2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás

6.515 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás

  1. 1. Novas Químicas para cosméticos:Alisamentos• Uma abordagem científica• Mitos e VerdadesRodolfo Marques
  2. 2. • 1930 Cabelisador:Haste de metal aquecida• 1940 até Dec. 80: Pente de metal• A partir da década de 50:Soda Caustica (Hidróxido de Sódio)Associado ao ferro de passar roupas• A partir da década de 80:Produtos compostos com Queratina,mais suaves e com menor poder dealisamento. (Relaxamentos)• A partir do ano de 2000:Formol em alisamentos capilares• A partir de 2010?Novas químicas para alisamentoA História doalisamento
  3. 3. • Marketing x Ciência• Falta de literaturas científicas• Composições geralmenteunificadasAlisamentosCapilares
  4. 4. CITOLOGIACAPILAR
  5. 5. Lisos / LisótricosOndulados / SinótricosCrespos / UlótricosCURVATURACAPILAR
  6. 6. • Ligação de Hidrogênio• Ligações Salínas• Ligação de DissulfetoAS LIGAÇÕESLATERAIS
  7. 7. • Alisamentos Físicos• Alisamentos Químicos• Alisamentos Físico - QuímicosMECANISMOS DEAÇÃO
  8. 8. • Hidróxidos de: Sódio, Cálcio,Potássio, Lítio, Magnésio, Carbonatode Guanidina• Quantidade máxima permitida porlegislação: 4,5%• Até 12,58% Fonte: (BoletimEpidemiológico PaulistaBEPA Vol. 5 N 54)HIDRÓXIDOSpH 12,0 a 13,0
  9. 9. HIDRÓXIDOSMECANISMO DE AÇÃO• Ação: Seu alto pH quebra as cadeias salinas, fazendo com que a fibra fique maismaleável. Sua estrutura extremamente alcalina ainda dissolve uma das ligações desulfetos fazendo com que o fio perca força tensora formando o que chamamos derelaxamento.• Neutralização: Essa nova cadeia é chamada de Lantionina e é neutralizada atravésde ativos ácidos chamados shampoo indicador que fazem com que o fio volte próximoao seu pH fisiológico porém já em seu novo formato.
  10. 10. • Tioglicolato de Amônio, Lactato deEtanolamina...• Quantidade máxima permitida porlegislação: 11%• Até 12,50% Fonte: (BoletimEpidemiológico PaulistaBEPA Vol. 5 N 54)TIOGLICOLATOSpH 9,0 a 9,5
  11. 11. TIOGLICOLATOSMECANISMO DE AÇÃO• Ação: Promove a quebra da ligação de dissulfeto pelos átomos de enxofre deixandoas cadeias instáveis e maleáveis para assumirem um novo formato que pode ser reto(liso) ou sinuoso (cacho).•Neutralização: A cisteína é oxidada pelo processo de oxidação voltando a suaconformação estrutural porém assumindo o novo formato.
  12. 12. • Usado a mais de 50 anos Cria uma película sobre a fibra queprogressivamente proporciona oefeito liso, geralmente entre a 15 e 25aplicação.Mitos e Verdades• Henê tem chumbo?• Henê provoca câncer? UERJ (Dr. Israel Felzenszwalb) Por estar em meio ácido se anula oefeito cancerígeno da composição.• Henna e Henê: Henê é um alisante que colore Henna é uma coloração naturalHENÊ(PIRAGOLOL)
  13. 13. • Totalmente proibido para alisamentocapilar.• Considerado altamente cancerígenopela OMS (Organização Mundial deSaúde)• Quantidade máxima permitida porlegislação: 0,2%• Até 10,98% Fonte: (BoletimEpidemiológico Paulista BEPA Vol. 5N 54)FORMALDEÍDO(FORMOL)
  14. 14. FORMALDEÍDO (FORMOL)MECANISMO DE AÇÃOAção: Atua formando uma película impermeável na fibra chamada película vítria.Essa película impede a entrada de hidrogênio evitando que o fio, alisado peloprocesso físico volte ao seu formato original em contato com a água.Impactos na fibra• Impede a absorção de nutrientes e óleos essenciais• Faz com que a fibra se torne rígida e se quebre facilmente.• Dissolve a membrana celular que envolve a queratina, o que justamente protege,lubrifica e ajuda a hidratar o fio de cabelo deixando o fio exposto a agressões físicas equímicas.
  15. 15. Derivados de Formaldeído (Formol) ouliberadores de Aldeídos• Ácido Fórmico (Formol), Formalina,Glutaraldeído, Ácido Glioxílico,Carbocisteína, Ácido Carboxílico,Metanol, Ácido Metanoico, ÁcidoAmínico, Ácido Formílico, ÁcidoHidrogênico, Fenoxietanol entreoutros.• Ácidos Orgânicos• Ácido da maça, pera etc.• Veneno de formiga• Pimenta• Ácido da cebola (propenilsulfênico)• Chocolate, menta etc...FORMALDEÍDOMITOS E VERDADES
  16. 16. • Agente condicionante e hidratante• Estima-se que ela tenha bioafinidade comas cutículas promovendo a retençãohídrica.• Ao ser absorvida associada com o ÁcidoGlioxílico, interage com as cadeiaspolipeptídicas potencializando o resultado.MITOS:• Carbocisteína alisa cabelos?• Carbocisteína é um aminoácido?• Aminocarbocisteína é carbocisteína?Carbocisteína
  17. 17. ÁCIDO GLIOXÍLICOMECANISMO DE AÇÃOAGENTE ÂNIONICOAção em composições :Promove o aumento da anionização da fibra favorecendo adilatação das cutículas agindo como um facilitador de absorção de outrascomposições .Ação no fio: Ele doa uma molécula de carbono aos sulfetos formando uma novacadeia chamada carboxila deixando o fio rígido e facilitando um novo formatointerrompendo assim a força tensora da fibra.
  18. 18. • Composto fenólico, proveniente dometabolismo secundário das plantas.• Definido como polímeros solúveis em águaque precipitam proteínas• Propriedades Farmacológicas:Antioxidantes, Adstringente, Hemostática,Cicatrizante, Antisséptica entre outras.TANINO(ÁCIDO TÂNICO)
  19. 19. TÂNINO (ÁCIDO TÂNICO)MECANISMO DE AÇÃOAção no fio: Contem grupos hidroxila fenólicos em quantidade suficiente parapermitir a formação de ligações cruzadas com proteína.No caso da Queratina do cabelo, as ligações com a mesma promovem orompimento das ligações laterais entre as queratinas realinhando novamente osfios pelo calor controlado da prancha.
  20. 20. • Ureia : Agente Hidratante Permitido até 10% pela ANVISA Proibido para mulheres grávidas Não consegue alisar cabelos• Ácido Lático: Agente sequestrante,regulador do pH e acidificante. Relatos de que a associação com ÁcidoGlioxilico, promove a liberação deFormaldeído, quando submetidos ao calorda prancha. Porém sem literaturas.• Ácido Cítrico: Acidificante, umectante eregulador de pH Não alisa cabelos• Ácido Hialurônico: Agente Hidratante Forma uma película superficial que ajuda amanter a hidratação. Ajuda a preservar a integridade das fibrasassim como as capilares.• Ácido propenilsulfênico (cebola) Não há na literatura qualquer ligação desseácido com os cabelos.OUTRASCOMPOSIÇÕES(MITOS E VERDADES)
  21. 21. LITERATURAS E BIBLIOGRAFIAS CONSULTADAS• Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) www.anvisa.gov.br• BEPA Boletim Epidemiológico Paulista volume 5 Num. 54 ISSN 1806-423-X Instituto Adolfo Lutz• International Angency for Research on Câncer. IARC Classification Formal to Humans. www.monographs.iarc.fr• Farmacopéia Brasileira. Parte 1 . 4 Edição São Paulo: Atheneu; 1988. P. 5.1, 6.1 – v.5. 1.7-6• A química da estética capilar como temática no ensino de química e na capacitação dos profissionais da beleza.Universidade Federal de Santa Maria RS , programa de pós Graduação em Ciências.• Manual Técnico Salvatore Cosméticos, 1 Edição 2012 Rodolfo Marques www.salvatorecosmeticos.com.br• Cosmetics: science and technology BALSAN, MS.; SAGARINED, ED: MALABAR KRIEGER PUBLISHING, 1992. V2• Compêndio de Dermatologia BECHELLI, L. M, ED: 6 ATHENEU, 1988• Dermatologia Farmacêutica GANOMAL, AL, JUÍZ DE FORA: 1999• Anatomia e Fisiologia da pele SAMPAIO S. A. P. E RIVITTTI E, ED: ARTES MÉDICAS LTDA 2000• Histologia Básica JUNQUEIRA, L.C; ED: RIO DE JANEIRO GUANABARA KOOGAN S. A, 1999• Propedêutica das doenças do cabelo e do couro cabeludo PERREIRA J. ED: ATENEU, 2001• Ciência Cosmética, ASOCIACIÓN PERUANA DE QUÍMICA COSMÉTICA, CONGRESSO LATINO AMERICANO E IBÉRICO DEQUÍMICOS COSMÉTICOS.• Manual da Terapêutica Dermatológica e Cosmetologia, FONSECA A. ROCA: 2000• Biofísica aplicada a dermocosméticos, GISELE S. G. PATRÍCIA M. C. BRAZILIAN JOURNAL OF PHARMACEUTICAL SCIENCESVOL 45, MAR 2009.• Tricologia e a Química Cosmética Capilar, tradução da quinta edição norte americana, John Halal. Cengage Learning.
  22. 22. “A melhor de todas as coisas é aprender.O dinheiro pode ser perdido ou roubado, asaúde e força podem falhar, mas o que vocêdedicou à sua mente é seu para sempre”(Louis L’Amour)Rodolfo Marquesfacebook.com/rodolfojmarques85

×