SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Disfunção eréctil
Fortunato Barros
Especialista em andrologia e urologia
Hospital S. José
Sociedade Portuguesa de Andrologia
Disfunção eréctil
Definição


Incapacidade para obter e/ou manter uma
erecção suficiente de
modo a permitir
actividade sexual satisfatória com penetração
vaginal

 É um sintoma
 Manifestação de um patologia que provoca
disfunção no aparelho genital masculino
ANATOMIA FUNCIONAL DO PÉNIS
Estruturas de suporte e arquitectura do corpo cavernoso
ANATOMIA FUNCIONAL DO PÉNIS
Anatomia vascular
Artérias




Eixo hipogastro-pudendocavernoso
Importância da art. pudenda
acessória

Veias


Sistema superficial,
intermédio e profundo
ANATOMIA FUNCIONAL DO PÉNIS
Neuroanatomia



Sistemas autónomo e somático
Centros do SNC e neurotransmissores
FISIOLOGIA DA ERECÇÃO
Mecanismo
Hemodinâmico
(corporo-veno-oclusivo)


Dilatação arterial,
relaxamento dos
sinusóides e venocompressão
FISIOLOGIA DA ERECÇÃO
Função eréctil normal
Factores circulatórios
• Suficiente aporte arterial
• Correcta veno-oclusão
FISIOLOGIA DA ERECÇÃO
Neocortex

Função eréctil normal
Factores neurológicos
• Integridade dos núcleos
nervosos cerebrais
• Integridade do centro
mecânico medular S2-S4
• Integridade da condução
nervosa periférica

Hipotálamo
N. préopticos
Hipocampo

D10-L3

Plexo hipogástrico
S2-S4

Nervos esplancnicos

Nervo pudendo

Pénis
FISIOLOGIA DA ERECÇÃO
GnRH

Função eréctil normal
Factores hormonais
• Integridade do eixo hipotálamo-hipófise-testículo
• Bons níveis de testosterona
circulante
• Adequada concentração
tecidular de androgéneos

+
FSH

+

+
LH

+

Tubo seminal Célula Leydig

+

Espermatogénese

+

Testosterona

-
Função eréctil

Psiquismo
normal
Apropriada
função do SN

Função
eréctil
normal
Ambiente
endócrino
adequado

Adequada circulação
do pénis
Etiologia da D.E









Vasculogénica – 70%
Farmacológica – 10%
Cirúrgica – 10%
Neurológica – 5%
Endocrinológica – 4%
Traumatológica – 1%
Psicogénica





Orgânica
Psicogénica
Mista
D.E. induzida por drogas


Antipsicóticos, anti-depressivos (tricíclicos,
inibidores da MAO, inibidores serotonínicos)




Ansiolíticos
Antihipertensores (bloqueadores beta, diuréticos,
simpaticolíticos centrais, bloqueadores ganglionares,
bloqueadores dos canais de cálcio)






Diuréticos (tiazidas e espironolactona)
Drogas cardiovasculares
Bloqueadores H2
Antineoplásicos , antiandrogénios e outros
D.E. induzida por drogas





Álcool
Tabaco (nicotina)
Drogas de abuso
• Cocaína, heroína, metadona
• Marijuana
• Anfetaminas
• Barbitúricos
D.E por trauma psicológico








Medo
Ansiedade
Depressão
Perda de auto-estima
Alteração da auto-imagem
Conflitos familiares e sociais
Etc.
Disfunção Eréctil
Avaliação Sumária
 História Clínica Sumária
 Anamnese e E. Objectivo dirigidos ás principais etiologias
e factores de risco para a DE

 Exames Complementares obrigatórios:
 Dirigidos às principais causas de DE
 Independentemente dos dados da história clínica
 Hemograma  Glicemia  Testoesterona total
 Perfil Lipídico (Colesterol LDL e HDL, Triglicérideos)
Disfunção Eréctil
Avaliação Sumária
Anamnese
 Questionários para a função sexual (IIFE)
 Quantificar e Objectivar o grau de disfunção eréctil
 Avaliar o resultado das terapêuticas instituídas

 História sexual (caracterização do Sintoma):
 Inicio, duração e evolução  Existência de erecções nocturnas e matinais
 Sintomas associados: diminuição da libido ou alterações da ejaculação
 A DE ocorre com uma ou mais parceiras sexuais?

 Sintomatologia de outros órgãos ou sistemas
 Cardiovascular  Endócrino
 Sistema Nervoso Central Periférico
Disfunção Eréctil
Avaliação Sumária
Anamnese
 História Psico-social
 Aspectos educacionais e socio-culturais
 Alteracões psicopatológicas: Perturbações da ansiedade, Conflitos pessoais…

 Factores de risco para a DE:
 Diabetes, HTA, Tabaco e Dislipidémia

 História medicamentosa
 Farmacos que desencadeiam ou agravam a DE (ex: B-Bloqueantes, Antidepressivos,
Finastride…)
 Farmacos que constituem CI para tratamentos especificos (nitratos

 Antecedentes cirúrgicos (prostatectomia radical, …)
Disfunção Eréctil
Avaliação Sumária
Exame Objectivo
 Exame dos órgãos genitais
 Atrofia testicular (sugere hipogonadismo)
 Placas penianas (doença de peyronie)
 Exame dos caracteres sexuais secundários
 Alteração da distribuição pilosa
 Ginecomastia
 Exame do sistema cardiovascular
 A medição da TA
 Palpação dos pulsos periféricos (femorais e distais nos dois membros
inferiores)
Disfunção Eréctil
Avaliação Sumária
Exame Objectivo


Exame neurológico Sumário
Sensibilidade testicular, peniana e perineal
 Reflexos rotuliano, aquiliano e bulbocavernoso

 Toque rectal
 Sobretudo em doentes com + de 50anos
Patologia prostática contra-indica
androgénico

tratamento
Disfunção Eréctil
Avaliação Sumaria
DE Orgânica/Psicogénica: Diagnóstico diferencial

Orgânica

Psicogénica

Inicio

Gradual

Súbito

Ejaculação

Normal

Alterada (Precoce)

Libido

Mantida (excepto no caso de
hipogonadismo)

Erecções nocturnas e matinais

Ausentes

Presentes

Depressão, perturbações da ansiedade,
Conflitos pessoais

Ausentes

Presentes

Exame Objectivo

Alterado de acordo com a causa

Normal

Diminuída
Tratamento da Disfunção eréctil
Estratégia






Descontinuação das drogas implicadas
Substituição por drogas menos tóxicos
Tratamento das comorbilidades
Alteração do estilo de vida
Instituição de tratamentos dirigidos para a DE.
Tratamento da DE iatrogénica
Modalidades terapêuticas







Terapêutica farmacológica
Injecção intracavernosa
MUSE
Dispositivo de vácuo
Cirurgia de revascularização
Prótese peniana
Inibidores da 5 - PDE


Actualmente:


Inibidores da 5-fosfodiesterase disponíveis:
 Sildenafil (Viagra®)
 Tadalafil (Cialis®)
 Vardenafil (Levitra®)

Terapêutica de primeira linha
Inibidores da 5-PDE
Aspectos relevantes






Farmacocinética
Estímulo sexual adequado
Efeito vasodilatador dose-dependente
Interferência do álcool e dos alimentos
Contra-indicação: nitratos e dadores de NO
Efeitos adversos dos inibidores da 5- PDE
Ef. acessórios

Mto. Freq.
(>=10%)

Frequente
(1-10%)

Raro
(<1%)

Taxa de
abandono

Vardenafil

Cefaleias (16%)
Rubor (12%)

Dispepsia
(4%)
Náuseas
Tonturas
Rinite (10%)

HTA; Síncope
Fotossensib.
alts visuais
Hipertonia

3.7%

Tadalafil

Cefaleias(14%)
Dispepsia

Tontura;Rubor
Cong. nasal
Lombalgia
Mialgias

Hiperémia
conj.
Edema; palp.
Dor ocular

2.5%

Sildenafil

Cefaleias (16%)
Rubor (10%)

Tonturas (2%)
Dispepsia (7%)
Cong.nasal(4%)
Alts visuais (3%)

Dores
Musculares

2.8%
Inibidores da 5-PDE
Segurança cardiovascular






Doentes com antecedentes cardiovasculares
 O factor mais importante é se há contraindicação para a
actividade sexual
Estratificação dos doentes em grupos de risco.
 Ex. critérios de Princeton
Não aumentam o risco de síndrome coronário agudo ou de
morte súbita.
Podem inclusive melhorar o tempo até à isquemia em provas de
esforço, em doentes com angina estável
Jackson et al, Int J Clin Pract 2002
Jackson et al, J Sex Med 2006
Terapêutica intracavernosa


Considerada terapêutica de segunda linha
 Falência dos inibidores da 5-PDE
 Intolerância aos mesmos
Resultados: Erecção satisfatória- 70-94%;
insatisfação da
parceira- 11%; abandono do
tratamento: 19-36% aos 3 meses e 50% aos 2 anos
PRÓTESES DO PÉNIS
Características comuns



Dois cilindros, intracavernoso e produção de rigidez
PRÓTESES SEMI-RÍGIDAS

AMS 650

DURA II

ACCUFOR
M
PRÓTESES HIDRÁULICAS
TIPO - 2 COMPONENTES

TIPO - 3 COMPONENTES
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Mecanismodeltrabajodeparto
      Mecanismodeltrabajodeparto      Mecanismodeltrabajodeparto
Mecanismodeltrabajodepartogine
 
Mecanismo de trabajo de parto
Mecanismo de trabajo de partoMecanismo de trabajo de parto
Mecanismo de trabajo de partoLeonel Saucedo
 
Atención y Mecanismo de parto
Atención y Mecanismo de partoAtención y Mecanismo de parto
Atención y Mecanismo de partoOswaldo A. Garibay
 
Mecanismo De Trabajo De Parto
Mecanismo De Trabajo De PartoMecanismo De Trabajo De Parto
Mecanismo De Trabajo De PartoSUA IMSS UMAM
 
Mecanismo de parto en diferentes presentaciones
Mecanismo de parto en diferentes presentacionesMecanismo de parto en diferentes presentaciones
Mecanismo de parto en diferentes presentacionesNinella Duque
 
La eutanasia, ventajas y desventajas
La eutanasia, ventajas y desventajas La eutanasia, ventajas y desventajas
La eutanasia, ventajas y desventajas Edgar Olvera
 
Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)
Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)
Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)Ulises Reyes
 
Exposición el aborto
Exposición el abortoExposición el aborto
Exposición el abortoluis
 
Trabajo de parto y mecanismo de trabajo de parto
Trabajo de parto y mecanismo de trabajo de partoTrabajo de parto y mecanismo de trabajo de parto
Trabajo de parto y mecanismo de trabajo de partoJairo Franco Aguilar
 
Mecanismo del trabajo de parto
Mecanismo del trabajo de parto Mecanismo del trabajo de parto
Mecanismo del trabajo de parto Abigail Rojas
 
Mecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMAL
Mecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMALMecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMAL
Mecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMALThe Salvation Army
 

Destaque (15)

Disfunción sexual masculina
Disfunción sexual masculinaDisfunción sexual masculina
Disfunción sexual masculina
 
Mecanismodeltrabajodeparto
      Mecanismodeltrabajodeparto      Mecanismodeltrabajodeparto
Mecanismodeltrabajodeparto
 
Mecanismo de trabajo de parto
Mecanismo de trabajo de partoMecanismo de trabajo de parto
Mecanismo de trabajo de parto
 
Atención y Mecanismo de parto
Atención y Mecanismo de partoAtención y Mecanismo de parto
Atención y Mecanismo de parto
 
Mecanismo De Trabajo De Parto
Mecanismo De Trabajo De PartoMecanismo De Trabajo De Parto
Mecanismo De Trabajo De Parto
 
Disf. sexuales
Disf. sexualesDisf. sexuales
Disf. sexuales
 
Mecanismo de parto en diferentes presentaciones
Mecanismo de parto en diferentes presentacionesMecanismo de parto en diferentes presentaciones
Mecanismo de parto en diferentes presentaciones
 
La eutanasia, ventajas y desventajas
La eutanasia, ventajas y desventajas La eutanasia, ventajas y desventajas
La eutanasia, ventajas y desventajas
 
Disfunciones sexuales
Disfunciones sexualesDisfunciones sexuales
Disfunciones sexuales
 
Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)
Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)
Mecanismo y Atencion del Trabajo de Parto (2013)
 
Exposición el aborto
Exposición el abortoExposición el aborto
Exposición el aborto
 
Trabajo de parto y mecanismo de trabajo de parto
Trabajo de parto y mecanismo de trabajo de partoTrabajo de parto y mecanismo de trabajo de parto
Trabajo de parto y mecanismo de trabajo de parto
 
Trabajo De Parto
Trabajo De Parto Trabajo De Parto
Trabajo De Parto
 
Mecanismo del trabajo de parto
Mecanismo del trabajo de parto Mecanismo del trabajo de parto
Mecanismo del trabajo de parto
 
Mecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMAL
Mecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMALMecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMAL
Mecanismo de parto MODALIDAD DE VERTICE, MODALIDAD CEFALICA, PARTO NORMAL
 

Semelhante a Disfunção eréctil palestra na feira

Disfunção eréctil e iatrogenia
Disfunção eréctil e iatrogeniaDisfunção eréctil e iatrogenia
Disfunção eréctil e iatrogeniaFortunato Barros
 
Urologia - Disfunção Sexual
Urologia - Disfunção SexualUrologia - Disfunção Sexual
Urologia - Disfunção SexualDebora Nunes
 
Câncer de prostata.pdf
Câncer de prostata.pdfCâncer de prostata.pdf
Câncer de prostata.pdfJohnSilva87104
 
Aula cesar disfunção erétil
Aula cesar disfunção erétilAula cesar disfunção erétil
Aula cesar disfunção erétilCesar Camara
 
Disfunção erétil
Disfunção erétilDisfunção erétil
Disfunção erétilarlei34
 
Conversas com o especialista ii
Conversas com o especialista iiConversas com o especialista ii
Conversas com o especialista iiFortunato Barros
 
Site Nunes Tech composição
Site Nunes Tech composiçãoSite Nunes Tech composição
Site Nunes Tech composiçãok5ougud934
 
Perturbações sexuais \ doentes oncologicos
Perturbações sexuais \ doentes oncologicosPerturbações sexuais \ doentes oncologicos
Perturbações sexuais \ doentes oncologicosRui Pedro Dias Ruca
 
valor do Site Papelaria Alpha
valor do Site Papelaria Alphavalor do Site Papelaria Alpha
valor do Site Papelaria Alpham9kjnag379
 
Disfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdf
Disfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdfDisfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdf
Disfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdfJonilson Cardozo
 
Aula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USP
Aula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USPAula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USP
Aula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USPConrado Alvarenga
 
Max Power como funciona
Max Power como funcionaMax Power como funciona
Max Power como funcionav3qsjwa033
 
Abordagem da disfunção erétil.pdf
Abordagem da disfunção erétil.pdfAbordagem da disfunção erétil.pdf
Abordagem da disfunção erétil.pdfPedro R. Coutinho
 
Site Mega Safe Consultoria loja
Site  Mega Safe Consultoria lojaSite  Mega Safe Consultoria loja
Site Mega Safe Consultoria lojak5ougud934
 
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisCasos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisTHIAGO MELANIAS
 

Semelhante a Disfunção eréctil palestra na feira (20)

Disfunção eréctil e iatrogenia
Disfunção eréctil e iatrogeniaDisfunção eréctil e iatrogenia
Disfunção eréctil e iatrogenia
 
Urologia - Disfunção Sexual
Urologia - Disfunção SexualUrologia - Disfunção Sexual
Urologia - Disfunção Sexual
 
Ppt cancer de prostata
Ppt cancer de prostataPpt cancer de prostata
Ppt cancer de prostata
 
Câncer de prostata.pdf
Câncer de prostata.pdfCâncer de prostata.pdf
Câncer de prostata.pdf
 
Câncer de prostata.pdf
Câncer de prostata.pdfCâncer de prostata.pdf
Câncer de prostata.pdf
 
Aula cesar disfunção erétil
Aula cesar disfunção erétilAula cesar disfunção erétil
Aula cesar disfunção erétil
 
Disfunção erétil
Disfunção erétilDisfunção erétil
Disfunção erétil
 
Conversas com o especialista ii
Conversas com o especialista iiConversas com o especialista ii
Conversas com o especialista ii
 
Site Nunes Tech composição
Site Nunes Tech composiçãoSite Nunes Tech composição
Site Nunes Tech composição
 
Perturbações sexuais
Perturbações sexuaisPerturbações sexuais
Perturbações sexuais
 
Perturbações sexuais \ doentes oncologicos
Perturbações sexuais \ doentes oncologicosPerturbações sexuais \ doentes oncologicos
Perturbações sexuais \ doentes oncologicos
 
valor do Site Papelaria Alpha
valor do Site Papelaria Alphavalor do Site Papelaria Alpha
valor do Site Papelaria Alpha
 
Disfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdf
Disfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdfDisfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdf
Disfunção Eretil Dr. Marco Tulio Cavalcanti.pdf
 
Disfunção erétil
Disfunção erétilDisfunção erétil
Disfunção erétil
 
Aula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USP
Aula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USPAula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USP
Aula Disfunções Sexuais - Alunos do quarto ano Faculdade Med USP
 
Max Power como funciona
Max Power como funcionaMax Power como funciona
Max Power como funciona
 
Abordagem da disfunção erétil.pdf
Abordagem da disfunção erétil.pdfAbordagem da disfunção erétil.pdf
Abordagem da disfunção erétil.pdf
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
Site Mega Safe Consultoria loja
Site  Mega Safe Consultoria lojaSite  Mega Safe Consultoria loja
Site Mega Safe Consultoria loja
 
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos PossíveisCasos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
Casos Clínicos: Anamnese e Diagnósticos Possíveis
 

Mais de Fortunato Barros

Braquiterapia prostática
Braquiterapia prostática Braquiterapia prostática
Braquiterapia prostática Fortunato Barros
 
Disfunção sexual feminina
Disfunção sexual femininaDisfunção sexual feminina
Disfunção sexual femininaFortunato Barros
 
Hipertrofia benigna da próstata
Hipertrofia benigna da próstataHipertrofia benigna da próstata
Hipertrofia benigna da próstataFortunato Barros
 
Disfunção sexual feminina
Disfunção sexual femininaDisfunção sexual feminina
Disfunção sexual femininaFortunato Barros
 
Dia europeu da disfunção eréctil
Dia europeu da disfunção eréctilDia europeu da disfunção eréctil
Dia europeu da disfunção eréctilFortunato Barros
 
Dia europeu da disfunção eréctil jornal
Dia europeu da disfunção eréctil  jornalDia europeu da disfunção eréctil  jornal
Dia europeu da disfunção eréctil jornalFortunato Barros
 
Patologia genital masculina imagens
Patologia genital masculina  imagensPatologia genital masculina  imagens
Patologia genital masculina imagensFortunato Barros
 
Patologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benignaPatologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benignaFortunato Barros
 
Hbp cuidados-partilhados[1]
Hbp  cuidados-partilhados[1]Hbp  cuidados-partilhados[1]
Hbp cuidados-partilhados[1]Fortunato Barros
 
Ejaculação precoce 90 anos da apu
Ejaculação precoce  90 anos da apuEjaculação precoce  90 anos da apu
Ejaculação precoce 90 anos da apuFortunato Barros
 

Mais de Fortunato Barros (16)

Braquiterapia prostática
Braquiterapia prostática Braquiterapia prostática
Braquiterapia prostática
 
Incontinência Urinária
Incontinência UrináriaIncontinência Urinária
Incontinência Urinária
 
Disfunção sexual feminina
Disfunção sexual femininaDisfunção sexual feminina
Disfunção sexual feminina
 
Hipertrofia benigna da próstata
Hipertrofia benigna da próstataHipertrofia benigna da próstata
Hipertrofia benigna da próstata
 
Incontinência Urinaria
Incontinência UrinariaIncontinência Urinaria
Incontinência Urinaria
 
Incontinência Urinaria
Incontinência UrinariaIncontinência Urinaria
Incontinência Urinaria
 
Disfunção sexual feminina
Disfunção sexual femininaDisfunção sexual feminina
Disfunção sexual feminina
 
Dia europeu da disfunção eréctil
Dia europeu da disfunção eréctilDia europeu da disfunção eréctil
Dia europeu da disfunção eréctil
 
Dia europeu da disfunção eréctil jornal
Dia europeu da disfunção eréctil  jornalDia europeu da disfunção eréctil  jornal
Dia europeu da disfunção eréctil jornal
 
Shared care hbp ii
Shared care hbp iiShared care hbp ii
Shared care hbp ii
 
Patologia genital masculina imagens
Patologia genital masculina  imagensPatologia genital masculina  imagens
Patologia genital masculina imagens
 
Patologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benignaPatologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benigna
 
Hbp cuidados-partilhados[1]
Hbp  cuidados-partilhados[1]Hbp  cuidados-partilhados[1]
Hbp cuidados-partilhados[1]
 
17 apst jorn_urologia
17 apst jorn_urologia17 apst jorn_urologia
17 apst jorn_urologia
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
 
Ejaculação precoce 90 anos da apu
Ejaculação precoce  90 anos da apuEjaculação precoce  90 anos da apu
Ejaculação precoce 90 anos da apu
 

Disfunção eréctil palestra na feira

  • 1. Disfunção eréctil Fortunato Barros Especialista em andrologia e urologia Hospital S. José Sociedade Portuguesa de Andrologia
  • 2. Disfunção eréctil Definição  Incapacidade para obter e/ou manter uma erecção suficiente de modo a permitir actividade sexual satisfatória com penetração vaginal  É um sintoma  Manifestação de um patologia que provoca disfunção no aparelho genital masculino
  • 3. ANATOMIA FUNCIONAL DO PÉNIS Estruturas de suporte e arquitectura do corpo cavernoso
  • 4. ANATOMIA FUNCIONAL DO PÉNIS Anatomia vascular Artérias   Eixo hipogastro-pudendocavernoso Importância da art. pudenda acessória Veias  Sistema superficial, intermédio e profundo
  • 5. ANATOMIA FUNCIONAL DO PÉNIS Neuroanatomia   Sistemas autónomo e somático Centros do SNC e neurotransmissores
  • 6. FISIOLOGIA DA ERECÇÃO Mecanismo Hemodinâmico (corporo-veno-oclusivo)  Dilatação arterial, relaxamento dos sinusóides e venocompressão
  • 7. FISIOLOGIA DA ERECÇÃO Função eréctil normal Factores circulatórios • Suficiente aporte arterial • Correcta veno-oclusão
  • 8. FISIOLOGIA DA ERECÇÃO Neocortex Função eréctil normal Factores neurológicos • Integridade dos núcleos nervosos cerebrais • Integridade do centro mecânico medular S2-S4 • Integridade da condução nervosa periférica Hipotálamo N. préopticos Hipocampo D10-L3 Plexo hipogástrico S2-S4 Nervos esplancnicos Nervo pudendo Pénis
  • 9. FISIOLOGIA DA ERECÇÃO GnRH Função eréctil normal Factores hormonais • Integridade do eixo hipotálamo-hipófise-testículo • Bons níveis de testosterona circulante • Adequada concentração tecidular de androgéneos + FSH + + LH + Tubo seminal Célula Leydig + Espermatogénese + Testosterona -
  • 10. Função eréctil Psiquismo normal Apropriada função do SN Função eréctil normal Ambiente endócrino adequado Adequada circulação do pénis
  • 11. Etiologia da D.E        Vasculogénica – 70% Farmacológica – 10% Cirúrgica – 10% Neurológica – 5% Endocrinológica – 4% Traumatológica – 1% Psicogénica    Orgânica Psicogénica Mista
  • 12. D.E. induzida por drogas  Antipsicóticos, anti-depressivos (tricíclicos, inibidores da MAO, inibidores serotonínicos)   Ansiolíticos Antihipertensores (bloqueadores beta, diuréticos, simpaticolíticos centrais, bloqueadores ganglionares, bloqueadores dos canais de cálcio)     Diuréticos (tiazidas e espironolactona) Drogas cardiovasculares Bloqueadores H2 Antineoplásicos , antiandrogénios e outros
  • 13. D.E. induzida por drogas    Álcool Tabaco (nicotina) Drogas de abuso • Cocaína, heroína, metadona • Marijuana • Anfetaminas • Barbitúricos
  • 14. D.E por trauma psicológico        Medo Ansiedade Depressão Perda de auto-estima Alteração da auto-imagem Conflitos familiares e sociais Etc.
  • 15. Disfunção Eréctil Avaliação Sumária  História Clínica Sumária  Anamnese e E. Objectivo dirigidos ás principais etiologias e factores de risco para a DE  Exames Complementares obrigatórios:  Dirigidos às principais causas de DE  Independentemente dos dados da história clínica  Hemograma  Glicemia  Testoesterona total  Perfil Lipídico (Colesterol LDL e HDL, Triglicérideos)
  • 16. Disfunção Eréctil Avaliação Sumária Anamnese  Questionários para a função sexual (IIFE)  Quantificar e Objectivar o grau de disfunção eréctil  Avaliar o resultado das terapêuticas instituídas  História sexual (caracterização do Sintoma):  Inicio, duração e evolução  Existência de erecções nocturnas e matinais  Sintomas associados: diminuição da libido ou alterações da ejaculação  A DE ocorre com uma ou mais parceiras sexuais?  Sintomatologia de outros órgãos ou sistemas  Cardiovascular  Endócrino  Sistema Nervoso Central Periférico
  • 17. Disfunção Eréctil Avaliação Sumária Anamnese  História Psico-social  Aspectos educacionais e socio-culturais  Alteracões psicopatológicas: Perturbações da ansiedade, Conflitos pessoais…  Factores de risco para a DE:  Diabetes, HTA, Tabaco e Dislipidémia  História medicamentosa  Farmacos que desencadeiam ou agravam a DE (ex: B-Bloqueantes, Antidepressivos, Finastride…)  Farmacos que constituem CI para tratamentos especificos (nitratos  Antecedentes cirúrgicos (prostatectomia radical, …)
  • 18. Disfunção Eréctil Avaliação Sumária Exame Objectivo  Exame dos órgãos genitais  Atrofia testicular (sugere hipogonadismo)  Placas penianas (doença de peyronie)  Exame dos caracteres sexuais secundários  Alteração da distribuição pilosa  Ginecomastia  Exame do sistema cardiovascular  A medição da TA  Palpação dos pulsos periféricos (femorais e distais nos dois membros inferiores)
  • 19. Disfunção Eréctil Avaliação Sumária Exame Objectivo  Exame neurológico Sumário Sensibilidade testicular, peniana e perineal  Reflexos rotuliano, aquiliano e bulbocavernoso  Toque rectal  Sobretudo em doentes com + de 50anos Patologia prostática contra-indica androgénico tratamento
  • 20. Disfunção Eréctil Avaliação Sumaria DE Orgânica/Psicogénica: Diagnóstico diferencial Orgânica Psicogénica Inicio Gradual Súbito Ejaculação Normal Alterada (Precoce) Libido Mantida (excepto no caso de hipogonadismo) Erecções nocturnas e matinais Ausentes Presentes Depressão, perturbações da ansiedade, Conflitos pessoais Ausentes Presentes Exame Objectivo Alterado de acordo com a causa Normal Diminuída
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Tratamento da Disfunção eréctil Estratégia      Descontinuação das drogas implicadas Substituição por drogas menos tóxicos Tratamento das comorbilidades Alteração do estilo de vida Instituição de tratamentos dirigidos para a DE.
  • 25. Tratamento da DE iatrogénica Modalidades terapêuticas       Terapêutica farmacológica Injecção intracavernosa MUSE Dispositivo de vácuo Cirurgia de revascularização Prótese peniana
  • 26. Inibidores da 5 - PDE  Actualmente:  Inibidores da 5-fosfodiesterase disponíveis:  Sildenafil (Viagra®)  Tadalafil (Cialis®)  Vardenafil (Levitra®) Terapêutica de primeira linha
  • 27. Inibidores da 5-PDE Aspectos relevantes      Farmacocinética Estímulo sexual adequado Efeito vasodilatador dose-dependente Interferência do álcool e dos alimentos Contra-indicação: nitratos e dadores de NO
  • 28. Efeitos adversos dos inibidores da 5- PDE Ef. acessórios Mto. Freq. (>=10%) Frequente (1-10%) Raro (<1%) Taxa de abandono Vardenafil Cefaleias (16%) Rubor (12%) Dispepsia (4%) Náuseas Tonturas Rinite (10%) HTA; Síncope Fotossensib. alts visuais Hipertonia 3.7% Tadalafil Cefaleias(14%) Dispepsia Tontura;Rubor Cong. nasal Lombalgia Mialgias Hiperémia conj. Edema; palp. Dor ocular 2.5% Sildenafil Cefaleias (16%) Rubor (10%) Tonturas (2%) Dispepsia (7%) Cong.nasal(4%) Alts visuais (3%) Dores Musculares 2.8%
  • 29. Inibidores da 5-PDE Segurança cardiovascular    Doentes com antecedentes cardiovasculares  O factor mais importante é se há contraindicação para a actividade sexual Estratificação dos doentes em grupos de risco.  Ex. critérios de Princeton Não aumentam o risco de síndrome coronário agudo ou de morte súbita. Podem inclusive melhorar o tempo até à isquemia em provas de esforço, em doentes com angina estável Jackson et al, Int J Clin Pract 2002 Jackson et al, J Sex Med 2006
  • 30. Terapêutica intracavernosa  Considerada terapêutica de segunda linha  Falência dos inibidores da 5-PDE  Intolerância aos mesmos
  • 31.
  • 32. Resultados: Erecção satisfatória- 70-94%; insatisfação da parceira- 11%; abandono do tratamento: 19-36% aos 3 meses e 50% aos 2 anos
  • 33. PRÓTESES DO PÉNIS Características comuns  Dois cilindros, intracavernoso e produção de rigidez
  • 35. PRÓTESES HIDRÁULICAS TIPO - 2 COMPONENTES TIPO - 3 COMPONENTES
  • 36.