SlideShare uma empresa Scribd logo
Revista Brasileira de Ensino de F´ısica, v. 30, n. 1, 1304 (2008)
www.sbfisica.org.br
O aproveitamento da energia e´olica
(The wind energy resource)
F.R. Martins1
, R.A. Guarnieri e E.B. Pereira
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Centro de Previs˜ao do Tempo e Estudos Clim´aticos,
S˜ao Jos´e dos Campos, SP, Brasil
Recebido em 16/8/2007; Revisado em 11/10/2007; Aceito em 17/10/2007
Diversos estudos realizados nos ´ultimos anos tˆem apontado as implica¸c˜oes e impactos s´ocio-ambientais do
consumo de energia. As fontes renov´aveis de energia s˜ao apresentadas como a principal alternativa para atender
as demandas da sociedade com rela¸c˜ao `a qualidade e seguran¸ca do atendimento da demanda de eletricidade
com a redu¸c˜ao dos danos ambientais decorrentes do consumo de energia. Este artigo apresenta uma revis˜ao dos
conceitos f´ısicos relacionados ao emprego da energia cin´etica dos ventos na gera¸c˜ao de eletricidade. Inicialmente,
o artigo descreve a evolu¸c˜ao do aproveitamento da energia e´olica, incluindo dados e informa¸c˜oes sobre a situa¸c˜ao
atual do uso desse recurso para gera¸c˜ao de energia el´etrica. O artigo apresenta uma descri¸c˜ao dos aspectos
dinˆamicos dos ventos e circula¸c˜ao atmosf´erica na Terra, incluindo a descri¸c˜ao dos fatores que influenciam a
velocidade e dire¸c˜ao dos ventos nas proximidades da superf´ıcie de nosso planeta. A modelagem e previs˜ao dos
ventos s˜ao discutidas apresentando os principais resultados obtidos com as metodologias empregadas no Brasil.
Os aspectos relacionados `a estimativa e previs˜ao da potˆencia e´olica s˜ao abordados ressaltando a importˆancia de
uma base de dados de vento de qualidade para a determina¸c˜ao da confiabilidade dos resultados fornecidos pelos
modelos num´ericos.
Palavras-chave: energia e´olica, circula¸c˜ao atmosf´erica, modelos num´ericos, modelagem atmosf´erica.
Several studies have been pointed out the energy consumption implications and impacts on environment and
human society. Renewable sources of energy were identified as the major alternative to assure the confidence and
the quality required to fulfill the energy demands from human society by reducing the environmental impacts.
This paper presents a short review of knowledge and technological evolution related to conversion of wind energy
into electricity. First of all, the paper describes the time evolution and the present status of the wind energy
deployment. After that, a brief discussion on atmospheric circulation is presented including the main factors that
affect the wind velocity and direction near the surface. The wind energy assessment methodologies adopted in
Brazil that uses regional climate models and wind data acquired in ground sites spread throughout the Brazilian
territory were discussed. Finally, the issues related to the wind power are depicted and special attention is given
to the importance of database reliability to the wind power plant design and management.
Keywords: wind energy, climate models, atmospheric circulation.
1. Introdu¸c˜ao
A quest˜ao energ´etica ´e um dos t´opicos de maior im-
portˆancia na atualidade. A qualidade de vida de uma
sociedade est´a intimamente ligada ao seu consumo de
energia. O crescimento da demanda energ´etica mundial
em raz˜ao da melhoria dos padr˜oes de vida nos pa´ıses em
desenvolvimento traz a preocupa¸c˜ao com alguns aspec-
tos essenciais para a pol´ıtica e planejamento energ´etico
de todas as economias emergentes. Dentre eles, po-
demos citar a seguran¸ca no suprimento de energia ne-
cess´aria para o desenvolvimento social e econˆomico de
um pa´ıs e os custos ambientais para atender a esse au-
mento no consumo de energia [1].
Nas ´ultimas d´ecadas a seguran¸ca no suprimento de
energia est´a associada `as perspectivas de esgotamento
das reservas de petr´oleo nas pr´oximas d´ecadas [2, 3]
e a eleva¸c˜ao dos pre¸cos de mercado dos combust´ıveis
f´osseis em conseq¨uˆencia de problemas pol´ıticos e so-
ciais nas principais regi˜oes produtoras. Fatores am-
bientais tamb´em podem reduzir a seguran¸ca energ´etica
como, por exemplo, a ocorrˆencia de longos per´ıodos
de estiagem que afetam a produtividade da biomassa
e a gera¸c˜ao hidroel´etrica. A inser¸c˜ao de recursos com-
plementares na matriz energ´etica de um pa´ıs, com a
ado¸c˜ao de fontes renov´aveis, deve minimizar os impac-
tos causados por crises internacionais que afetam o mer-
cado de combust´ıveis f´osseis ou por instabilidades na
1E-mail: fernando@dge.inpe.br.
Copyright by the Sociedade Brasileira de F´ısica. Printed in Brazil.
1304-2 Martins et al.
gera¸c˜ao hidroel´etrica em ´epocas de estiagem [4-6].
Em raz˜ao dos fatos expostos acima, a pesquisa
cient´ıfica e o desenvolvimento tecnol´ogico vˆem rece-
bendo grande incentivo em todo o mundo, principal-
mente ap´os o ´ultimo relat´orio do IPCC (Painel Inter-
Governamental para mudan¸cas Clim´aticas) divulgado
em fevereiro de 2007 [7]. Dentre as fontes energ´eticas
“limpas” – fontes de energia que n˜ao acarretam a
emiss˜ao de gases do efeito estufa (GEE) – a energia
mecˆanica contida no vento vem se destacando e de-
monstra potencial para contribuir significativamente no
atendimento dos requisitos necess´arios quanto aos cus-
tos de produ¸c˜ao, seguran¸ca de fornecimento e sustenta-
bilidade ambiental [8].
A experiˆencia dos pa´ıses l´ıderes do setor de gera¸c˜ao
e´olica mostra que o r´apido desenvolvimento da tecno-
logia e do mercado tˆem grandes implica¸c˜oes s´ocio-
econˆomicas. A forma¸c˜ao de recursos humanos e a pes-
quisa cient´ıfica receberam incentivos com a finalidade
de dar o suporte necess´ario para a ind´ustria de energia
e´olica em forma¸c˜ao. Na atualidade, diversos estudos
apontam a gera¸c˜ao de emprego e o dom´ınio da tecnolo-
gia como fatores t˜ao importantes quanto `a preserva¸c˜ao
ambiental e a seguran¸ca energ´etica dos pa´ıses da comu-
nidade europ´eia para a continuidade dos investimentos
no aproveitamento da energia e´olica [9, 10].
No Brasil, a capacidade instalada ainda ´e muito pe-
quena quando comparada aos pa´ıses l´ıderes em gera¸c˜ao
e´olica. No entanto, pol´ıticas de incentivos est˜ao
come¸cando a produzir os primeiros resultados e espera-
se um crescimento da explora¸c˜ao deste recurso nos
pr´oximos anos. Para dar suporte a esse crescimento,
torna-se necess´ario a forma¸c˜ao de recursos humanos e
o desenvolvimento de pesquisas cient´ıficas de ˆambito
nacional com o intuito de produzir e disponibilizar in-
forma¸c˜oes confi´aveis sobre a os recursos e´olicos no ter-
rit´orio brasileiro. Dentre os esfor¸cos mais recentes e
dispon´ıveis publicamente, pode-se citar o Atlas do Po-
tencial E´olico Brasileiro [11] e a base de dados do pro-
jeto SONDA (www.cptec.inpe.br/sonda). Os resulta-
dos e produtos dessas pesquisas demonstram o poten-
cial energ´etico e a viabilidade econˆomica de projetos de
aproveitamento desse recurso renov´avel no pa´ıs.
Este artigo tem como objetivo descrever como os
conceitos f´ısicos relativos `a dinˆamica da atmosfera s˜ao
empregados para a avalia¸c˜ao da disponibilidade do re-
curso energ´etico e´olico. O texto apresenta, inicial-
mente, um breve hist´orico da evolu¸c˜ao da tecnologia
empregada para aproveitamento da energia e´olica e o
status atual dessa fonte de energia no cen´ario mun-
dial. O artigo discute, em seguida, os conceitos f´ısicos
envolvidos na descri¸c˜ao dos movimentos atmosf´ericos,
na modelagem e previs˜ao de ventos. O texto aborda,
sucintamente, as bases de dados dispon´ıveis para ava-
lia¸c˜ao da confiabilidade dos modelos num´ericos e para
determina¸c˜ao do potencial energ´etico dispon´ıvel para
explora¸c˜ao comercial. Os produtos e resultados das
pesquisas em desenvolvimento no Brasil s˜ao discutidos
brevemente com o intuito de ilustrar a aplica¸c˜ao pr´atica
dos conceitos discutidos no transcorrer do artigo.
2. Breve hist´orico da energia e´olica no
mundo
A convers˜ao da energia cin´etica dos ventos em ener-
gia mecˆanica vem sendo utilizada pela humanidade h´a
mais de 3000 anos. Os moinhos de vento utilizados para
moagem de gr˜aos e bombeamento de ´agua em ativida-
des agr´ıcolas foram as primeiras aplica¸c˜oes da energia
e´olica. O desenvolvimento da navega¸c˜ao e o per´ıodo das
grandes descobertas de novos continentes foram propi-
ciados em grande parte pelo emprego da energia dos
ventos.
Uma aplica¸c˜ao que vem se tornando mais import-
ante a cada dia ´e o aproveitamento da energia e´olica
como fonte alternativa de energia para produ¸c˜ao de ele-
tricidade. Em seu livro, Gasch e Twele [12] detalham a
evolu¸c˜ao da tecnologia da energia e´olica desde seu em-
prego em moinhos de vento a partir de 1700 a.C. at´e os
modernos aerogeradores de eletricidade. Estudos para
convers˜ao da energia cin´etica dos ventos em eletrici-
dade vˆem sendo desenvolvidos a cerca de 150 anos [13]
e, nos dias de hoje, a energia e´olica vem sendo apon-
tada como a fonte de energia renov´avel mais promis-
sora para a produ¸c˜ao de eletricidade, em curto prazo,
considerando aspectos de seguran¸ca energ´etica, custo
s´ocio-ambiental e viabilidade econˆomica [14].
O grande desenvolvimento da aplica¸c˜ao da energia
e´olica para gera¸c˜ao de eletricidade iniciou-se na Dina-
marca em 1980 quando as primeiras turbinas foram
fabricadas por pequenas companhias de equipamen-
tos agr´ıcolas. Estas turbinas possu´ıam capacidade de
gera¸c˜ao (30-55 kW) bastante reduzida quando compa-
rada com valores atuais. Pol´ıticas internas favoreceram
o crescimento do setor, de maneira que, atualmente, a
Dinamarca ´e o pa´ıs que apresenta a maior contribui¸c˜ao
de energia e´olica em sua matriz energ´etica e ´e o maior
fabricante mundial de turbinas e´olicas [13].
A evolu¸c˜ao da capacidade instalada de gera¸c˜ao
e´olica de eletricidade no mundo e a evolu¸c˜ao tecnol´ogica
dos aerogeradores entre 1980 e 2002 podem ser ob-
servadas nas Figs. 1a e 1b, respectivamente. Desde
o in´ıcio da d´ecada de 1990 o setor de energia e´olica
vem apresentando um crescimento acelerado em todo
o mundo. A capacidade instalada total mundial de
aerogeradores voltados `a produ¸c˜ao de energia el´etrica
atingiu 74223 MW ao final de 2006, apresentando um
crescimento de mais de 20% em rela¸c˜ao a 2005. Se-
gundo o Global Wind Energy Council [15], esse cres-
cimento de capacidade instalada ao longo de 2006 re-
presenta o maior acr´escimo observado ao longo de um
ano. Ainda segundo o GWEC [15], o Brasil totalizou a
inser¸c˜ao de 208 MW ao longo de 2006, fechando o ano
com 237 MW de capacidade instalada. Esse acr´escimo
O aproveitamento da energia e´olica 1304-3
deve-se em grande parte `a instala¸c˜ao dos parques e´olicos
de Os´orio (RS) que totalizam 150 MW. Este complexo
e´olico conta com 75 aerogeradores de 2 MW cada um,
instalados em trˆes parques e´olicos, com capacidade de
produzir 417 GWh por ano.
Figura 1 - (a) Evolu¸c˜ao da capacidade instalada de gera¸c˜ao e´olica
de eletricidade no mundo e (b) Evolu¸c˜ao tecnol´ogica das turbi-
nas e´olicas comerciais (D = diˆametro, P = potˆencia, H = altura)
entre 1980 e 2002. Fonte: Adaptado da Ref. [12].
3. Vento e circula¸c˜oes atmosf´ericas
O movimento de parcelas de ar, nas atmosferas pla-
net´arias, ´e denominado vento. Embora, o ar possa
mover-se na dire¸c˜ao vertical, a denomina¸c˜ao “vento”
´e comumente aplicada apenas ao movimento horizon-
tal, paralelo `a superf´ıcie do planeta. Na meteorologia,
a velocidade e a dire¸c˜ao do vento, juntamente com a
temperatura, a umidade e a press˜ao do ar atmosf´erico,
s˜ao as vari´aveis mais importantes empregadas na des-
cri¸c˜ao meteorol´ogica da atmosfera terrestre.
O vento, como agente meteorol´ogico, atua nas mo-
difica¸c˜oes das condi¸c˜oes do tempo, sendo respons´avel
pelo transporte de umidade e de energia na atmosfera.
A energia dos ventos pode provocar grande destrui¸c˜ao
quando associado a eventos como furac˜oes e tornados.
Contudo, o vento pode ser empregado como uma fonte
alternativa de energia por meio da convers˜ao de sua
energia cin´etica em outras formas de energia, especial-
mente eletricidade.
3.1. Aspectos dinˆamicos
A acelera¸c˜ao, ou varia¸c˜ao na quantidade de movimento,
experimentada pelas parcelas de ar atmosf´erico, ´e de-
corrente da resultante vetorial de todas as for¸cas atuan-
tes sobre elas (segunda lei de Newton). Os gradientes
de press˜ao existentes na atmosfera constituem a prin-
cipal for¸ca motriz dos movimentos de ar. A for¸ca por
unidade de massa atuante sobre uma parcela de ar, de-
corrente de um gradiente de press˜ao, pode ser expressa
vetorialmente pela equa¸c˜ao
FP
m
= −
1
ρ
∇p, (1)
onde p ´e press˜ao, ρ ´e densidade e m´e massa. As par-
celas de ar tamb´em sofrem a¸c˜ao da for¸ca gravitacio-
nal, em que g∗ ´e a acelera¸c˜ao (ou for¸ca por unidade
de massa) decorrente puramente da for¸ca gravitacional
entre a Terra e as parcelas de ar
Fg
m
= g ∗ . (2)
Adicionalmente, parcelas de fluido em movimento so-
frem a a¸c˜ao de fric¸c˜oes internas que resistem `a tendˆencia
do escoamento (for¸cas viscosas resistivas ou atrito), re-
presentadas por Fr. Considerando uma parcela indivi-
dual de ar, com massa constante, que se move ao longo
da atmosfera seguindo o escoamento, e tomando um sis-
tema de coordenadas inercial, fixo no espa¸co, a segunda
lei de Newton pode ser escrita como
DaUa
Dt
=
F
m
, (3)
onde Ua representa a velocidade da parcela referente
ao sistema inercial e DaUa/Dt representa a taxa de
varia¸c˜ao de Ua, seguindo o movimento da parcela, e
relativa ao sistema de coordenadas inercial. Esta ex-
press˜ao afirma que a acelera¸c˜ao da parcela de ar ´e igual
ao somat´orio de todas as for¸cas (por unidade de massa)
aplicadas sobre a parcela. Assim
DaUa
Dt
= −
1
ρ
∇p + g ∗ +Fr. (4)
Entretanto, no estudo da dinˆamica dos movimen-
tos atmosf´ericos, usualmente adota-se um sistema de
coordenadas fixo `a superf´ıcie terrestre, como mostra a
Fig. 2. Este sistema ´e composto pelas dire¸c˜oes zonal
(eixo x) e meridional (eixo y) – paralelas `a superf´ıcie
do planeta – e pela dire¸c˜ao vertical (eixo z) perpendi-
cular `a superf´ıcie. Assim, o vento horizontal apresenta
1304-4 Martins et al.
duas componentes: o vento zonal que est´a simbolizado
por u e ´e positivo no sentido de oeste para leste; e
o vento meridional representado por v e positivo no
sentido de sul para norte. O movimento do ar na ver-
tical ´e normalmente representado por w, assumindo-se
valores positivos para movimentos ascendentes.
Uma vez que a Terra se encontra em movimento
de rota¸c˜ao, esse sistema de coordenadas fixo na su-
perf´ıcie constitui num referencial n˜ao-inercial. Assim,
a segunda lei de Newton somente pode ser aplicada a
movimentos neste sistema de referˆencia se a acelera¸c˜ao
de suas coordenadas (em rela¸c˜ao a um sistema inercial)
for levada em considera¸c˜ao. A maneira mais satisfat´oria
de incluir os efeitos da acelera¸c˜ao das coordenadas ´e a
introdu¸c˜ao de “for¸cas aparentes” [16]. Assim, pode-se
demonstrar que a acelera¸c˜ao absoluta da parcela de ar
equivale `a acelera¸c˜ao da parcela relativa ao sistema de
coordenadas fixo `a Terra somada a termos decorrentes
da acelera¸c˜ao de rota¸c˜ao da Terra
DaUa
Dt
=
DU
Dt
+ 2Ω × U − Ω2
R, (5)
onde DU/Dt ´e a taxa de varia¸c˜ao da velocidade, re-
ferente ao sistema de coordenadas fixo `a superf´ıcie
da Terra e seguindo o movimento da parcela de ar,
U = uˆi + vˆj + wˆk ´e o vetor velocidade nestas mesmas
coordenadas, Ω ´e o vetor velocidade angular da rota¸c˜ao
da Terra cujo m´odulo ´e representado por Ω, e R ´e um
vetor de posi¸c˜ao, perpendicular ao eixo de rota¸c˜ao da
Terra e com comprimento igual `a distˆancia entre o eixo
de rota¸c˜ao e a parcela de ar. O operador D/Dt, de-
nominado derivada total, representa a taxa de varia¸c˜ao
de uma propriedade de uma parcela de fluido seguindo
o movimento da mesma.
Figura 2 - Sistema de coordenadas fixo `a superf´ıcie da Terra em
rota¸c˜ao. S˜ao apresentadas as dire¸c˜oes para um ponto na su-
perf´ıcie com a latitude e a longitude definidas.
Assim, para o sistema de coordenadas n˜ao-inercial
fixo `a superf´ıcie da Terra, a Eq. (4) pode ser reescrita
utilizando a Eq. (5)
DU
Dt
+ 2Ω × U − Ω2
R =
F
m
=
−
1
ρ
∇p + g ∗ +Fr, (6)
e assim
DU
Dt
= −2Ω × U + Ω2
R −
1
ρ
∇p + g ∗ +Fr. (7)
O primeiro termo do lado direito da Eq. (7) corres-
ponde a uma das for¸cas aparentes decorrentes da con-
sidera¸c˜ao da segunda lei de Newton em um sistema de
coordenadas n˜ao-inercial, a chamada for¸ca de Coriolis.
A segunda for¸ca aparente ´e a for¸ca centr´ıfuga, represen-
tada no segundo termo da Eq. (7). Os trˆes demais ter-
mos do lado direito da Eq. (7) s˜ao as for¸cas reais atuan-
tes sobre a parcela, discutidas anteriormente. A for¸ca
centr´ıfuga atua perpendicularmente ao eixo de rota¸c˜ao
da Terra e soma-se vetorialmente `a for¸ca gravitacional,
dando origem `a for¸ca de gravidade, g, definida como
g = g ∗ +Ω2
R = gˆk. (8)
Empregando a Eq. (8), a Eq. (7) pode ser reescrita
como
DU
Dt
= −2Ω × U −
1
ρ
∇p + g + Fr. (9)
A Eq. (9) ´e a express˜ao vetorial geral do movi-
mento das parcelas de ar na atmosfera, referente `a su-
perf´ıcie terrestre e pode ser expandida em express˜oes
escalares para o vento horizontal zonal (u) e meridional
(v), empregando coordenadas esf´ericas. Devido `a trans-
forma¸c˜ao das coordenadas cartesianas em coordenadas
esf´ericas, termos de curvatura aparecem nas express˜oes.
Contudo, exceto quando essas equa¸c˜oes s˜ao empregadas
para descri¸c˜ao do vento numa escala global, esses ter-
mos s˜ao muito pequenos. Segundo Holton [16], ao se
considerar movimentos de escala sin´otica em latitudes
m´edias, e tendo-se exclu´ıdo os termos de menores or-
dens de grandeza, as componentes zonal e meridional
do vento podem ser expressas pelas seguintes equa¸c˜oes
Du
Dt
= −
1
ρ
∂p
∂x
+ fv + Frx, (10)
Dv
Dt
= −
1
ρ
∂p
∂y
− fu + Fry, (11)
onde f = 2Ωsenφ ´e o chamado parˆametro de Coriolis,
e φ ´e a latitude do local (f e φ s˜ao positivos no He-
misf´erio Norte e negativos no Hemisf´erio Sul). Assim,
pelas Eqs. (10) e (11), verificamos que as trˆes for¸cas de-
terminantes da velocidade e dire¸c˜ao do vento horizontal
s˜ao: a for¸ca do gradiente de press˜ao, a for¸ca de Coriolis
e a for¸ca de atrito.
O aproveitamento da energia e´olica 1304-5
Em resumo, o vento surge basicamente pela a¸c˜ao
da for¸ca do gradiente de press˜ao. Apenas ap´os ini-
ciado o movimento, as for¸cas de atrito e de Coriolis
passam a atuar, mas somente para modificar o movi-
mento, e n˜ao para produzi-lo, sendo o vento contro-
lado pela combina¸c˜ao dessas for¸cas. A origem das di-
feren¸cas de press˜ao est´a no aquecimento diferencial da
superf´ıcie terrestre e do ar atmosf´erico pela radia¸c˜ao
solar, de maneira que a energia contida no vento ´e, na
realidade, uma forma secund´aria da energia solar. A
press˜ao atmosf´erica e suas varia¸c˜oes est˜ao intimamente
relacionadas com a temperatura do ar e as trocas de
calor na atmosfera.
Se a Terra n˜ao girasse (Ω = 0) e n˜ao houvesse atrito
(Fr = 0), o ar escoaria diretamente de ´areas de maior
press˜ao para ´areas de press˜ao mais baixas. A for¸ca
de Coriolis n˜ao possui capacidade de alterar o m´odulo
da acelera¸c˜ao ou da velocidade do ar, mas apenas a
dire¸c˜ao, uma vez que a sua atua¸c˜ao ocorre sempre per-
pendicularmente ao movimento. Dessa forma, verifi-
camos que a existˆencia de vento zonal acarreta uma
acelera¸c˜ao na dire¸c˜ao meridional e vice-versa. A for¸ca
de Coriolis promove a curvatura de trajet´orias para a
direita no Hemisf´erio Norte e para a esquerda no He-
misf´erio Sul. A sua intensidade ´e proporcional `a velo-
cidade, e ´e tamb´em fun¸c˜ao da latitude (f = 2Ωsenφ),
sendo tanto mais intensa quanto maior for a latitude e
sendo nula sobre o Equador (φ = 0).
A Eq. (9) ´e uma das equa¸c˜oes b´asicas emprega-
das na modelagem matem´atica dos movimentos de ar
atmosf´erico, representando a conserva¸c˜ao de momento.
Duas outras equa¸c˜oes, representando a conserva¸c˜ao de
massa e de energia s˜ao utilizadas adicionalmente pe-
los modelos meteorol´ogicos. A conserva¸c˜ao de ener-
gia ´e expressa em temos da equa¸c˜ao de energia termo-
dinˆamica, que leva em conta as transforma¸c˜oes de ener-
gia que ocorrem na atmosfera, incluindo o aquecimento
pela radia¸c˜ao solar e as mudan¸cas de fase da ´agua. A
forma mais usual da equa¸c˜ao de energia termodinˆamica
´e apresentada na equa¸c˜ao
cv
DT
Dt
+ p
Dα
Dt
= J, (12)
em que cv ´e o calor espec´ıfico a volume constante para o
ar seco, T ´e a temperatura do ar, α ´e o volume espec´ıfico
do ar e J ´e a taxa de aquecimento por unidade de massa
devido a radia¸c˜ao, condu¸c˜ao e libera¸c˜ao de calor latente.
A conserva¸c˜ao de massa ´e expressa em termos da
equa¸c˜ao da continuidade, apresentada na Eq. (13), e re-
laciona a taxa de ac´umulo de massa com a divergˆencia
da velocidade do fluido
1
ρ
Dρ
Dt
+ ∇ · U = 0. (13)
3.2. Vento em altos n´ıveis
A atmosfera da Terra ´e comumente dividida em ca-
madas: troposfera, estratosfera, mesosfera e exosfera.
Destas camadas, a troposfera ´e a que se encontra mais
pr´oxima `a superf´ıcie e estende-se at´e alturas que va-
riam de 8 km nos p´olos at´e 17 km pr´oximo ao Equador.
A regi˜ao de transi¸c˜ao entre a troposfera e a estratos-
fera chama-se tropopausa, e atua como uma fronteira
aproximadamente r´ıgida para o ar troposf´erico. ´E na
troposfera que ocorrem praticamente todos os proces-
sos relacionados com os fenˆomenos meteorol´ogicos e as
mudan¸cas do tempo, sendo, portanto, o alvo de estudo
da Meteorologia. Assim, ao longo deste artigo, ao se
utilizar as express˜oes “n´ıveis atmosf´ericos elevados” ou
“movimentos em altos n´ıveis”, refere-se `as alturas cor-
respondentes ao topo da troposfera terrestre.
Em n´ıveis atmosf´ericos afastados da superf´ıcie ter-
restre, o atrito pode ser desprezado e o vento pode
ser descrito pelo equil´ıbrio entre a for¸ca de Coriolis e
do gradiente de press˜ao, sendo essa aproxima¸c˜ao cha-
mada de aproxima¸c˜ao geostr´ofica. As parcelas de ar
inicialmente em repouso e sujeitas a um gradiente de
press˜ao, come¸cam a acelerar-se em dire¸c˜ao `a press˜ao
mais baixa. A for¸ca de Coriolis cresce `a medida que
a velocidade aumenta fazendo com que as parcelas de
ar sejam gradativamente defletidas at´e que, eventual-
mente, as duas for¸cas entrem em equil´ıbrio e as par-
celas passam a mover-se perpendicularmente ao gradi-
ente de press˜ao e paralelamente `as is´obaras (isolinhas
de press˜ao constante), com velocidade constante e em
trajet´orias retil´ıneas, como mostradas na Fig. 3. Como
a for¸ca de Coriolis desvia as trajet´orias de ar para a
direita no Hemisf´erio Norte e para a esquerda no He-
misf´erio Sul, o vento em equil´ıbrio resultante, para uma
mesma distribui¸c˜ao de press˜ao, possui sentidos opostos
em cada hemisf´erio. Esse movimento n˜ao-acelerado e
retil´ıneo das parcelas de ar possui intensidade propor-
cional `a intensidade dos gradientes de press˜ao, e ´e de-
nominado vento geostr´ofico.
Figura 3 - O vento geostr´ofico ´e resultado do equil´ıbrio entre a
for¸ca de Coriolis (FCO) e a for¸ca do gradiente de press˜ao at-
mosf´erica (FP ) em n´ıveis atmosf´ericos elevados.
Vale enfatizar que o vento geostr´ofico ´e um mo-
delo idealizado que apenas aproxima o comportamento
verdadeiro do escoamento de ar em altos n´ıveis (onde
as for¸cas de atrito n˜ao s˜ao significativas) em latitudes
m´edias e altas (uma vez que nas proximidades do Equa-
dor a for¸ca de Coriolis ´e praticamente nula). Contudo,
na linguagem t´ecnica da energia e´olica, o vento acima de
1304-6 Martins et al.
alguns poucos quilˆometros da superf´ıcie, que n˜ao sofre
influˆencia do atrito da superf´ıcie, ´e comumente referido
como sendo vento geostr´ofico.
Apesar de que na atmosfera real os ventos nunca
serem puramente geostr´oficos, o vento geostr´ofico idea-
lizado fornece uma aproxima¸c˜ao ´util dos ventos reais em
altos n´ıveis. Os maiores desvios do vento em rela¸c˜ao ao
vento geostr´ofico ocorrem quando as massas de ar per-
correm trajet´orias de grande curvatura. Ao observar-se
um mapa meteorol´ogico de press˜ao num n´ıvel vertical
fixo, verifica-se que geralmente as is´obaras n˜ao s˜ao re-
tas, mas formam curvas e ocasionalmente se conectam
formando c´elulas aproximadamente circulares de alta
ou baixa press˜ao. Nestes locais, o vento geostr´ofico
´e modificado, passando a ser denominado vento gra-
diente.
O vento gradiente tamb´em ´e paralelo `as is´obaras
curvil´ıneas, `a custa de um desequil´ıbrio entre as for¸cas
de Coriolis e do gradiente de press˜ao, que resulta em
uma acelera¸c˜ao centr´ıpeta, respons´avel pela curvatura
das parcelas de ar em torno das c´elulas de alta e baixa
press˜ao. Isso ´e exemplificado na Fig. 4 para o He-
misf´erio Sul, onde o vento escoa no sentido hor´ario em
torno das baixas press˜oes e em sentido anti-hor´ario em
torno das altas press˜oes (o oposto ocorre no Hemisf´erio
Norte). As baixas press˜oes s˜ao comumente denomina-
das ciclones, enquanto altas press˜oes s˜ao denominadas
anticiclones.
Figura 4 - Vento gradiente no Hemisf´erio Sul em torno de cen-
tros de baixa press˜ao (B) e de alta press˜ao (A). FCO
´E a for¸ca
Coriolis e FP a for¸ca do gradiente de press˜ao.
3.3. Vento nas proximidades da superf´ıcie
Nos n´ıveis atmosf´ericos mais baixos, as aproxima¸c˜oes de
vento geostr´ofico e de vento gradiente n˜ao podem mais
ser aplicadas, devido a modifica¸c˜oes no equil´ıbrio de
for¸cas promovidas pelo atrito oferecido pela superf´ıcie.
O relevo e a presen¸ca de obst´aculos moldam o esco-
amento do ar sobre a superf´ıcie terrestre, bem como
geram turbulˆencias no fluxo. A rugosidade da superf´ıcie
´e a propriedade f´ısica que descreve a a¸c˜ao da superf´ıcie
terrestre na redu¸c˜ao do momento e na absor¸c˜ao do im-
pacto dos ventos. Define-se a camada limite atmosf´erica
como a regi˜ao compreendida entre a superf´ıcie e uma
altura vari´avel entre 100 e 3000 m de altura e que apre-
senta um comportamento diferente do restante da at-
mosfera devido `as intera¸c˜oes superf´ıcie-atmosfera [17].
A influˆencia da superf´ıcie ´e especialmente dominante
numa camada chamada camada superficial, compreen-
dendo os primeiros 50-100 m da atmosfera [18], onde
ocorrem os intercˆambios de momento, calor e umidade
entre a superf´ıcie e o ar atmosf´erico.
A rugosidade da superf´ıcie ocasiona a redu¸c˜ao da
velocidade do ar e, portanto, da intensidade da for¸ca
de Coriolis, j´a que esta ´e proporcional ao m´odulo da
velocidade. Conseq¨uentemente, o vento deixa de es-
coar paralelamente `as is´obaras, como descrito anterior-
mente para o escoamento em altos n´ıveis. Nas proximi-
dades da superf´ıcie, o vento apresenta uma componente
no sentido da for¸ca do gradiente de press˜ao. Dessa
forma, o escoamento ciclˆonico converge em dire¸c˜ao `a
baixa press˜ao, enquanto nos anticiclones o ar diverge,
afastando-se do centro de alta press˜ao (Fig. 5). A con-
vergˆencia de ar provoca movimentos ascendentes sobre
os centros de baixa press˜ao, ocasionando instabilidades
e possibilitando forma¸c˜ao de nuvens e chuva. Nos cen-
tros de alta press˜ao ocorrem movimentos descendentes
de ar, e normalmente o tempo ´e bom e est´avel.
Figura 5 - Circula¸c˜ao atmosf´erica nas proximidades de centros de baixa press˜ao (B) e alta press˜ao (A) no Hemisf´erio Sul sob a influˆencia
do atrito da superf´ıcie.
Al´em do comportamento turbulento devido `as in-
tera¸c˜oes superf´ıcie-atmosfera, outro aspecto importante
a ser considerado ´e o cisalhamento do vento. A velo-
cidade do vento ´e nula a alturas pr´oximas `a superf´ıcie
e aproximadamente geostr´ofica na atmosfera livre. Na
camada superficial observa-se um perfil vertical apro-
O aproveitamento da energia e´olica 1304-7
ximadamente logar´ıtmico do m´odulo da velocidade do
vento, como apresentado graficamente na Fig. 6.
Prandtl desenvolveu a seguinte express˜ao lo-
gar´ıtmica emp´ırica para a varia¸c˜ao da velocidade do
vento na vertical em uma camada limite turbulenta [12]
v(z) =
v∗
κ
ln
z
z0
, (14)
onde a varia¸c˜ao da velocidade com a altura vertical z,
´e dada em fun¸c˜ao da velocidade de fric¸c˜ao (v∗), da
constante de von Karm´an (κ), e do comprimento de
rugosidade (z0). O comprimento de rugosidade corres-
ponde `a altura em que o vento, pr´oximo `a superf´ıcie,
assume valor zero, e depende do relevo e obst´aculos da
superf´ıcie. Contudo, o perfil real de velocidades na ver-
tical depende tamb´em da estratifica¸c˜ao de temperatura
e press˜ao na atmosfera.
Figura 6 - Perfil vertical da velocidade do vento desde a superf´ıcie
at´e a altura do vento geostr´ofico. O comprimento da rugosidade
(z0) ´e a altura onde a velocidade ´e nula.
3.4. Circula¸c˜ao Geral da Atmosfera e ventos
predominantes
Os movimentos atmosf´ericos e os sistemas meteo-
rol´ogicos aos quais est˜ao relacionados possuem diferen-
tes padr˜oes de circula¸c˜ao, com diferentes dimens˜oes es-
paciais e tempos de vida, de maneira que o seu estudo,
na Meteorologia, ´e realizado atrav´es da subdivis˜ao em
escalas. Segundo Lutgens e Tarbuck [20], os movimen-
tos atmosf´ericos s˜ao enquadrados nas seguintes escalas
de tempo e espa¸co:
• Microescala: dimens˜oes de menos de 1 km e tem-
pos de vida de segundos a minutos;
• Mesoescala: dimens˜oes de 1 a 100 km e tempos
de vida de minutos a dias;
• Escala sin´otica: dimens˜oes de 100-5000 km e tem-
pos de vida de dias a semana;
• Escala planet´aria: dimens˜oes de 1000-40000 km e
dura¸c˜ao de semanas a anos.
Os movimentos de escala planet´aria s˜ao primariamente
causados pelo aquecimento diferencial da superf´ıcie ter-
restre, em que a irradia¸c˜ao solar incide com maior in-
tensidade nas regi˜oes pr´oximas ao Equador. Os movi-
mentos que surgem a partir de ent˜ao agem para pro-
mover uma redistribui¸c˜ao de calor (transporte de ar
quente para os p´olos e ar frio para o Equador, dimi-
nuindo as desigualdades t´ermicas). Al´em disso, deve-
se ter em mente, que devido ao movimento de rota¸c˜ao
da Terra, a circula¸c˜ao atmosf´erica planet´aria ´e influ-
enciada pela conserva¸c˜ao do momento do sistema Terra-
Atmosfera. A Fig. 7 apresenta um modelo conceitual
de circula¸c˜ao atmosf´erica planet´aria chamado de mo-
delo de trˆes c´elulas. Neste modelo, a circula¸c˜ao em cada
hemisf´erio ´e descrita por trˆes c´elulas meridionais de cir-
cula¸c˜ao, cada qual apresentando dire¸c˜oes de vento pre-
dominantes `a superf´ıcie. Apesar de algumas limita¸c˜oes,
este modelo ´e considerado o melhor modelo simples da
circula¸c˜ao global atmosf´erica.
Ao aquecer-se pr´oximo `a superf´ıcie, o ar das vi-
zinhan¸cas do Equador torna-se mais leve, ascende,
resfria-se, e sua umidade condensa e precipita em forma
de chuva. Chegando ao topo da troposfera terrestre, o
ar, agora frio e seco, desloca-se na dire¸c˜ao de ambos os
p´olos for¸cado pelas parcelas de ar que continuamente
ascendem a partir da superf´ıcie. Nas latitudes entre 20◦
e 35◦
Norte e Sul, o ar descende at´e a superf´ıcie e parte
do ar descendente dirige-se para o Equador em baixos
n´ıveis, fechando, assim, c´elulas de circula¸c˜ao chamadas
c´elulas de Hadley. Nas c´elulas de Hadley, as correntes
de ar dirigidas para o Equador na superf´ıcie, s˜ao defleti-
das pela for¸ca de Coriolis. Assim, os ventos resultantes
possuem uma componente de leste para oeste e uma
componente dos tr´opicos para o Equador. Esses ven-
tos predominantes em baixos n´ıveis, na regi˜ao tropical,
s˜ao chamados de al´ıseos. Nas regi˜oes extra-tropicais,
entre 30 e 60◦
de latitude, a circula¸c˜ao atmosf´erica re-
sulta em outra c´elula meridional de circula¸c˜ao em cada
hemisf´erio: a c´elula de Ferrel. Nesta c´elula, parte do
ar descendente entre 20◦
e 35◦
de latitude escoa em
dire¸c˜ao aos p´olos nas proximidades da superf´ıcie, at´e
ser for¸cado a subir ao encontrar o ar mais frio e denso
da regi˜ao polar. Essa ascens˜ao ocorre em torno de 60◦
de latitude, acompanhada de condensa¸c˜ao de umidade,
precipita¸c˜ao e divergˆencia do ar em altos n´ıveis. Os
ventos pr´oximos `a superf´ıcie s˜ao predominantemente de
oeste para leste em conseq¨uˆencia da a¸c˜ao da for¸ca de
Coriolis. Existem ainda as c´elulas polares, em que par-
celas do ar, ap´os ascender nas latitudes pr´oximas a 60◦
,
deslocam-se para os p´olos, descendem exatamente so-
bre eles e retornam em dire¸c˜ao ao Equador, sendo que
o vento em superf´ıcie, defletido pela for¸ca de Coriolis,
´e aproximadamente de leste para oeste. Este vento po-
lar, frio e seco, eventualmente encontra os ventos de
oeste mais quentes das latitudes m´edias, constituindo
uma regi˜ao chamada frente polar, onde em geral ocor-
rem tempestades.
1304-8 Martins et al.
A ascens˜ao de ar junto ao Equador ocasiona alta
precipita¸c˜ao na regi˜ao que se caracteriza pela presen¸ca
das florestas tropicais do planeta. Essa zona de con-
vergˆencia de ar ´umido em superf´ıcie e forma¸c˜ao de nu-
vens convectivas ´e chamada de Zona de Convergˆencia
Intertropical (ZCIT), e constitui-se uma regi˜ao de bai-
xas press˜oes (Baixa Equatorial). A descendˆencia de ar
seco nos cintur˜oes de 30◦
de latitude de ambos os he-
misf´erios constitui as regi˜oes de altas press˜oes (Altas
Subtropicais), e coincidem com a ocorrˆencia de deser-
tos. A convergˆencia de ar em baixos n´ıveis na frente
polar constitui as Baixas Subpolares, onde ocorrem mo-
vimentos de ascens˜ao de ar e forma¸c˜ao de nuvens e pre-
cipita¸c˜ao. Finalmente, o ar frio e seco descendente so-
bre os p´olos resulta nas Altas Polares.
Figura 7 - Modelo conceitual da circula¸c˜ao global atmosf´erica, in-
dicando as c´elulas meridionais e as dire¸c˜oes dos ventos pr´oximos
`a superf´ıcie. Tamb´em s˜ao indicadas as latitudes t´ıpicas de baixas
e altas press˜oes. Adaptado da Ref. [20].
Vale enfatizar que os movimentos e c´elulas descri-
tos constituem apenas um modelo simplificado da cir-
cula¸c˜ao global atmosf´erica e correspondem `as condi¸c˜oes
m´edias aproximadamente observadas ao longo do ano
e em torno do globo terrestre, indicando os ventos de
grande escala predominantes. Na realidade, as cir-
cula¸c˜oes atmosf´ericas e regi˜oes de altas e baixas press˜oes
se modificam ao longo do ano (com a modifica¸c˜ao da
incidˆencia de radia¸c˜ao solar) e tamb´em n˜ao s˜ao zonal-
mente uniformes como na Fig. 7. Essas diferen¸cas ao
longo da dire¸c˜ao zonal se devem em grande parte `a dis-
tribui¸c˜ao de continentes e oceanos, e `as suas diferentes
propriedades t´ermicas. A ZCIT se desloca para latitu-
des a sul do Equador durante o ver˜ao do Hemisf´erio Sul,
e para latitudes a norte do Equador durante o inverno
no Hemisf´erio Sul, deslocando tamb´em os ventos al´ıseos
que passam sobre a regi˜ao Nordeste do Brasil.
Os anticiclones e ciclones extratropicais, com suas
frentes frias e quentes, s˜ao sistemas sin´oticos que al´em
de respons´aveis pelas mudan¸cas nas condi¸c˜oes de tempo
(nebulosidade, precipita¸c˜ao, tempestades e mudan¸cas
bruscas de temperatura) nas latitudes m´edias, tamb´em
provocam varia¸c˜oes nas intensidades e dire¸c˜oes dos ven-
tos nos altos e baixos n´ıveis atmosf´ericos. A Fig. 8
apresenta, para um n´ıvel pr´oximo `a superf´ıcie, uma so-
breposi¸c˜ao de um mapa de press˜ao e um mapa de vento
(representado atrav´es de vetores), onde se pode obser-
var um anticiclone (giro anti-hor´ario no hemisf´erio sul)
e um ciclone (giro hor´ario no hemisf´erio sul) e o vento
associado.
Assim, os movimentos observados na atmosfera ter-
restre s˜ao uma sobreposi¸c˜ao de todas as escalas de mo-
vimento, de maneira que sistemas e padr˜oes de escalas
menores podem ser transportados pelos movimentos de
escalas maiores. Eventualmente, circula¸c˜oes locais po-
dem predominar sobre os movimentos de escala pla-
net´aria, determinando as condi¸c˜oes do vento em regi˜oes
espec´ıficas. Por exemplo, o vento em regi˜oes costeiras
´e em grande parte determinado por um processo de
mesoescala: a brisa mar-terra na qual os ventos em
superf´ıcie sopram em dire¸c˜ao a terra ou ao mar depen-
dendo do ciclo de dia e noite devido ao aquecimento e
resfriamento diferencial da ´agua e da terra. Numa es-
cala ainda menor, o relevo e obst´aculos do terreno da
costa podem modificar a brisa mar-terra, resultando em
dire¸c˜oes e velocidades de vento espec´ıficas para cada lo-
cal.
4. Potˆencia e´olica dispon´ıvel e utiliz´avel
Atrav´es das turbinas e´olicas, a energia cin´etica contida
no vento ´e convertida em energia mecˆanica pelo giro das
p´as do rotor e transformada em energia el´etrica pelo
gerador. As turbinas e´olicas se encontram inseridas na
camada superficial da atmosfera, utilizando a energia
do vento em uma ampla faixa de alturas. A potˆencia P
contida no vento fluindo perpendicularmente com velo-
cidade u atrav´es de uma ´area A que pode representar a
´area de intercepta¸c˜ao das h´elices de uma turbina e´olica
´e dada por
P =
1
2
ρAu3
, (15)
onde a densidade do ar, representada por ρ ´e fun¸c˜ao da
press˜ao atmosf´erica e da temperatura do ar que est˜ao
diretamente associados com a altitude local. A densi-
dade do ar pode ser estimada a partir de
ρ (z) =
p0
RT
e− gz
RT , (16)
onde ρ(z) ´e a densidade do ar (em kg/m3
) em fun¸c˜ao
da altitude z, p0 ´e a press˜ao atmosf´erica ao n´ıvel do
mar (em kg/m3
), T ´e a temperatura do ar (em K), g ´e
a acelera¸c˜ao da gravidade (em m/s2
) e R ´e a constante
espec´ıfica do ar (em J/K mol).
O aproveitamento da energia e´olica 1304-9
Figura 8 - Representa¸c˜ao dos ventos (vetores) e dos n´ıveis de
press˜ao (linhas is´obaras) ao n´ıvel do mar. Pode-se observar um
anticiclone e um ciclone em latitudes pr´oximas a 40◦ S.
Em resumo, a potˆencia e´olica, isto ´e, a energia to-
tal dispon´ıvel por unidade de tempo ´e proporcional `a
terceira potˆencia da velocidade do vento. No entanto,
a energia do vento n˜ao ´e totalmente extra´ıda pelas p´as
da turbina. Estudos mostram que o valor m´aximo da
potˆencia que pode ser extra´ıda do vento corresponde a
59% da potˆencia total dispon´ıvel [21]. Somam-se a isso
perdas mecˆanicas na turbina (geometria das p´as entre
outros) que reduzem a potˆencia m´axima utiliz´avel a,
aproximadamente, 42% da potˆencia total dispon´ıvel no
vento [12].
Como a potˆencia el´etrica fornecida por uma turbina
e´olica ´e proporcional `a terceira potˆencia da velocidade,
mesmo pequenos erros nos dados de velocidade do vento
podem representar grandes desvios em termos de pre-
vis˜ao de potˆencia e´olica dispon´ıvel para turbinas, o que
pode levar a incertezas no retorno do investimento a
ser feito em um projeto de uma usina ou fazenda e´olica.
Dessa forma, o t´opico seguinte discute as bases de dados
de ventos dispon´ıveis para uso no setor el´etrico.
5. Bases de dados e´olicos aplic´aveis ao
setor energ´etico
O avan¸co do conhecimento tecnol´ogico permitiu uma
maior cobertura na coleta de dados meteorol´ogicos com
o uso de plataformas de autom´aticas de coleta de da-
dos, conhecidas como PCD’s e de dados de sat´elites
artificiais. Com o aumento da capacidade de proces-
samento dos computadores, o desenvolvimento de mo-
delos computacionais que simulam os processos f´ısicos
que ocorrem na atmosfera possibilitou um avan¸co signi-
ficativo na precis˜ao e confiabilidade das estimativas de
vento que ocorre pr´oximo `a superf´ıcie em ´areas remotas,
afastadas dos pontos de coleta de dados. Atualmente,
existem diversas fontes de dados dispon´ıveis para um
dado local ou regi˜ao. Essas bases de dados apresentam
origem distintas e sua aplicabilidade ao setor de energia
est´a relacionada `a resolu¸c˜ao espacial, extens˜ao da s´erie
temporal e procedimento de aquisi¸c˜ao do dado.
5.1. Medidas locais
Uma base de dados com medidas locais ´e de grande
importˆancia para prever com precis˜ao a densidade de
energia e a potˆencia instalada de uma unidade geradora
que s˜ao proporcionais ao cubo da velocidade m´edia do
vento. A instrumenta¸c˜ao utilizada para a aquisi¸c˜ao de
dados deve ser robusta de modo a permitir a coleta de
dados confi´aveis por per´ıodos suficientemente longos de
tempo a fim de que a variabilidade do vento seja con-
hecida. Diversos estudos discutem as principais fontes
de erros como o tipo e calibra¸c˜ao do anemˆometro, sua
resposta ao fluxo turbulento, condi¸c˜oes clim´aticas fora
dos limites do sensor e a influˆencia da torre arranjos
de montagem da instrumenta¸c˜ao instalada. O posicio-
namento do anemˆometro ´e fundamental e recomenda-se
que ele seja posicionado no mesmo local e altura do ro-
tor da turbina a ser instalada.
5.2. Rede de esta¸c˜oes de superf´ıcie para coleta
de dados
Muitas vezes, n˜ao existe a disponibilidade de dados lo-
cais devido aos custos de instala¸c˜ao e manuten¸c˜ao da
instrumenta¸c˜ao necess´aria para a coleta dos dados. As-
sim, o potencial e´olico de um dado local espec´ıfico pode
ser estimado a partir de dados coletados em regi˜oes
pr´oximas que apresentem caracter´ısticas clim´aticas e
ambientais similares. Alguns institutos de pesquisa,
institui¸c˜oes de ensino, e outras organiza¸c˜oes que ofe-
recem servi¸cos p´ublicos (aeroportos, por exemplo) rea-
lizam rotineiramente medidas de dados de vento e ou-
tras vari´aveis meteorol´ogicas de interesse para a ´area
energ´etica. Esses dados podem ser utilizados n˜ao s´o
para uso direto no levantamento de recursos e´olicos
dispon´ıveis para um local ou regi˜ao como tamb´em
para a valida¸c˜ao de estimativas fornecidas por mode-
los num´ericos de previs˜ao de vento.
Mesmo considerando que o procedimento de coleta
de dados esteja em acordo com os padr˜oes estabeleci-
dos pela World Meteorological Organization (WMO),
deve-se ter em mente que muitas das medidas rea-
lizadas rotineiramente n˜ao tˆem como foco principal o
setor energ´etico. Assim, uma an´alise cuidadosa deve
ser realizada antes da sua utiliza¸c˜ao a fim de verificar a
adequa¸c˜ao e aplicabilidade dos dados. Alguns aspectos
a serem considerados est˜ao relacionados `a disponibili-
dade de hist´orico de opera¸c˜ao do anemˆometro (falhas
ocorridas, substitui¸c˜ao e calibra¸c˜ao do equipamento, al-
tera¸c˜ao da unidade de medida, etc.); a erros de trunca-
1304-10 Martins et al.
mento e de transmiss˜ao de dados; e `a representatividade
espacial, temporal e clim´atica dos dados.
5.3. Base de dados em escala global
Dados clim´aticos em escala global s˜ao gerados em pro-
jetos de re-an´alise de dados meteorol´ogicos. Essas ba-
ses de dados contemplam um conjunto homogˆeneo de
dados de vento para o intervalo de uma d´ecada ou
mais e s˜ao preparadas com o uso de modelos num´ericos
de previs˜ao do tempo alimentados com dados coleta-
dos em esta¸c˜oes sin´oticas, b´oias oceˆanicas, radiosondas,
sat´elites, embarca¸c˜oes, etc. Os dados meteorol´ogicos
assimilados nos modelos passam por um r´ıgido controle
de qualidade e s˜ao manipulados para alimentar cada
um dos pontos de grade do modelo num´erico. As ba-
ses dados de re-an´alise permitem uma vis˜ao geral da
climatologia global dos ventos e podem ser utilizados
como estimativas para regi˜oes onde a quantidade de
dados coletados em superf´ıcie ´e muito pequena. Ou-
tro aspecto importante ´e que as bases de dados de re-
an´alise n˜ao apresentam falhas, isto ´e, os dados de vento
est˜ao dispon´ıveis em todo o per´ıodo de tempo englo-
bado pelo projeto. No entanto, a sua principal des-
vantagem ´e a baixa resolu¸c˜ao espacial uma vez que a
malha da grade apresenta dimens˜oes grandes para re-
duzir a demanda computacional dos modelos que ro-
dam em escala global. Projetos de re-an´alise s˜ao de-
senvolvidos pelo National Centers for Environmental
Prediction e National Center for Atmospheric Research
(www.cdc.noaa.gov/cdc/reanalysis/) e pelo Euro-
pean Centre for Medium Range Weather Forecasting
(www.ecmwf.int/research/era/).
5.4. Modelagem e previs˜ao num´erica do vento
A modelagem atmosf´erica e a previs˜ao do vento aplica-
das ao setor energ´etico possuem dois enfoques princi-
pais: a estimativa dos ventos m´edios levando em conta
dados climatol´ogicos; e a previs˜ao de vento para instan-
tes futuros em curto e m´edio prazos. O primeiro enfo-
que tem como finalidade a sele¸c˜ao de locais que apre-
sentam melhores condi¸c˜oes de suportar gera¸c˜ao e´olica
e prover os dados necess´arios para avaliar a viabilidade
econˆomica e estabelecer os parˆametros a serem adota-
dos no desenvolvimento de projetos de unidades gera-
doras e fazendas e´olicas.
As previs˜oes de curto e m´edio prazo visam facilitar o
planejamento da opera¸c˜ao de fazendas e´olicas e unida-
des geradoras. As estimativas de curto prazo s˜ao parti-
cularmente ´uteis na identifica¸c˜ao de per´ıodos de maior
ocorrˆencia de vento, bem como a ocorrˆencia de ven-
tos nocivos ao sistema. A previs˜ao de vento em m´edio
prazo tamb´em ´e ´util no gerenciamento dos recursos de
energia el´etrica, visando suprir as deficiˆencias na oferta
de gera¸c˜ao e´olica por energia el´etrica proveniente de ou-
tras fontes. A confiabilidade destas bases de dados est´a
sujeita a procedimentos de valida¸c˜ao quando as estima-
tivas fornecidas pelos modelos devem ser comparadas
com medidas locais e dados coletados em uma rede de
esta¸c˜oes de superf´ıcie.
5.4.1. Modelagem do vento para o setor de
energia e´olica
A previs˜ao de vento para fins de gera¸c˜ao e´olica para
qualquer localidade pode ser realizada com o uso de
dados disponibilizados por modelos num´ericos regio-
nais ou globais. Os modelos simulam o escoamento
atmosf´erico em v´arios n´ıveis verticais, representando
razoavelmente bem a circula¸c˜ao geral da atmosfera e
fenˆomenos de escala sin´otica. Modelos num´ericos de
mesoescala s˜ao largamente utilizados para modelagem
regional das condi¸c˜oes meteorol´ogicas em ´areas limi-
tadas, abrangendo desde centenas de quilˆometros at´e
continentes inteiros [22, 23]. Por motivos relaciona-
dos com a limita¸c˜ao de recursos computacionais para
produ¸c˜ao de previs˜oes em tempo h´abil para os usu´arios,
as vari´aveis meteorol´ogicas s˜ao previstas para pontos re-
presentativos de uma ´area chamados pontos de grade.
As informa¸c˜oes de superf´ıcie e relevo empregadas para
cada ponto de grade apresentam baixa resolu¸c˜ao espa-
cial, da ordem de dezenas de quilˆometros. A ausˆencia de
informa¸c˜oes refinadas da rugosidade, obst´aculos e de-
talhamento do relevo local acarretam erros intr´ınsecos
na estimativa do vento na altura de geradores e´olicos,
n˜ao atendendo plenamente o setor de gera¸c˜ao e´olica de
energia.
Um aumento da confiabilidade das estimativas pode
ser conseguido por meio de um refinamento, ou downs-
caling (do inglˆes), que pode ser baseado em um m´etodo
f´ısico ou um m´etodo estat´ıstico. No refinamento
estat´ıstico as informa¸c˜oes de previs˜ao, dispostas em
pontos de grade vizinhos `a localidade, s˜ao utilizadas em
equa¸c˜oes emp´ıricas ajustadas com base num conjunto
de medidas locais de vento, fazendo-se uso de m´etodos
estat´ısticos avan¸cados [24-27].
No refinamento f´ısico, o vento geostr´ofico fornecido
pelos modelos num´ericos alimenta um modelo dinˆamico
com maior resolu¸c˜ao espacial para simula¸c˜ao de esco-
amento sobre relevo complexo e que leva em conta as
rela¸c˜oes f´ısicas de camada limite para ajuste do perfil
de vento, e as condi¸c˜oes fisiogr´aficas locais.
O refinamento f´ısico pode tamb´em ser realizado
atrav´es de modelos meteorol´ogicos configurados para
resolu¸c˜oes maiores do que aquelas utilizadas opera-
cionalmente na previs˜ao de tempo [11, 28]. Embora
exijam recursos e tempo computacional maiores, es-
tes modelos utilizam o conjunto completo de equa¸c˜oes
dinˆamicas (equa¸c˜ao de momento, continuidade e ener-
gia termodinˆamica) descritas nos t´opicos anteriores e
possuem parametriza¸c˜oes que permitem a simula¸c˜ao de
v´arios processos f´ısicos, que influem nos movimentos
atmosf´ericos.
O aproveitamento da energia e´olica 1304-11
6. Resultados e produtos de pesquisas
desenvolvidas no Brasil
No Brasil, o CPTEC/INPE opera e gerencia uma
rede de coleta de dados de vento e dados ambientais
voltada para atender a demanda por informa¸c˜oes do
setor energ´etico – Rede SONDA. O objetivo princi-
pal da rede SONDA e disponibilizar informa¸c˜oes que
permitam o aperfei¸coamento e valida¸c˜ao de modelos
num´ericos para estimativa de potencial energ´etico de
fontes renov´aveis. A Fig. 9 apresenta a localiza¸c˜ao das
esta¸c˜oes de coleta de dados e´olicos com anemˆometros e
termˆometros instalados a 25 m e 50 m do solo. Maio-
res detalhes sobre a Rede SONDA, bem como acesso
livre a toda a base de dados coletados podem ser obti-
dos em www.cptec.inpe.br/sonda. O CPTEC/INPE
tamb´em disponibiliza acesso `a base de dados coletados
em esta¸c˜oes autom´aticas (n˜ao direcionados especifica-
mente ao setor de energia).
Figura 9 - Mapa de localiza¸c˜ao das esta¸c˜oes da Rede SONDA.
Al´em das Torres E´olicas, as Esta¸c˜oes de Referˆencia possuem sen-
sores para coleta de dados e´olicos.
Outro importante resultado de trabalho desenvol-
vido por pesquisadores brasileiro ´e o Atlas do Poten-
cial E´olico Brasileiro [11]. As informa¸c˜oes do vento
geostr´ofico contidas nesta base de dados foram gera-
das a partir da simula¸c˜ao da circula¸c˜ao atmosf´erica de
grande escala por um modelo de mesoescala chamado
MASS (Mesoscale Atmospheric Simulation System). A
partir desses dados de vento geostr´ofico, foi empregado
o refinamento f´ısico com o c´odigo WindMap para esti-
mar os dados de vento na altura t´ıpica dos aerogera-
dores (50 m). A Fig. 10 apresenta o mapeamento da
m´edia anual do fluxo de potˆencia e´olica e da velocidade
do vento. Os valores apresentados neste mapeamento
foram validados utilizando dados de vento coletados na
superf´ıcie e o desvio-padr˜ao observado para a diferen¸ca
entre a velocidade estimada e a velocidade medida foi
da ordem de 7,5%. Segundo o Atlas do Potencial E´olico
Brasileiro, mais de 71.000 km2
do territ´orio nacional
possui velocidades de vento superior a 7 m/s ao n´ıvel
de 50 m, o que propicia um potencial e´olico da ordem de
272 TWh/ano de energia el´etrica. Essa ´e uma cifra ba-
stante significativa considerando que o consumo nacio-
nal de energia el´etrica ´e de 424 TWh/ano. A maior
parte desse potencial est´a na costa dos estados nordes-
tinos, como conseq¨uˆencia dos ventos al´ısios.
Figura 10 - Mapeamento dos recursos e´olicos no territ´orio brasi-
leiro apresentado no Atlas do Potencial E´olico Brasileiro [11].
O levantamento dos recursos de energia e´olica no
Brasil foi uma das metas do projeto SWERA (So-
lar and Wind Energy Resources Assessment) desenvol-
vido sob a coordena¸c˜ao da Divis˜ao de Clima e Meio
Ambiente do Centro de Previs˜ao do Tempo e Estu-
dos Clim´aticos (DMA/CPTEC) e financiamento do
Programa das Na¸c˜oes Unidas para o Meio Ambiente
(PNUMA). A metodologia empregada no mapeamento
dos recursos e´olicos adotou o modelo num´erico Eta uti-
lizado rotineiramente para a previs˜ao de tempo e estu-
dos clim´aticos pelo CPTEC/INPE [28]. O modelo foi
alimentado com dados de topografia e de cobertura
do solo com resolu¸c˜ao de 1 km e a base de dados de
re-an´alises do NCEP/NCAR foi utilizada para prover
as informa¸c˜oes nas fronteiras das regi˜oes estabelecidas
para o mapeamento. Os resultados obtidos foram com-
parados e validados com dados de vento coletados em
aeroportos brasileiros, e em esta¸c˜oes meteorol´ogicas au-
tom´aticas e torres e´olicas da rede SONDA. A Fig. 11
mostra os valores m´edios anuais para a velocidade do
vento obtidos para as regi˜oes Nordeste e Sul.
O mapeamento produzido com o modelo Eta apre-
senta boa concordˆancia com os resultados apresentados
no Atlas E´olico Brasileiro [11], sendo que as maiores
discrepˆancias s˜ao observadas ao sul do estado da Ba-
hia e na divisa entre Bahia e Piau´ı. No entanto, de-
1304-12 Martins et al.
vido `a escassez de dados de campo nas regi˜oes de maior
discrepˆancia entre as duas metodologias, ainda n˜ao se
pode afirmar qual apresenta a maior confiabilidade. In-
forma¸c˜oes mais detalhadas sobre o mapeamento dos re-
cursos e´olicos no Brasil realizadas durante o projeto
SWERA est˜ao apresentadas por Pereira [28] ou podem
ser acessadas no portal http://swera.unep.net/swera/
e no website da rede SONDA (www.cptec.inpe.br/
sonda).
Figura 11 - Mapeamento dos recursos e´olicos nas regi˜oes Nordeste e Sul do Brasil obtido no CPTEC/INPE com o emprego do modelo
Eta [28].
7. Considera¸c˜oes finais
Este artigo tem como objetivo atender uma demanda
de informa¸c˜oes da comunidade acadˆemica e do p´ublico
em geral sobre o aproveitamento da energia e´olica cons-
tatada por meio dos in´umeros contatos recebidos pela
Divis˜ao de Clima e Meio Ambiente (DMA) do CP-
TEC/INPE ap´os o in´ıcio do projeto SWERA (Solar and
Wind Energy Resource Assessment). A preocupa¸c˜ao
ambiental e a necessidade de otimiza¸c˜ao de custos e
aumento da seguran¸ca energ´etica de muitas ´areas de
atividade econˆomica s˜ao respons´aveis pelo crescimento
do interesse pela compreens˜ao dos aspectos t´ecnicos e
cient´ıficos associados com o aproveitamento das fontes
renov´aveis de energia.
O CPTEC/INPE vem desenvolvendo, com apoio de
institui¸c˜oes de nacionais e internacionais, diversos pro-
jetos com o intuito de atender essa demanda de in-
forma¸c˜oes t´ecnico-cient´ıficas confi´aveis por meio do de-
senvolvimento de metodologias para levantamento de
recursos energ´eticos com o uso de dados obtidos por
meio de sensoriamento remoto (sat´elites e esta¸c˜oes de
superf´ıcie) e modelos num´ericos. Os projetos SWERA
e a rede SONDA s˜ao exemplos dessa atua¸c˜ao e toda a
base de dados gerada est´a dispon´ıvel para acesso gra-
tuito no s´ıtio www.cptec.inpe.br. Essas bases de da-
dos s˜ao extremamente ´uteis para a defini¸c˜ao de pol´ıticas
energ´eticas e para o desenvolvimento de projetos de
aproveitamento de recursos energ´eticos. Os resulta-
dos obtidos at´e o momento demonstram o potencial do
pa´ıs tanto com rela¸c˜ao `a disponibilidade de recursos re-
nov´aveis quanto `a capacidade de recursos humanos qua-
lificados para o desenvolvimento e a continuidade das
atividades de pesquisa nessa ´area. No entanto, ainda
existe a necessidade de implementa¸c˜ao de coleta sis-
tem´atica de dados de vento na regi˜ao Sul e em ´areas de
regi˜ao Nordeste, (como por exemplo, ao sul da Bahia)
com o intuito de permitir um aperfei¸coamento maior
dos modelos num´ericos utilizados no mapeamento dos
recursos e´olicos e uma avalia¸c˜ao mais adequada da con-
fiabilidade das informa¸c˜oes por eles fornecidas.
O aproveitamento da energia e´olica 1304-13
Agradecimentos
Os autores agradecem institucionalmente ao CP-
TEC/INPE pela infra-estrutura e apoio ao desenvol-
vimento das atividades da linha de pesquisa em “Ener-
gia e Recursos Renov´aveis” da DMA. Agradecimento
tamb´em ´e devido `a FINEP, UNEP e ao CNPq pelo
suporte financeiro aos projetos SONDA, SWERA e `a
forma¸c˜ao de recursos humanos. Agradecimento especial
para Sheila A.B. Silva, Cristina S. Yamashita, Rafael
Chagas e Silvia V. Pereira que muito contribu´ıram para
este artigo.
Referˆencias
[1] J. Goldemberg e L.D. Villanueva, Energia, Meio Am-
biente & Desenvolvimento (Edusp, S˜ao Paulo, 2003),
2a. ed.
[2] R.W. Bentley, Energ. Policy 30, 189 (2002).
[3] H.S. Geller, Revolu¸c˜ao Energ´etica: Pol´ıticas para um
Futuro Sustent´avel (Relume Dumar´a, Rio de Janeiro,
2003).
[4] E.B. Pereira, Boletim da Sociedade Brasileira de Me-
teorologia, no prelo (2007).
[5] O.A.C. do Amarante, D. Schultz, R. Bittencourt e N.
Rocha, Deutsches Windenergie-Institut Magazin 19,
79 (2001).
[6] A. Filgueiras and T.M.V. Silva, Renew. Sustain. Energ.
Rev. 7, 439 (2003).
[7] IPCC, Intergovernmental Panel on Climate Change,
IPCC WG-I Fourth Assessment Report (AR4) – The
Physical Basis on Climate Change – Summary for Poli-
cymakers. Dispon´ıvel em http://www.ipcc.ch/WG1{ }
SPM{ }17Apr07.pdf.
[8] Global Wind Energy Council, Global Wind Energy
Outlook 2006. Dispon´ıvel em http://www.gwec.net/
index.php?id=65.
[9] P. Agnolucci, Renew. Sustain. Energ. Rev. 11, 951
(2007).
[10] J. Szarka, Energy Policy 34, 3041 (2006).
[11] O.A.C. do Amarante, M. Brower, J. Zack e A.L. S´a,
Atlas do Potencial E´olico Brasileiro (Minist´erio de Mi-
nas e Energia, Bras´ılia, 2001).
[12] R. Gasch and J. Twele (eds), Wind Power Plants: Fun-
damentals, Design, Construction and Operation (So-
larpraxis AG, Alemanha, 2002).
[13] G.M. Joselin Herbert, S. Iniyan, E. Sreevalsan and
S. Rajapadian, Renew. Sustain. Energ. Rev. 11, 1117
(2007).
[14] B.J.M. De Vries, D.P. van Vuuren and M.M. Hoogwijk,
Energy Policy 35, 2590 (2007).
[15] Global Wind Energy Council, Global Wind 2006
Report. Dispon´ıvel em http://www.gwec.net/index.
php?id=8.
[16] J. Holton, An Indroduction to Dynamic Meteorology
(Academic Press, San Diego, 1992), 3rd
. ed.
[17] R.B. Stull, An introduction to Boundary Layer Meteo-
rology (Kluwer Academic Publishers, Dordrecht, 1988).
[18] J.C. Kaimal and J.J. Finnigan, Atmospheric Boundary
Layer Flows: Their Structure and Measurement (Ox-
ford University Press, New York, 1994).
[19] U. Focken, M. Lange and H.-P. Waldl, Proceedings of
the European Wind Energy Conference (Copenhagen,
Dinamarca, 2001).
[20] F.K. Lutgens and E.J. Tarbuck, The Atmosphere: An
Introduction to Metorology (Prentice Hall, Inc., New
Jersey, 1995), 6th
ed.
[21] A. Betz, Windenergie und ihre Ausnutzung durch
Windmhlen. Gttingen: Vandenhoek and Ruprecht,
1926 (Reprint by ¨Oko-Verlag Kassel, Germany 1982).
[22] E.L. Petersen, N.G. Mortesen, L. Landberg, J. Ho-
jstrup and H.P. Frank, Wind Power Meteorology.
RISO-I-1206(EN) (Riso National Laboratory, Ros-
kilde, 1997).
[23] R.M. Traci, G.T. Phillips, P.C. Patnail and B.E. Free-
man, Development of a Wind Energy Methodology -
Report RLO/2440-11 (US Dept. Energy, Washington,
DC, 1977).
[24] B. Ernst, K. Rohrig, P. Schorn and H. Regber, Procee-
dings of the European Wind Energy Conference (Co-
penhagen, Dinamarca, 2001).
[25] T.S. Nielsen, H. Madsen and J. Tofting, Proceedings of
the European Wind Energy Conference (Nice, Fran¸ca,
1999), p. 1066-1069.
[26] H.G. Beyer, D. Heinemann, H. Mellinghoff, K.
M¨onnich and H.-P. Waldl, Proceedings of the European
Wind Energy Conference (Nice, Fran¸ca, 1999), p. 1070-
1073.
[27] U. Focken, M. Lange, K. M¨onnich, H.-P. Waldl, H.G.
Beyer and A. Luig, J. Wind Eng. Ind. Aerod. 90, 231
(2002).
[28] E.B. Pereira, F.R. Martins, S.L. Abreu, R. R¨uther,
S.C. Chan, O.A.C. Amarante and S. Colle, Brazilian
Energy Report - SWERA Project (INPE, S˜ao Jos´e dos
Campos, 2008). Dispon´ıvel em www.swera.unep.net/
swera/.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEARSEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
Leonam Guimarães
 
Apres UNESP SEMEAR
Apres UNESP SEMEARApres UNESP SEMEAR
Apres UNESP SEMEAR
Conrado Augustus de Melo
 
Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)
Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)
Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)
Jim Naturesa
 
Conceitos energias renováveis
Conceitos energias renováveisConceitos energias renováveis
Conceitos energias renováveis
juniorpsouza
 
15616 1442-5-30
15616 1442-5-3015616 1442-5-30
Tese_Joana_Antunes_110480012_051114
Tese_Joana_Antunes_110480012_051114Tese_Joana_Antunes_110480012_051114
Tese_Joana_Antunes_110480012_051114
Joana Antunes
 
Tapajos ebook
Tapajos ebookTapajos ebook
Tapajos ebook
Lucris Morais da Silva
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Políticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de EnergiaPolíticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de Energia
Habitante Verde
 
Felipe colturato
Felipe colturatoFelipe colturato
Felipe colturato
Carlos Elson Cunha
 
A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...
A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...
A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...
Gilberto De Martino Jannuzzi
 
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Fernando Alcoforado
 
Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02
Carlos Elson Cunha
 
File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349
Thiaggo Colares
 
Energias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi AL
Energias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi ALEnergias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi AL
Energias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi AL
Agnaldo Santos
 
Energia solar CECA UFAL
Energia solar CECA UFALEnergia solar CECA UFAL
Energia solar CECA UFAL
Agnaldo Santos
 
Matriz energética 7 de abril
Matriz energética   7 de abrilMatriz energética   7 de abril
Matriz energética 7 de abril
Luisjoaquim
 
Ciências e tecnologia grupo 5 completo
Ciências e tecnologia   grupo 5 completoCiências e tecnologia   grupo 5 completo
Ciências e tecnologia grupo 5 completo
carolperuquetti
 
Green buildings
Green buildingsGreen buildings
Green buildings
Nuno Almeida
 

Mais procurados (19)

SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEARSEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
 
Apres UNESP SEMEAR
Apres UNESP SEMEARApres UNESP SEMEAR
Apres UNESP SEMEAR
 
Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)
Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)
Críticas ao SIN (Sistema Interligado Nacional)
 
Conceitos energias renováveis
Conceitos energias renováveisConceitos energias renováveis
Conceitos energias renováveis
 
15616 1442-5-30
15616 1442-5-3015616 1442-5-30
15616 1442-5-30
 
Tese_Joana_Antunes_110480012_051114
Tese_Joana_Antunes_110480012_051114Tese_Joana_Antunes_110480012_051114
Tese_Joana_Antunes_110480012_051114
 
Tapajos ebook
Tapajos ebookTapajos ebook
Tapajos ebook
 
Energias Renováveis
Energias RenováveisEnergias Renováveis
Energias Renováveis
 
Políticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de EnergiaPolíticas Públicas para Conservação de Energia
Políticas Públicas para Conservação de Energia
 
Felipe colturato
Felipe colturatoFelipe colturato
Felipe colturato
 
A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...
A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...
A tecnologia fotovoltaica, novos negócios e novos desafios para as concession...
 
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
 
Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02Fabiane sakai relatório-final-r02
Fabiane sakai relatório-final-r02
 
File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349File 214762-20170206152349
File 214762-20170206152349
 
Energias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi AL
Energias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi ALEnergias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi AL
Energias Renováveis: Energia Fotovoltaica na Construção Civil - Ademi AL
 
Energia solar CECA UFAL
Energia solar CECA UFALEnergia solar CECA UFAL
Energia solar CECA UFAL
 
Matriz energética 7 de abril
Matriz energética   7 de abrilMatriz energética   7 de abril
Matriz energética 7 de abril
 
Ciências e tecnologia grupo 5 completo
Ciências e tecnologia   grupo 5 completoCiências e tecnologia   grupo 5 completo
Ciências e tecnologia grupo 5 completo
 
Green buildings
Green buildingsGreen buildings
Green buildings
 

Destaque

Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014
Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014
Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014
Autoblog.it
 
Mayer gestao conhecimento
Mayer gestao conhecimentoMayer gestao conhecimento
Mayer gestao conhecimento
Reinaldo Afonso Mayer
 
Reinaldo mayer usandoartefatos_de_um_rea
Reinaldo mayer usandoartefatos_de_um_reaReinaldo mayer usandoartefatos_de_um_rea
Reinaldo mayer usandoartefatos_de_um_rea
Reinaldo Afonso Mayer
 
Planificador de proyectos de martha castrillón ejemplo
Planificador de proyectos de martha castrillón ejemploPlanificador de proyectos de martha castrillón ejemplo
Planificador de proyectos de martha castrillón ejemplo
farallones47
 
birthday wishes for Manan
birthday wishes for Mananbirthday wishes for Manan
birthday wishes for Mananminiverma1
 
Reta
RetaReta
Reta
BriefCase
 
Eva castillo corregido grande
Eva castillo corregido grandeEva castillo corregido grande
Eva castillo corregido grande
Luz Amparo Cerón
 
A operação da cruz
A operação da cruzA operação da cruz
A operação da cruz
Saulo Calixto
 
Gabrielgonzalez tarea
Gabrielgonzalez tareaGabrielgonzalez tarea
Gabrielgonzalez tarea
gabrieling
 
Lanzamiento icg 2013
Lanzamiento icg 2013Lanzamiento icg 2013
Lanzamiento icg 2013
Silvia Cardona
 
Monografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-social
Monografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-socialMonografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-social
Monografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-social
Marianna Leão
 
Sid el ni..[1][1]
Sid el ni..[1][1]Sid el ni..[1][1]
Sid el ni..[1][1]
natalievargas
 
Ritmo
RitmoRitmo
Apresentação Resumida - SETE
Apresentação Resumida - SETEApresentação Resumida - SETE
Apresentação Resumida - SETE
TR Soluções Web
 
Aula 11 - Unidades Métricas
Aula 11 - Unidades MétricasAula 11 - Unidades Métricas
Aula 11 - Unidades Métricas
camila_seixas
 
Processo de desenvolvimento na samba
Processo de desenvolvimento na sambaProcesso de desenvolvimento na samba
Processo de desenvolvimento na samba
joaogmaciel
 
Arquivamento de inquérito
Arquivamento de inquéritoArquivamento de inquérito
Arquivamento de inquérito
Folha de Pernambuco
 
Frater song
Frater songFrater song
Diário Oficial do Dia
Diário Oficial do DiaDiário Oficial do Dia
Diário Oficial do Dia
prefeituraguaruja
 

Destaque (20)

Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014
Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014
Listino prezzi nuova Jeep Grand Cherokee 2014
 
Mayer gestao conhecimento
Mayer gestao conhecimentoMayer gestao conhecimento
Mayer gestao conhecimento
 
Reinaldo mayer usandoartefatos_de_um_rea
Reinaldo mayer usandoartefatos_de_um_reaReinaldo mayer usandoartefatos_de_um_rea
Reinaldo mayer usandoartefatos_de_um_rea
 
Planificador de proyectos de martha castrillón ejemplo
Planificador de proyectos de martha castrillón ejemploPlanificador de proyectos de martha castrillón ejemplo
Planificador de proyectos de martha castrillón ejemplo
 
birthday wishes for Manan
birthday wishes for Mananbirthday wishes for Manan
birthday wishes for Manan
 
Reta
RetaReta
Reta
 
Eva castillo corregido grande
Eva castillo corregido grandeEva castillo corregido grande
Eva castillo corregido grande
 
A operação da cruz
A operação da cruzA operação da cruz
A operação da cruz
 
Gabrielgonzalez tarea
Gabrielgonzalez tareaGabrielgonzalez tarea
Gabrielgonzalez tarea
 
Lanzamiento icg 2013
Lanzamiento icg 2013Lanzamiento icg 2013
Lanzamiento icg 2013
 
Monografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-social
Monografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-socialMonografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-social
Monografia marianna-leao-harry-potter-e-a-dinâmica-social
 
Sid el ni..[1][1]
Sid el ni..[1][1]Sid el ni..[1][1]
Sid el ni..[1][1]
 
Ritmo
RitmoRitmo
Ritmo
 
Apresentação Resumida - SETE
Apresentação Resumida - SETEApresentação Resumida - SETE
Apresentação Resumida - SETE
 
Aula 11 - Unidades Métricas
Aula 11 - Unidades MétricasAula 11 - Unidades Métricas
Aula 11 - Unidades Métricas
 
Processo de desenvolvimento na samba
Processo de desenvolvimento na sambaProcesso de desenvolvimento na samba
Processo de desenvolvimento na samba
 
7 bestpos
7 bestpos7 bestpos
7 bestpos
 
Arquivamento de inquérito
Arquivamento de inquéritoArquivamento de inquérito
Arquivamento de inquérito
 
Frater song
Frater songFrater song
Frater song
 
Diário Oficial do Dia
Diário Oficial do DiaDiário Oficial do Dia
Diário Oficial do Dia
 

Semelhante a A05v30n1

Energia eolica
Energia eolicaEnergia eolica
Energia eolica
Maxsuel Trindade
 
A Motivação Que Você Precisa
A Motivação Que Você PrecisaA Motivação Que Você Precisa
A Motivação Que Você Precisa
SuellenAlves31
 
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdfBS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
Vaii1
 
energias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptxenergias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptx
Erica Dos Anjos
 
Energia hidraulica
Energia hidraulicaEnergia hidraulica
Energia hidraulica
Lígia Góis
 
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
Jutair Rios
 
Energia e meio ambiente
Energia e meio ambienteEnergia e meio ambiente
Energia e meio ambiente
Universidade Federal Fluminense
 
Energia e meio ambiente
Energia e meio ambienteEnergia e meio ambiente
Energia e meio ambiente
Universidade Federal Fluminense
 
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade SolarGeração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Marc Valente
 
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdfTEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
ManoelRicardoVilhena1
 
Art gabettachile
Art gabettachileArt gabettachile
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologiasCiencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Vanessa Silva
 
Trabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxdddTrabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxddd
fernandavf
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
romuloswati
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
romuloswati
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
romuloswati
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
Faga1939
 
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdfO FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdf
Faga1939
 
Energia das Ondas
Energia das OndasEnergia das Ondas
Energia das Ondas
Bruno B Garcia
 

Semelhante a A05v30n1 (19)

Energia eolica
Energia eolicaEnergia eolica
Energia eolica
 
A Motivação Que Você Precisa
A Motivação Que Você PrecisaA Motivação Que Você Precisa
A Motivação Que Você Precisa
 
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdfBS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
 
energias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptxenergias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptx
 
Energia hidraulica
Energia hidraulicaEnergia hidraulica
Energia hidraulica
 
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
 
Energia e meio ambiente
Energia e meio ambienteEnergia e meio ambiente
Energia e meio ambiente
 
Energia e meio ambiente
Energia e meio ambienteEnergia e meio ambiente
Energia e meio ambiente
 
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade SolarGeração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
Geração de Energias Alternativas: Potencial Eólico e Complementaridade Solar
 
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdfTEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
 
Art gabettachile
Art gabettachileArt gabettachile
Art gabettachile
 
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologiasCiencias da-natureza-e-suas-tecnologias
Ciencias da-natureza-e-suas-tecnologias
 
Trabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxdddTrabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxddd
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
 
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdfO FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O MUNDO.pdf
 
Energia das Ondas
Energia das OndasEnergia das Ondas
Energia das Ondas
 

Mais de Francisca Claudia Melo Melo

Cit 7 fase_aula_01
Cit 7 fase_aula_01Cit 7 fase_aula_01
Cit 7 fase_aula_01
Francisca Claudia Melo Melo
 
Edital efetivo uva
Edital efetivo uvaEdital efetivo uva
Edital efetivo uva
Francisca Claudia Melo Melo
 
Comunicado34.2015cccd
Comunicado34.2015cccdComunicado34.2015cccd
Comunicado34.2015cccd
Francisca Claudia Melo Melo
 
Comunicado33.2015cccd
Comunicado33.2015cccdComunicado33.2015cccd
Comunicado33.2015cccd
Francisca Claudia Melo Melo
 
Comunicado36.2015cccd
Comunicado36.2015cccdComunicado36.2015cccd
Comunicado36.2015cccd
Francisca Claudia Melo Melo
 
Comunicado35.2015.cccd
Comunicado35.2015.cccdComunicado35.2015.cccd
Comunicado35.2015.cccd
Francisca Claudia Melo Melo
 
Comunicado37.2015cccd
Comunicado37.2015cccdComunicado37.2015cccd
Comunicado37.2015cccd
Francisca Claudia Melo Melo
 

Mais de Francisca Claudia Melo Melo (7)

Cit 7 fase_aula_01
Cit 7 fase_aula_01Cit 7 fase_aula_01
Cit 7 fase_aula_01
 
Edital efetivo uva
Edital efetivo uvaEdital efetivo uva
Edital efetivo uva
 
Comunicado34.2015cccd
Comunicado34.2015cccdComunicado34.2015cccd
Comunicado34.2015cccd
 
Comunicado33.2015cccd
Comunicado33.2015cccdComunicado33.2015cccd
Comunicado33.2015cccd
 
Comunicado36.2015cccd
Comunicado36.2015cccdComunicado36.2015cccd
Comunicado36.2015cccd
 
Comunicado35.2015.cccd
Comunicado35.2015.cccdComunicado35.2015.cccd
Comunicado35.2015.cccd
 
Comunicado37.2015cccd
Comunicado37.2015cccdComunicado37.2015cccd
Comunicado37.2015cccd
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

A05v30n1

  • 1. Revista Brasileira de Ensino de F´ısica, v. 30, n. 1, 1304 (2008) www.sbfisica.org.br O aproveitamento da energia e´olica (The wind energy resource) F.R. Martins1 , R.A. Guarnieri e E.B. Pereira Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Centro de Previs˜ao do Tempo e Estudos Clim´aticos, S˜ao Jos´e dos Campos, SP, Brasil Recebido em 16/8/2007; Revisado em 11/10/2007; Aceito em 17/10/2007 Diversos estudos realizados nos ´ultimos anos tˆem apontado as implica¸c˜oes e impactos s´ocio-ambientais do consumo de energia. As fontes renov´aveis de energia s˜ao apresentadas como a principal alternativa para atender as demandas da sociedade com rela¸c˜ao `a qualidade e seguran¸ca do atendimento da demanda de eletricidade com a redu¸c˜ao dos danos ambientais decorrentes do consumo de energia. Este artigo apresenta uma revis˜ao dos conceitos f´ısicos relacionados ao emprego da energia cin´etica dos ventos na gera¸c˜ao de eletricidade. Inicialmente, o artigo descreve a evolu¸c˜ao do aproveitamento da energia e´olica, incluindo dados e informa¸c˜oes sobre a situa¸c˜ao atual do uso desse recurso para gera¸c˜ao de energia el´etrica. O artigo apresenta uma descri¸c˜ao dos aspectos dinˆamicos dos ventos e circula¸c˜ao atmosf´erica na Terra, incluindo a descri¸c˜ao dos fatores que influenciam a velocidade e dire¸c˜ao dos ventos nas proximidades da superf´ıcie de nosso planeta. A modelagem e previs˜ao dos ventos s˜ao discutidas apresentando os principais resultados obtidos com as metodologias empregadas no Brasil. Os aspectos relacionados `a estimativa e previs˜ao da potˆencia e´olica s˜ao abordados ressaltando a importˆancia de uma base de dados de vento de qualidade para a determina¸c˜ao da confiabilidade dos resultados fornecidos pelos modelos num´ericos. Palavras-chave: energia e´olica, circula¸c˜ao atmosf´erica, modelos num´ericos, modelagem atmosf´erica. Several studies have been pointed out the energy consumption implications and impacts on environment and human society. Renewable sources of energy were identified as the major alternative to assure the confidence and the quality required to fulfill the energy demands from human society by reducing the environmental impacts. This paper presents a short review of knowledge and technological evolution related to conversion of wind energy into electricity. First of all, the paper describes the time evolution and the present status of the wind energy deployment. After that, a brief discussion on atmospheric circulation is presented including the main factors that affect the wind velocity and direction near the surface. The wind energy assessment methodologies adopted in Brazil that uses regional climate models and wind data acquired in ground sites spread throughout the Brazilian territory were discussed. Finally, the issues related to the wind power are depicted and special attention is given to the importance of database reliability to the wind power plant design and management. Keywords: wind energy, climate models, atmospheric circulation. 1. Introdu¸c˜ao A quest˜ao energ´etica ´e um dos t´opicos de maior im- portˆancia na atualidade. A qualidade de vida de uma sociedade est´a intimamente ligada ao seu consumo de energia. O crescimento da demanda energ´etica mundial em raz˜ao da melhoria dos padr˜oes de vida nos pa´ıses em desenvolvimento traz a preocupa¸c˜ao com alguns aspec- tos essenciais para a pol´ıtica e planejamento energ´etico de todas as economias emergentes. Dentre eles, po- demos citar a seguran¸ca no suprimento de energia ne- cess´aria para o desenvolvimento social e econˆomico de um pa´ıs e os custos ambientais para atender a esse au- mento no consumo de energia [1]. Nas ´ultimas d´ecadas a seguran¸ca no suprimento de energia est´a associada `as perspectivas de esgotamento das reservas de petr´oleo nas pr´oximas d´ecadas [2, 3] e a eleva¸c˜ao dos pre¸cos de mercado dos combust´ıveis f´osseis em conseq¨uˆencia de problemas pol´ıticos e so- ciais nas principais regi˜oes produtoras. Fatores am- bientais tamb´em podem reduzir a seguran¸ca energ´etica como, por exemplo, a ocorrˆencia de longos per´ıodos de estiagem que afetam a produtividade da biomassa e a gera¸c˜ao hidroel´etrica. A inser¸c˜ao de recursos com- plementares na matriz energ´etica de um pa´ıs, com a ado¸c˜ao de fontes renov´aveis, deve minimizar os impac- tos causados por crises internacionais que afetam o mer- cado de combust´ıveis f´osseis ou por instabilidades na 1E-mail: fernando@dge.inpe.br. Copyright by the Sociedade Brasileira de F´ısica. Printed in Brazil.
  • 2. 1304-2 Martins et al. gera¸c˜ao hidroel´etrica em ´epocas de estiagem [4-6]. Em raz˜ao dos fatos expostos acima, a pesquisa cient´ıfica e o desenvolvimento tecnol´ogico vˆem rece- bendo grande incentivo em todo o mundo, principal- mente ap´os o ´ultimo relat´orio do IPCC (Painel Inter- Governamental para mudan¸cas Clim´aticas) divulgado em fevereiro de 2007 [7]. Dentre as fontes energ´eticas “limpas” – fontes de energia que n˜ao acarretam a emiss˜ao de gases do efeito estufa (GEE) – a energia mecˆanica contida no vento vem se destacando e de- monstra potencial para contribuir significativamente no atendimento dos requisitos necess´arios quanto aos cus- tos de produ¸c˜ao, seguran¸ca de fornecimento e sustenta- bilidade ambiental [8]. A experiˆencia dos pa´ıses l´ıderes do setor de gera¸c˜ao e´olica mostra que o r´apido desenvolvimento da tecno- logia e do mercado tˆem grandes implica¸c˜oes s´ocio- econˆomicas. A forma¸c˜ao de recursos humanos e a pes- quisa cient´ıfica receberam incentivos com a finalidade de dar o suporte necess´ario para a ind´ustria de energia e´olica em forma¸c˜ao. Na atualidade, diversos estudos apontam a gera¸c˜ao de emprego e o dom´ınio da tecnolo- gia como fatores t˜ao importantes quanto `a preserva¸c˜ao ambiental e a seguran¸ca energ´etica dos pa´ıses da comu- nidade europ´eia para a continuidade dos investimentos no aproveitamento da energia e´olica [9, 10]. No Brasil, a capacidade instalada ainda ´e muito pe- quena quando comparada aos pa´ıses l´ıderes em gera¸c˜ao e´olica. No entanto, pol´ıticas de incentivos est˜ao come¸cando a produzir os primeiros resultados e espera- se um crescimento da explora¸c˜ao deste recurso nos pr´oximos anos. Para dar suporte a esse crescimento, torna-se necess´ario a forma¸c˜ao de recursos humanos e o desenvolvimento de pesquisas cient´ıficas de ˆambito nacional com o intuito de produzir e disponibilizar in- forma¸c˜oes confi´aveis sobre a os recursos e´olicos no ter- rit´orio brasileiro. Dentre os esfor¸cos mais recentes e dispon´ıveis publicamente, pode-se citar o Atlas do Po- tencial E´olico Brasileiro [11] e a base de dados do pro- jeto SONDA (www.cptec.inpe.br/sonda). Os resulta- dos e produtos dessas pesquisas demonstram o poten- cial energ´etico e a viabilidade econˆomica de projetos de aproveitamento desse recurso renov´avel no pa´ıs. Este artigo tem como objetivo descrever como os conceitos f´ısicos relativos `a dinˆamica da atmosfera s˜ao empregados para a avalia¸c˜ao da disponibilidade do re- curso energ´etico e´olico. O texto apresenta, inicial- mente, um breve hist´orico da evolu¸c˜ao da tecnologia empregada para aproveitamento da energia e´olica e o status atual dessa fonte de energia no cen´ario mun- dial. O artigo discute, em seguida, os conceitos f´ısicos envolvidos na descri¸c˜ao dos movimentos atmosf´ericos, na modelagem e previs˜ao de ventos. O texto aborda, sucintamente, as bases de dados dispon´ıveis para ava- lia¸c˜ao da confiabilidade dos modelos num´ericos e para determina¸c˜ao do potencial energ´etico dispon´ıvel para explora¸c˜ao comercial. Os produtos e resultados das pesquisas em desenvolvimento no Brasil s˜ao discutidos brevemente com o intuito de ilustrar a aplica¸c˜ao pr´atica dos conceitos discutidos no transcorrer do artigo. 2. Breve hist´orico da energia e´olica no mundo A convers˜ao da energia cin´etica dos ventos em ener- gia mecˆanica vem sendo utilizada pela humanidade h´a mais de 3000 anos. Os moinhos de vento utilizados para moagem de gr˜aos e bombeamento de ´agua em ativida- des agr´ıcolas foram as primeiras aplica¸c˜oes da energia e´olica. O desenvolvimento da navega¸c˜ao e o per´ıodo das grandes descobertas de novos continentes foram propi- ciados em grande parte pelo emprego da energia dos ventos. Uma aplica¸c˜ao que vem se tornando mais import- ante a cada dia ´e o aproveitamento da energia e´olica como fonte alternativa de energia para produ¸c˜ao de ele- tricidade. Em seu livro, Gasch e Twele [12] detalham a evolu¸c˜ao da tecnologia da energia e´olica desde seu em- prego em moinhos de vento a partir de 1700 a.C. at´e os modernos aerogeradores de eletricidade. Estudos para convers˜ao da energia cin´etica dos ventos em eletrici- dade vˆem sendo desenvolvidos a cerca de 150 anos [13] e, nos dias de hoje, a energia e´olica vem sendo apon- tada como a fonte de energia renov´avel mais promis- sora para a produ¸c˜ao de eletricidade, em curto prazo, considerando aspectos de seguran¸ca energ´etica, custo s´ocio-ambiental e viabilidade econˆomica [14]. O grande desenvolvimento da aplica¸c˜ao da energia e´olica para gera¸c˜ao de eletricidade iniciou-se na Dina- marca em 1980 quando as primeiras turbinas foram fabricadas por pequenas companhias de equipamen- tos agr´ıcolas. Estas turbinas possu´ıam capacidade de gera¸c˜ao (30-55 kW) bastante reduzida quando compa- rada com valores atuais. Pol´ıticas internas favoreceram o crescimento do setor, de maneira que, atualmente, a Dinamarca ´e o pa´ıs que apresenta a maior contribui¸c˜ao de energia e´olica em sua matriz energ´etica e ´e o maior fabricante mundial de turbinas e´olicas [13]. A evolu¸c˜ao da capacidade instalada de gera¸c˜ao e´olica de eletricidade no mundo e a evolu¸c˜ao tecnol´ogica dos aerogeradores entre 1980 e 2002 podem ser ob- servadas nas Figs. 1a e 1b, respectivamente. Desde o in´ıcio da d´ecada de 1990 o setor de energia e´olica vem apresentando um crescimento acelerado em todo o mundo. A capacidade instalada total mundial de aerogeradores voltados `a produ¸c˜ao de energia el´etrica atingiu 74223 MW ao final de 2006, apresentando um crescimento de mais de 20% em rela¸c˜ao a 2005. Se- gundo o Global Wind Energy Council [15], esse cres- cimento de capacidade instalada ao longo de 2006 re- presenta o maior acr´escimo observado ao longo de um ano. Ainda segundo o GWEC [15], o Brasil totalizou a inser¸c˜ao de 208 MW ao longo de 2006, fechando o ano com 237 MW de capacidade instalada. Esse acr´escimo
  • 3. O aproveitamento da energia e´olica 1304-3 deve-se em grande parte `a instala¸c˜ao dos parques e´olicos de Os´orio (RS) que totalizam 150 MW. Este complexo e´olico conta com 75 aerogeradores de 2 MW cada um, instalados em trˆes parques e´olicos, com capacidade de produzir 417 GWh por ano. Figura 1 - (a) Evolu¸c˜ao da capacidade instalada de gera¸c˜ao e´olica de eletricidade no mundo e (b) Evolu¸c˜ao tecnol´ogica das turbi- nas e´olicas comerciais (D = diˆametro, P = potˆencia, H = altura) entre 1980 e 2002. Fonte: Adaptado da Ref. [12]. 3. Vento e circula¸c˜oes atmosf´ericas O movimento de parcelas de ar, nas atmosferas pla- net´arias, ´e denominado vento. Embora, o ar possa mover-se na dire¸c˜ao vertical, a denomina¸c˜ao “vento” ´e comumente aplicada apenas ao movimento horizon- tal, paralelo `a superf´ıcie do planeta. Na meteorologia, a velocidade e a dire¸c˜ao do vento, juntamente com a temperatura, a umidade e a press˜ao do ar atmosf´erico, s˜ao as vari´aveis mais importantes empregadas na des- cri¸c˜ao meteorol´ogica da atmosfera terrestre. O vento, como agente meteorol´ogico, atua nas mo- difica¸c˜oes das condi¸c˜oes do tempo, sendo respons´avel pelo transporte de umidade e de energia na atmosfera. A energia dos ventos pode provocar grande destrui¸c˜ao quando associado a eventos como furac˜oes e tornados. Contudo, o vento pode ser empregado como uma fonte alternativa de energia por meio da convers˜ao de sua energia cin´etica em outras formas de energia, especial- mente eletricidade. 3.1. Aspectos dinˆamicos A acelera¸c˜ao, ou varia¸c˜ao na quantidade de movimento, experimentada pelas parcelas de ar atmosf´erico, ´e de- corrente da resultante vetorial de todas as for¸cas atuan- tes sobre elas (segunda lei de Newton). Os gradientes de press˜ao existentes na atmosfera constituem a prin- cipal for¸ca motriz dos movimentos de ar. A for¸ca por unidade de massa atuante sobre uma parcela de ar, de- corrente de um gradiente de press˜ao, pode ser expressa vetorialmente pela equa¸c˜ao FP m = − 1 ρ ∇p, (1) onde p ´e press˜ao, ρ ´e densidade e m´e massa. As par- celas de ar tamb´em sofrem a¸c˜ao da for¸ca gravitacio- nal, em que g∗ ´e a acelera¸c˜ao (ou for¸ca por unidade de massa) decorrente puramente da for¸ca gravitacional entre a Terra e as parcelas de ar Fg m = g ∗ . (2) Adicionalmente, parcelas de fluido em movimento so- frem a a¸c˜ao de fric¸c˜oes internas que resistem `a tendˆencia do escoamento (for¸cas viscosas resistivas ou atrito), re- presentadas por Fr. Considerando uma parcela indivi- dual de ar, com massa constante, que se move ao longo da atmosfera seguindo o escoamento, e tomando um sis- tema de coordenadas inercial, fixo no espa¸co, a segunda lei de Newton pode ser escrita como DaUa Dt = F m , (3) onde Ua representa a velocidade da parcela referente ao sistema inercial e DaUa/Dt representa a taxa de varia¸c˜ao de Ua, seguindo o movimento da parcela, e relativa ao sistema de coordenadas inercial. Esta ex- press˜ao afirma que a acelera¸c˜ao da parcela de ar ´e igual ao somat´orio de todas as for¸cas (por unidade de massa) aplicadas sobre a parcela. Assim DaUa Dt = − 1 ρ ∇p + g ∗ +Fr. (4) Entretanto, no estudo da dinˆamica dos movimen- tos atmosf´ericos, usualmente adota-se um sistema de coordenadas fixo `a superf´ıcie terrestre, como mostra a Fig. 2. Este sistema ´e composto pelas dire¸c˜oes zonal (eixo x) e meridional (eixo y) – paralelas `a superf´ıcie do planeta – e pela dire¸c˜ao vertical (eixo z) perpendi- cular `a superf´ıcie. Assim, o vento horizontal apresenta
  • 4. 1304-4 Martins et al. duas componentes: o vento zonal que est´a simbolizado por u e ´e positivo no sentido de oeste para leste; e o vento meridional representado por v e positivo no sentido de sul para norte. O movimento do ar na ver- tical ´e normalmente representado por w, assumindo-se valores positivos para movimentos ascendentes. Uma vez que a Terra se encontra em movimento de rota¸c˜ao, esse sistema de coordenadas fixo na su- perf´ıcie constitui num referencial n˜ao-inercial. Assim, a segunda lei de Newton somente pode ser aplicada a movimentos neste sistema de referˆencia se a acelera¸c˜ao de suas coordenadas (em rela¸c˜ao a um sistema inercial) for levada em considera¸c˜ao. A maneira mais satisfat´oria de incluir os efeitos da acelera¸c˜ao das coordenadas ´e a introdu¸c˜ao de “for¸cas aparentes” [16]. Assim, pode-se demonstrar que a acelera¸c˜ao absoluta da parcela de ar equivale `a acelera¸c˜ao da parcela relativa ao sistema de coordenadas fixo `a Terra somada a termos decorrentes da acelera¸c˜ao de rota¸c˜ao da Terra DaUa Dt = DU Dt + 2Ω × U − Ω2 R, (5) onde DU/Dt ´e a taxa de varia¸c˜ao da velocidade, re- ferente ao sistema de coordenadas fixo `a superf´ıcie da Terra e seguindo o movimento da parcela de ar, U = uˆi + vˆj + wˆk ´e o vetor velocidade nestas mesmas coordenadas, Ω ´e o vetor velocidade angular da rota¸c˜ao da Terra cujo m´odulo ´e representado por Ω, e R ´e um vetor de posi¸c˜ao, perpendicular ao eixo de rota¸c˜ao da Terra e com comprimento igual `a distˆancia entre o eixo de rota¸c˜ao e a parcela de ar. O operador D/Dt, de- nominado derivada total, representa a taxa de varia¸c˜ao de uma propriedade de uma parcela de fluido seguindo o movimento da mesma. Figura 2 - Sistema de coordenadas fixo `a superf´ıcie da Terra em rota¸c˜ao. S˜ao apresentadas as dire¸c˜oes para um ponto na su- perf´ıcie com a latitude e a longitude definidas. Assim, para o sistema de coordenadas n˜ao-inercial fixo `a superf´ıcie da Terra, a Eq. (4) pode ser reescrita utilizando a Eq. (5) DU Dt + 2Ω × U − Ω2 R = F m = − 1 ρ ∇p + g ∗ +Fr, (6) e assim DU Dt = −2Ω × U + Ω2 R − 1 ρ ∇p + g ∗ +Fr. (7) O primeiro termo do lado direito da Eq. (7) corres- ponde a uma das for¸cas aparentes decorrentes da con- sidera¸c˜ao da segunda lei de Newton em um sistema de coordenadas n˜ao-inercial, a chamada for¸ca de Coriolis. A segunda for¸ca aparente ´e a for¸ca centr´ıfuga, represen- tada no segundo termo da Eq. (7). Os trˆes demais ter- mos do lado direito da Eq. (7) s˜ao as for¸cas reais atuan- tes sobre a parcela, discutidas anteriormente. A for¸ca centr´ıfuga atua perpendicularmente ao eixo de rota¸c˜ao da Terra e soma-se vetorialmente `a for¸ca gravitacional, dando origem `a for¸ca de gravidade, g, definida como g = g ∗ +Ω2 R = gˆk. (8) Empregando a Eq. (8), a Eq. (7) pode ser reescrita como DU Dt = −2Ω × U − 1 ρ ∇p + g + Fr. (9) A Eq. (9) ´e a express˜ao vetorial geral do movi- mento das parcelas de ar na atmosfera, referente `a su- perf´ıcie terrestre e pode ser expandida em express˜oes escalares para o vento horizontal zonal (u) e meridional (v), empregando coordenadas esf´ericas. Devido `a trans- forma¸c˜ao das coordenadas cartesianas em coordenadas esf´ericas, termos de curvatura aparecem nas express˜oes. Contudo, exceto quando essas equa¸c˜oes s˜ao empregadas para descri¸c˜ao do vento numa escala global, esses ter- mos s˜ao muito pequenos. Segundo Holton [16], ao se considerar movimentos de escala sin´otica em latitudes m´edias, e tendo-se exclu´ıdo os termos de menores or- dens de grandeza, as componentes zonal e meridional do vento podem ser expressas pelas seguintes equa¸c˜oes Du Dt = − 1 ρ ∂p ∂x + fv + Frx, (10) Dv Dt = − 1 ρ ∂p ∂y − fu + Fry, (11) onde f = 2Ωsenφ ´e o chamado parˆametro de Coriolis, e φ ´e a latitude do local (f e φ s˜ao positivos no He- misf´erio Norte e negativos no Hemisf´erio Sul). Assim, pelas Eqs. (10) e (11), verificamos que as trˆes for¸cas de- terminantes da velocidade e dire¸c˜ao do vento horizontal s˜ao: a for¸ca do gradiente de press˜ao, a for¸ca de Coriolis e a for¸ca de atrito.
  • 5. O aproveitamento da energia e´olica 1304-5 Em resumo, o vento surge basicamente pela a¸c˜ao da for¸ca do gradiente de press˜ao. Apenas ap´os ini- ciado o movimento, as for¸cas de atrito e de Coriolis passam a atuar, mas somente para modificar o movi- mento, e n˜ao para produzi-lo, sendo o vento contro- lado pela combina¸c˜ao dessas for¸cas. A origem das di- feren¸cas de press˜ao est´a no aquecimento diferencial da superf´ıcie terrestre e do ar atmosf´erico pela radia¸c˜ao solar, de maneira que a energia contida no vento ´e, na realidade, uma forma secund´aria da energia solar. A press˜ao atmosf´erica e suas varia¸c˜oes est˜ao intimamente relacionadas com a temperatura do ar e as trocas de calor na atmosfera. Se a Terra n˜ao girasse (Ω = 0) e n˜ao houvesse atrito (Fr = 0), o ar escoaria diretamente de ´areas de maior press˜ao para ´areas de press˜ao mais baixas. A for¸ca de Coriolis n˜ao possui capacidade de alterar o m´odulo da acelera¸c˜ao ou da velocidade do ar, mas apenas a dire¸c˜ao, uma vez que a sua atua¸c˜ao ocorre sempre per- pendicularmente ao movimento. Dessa forma, verifi- camos que a existˆencia de vento zonal acarreta uma acelera¸c˜ao na dire¸c˜ao meridional e vice-versa. A for¸ca de Coriolis promove a curvatura de trajet´orias para a direita no Hemisf´erio Norte e para a esquerda no He- misf´erio Sul. A sua intensidade ´e proporcional `a velo- cidade, e ´e tamb´em fun¸c˜ao da latitude (f = 2Ωsenφ), sendo tanto mais intensa quanto maior for a latitude e sendo nula sobre o Equador (φ = 0). A Eq. (9) ´e uma das equa¸c˜oes b´asicas emprega- das na modelagem matem´atica dos movimentos de ar atmosf´erico, representando a conserva¸c˜ao de momento. Duas outras equa¸c˜oes, representando a conserva¸c˜ao de massa e de energia s˜ao utilizadas adicionalmente pe- los modelos meteorol´ogicos. A conserva¸c˜ao de ener- gia ´e expressa em temos da equa¸c˜ao de energia termo- dinˆamica, que leva em conta as transforma¸c˜oes de ener- gia que ocorrem na atmosfera, incluindo o aquecimento pela radia¸c˜ao solar e as mudan¸cas de fase da ´agua. A forma mais usual da equa¸c˜ao de energia termodinˆamica ´e apresentada na equa¸c˜ao cv DT Dt + p Dα Dt = J, (12) em que cv ´e o calor espec´ıfico a volume constante para o ar seco, T ´e a temperatura do ar, α ´e o volume espec´ıfico do ar e J ´e a taxa de aquecimento por unidade de massa devido a radia¸c˜ao, condu¸c˜ao e libera¸c˜ao de calor latente. A conserva¸c˜ao de massa ´e expressa em termos da equa¸c˜ao da continuidade, apresentada na Eq. (13), e re- laciona a taxa de ac´umulo de massa com a divergˆencia da velocidade do fluido 1 ρ Dρ Dt + ∇ · U = 0. (13) 3.2. Vento em altos n´ıveis A atmosfera da Terra ´e comumente dividida em ca- madas: troposfera, estratosfera, mesosfera e exosfera. Destas camadas, a troposfera ´e a que se encontra mais pr´oxima `a superf´ıcie e estende-se at´e alturas que va- riam de 8 km nos p´olos at´e 17 km pr´oximo ao Equador. A regi˜ao de transi¸c˜ao entre a troposfera e a estratos- fera chama-se tropopausa, e atua como uma fronteira aproximadamente r´ıgida para o ar troposf´erico. ´E na troposfera que ocorrem praticamente todos os proces- sos relacionados com os fenˆomenos meteorol´ogicos e as mudan¸cas do tempo, sendo, portanto, o alvo de estudo da Meteorologia. Assim, ao longo deste artigo, ao se utilizar as express˜oes “n´ıveis atmosf´ericos elevados” ou “movimentos em altos n´ıveis”, refere-se `as alturas cor- respondentes ao topo da troposfera terrestre. Em n´ıveis atmosf´ericos afastados da superf´ıcie ter- restre, o atrito pode ser desprezado e o vento pode ser descrito pelo equil´ıbrio entre a for¸ca de Coriolis e do gradiente de press˜ao, sendo essa aproxima¸c˜ao cha- mada de aproxima¸c˜ao geostr´ofica. As parcelas de ar inicialmente em repouso e sujeitas a um gradiente de press˜ao, come¸cam a acelerar-se em dire¸c˜ao `a press˜ao mais baixa. A for¸ca de Coriolis cresce `a medida que a velocidade aumenta fazendo com que as parcelas de ar sejam gradativamente defletidas at´e que, eventual- mente, as duas for¸cas entrem em equil´ıbrio e as par- celas passam a mover-se perpendicularmente ao gradi- ente de press˜ao e paralelamente `as is´obaras (isolinhas de press˜ao constante), com velocidade constante e em trajet´orias retil´ıneas, como mostradas na Fig. 3. Como a for¸ca de Coriolis desvia as trajet´orias de ar para a direita no Hemisf´erio Norte e para a esquerda no He- misf´erio Sul, o vento em equil´ıbrio resultante, para uma mesma distribui¸c˜ao de press˜ao, possui sentidos opostos em cada hemisf´erio. Esse movimento n˜ao-acelerado e retil´ıneo das parcelas de ar possui intensidade propor- cional `a intensidade dos gradientes de press˜ao, e ´e de- nominado vento geostr´ofico. Figura 3 - O vento geostr´ofico ´e resultado do equil´ıbrio entre a for¸ca de Coriolis (FCO) e a for¸ca do gradiente de press˜ao at- mosf´erica (FP ) em n´ıveis atmosf´ericos elevados. Vale enfatizar que o vento geostr´ofico ´e um mo- delo idealizado que apenas aproxima o comportamento verdadeiro do escoamento de ar em altos n´ıveis (onde as for¸cas de atrito n˜ao s˜ao significativas) em latitudes m´edias e altas (uma vez que nas proximidades do Equa- dor a for¸ca de Coriolis ´e praticamente nula). Contudo, na linguagem t´ecnica da energia e´olica, o vento acima de
  • 6. 1304-6 Martins et al. alguns poucos quilˆometros da superf´ıcie, que n˜ao sofre influˆencia do atrito da superf´ıcie, ´e comumente referido como sendo vento geostr´ofico. Apesar de que na atmosfera real os ventos nunca serem puramente geostr´oficos, o vento geostr´ofico idea- lizado fornece uma aproxima¸c˜ao ´util dos ventos reais em altos n´ıveis. Os maiores desvios do vento em rela¸c˜ao ao vento geostr´ofico ocorrem quando as massas de ar per- correm trajet´orias de grande curvatura. Ao observar-se um mapa meteorol´ogico de press˜ao num n´ıvel vertical fixo, verifica-se que geralmente as is´obaras n˜ao s˜ao re- tas, mas formam curvas e ocasionalmente se conectam formando c´elulas aproximadamente circulares de alta ou baixa press˜ao. Nestes locais, o vento geostr´ofico ´e modificado, passando a ser denominado vento gra- diente. O vento gradiente tamb´em ´e paralelo `as is´obaras curvil´ıneas, `a custa de um desequil´ıbrio entre as for¸cas de Coriolis e do gradiente de press˜ao, que resulta em uma acelera¸c˜ao centr´ıpeta, respons´avel pela curvatura das parcelas de ar em torno das c´elulas de alta e baixa press˜ao. Isso ´e exemplificado na Fig. 4 para o He- misf´erio Sul, onde o vento escoa no sentido hor´ario em torno das baixas press˜oes e em sentido anti-hor´ario em torno das altas press˜oes (o oposto ocorre no Hemisf´erio Norte). As baixas press˜oes s˜ao comumente denomina- das ciclones, enquanto altas press˜oes s˜ao denominadas anticiclones. Figura 4 - Vento gradiente no Hemisf´erio Sul em torno de cen- tros de baixa press˜ao (B) e de alta press˜ao (A). FCO ´E a for¸ca Coriolis e FP a for¸ca do gradiente de press˜ao. 3.3. Vento nas proximidades da superf´ıcie Nos n´ıveis atmosf´ericos mais baixos, as aproxima¸c˜oes de vento geostr´ofico e de vento gradiente n˜ao podem mais ser aplicadas, devido a modifica¸c˜oes no equil´ıbrio de for¸cas promovidas pelo atrito oferecido pela superf´ıcie. O relevo e a presen¸ca de obst´aculos moldam o esco- amento do ar sobre a superf´ıcie terrestre, bem como geram turbulˆencias no fluxo. A rugosidade da superf´ıcie ´e a propriedade f´ısica que descreve a a¸c˜ao da superf´ıcie terrestre na redu¸c˜ao do momento e na absor¸c˜ao do im- pacto dos ventos. Define-se a camada limite atmosf´erica como a regi˜ao compreendida entre a superf´ıcie e uma altura vari´avel entre 100 e 3000 m de altura e que apre- senta um comportamento diferente do restante da at- mosfera devido `as intera¸c˜oes superf´ıcie-atmosfera [17]. A influˆencia da superf´ıcie ´e especialmente dominante numa camada chamada camada superficial, compreen- dendo os primeiros 50-100 m da atmosfera [18], onde ocorrem os intercˆambios de momento, calor e umidade entre a superf´ıcie e o ar atmosf´erico. A rugosidade da superf´ıcie ocasiona a redu¸c˜ao da velocidade do ar e, portanto, da intensidade da for¸ca de Coriolis, j´a que esta ´e proporcional ao m´odulo da velocidade. Conseq¨uentemente, o vento deixa de es- coar paralelamente `as is´obaras, como descrito anterior- mente para o escoamento em altos n´ıveis. Nas proximi- dades da superf´ıcie, o vento apresenta uma componente no sentido da for¸ca do gradiente de press˜ao. Dessa forma, o escoamento ciclˆonico converge em dire¸c˜ao `a baixa press˜ao, enquanto nos anticiclones o ar diverge, afastando-se do centro de alta press˜ao (Fig. 5). A con- vergˆencia de ar provoca movimentos ascendentes sobre os centros de baixa press˜ao, ocasionando instabilidades e possibilitando forma¸c˜ao de nuvens e chuva. Nos cen- tros de alta press˜ao ocorrem movimentos descendentes de ar, e normalmente o tempo ´e bom e est´avel. Figura 5 - Circula¸c˜ao atmosf´erica nas proximidades de centros de baixa press˜ao (B) e alta press˜ao (A) no Hemisf´erio Sul sob a influˆencia do atrito da superf´ıcie. Al´em do comportamento turbulento devido `as in- tera¸c˜oes superf´ıcie-atmosfera, outro aspecto importante a ser considerado ´e o cisalhamento do vento. A velo- cidade do vento ´e nula a alturas pr´oximas `a superf´ıcie e aproximadamente geostr´ofica na atmosfera livre. Na camada superficial observa-se um perfil vertical apro-
  • 7. O aproveitamento da energia e´olica 1304-7 ximadamente logar´ıtmico do m´odulo da velocidade do vento, como apresentado graficamente na Fig. 6. Prandtl desenvolveu a seguinte express˜ao lo- gar´ıtmica emp´ırica para a varia¸c˜ao da velocidade do vento na vertical em uma camada limite turbulenta [12] v(z) = v∗ κ ln z z0 , (14) onde a varia¸c˜ao da velocidade com a altura vertical z, ´e dada em fun¸c˜ao da velocidade de fric¸c˜ao (v∗), da constante de von Karm´an (κ), e do comprimento de rugosidade (z0). O comprimento de rugosidade corres- ponde `a altura em que o vento, pr´oximo `a superf´ıcie, assume valor zero, e depende do relevo e obst´aculos da superf´ıcie. Contudo, o perfil real de velocidades na ver- tical depende tamb´em da estratifica¸c˜ao de temperatura e press˜ao na atmosfera. Figura 6 - Perfil vertical da velocidade do vento desde a superf´ıcie at´e a altura do vento geostr´ofico. O comprimento da rugosidade (z0) ´e a altura onde a velocidade ´e nula. 3.4. Circula¸c˜ao Geral da Atmosfera e ventos predominantes Os movimentos atmosf´ericos e os sistemas meteo- rol´ogicos aos quais est˜ao relacionados possuem diferen- tes padr˜oes de circula¸c˜ao, com diferentes dimens˜oes es- paciais e tempos de vida, de maneira que o seu estudo, na Meteorologia, ´e realizado atrav´es da subdivis˜ao em escalas. Segundo Lutgens e Tarbuck [20], os movimen- tos atmosf´ericos s˜ao enquadrados nas seguintes escalas de tempo e espa¸co: • Microescala: dimens˜oes de menos de 1 km e tem- pos de vida de segundos a minutos; • Mesoescala: dimens˜oes de 1 a 100 km e tempos de vida de minutos a dias; • Escala sin´otica: dimens˜oes de 100-5000 km e tem- pos de vida de dias a semana; • Escala planet´aria: dimens˜oes de 1000-40000 km e dura¸c˜ao de semanas a anos. Os movimentos de escala planet´aria s˜ao primariamente causados pelo aquecimento diferencial da superf´ıcie ter- restre, em que a irradia¸c˜ao solar incide com maior in- tensidade nas regi˜oes pr´oximas ao Equador. Os movi- mentos que surgem a partir de ent˜ao agem para pro- mover uma redistribui¸c˜ao de calor (transporte de ar quente para os p´olos e ar frio para o Equador, dimi- nuindo as desigualdades t´ermicas). Al´em disso, deve- se ter em mente, que devido ao movimento de rota¸c˜ao da Terra, a circula¸c˜ao atmosf´erica planet´aria ´e influ- enciada pela conserva¸c˜ao do momento do sistema Terra- Atmosfera. A Fig. 7 apresenta um modelo conceitual de circula¸c˜ao atmosf´erica planet´aria chamado de mo- delo de trˆes c´elulas. Neste modelo, a circula¸c˜ao em cada hemisf´erio ´e descrita por trˆes c´elulas meridionais de cir- cula¸c˜ao, cada qual apresentando dire¸c˜oes de vento pre- dominantes `a superf´ıcie. Apesar de algumas limita¸c˜oes, este modelo ´e considerado o melhor modelo simples da circula¸c˜ao global atmosf´erica. Ao aquecer-se pr´oximo `a superf´ıcie, o ar das vi- zinhan¸cas do Equador torna-se mais leve, ascende, resfria-se, e sua umidade condensa e precipita em forma de chuva. Chegando ao topo da troposfera terrestre, o ar, agora frio e seco, desloca-se na dire¸c˜ao de ambos os p´olos for¸cado pelas parcelas de ar que continuamente ascendem a partir da superf´ıcie. Nas latitudes entre 20◦ e 35◦ Norte e Sul, o ar descende at´e a superf´ıcie e parte do ar descendente dirige-se para o Equador em baixos n´ıveis, fechando, assim, c´elulas de circula¸c˜ao chamadas c´elulas de Hadley. Nas c´elulas de Hadley, as correntes de ar dirigidas para o Equador na superf´ıcie, s˜ao defleti- das pela for¸ca de Coriolis. Assim, os ventos resultantes possuem uma componente de leste para oeste e uma componente dos tr´opicos para o Equador. Esses ven- tos predominantes em baixos n´ıveis, na regi˜ao tropical, s˜ao chamados de al´ıseos. Nas regi˜oes extra-tropicais, entre 30 e 60◦ de latitude, a circula¸c˜ao atmosf´erica re- sulta em outra c´elula meridional de circula¸c˜ao em cada hemisf´erio: a c´elula de Ferrel. Nesta c´elula, parte do ar descendente entre 20◦ e 35◦ de latitude escoa em dire¸c˜ao aos p´olos nas proximidades da superf´ıcie, at´e ser for¸cado a subir ao encontrar o ar mais frio e denso da regi˜ao polar. Essa ascens˜ao ocorre em torno de 60◦ de latitude, acompanhada de condensa¸c˜ao de umidade, precipita¸c˜ao e divergˆencia do ar em altos n´ıveis. Os ventos pr´oximos `a superf´ıcie s˜ao predominantemente de oeste para leste em conseq¨uˆencia da a¸c˜ao da for¸ca de Coriolis. Existem ainda as c´elulas polares, em que par- celas do ar, ap´os ascender nas latitudes pr´oximas a 60◦ , deslocam-se para os p´olos, descendem exatamente so- bre eles e retornam em dire¸c˜ao ao Equador, sendo que o vento em superf´ıcie, defletido pela for¸ca de Coriolis, ´e aproximadamente de leste para oeste. Este vento po- lar, frio e seco, eventualmente encontra os ventos de oeste mais quentes das latitudes m´edias, constituindo uma regi˜ao chamada frente polar, onde em geral ocor- rem tempestades.
  • 8. 1304-8 Martins et al. A ascens˜ao de ar junto ao Equador ocasiona alta precipita¸c˜ao na regi˜ao que se caracteriza pela presen¸ca das florestas tropicais do planeta. Essa zona de con- vergˆencia de ar ´umido em superf´ıcie e forma¸c˜ao de nu- vens convectivas ´e chamada de Zona de Convergˆencia Intertropical (ZCIT), e constitui-se uma regi˜ao de bai- xas press˜oes (Baixa Equatorial). A descendˆencia de ar seco nos cintur˜oes de 30◦ de latitude de ambos os he- misf´erios constitui as regi˜oes de altas press˜oes (Altas Subtropicais), e coincidem com a ocorrˆencia de deser- tos. A convergˆencia de ar em baixos n´ıveis na frente polar constitui as Baixas Subpolares, onde ocorrem mo- vimentos de ascens˜ao de ar e forma¸c˜ao de nuvens e pre- cipita¸c˜ao. Finalmente, o ar frio e seco descendente so- bre os p´olos resulta nas Altas Polares. Figura 7 - Modelo conceitual da circula¸c˜ao global atmosf´erica, in- dicando as c´elulas meridionais e as dire¸c˜oes dos ventos pr´oximos `a superf´ıcie. Tamb´em s˜ao indicadas as latitudes t´ıpicas de baixas e altas press˜oes. Adaptado da Ref. [20]. Vale enfatizar que os movimentos e c´elulas descri- tos constituem apenas um modelo simplificado da cir- cula¸c˜ao global atmosf´erica e correspondem `as condi¸c˜oes m´edias aproximadamente observadas ao longo do ano e em torno do globo terrestre, indicando os ventos de grande escala predominantes. Na realidade, as cir- cula¸c˜oes atmosf´ericas e regi˜oes de altas e baixas press˜oes se modificam ao longo do ano (com a modifica¸c˜ao da incidˆencia de radia¸c˜ao solar) e tamb´em n˜ao s˜ao zonal- mente uniformes como na Fig. 7. Essas diferen¸cas ao longo da dire¸c˜ao zonal se devem em grande parte `a dis- tribui¸c˜ao de continentes e oceanos, e `as suas diferentes propriedades t´ermicas. A ZCIT se desloca para latitu- des a sul do Equador durante o ver˜ao do Hemisf´erio Sul, e para latitudes a norte do Equador durante o inverno no Hemisf´erio Sul, deslocando tamb´em os ventos al´ıseos que passam sobre a regi˜ao Nordeste do Brasil. Os anticiclones e ciclones extratropicais, com suas frentes frias e quentes, s˜ao sistemas sin´oticos que al´em de respons´aveis pelas mudan¸cas nas condi¸c˜oes de tempo (nebulosidade, precipita¸c˜ao, tempestades e mudan¸cas bruscas de temperatura) nas latitudes m´edias, tamb´em provocam varia¸c˜oes nas intensidades e dire¸c˜oes dos ven- tos nos altos e baixos n´ıveis atmosf´ericos. A Fig. 8 apresenta, para um n´ıvel pr´oximo `a superf´ıcie, uma so- breposi¸c˜ao de um mapa de press˜ao e um mapa de vento (representado atrav´es de vetores), onde se pode obser- var um anticiclone (giro anti-hor´ario no hemisf´erio sul) e um ciclone (giro hor´ario no hemisf´erio sul) e o vento associado. Assim, os movimentos observados na atmosfera ter- restre s˜ao uma sobreposi¸c˜ao de todas as escalas de mo- vimento, de maneira que sistemas e padr˜oes de escalas menores podem ser transportados pelos movimentos de escalas maiores. Eventualmente, circula¸c˜oes locais po- dem predominar sobre os movimentos de escala pla- net´aria, determinando as condi¸c˜oes do vento em regi˜oes espec´ıficas. Por exemplo, o vento em regi˜oes costeiras ´e em grande parte determinado por um processo de mesoescala: a brisa mar-terra na qual os ventos em superf´ıcie sopram em dire¸c˜ao a terra ou ao mar depen- dendo do ciclo de dia e noite devido ao aquecimento e resfriamento diferencial da ´agua e da terra. Numa es- cala ainda menor, o relevo e obst´aculos do terreno da costa podem modificar a brisa mar-terra, resultando em dire¸c˜oes e velocidades de vento espec´ıficas para cada lo- cal. 4. Potˆencia e´olica dispon´ıvel e utiliz´avel Atrav´es das turbinas e´olicas, a energia cin´etica contida no vento ´e convertida em energia mecˆanica pelo giro das p´as do rotor e transformada em energia el´etrica pelo gerador. As turbinas e´olicas se encontram inseridas na camada superficial da atmosfera, utilizando a energia do vento em uma ampla faixa de alturas. A potˆencia P contida no vento fluindo perpendicularmente com velo- cidade u atrav´es de uma ´area A que pode representar a ´area de intercepta¸c˜ao das h´elices de uma turbina e´olica ´e dada por P = 1 2 ρAu3 , (15) onde a densidade do ar, representada por ρ ´e fun¸c˜ao da press˜ao atmosf´erica e da temperatura do ar que est˜ao diretamente associados com a altitude local. A densi- dade do ar pode ser estimada a partir de ρ (z) = p0 RT e− gz RT , (16) onde ρ(z) ´e a densidade do ar (em kg/m3 ) em fun¸c˜ao da altitude z, p0 ´e a press˜ao atmosf´erica ao n´ıvel do mar (em kg/m3 ), T ´e a temperatura do ar (em K), g ´e a acelera¸c˜ao da gravidade (em m/s2 ) e R ´e a constante espec´ıfica do ar (em J/K mol).
  • 9. O aproveitamento da energia e´olica 1304-9 Figura 8 - Representa¸c˜ao dos ventos (vetores) e dos n´ıveis de press˜ao (linhas is´obaras) ao n´ıvel do mar. Pode-se observar um anticiclone e um ciclone em latitudes pr´oximas a 40◦ S. Em resumo, a potˆencia e´olica, isto ´e, a energia to- tal dispon´ıvel por unidade de tempo ´e proporcional `a terceira potˆencia da velocidade do vento. No entanto, a energia do vento n˜ao ´e totalmente extra´ıda pelas p´as da turbina. Estudos mostram que o valor m´aximo da potˆencia que pode ser extra´ıda do vento corresponde a 59% da potˆencia total dispon´ıvel [21]. Somam-se a isso perdas mecˆanicas na turbina (geometria das p´as entre outros) que reduzem a potˆencia m´axima utiliz´avel a, aproximadamente, 42% da potˆencia total dispon´ıvel no vento [12]. Como a potˆencia el´etrica fornecida por uma turbina e´olica ´e proporcional `a terceira potˆencia da velocidade, mesmo pequenos erros nos dados de velocidade do vento podem representar grandes desvios em termos de pre- vis˜ao de potˆencia e´olica dispon´ıvel para turbinas, o que pode levar a incertezas no retorno do investimento a ser feito em um projeto de uma usina ou fazenda e´olica. Dessa forma, o t´opico seguinte discute as bases de dados de ventos dispon´ıveis para uso no setor el´etrico. 5. Bases de dados e´olicos aplic´aveis ao setor energ´etico O avan¸co do conhecimento tecnol´ogico permitiu uma maior cobertura na coleta de dados meteorol´ogicos com o uso de plataformas de autom´aticas de coleta de da- dos, conhecidas como PCD’s e de dados de sat´elites artificiais. Com o aumento da capacidade de proces- samento dos computadores, o desenvolvimento de mo- delos computacionais que simulam os processos f´ısicos que ocorrem na atmosfera possibilitou um avan¸co signi- ficativo na precis˜ao e confiabilidade das estimativas de vento que ocorre pr´oximo `a superf´ıcie em ´areas remotas, afastadas dos pontos de coleta de dados. Atualmente, existem diversas fontes de dados dispon´ıveis para um dado local ou regi˜ao. Essas bases de dados apresentam origem distintas e sua aplicabilidade ao setor de energia est´a relacionada `a resolu¸c˜ao espacial, extens˜ao da s´erie temporal e procedimento de aquisi¸c˜ao do dado. 5.1. Medidas locais Uma base de dados com medidas locais ´e de grande importˆancia para prever com precis˜ao a densidade de energia e a potˆencia instalada de uma unidade geradora que s˜ao proporcionais ao cubo da velocidade m´edia do vento. A instrumenta¸c˜ao utilizada para a aquisi¸c˜ao de dados deve ser robusta de modo a permitir a coleta de dados confi´aveis por per´ıodos suficientemente longos de tempo a fim de que a variabilidade do vento seja con- hecida. Diversos estudos discutem as principais fontes de erros como o tipo e calibra¸c˜ao do anemˆometro, sua resposta ao fluxo turbulento, condi¸c˜oes clim´aticas fora dos limites do sensor e a influˆencia da torre arranjos de montagem da instrumenta¸c˜ao instalada. O posicio- namento do anemˆometro ´e fundamental e recomenda-se que ele seja posicionado no mesmo local e altura do ro- tor da turbina a ser instalada. 5.2. Rede de esta¸c˜oes de superf´ıcie para coleta de dados Muitas vezes, n˜ao existe a disponibilidade de dados lo- cais devido aos custos de instala¸c˜ao e manuten¸c˜ao da instrumenta¸c˜ao necess´aria para a coleta dos dados. As- sim, o potencial e´olico de um dado local espec´ıfico pode ser estimado a partir de dados coletados em regi˜oes pr´oximas que apresentem caracter´ısticas clim´aticas e ambientais similares. Alguns institutos de pesquisa, institui¸c˜oes de ensino, e outras organiza¸c˜oes que ofe- recem servi¸cos p´ublicos (aeroportos, por exemplo) rea- lizam rotineiramente medidas de dados de vento e ou- tras vari´aveis meteorol´ogicas de interesse para a ´area energ´etica. Esses dados podem ser utilizados n˜ao s´o para uso direto no levantamento de recursos e´olicos dispon´ıveis para um local ou regi˜ao como tamb´em para a valida¸c˜ao de estimativas fornecidas por mode- los num´ericos de previs˜ao de vento. Mesmo considerando que o procedimento de coleta de dados esteja em acordo com os padr˜oes estabeleci- dos pela World Meteorological Organization (WMO), deve-se ter em mente que muitas das medidas rea- lizadas rotineiramente n˜ao tˆem como foco principal o setor energ´etico. Assim, uma an´alise cuidadosa deve ser realizada antes da sua utiliza¸c˜ao a fim de verificar a adequa¸c˜ao e aplicabilidade dos dados. Alguns aspectos a serem considerados est˜ao relacionados `a disponibili- dade de hist´orico de opera¸c˜ao do anemˆometro (falhas ocorridas, substitui¸c˜ao e calibra¸c˜ao do equipamento, al- tera¸c˜ao da unidade de medida, etc.); a erros de trunca-
  • 10. 1304-10 Martins et al. mento e de transmiss˜ao de dados; e `a representatividade espacial, temporal e clim´atica dos dados. 5.3. Base de dados em escala global Dados clim´aticos em escala global s˜ao gerados em pro- jetos de re-an´alise de dados meteorol´ogicos. Essas ba- ses de dados contemplam um conjunto homogˆeneo de dados de vento para o intervalo de uma d´ecada ou mais e s˜ao preparadas com o uso de modelos num´ericos de previs˜ao do tempo alimentados com dados coleta- dos em esta¸c˜oes sin´oticas, b´oias oceˆanicas, radiosondas, sat´elites, embarca¸c˜oes, etc. Os dados meteorol´ogicos assimilados nos modelos passam por um r´ıgido controle de qualidade e s˜ao manipulados para alimentar cada um dos pontos de grade do modelo num´erico. As ba- ses dados de re-an´alise permitem uma vis˜ao geral da climatologia global dos ventos e podem ser utilizados como estimativas para regi˜oes onde a quantidade de dados coletados em superf´ıcie ´e muito pequena. Ou- tro aspecto importante ´e que as bases de dados de re- an´alise n˜ao apresentam falhas, isto ´e, os dados de vento est˜ao dispon´ıveis em todo o per´ıodo de tempo englo- bado pelo projeto. No entanto, a sua principal des- vantagem ´e a baixa resolu¸c˜ao espacial uma vez que a malha da grade apresenta dimens˜oes grandes para re- duzir a demanda computacional dos modelos que ro- dam em escala global. Projetos de re-an´alise s˜ao de- senvolvidos pelo National Centers for Environmental Prediction e National Center for Atmospheric Research (www.cdc.noaa.gov/cdc/reanalysis/) e pelo Euro- pean Centre for Medium Range Weather Forecasting (www.ecmwf.int/research/era/). 5.4. Modelagem e previs˜ao num´erica do vento A modelagem atmosf´erica e a previs˜ao do vento aplica- das ao setor energ´etico possuem dois enfoques princi- pais: a estimativa dos ventos m´edios levando em conta dados climatol´ogicos; e a previs˜ao de vento para instan- tes futuros em curto e m´edio prazos. O primeiro enfo- que tem como finalidade a sele¸c˜ao de locais que apre- sentam melhores condi¸c˜oes de suportar gera¸c˜ao e´olica e prover os dados necess´arios para avaliar a viabilidade econˆomica e estabelecer os parˆametros a serem adota- dos no desenvolvimento de projetos de unidades gera- doras e fazendas e´olicas. As previs˜oes de curto e m´edio prazo visam facilitar o planejamento da opera¸c˜ao de fazendas e´olicas e unida- des geradoras. As estimativas de curto prazo s˜ao parti- cularmente ´uteis na identifica¸c˜ao de per´ıodos de maior ocorrˆencia de vento, bem como a ocorrˆencia de ven- tos nocivos ao sistema. A previs˜ao de vento em m´edio prazo tamb´em ´e ´util no gerenciamento dos recursos de energia el´etrica, visando suprir as deficiˆencias na oferta de gera¸c˜ao e´olica por energia el´etrica proveniente de ou- tras fontes. A confiabilidade destas bases de dados est´a sujeita a procedimentos de valida¸c˜ao quando as estima- tivas fornecidas pelos modelos devem ser comparadas com medidas locais e dados coletados em uma rede de esta¸c˜oes de superf´ıcie. 5.4.1. Modelagem do vento para o setor de energia e´olica A previs˜ao de vento para fins de gera¸c˜ao e´olica para qualquer localidade pode ser realizada com o uso de dados disponibilizados por modelos num´ericos regio- nais ou globais. Os modelos simulam o escoamento atmosf´erico em v´arios n´ıveis verticais, representando razoavelmente bem a circula¸c˜ao geral da atmosfera e fenˆomenos de escala sin´otica. Modelos num´ericos de mesoescala s˜ao largamente utilizados para modelagem regional das condi¸c˜oes meteorol´ogicas em ´areas limi- tadas, abrangendo desde centenas de quilˆometros at´e continentes inteiros [22, 23]. Por motivos relaciona- dos com a limita¸c˜ao de recursos computacionais para produ¸c˜ao de previs˜oes em tempo h´abil para os usu´arios, as vari´aveis meteorol´ogicas s˜ao previstas para pontos re- presentativos de uma ´area chamados pontos de grade. As informa¸c˜oes de superf´ıcie e relevo empregadas para cada ponto de grade apresentam baixa resolu¸c˜ao espa- cial, da ordem de dezenas de quilˆometros. A ausˆencia de informa¸c˜oes refinadas da rugosidade, obst´aculos e de- talhamento do relevo local acarretam erros intr´ınsecos na estimativa do vento na altura de geradores e´olicos, n˜ao atendendo plenamente o setor de gera¸c˜ao e´olica de energia. Um aumento da confiabilidade das estimativas pode ser conseguido por meio de um refinamento, ou downs- caling (do inglˆes), que pode ser baseado em um m´etodo f´ısico ou um m´etodo estat´ıstico. No refinamento estat´ıstico as informa¸c˜oes de previs˜ao, dispostas em pontos de grade vizinhos `a localidade, s˜ao utilizadas em equa¸c˜oes emp´ıricas ajustadas com base num conjunto de medidas locais de vento, fazendo-se uso de m´etodos estat´ısticos avan¸cados [24-27]. No refinamento f´ısico, o vento geostr´ofico fornecido pelos modelos num´ericos alimenta um modelo dinˆamico com maior resolu¸c˜ao espacial para simula¸c˜ao de esco- amento sobre relevo complexo e que leva em conta as rela¸c˜oes f´ısicas de camada limite para ajuste do perfil de vento, e as condi¸c˜oes fisiogr´aficas locais. O refinamento f´ısico pode tamb´em ser realizado atrav´es de modelos meteorol´ogicos configurados para resolu¸c˜oes maiores do que aquelas utilizadas opera- cionalmente na previs˜ao de tempo [11, 28]. Embora exijam recursos e tempo computacional maiores, es- tes modelos utilizam o conjunto completo de equa¸c˜oes dinˆamicas (equa¸c˜ao de momento, continuidade e ener- gia termodinˆamica) descritas nos t´opicos anteriores e possuem parametriza¸c˜oes que permitem a simula¸c˜ao de v´arios processos f´ısicos, que influem nos movimentos atmosf´ericos.
  • 11. O aproveitamento da energia e´olica 1304-11 6. Resultados e produtos de pesquisas desenvolvidas no Brasil No Brasil, o CPTEC/INPE opera e gerencia uma rede de coleta de dados de vento e dados ambientais voltada para atender a demanda por informa¸c˜oes do setor energ´etico – Rede SONDA. O objetivo princi- pal da rede SONDA e disponibilizar informa¸c˜oes que permitam o aperfei¸coamento e valida¸c˜ao de modelos num´ericos para estimativa de potencial energ´etico de fontes renov´aveis. A Fig. 9 apresenta a localiza¸c˜ao das esta¸c˜oes de coleta de dados e´olicos com anemˆometros e termˆometros instalados a 25 m e 50 m do solo. Maio- res detalhes sobre a Rede SONDA, bem como acesso livre a toda a base de dados coletados podem ser obti- dos em www.cptec.inpe.br/sonda. O CPTEC/INPE tamb´em disponibiliza acesso `a base de dados coletados em esta¸c˜oes autom´aticas (n˜ao direcionados especifica- mente ao setor de energia). Figura 9 - Mapa de localiza¸c˜ao das esta¸c˜oes da Rede SONDA. Al´em das Torres E´olicas, as Esta¸c˜oes de Referˆencia possuem sen- sores para coleta de dados e´olicos. Outro importante resultado de trabalho desenvol- vido por pesquisadores brasileiro ´e o Atlas do Poten- cial E´olico Brasileiro [11]. As informa¸c˜oes do vento geostr´ofico contidas nesta base de dados foram gera- das a partir da simula¸c˜ao da circula¸c˜ao atmosf´erica de grande escala por um modelo de mesoescala chamado MASS (Mesoscale Atmospheric Simulation System). A partir desses dados de vento geostr´ofico, foi empregado o refinamento f´ısico com o c´odigo WindMap para esti- mar os dados de vento na altura t´ıpica dos aerogera- dores (50 m). A Fig. 10 apresenta o mapeamento da m´edia anual do fluxo de potˆencia e´olica e da velocidade do vento. Os valores apresentados neste mapeamento foram validados utilizando dados de vento coletados na superf´ıcie e o desvio-padr˜ao observado para a diferen¸ca entre a velocidade estimada e a velocidade medida foi da ordem de 7,5%. Segundo o Atlas do Potencial E´olico Brasileiro, mais de 71.000 km2 do territ´orio nacional possui velocidades de vento superior a 7 m/s ao n´ıvel de 50 m, o que propicia um potencial e´olico da ordem de 272 TWh/ano de energia el´etrica. Essa ´e uma cifra ba- stante significativa considerando que o consumo nacio- nal de energia el´etrica ´e de 424 TWh/ano. A maior parte desse potencial est´a na costa dos estados nordes- tinos, como conseq¨uˆencia dos ventos al´ısios. Figura 10 - Mapeamento dos recursos e´olicos no territ´orio brasi- leiro apresentado no Atlas do Potencial E´olico Brasileiro [11]. O levantamento dos recursos de energia e´olica no Brasil foi uma das metas do projeto SWERA (So- lar and Wind Energy Resources Assessment) desenvol- vido sob a coordena¸c˜ao da Divis˜ao de Clima e Meio Ambiente do Centro de Previs˜ao do Tempo e Estu- dos Clim´aticos (DMA/CPTEC) e financiamento do Programa das Na¸c˜oes Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). A metodologia empregada no mapeamento dos recursos e´olicos adotou o modelo num´erico Eta uti- lizado rotineiramente para a previs˜ao de tempo e estu- dos clim´aticos pelo CPTEC/INPE [28]. O modelo foi alimentado com dados de topografia e de cobertura do solo com resolu¸c˜ao de 1 km e a base de dados de re-an´alises do NCEP/NCAR foi utilizada para prover as informa¸c˜oes nas fronteiras das regi˜oes estabelecidas para o mapeamento. Os resultados obtidos foram com- parados e validados com dados de vento coletados em aeroportos brasileiros, e em esta¸c˜oes meteorol´ogicas au- tom´aticas e torres e´olicas da rede SONDA. A Fig. 11 mostra os valores m´edios anuais para a velocidade do vento obtidos para as regi˜oes Nordeste e Sul. O mapeamento produzido com o modelo Eta apre- senta boa concordˆancia com os resultados apresentados no Atlas E´olico Brasileiro [11], sendo que as maiores discrepˆancias s˜ao observadas ao sul do estado da Ba- hia e na divisa entre Bahia e Piau´ı. No entanto, de-
  • 12. 1304-12 Martins et al. vido `a escassez de dados de campo nas regi˜oes de maior discrepˆancia entre as duas metodologias, ainda n˜ao se pode afirmar qual apresenta a maior confiabilidade. In- forma¸c˜oes mais detalhadas sobre o mapeamento dos re- cursos e´olicos no Brasil realizadas durante o projeto SWERA est˜ao apresentadas por Pereira [28] ou podem ser acessadas no portal http://swera.unep.net/swera/ e no website da rede SONDA (www.cptec.inpe.br/ sonda). Figura 11 - Mapeamento dos recursos e´olicos nas regi˜oes Nordeste e Sul do Brasil obtido no CPTEC/INPE com o emprego do modelo Eta [28]. 7. Considera¸c˜oes finais Este artigo tem como objetivo atender uma demanda de informa¸c˜oes da comunidade acadˆemica e do p´ublico em geral sobre o aproveitamento da energia e´olica cons- tatada por meio dos in´umeros contatos recebidos pela Divis˜ao de Clima e Meio Ambiente (DMA) do CP- TEC/INPE ap´os o in´ıcio do projeto SWERA (Solar and Wind Energy Resource Assessment). A preocupa¸c˜ao ambiental e a necessidade de otimiza¸c˜ao de custos e aumento da seguran¸ca energ´etica de muitas ´areas de atividade econˆomica s˜ao respons´aveis pelo crescimento do interesse pela compreens˜ao dos aspectos t´ecnicos e cient´ıficos associados com o aproveitamento das fontes renov´aveis de energia. O CPTEC/INPE vem desenvolvendo, com apoio de institui¸c˜oes de nacionais e internacionais, diversos pro- jetos com o intuito de atender essa demanda de in- forma¸c˜oes t´ecnico-cient´ıficas confi´aveis por meio do de- senvolvimento de metodologias para levantamento de recursos energ´eticos com o uso de dados obtidos por meio de sensoriamento remoto (sat´elites e esta¸c˜oes de superf´ıcie) e modelos num´ericos. Os projetos SWERA e a rede SONDA s˜ao exemplos dessa atua¸c˜ao e toda a base de dados gerada est´a dispon´ıvel para acesso gra- tuito no s´ıtio www.cptec.inpe.br. Essas bases de da- dos s˜ao extremamente ´uteis para a defini¸c˜ao de pol´ıticas energ´eticas e para o desenvolvimento de projetos de aproveitamento de recursos energ´eticos. Os resulta- dos obtidos at´e o momento demonstram o potencial do pa´ıs tanto com rela¸c˜ao `a disponibilidade de recursos re- nov´aveis quanto `a capacidade de recursos humanos qua- lificados para o desenvolvimento e a continuidade das atividades de pesquisa nessa ´area. No entanto, ainda existe a necessidade de implementa¸c˜ao de coleta sis- tem´atica de dados de vento na regi˜ao Sul e em ´areas de regi˜ao Nordeste, (como por exemplo, ao sul da Bahia) com o intuito de permitir um aperfei¸coamento maior dos modelos num´ericos utilizados no mapeamento dos recursos e´olicos e uma avalia¸c˜ao mais adequada da con- fiabilidade das informa¸c˜oes por eles fornecidas.
  • 13. O aproveitamento da energia e´olica 1304-13 Agradecimentos Os autores agradecem institucionalmente ao CP- TEC/INPE pela infra-estrutura e apoio ao desenvol- vimento das atividades da linha de pesquisa em “Ener- gia e Recursos Renov´aveis” da DMA. Agradecimento tamb´em ´e devido `a FINEP, UNEP e ao CNPq pelo suporte financeiro aos projetos SONDA, SWERA e `a forma¸c˜ao de recursos humanos. Agradecimento especial para Sheila A.B. Silva, Cristina S. Yamashita, Rafael Chagas e Silvia V. Pereira que muito contribu´ıram para este artigo. Referˆencias [1] J. Goldemberg e L.D. Villanueva, Energia, Meio Am- biente & Desenvolvimento (Edusp, S˜ao Paulo, 2003), 2a. ed. [2] R.W. Bentley, Energ. Policy 30, 189 (2002). [3] H.S. Geller, Revolu¸c˜ao Energ´etica: Pol´ıticas para um Futuro Sustent´avel (Relume Dumar´a, Rio de Janeiro, 2003). [4] E.B. Pereira, Boletim da Sociedade Brasileira de Me- teorologia, no prelo (2007). [5] O.A.C. do Amarante, D. Schultz, R. Bittencourt e N. Rocha, Deutsches Windenergie-Institut Magazin 19, 79 (2001). [6] A. Filgueiras and T.M.V. Silva, Renew. Sustain. Energ. Rev. 7, 439 (2003). [7] IPCC, Intergovernmental Panel on Climate Change, IPCC WG-I Fourth Assessment Report (AR4) – The Physical Basis on Climate Change – Summary for Poli- cymakers. Dispon´ıvel em http://www.ipcc.ch/WG1{ } SPM{ }17Apr07.pdf. [8] Global Wind Energy Council, Global Wind Energy Outlook 2006. Dispon´ıvel em http://www.gwec.net/ index.php?id=65. [9] P. Agnolucci, Renew. Sustain. Energ. Rev. 11, 951 (2007). [10] J. Szarka, Energy Policy 34, 3041 (2006). [11] O.A.C. do Amarante, M. Brower, J. Zack e A.L. S´a, Atlas do Potencial E´olico Brasileiro (Minist´erio de Mi- nas e Energia, Bras´ılia, 2001). [12] R. Gasch and J. Twele (eds), Wind Power Plants: Fun- damentals, Design, Construction and Operation (So- larpraxis AG, Alemanha, 2002). [13] G.M. Joselin Herbert, S. Iniyan, E. Sreevalsan and S. Rajapadian, Renew. Sustain. Energ. Rev. 11, 1117 (2007). [14] B.J.M. De Vries, D.P. van Vuuren and M.M. Hoogwijk, Energy Policy 35, 2590 (2007). [15] Global Wind Energy Council, Global Wind 2006 Report. Dispon´ıvel em http://www.gwec.net/index. php?id=8. [16] J. Holton, An Indroduction to Dynamic Meteorology (Academic Press, San Diego, 1992), 3rd . ed. [17] R.B. Stull, An introduction to Boundary Layer Meteo- rology (Kluwer Academic Publishers, Dordrecht, 1988). [18] J.C. Kaimal and J.J. Finnigan, Atmospheric Boundary Layer Flows: Their Structure and Measurement (Ox- ford University Press, New York, 1994). [19] U. Focken, M. Lange and H.-P. Waldl, Proceedings of the European Wind Energy Conference (Copenhagen, Dinamarca, 2001). [20] F.K. Lutgens and E.J. Tarbuck, The Atmosphere: An Introduction to Metorology (Prentice Hall, Inc., New Jersey, 1995), 6th ed. [21] A. Betz, Windenergie und ihre Ausnutzung durch Windmhlen. Gttingen: Vandenhoek and Ruprecht, 1926 (Reprint by ¨Oko-Verlag Kassel, Germany 1982). [22] E.L. Petersen, N.G. Mortesen, L. Landberg, J. Ho- jstrup and H.P. Frank, Wind Power Meteorology. RISO-I-1206(EN) (Riso National Laboratory, Ros- kilde, 1997). [23] R.M. Traci, G.T. Phillips, P.C. Patnail and B.E. Free- man, Development of a Wind Energy Methodology - Report RLO/2440-11 (US Dept. Energy, Washington, DC, 1977). [24] B. Ernst, K. Rohrig, P. Schorn and H. Regber, Procee- dings of the European Wind Energy Conference (Co- penhagen, Dinamarca, 2001). [25] T.S. Nielsen, H. Madsen and J. Tofting, Proceedings of the European Wind Energy Conference (Nice, Fran¸ca, 1999), p. 1066-1069. [26] H.G. Beyer, D. Heinemann, H. Mellinghoff, K. M¨onnich and H.-P. Waldl, Proceedings of the European Wind Energy Conference (Nice, Fran¸ca, 1999), p. 1070- 1073. [27] U. Focken, M. Lange, K. M¨onnich, H.-P. Waldl, H.G. Beyer and A. Luig, J. Wind Eng. Ind. Aerod. 90, 231 (2002). [28] E.B. Pereira, F.R. Martins, S.L. Abreu, R. R¨uther, S.C. Chan, O.A.C. Amarante and S. Colle, Brazilian Energy Report - SWERA Project (INPE, S˜ao Jos´e dos Campos, 2008). Dispon´ıvel em www.swera.unep.net/ swera/.