Brasil conflitos e cooperação na bacia platina

5.337 visualizações

Publicada em

dfdsfdsfsdfsd

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.337
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.789
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil conflitos e cooperação na bacia platina

  1. 1. BRASIL: CONFLITOS E COOPERAÇÃO NA BACIA PLATINA PERCURSO 20
  2. 2. DISPUTAS TERRITORIAIS À CONSOLIDAÇÃO DAS FRONTEIRAS POLÍTICAS RIVALIDADES COLONIAIS  O Brasil divide fronteiras com 10 das 12 nações sul-americanas;  1676: os portugueses fundaram Laguna (litoral de SC), próximo à linha do Tratado de Tordesilhas. Em 1680, instituíram a Colônia de Sacramento, originando mais tarde o estado do RS;  A presença portuguesa gerou tensões na América Espanhola. Assim, os espanhóis invadiram Sacramento, mas logo foi retomada pelos portugueses;  1801 – Tratado de Badajós: delimitação das fronteiras entre RS (Brasil) e o Vice Reinado do Rio da Prata (futuramente Argentina, Uruguai e Paraguai) ACOMPANHAR PÁG. 182 e 183
  3. 3. A QUESTÃO CISPLATINA NO IMPÉRIO DO BRASIL  1816: D. João ordena a invasão à Bandeira Oriental do Uruguai (atual Uruguai). Foi incorporado ao Brasil com o nome de Província Cisplatina;  1825: General Lavalleja retoma a Cisplatina para os hispânicos. No mesmo ano D. Pedro I declara guerra às Províncias Unidas do Rio da Prata  1828: Brasil perde a batalha. x ACOMPANHAR PÁG. 184
  4. 4. A ERA RIO BRANCO (1902-1912)  José Maria da Silva Paranhos Júnior, “Barão de Rio Branco” – Considerado o pai da diplomacia contemporânea brasileira;  Através de sua diplomacia (negociações pacíficas) o Brasil não se envolveu em conflitos territoriais desde a Guerra do Paraguai;  Resolveu questões de fronteiras entre o Amapá e a Guiana Francesa, entre Santa Catarina e Paraná contra a Argentina e entre o Acre e a Bolívia. ACOMPANHAR PÁG. 184
  5. 5. BRASIL X ARGENTINA: DA DESCONFIANÇA À APROXIMAÇÃO A COMPETIÇÃO GEOPOLÍTICA 1930  ARGENTINA: Contrabalançar o seu poder com o Brasil e tornar-se um líder dos países hispano-americanos;  BRASIL: Temia o isolamento político na América do Sul e um ataque argentino nos estados da Região Sul.
  6. 6. A OPA E OS ACORDOS DE URUGUAIANA  Em 1958, o presidente JK lançou a OPA (Operação Pan-Americana), afim de estreitar as relações com a Argentina e pressionar os EUA para cooperar com o desenvolvimento continental;  Em 1960 foi criada a Associação Latino-americana de Livre-Comércio (ALALC)  foi o “primeiro passo” para o Mercosul.
  7. 7. GOVERNOS MILITARES  Período de retrocesso diplomático entre os países (Argentina e Brasil);  Fortalecimento dos laços diplomáticos com a Bolívia e o Paraguai, com o principal objetivo de enfraquecer a economia Argentina;  Parceria com o Paraguai: construção da Rodovia BR-277 (ligando o Paraguai ao litoral do Paraná – para escoamento dos produtos) e Hidrelétrica de Itaipu.
  8. 8. MAPA - LOCALIZAÇÃO
  9. 9. CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERÍSTICAS MERCADO COMUM DO SUL PAÍSES MEMBROS Venezuela, Paraguai, Uruguai, Argentina e Brasil; PAÍSES ASSOCIADOS Bolívia, Chile, Peru, Colômbia e Equador; PAÍSES ASSOCIADOS (EM PROCESSO DE ADESÃO) Guiana e Suriname; Nº DE HABITANTES 232,9 Milhões de habitantes; ANO DE FORMAÇÃO 26 de Março de 1991; PIB US$ 4.363.801; PIB PER CAPITA US$ 14.275; LEMA “Nosso Norte é o Sul.”
  10. 10. OBJETIVOS DO MERCOSUL OBJETIVO ALCANÇA DO A ALCANÇAR Eliminação das barreiras tarifárias e não-tarifárias no comércio X Coordenação de políticas macroeconômicas, a liberalização do comércio de serviços, a livre circulação de mão-de-obra e a de capitais. X Adotar uma Tarifa Externa Comum (TEC), o que caracteriza a condição de União Aduaneira X STATUS DE BLOCO ECONÔMICO União Aduaneira
  11. 11. DISTRIBUIÇÃO PIB – PAÍSES MEMBROS DISTRIBUIÇÃO - PIB MERCOSUL (US$) 2,476,651 315,893 46,710 448,165 22,890 BRASIL URUGUAI VENEZUELA ARGENTINA PARAGUAI
  12. 12. TRATADOS DE LIVRE COMÉRCIO PAÍS ANO DESCRIÇÃO Comunidade Andina 1998 Em 16 de abril de 1998 o Mercosul e a Comunidade Andina firmaram um Acordo Marco para a criação da Zona de Livre Comércio. Colômbia 2005 O tratado favorece a Colômbia permitindo que o país implante instrumentos de proteção a agricultura local e da acesso a produtos colombianos para membros do Mercosul. Israel 2007 O tratado cobre 90% do fluxo comercial, com um cronograma de quatro fases para remoção de restrições (imediata, 4, 8 e 10 anos). Prevê-se que o intercâmbio comercial entre o Mercosul e Israel fique em torno de 5 bilhões de dólares em 2017. Egito 2010 O acordo abrirá um mercado de 76 milhões de consumidores para produtos primários e industrializados do bloco sul-americano.
  13. 13. DADOS SOCIOECONÔMICOS PAÍSES MEMBROS MERCOSUL BRASIL ARGENTIN A URUGUAI PARAGUAI VENEZUEL A IDH 0,730 0,811 0,792 0,669 0.748 Nº HAB. 199.242.462 41.118.986 3.391.428 6.682.943 29.890.694 NATALIDADE 15 POR MIL 17 POR MIL 15 POR MIL 24 POR MIL 21 POR MIL MORTALIDA DE 6 POR MIL 8 POR MIL 9 POR MIL 5 POR MIL 5 POR MIL PIB US$ 2.476.651 448.165 46.710 22.890 315.893 PPC US$ 12.594 10.994 13.819 3.485 10.731 ALFABETIZAÇ ÃO 90,0 % 97,8 % 97,9% 94,6 % 95,2 % EXP. DE VIDA 73,8 ANOS 76,1 ANOS 77,2 ANOS 72,7 ANOS 74,6 ANOS
  14. 14. A CRISE DOS ANOS 1990-2001 LIMITES E DESAFIOS  Desvalorização do real (moeda brasileira) em relação ao dólar, causou uma alta dos produtos argentinos, paraguaios e uruguaios, e a redução das importações brasileiras [EFEITO DOMINÓ];  Uruguai e Paraguai acreditam que o Mercosul trouxe poucos benefícios econômicos;  Entretanto mudou as relações entre os países membros, colocando-os diante do desafio da integração regional.

×