O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Ketamina

1.258 visualizações

Publicada em

Trabalho

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Ketamina

  1. 1. KETAMINA: ABORDAGEM DE REDUÇÃO DANOS NO USO RECREATIVO Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Terapia Ocupacional Professora Flávia Pereira Acadêmico Flavio Campos Neto
  2. 2. INDRODUÇÃO:  Anestésico Dissociativo  Efeitos “colaterais”  Uso como droga recreativa crescente  Redução de Danos
  3. 3. OBJETIVO  Reunir estratégias de cuidado para minimizar os danos ao corpo e o riscos associados ao uso recreativo da Ketamina.
  4. 4. METODOLOGIA Através de pesquisa, sem delimitação de tempo, na legislação atual sobre drogas, nos acordos internacionais, nas revistas científicas, nos artigos disponíveis nas bases de dados do Google Acadêmico e SciELO. A pesquisa foi realizada em artigos de lingua portuguesa e inglesa. Palavras-chave: Ketamina; Corpo; Dissociativa; Recreativo; Redução de Danos
  5. 5. RESULTADOS:  Uso recreativo X Uso Medicinal  Formas de uso:  Aspirada  Intravenosa/intramuscular  Via Oral  Redução de Danos pouco específica
  6. 6. “Hoje, a prevenção se organiza focando o indivíduo ou a população em que estão implícitos os conceitos de fatores associados à proteção e ao risco, considerando a multiplicidade de fatores envolvidos ao uso abusivo e na dependência de drogas.” (Noto. e Moreira, 2006, p. 314)
  7. 7. CONCLUSÃO As estratégias de redução de danos são eficazes na aplicação do auto cuidado e na prevenção do abuso de drogas. As pesquisas existentes ainda não exploram suficientemente o uso recreativo da ketamina afim de gerar subsídios para elaboração de técnicas mais elaboradas de Redução de danos ao uso da ketamina.
  8. 8. REFERÊNCIAS  1 - Garcia JBS. Cetamina uma nova leitura. Prática Hospitalar. 2007;53:214-6.  2 - Smith KM, Larive LL, Romanelli F. Club drugs: methylenodioxyme- thamphetamine, flunitrazepam, ketamine, hydrocloride and y-hydroxybu- tyrate. Am J Health Syst Pharm 2002;59:1067-76.  3 - DrugScope Street Drug Trends 2009: Falling Illegal Drug Quality 'Accelerates Trend' In Users Combining Different Drugs  4 - Oliveira CMB, Sakata RK, Issy AM, Garcia JBS. Cetamina e Analgesia Preemptiva. Rev Bras Anestesiol. 2004;54:739-52.  5 -.Arditti J, Spadari M, de Haro L, Brun A, Bourdon JH, Valli M. Ketami-ne - Dreams and realities. Acta Clinica Belgica. 2002;57:31-3.  6 - Prevenção ao uso indevido de drogas : Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. – 2. ed. – Brasília : Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD, 2010. 376 p.  7 -CARLINI-COTRIM, B. & PINSKY, I. Prevenção ao abuso de drogas na escola: uma revisão da literatura internacional recente. Cadernos de Pesquisa 69, 1989, p. 48-52.  8- PRATES A. O USO DE PSICOATIVOS NA CENA DE MÚSICA ELETRÔNICA DE SALVADOR – BAHIA: UMA INVESTIDA INICIAL Os Urbanitas (São Paulo), v. 05, 2007.

×