Redes Sociais,Manifestações Políticas&Granovetter s ModelFernando Mauro Ferreira, PMPJunho de 2013
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira2 / 12Mark Granovetter Mark Granovetter (1943 - ) sociólogoamericano, professor da uni...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira3 / 12 Laços fortes são estabelecidos com pessoasmais próximas a nós, com as mesmas cr...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira4 / 12 O curioso é que os laços fracosfuncionam como bridges entrediferentes clusters ...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira5 / 12 Outro ponto fundamental da teoria deGranovetter é o conceito deThreshold, segun...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira6 / 12Diversidade e Mobilização Agora, curiosa mesmo é a constatação de quequanto maio...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira7 / 12Exemplo1: Apatia  Mobilização = 0 No exemplo ao lado, X representa um gruposoci...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira8 / 12Exemplo2: Baixa mobilização No exemplo ao lado, Y também representa umgrupo homo...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira9 / 12Exemplo3: Alta mobilização O grupo Z representa um grupo heterogêneo Laços frac...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira10 / 12Conclusão As redes virtuais criaram novas “sinapsessociais” em grupos heterogên...
br.linkedin.com/in/FernandoFerreira11 / 12Referência Bibliográfica Stanford University Dept. of Sociologyhttp://www.stanf...
Granovetter e redes sociais virtuais
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Granovetter e redes sociais virtuais

1.861 visualizações

Publicada em

Como as teorias de Mark Granovetter, sociólogo americano, professor da universidade de Stanford, ajudam a explicar os fenômenos sociais.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.861
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Granovetter e redes sociais virtuais

  1. 1. Redes Sociais,Manifestações Políticas&Granovetter s ModelFernando Mauro Ferreira, PMPJunho de 2013
  2. 2. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira2 / 12Mark Granovetter Mark Granovetter (1943 - ) sociólogoamericano, professor da universidade deStanford criou, na década de 80 a teoria dos“strong & weak ties” (laços fortes e fracos) De acordo com essa teoria, durante a nossavida estabelecemos diferentes tipos derelacionamentos (laços fortes e fracos), comdiferentes grupos sociais. http://en.wikipedia.org/wiki/Mark_Granovetter
  3. 3. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira3 / 12 Laços fortes são estabelecidos com pessoasmais próximas a nós, com as mesmas crenças,costumes, visões e valores. Laços fracos são estabelecidos com outraspessoas com as quais não nos relacionamoscom a mesma intensidade. Porém, é através desses laços “fracos” que nosconectamos a outras realidades, oportunidadese somos expostos a novos fatores de inovação.Laços Fortes e Fracos
  4. 4. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira4 / 12 O curioso é que os laços fracosfuncionam como bridges entrediferentes clusters sociais, comonuma rede neural. Esse tipo de relacionamento “fraco”foi impulsionado nos últimos temposatravés das redes sociais virtuais. Exemplo: Facebook.A força dos laços fracos
  5. 5. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira5 / 12 Outro ponto fundamental da teoria deGranovetter é o conceito deThreshold, segundo o qual cada indíviduo temum fator de tolerância (limite) ou “ponto deebulição” Assim, a ação coletiva de um ou vários grupossociais é desencadeada a partir do momentoem que o “ponto de ebulição” individual éultrapassado, gerando uma reação em cadeiapor toda a rede.“Ponto de Ebulição” (Threshold)
  6. 6. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira6 / 12Diversidade e Mobilização Agora, curiosa mesmo é a constatação de quequanto maior a diversidade de “pontos deebulição” (Thresholds), maior a capacidade demobilização de diferentes grupos sociais. Isso ajuda a explicar como uma manifestação degrupos sociais heterogêneos acontece. É diferente, por exemplo, de uma manifestaçãoorganizada por poucos sindicatos homogêneos,verdadeiros clusters.
  7. 7. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira7 / 12Exemplo1: Apatia  Mobilização = 0 No exemplo ao lado, X representa um gruposocial composto por 4 (I)ndivíduos: a1,a2,a3,a4 Cada indivíduo tem seu próprio nível detolerância (T) frente a um determinadocontexto social e político. Nesse exemplo, todos esperam que pelo menos01 (uma) pessoa se mobilize, mas como ogrupo é bastante homogêneo e T>0 para todos,nada acontece.
  8. 8. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira8 / 12Exemplo2: Baixa mobilização No exemplo ao lado, Y também representa umgrupo homogêneo, mas repare que o grau detolerância de a1 é baixíssimo (T=0) Indivíduos a2, a3, a4 esperam que pelo menos2 pessoas se mobilizem, o que não acontece. Somente a1 se mobiliza (porque T=0),independente da ação dos outros indvíduos.
  9. 9. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira9 / 12Exemplo3: Alta mobilização O grupo Z representa um grupo heterogêneo Laços fracos foram criados rapidamente atravésdas redes virtuais; Repare que o grau de tolerância (T) é muitodiversificado:• a1: “vai para a rua” de qualquer jeito.• a2: se pelo menos 1 pessoa “se mexer”, também vou.• a3: só sai da “zona de conforto”, se 02 saírem.• a4: é conservador, mas também tem seu limite (T=3)Mobilização total
  10. 10. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira10 / 12Conclusão As redes virtuais criaram novas “sinapsessociais” em grupos heterogêneos. Os laços fracos criados através dessasredes virtuais geram bridges entreclusters sociais heterogêneos. Quanto maior a variedade de limites detolerância em um grupo social, maior acapacidade de mobilização.
  11. 11. br.linkedin.com/in/FernandoFerreira11 / 12Referência Bibliográfica Stanford University Dept. of Sociologyhttp://www.stanford.edu/dept/soc/people/mgranovetter/ “The Strenght of Weak Ties”http://stanford.io/tck4D

×