Refletindo sobre hipóteses de escrita

614 visualizações

Publicada em

Proposta para analisar e discutir sobre as hipóteses de escrita apresentadas pelos alunos em cada etapa de aprendizagem.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Refletindo sobre hipóteses de escrita

  1. 1. O QUE NOS REVELA AS ESCRITAS DAS CRIANÇAS? POR FLÁVIA DE OLIVEIRA REFLEXÃO SOBRE AS HIPÓTESES DE ESCRITA PRODUZIDAS PELOS ALUNOS
  2. 2. *IDENTIFICAR QUAL HIPÓTESE DE ESCRITA UTILIZADA PELOS ALUNOS NAS ETAPAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. GRUPO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL
  3. 3. AS PRIMEIRAS TENTATIVAS DA CRIANÇA EM RELAÇÃO À ESCRITA COMEÇA DESDE QUE ELA AINDA É MUITO PEQUENA, QUANDO A COORDENAÇÃO MOTORA FINA, JÁ PERMITE QUE ELA SEGURE UM MATERIAL QUE POSSA UTILIZAR PARA SEU REGISTRO. ASSIM, SURGEM OS PRIMEIROS RABISCOS, AS PRIMEIRAS REPRESENTAÇÕES ATRAVÉS DA ESCRITA.
  4. 4. A CRIANÇA COMEÇA A ENTRAR EM CONTATO COM MODELOS DE ESCRITA, DE PESSOAS QUE ESCREVEM. EM CASA QUANDO PERCEBE QUE A FAMÍLIA UTILIZA A ESCRITA PARA BILHETES, LISTAS, LIÇÕES E OUTROS. QUANDO ENTRA PARA ESCOLA TOMA CONTATO COM UM UNIVERSO ALFABETIZADOR, QUE ESTIMULA AINDA MAIS A CURIOSIDADE PELO MUNDO DA ESCRITA, DAÍ A IMPORTÂNCIA DE BONS MODELOS DE ESCRITA.
  5. 5. ENTÃO A CRIANÇA PASSA A ENRIQUECER SUAS REPRESENTAÇÕES ESCRITAS E É MUITO IMPORTANTE CONHECERMOS CADA UMA DESSAS REPRESENTAÇÕES, POIS ISSO DETERMINA NOSSA PRÁTICA PEDAGÓGICA E ORIENTA NOSSO PLANEJAMENTO PARA QUE POSSAMOS CRIAR SITUAÇÕES DESAFIADORAS QUE PERMITAM QUE OS ALUNOS AVANCEM NA CONSTRUÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA. ASSIM, DE ACORDO COM EMÍLIA FERREIRO, QUE ESCREVEU SOBRE A PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA, A CRIANÇA PASSA PELAS SEGUINTES FASES NA CONSTRUÇÃO DO SEU PENSAMENTO: PRÉ-SILÁBICA, SILÁBICA , SILÁBICA ALFABÉTICA E ALFABÉTICA.
  6. 6. NESSA HIPÓTESE, A CRIANÇA NÃO RELACIONA A ESCRITA À FALA; REPRODUZ TRAÇOS TÍPICOS DA ESCRITA DE FORMA DESORDENADA; SUPÕE QUE A PALAVRA REPRESENTA O OBJETO E NÃO O SEU NOME. MESMO DENTRO DESSA HIPÓTESE PODEMOS CONSTATAR SITUAÇÕES QUE EVIDENCIAM DIFERENÇAS E AVANÇOS NO PENSAMENTO.
  7. 7. UTILIZANDO PSEUDOLETRAS, JÁ PERCEBE QUE É POSSÍVEL REPRESENTAR A ESCRITA UTILIZANDO MAIS DO QUE DESENHOS OU RABISCOS SEM SENTIDO, REPRESENTA O MOVIMENTO DA ESCRITA OBSERVADO NOS ADULTOS À SUA VOLTA. PERCEBE QUE EXISTEM SÍMBOLOS QUE USUALMENTE SÃO UTILIZADOS PARA ESCREVER, PORÉM AINDA CONFUNDE O REPERTÓRIO DE LETRAS, NÚMEROS E OUTROS SÍMBOLOS.
  8. 8. ROMINA, 4 ANOS JÁ IDENTIFICA QUE HÁ SÍMBOLOS ESPECÍFICOS PARA REPRESENTAR A ESCRITA E UTILIZA AS LETRAS QUE TEM MAIOR CONTATO, LETRAS DO NOME. NESSE MOMENTO, A CRIANÇA TOMOU CONHECIMENTO DA EXISTÊNCIA DE UM REPERTÓRIO MAIOR DE LETRAS E PASSA A UTILIZÁ-LAS EM SUA ESCRITA.
  9. 9. A CRIANÇA COMEÇA ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE O CONTEXTO SONORO DA LINGUAGEM E O CONTEXTO GRÁFICO DO REGISTRO. ATRIBUI A CADA LETRA OU OUTRO SÍMBOLO, O REGISTRO DE UMA SÍLABA FALADA. SILÁBICA SEM VALOR SONORO: REPRESENTA CADA SÍLABA COM UMA LETRA OU OUTRO SÍMBOLO, PORÉM AINDA NÃO ATRIBUI VALOR SONORO AO MESMO. SILÁBICA COM ALGUM VALOR SONORO: REPRESENTA AS SÍLABAS COM LETRAS E PARTE DELAS JÁ TRAZ O VALOR SONORO. SILÁBICA COM VALOR SONORO: REPRESENTA AS SÍLABAS COM LETRAS E CADA LETRA TRAZ UM VALOR SONORO.
  10. 10. A CRIANÇA JÁ COMPREENDE QUE A ESCRITA REPRESENTA OS SONS DA FALA; PRECISA DE MAIS DE UMA LETRA PARA A MAIORIA DAS SÍLABAS E RECONHECE O SOM DAS LETRAS; ÀS VEZES DÁ ÊNFASE AO SOM SÓ DAS VOGAIS OU SÓ DAS CONSOANTES
  11. 11. NESSE MOMENTO A CRIANÇA JÁ COMPREENDE QUE É POSSÍVEL ADEQUAR A ESCRITA AO QUE FALA. CONHECE O VALOR SONORO DE TODAS OU QUASE TODAS AS LETRAS. PERCEBE QUE AS LETRAS CORRESPONDEM AOS MENORES VALORES SONOROS DE CADA SÍLABA E PRESERVA ESTABILIDADE NA ESCRITA DAS PALAVRAS.
  12. 12. É MUITO IMPORTANTE COMPREENDER COMO A CRIANÇA ESTÁ PENSANDO A ESCRITA EM CADA ETAPA DE APRENDIZAGEM, PORÉM MAIS IMPORTANTE AINDA COMO DIZ EMÍLIA FERREIRO, É COMPREENDER QUE ESSE PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA NÃO ACONTECE ESPONTANEAMENTE, MAS COM BOAS INTERVENÇÕES, TEM QUE SER UM ATO INTENCIONAL E PLANEJADO PELO PROFESSOR. DEVE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO TODO PERCURSO JÁ CONSTRUÍDO PELA CRIANÇA, CRIANDO SITUAÇÕES QUE PERMITAM CONFRONTAR O SABER QUE JÁ POSSUI COM AQUELE QUE PODE VIR APRENDER. DEVE-SE CONSIDERAR IMPORTANTEMENTE QUE TODA ESSA CONSTRUÇÃO SOMENTE TEM VALOR QUANDO ACONTECE DENTRO DE UM CONTEXTO, TEM UMA FUNÇÃO SOCIAL, É SIGNIFICATIVO PARA AQUELE QUE APRENDE.
  13. 13. PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA, EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY, 300 PÁGS., ED. ARTMED HTTP://REVISTAGUIAFUNDAMENTAL.UOL.COM.BR/PROFESSORES-ATIVIDADES/ 94/ARTIGO252538-1.ASP HTTP://REVISTAESCOLA.ABRIL.COM.BR/AVULSAS/TESTE-HIPOTESES- DE-ESCRITA-DOS-ALUNOS.SHTML COLEÇÃO CIRANDA – EQUIPE MATHEMA – 4 ANOS E 5 ANOS HTTP://WWW.APOIOPEDAGOGICO.PSC.BR/HIPOTESES-NA-CONSTRUCAO-DA- ESCRITA/ HTTP://EDUCARPARACRESCER.ABRIL.COM.BR/APRENDIZAGEM/8-DICAS-FILHO- ESCREVER-679120.SHTML HTTP://WWW.ENSINAR-APRENDER.COM.BR/2011/04/ATIVIDADES-FAVORAVEIS- PARA-CADA.HTM

×