Terapia capilar“O que há de moderno”Tratamentos clínicos ecirúrgicosTerapia capilarTerapia capilar““O que hO que háá de mo...
Dr. Adriano AlmeidaMédico Pós graduado em dermatologiaDiretor da sociedade Brasileira do cabeloDiretor SBDCCProf. da pós g...
AnatomiaAnatomiaHaste CapilarHaste CapilarHaste CapilarPapilaPapila BulboBulboBulgeBulgeMMúúsculo eretor do pêlosculo eret...
AnatomiaAnatomiaInfundInfundííbulobuloIstmoIstmoFixaFixaTransitTransitóóriorio
AnatomiaAnatomiaCórtexCCóórtexrtexMedulaMedulaBainha externaBainha externaBainha internaBainha internaBainha internaCutícu...
FolFolíículo Pilossebculo Pilossebááceoceo 5 milhões no corpo 100 a 150.000 no couro cabeludo Crescimento capilar: 1cm/...
Tipos de cabelosTipos de cabelosFio terminalFio terminal Fio velus
FisiologiaFisiologiaCICLO CAPILARCICLO CAPILARCICLO CAPILARAnágenoAnágeno CatágenoCatágeno TelógenoTelógeno
FisiologiaFisiologiaCICLO CAPILARCICLO CAPILARCICLO CAPILARTricograma Anágeno Distrófico TelógenoNormal 80 - 90% 0 - 2% 10...
TricopatologiaTricopatologiaEu estou ficando sem cabelos........Eu estou ficando sem cabelos........Eu estou ficando sem c...
AnamneseAnamnese Queda x afinamento x quebra Duração, história familiar Gravidez, dietas, cirurgias Stress emocional, ...
AnamneseAnamnesePresença de áreas com alopecias ou cicatrizes Tinturas, alisamentos, permanentes Tratamentos anteriores...
Exame fExame fíísicosico Exame do couro cabeludo Exame da qualidade da haste/espessura Teste do puxamento leve Quantif...
Exame fExame fíísicosicoDensidade
Exame fExame fíísicosicoPuxamento leve
Exame fExame fíísicosicoAvaliação visual da haste
Exame fExame fíísicosicoAvaliação do comprimento da haste
Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosMulheres Hemograma Ferritina TSH T4 livre/T3 Testosterona total e livre Prolac...
Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosHomens Hemograma DHT TestosteronaHomensHomens HemogramaHemograma DHTDHT Tes...
Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosTricogramaTricogramaTricograma
Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosTricogramaTricogramaTricograma
Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosTricogramaTricogramaTricograma
Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosBiópsia – Longitudinal ou transversal Aparar a área Infiltração com lidocaina 2% ...
DiagnDiagnóósticostico Alopecia não cicatricial Alopecia cicatricial Alterações da haste Tumores
Eflúvios
EFLEFLÚÚVIOS CAPILARESVIOS CAPILARESAnágeno –Telógeno – Agudo - CrônicoPerda > 100 fios aguda ou crônicaRarefação difus...
Eflúvio  Disritmia no ciclo (espectro)EflEflúúviovio  Disritmia no ciclo (espectro)Disritmia no ciclo (espectro)Eflúvio...
EflúvioAnágeno
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOQueda radical que dura geralmente 1-4semanas É causado por inibição do processo dedivisã...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOPerda aguda e generalizada de cabelos nafase anágena.Dias ou semanas após evento precipi...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausas Envenenamento por arsênico, sais detálio ou outras substâncias semelhantes. Assoc...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausasDefeitos na produção de hormônios:Hipopituitarismo HipotiroidismoSíndrome de Cush...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausasDeficiência de nutrientes:Deficiência extrema de cobre, ferro,zinco, biotina, ácido...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausasDrogasBleomicina, vasopressina, vinblastina,vincristina ...07 a 14 dias após iníci...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOTratamento Determinar o agente etiológico quecomeçou este tipo de alopecia e tomarmedidas...
EflúvioTelógeno
EFLEFLÚÚVIO TELVIO TELÓÓGENO AGUDOGENO AGUDOCiclo alterado anágeno  telógenoQueda difusa intensa - 100 > fios dia20% >...
EFLEFLÚÚVIO TELVIO TELÓÓGENO CRÔNICOGENO CRÔNICOQueda crônica cabelos difusaMulheres adultas (45 > anos)Recessão bitemp...
EXAMES LABORATEXAMES LABORATÓÓRIAISRIAISHemogramaFerritinaFunção tiroidianaHemogramaHemogramaFerritinaFerritinaFu...
EFLEFLÚÚVIOVIO -- TELTELÓÓGENOGENOTratamento Determinar o agente etiológico Correção de déficts nutricionais oualteraçõe...
AlopeciaAreata
ALOPECIA AREATAALOPECIA AREATA Prevalência  2% Dermatose com patogênese não esclarecida Alopecia não cicatricial / sem...
ALOPECIAANDROGENÉTICAFEMININA
ALOPECIA ANDROGENALOPECIA ANDROGENÉÉTICATICAFEMININAFEMININAInício na puberdadeHistória familiar positivaRarefação difu...
Escala de LudwigEscala de Ludwig
Encurta fase anágena Encurta fase anEncurta fase anáágenagenaDiag. diferencial com eflúvio telógeno. Diag. diferenci...
 Hiperandrogenismo HiperandrogenismoHiperandrogenismo Associação com acne / hirsutismo /seborréia / obesidade Associ...
Ferritina e VitaminasFerritina e Vitaminas• Níveis baixos de ferritinaPioram resposta aos andrógenos•• NNííveis baixos de ...
ALOPECIAANDROGENÉTICAMASCULINA
 Miniaturização dos fios susceptíveis MiniaturizaMiniaturizaçção dos fios susceptão dos fios susceptííveisveisAlopecia ...
Encurtamento da fase anágena Encurtamento da fase anEncurtamento da fase anáágenagenaNão é alopecia cicatricialNãoNã...
GenéticaGenGenééticaticaHormôniosHormôniosHormôniosEnzimasEnzimasEnzimasFatores de crescimentoFatores de crescimentoFatore...
 Fios não susceptíveis ao hormônio sãotransplantados Fios não susceptFios não susceptííveis ao hormônio sãoveis ao horm...
 Crescimento dos pelos andrógeno dependentes Crescimento dos pelos andrCrescimento dos pelos andróógeno dependentesgeno...
ALOPECIASCICATRICIAIS
ALOPECIAS CICATRICIAISALOPECIAS CICATRICIAISPseudo pelada de BrocqFoliculite decalvanteFoliculite dissecantePseudo pe...
PSEUDOPELADADE BROCQ
Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockPouco frequenteEtiologia desconhecidaCausa alopecia permanentePouco frequ...
Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockGeralmente múltiplos focos, quepodem permanecer separados ouformas áreas maio...
Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockDentro das áreas atróficas pode-seobservar alguns pelos solitários, quepersis...
Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockPseudopelada de Brock – DiagnósticodiferencialAlopecia areata: evolução mais...
Pseudopelada de BrocqPseudopelada de Brocq
FOLICULITEDECALVANTE
Foliculite DecalvanteFoliculite DecalvanteRaraReação inflamatória folicular comáreas de alopecia cicatricialDoença de e...
Foliculite DecalvanteFoliculite DecalvanteEtiologia: desconhecida No material obtido de coleta, emcultura há crescimento...
FOLICULITEDISSECANTE
Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensForma rara, crônica e grave defo...
Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensOcorre geralmente em jovensPres...
Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensEvolução lentaAs cicatrizes des...
Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensDiagnóstico é clínicoDiferencia...
Outras doenOutras doençças queas queacometem o couroacometem o courocabeludocabeludoDermatite seborrêicaPsoríaseDermat...
DERMATITESEBORRÊICA
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaDermatose inflamatóriaeritêmatodescamativa crônica(papuloescamosa) associada aoau...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :DesconhecidaSeborréiaAlteração da composição do sebo:Colesterol...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia:Efeito microbiano: Propionibacterium acnes Malassezia furfur Sh...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :Condições neurológicas:parkinsonismo, epilepsia e etc.Estresse e...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :Fatores genéticos: alguns admitempredisposição familiar, embora n...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :Fatores nutricionais: Ingestão de hidratos de carbonos ealimento...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :AlcoolismoInfecção pelo HIV: marcador paraesta infecçãoHormonal...
Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaAcomete principalmente:– Couro cabeludo– Face– Pavilhão auricular– Parte superior...
PSORÍASE
PsorPsorííaseaseDoença universal.Nos E.U.A, afeta 2% da população.Na América do Sul, a incidênciaestá na casa de 0,97%....
PsorPsorííaseaseA incidência é igual em ambosos sexos.Já foi descrita iniciando aonascimento, como com iníciotardio, em ...
PsorPsorííaseaseInício precoce é mais comum quandohá uma história familiar.Existe maior incidência de psoríaseem pessoas...
PsorPsorííaseaseAs lesões clássicas de psoríasetêm essencialmente 3características clínicas:Bordas bem definidas;Escama...
TerapiasModernas
CapixylCapixyl™™
Causas da queda dos cabelosCausas da queda dos cabelosResultado de uma série de causas:Genética;Alterações e desbalanço ho...
Diversos produtos de mercado existem e são baseados em diferentes mecanismos deação:•VasodilataçãoO Minoxidil® (Regain®/Ro...
CapixylCapixylMecanismos de aMecanismos de açção:ão:-- ModulaModulaçção da DHTão da DHT-- Integridade da MECIntegridade da...
Efeitos da Dihidrotestoterona (DHT)Efeitos da Dihidrotestoterona (DHT)DHT encurta o ciclo de crescimentoMiniaturização dos...
Efeitos da perda da integridade da MECEfeitos da perda da integridade da MECO tamanho dos folículos édeterminada:- volume ...
Alopécia Androgênica)Efeito da inflamaçãoProdução de citoquinas pró-inflamatóriasAlteração na MECDegradação do folículocap...
CapixylCapixyl™™: Combina: Combinaççãoão ÚÚnicanicaBiochanin A - Red clover Trevo VermelhoBiocanina A é uma potente Isofla...
Estudos ClEstudos Clíínicosnicos
Protocolo• 30 voluntários com alopécia androgênica ( médias 46 anos)200 fios de cabelos na zona tratada e 70% na fase anág...
Resultados: Densidade do cabeloD0 4 Months84889296100104#ofhairs/cm2Média Anágena (crescimento)Placebo Capixyl™+13%-2%-29%...
Resultados: Proporção Anágena / TelógenaCapixyl™ aumenta a proporção anágena/ telógena em 46%comparada a redução de -33% d...
Antes e depoisCapixyl™ é um aitvo eficiente na diminuição da alopécia androgênicaAntes dotratamentoApós otratamentoVerdean...
KapilarineExtrato Concentrado de 4 Plantascom atividade PilogênicasCanelaSalviaKigelia africanaGingko biloba
KapilarineKapilarineKapilarineIngredientes ativos: Kigelia africana – possui compostos esteróides com açãohormônio-like c...
KapilarineKapilarineKapilarineAtividades: inibição da 5-alfa redutase aumento da microcirculação do couro cabeludo ativ...
KapilarineKapilarineKapilarine Concentração de uso: 1 a 10 % Fortalecedor Capilar Antiqueda Kapilarine 5% reduz em 30%...
KapilarineKapilarineKapilarineTestes de Eficácia In vivoGráfico 1: Efeito doKapilarine no acúmulo do sebo.Kapilarine possu...
KapilarineKapilarineKapilarineTestes de Eficácia In vivoKapilarine aumenta vitalidade do cabelo,reduzindo a proporção de f...
KapilarineKapilarineKapilarineTestes de Eficácia In vivoMelhora em 18% na MicrocirculaçãoMelhora naMicrocirculação, promo...
KapilarineKapilarineKapilarineFormulação:Ativo ConcentraçãoKapilarine 5%Tônico capilar qsp qsp
Formulação anti-queda com cafeínaAtivo ConcentraçãoKapilarine 7%Cafeína 2%Tônico capilar qspAplicar 20 gotas no couro cabe...
Formulação Anti-QuedaAtivo ConcentraçãoKapilarine 7%L-carnitina L-tartarato 2%Tônico capilar qspAplicar 20 gotas no couro ...
L-carnitina L-tartaratoEfeito da L-carnitina L-tartarato naestimulação do crescimento capilar.
Zymo Hair: utilizado em xampus, para limpeza profunda.Complexo de maltodextrina com lipase, protease e alfa-amilase.Este c...
Zymo HSOR: ação anti DHT, utilizado na forma de foam, após oxampu com Zymo Hair com cabelos úmidos ou cabelos secos.A enzi...
Sugestões de formulações1) Xampu enzimático Zymo Hair de Limpeza ProfundaZymo Hair --------------------2%Ceramidas III ---...
Nutricosméticos
ImedeenInnéov
Oenobiol Massa CapilarOenobiol Massa CapilarAntiAnti--Queda CapilarQueda CapilarNutrir de dentro para fora
OralHairVitamina B1 (Nitrato de Tiamina) 1,2 mgVitamina B5 (Pantotenato de Cálcio) 5,0 mgVitamina B12 (Cianocobalamina) 2,...
Transplanteautólogo decabelos
Consulta mConsulta méédicadica Não estou contente com a minhaaparência Não estou contente com a minhaNão estou contente...
Consulta mConsulta méédicadica Estou perdendo cabelo Estou perdendo cabeloEstou perdendo cabelo Estou ficando careca...
Consulta mConsulta méédicadica História familiar HistHistóória familiarria familiar Tempo de duração de calvície Tem...
IdadeIdade > 25 anos > 25 anos> 25 anos < 70 anos < 70 anos< 70 anos Ideal: 40-50 anos Ideal: 40Ideal: 40--50 ano...
Cor / TipoCor / Tipo Cor do cabelo / cor da pele Cor do cabelo / cor da peleCor do cabelo / cor da pele Liso / encarac...
Exame clExame clííniconico Área de calvície futura ÁÁrea de calvrea de calvíície futuracie futura Área calva ÁÁrea c...
Densidade DensidadeDensidadeTamanho TamanhoTamanhoQualidade de cabelo Qualidade de cabeloQualidade de cabeloÁÁrea...
DensidadeDensidadeRegular: < 2 / mm2Regular: < 2 / mmRegular: < 2 / mm22Má: < 1 fio /mm2MMáá: < 1 fio /mm: < 1 fio /mm22Bo...
Resultados / ExpectativasResultados / Expectativas Tempo cirúrgico Tempo cirTempo cirúúrgicorgico Real / imaginário ...
 Transplante sem cicatrizlinear Procedimento ambulatorial Não é indicado paragrandes áreas Capta pequenos e grandesenx...
ObrigadoObrigado!!www.doutoradrianoalmeida.com.brdradrianoalmeida@hotmail.comAdriano Almeida
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás

62.109 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
62.109
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
53.048
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
214
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2º Congresso de Tricologia do Estado de Goiás

  1. 1. Terapia capilar“O que há de moderno”Tratamentos clínicos ecirúrgicosTerapia capilarTerapia capilar““O que hO que háá de modernode moderno””Tratamentos clTratamentos clíínicos enicos ecircirúúrgicosrgicosProf. Dr. Adriano AlmeidaProf. Dr. Adriano Almeida
  2. 2. Dr. Adriano AlmeidaMédico Pós graduado em dermatologiaDiretor da sociedade Brasileira do cabeloDiretor SBDCCProf. da pós graduação em dermatologia FPSPesquisador da UNICAMPwww.doutoradrianoalmieda.com.brdradrianoalmeida@hotmail.comDr. Adriano AlmeidaDr. Adriano AlmeidaMMéédico Pdico Póós graduado em dermatologias graduado em dermatologiaDiretor da sociedade Brasileira do cabeloDiretor da sociedade Brasileira do cabeloDiretor SBDCCDiretor SBDCCProf. da pProf. da póós graduas graduaçção em dermatologia FPSão em dermatologia FPSPesquisador da UNICAMPPesquisador da UNICAMPwww.doutoradrianoalmieda.com.brwww.doutoradrianoalmieda.com.brdradrianoalmeida@hotmail.comdradrianoalmeida@hotmail.com
  3. 3. AnatomiaAnatomiaHaste CapilarHaste CapilarHaste CapilarPapilaPapila BulboBulboBulgeBulgeMMúúsculo eretor do pêlosculo eretor do pêloGlândula SebGlândula Sebááceacea
  4. 4. AnatomiaAnatomiaInfundInfundííbulobuloIstmoIstmoFixaFixaTransitTransitóóriorio
  5. 5. AnatomiaAnatomiaCórtexCCóórtexrtexMedulaMedulaBainha externaBainha externaBainha internaBainha internaBainha internaCutículaCutCutíículaculaPapilaPapila
  6. 6. FolFolíículo Pilossebculo Pilossebááceoceo 5 milhões no corpo 100 a 150.000 no couro cabeludo Crescimento capilar: 1cm/mês Densidade: 430 - 615 / cm2 Diâmetro: 60 - 84 µm 5 milhões no corpo5 milhões no corpo 100 a 150.000 no couro cabeludo100 a 150.000 no couro cabeludo Crescimento capilar: 1cm/mêsCrescimento capilar: 1cm/mês Densidade: 430Densidade: 430 -- 615 / cm615 / cm22 Diâmetro: 60Diâmetro: 60 -- 8484 µµmm
  7. 7. Tipos de cabelosTipos de cabelosFio terminalFio terminal Fio velus
  8. 8. FisiologiaFisiologiaCICLO CAPILARCICLO CAPILARCICLO CAPILARAnágenoAnágeno CatágenoCatágeno TelógenoTelógeno
  9. 9. FisiologiaFisiologiaCICLO CAPILARCICLO CAPILARCICLO CAPILARTricograma Anágeno Distrófico TelógenoNormal 80 - 90% 0 - 2% 10 - 20%Telógeno < 80% 0 - 2% > 20%Anágeno > 90% 0 - 2% < 10%Distrófico < 90% > 2% > 20%Normal 80 - 90% 0 - 2% 10 - 20%Telógeno < 80% 0 - 2% > 20%Anágeno > 90% 0 - 2% < 10%Distrófico < 90% > 2% > 20%
  10. 10. TricopatologiaTricopatologiaEu estou ficando sem cabelos........Eu estou ficando sem cabelos........Eu estou ficando sem cabelos........
  11. 11. AnamneseAnamnese Queda x afinamento x quebra Duração, história familiar Gravidez, dietas, cirurgias Stress emocional, alterações endócrinas Queda x afinamento x quebraQueda x afinamento x quebra DuraDuraçção, histão, históória familiarria familiar Gravidez, dietas, cirurgiasGravidez, dietas, cirurgias Stress emocional, alteraStress emocional, alteraçções endões endóócrinascrinas
  12. 12. AnamneseAnamnesePresença de áreas com alopecias ou cicatrizes Tinturas, alisamentos, permanentes Tratamentos anteriores – Quais? Frequência que lava cabelos Uso de medicações ( fluoxetina, propranolol,hidantal, haldol, losartan, roacutan, sertralina eetc)PresenPresençça dea de ááreas com alopecias ou cicatrizesreas com alopecias ou cicatrizes Tinturas, alisamentos, permanentesTinturas, alisamentos, permanentes Tratamentos anterioresTratamentos anteriores –– Quais?Quais? Frequência que lava cabelosFrequência que lava cabelos Uso de medicaUso de medicaçções ( fluoxetina, propranolol,ões ( fluoxetina, propranolol,hidantal, haldol, losartan, roacutan, sertralina ehidantal, haldol, losartan, roacutan, sertralina eetc)etc)
  13. 13. Exame fExame fíísicosico Exame do couro cabeludo Exame da qualidade da haste/espessura Teste do puxamento leve Quantificação dos fios que caem por dia Exame do couro cabeludoExame do couro cabeludo Exame da qualidade da haste/espessuraExame da qualidade da haste/espessura Teste do puxamento leveTeste do puxamento leve QuantificaQuantificaçção dos fios que caem por diaão dos fios que caem por dia
  14. 14. Exame fExame fíísicosicoDensidade
  15. 15. Exame fExame fíísicosicoPuxamento leve
  16. 16. Exame fExame fíísicosicoAvaliação visual da haste
  17. 17. Exame fExame fíísicosicoAvaliação do comprimento da haste
  18. 18. Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosMulheres Hemograma Ferritina TSH T4 livre/T3 Testosterona total e livre Prolactina / FSH / LH / SDHEA / VDRLMulheresMulheres HemogramaHemograma FerritinaFerritina TSHTSH T4 livre/T3T4 livre/T3 Testosterona total e livreTestosterona total e livre Prolactina / FSH / LH / SDHEA / VDRLProlactina / FSH / LH / SDHEA / VDRL
  19. 19. Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosHomens Hemograma DHT TestosteronaHomensHomens HemogramaHemograma DHTDHT TestosteronaTestosterona
  20. 20. Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosTricogramaTricogramaTricograma
  21. 21. Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosTricogramaTricogramaTricograma
  22. 22. Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosTricogramaTricogramaTricograma
  23. 23. Exames SubsidiExames SubsidiááriosriosBiópsia – Longitudinal ou transversal Aparar a área Infiltração com lidocaina 2% Aplicar punch 4 mm até o subcutâneo Sutura com mononylon 3-0BiBióópsiapsia –– Longitudinal ou transversalLongitudinal ou transversal Aparar aAparar a áárearea InfiltraInfiltraçção com lidocaina 2%ão com lidocaina 2% Aplicar punch 4 mm atAplicar punch 4 mm atéé o subcutâneoo subcutâneo Sutura com mononylon 3Sutura com mononylon 3--00
  24. 24. DiagnDiagnóósticostico Alopecia não cicatricial Alopecia cicatricial Alterações da haste Tumores
  25. 25. Eflúvios
  26. 26. EFLEFLÚÚVIOS CAPILARESVIOS CAPILARESAnágeno –Telógeno – Agudo - CrônicoPerda > 100 fios aguda ou crônicaRarefação difusaNão há miniaturizaçãoTeste puxamento leve pode ser positivoAssociação com quadros sistêmicos AnAnáágenogeno ––TelTelóógenogeno –– AgudoAgudo -- CrônicoCrônico Perda > 100 fios aguda ou crônicaPerda > 100 fios aguda ou crônica RarefaRarefaçção difusaão difusa Não hNão háá miniaturizaminiaturizaççãoão Teste puxamento leve pode ser positivoTeste puxamento leve pode ser positivo AssociaAssociaçção com quadros sistêmicosão com quadros sistêmicos
  27. 27. Eflúvio  Disritmia no ciclo (espectro)EflEflúúviovio  Disritmia no ciclo (espectro)Disritmia no ciclo (espectro)Eflúvio anágenoEflEflúúvio anvio anáágenogenoAgressão forteAgressão forteAgressão forteEflúvio telógenoagudoEflEflúúvio telvio telóógenogenoagudoagudoAgressão médiaAgressão mAgressão méédiadiaEflúvio telógenocrônicoEflEflúúvio telvio telóógenogenocrônicocrônicoAgressão pequenaAgressão pequenaAgressão pequenaEFLÚVIOS CAPILARESEFLEFLÚÚVIOS CAPILARESVIOS CAPILARES
  28. 28. EflúvioAnágeno
  29. 29. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOQueda radical que dura geralmente 1-4semanas É causado por inibição do processo dedivisão celular nos folículos Promove inibição súbida da produção decabelos Queda radical que dura geralmente 1Queda radical que dura geralmente 1--44semanassemanas ÉÉ causado por inibicausado por inibiçção do processo deão do processo dedivisão celular nos foldivisão celular nos folíículosculos Promove inibiPromove inibiçção são súúbida da produbida da produçção deão decabeloscabelos
  30. 30. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOPerda aguda e generalizada de cabelos nafase anágena.Dias ou semanas após evento precipitanteSem sintomas prévios Pode-se perder até 80% dos cabelos Perda aguda e generalizada de cabelos naPerda aguda e generalizada de cabelos nafase anfase anáágena.gena. Dias ou semanas apDias ou semanas apóóss evento precipitanteevento precipitante Sem sintomas prSem sintomas prééviosvios PodePode--se perder atse perder atéé 80% dos cabelos80% dos cabelosRecuperação com parada da agressão RecuperaRecuperaçção com parada da agressãoão com parada da agressão
  31. 31. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausas Envenenamento por arsênico, sais detálio ou outras substâncias semelhantes. Associado a alopecia areata Quimioterapia – lise celularCausasCausas Envenenamento por arsênico, sais deEnvenenamento por arsênico, sais dettáálio ou outras substâncias semelhantes.lio ou outras substâncias semelhantes. Associado a alopecia areataAssociado a alopecia areata QuimioterapiaQuimioterapia –– lise celularlise celular
  32. 32. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausasDefeitos na produção de hormônios:Hipopituitarismo HipotiroidismoSíndrome de CushingDiabetes tipo 2 e ocasionalmente tipo 1CausasCausasDefeitos na produDefeitos na produçção de hormônios:ão de hormônios: HipopituitarismoHipopituitarismo HipotiroidismoHipotiroidismo SSííndrome de Cushingndrome de Cushing Diabetes tipo 2 e ocasionalmente tipo 1Diabetes tipo 2 e ocasionalmente tipo 1
  33. 33. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausasDeficiência de nutrientes:Deficiência extrema de cobre, ferro,zinco, biotina, ácidos graxos essenciaisou vitamina C na dieta.CausasCausasDeficiência de nutrientes:Deficiência de nutrientes: Deficiência extrema de cobre, ferro,Deficiência extrema de cobre, ferro,zinco, biotina,zinco, biotina, áácidos graxos essenciaiscidos graxos essenciaisou vitamina C na dieta.ou vitamina C na dieta.
  34. 34. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOCausasDrogasBleomicina, vasopressina, vinblastina,vincristina ...07 a 14 dias após início de seu usoCausasCausasDrogasDrogas Bleomicina, vasopressina, vinblastina,Bleomicina, vasopressina, vinblastina,vincristina ...vincristina ... 07 a 14 dias ap07 a 14 dias apóós ins iníício de seu usocio de seu uso
  35. 35. EFLEFLÚÚVIOVIO -- ANANÁÁGENOGENOTratamento Determinar o agente etiológico quecomeçou este tipo de alopecia e tomarmedidas terapêuticas adequadas em cadacaso.TratamentoTratamento DDeterminar o agente etioleterminar o agente etiolóógico quegico quecomecomeççou este tipo de alopecia e tomarou este tipo de alopecia e tomarmedidas terapêuticas adequadas em cadamedidas terapêuticas adequadas em cadacaso.caso.
  36. 36. EflúvioTelógeno
  37. 37. EFLEFLÚÚVIO TELVIO TELÓÓGENO AGUDOGENO AGUDOCiclo alterado anágeno  telógenoQueda difusa intensa - 100 > fios dia20% > fios telógenosAgudo 2 - 4m após evento precipitanteFebre - parto - cirurgia – dermatitedroga - regime – estresse - psoríase Ciclo alterado anCiclo alterado anáágenogeno  teltelóógenogeno Queda difusa intensaQueda difusa intensa -- 100 > fios dia100 > fios dia 20% > fios tel20% > fios telóógenosgenos Agudo 2Agudo 2 -- 4m ap4m apóós evento precipitantes evento precipitante FebreFebre -- partoparto -- cirurgiacirurgia –– dermatitedermatitedrogadroga -- regimeregime –– estresseestresse -- psorpsorííasease
  38. 38. EFLEFLÚÚVIO TELVIO TELÓÓGENO CRÔNICOGENO CRÔNICOQueda crônica cabelos difusaMulheres adultas (45 > anos)Recessão bitemporal frequenteAssociada a condições: anemia /hipotireoidismo Queda crônica cabelos difusaQueda crônica cabelos difusa Mulheres adultas (45 > anos)Mulheres adultas (45 > anos) Recessão bitemporal frequenteRecessão bitemporal frequente Associada a condiAssociada a condiçções: anemia /ões: anemia /hipotireoidismohipotireoidismo
  39. 39. EXAMES LABORATEXAMES LABORATÓÓRIAISRIAISHemogramaFerritinaFunção tiroidianaHemogramaHemogramaFerritinaFerritinaFunFunçção tiroidianaão tiroidiana
  40. 40. EFLEFLÚÚVIOVIO -- TELTELÓÓGENOGENOTratamento Determinar o agente etiológico Correção de déficts nutricionais oualterações hormonais Minoxidil – boa opção de tratamentoTratamentoTratamento DDeterminar o agente etioleterminar o agente etiolóógicogico CorreCorreçção de dão de dééficts nutricionais ouficts nutricionais oualteraalteraçções hormonaisões hormonais MinoxidilMinoxidil –– boa opboa opçção de tratamentoão de tratamento
  41. 41. AlopeciaAreata
  42. 42. ALOPECIA AREATAALOPECIA AREATA Prevalência  2% Dermatose com patogênese não esclarecida Alopecia não cicatricial / sem sintomas Pelo com formato de ponto de exclamação Infiltrado inflamatório peribulbar PrevalênciaPrevalência  2%2% Dermatose com patogênese não esclarecidaDermatose com patogênese não esclarecida Alopecia não cicatricial / sem sintomasAlopecia não cicatricial / sem sintomas Pelo com formato de ponto de exclamaPelo com formato de ponto de exclamaççãoão Infiltrado inflamatInfiltrado inflamatóório peribulbarrio peribulbar
  43. 43. ALOPECIAANDROGENÉTICAFEMININA
  44. 44. ALOPECIA ANDROGENALOPECIA ANDROGENÉÉTICATICAFEMININAFEMININAInício na puberdadeHistória familiar positivaRarefação difusaMiniaturizaçãoPiora com eflúvio telógenoNão há alteração hormonal InIníício na puberdadecio na puberdade HistHistóória familiar positivaria familiar positiva RarefaRarefaçção difusaão difusa MiniaturizaMiniaturizaççãoão Piora com eflPiora com eflúúvio telvio telóógenogeno Não hNão háá alteraalteraçção hormonalão hormonal
  45. 45. Escala de LudwigEscala de Ludwig
  46. 46. Encurta fase anágena Encurta fase anEncurta fase anáágenagenaDiag. diferencial com eflúvio telógeno. Diag. diferencial com eflDiag. diferencial com eflúúvio telvio telóógeno.geno.Cabelo não cresce Cabelo não cresceCabelo não cresceAfinamento irregular do fio Afinamento irregular do fioAfinamento irregular do fioALOPECIA ANDROGENÉTICA FEMININA
  47. 47.  Hiperandrogenismo HiperandrogenismoHiperandrogenismo Associação com acne / hirsutismo /seborréia / obesidade AssociaAssociaçção com acne / hirsutismo /ão com acne / hirsutismo /seborrseborrééia / obesidadeia / obesidade Rarefação com padrão masculino - entradas RarefaRarefaçção com padrão masculinoão com padrão masculino -- entradasentradasSinais e sintomas de hiperandrogenismo Sinais e sintomas de hiperandrogenismoSinais e sintomas de hiperandrogenismo Associação com ovário policístico AssociaAssociaçção com ovão com ováário policrio policíísticosticoALOPECIA ANDROGENÉTICA FEMININA Alteração menstrual AlteraAlteraçção menstrualão menstrual
  48. 48. Ferritina e VitaminasFerritina e Vitaminas• Níveis baixos de ferritinaPioram resposta aos andrógenos•• NNííveis baixos de ferritinaveis baixos de ferritinaPioram resposta aos andrPioram resposta aos andróógenosgenos• Níveis baixos de vitamina B12Influenciam o tratamento•• NNííveis baixos de vitamina Bveis baixos de vitamina B1212Influenciam o tratamentoInfluenciam o tratamento• Níveis normais de ácido fólico•• NNííveis normais deveis normais de áácido fcido fóólicolico
  49. 49. ALOPECIAANDROGENÉTICAMASCULINA
  50. 50.  Miniaturização dos fios susceptíveis MiniaturizaMiniaturizaçção dos fios susceptão dos fios susceptííveisveisAlopecia AndrogenAlopecia Androgenééticatica Transformação do fio terminal em fio tipo velus TransformaTransformaçção do fio terminal em fioão do fio terminal em fio tipo velustipo velus Fio tipo penugem - sem capacidade decrescimento Fio tipo penugemFio tipo penugem -- sem capacidade desem capacidade decrescimentocrescimento
  51. 51. Encurtamento da fase anágena Encurtamento da fase anEncurtamento da fase anáágenagenaNão é alopecia cicatricialNãoNão éé alopecia cicatricialalopecia cicatricialPadrão específico Padrão especPadrão especííficoficoInício na puberdade InIníício na puberdadecio na puberdadeALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA
  52. 52. GenéticaGenGenééticaticaHormôniosHormôniosHormôniosEnzimasEnzimasEnzimasFatores de crescimentoFatores de crescimentoFatores de crescimentoVitaminasVitaminasVitaminasFerritinaFerritinaFerritinaALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA
  53. 53.  Fios não susceptíveis ao hormônio sãotransplantados Fios não susceptFios não susceptííveis ao hormônio sãoveis ao hormônio sãotransplantadostransplantados Homens castrados não tem alopeciaandrogenética Homens castrados não tem alopeciaHomens castrados não tem alopeciaandrogenandrogenééticatica Início somente após a puberdade InIníício somente apcio somente apóós a puberdades a puberdadeTestosterona sistêmica é similar nosindivíduos calvos e não calvosTestosterona sistêmicaTestosterona sistêmica éé similar nossimilar nosindivindivííduos calvos e não calvosduos calvos e não calvosALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA
  54. 54.  Crescimento dos pelos andrógeno dependentes Crescimento dos pelos andrCrescimento dos pelos andróógeno dependentesgeno dependentes Aumento da massa muscular Aumento da massa muscularAumento da massa muscularEngrossamento da voz Engrossamento da vozEngrossamento da vozLibido / potência Libido / potênciaLibido / potênciaCARACTERES MASCULINOSCARACTERES MASCULINOSCARACTERES MASCULINOSAção da testosterona (T)AAçção da testosterona (T)ão da testosterona (T)ALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA
  55. 55. ALOPECIASCICATRICIAIS
  56. 56. ALOPECIAS CICATRICIAISALOPECIAS CICATRICIAISPseudo pelada de BrocqFoliculite decalvanteFoliculite dissecantePseudo pelada de BrocqPseudo pelada de BrocqFoliculite decalvanteFoliculite decalvanteFoliculite dissecanteFoliculite dissecante
  57. 57. PSEUDOPELADADE BROCQ
  58. 58. Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockPouco frequenteEtiologia desconhecidaCausa alopecia permanentePouco frequentePouco frequenteEtiologia desconhecidaEtiologia desconhecidaCausa alopecia permanenteCausa alopecia permanente
  59. 59. Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockGeralmente múltiplos focos, quepodem permanecer separados ouformas áreas maioresNão há evidência de inflamaçãoAs áreas acometidas são brilhantes,lisas, atróficas, de contornosimprecisos Geralmente mGeralmente múúltiplos focos, queltiplos focos, quepodem permanecer separados oupodem permanecer separados ouformasformas ááreas maioresreas maiores Não hNão háá evidência de inflamaevidência de inflamaççãoão AsAs ááreas acometidas são brilhantes,reas acometidas são brilhantes,lisas, atrlisas, atróóficas, de contornosficas, de contornosimprecisosimprecisos
  60. 60. Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockDentro das áreas atróficas pode-seobservar alguns pelos solitários, quepersistem por longo tempo, o que émuito sugestivo da moléstia Dentro dasDentro das ááreas atrreas atróóficas podeficas pode--seseobservar alguns pelos solitobservar alguns pelos solitáários, querios, quepersistem por longo tempo, o quepersistem por longo tempo, o que éémuito sugestivo da molmuito sugestivo da molééstiastia
  61. 61. Pseudo pelada de BrockPseudo pelada de BrockPseudopelada de Brock – DiagnósticodiferencialAlopecia areata: evolução mais rápida,placas maiores e ausência de cicatriz Na pseudopelada em atividade, aretirada de pelos da periferia dalesão exige menor tração e há maiormassa mucinosa em torno da raiz(Sinal da Sampaio) Pseudopelada de BrockPseudopelada de Brock –– DiagnDiagnóósticosticodiferencialdiferencial Alopecia areata: evoluAlopecia areata: evoluçção mais rão mais ráápida,pida,placas maiores e ausência de cicatrizplacas maiores e ausência de cicatriz Na pseudopelada em atividade, aNa pseudopelada em atividade, aretirada de pelos da periferia daretirada de pelos da periferia dalesão exige menor tralesão exige menor traçção e hão e háá maiormaiormassa mucinosa em torno da raizmassa mucinosa em torno da raiz(Sinal da Sampaio)(Sinal da Sampaio)
  62. 62. Pseudopelada de BrocqPseudopelada de Brocq
  63. 63. FOLICULITEDECALVANTE
  64. 64. Foliculite DecalvanteFoliculite DecalvanteRaraReação inflamatória folicular comáreas de alopecia cicatricialDoença de evolução crônicaDistingue-se da pseudopelada pelapresença de foliculiteRaraRaraReaReaçção inflamatão inflamatóória folicular comria folicular comááreas de alopecia cicatricialreas de alopecia cicatricialDoenDoençça de evolua de evoluçção crônicaão crônicaDistingueDistingue--se da pseudopelada pelase da pseudopelada pelapresenpresençça de foliculitea de foliculite
  65. 65. Foliculite DecalvanteFoliculite DecalvanteEtiologia: desconhecida No material obtido de coleta, emcultura há crescimento de estafiloe estrepto, que são consideradosinvasores secundáriosEtiologia: desconhecidaEtiologia: desconhecida No material obtido de coleta, emNo material obtido de coleta, emcultura hcultura háá crescimento de estafilocrescimento de estafiloe estrepto, que são consideradose estrepto, que são consideradosinvasores secundinvasores secundááriosrios
  66. 66. FOLICULITEDISSECANTE
  67. 67. Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensForma rara, crônica e grave defoliculiteHá presença de nódulo, abscessos,fístulas e cicatrizes alopécicasForma rara, crônica e grave deForma rara, crônica e grave defoliculitefoliculiteHHáá presenpresençça de na de nóódulo, abscessos,dulo, abscessos,ffíístulas e cicatrizes alopstulas e cicatrizes alopéécicascicas
  68. 68. Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensOcorre geralmente em jovensPresença de comedões queprovavelmente são as lesões iniciaisFormação de fístulas que drenampus e serosidade e abscessos quese intercomunicamOcorre geralmente em jovensOcorre geralmente em jovensPresenPresençça de comedões quea de comedões queprovavelmente são as lesões iniciaisprovavelmente são as lesões iniciaisFormaFormaçção de fão de fíístulas que drenamstulas que drenampus e serosidade e abscessos quepus e serosidade e abscessos quese intercomunicamse intercomunicam
  69. 69. Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensEvolução lentaAs cicatrizes destroem o folículocausando alopecia permanenteO mesmo paciente pode apresentaracne conglobata.EvoluEvoluçção lentaão lentaAs cicatrizes destroem o folAs cicatrizes destroem o folíículoculocausando alopecia permanentecausando alopecia permanenteO mesmo paciente pode apresentarO mesmo paciente pode apresentaracne conglobata.acne conglobata.
  70. 70. Foliculite DissecanteFoliculite Dissecante ––Abscedans e suffodiensAbscedans e suffodiensDiagnóstico é clínicoDiferencial com acne queloidiana edermatofitose (kerion) Laboratório: bacteriológico emicológicoDiagnDiagnóósticostico éé clclííniconicoDiferencial com acne queloidiana eDiferencial com acne queloidiana edermatofitose (kerion)dermatofitose (kerion) LaboratLaboratóório: bacteriolrio: bacteriolóógico egico emicolmicolóógicogico
  71. 71. Outras doenOutras doençças queas queacometem o couroacometem o courocabeludocabeludoDermatite seborrêicaPsoríaseDermatite seborrêicaDermatite seborrêicaPsorPsorííasease
  72. 72. DERMATITESEBORRÊICA
  73. 73. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaDermatose inflamatóriaeritêmatodescamativa crônica(papuloescamosa) associada aoaumento da secreção das glândulassebáceasAfeta lactentes a adultos2 a 4% da população ( adultos 2 a10% , entre 20 e 50 anos idade)Dermatose inflamatDermatose inflamatóóriariaeritêmatodescamativa crônicaeritêmatodescamativa crônica(papuloescamosa) associada ao(papuloescamosa) associada aoaumento da secreaumento da secreçção das glândulasão das glândulassebsebááceasceasAfeta lactentes a adultosAfeta lactentes a adultos2 a 4% da popula2 a 4% da populaçção ( adultos 2 aão ( adultos 2 a10% , entre 20 e 50 anos idade)10% , entre 20 e 50 anos idade)
  74. 74. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :DesconhecidaSeborréiaAlteração da composição do sebo:Colesterol e triglicerídeos .Etiopatogenia :Etiopatogenia :DesconhecidaDesconhecidaSeborrSeborrééiaiaAlteraAlteraçção da composião da composiçção do sebo:ão do sebo:Colesterol e triglicerColesterol e trigliceríídeos .deos .
  75. 75. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia:Efeito microbiano: Propionibacterium acnes Malassezia furfur Shuster, em 1984, demonstrou amelhora da doença após uso decetoconazol sistêmicoEtiopatogenia:Etiopatogenia:Efeito microbiano:Efeito microbiano: Propionibacterium acnesPropionibacterium acnes Malassezia furfur Shuster, em 1984, demonstrou aShuster, em 1984, demonstrou amelhora da doenmelhora da doençça apa apóós uso des uso decetoconazol sistêmicocetoconazol sistêmico
  76. 76. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :Condições neurológicas:parkinsonismo, epilepsia e etc.Estresse emocionalFatores físicos:Outono e invernoEtiopatogenia :Etiopatogenia :CondiCondiçções neurolões neurolóógicas:gicas:parkinsonismo, epilepsia e etc.parkinsonismo, epilepsia e etc.Estresse emocionalEstresse emocionalFatores fFatores fíísicos:sicos:Outono e invernoOutono e inverno
  77. 77. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :Fatores genéticos: alguns admitempredisposição familiar, embora nãohá tipo de herança relacionado. Defeito na proteína de ligação doZn.Etiopatogenia :Etiopatogenia :Fatores genFatores genééticos: alguns admitemticos: alguns admitempredisposipredisposiçção familiar, embora nãoão familiar, embora nãohháá tipo de herantipo de herançça relacionado.a relacionado. Defeito na proteDefeito na proteíína de ligana de ligaçção doão doZn.Zn.
  78. 78. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :Fatores nutricionais: Ingestão de hidratos de carbonos ealimentos condimentados.Etiopatogenia :Etiopatogenia :Fatores nutricionais:Fatores nutricionais: Ingestão de hidratos de carbonos eIngestão de hidratos de carbonos ealimentos condimentados.alimentos condimentados.
  79. 79. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaEtiopatogenia :AlcoolismoInfecção pelo HIV: marcador paraesta infecçãoHormonalEtiopatogenia :Etiopatogenia :AlcoolismoAlcoolismoInfecInfecçção pelo HIV: marcador paraão pelo HIV: marcador paraesta infecesta infecççãoãoHormonalHormonal
  80. 80. Dermatite seborrêicaDermatite seborrêicaAcomete principalmente:– Couro cabeludo– Face– Pavilhão auricular– Parte superior do tronco– Região pubiana– flexurasAcomete principalmente:Acomete principalmente:–– Couro cabeludoCouro cabeludo–– FaceFace–– Pavilhão auricularPavilhão auricular–– Parte superior do troncoParte superior do tronco–– Região pubianaRegião pubiana–– flexurasflexuras
  81. 81. PSORÍASE
  82. 82. PsorPsorííaseaseDoença universal.Nos E.U.A, afeta 2% da população.Na América do Sul, a incidênciaestá na casa de 0,97%.DoenDoençça universal.a universal.Nos E.U.A, afeta 2% da populaNos E.U.A, afeta 2% da populaçção.ão.Na AmNa Améérica do Sul, a incidênciarica do Sul, a incidênciaestestáá na casa de 0,97%.na casa de 0,97%.
  83. 83. PsorPsorííaseaseA incidência é igual em ambosos sexos.Já foi descrita iniciando aonascimento, como com iníciotardio, em paciente de 108anos de idade.A incidênciaA incidência éé igual em ambosigual em ambosos sexos.os sexos.JJáá foi descrita iniciando aofoi descrita iniciando aonascimento, como com innascimento, como com inííciociotardio, em paciente de 108tardio, em paciente de 108anos de idade.anos de idade.
  84. 84. PsorPsorííaseaseInício precoce é mais comum quandohá uma história familiar.Existe maior incidência de psoríaseem pessoas com familiares deafetados.Um terço dos pacientes relatamfamiliar afetado.InIníício precocecio precoce éé mais comum quandomais comum quandohháá uma histuma históória familiar.ria familiar.Existe maior incidência de psorExiste maior incidência de psorííaseaseem pessoas com familiares deem pessoas com familiares deafetados.afetados.Um terUm terçço dos pacientes relatamo dos pacientes relatamfamiliar afetado.familiar afetado.
  85. 85. PsorPsorííaseaseAs lesões clássicas de psoríasetêm essencialmente 3características clínicas:Bordas bem definidas;Escamas micáceas não superponíveis;Eritema vermelho brilhante sob asescamas.As lesões clAs lesões cláássicas de psorssicas de psorííaseasetêm essencialmente 3têm essencialmente 3caractercaracteríísticas clsticas clíínicas:nicas:Bordas bem definidas;Bordas bem definidas;Escamas micEscamas micááceas não superponceas não superponííveis;veis;Eritema vermelho brilhante sob asEritema vermelho brilhante sob asescamas.escamas.
  86. 86. TerapiasModernas
  87. 87. CapixylCapixyl™™
  88. 88. Causas da queda dos cabelosCausas da queda dos cabelosResultado de uma série de causas:Genética;Alterações e desbalanço hormonal (menopausa);Nutrição (deficiência de certas vitaminas e minerais);Stress;Doenças como diabetes e lupus;Medicação(quimioterapia);Sazonais;EnvelhecimentoA queda de cabelo pode ser temporária ou definitivaAfeta homens e mulheres embora os homens tenham maior graude queda que as mulheres (após a menopausa afeta 75% dasmulheres com mais de 65 anos).Resultado de uma sResultado de uma séérie de causas:rie de causas:GenGenéética;tica;AlteraAlteraçções e desbalanões e desbalançço hormonal (menopausa);o hormonal (menopausa);NutriNutriçção (deficiência de certas vitaminas e minerais);ão (deficiência de certas vitaminas e minerais);Stress;Stress;DoenDoençças como diabetes e lupus;as como diabetes e lupus;MedicaMedicaçção(quimioterapia);ão(quimioterapia);Sazonais;Sazonais;EnvelhecimentoEnvelhecimentoA queda de cabelo pode ser temporA queda de cabelo pode ser temporáária ou definitivaria ou definitivaAfeta homens e mulheres embora os homens tenham maior grauAfeta homens e mulheres embora os homens tenham maior graude queda que as mulheres (apde queda que as mulheres (apóós a menopausa afetas a menopausa afeta 75% das75% dasmulheres com mais de 65 anos).mulheres com mais de 65 anos).
  89. 89. Diversos produtos de mercado existem e são baseados em diferentes mecanismos deação:•VasodilataçãoO Minoxidil® (Regain®/Rogain®) age como vasodilatador e descoberta suaatividade na queda/crescimento como efeito colateral***Minoxidil® works on 1 person out of 2 & on younger people (18 to 40)Side effects: burning/irritation, redness the treated area, chest pain•Hormonal ( transformação da DHT )Finasteride (Propecia®) medicamento que age inibindoa enzima que converte testosterona adihidrotestosterona (DHT) na alopécia androgênica• Rigidificação e ancoragem capilarAminexil® molécula patenteada pela L’Oréal, age na raizPreservando o tecido ao redor do bulbo.Oportunidade de mercado?
  90. 90. CapixylCapixylMecanismos de aMecanismos de açção:ão:-- ModulaModulaçção da DHTão da DHT-- Integridade da MECIntegridade da MEC(matriz extracelular)(matriz extracelular)-- InflamaInflamaççãoão
  91. 91. Efeitos da Dihidrotestoterona (DHT)Efeitos da Dihidrotestoterona (DHT)DHT encurta o ciclo de crescimentoMiniaturização dos folículosProduz progressivamente cabelos mais finos e curtosQueda capilarDHT encurta o ciclo de crescimentoDHT encurta o ciclo de crescimentoMiniaturizaMiniaturizaçção dos folão dos folíículosculosProduz progressivamente cabelos mais finos e curtosProduz progressivamente cabelos mais finos e curtosQueda capilarQueda capilarTestosteronaDHT5-a redutaseA DHT é formada pela ação da enzima 5-a-redutase na testosterona. DHTcausa queda pelo encurtamento da fase de crescimento, causandominiaturização (diminuição do tamanho) dos folículos e produzprogressivamente cabelo mais fino e curto.DHTDHTDHT
  92. 92. Efeitos da perda da integridade da MECEfeitos da perda da integridade da MECO tamanho dos folículos édeterminada:- volume da papila dérmica- volume da matriz celularA papila dérmica saudável produzirá proteínas da MEC comocolágeno tpe III e fibras de ancoragem como laminina e collaminina e coláágenogenoVIIVII que favorecerão boa ancoragem capilar no bulbo aoredor do tecido.Renovação imprória da MEC: o cabelo perde o vigor e torna-se mais fino. Ciclo após ciclo, o folículo torna-se menor atéminiaturizar e cair.
  93. 93. Alopécia Androgênica)Efeito da inflamaçãoProdução de citoquinas pró-inflamatóriasAlteração na MECDegradação do folículocapilarAgentes QuímicosStress(internos/ externos)Queda dos cabelosHormônios(DHT)EnvelhecimentoVariações Climáticas
  94. 94. CapixylCapixyl™™: Combina: Combinaççãoão ÚÚnicanicaBiochanin A - Red clover Trevo VermelhoBiocanina A é uma potente IsoflavonaRed clover (Trifolium pretense) é tradicionalmente usado notratamento da asma, câncer e doenças inflamatórias como eczema e psoríaseBiocanina A é um efetivo inhibidor da atividade da 5-α-reductase(tipo I & II) e modula a conversão da testosterona a DHT na alopéciaandrogênica.Acetil tetrapeptídeo-34 aminoácidos biomiméticos: peptídeo que estimulao remodelamento tissular.O peptídeo possui efeito direto no folículo capilar. O remodalamentoaumenta o tamanho do folículo capilar para melhor ancoragem e vitalidade.Capixyl™
  95. 95. Estudos ClEstudos Clíínicosnicos
  96. 96. Protocolo• 30 voluntários com alopécia androgênica ( médias 46 anos)200 fios de cabelos na zona tratada e 70% na fase anágena• 15 tratados com a Loção Capixyl™ (5%) e 15 com placeboLoção composta de água 75% e álcool 20%• Aplicação 1x ao dia, noite. 20 gotas do Leave-on com Capixyl™ ou placebopor 4 meses• Tricograma Digital (TrichoScan professional) D0 e 4 meses.Eficácia Clínica na queda do cabelo- Quantificação do número e crescimento do cabelo nas fases anágena e telógena- Quantificação da variação do número de fios de cabelo após 4 meses
  97. 97. Resultados: Densidade do cabeloD0 4 Months84889296100104#ofhairs/cm2Média Anágena (crescimento)Placebo Capixyl™+13%-2%-29%Média Telógena (Queda)010203040506070#ofhairs/cm2+23%Capixyl™ induz o crescimento capilarCapixyl™ induz forte redução da fase telógenaPlacebo Capixyl™D0 4 Months D0 4 Months D0 4 MonthsMais que 70% dos voluntários tiveram melhora
  98. 98. Resultados: Proporção Anágena / TelógenaCapixyl™ aumenta a proporção anágena/ telógena em 46%comparada a redução de -33% do placebo, demonstrandoestímulo do crescimento e diminuição da queda.A/T= Comparação do número A/T que é indicação de folículos capilares ativos A/T = ativação do crescimento Tratamento funcionando A/T ratio = perda da atividade do crescimento Alopécia continua-33%*RatioAnagen/Telogen3,52,301234PlaceboD 0 4 Months+46%*2,74Capixyl™D 0 4 MonthsMédia A/T* P ≤ 0.05
  99. 99. Antes e depoisCapixyl™ é um aitvo eficiente na diminuição da alopécia androgênicaAntes dotratamentoApós otratamentoVerdeanágenaVermelha: telógena Anágena TelógenaCrescimento
  100. 100. KapilarineExtrato Concentrado de 4 Plantascom atividade PilogênicasCanelaSalviaKigelia africanaGingko biloba
  101. 101. KapilarineKapilarineKapilarineIngredientes ativos: Kigelia africana – possui compostos esteróides com açãohormônio-like contribuindo para inibição da 5-alfa redutase Sálvia – contém flavonóides, terpenos e compostos rosmamínicos. Estes compostos estão relacionados com melhora damicrocirculação local, redução da transpiração e atividadehormônio-like. Canela – taninos e óleos voláteis que melhoram a microcirculação,anti-inflamatória. Gingko Biloba – flavonóides e diterpenos que conferemtônicidade vascular que melhoram a irrigação dos tecidos, ativa ometabolismo celular e aumenta a nutrição. Ação anti-inflamatória.
  102. 102. KapilarineKapilarineKapilarineAtividades: inibição da 5-alfa redutase aumento da microcirculação do couro cabeludo ativação da regeneração dérmica redução da seborréia relacionada a inflamação Concentração de uso: 5 %
  103. 103. KapilarineKapilarineKapilarine Concentração de uso: 1 a 10 % Fortalecedor Capilar Antiqueda Kapilarine 5% reduz em 30% a queda capilarapós 60 das de tratamento. Proteção solar/ Pós-sol Clareador e doador de brilho Maquiagem líquida
  104. 104. KapilarineKapilarineKapilarineTestes de Eficácia In vivoGráfico 1: Efeito doKapilarine no acúmulo do sebo.Kapilarine possuiu inibidoresda 5 alfa-redutaseTratamento Diário por 3 mesesKapilarine 5%Redução de 32% no acumulo desebo
  105. 105. KapilarineKapilarineKapilarineTestes de Eficácia In vivoKapilarine aumenta vitalidade do cabelo,reduzindo a proporção de folículos em fasetelógena e aumentando a fase anágena.Efeito na taxa anágena/telógenaAnálise do cabelo tratado comKapilarine 5% em 45 e 60 dias
  106. 106. KapilarineKapilarineKapilarineTestes de Eficácia In vivoMelhora em 18% na MicrocirculaçãoMelhora naMicrocirculação, promovemaior nutrição e vitalidadeaos fios
  107. 107. KapilarineKapilarineKapilarineFormulação:Ativo ConcentraçãoKapilarine 5%Tônico capilar qsp qsp
  108. 108. Formulação anti-queda com cafeínaAtivo ConcentraçãoKapilarine 7%Cafeína 2%Tônico capilar qspAplicar 20 gotas no couro cabeludo diariamente, após lavagem dos cabelos .A cafeína reverte a miniaturização dos folículos induzida pelo DHT,além disso, a cafeína, isoladamente, promove estimulaçãosignificativa do crescimento capilar.CafeínaINCI name: CaffeineFischer TW, Hipler UC, Elsner P. Effect of caffeine and testosterone on the proliferation of human hair follicles invitro. Int J Dermatol. 2007 Jan;46(1):27-35.
  109. 109. Formulação Anti-QuedaAtivo ConcentraçãoKapilarine 7%L-carnitina L-tartarato 2%Tônico capilar qspAplicar 20 gotas no couro cabeludo diariamente, após lavagem dos cabelos .Um estudo para analisar a eficácia da L-carnitina-L-tartarato mostrouque o tratamento por 6 meses em concentração de 2%, aumentousignificativamente a quantidade de folículos capilares, como por serobservado na figura abaixoL-carnitina L-tartaratoINCI name: L-carnitine L-tartrateFoitzik K, Hoting E, Förster T, Pertile P, Paus R. L-carnitine-L-tartrate promotes human hairgrowth in vitro. Exp Dermatol. 2007 Nov;16(11):936-45. Epub 2007 Nov 16
  110. 110. L-carnitina L-tartaratoEfeito da L-carnitina L-tartarato naestimulação do crescimento capilar.
  111. 111. Zymo Hair: utilizado em xampus, para limpeza profunda.Complexo de maltodextrina com lipase, protease e alfa-amilase.Este composto das enzimas lipase, protease e alfa-amilase,promove a hidrólise de gorduras, proteínas e polissacarídeospresentes nas sujidades dos cabelos e couro cabeludo,facilitando sus remoção em lavagem normal.Usado em produtos para higiene dos cabelos e couro cabeludo eem xampus anti-resíduos. Indicado para cabelos oleosos ouseborreicos. Dosagem usual de 2 a 5%.Zymo Hair: utilizado em xampus, para limpeza profunda.Zymo Hair: utilizado em xampus, para limpeza profunda.Complexo de maltodextrina com lipase, protease e alfaComplexo de maltodextrina com lipase, protease e alfa--amilase.amilase.Este composto das enzimas lipase, protease e alfaEste composto das enzimas lipase, protease e alfa--amilase,amilase,promove a hidrpromove a hidróólise de gorduras, protelise de gorduras, proteíínas e polissacarnas e polissacaríídeosdeospresentes nas sujidades dos cabelos e couro cabeludo,presentes nas sujidades dos cabelos e couro cabeludo,facilitando sus remofacilitando sus remoçção em lavagem normal.ão em lavagem normal.Usado em produtos para higiene dos cabelos e couro cabeludo eUsado em produtos para higiene dos cabelos e couro cabeludo eem xampus antiem xampus anti--resresííduos. Indicado para cabelos oleosos ouduos. Indicado para cabelos oleosos ouseborreicos. Dosagem usual de 2 a 5%.seborreicos. Dosagem usual de 2 a 5%.Zymo Hair
  112. 112. Zymo HSOR: ação anti DHT, utilizado na forma de foam, após oxampu com Zymo Hair com cabelos úmidos ou cabelos secos.A enzima redutase 3a-Hidroxiesteróide Desidrogenase equeratina hidrolisada estão complexadas a maltodextrina ebicarbonato de sódio.A enzima 3a-Hidroxiesteróide Desidrogenase (HSOR) agefolículo piloso, na DHT (dihidroxitestosterona) e promove suadegradação no folículo, nesta reação enzimática forma-se oandrógeno 3a-Androstanediol que é inativo.Zymo HSOR: aZymo HSOR: açção anti DHT, utilizado na forma de foam, apão anti DHT, utilizado na forma de foam, apóós os oxampu com Zymo Hair com cabelosxampu com Zymo Hair com cabelos úúmidos ou cabelos secos.midos ou cabelos secos.A enzima redutase 3aA enzima redutase 3a--HidroxiesterHidroxiesteróóide Desidrogenase eide Desidrogenase equeratina hidrolisada estão complexadas a maltodextrina equeratina hidrolisada estão complexadas a maltodextrina ebicarbonato de sbicarbonato de sóódio.dio.A enzima 3aA enzima 3a--HidroxiesterHidroxiesteróóide Desidrogenase (HSOR) ageide Desidrogenase (HSOR) agefolfolíículo piloso, na DHT (dihidroxitestosterona) e promove suaculo piloso, na DHT (dihidroxitestosterona) e promove suadegradadegradaçção no folão no folíículo, nesta reaculo, nesta reaçção enzimão enzimáática formatica forma--se ose oandrandróógeno 3ageno 3a--Androstanediol queAndrostanediol que éé inativo.inativo.Zymo HSOR
  113. 113. Sugestões de formulações1) Xampu enzimático Zymo Hair de Limpeza ProfundaZymo Hair --------------------2%Ceramidas III -----------------0,5%Daymoist ---------------------0,5%Xampu qsp 100mlModo de usar: aplicar uma pequena quantidade do xampu nos cabelosmolhados e massagear todo couro cabeludo, deixar agir por 2 minutos elavar com água retirando toda a espuma.2) Foam Transdérmico de Alta Permeação com Zymo HSORZymo HSOR -------------------2,5%Foam Transdérmico de Permeação 50ml ou 100mlModo de usar: Aplicar um jato de espuma 2x vezes por dia (manhã/ noite).1) Xampu enzimático Zymo Hair de Limpeza ProfundaZymo Hair --------------------2%Ceramidas III -----------------0,5%Daymoist ---------------------0,5%Xampu qsp 100mlModo de usar: aplicar uma pequena quantidade do xampu nos cabelosmolhados e massagear todo couro cabeludo, deixar agir por 2 minutos elavar com água retirando toda a espuma.2) Foam Transdérmico de Alta Permeação com Zymo HSORZymo HSOR -------------------2,5%Foam Transdérmico de Permeação 50ml ou 100mlModo de usar: Aplicar um jato de espuma 2x vezes por dia (manhã/ noite).
  114. 114. Nutricosméticos
  115. 115. ImedeenInnéov
  116. 116. Oenobiol Massa CapilarOenobiol Massa CapilarAntiAnti--Queda CapilarQueda CapilarNutrir de dentro para fora
  117. 117. OralHairVitamina B1 (Nitrato de Tiamina) 1,2 mgVitamina B5 (Pantotenato de Cálcio) 5,0 mgVitamina B12 (Cianocobalamina) 2,4 mcgVitamina H (Biotina) 30 mcgÁcido Fólico (Ácido Fólico) 240 mcgVitamina D (Colecalciferol) 5,0 mcgZinco (Sulfato de Zinco Mono-Hidratado) 7,0 mgCobre (Sulfato de Cobre Anidro) 0,9 mgFerro (Pirofosfato de Ferro ) 14 mgMagnésio (Óxido de Magnésio Anidro) 130 mgSelênio (Selenito de Sódio) 34 mcgIodo (Iodeto de Potássio) 130 mcgColina (Bitartarato de Colina) 138 mgColágeno Hidrolisado 500 mgVitamina B6 (Cloridrato de Piridoxina) 1,3 mgDióxido de silício QS
  118. 118. Transplanteautólogo decabelos
  119. 119. Consulta mConsulta méédicadica Não estou contente com a minhaaparência Não estou contente com a minhaNão estou contente com a minhaaparênciaaparência Eu não era assim Eu não era assimEu não era assim Eu acho que vou melhorar fazendo otransplante Eu acho que vou melhorar fazendo oEu acho que vou melhorar fazendo otransplantetransplante
  120. 120. Consulta mConsulta méédicadica Estou perdendo cabelo Estou perdendo cabeloEstou perdendo cabelo Estou ficando careca Estou ficando carecaEstou ficando careca Minha/meu companheira/o acha... Minha/meu companheira/o acha...Minha/meu companheira/o acha...
  121. 121. Consulta mConsulta méédicadica História familiar HistHistóória familiarria familiar Tempo de duração de calvície Tempo de duraTempo de duraçção de calvão de calvííciecie Anamnese geral Anamnese geralAnamnese geral Anamnese específica Anamnese especAnamnese especííficafica Exame específico Exame especExame especííficofico
  122. 122. IdadeIdade > 25 anos > 25 anos> 25 anos < 70 anos < 70 anos< 70 anos Ideal: 40-50 anos Ideal: 40Ideal: 40--50 anos50 anos
  123. 123. Cor / TipoCor / Tipo Cor do cabelo / cor da pele Cor do cabelo / cor da peleCor do cabelo / cor da pele Liso / encaracolados Liso / encaracoladosLiso / encaracolados
  124. 124. Exame clExame clííniconico Área de calvície futura ÁÁrea de calvrea de calvíície futuracie futura Área calva ÁÁrea calvarea calva Condição do couro cabeludo CondiCondiçção do couro cabeludoão do couro cabeludo Área doadora ÁÁrea doadorarea doadora
  125. 125. Densidade DensidadeDensidadeTamanho TamanhoTamanhoQualidade de cabelo Qualidade de cabeloQualidade de cabeloÁÁrea doadorarea doadora
  126. 126. DensidadeDensidadeRegular: < 2 / mm2Regular: < 2 / mmRegular: < 2 / mm22Má: < 1 fio /mm2MMáá: < 1 fio /mm: < 1 fio /mm22Boa: 2 fios / mm2Boa: 2 fios / mmBoa: 2 fios / mm22Ótima: > 3 fios / mm2ÓÓtima: > 3 fios / mmtima: > 3 fios / mm22
  127. 127. Resultados / ExpectativasResultados / Expectativas Tempo cirúrgico Tempo cirTempo cirúúrgicorgico Real / imaginário Real / imaginReal / imaginááriorio Tempo de crescimento do cabelo Tempo de crescimento do cabeloTempo de crescimento do cabelo
  128. 128.  Transplante sem cicatrizlinear Procedimento ambulatorial Não é indicado paragrandes áreas Capta pequenos e grandesenxertos Transplante sem cicatrizTransplante sem cicatrizlinearlinear Procedimento ambulatorialProcedimento ambulatorial NãoNão éé indicado paraindicado paragrandesgrandes ááreasreas Capta pequenos e grandesCapta pequenos e grandesenxertosenxertos
  129. 129. ObrigadoObrigado!!www.doutoradrianoalmeida.com.brdradrianoalmeida@hotmail.comAdriano Almeida

×