Guimarães rosa

1.372 visualizações

Publicada em

Estudo de um dos maiores autores do Brasil - João Guimarães Rosa

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Guimarães rosa

  1. 1. Guimarães Rosa Prof. Me. Flávio Maia
  2. 2. Correção da Prova Semanal 3- (FUVEST-SP) "Quando da bela vista e doce riso, tomando estão meus olhos mantimento,1 tão enlevado sinto o pensamento que me faz ver na terra o Paraíso. Tanto do bem humano estou diviso,2 que qualquer outro bem julgo por vento; assi, que em caso tal, segundo sento,3 assaz de pouco faz quem perde o siso. Em vos louvar, Senhora, não me fundo,4 porque quem vossas cousas claro sente, sentirá que não pode merecê-las. Que de tanta estranheza sois ao mundo, que não é d'estranhar, Dama excelente, que quem vos fez, fizesse Céu e estrelas." (Camões, ed. A.J. da Costa Pimpão) Notas: 1 Tomando mantimento - tomando consciência. 2 Estou diviso - estou separado, apartado. 3 Sento - sinto. 4 Não me fundo - não me empenho.
  3. 3. Correção da prova semanal a) CARACTERIZE brevemente a concepção de mulher que este soneto apresenta. b) Aponte duas características desse soneto que o filiam ao Classicismo, explicando-as sucintamente.
  4. 4. Correção da Prova Semanal Após leitura atenta do texto que segue, faça o que se pede. Os bons vi sempre passar No mundo graves tormentos; E para mais me espantar, Os maus vi sempre nadar Em mar de contentamentos. Cuidando alcançar assim O bem tão mal ordenado, Fui mal, mas fui castigado. Assim que só para mim Anda o mundo concertado. Luís de Camões Como se sabe, Camões fez poesia lírica e épica. Analise o texto e classifique-o considerando essas duas possibilidades, mas justifique sua resposta.
  5. 5. Guimarães Rosa
  6. 6. "Quando escrevo, repito o que já vivi antes. E para estas duas vidas, um léxico só não é suficiente. Em outras palavras, gostaria de ser um crocodilo vivendo no rio São Francisco. Gostaria de ser um crocodilo porque amo os grandes rios, pois são profundos como a alma de um homem. Na superfície são muito vivazes e claros, mas nas profundezas são tranquilos e escuros como o sofrimento dos homens.”
  7. 7. Guimarães Rosa - Biografia  Nasceu em Cordisburgo/MG em 1908  Filho de comerciante  Formou-se em Medicina pela UFMG em 1930
  8. 8. Guimarães Rosa - Biografia  Em 1934 tornou-se diplomata e cônsul Hamburgo  1951 volta ao Brasil  Morre em 1967
  9. 9. Guimarães Rosa - biografia  Em 1967, João Guimarães Rosa seria indicado para o prêmio Nobel de Literatura. A indicação, iniciativa dos seus editores alemães, franceses e italianos, foi barrada pela morte do escritor. A obra do brasileiro havia alcançado esferas talvez até hoje desconhecidas. Quando morreu tinha 59 anos
  10. 10. Guimarães Rosa - Bibliografia
  11. 11. “Cada autor deve criar seu próprio léxico, do contrário não pode cumprir sua missão”
  12. 12. Guimarães Rosa – Característica da obra  Usava termos do português arcaico.  Criava neologismos usando e misturando prefixos e sufixos estrangeiros,  Estruturas do português arcaico e termos e estruturas da linguagem popular.  Significado explícito no contexto  Preocupação em fazer com que o som e o sentido da palavra caminhassem juntos
  13. 13. Guimarães Rosa – Característica da obra Uso de aliterações e onomatopeias no intuito de criar sonoridade; Temas envolvendo destino, vida, morte, Deus; A língua falada no sertão está presente em sua obra (fruto de anotações e pesquisas linguísticas).
  14. 14. Guimarães Rosa - neologismos  Enxadachim.  termo foi empregado para designar um trabalhador do campo, que luta para sobreviver. A palavra é formada por enxada e espadachim  Ensimesmudo.  Uma junção das palavras ensimesmado e mudo. Guimarães Rosa utilizou-o para designar um sujeito fechado e taciturno
  15. 15. Guimarães Rosa - neologismos  Fluifim.  Significa pequenino, gracioso, e se compõe da junção de fluir e fino  O caso mais célebre de neologismo é o termo "nonada", palavra de abertura do romance Grande Sertão: Veredas.  Significa "coisa sem importância", resulta da fusão de "non", do português arcaico, com "nada".
  16. 16. “Quem castiga nem é deus é o avessos”
  17. 17. Guimarães Rosa Grande Serão: veredes  Publicado em 1956  Oposição no Título  Longa narrativa que simula uma situação de oralidade, na qual o ex-jagunço Riobaldo, então um velho fazendeiro, narra a um forasteiro episódios vividos, pontuando-os com reflexões existenciais e metafísicas  Narrado em 3 dias, sem ordem cronológica
  18. 18. Guimarães Rosa Grande sertão: veredas  Riobaldo solicita com frequência a fala do interlocutor  “Vou lhe falar. Lhe falo do sertão. Do que não sei. Um grande sertão! Não sei! Ninguém ainda não sabe. Só umas raríssimas pessoas e só essas poucas veredas, veredazinhas. O que muito lhe agradeço é a sua fineza de atenção”
  19. 19. Guimarães Rosa Grande sertão: veredas  Lugar sertão se divulga: é onde os pastos carecem de fechos; onde um pode torar dez, quinze léguas, sem topar com casa de morador, e onde criminoso vive seu cristo- jesus, arredado de arrocho de autoridade  Sertão é dentro da gente  O sertão é uma espera enorme
  20. 20. Guimarães Rosa Grande sertão: veredas  “O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. O que Deus quer é ver a gente aprendendo a ser capaz de ficar alegre e mais, no meio da alegria, e inda mais alegre ainda no meio da tristeza!”
  21. 21. Guimarães Rosa Grande sertão: veredas  O Senhor... Mire veja: o mais importante e bonito, do mundo é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas – mas elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam. Verdade maior. É o que a vida me ensinou
  22. 22. Guimarães Rosa Grande sertão: veredas  Eu, que é que eu era? De que lado eu era? Zé Bebelo ou Joca Ramiro? Titão Passos... O Reinaldo.. De ninguém eu era. Eu era de mim. Eu, Riobaldo.
  23. 23. Prova Semanal  “A feição deles é serem pardos, maneira d’avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andam nus, sem nenhuma cobertura, nem estimam nenhuma cousa cobrir, nem mostrar suas vergonhas. E estão acerca disso com tanta inocência como têm em mostrar o rosto.” Ao se estabelecer uma relação entre a obra de Eckhout e o trecho do texto de Caminha, conclui-se que: (C) a pintura e o texto têm uma característica em comum, que é representar o habitante das terras que sofreriam processo colonizador
  24. 24. Sagarana
  25. 25. Guimarães Rosa - Sagarana  SAGARANA =  SAGA: prefixo germânico (nórdico), designa narrativas em prosa, histórica ou lendária  RANA: sufixo tupi-guarani que significa feito de, semelhante a
  26. 26. Guimarães Rosa – Sagarana  “Cordisburgo toda está em Sagarana”  O livro é um apanhado de contos e novelas reunidas  Estrutura da Obra:  Relatos minuciosos dos costumes e das paisagens, intercalando o real com a recriação do escritor.
  27. 27. Guimarães Rosa - Sagarana CONTO  Unidade de tempo e espaço  Unidade de fatos e ações  Número reduzido de personagens  Narrativas breves  apenas uma célula dramática NOVELA  Brevidade  Pluralidade dramática  Várias personagens  Ritmo acelerado, com poucas digressões  O narrador está quase sempre presente no interior do texto, reforçando o efeito sobre o leitor
  28. 28. Guimarães Rosa - Sagarana  Algumas particularidades da obra: • Na obra, os animais surgem em descrições alongadas, ricas em detalhes. • Ele apresenta, em alguns contos da obra, os animais como protagonistas. • A exploração dos animais como elemento literário é um dos aspectos que indica a ruptura de Rosa com a literatura regionalista que o antecede, como o próprio Graciliano Ramos afirmou em seu comentário sobre a obra “Sagarana”. • Cenário: • É o interior de Minas Gerais. Guimarães Rosa capta o meio físico do sertão, a paisagem é enriquecida com descrições perfeitas e/ou recriadas dos animais e da vegetação da região
  29. 29. Primeiras Estórias
  30. 30. Guimarães Rosa Primeira Estórias  Livro de contos  21 contos  Publicado em 1962  A maioria dos relatos em Primeiras Estórias, embora apenas pretendam narrar "casos do sertão", apresentam uma síntese da totalidade da existência dos protagonistas, as estórias de Rosa tentam vencer a rotina, ultrapassar o peso do quotidiano e da miséria através do riso, do olhar lúdico e da ressureição do momento presente; predominam ainda epifanias afirmativas e positivas associadas ao bem e ao amor
  31. 31. Exercícios  A terceira Margem do Rio – leitura e discussão.  Para fazer: 1 a 4 – pág. 34  Trocando Ideias: 1 a 3 – pág. 34  Trazer pronta a folha de exercícios  Portal Positivo: De 18 a 20 de março

×