ondas provoca a subida e descida do nível da água acima do dispositivo, induzindo uma diferença depressão que provoca a subida e descida do dispositivo juntamente com as ondas. As máquinas Pelamis, são compostas de vários cilindros vermelhos, cada um deles do tamanho de um pequeno comboio regional, conectados entre si, e que apontam na direcção das ondas. Esta tecnologia baseia-se na introdução da energia criada pelas ondas nos tubos, fazendo com que estes subam e desçam no leito do mar. A energia assim armazenada é depois ligada a um sistema hidráulico que a produz. A nossa empresa realizou vários estudos oceânicos e costeiros e chegou á conclusão que a zona de Peniche é a zona portuguesa onde se vai conseguir produzir mais energia .
  • 6. Devido a estas tão especiais condições naturais nós escolhemos a nazaré como o local ideal para a produção de energia através das ondas. Power-point Mas a Nazaré também tem as suas desvantagens e por isso tivemos que escolher locais específicos para cada uma das nossas máquinas pois podiam ser danificadas pela força das ondas. A vermelho a localização das pelamis que estam á superfície A verde os Conversores Oscilantes de Translação das Ondas que necessitam de estar perto da superfície. O atenuador a Azul, o mais frágil dos aparelhos e que por essa razão tem que ficar numa zona calma. A laranja o Dispositivo Submerso de Diferença de Pressão que se localiza na zona mais perigosa devido á sua robustez e pois necessida de elevados níveis de pressão para produzir energia.