Guia acordo ortográfico 2009
A implantação das regras desse Acordo,
prevista para acontecer no Brasil a partir de
janeiro ...
4. Não se usa mais o acento que diferenciava os
pares pára/para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s),
pólo(s)/polo(s) e pêra...
Antirrugas
Antissocial
Biorritmo
Contrarregra
Contrassenso
Cosseno
Infrassom
Microssistema
Minissais
Multissecular
Neorrea...
O diretor recebeu os ex-alunos
Resumo
Emprego do hífen com prefixos
Regra básica
Sempre se usa o hífen diante de h:
Anti-h...
ças, foi criado, em 1990, um acordo ortográfico –
que deve vigorar no Brasil a partir do ano que vem.
“A existência de dua...
produzidos a partir de 2009 terão de ser impressos
segundo as novas regras lingüísticas. Vestibulares,
concursos e avaliaç...
Lêem Leem
Vêem Veem
Descrevêem Descreveem
Relêem Releem
Revêem Reveem
No entanto, nada muda na acentuação dos verbos ter, ...
______________________________________
____________________________________
_____________________________________
________...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Acordo novo 2012

321 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
321
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Acordo novo 2012

  1. 1. Guia acordo ortográfico 2009 A implantação das regras desse Acordo, prevista para acontecer no Brasil a partir de janeiro de 2009, é um passo importante em direção à criação de uma ortografia unificada para o português, a ser usada por todos os países que tenham o português como língua oficial: Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo,Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Timor Leste. Mudanças no alfabeto O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram reintroduzidas as letras k, w e y. O alfabeto completo passa a ser: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V WX Y Z, As letras k, w e y, que na verdade não tinham desaparecido da maioria dos dicionários da nossa língua, são usadas em várias situações. Por exemplo: a) na escrita de símbolos de unidades de medida: km (quilômetro), kg (quilograma), W (watt); b) na escrita de palavras e nomes estrangeiros (e seus derivados): show, playboy, playground, windsurf, kung fu, yin, yang, William, kaiser, Kafka, kafkiano. Trema Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra u para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gue, gui, que, qui. Como era Como fica Agüentar Aguentar Argüir Argüir Bilíngüe Bilíngue Cinqüenta Cinquenta Delinqüente Delinquente Eloqüente Eloquente Ensangüentado Ensanguentado Eqüestre Equestre Freqüente Frequente Lingüeta Lingueta Lingüiça Linguiça Qüinqüênio Quinquênio Sagüi Sagui Seqüência Sequência Seqüestro Sequestro Tranqüilo Tranquilo Mudanças nas regras de acentuação 1. Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima sílaba). Como era Como fica Alcalóide Alcaloide Alcatéia Alcateia Andróide Androide Apóia (verbo apoiar) Apoia Apóio (verbo apoiar) Apoio Asteróide Asteroide Bóia Boia Celulóide Celuloide Clarabóia Claraboia Colméia Colmeia Coréia Coreia Debilóide Debiloide Epopéia Epopeia Estóico Estoico Estréia Estreia Estréio (verbo estrear) Estreio Geléia Geleia Heróico Heroico Idéia Ideia Jibóia Jiboia Jóia Joia Odisséia Odisseia Paranóia Paranoia Paranóico Paranoico Platéia Plateia Tramóia Tramoia 2. Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo. Como era Como fica Baiúca Baiuca Bocaiúva Bocaiuva Cauíla Cauila Feiúra Feiura 3. Não se usa mais o acento das palavras terminadas em êem e ôo(s). Como era Como fica Abençôo Abençoo Crêem (verbo crer) Creem Dêem (verbo dar) Deem Dôo (verbo doar) Doo Enjôo Enjoo Lêem (verbo ler) Leem Magôo (verbo magoar) Magoo Perdôo (verbo perdoar) Perdoo Povôo (verbo povoar) Povoo Vêem (verbo ver) Veem Vôos Voos Zôo Zoo 1
  2. 2. 4. Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera. Como era Como fica Ele pára o carro Ele para o carro Ele foi ao pólo Norte Ele foi ao polo Norte Ele gosta de jogar pólo Ele gosta de jogar polo Esse gato tem pêlos brancos Esse gato tem pelos brancos Comi uma pêra Comi uma pera 5. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui,(eles) arguem, do presente do indicativo dos verbos arguir e redarguir. 6. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em guar, quar e quir, como aguar, averiguar, apaziguar,desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir etc. Esses verbos admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e também do imperativo. Uso do hífen Algumas regras do uso do hífen foram alteradas pelo novo Acordo. Mas, como se trata ainda de matéria controvertida em muitos aspectos, para facilitar a compreensão dos leitores, apresentamos um resumo das regras que orientam o uso do hífen com os prefixos mais comuns, assim como as novas orientações estabelecidas pelo Acordo. As observações a seguir referem-se ao uso do hífen em palavras formadas por prefi xos ou por elementos que podem funcionar como prefixos, como: aero agro além ante anti aquém arqui auto circum co contra eletro entre ex extra geo hidro hiper infra inter intra macro micro mini multi neo pan pluri proto pós pré pró pseudo retro semi sobre sub super supra tele ultra vice e etc ... 1. Com prefi xos, usa-se sempre o hífen diante de palavra iniciada por h. Exemplos: Anti-higiênico Anti-histórico Co-herdeiro Macro-história Mini-hotel Proto-história Sobre-humano Super-homem Ultra-humano Exceção: subumano (nesse caso, a palavra humano perde o h). 2. Não se usa o hífen quando o prefi -xo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento. Exemplos: Aeroespacial Agroindustrial Anteontem Antiaéreo Antieducativo Autoaprendizagem Autoescola Autoestrada Autoinstrução Coautor Coedição Extraescolar Infraestrutura Plurianual Semiaberto Semianalfabeto Semiesférico Semiopaco Exceção: o prefi xo co aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o: coobrigar, coobrigação, coordenar, cooperar, coo peração, cooptar, coocupante etc. 3. Não se usa o hífen quando o prefi xo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de r ou s. Exemplos: Anteprojeto Antipedagógico Autopeça Autoproteção Coprodução Geopolítica Microcomputador Pseudoprofessor Semcírculo Semideus Seminovo Ultramoderno 4. Não se usa o hífen quando o prefi - xo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s. Nesse caso, duplicam-se essas letras. Exemplos: Antirrábico Antirracismo Antirreligioso 2
  3. 3. Antirrugas Antissocial Biorritmo Contrarregra Contrassenso Cosseno Infrassom Microssistema Minissais Multissecular Neorrealismo Neossimbolista Semirreta Ultrarresistente Ultrassom 5. Quando o prefi xo termina por vogal, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma vogal. Exemplos: Anti-ibérico Anti-imperialista Anti-inflacionário Anti-inflamatório Auto-observação Contra-almirante Contra-atacar Contra-ataque Micro-ondas Micro-ônibus Semi-internato Semi-interno 6. Quando o prefi xo termina por consoante, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma consoante. Exemplos: Hiper-requintado Inter-racial Inter-regional Sub-bibliotecário Super-racista Super-reacionário Super-resistente Super-romântico 7. Quando o prefi xo termina por consoante, não se usa o hífen se o segundo elemento começar por vogal. Exemplos: Hiperacidez Hiperativo Interescolar Interestadual Interestelar Interestudantil Superamigo Superaquecimento Supereconômico Superexigente Superinteressante Superotimismo 8. Com os prefi xos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen. Exemplos: Além-mar Além-túmulo Aquém-mar Ex-aluno Ex-diretor Ex-hospedeiro Ex-prefeito Ex-presidente Pós-graduação Pré-história Pré-vestibular Pró-europeu Recém-casado Recém-nascido Sem-terra 9. Deve-se usar o hífen com os sufi - xos de origem tupi-guarani: açu, guaçu e mirim. Exemplos: amoré- guaçu, anajá-mirim, capim-açu. 10. Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares. Exemplos: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo. 11. Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição. Exemplos: Girassol Madressilva Mandachuva Paraquedas Paraquedista Pontapé 12. Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte. Exemplos: Na cidade, conta-se que ele foi viajar 3
  4. 4. O diretor recebeu os ex-alunos Resumo Emprego do hífen com prefixos Regra básica Sempre se usa o hífen diante de h: Anti-higiênico Super-homem Outros casos 1. Prefi xo terminado em vogal: • Sem hífen diante de vogal diferente: Autoescola Antiaéreo • Sem hífen diante de consoante diferente de r e s: anteprojeto, semicírculo. • Sem hífen diante de r e s. Dobram-se essas letras: Antirracismo Antissocial Ultrassom • Com hífen diante de mesma vogal: Contra-ataque Micro-ondas 2. Prefi xo terminado em consoante: • Com hífen diante de mesma consoante: Inter-regional Sub-bibliotecário • Sem hífen diante de consoante diferente: Intermunicipal Supersônico • Sem hífen diante de vogal: Interestadual Superinteressante Observações 1. Com o prefi xo sub, usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r sub-região, sub-raça etc. Palavras iniciadas por h perdem essa letra e juntam-se sem hífen: Subumano Subumanidade 2. Com os prefi xos circum e pan, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por m, n e vogal: Circum-navegação Pan-americano 3. O prefi xo co aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o: Coobrigação Coordenar Cooperar Cooperação Cooptar Coocupante 4. Com o prefi xo vice, usa-se sempre o hífen: Vice-rei Vice-alimrante 5. Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição, como: Girassol Madressilva Mandachuva Pontapé Paraquedas Paraquedista 6. Com os prefi xos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen: Ex-aluno Sem-terra Além-mar Aquém-mar Recém-casado Pós-graduação Pré-vestibular Pró-europeu Novo Acordo Ortográfico A adopção de uma única ortografia entre países de língua portuguesa pode ser óptima.” Se este texto fosse escrito em Portugal, a frase anterior estaria corretíssima. Já no Brasil, a letra p (nas palavras a- dopção e óptima) está sobrando e parece um erro de digitação – apesar de todos sabermos que se trata do mesmo idioma. Do ponto de vista da orto- grafia, existem diferenças bastante relevantes na língua portuguesa. E não apenas entre os dois paí- ses. Nas outras seis nações que falam e escrevem o português (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) ocorre o mesmo. Para acabar com essas diferen- 4
  5. 5. ças, foi criado, em 1990, um acordo ortográfico – que deve vigorar no Brasil a partir do ano que vem. “A existência de duas grafias oficiais acarreta pro- blemas na redação de documentos em tratados in- ternacionais e na publicação de obras de interesse público”, defendia o filólogo Antônio Houaiss, o prin- cipal responsável pelo processo de unificação aqui no Brasil. Originalmente, o combinado era que to- dos os membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) deveriam ratificar o a- cordo para que ele tivesse valor. Em 2004, porém, os chefes de Estado da CPLP decidiram que basta- va a aprovação de três nações para a reforma orto- gráfica entrar em vigor. O Brasil, no entanto, definiu que mudaria o jeito de escrever somente se Portu- gal também o fizesse (e o “sim” de Lisboa às novas normas só veio no ano passado). É importante res- saltar que a pronúncia, o vocabulário e a sintaxe permanecem exatamente como estão. A novidade é a unificação da grafia de algumas palavras. Língua Internacional Daqui para a frente, a língua portuguesa (comum aos países lusófonos) tem tudo para ganhar espaço – até mesmo em fóruns internacionais –, pois o in- tercâmbio de informações e textos ficará mais fácil. Unificar a grafia também visa aproximar as oito na- ções da CPLP, reduzir custos de produção e adap- tação de livros e facilitar a difusão bibliográfica de novas tecnologias, bem como simplificar algumas regras (que suscitam dúvidas até entre especialis- tas). Do ponto de vista prático, ganha força o idioma falado no Brasil. Isso porque os portugueses terão de promover mais mudanças na escrita do que nós, adaptando várias palavras à grafia brasileira. Por exemplo, acção passa a ser ação. E cai também o h inicial de herva e húmido. O português é a única lín- gua com dois cânones oficiais ortográficos, um eu- ropeu e outro brasileiro, e isso não só dificulta nos- as vida lá fora como também a dos estrangeiros que querem aprendêlo. “Inscreve-se, finalmente, a língua portuguesa no rol daquelas que conseguiram beneficiar-se há mais tempo da unificação de seu sistema de grafar, numa demonstração de consci- ência da política do idioma e de maturidade na de- fesa, na difusão e na ilustração da língua da lusofo- nia”, afirma Cícero Sandroni, presidente da Acade- mia Brasileira de Letras (ABL). Além da unificação da grafia, o acordo propõe simplificar o idioma, no mesmo espírito do que ocorreu na década de 1910, quando uma reforma semelhante alterou o modo de escrever palavras como pharmacia e christallino (para farmácia e cristalino, sem o ph, o ch e o ll). Na época, porém, as mudanças foram encabeçadas por Portugal, que não consultou o Brasil e acabou aprofundando algumas diferenças ortográficas. O a- cordo prevê simplificações (como o fim do trema), mas tem inúmeros pontos obscuros, que só serão esclarecidos com o lançamento de gramáticas atua- lizadas e um novo Vocabulário Ortográfico oficial (tarefa a cargo da Academia Brasileira de Letras). O professor Pasquale Cipro Neto é um dos que se manifestaram contra o documento. “Ele não se limi- ta a uniformizar a grafia: estabelece outras altera- ções no sistema ortográfico, várias delas para pior.” Tempo de Adaptação Aqui no Brasil, a última grande reforma do idioma foi realizada em 1971, a fim de aproximar mais nos- so jeito de escrever do de Portugal. Desde então foi abolido o acento diferencial em alguns vocábulos, bem como o acento grave ou circunflexo nas pala- vras derivadas de outras acentuadas – mais de dois terços dos acentos que causavam divergências fo- ram suprimidos. Nessa mesma época os substanti- vos acôrdo e govêrno viraram acordo e governo (perderam o circunflexo que os diferenciava das for- mas verbais eu acordo e eu governo, que eram e continuam sendo pronunciadas de forma diferente). Outras palavras, como somente, propriamente, rapi- damente, cortesmente, sozinho, cafezinho e café- zal, também deixaram de ser acentuadas. Naquela ocasião, muitas pessoas estranharam a alteração (sem falar que diversos materiais impressos, como livros, levaram um bom tempo até ter novas edições com o jeito certo de escrever). Até hoje, aliás, ainda há quem escreva êle, com o circunflexo extinto no início dos anos 1970. Nas próximas páginas, você vai conhecer (de forma simplificada) as mudanças trazidas pelo acordo, com exemplos de grafias atu- ais e de como vamos passar a escrever. São regras bastante fáceis, mas que precisam ser bem com- preendidas para ser usadas corretamente em textos produzidos no papel ou na tela do computador. Guarde este manual e consulte-o sempre que ne- cessário. O que muda daqui pra Frente Não é de hoje que os integrantes da Comu- nidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) pensam em unificar as ortografias de nosso idioma. Os trabalhos da Academia Brasileira de Letras e da Academia de Ciências de Lisboa tiveram início em 1980 e consumiram dez anos de negociações até o acordo ortográfico ficar pronto. No Brasil, o Con- gresso Nacional aprovou o texto em 1995, mas sua implementação ficou “na gaveta”, à espera da apro- vação pelos parlamentares de Portugal. Agora, bas- ta um decreto do presidente Luiz Inácio Lula da Sil- va para que a nova grafia entre em vigor no país (até o fechamento desta edição não havia uma data determinada, mas a previsão é que isso ocorra em 2009). Mesmo sem o decreto presidencial, a Comis- são de Língua Portuguesa (Colip), do Ministério da Educação, já propôs que a reforma entre em vigor no próximo dia 1º de janeiro. Estima-se que o perío- do de transição para a nova norma dure três anos. Se a proposta do MEC for cumprida, todos os textos 5
  6. 6. produzidos a partir de 2009 terão de ser impressos segundo as novas regras lingüísticas. Vestibulares, concursos e avaliações poderão aceitar as duas grafias como corretas até 31 de dezembro de 2011. Quanto aos livros didáticos, deve haver um escalo- namento. A partir de 2010 os alunos de 1º a 5º ano do Ensino Fundamental receberão os livros dentro da nova norma – o que deve ocorrer com as turmas de 6º a 9º ano e de Ensino Médio, respectivamente, em 2011 e 2012. Acento Agudo O acento agudo desaparece das palavras da língua portuguesa em três casos, como se pode ver a se- guir: - nos ditongos (encontro de duas vogais proferidas em uma só sílaba) abertos ei e oi das palavras pa- roxítonas (aquelas cuja sílaba pronunciada com ma- is intensidade é a penúltima). Como é Hoje Como vai Ficar Assembléia Assembleia Heróico Heroico Idéia Ideia Jibóia Jiboia No entanto, as oxítonas (palavras com acento na última sílaba) e os monossílabos tônicos terminados em éi, éu e ói continuam com o acento (no singular e/ou no plural). Exemplos: herói(s), ilhéu(s), chapéu(s), anéis, dói, céu. - nas palavras paroxítonas com i e u tônicos que formam hiato (seqüência de duas vogais que pertencem a sílabas diferentes) com a vogal anterior quando esta faz parte de um ditongo; Como é Hoje Como vai Ficar Baiúca Baiuca Boiúna Boiuna Feiúra Feiura No entanto, as letras i e u continuam a ser acentuadas se formarem hiato mas estiverem sozinhas na sílaba ou seguidas de s. Exemplos: baú, baús, saída. No caso das palavras oxítonas, nas mesmas condições descritas no item anterior, o acento permanece. Exemplos: tuiuiú, Piauí. - nas formas verbais que têm o acento tônico na raiz, com o u tônico precedido das letras g ou q e seguido de e ou i. Esses casos são pouco freqüentes na língua portugue- sa: apenas nas formas verbais de argüir e redargüir. Como é Hoje Como vai Ficar Argúis Arguis Argúem Arguem Redargúis Redarguis Redargúem Redarguem Acento Diferencial O acento diferencial é utilizado para permitir a identifica- ção mais fácil de palavras homófonas, ou seja, que têm a mesma pronúncia. Atualmente, usamos o acento diferen- cial – agudo ou circunflexo – em vocábulos como pára (forma verbal), a fim de não confundir com para (a prepo- sição), entre vários outros exemplos. Com a entrada em vigor do acordo, o acento diferencial não será mais usado nesse caso e também nos que estão a seguir: - péla (do verbo pelar) e pela (a união da prepo- sição com o artigo); - pólo (o substantivo) e polo (a união antiga e po- pular de por e lo); - pélo (do verbo pelar) e pêlo (o substantivo); - pêra (o substantivo) e péra (o substantivo arca- ico que significa pedra), em oposição a pera (a preposição arcaica que significa para). No entanto, duas palavras obrigatoriamente continuarão recebendo o acento diferencial: - pôr (verbo) mantém o circunflexo para que não seja confundido com a preposição por; - pôde (o verbo conjugado no passado) também mantém o circunflexo para que não haja confu- são com pode (o mesmo verbo conjugado no presente). Observação: já em fôrma/forma, o acento é facultativo. Acento Circunflexo Com o acordo ortográfico, o acento circunflexo não será mais usado nas palavras terminadas em oo. Como é Hoje Como vai Ficar Enjôo Enjoo Vôo Voo Abençôo Abençoo Corôo Coroo Magôo Magoo Perdôo Perdoo Da mesma forma, deixa de ser usado o circunflexo na conjugação da terceira pessoa do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos crer, dar, ler, ver e seus derivados. Como é Hoje Como vai Ficar Crêem Creem Dêem Deem 6
  7. 7. Lêem Leem Vêem Veem Descrevêem Descreveem Relêem Releem Revêem Reveem No entanto, nada muda na acentuação dos verbos ter, vir e seus derivados. Eles continuam com o acento circun- flexo no plural (eles têm, eles vêm) e, no caso dos deriva- dos, com o acento agudo nas formas que possuem mais de uma sílaba no singular (ele detém, ele intervém). Trema: Um Sinal a Menos O trema, sinal gráfico de dois pontos usado em cima do u para indicar que essa letra, nos grupos que, qui, gue e gui, é pronunciada, será abolido. É simples assim: ele de- ixa de existir na língua portuguesa. Vale lembrar, porém, que a pronúncia continua a mesma. Como é Hoje Como vai Ficar Agüentar Aguentar Eloqüente Eloquente Freqüente Frequente Lingüiça Linguiça Sagüi Sagui Seqüestro Sequestro Tranqüilo Tranquilo Anhangüera Anhanguera No entanto, o acordo prevê que o trema seja mantido em nomes próprios de origem estrangeira, bem como em seus derivados. Exemplos: Bündchen, Müller, mülleriano. Hífen: Palavras Compostas O hífen deixa de ser empregado nas seguintes situações: - quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com as consoantes s ou r. Nesse caso, a consoante obrigatoriamente pas- sa a ser duplicada; - quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente. Como é Hoje Como vai Ficar Anti-religioso Antireligioso Anti-semita Antisemita Auto-aprendizagem Autoaprendizagem Auto-estrada Autoestrada Contra-regra Contraregra Contra-senha Contrasenha Extra-escolar Extraescolar Extra-regulamentação Extraregulamentação No entanto, o hífen permanece quando o prefixo termina com r (hiper, inter e super) e a primeira letra do segundo elemento também é r. Exemplos: hiper-requintado, super-resistente. Alfabeto: Novas Letras O acordo prevê que nosso alfabeto passe a ter 26 letras – hoje são 23. Além das atuais, serão oficialmente incorpo- radas as letras k, w e y. No entanto, seu emprego fica restrito a apenas alguns casos, como já ocorre atualmen- te. Confira os principais exemplos: - em nomes próprios de pessoas e seus derivados; Exemplos: Franklin, frankliniano, Darwin, darwi- nismo, Wagner, wagneriano, Taylor, taylorista, Byron, byroniano. - em nomes próprios de lugares originários de outras lín- guas e seus derivados; Exemplos: Kuwait, kuwaitiano, Washington, Yo- kohama, Kiev. - em símbolos, abreviaturas, siglas e palavras adotadas como unidades de medida internacionais; Exemplos: km (quilômetro), KLM (companhia aérea), K (potássio), W (watt), www (sigla de world wide web, expressão que é sinônimo para a rede mundial de computadores). - em palavras estrangeiras incorporadas à língua. Exemplo: sexy, show, download, megabyte. ANOTAÇÕES _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ 7
  8. 8. ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ _____________________________________ ______________________________________ ____________________________________ 8

×