SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
O Mundo
Industrializado
Trabalho elaborado por:
André Meira nº1
Ariana Silva nº4
Edgar Quesado nº8
Júlio Dinis nº14
Marta Afonso nº16
Nuno Dias nº19
Escola E.B. 2,3 / S de Monte da Ola
Professora Flora Douteiro
Ano lectivo 2009/2010
História 8ºE
Expansão da Revolução Industrial
Foi no século XIX que a Revolução Industrial se expandiu.
Esta que teve origem em Inglaterra, estendeu-se a outros
países europeus e ao resto do mundo.
A Hegemonia Inglesa
A Grã-Bretanha foi o berço da Revolução Industrial e
manteve a sua hegemonia económica até meados do
século XIX.
Através do gráfico, podemos observar que a produção
têxtil algodoeira na Grã-Bretanha continuou próspera
ao longo dos anos.
Na Grã-Bretanha, a indústria metalúrgica continuou um
sector industrial dinâmico e o seu território foi coberto
com uma vasta rede de vias-férreas.
Esta hegemonia inglesa também se manifestou na
exportação, para toda a Europa e outros continentes, de
bens de equipamento e bens de consumo. Assim, a Grã-
Bretanha tornava-se a “oficina do mundo”.
Gradualmente, outros países europeus, nomeadamente a Bélgica, a França
e a Alemanha, iniciaram, também, a sua industrialização. Fora da Europa,
apenas os Estados Unidos e o Japão tinham condições para se industrializarem.
Bélgica
A Bélgica, rica em
minérios, foi o primeiro dos
referidos países europeus
onde se verificou o arranque
industrial. Aqui, houve um
forte desenvolvimento dos
caminhos-de-ferro.
França
Na França, o
desenvolvimento industrial
só foi possível após o
afastamento de Napoleão I.
Construíram-se caminhos-
de-ferro por todo o país e
fundiram grandes centros
metalúrgicos.
Alemanha
Na Alemanha, o arranque
industrial ocorreu em 1860.
Esta desenvolveu, sobretudo, o
sector metalúrgico e, assim,
rapidamente atingiu o segundo
lugar na produção mundial.
O crescimento americano
A partir de 1840, os Estados Unidos entraram num período de grande crescimento
económico:
• avanço para Oeste, para além da linha da fronteira;
• aumento da população;
• abundância de matérias-primas;
• abundância de mão-de-obra;
• riqueza do subsolo;
• fertilidade dos campos;
• desenvolvimento dos transportes;
• a aplicação de inventos técnicos;
• o investimento de capitais privados e estatais.
Factores que
contribuíram para
a industrialização
americana
Expansão para o Oeste, nos EUA
Japão: da era feudal à era industrial
O Japão tinha permanecido um país feudal, fechado ao Ocidente.
Após a revolução liderada pelo imperador Mutsu-Hito, o Japão
modernizou-se.Assim, iniciou-se a era Meiji.
Iniciando a sua industrialização, o governo promoveu a construção de
caminhos-de-ferro e a fundação de fábricas, tendo-se distinguido, no
Japão, a produção têxtil e o sector metalúrgico.
No final do século XIX, o Japão já se tornara um país industrial e
comercial.
A Revolução dos Transportes
No primeiro terço do século XIX, assistiu-se a uma revolução nos transportes
com a aplicação da máquina a vapor e foi assim que surgiu o comboio.
Em 1814, foi inventada por Stephenson uma locomotiva a vapor e
rapidamente, o caminho-de-ferro estendeu-se por todos os continentes.
George Stephenson
1781 - 1848
A “Rocket” de Stephenson
A construção de pontes, viadutos e túneis permitiu que a
Europa se cobrisse com uma densa rede ferroviária e que os
continentes americano e asiático fossem atravessados por
linhas transcontinentais.
A Revolução dos
Transportes
A expansão do
caminho-de-ferro na Europa
Aperfeiçoamento
do barco a vapor
Construção de grandes navios para o
transporte não só de mercadorias, mas
também de passageiros.
O maior foi o Titanic
que naufragou na viagem
inaugural (1912).
Abertura do canal do Suez (1869)
Abertura do canal do Panama (1914)
Formação de mercados
nacionais
O alargamento da rede de transportes permitiu a deslocação mais rápida, a
menos custo e para maiores distâncias, de pessoas e mercadorias.
Isto contribuiu para o desenvolvimento do comércio e para o desenvolvimento
de mercados nacionais, que eram indispensáveis à expansão industrial.
Aceleração das trocas
intercontinentais
As ligações intercontinentais favoreceram a existência de um mercado mundial.
Agora, os países industrializados podiam, mais facilmente, ir buscar grandes
quantidades de matérias-primas aos mercados coloniais africanos e asiáticos e,
também, fazer chegar os seus produtos a todas as partes do mundo.
Prodigioso surto de
invenções
Na segunda metade do século XIX, surgiu uma nova vaga de inventos.
A possibilidade de produzir e aproveitar electricidade originou uma nova
revolução - a dos meios de comunicação.
Samuel Morse
1791 - 1872
Morse inventou o telégrafo
Código Morse
Bell inventou o telefone
Alexander Graham Bell
1847 - 1922
Telefone
Heinrich Rudolf Hertz
1857 - 1894
Guglielmo Marconi
1874 - 1937
Hertz e Marconi criaram a TSF (telegrafia sem fios)
Prodigioso surto de
invenções
A descoberta da lâmpada eléctrica por Edison e a do gerador e do dínamo
industrial, aplicados por Siemens e Gramme, permitiram a iluminação das
grandes cidades, como Nova Iorque e Paris.
Thomas Edison
(1847 – 1931)
Lâmpada
eléctrica
Prodigioso surto
de invenções
Com a descoberta do petróleo e dos seus derivados e a invenção do
motor de explosão, surgiram os primeiros automóveis e, mais tarde, os
primeiros aviões.
Henry Ford conduzindo o primeiro
automóvel fabricado nas suas oficinas.
Outros inventos
Máquina de costura
(Singer)
Máquina de escrever
(Ch. Schole)
Fonógrafo
(Edison)
Aspirina (Bayer) Pneu (Dunlop)
Uma nova revolução
energética
Esta nova etapa de industrialização (com as novas fontes de
energia – electricidade e petróleo -, novas máquinas – motor eléctrico
e motor de explosão -, e uma indústria orientada para a produção em
série) ficou conhecida como a segunda Revolução Industrial.
Liberalismo económico
O liberalismo económico foi proposto pelo economista Adam Smith, que
defendia que a riqueza das sociedades resulta da iniciativa individual. O liberalismo
económico caracterizava-se pela não intervenção do Estado e na liberdade de
produção, circulação dos produtos, salários e preços. Era a lei da oferta e da procura
que regulava a livre iniciativa e a livre concorrência.
Adam Smith
1723 - 1790
O poder do capital
financeiro
No século XIX, formaram-se muitas empresas industriais, comerciais e
financeiras.
Eram as sociedades anónimas que predominavam nos grandes sectores da
economia e, estas dispunham de um enorme capital, resultante dos seus inúmeros
accionistas.
O poder do capital
financeiro
As empresas financeiras ganharam mais ascendência e os industriais tinham
muitas vezes de recorrer aos empréstimos de banca para investirem no
desenvolvimento tecnológico das suas fábricas.
Os bancos de depósito (que acumulavam o dinheiro entregue à sua guarda por
milhares de pessoas) serviam-se desse capital para conceder empréstimos e assim, as
pequenas poupanças eram canalizadas para o investimento. Os Estados também não
podiam sobreviver sem o crédito concedido pela alta finança.
Assim, o capitalismo financeiro passou a controlar a economia e o próprio
Estado.
As crises do capitalismo
Grandes
investimentos
Aumento do
preço dos
produtos
Diminuição do
consumo
Mais oferta do
que procura
Crise de
superprodução
Baixa de preços
Diminuição de
lucros
Encerramento
de fábricas
Desemprego

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Causas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americanaCausas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americana
Lucilia Fonseca
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
gofontoura
 
Impressionismo e Barroco
Impressionismo e BarrocoImpressionismo e Barroco
Impressionismo e Barroco
Daniele Duque
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Maria Gomes
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
Daniela Paiva
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
BarbaraSilveira9
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
Causas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americanaCausas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americana
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
Mercantilismo
Mercantilismo Mercantilismo
Mercantilismo
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e localA Cultura do Salão: tempo, espaço e local
A Cultura do Salão: tempo, espaço e local
 
Impressionismo e Barroco
Impressionismo e BarrocoImpressionismo e Barroco
Impressionismo e Barroco
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
O manuelino
O manuelinoO manuelino
O manuelino
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Nascimento da burguesia
Nascimento da burguesiaNascimento da burguesia
Nascimento da burguesia
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
 
Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 

Destaque

Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
Dênis Ribas
 
Iluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.comIluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.com
Carlos Zaranza
 
28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese
28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese
28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese
Ping Ponga
 
Aula 1 - apresentação do conteúdo
Aula 1 - apresentação do conteúdoAula 1 - apresentação do conteúdo
Aula 1 - apresentação do conteúdo
Fernanda Coutinho
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Foz
 

Destaque (20)

Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
9º ano Brasil República
9º ano Brasil República9º ano Brasil República
9º ano Brasil República
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.Aula sobre o iluminismo.
Aula sobre o iluminismo.
 
Imperialismo1
Imperialismo1Imperialismo1
Imperialismo1
 
Centenário república
Centenário repúblicaCentenário república
Centenário república
 
Totalitarismos
TotalitarismosTotalitarismos
Totalitarismos
 
Mercado Internacional E Multilateralr
Mercado Internacional E MultilateralrMercado Internacional E Multilateralr
Mercado Internacional E Multilateralr
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
A Reconquista Cristã Pp
A Reconquista Cristã PpA Reconquista Cristã Pp
A Reconquista Cristã Pp
 
Idade MéDia Pp
Idade MéDia PpIdade MéDia Pp
Idade MéDia Pp
 
Arte Renascentista Pp
Arte Renascentista PpArte Renascentista Pp
Arte Renascentista Pp
 
Iluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.comIluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.com
 
28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese
28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese
28 Jeremias o profeta chorão / 28 jeremiah man of tears portuguese
 
Escola de Gestores em análise: os recursos humanos sobre o olhar do Referenci...
Escola de Gestores em análise: os recursos humanos sobre o olhar do Referenci...Escola de Gestores em análise: os recursos humanos sobre o olhar do Referenci...
Escola de Gestores em análise: os recursos humanos sobre o olhar do Referenci...
 
RevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs LiberaisRevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs Liberais
 
Aula 1 - apresentação do conteúdo
Aula 1 - apresentação do conteúdoAula 1 - apresentação do conteúdo
Aula 1 - apresentação do conteúdo
 
3° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 23° ano - Civilização Romana - aula 2
3° ano - Civilização Romana - aula 2
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Arte GóTica
Arte GóTicaArte GóTica
Arte GóTica
 

Semelhante a Tema h1 1ª parte

1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
BeatrizMarques25
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
cattonia
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 

Semelhante a Tema h1 1ª parte (20)

A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptxA 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
A 2ª fase da industrialização - PPT trabalho individual de história.pptx
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
 
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoRevolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 

Tema h1 1ª parte

  • 1. O Mundo Industrializado Trabalho elaborado por: André Meira nº1 Ariana Silva nº4 Edgar Quesado nº8 Júlio Dinis nº14 Marta Afonso nº16 Nuno Dias nº19 Escola E.B. 2,3 / S de Monte da Ola Professora Flora Douteiro Ano lectivo 2009/2010 História 8ºE
  • 2. Expansão da Revolução Industrial Foi no século XIX que a Revolução Industrial se expandiu. Esta que teve origem em Inglaterra, estendeu-se a outros países europeus e ao resto do mundo.
  • 3. A Hegemonia Inglesa A Grã-Bretanha foi o berço da Revolução Industrial e manteve a sua hegemonia económica até meados do século XIX. Através do gráfico, podemos observar que a produção têxtil algodoeira na Grã-Bretanha continuou próspera ao longo dos anos. Na Grã-Bretanha, a indústria metalúrgica continuou um sector industrial dinâmico e o seu território foi coberto com uma vasta rede de vias-férreas. Esta hegemonia inglesa também se manifestou na exportação, para toda a Europa e outros continentes, de bens de equipamento e bens de consumo. Assim, a Grã- Bretanha tornava-se a “oficina do mundo”.
  • 4. Gradualmente, outros países europeus, nomeadamente a Bélgica, a França e a Alemanha, iniciaram, também, a sua industrialização. Fora da Europa, apenas os Estados Unidos e o Japão tinham condições para se industrializarem.
  • 5. Bélgica A Bélgica, rica em minérios, foi o primeiro dos referidos países europeus onde se verificou o arranque industrial. Aqui, houve um forte desenvolvimento dos caminhos-de-ferro.
  • 6. França Na França, o desenvolvimento industrial só foi possível após o afastamento de Napoleão I. Construíram-se caminhos- de-ferro por todo o país e fundiram grandes centros metalúrgicos.
  • 7. Alemanha Na Alemanha, o arranque industrial ocorreu em 1860. Esta desenvolveu, sobretudo, o sector metalúrgico e, assim, rapidamente atingiu o segundo lugar na produção mundial.
  • 8. O crescimento americano A partir de 1840, os Estados Unidos entraram num período de grande crescimento económico: • avanço para Oeste, para além da linha da fronteira; • aumento da população; • abundância de matérias-primas; • abundância de mão-de-obra; • riqueza do subsolo; • fertilidade dos campos; • desenvolvimento dos transportes; • a aplicação de inventos técnicos; • o investimento de capitais privados e estatais. Factores que contribuíram para a industrialização americana
  • 9. Expansão para o Oeste, nos EUA
  • 10. Japão: da era feudal à era industrial O Japão tinha permanecido um país feudal, fechado ao Ocidente. Após a revolução liderada pelo imperador Mutsu-Hito, o Japão modernizou-se.Assim, iniciou-se a era Meiji. Iniciando a sua industrialização, o governo promoveu a construção de caminhos-de-ferro e a fundação de fábricas, tendo-se distinguido, no Japão, a produção têxtil e o sector metalúrgico. No final do século XIX, o Japão já se tornara um país industrial e comercial.
  • 11. A Revolução dos Transportes No primeiro terço do século XIX, assistiu-se a uma revolução nos transportes com a aplicação da máquina a vapor e foi assim que surgiu o comboio. Em 1814, foi inventada por Stephenson uma locomotiva a vapor e rapidamente, o caminho-de-ferro estendeu-se por todos os continentes. George Stephenson 1781 - 1848 A “Rocket” de Stephenson
  • 12. A construção de pontes, viadutos e túneis permitiu que a Europa se cobrisse com uma densa rede ferroviária e que os continentes americano e asiático fossem atravessados por linhas transcontinentais. A Revolução dos Transportes
  • 15. Construção de grandes navios para o transporte não só de mercadorias, mas também de passageiros. O maior foi o Titanic que naufragou na viagem inaugural (1912).
  • 16. Abertura do canal do Suez (1869)
  • 17. Abertura do canal do Panama (1914)
  • 18. Formação de mercados nacionais O alargamento da rede de transportes permitiu a deslocação mais rápida, a menos custo e para maiores distâncias, de pessoas e mercadorias. Isto contribuiu para o desenvolvimento do comércio e para o desenvolvimento de mercados nacionais, que eram indispensáveis à expansão industrial.
  • 19. Aceleração das trocas intercontinentais As ligações intercontinentais favoreceram a existência de um mercado mundial. Agora, os países industrializados podiam, mais facilmente, ir buscar grandes quantidades de matérias-primas aos mercados coloniais africanos e asiáticos e, também, fazer chegar os seus produtos a todas as partes do mundo.
  • 20. Prodigioso surto de invenções Na segunda metade do século XIX, surgiu uma nova vaga de inventos. A possibilidade de produzir e aproveitar electricidade originou uma nova revolução - a dos meios de comunicação.
  • 21. Samuel Morse 1791 - 1872 Morse inventou o telégrafo Código Morse
  • 22. Bell inventou o telefone Alexander Graham Bell 1847 - 1922 Telefone
  • 23. Heinrich Rudolf Hertz 1857 - 1894 Guglielmo Marconi 1874 - 1937 Hertz e Marconi criaram a TSF (telegrafia sem fios)
  • 24. Prodigioso surto de invenções A descoberta da lâmpada eléctrica por Edison e a do gerador e do dínamo industrial, aplicados por Siemens e Gramme, permitiram a iluminação das grandes cidades, como Nova Iorque e Paris. Thomas Edison (1847 – 1931) Lâmpada eléctrica
  • 25. Prodigioso surto de invenções Com a descoberta do petróleo e dos seus derivados e a invenção do motor de explosão, surgiram os primeiros automóveis e, mais tarde, os primeiros aviões. Henry Ford conduzindo o primeiro automóvel fabricado nas suas oficinas.
  • 26. Outros inventos Máquina de costura (Singer) Máquina de escrever (Ch. Schole) Fonógrafo (Edison) Aspirina (Bayer) Pneu (Dunlop)
  • 27. Uma nova revolução energética Esta nova etapa de industrialização (com as novas fontes de energia – electricidade e petróleo -, novas máquinas – motor eléctrico e motor de explosão -, e uma indústria orientada para a produção em série) ficou conhecida como a segunda Revolução Industrial.
  • 28. Liberalismo económico O liberalismo económico foi proposto pelo economista Adam Smith, que defendia que a riqueza das sociedades resulta da iniciativa individual. O liberalismo económico caracterizava-se pela não intervenção do Estado e na liberdade de produção, circulação dos produtos, salários e preços. Era a lei da oferta e da procura que regulava a livre iniciativa e a livre concorrência. Adam Smith 1723 - 1790
  • 29. O poder do capital financeiro No século XIX, formaram-se muitas empresas industriais, comerciais e financeiras. Eram as sociedades anónimas que predominavam nos grandes sectores da economia e, estas dispunham de um enorme capital, resultante dos seus inúmeros accionistas.
  • 30. O poder do capital financeiro As empresas financeiras ganharam mais ascendência e os industriais tinham muitas vezes de recorrer aos empréstimos de banca para investirem no desenvolvimento tecnológico das suas fábricas. Os bancos de depósito (que acumulavam o dinheiro entregue à sua guarda por milhares de pessoas) serviam-se desse capital para conceder empréstimos e assim, as pequenas poupanças eram canalizadas para o investimento. Os Estados também não podiam sobreviver sem o crédito concedido pela alta finança. Assim, o capitalismo financeiro passou a controlar a economia e o próprio Estado.
  • 31. As crises do capitalismo Grandes investimentos Aumento do preço dos produtos Diminuição do consumo Mais oferta do que procura Crise de superprodução Baixa de preços Diminuição de lucros Encerramento de fábricas Desemprego