1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia

924 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
924
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1+aula+saúde+pública+e+epidemiologia

  1. 1. 1 AnhangueraAnhanguera Disciplina: SaDisciplina: Saúúde Pde Púública e Epidemiologiablica e Epidemiologia ProfProfaa: Vanessa: Vanessa IndioIndio Ementa: processo saúde/doença, quantificação em epidemiologia. Estudos epidemiológicos. Epidemiologia e profilaxia das doenças de maior importância coletiva. Abordagem sobre a vigilância epidemiológica e seu papel no Sistema Único de Saúde (SUS). Farmacoepidemiologia Objetivos: 1.Estudar os padrões da ocorrência de doenças em populações humanas e os fatores determinantes destes padrões; 2.Conhecer métodos de intervenção no âmbito da saúde pública. 3.Conhecer procedimentos de pesquisas epidemiológicas aplicadas à Farmácia. CONTEÚDO DA DISCIPLINA: - Aulas expositivas ou impressas -AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA: -Provas (P1: 10,0 ; P2: 10,0)
  2. 2. 2 AnhangueraAnhanguera Disciplina: SaDisciplina: Saúúde Pde Púública e Epidemiologiablica e Epidemiologia ProfProfaa: Vanessa: Vanessa IndioIndio Aula Data Tema 1° 28/02/13 Apresentação do Plano de Ensino da Disciplina. Breve histórico da Epidemiologia. Geral e da Epidemiologia aplicada à Farmácia. 2° 07/03/13 Epidemiologia: história natural e prevenção de doenças. 3° 14/03/13 Epidemiologia descritiva aplicada à Farmácia: o processo epidêmico. 4° 21/03/13 Elementos da metodologia para pesquisa epidemiológica em Farmácia. 5° 23/03/13 Aula não presencial Elementos da metodologia para pesquisa epidemiológica em Farmácia. 6° 28/03/13 Desenho de pesquisas epidemiológicas em Farmácia. Estudo de caso: análise de uma pesquisa epidemiológica aplicada à Farmácia. 7° 04/04/13 Análise de dados epidemiológicos. Análise de dados epidemiológicos. Benefícios gerados com o estudo farmacoepidemiológico
  3. 3. 3 AnhangueraAnhanguera Disciplina: SaDisciplina: Saúúde Pde Púública e Epidemiologiablica e Epidemiologia ProfProfaa: Vanessa: Vanessa IndioIndio Aula Data Tema 8° 11/04/13 1° Avaliação: Prova escrita 9° 18/04/13 Procedimentos operacionais na farmacoepidemiologia 10° 25/04/13 Doenças transmissíveis e modos de transmissão: conceitos básicos e doenças mais frequentes. 11° 02/05/13 Doenças transmissíveis e modos de transmissão: doenças emergentes e reemergentes. 12° 09/05/13 Doenças crônicas não transmissíveis: bases epidemiológicas 13° 11/05/13 Aula não presencial Vigilância Epidemiológica. 14° 16/05/13 Vigilância Sanitária.
  4. 4. 4 Feriado30/05/13 AnhangueraAnhanguera Disciplina: SaDisciplina: Saúúde Pde Púública e Epidemiologiablica e Epidemiologia ProfProfaa: Vanessa: Vanessa IndioIndio Aula Data Tema 15° 23/05/13 Reforma Sanitária e os Modelos Assistenciais. 16° 06/06/13 Reforma Sanitária e os Modelos Assistenciais. 17° 08/06/13 Aula não presencial Reforma Sanitária e os Modelos Assistenciais. 18° 13/06/13 2° Avaliação: Prova escrita 19° 20/06/13 Revisão e vistas na avaliação 20° 27/06/13 Prova Substitutiva
  5. 5. SaSaúúdede “Saúde é um estado de completo bem- estar físico, mental e social e não apenas a mera ausência de doença”. Organização Mundial de Saúde, 1948
  6. 6. EpidemiologiaEpidemiologia “O estudo da distribuição e dos determinantes de estados ou eventos relacionados à saúde em populações específicas, e sua aplicação na prevenção e controle dos problemas de saúde” Last JM. A dictionary of epidemiology, 4th ed. Oxford, Oxford University Press, 2001.
  7. 7. EpidemiologiaEpidemiologia EPI “sobre” + DEMOS “povo” + LOGOS “estudo” Last JM. A dictionary of epidemiology, 4th ed. Oxford, Oxford University Press, 2001.
  8. 8. EpidemiologiaEpidemiologia DefiniDefiniçãçãoo Last JM. A dictionary of epidemiology, 4th ed. Oxford, Oxford University Press, 2001.
  9. 9. Epidemiologia Breve histBreve históóricorico •Hipócrates (460-370 a.C.) – Descreveu como os fatores ambientais influenciavam as doenças. •John Graunt (1662) – Foi o primeiro a quantificar os padrões de nascimento, morte e ocorrência de doença, ressaltando as diferenças entre homens e mulheres, mortalidade infantil elevada, diferenças das doenças nas áreas urbanas e rurais e variações sazonais.
  10. 10. Epidemiologia Breve histBreve históóricorico •William Farr (1850) – Reuniu dados de John Graunt sistematicamente e criou o registro anual de mortalidade e morbidade para a Inglaterra e o País de Gales, assim com a criação dos sistemas de informação de saúde. •John Snow (1854) “pai da Epidemiologia” – Descobriu os mecanismos de transmissão hídrica e o agente microbiano do cólera
  11. 11. Epidemiologia Século XIX 1854: Epidemia de cólera em Londres Figura 1: Mapa da cólera, de Londres, John Snow 1854
  12. 12. Epidemiologia Século XX 1950: Richard Doll e Andrew Hill demostraram que a associação entre o hábito de fumar e o câncer de pulmão
  13. 13. Epidemiologia Século XX 1950: Richard Doll e Andrew Hill demostraram que a associação entre o hábito de fumar e o câncer de pulmão
  14. 14. Saúde Pública • Causalidade das doenças • História natural das doenças • Estado de saúde das populações • Avaliação de intervenções
  15. 15. Saúde Pública Causalidade das doenças
  16. 16. Saúde Pública História natural das doenças
  17. 17. Saúde Pública Estado de saúde das populações
  18. 18. Saúde Pública Avaliação de intervenções
  19. 19. Saúde Pública Exemplos: Varíola Envenenamento por metilmercúrio Febre reumática e doença cardíaca reumática Distúrbios por deficiência de iodo Tabagismo, asbesto e câncer de pulmão Fratura de quadril HIV/AIDS Síndrome da Angústia respiratória
  20. 20. EpidemiologiaEpidemiologia Quantifica a ocorrência de doenças e eventos relacionados à saúde em populações Estabelece a existência de associação entre uma determinada exposição e uma determinada doença ou outro desfecho de interesse
  21. 21. EpidemiologiaEpidemiologia A doença ou algum evento relacionado a saúde: Não ocorre ao acaso Tem fatores causais que podem ser identificados
  22. 22. EXPOSIÇÃO(E) DESFECHO(D) Quando? - TEMPO Onde? – LOCAL Quem? - PESSOA Por quê? - CAUSAS
  23. 23. Causalidade • Cadeia causal • Causas únicas e múltiplas • Fatores na causalidade • Interação
  24. 24. Fatores na causalidadeFatores na causalidade
  25. 25. Vieses Erros sistemáticos Viés de seleção: distorção resultante dos procedimentos utilizados para selecionar indivíduos e de fatores que influenciam a participação do estudo Viés de informação: resulta de definições imperfeitas das variáveis de estudo e/ou falhas nos procedimentos de coleta de dados Viés de memória: relacionado como a informação de exposição é lembrada ou relatada por casos que experimentaram um desfecho adverso de sáude e por controles que não experimentaram esse desfecho.
  26. 26. Confundimento Uma associação não causal entre uma exposição e um desfecho é observada devido a influência de outra variável Exposição Desfecho Variável de confundimento
  27. 27. Confundimento Exemplo: Asbesto Câncer de pulmão Tabagismo
  28. 28. Papel do acaso • Sempre que se examina uma amostra de uma população, o dado pode ser ao acaso. • Em estudos epidemiológicos, um importante pressuposto é que podemos fazer inferências sobre a experiência de uma população inteira, com base na avaliação da amostra.
  29. 29. Pode ser causal? • Sequência temporal • A exposição deve anteceder a ocorrência do desfecho, respeitando o período de latência. • Efeito dose-resposta • A frequência da doença ou evento relacionado a sáude aumenta ou diminui com a dose ou o nível de exposição, isso é evidência de relação causal.
  30. 30. Pode ser causal? • Plausibilidade biológica • Conhecimento cientifico sobre o problema analisado • Consistência dos achados • Repetibilidade de observações em estudos epidemiológicos
  31. 31. Estudos epidemiológicos Estudos experimentais: Ensaio clínico Ensaio de campo Estudos observacionais: Descritivos Estudo de casos ou de séries de casos Estudo transversal Estudo ecológico Analíticos Caso-controle Coorte
  32. 32. Estudo experimental
  33. 33. Estudo observacional Analítico Caso-controle
  34. 34. Estudo observacional Analítico Coorte
  35. 35. Medidas de frequência • Frequência – Prevalência – Incidência – Mortalidade – Sobrevida
  36. 36. PREVALPREVALÊÊNCIA =NCIA = nn°° casos existentescasos existentes/n/n°° totaltotal da populada populaçãçãoo nono mesmo pontomesmo ponto do tempodo tempo
  37. 37. INCIDINCIDÊÊNCIANCIA == nn°° casos novoscasos novos/n/n°° dede indindííviduosviduos nono ininííciocio dodo acompanhamentoacompanhamento Figura 5: Gráfico de linhas da incidência de sífilis congênita por 1.000 nascidos vivos, município do Rio de Janeiro, 1999 a 2006 (http://www.saude.rio.rj.gov.br/media/dstaids_Grafico3_sifilis.pdf)
  38. 38. MORTALIDADEMORTALIDADE
  39. 39. SOBREVIDASOBREVIDA
  40. 40. • Ao testar uma hipótese epidemiológica quantificamos a associação entre a exposição e o desfecho • Assume-se que um evento (exposição) afeta o outro (desfecho) • Quando a probabilidade de ocorrência de uma variável depende da presença de outra variável Medidas de associação
  41. 41. Sexo altera a probabilidade de gostar de chocolate? Sexo N total N Gostam de chocolate Homens 640 320 Mulheres 300 100 Medidas de associação
  42. 42. • Determinam a força da relação estatística entre a exposição e o desfecho; • Refletem uma comparação entre as medidas de frequência de duas ou mais categorias de exposição Medidas de associação
  43. 43. • Tipo razão – Comparação pode ser através do cálculo da razão entre as medidas de frequência dos desfechos nos dois grupos – Indica a probabilidade do desfecho nos indíviduos expostos em relação aos não expostos – A magnitude de associação estatística entre a exposição e o desfecho Medidas de associação
  44. 44. Tipo razão • Risco relativo (RR) é utilizado, de forma genérica, para referir qualquer medida de associação do tipo razão – Incidência cumulativa – Taxas de incidência – Taxas de mortalidade – Prevalência – Chance (Odds ratio) Medidas de associação
  45. 45. Tabela 2 X 2 a b c d E + - D + -
  46. 46. Tipo diferença • A comparação entre as medidas de frequência dos expostos e dos não expostos pode ser realizada através do cálculo da diferença entre as medidas dos dois grupos • Informa o efeito absoluto da exposição nos indivíduos expostos em comparação com os não expostos Medidas de associação
  47. 47. Tipo diferença • Risco atribuível aos expostos • Risco atribuível na população Medidas de associação
  48. 48. Risco • Avaliação de riscos • Avaliação no impacto na saúde • Manejo de risco • Avaliação do impacto ambiental
  49. 49. • Causa de 2 milhões de internações e uma das principais causas de morte nos EUA (100.000) Lararou et al., 1998 • Aproximadamente 4% de todos os medicamentos lançados no mercado são retirados de circulação devido às reações adversas Jefferys et al, 1998 • Aumentam o tempo de internação em 6,5 dias devido às reações adversas Davies et al., 2006 • No Brasil, 6,5% das internações hospitalares acontecem por problemas com medicamentos INFARMA, 2009 REAÇÕES ADVERSAS E SAÚDE PÚBLICA
  50. 50. DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS
  51. 51. ENSAIOS DE FARMACOLOGIA CLÍNICA – Fase I • Primeiro estudo em seres humanos (20 a 50 voluntários sadios). Avaliação de segurança e perfil farmacocinético. – Fase II • Primeira administração a pacientes (50 a 300). Avaliação de potencial terapêutico e de efeitos colaterais. Estabelecimento de relações dose-resposta para emprego em ensaios terapêuticos mais específicos.
  52. 52. ENSAIOS DE FARMACOLOGIA CLÍNICA – Fase III • Estudos terapêuticos multicêntricos (usualmente 3000/4000 pacientes). Avaliação de eficácia e segurança. Comparação com placebo ou fármacos já aprovados para o mesmo uso terapêutico. Caracterização das reações adversas mais freqüentes. – Fase IV • Estudos de vigilância pós-comercialização, com base nas indicações autorizadas. Avaliação do valor terapêutico, de novas reações adversas e/ou confirmação da freqüência das já conhecidas.
  53. 53. LIMITAÇÕES DOS ENSAIOS CLÍNICOS -Número restrito de indivíduos (< 5000); -Impossibilita verificar Reações com incidência 1:100000 -Curta duração - não retrata os efeitos tardios -Grupo não representativo da população em geral - não incluem idosos, crianças, gestantes, lactantes, hepatopatas e doentes renais crônicos; -Não avalia interações medicamentosas -Não avalia questões étnicas (WHO, 2002; OMS,2005; CLEOPHAS,2000; COLLET,2000)

×