Os sete pecados capitais do Google AdSense


Por Patricia Carrillo, equipe do Google AdSense

Link: http://migre.me/da7z

...
Um exemplo perfeito disso é o plágio de materiais de terceiros em um
website com a intenção de gerar receita ou outras van...
Ira: embora a ira normalmente signifique raiva, ressentimento ou
vingança, hoje ela também pode significar ódio e intolerâ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os Sete Pecados Capitais Do Google Ad Sense

503 visualizações

Publicada em

Dicas para não cair na malha do Adsense.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
503
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Sete Pecados Capitais Do Google Ad Sense

  1. 1. Os sete pecados capitais do Google AdSense Por Patricia Carrillo, equipe do Google AdSense Link: http://migre.me/da7z Todos os dias recebemos comentários sobre as informações disponíveis sobre os regulamentos de nosso programa. Trabalhamos muito para promover esses regulamentos e, para garantir que todas as pessoas possam entendê-los, elaboramos este artigo para que você possa compreender melhor o conteúdo de nossos regulamentos. Aqui, você encontrará informações sobre as violações mais comuns dos regulamentos do programa. Para facilitar a compreensão, usamos os sete pecados capitais para ilustrar. Orgulho: considerado por muitos o pior dos sete pecados, o orgulho pode nos levar a acreditar que somos melhores do que os outros. Isso explica por que muitos editores implementam o código do Google AdSense sem ler os regulamentos de nosso programa antes. É muito importante conhecer esses regulamentos e entender o que está por trás de cada um. Gula: embora a gula normalmente seja associada ao consumo de alimentos em excesso, existem outras variações desse pecado que também são muito autodestrutivas. Um bom exemplo disso é ceder à tentação de gerar cliques artificiais em seus anúncios. Os cliques artificiais são aqueles gerados por um editor em seus próprios anúncios, cliques realizados por ferramentas automáticas, como robôs ou softwares maliciosos, ou cliques gerados por um usuário a pedido do editor. Basicamente, qualquer atividade inválida que aumente os ganhos de um editor de modo artificial pode ser detectada pelo sistema. Nesses casos, o anunciante não é cobrado e o editor não receberá por esses cliques. Outro exemplo de gula é tentar posicionar anúncios em websites de pagamento por clique, nos quais o usuário deve acessar páginas diferentes e clicar nos anúncios de modo artificial, ler e-mails promocionais ou realizar outras ações desse tipo em troca de um pagamento. Em muitos casos, isso resulta em uma situação de fraude que envolve não só os anunciantes, mas também o usuário. Preguiça: recusa consciente e deliberada de trabalho ou qualquer outro tipo de esforço. Não se trata apenas de preguiça propriamente dita, mas também envolve as ações incorretas, imorais e ilegais que isso pode causar.
  2. 2. Um exemplo perfeito disso é o plágio de materiais de terceiros em um website com a intenção de gerar receita ou outras vantagens. Isso pode ter consequências negativas nos ganhos do editor. Além disso, o proprietário original do material pode tomar medidas legais contra o editor. Ao gerar receita a partir de um website, é importante verificar se todo o conteúdo é original e oferece uma experiência de qualidade aos usuários, sem ter sido criado apenas para aumentar os lucros. Avareza: todos nós sabemos que o bem mais valioso de um webmaster é seu website e que a experiência oferecida por esse website para os usuários é igualmente importante. No entanto, às vezes a avareza entra em cena e algumas pessoas passam a confundir o usuário com instalações enganosas que o levam a clicar em anúncios sem perceber. Isso pode incluir: posicionar imagens diretamente ao lado dos anúncios para que elas pareçam ser links ou posicionar os anúncios de um modo que oculte sua legenda de identificação. Embora a integração de um formato de anúncio correspondente ao conteúdo do site seja importante, é ainda mais importante permitir que os usuários diferenciem os dois e cliquem voluntariamente, escolhendo um produto que realmente seja de seu interesse. Luxúria: hoje em dia, podemos encontrar material na internet para satisfazer todos nossos desejos. No entanto, esse material nem sempre agrada a todos. Muitos anunciantes querem ter certeza de que seu anúncio não será posicionado ao lado de conteúdo impróprio. A única maneira de garantir essa tranquilidade ao posicionar os anúncios é autorizar apenas os sites apropriados para todos os tipos de público-alvo. O material impróprio não inclui apenas conteúdo sexualmente explícito, mas também textos, imagens ou vídeos sugestivos que mostram pessoas em trajes ou posições insinuantes e até mesmo alguns artigos que tratam de orientação ou saúde sexual. Basicamente, é importante analisar se nos sentiríamos à vontade navegando em sites desse tipo na presença de nossos filhos, pais ou chefes. Inveja: às vezes, as pessoas cobiçam determinadas qualidades ou bens de outros que acreditam ser delas. Isso se torna um pecado quando, ao tentar obter essas coisas, prejudicamos ou roubamos os outros. Nosso programa exige que os editores tenham direitos legais para exibir o conteúdo que aparece em seus websites. O conteúdo de terceiros protegido por leis de direitos autorais só pode ser usado quando o editor tem os direitos legais relevantes para fazer isso.
  3. 3. Ira: embora a ira normalmente signifique raiva, ressentimento ou vingança, hoje ela também pode significar ódio e intolerância com alguém ou algo que consideramos diferente. Os anunciantes que posicionam seus anúncios em um website acham esses comportamentos inaceitáveis, pois não querem que seu produto seja associado a um material desse tipo. O conteúdo que inclui texto racista ou discriminatório ou qualquer material que constitui um ataque direto a uma pessoa ou organização, específica ou genericamente, na maioria das vezes é rejeitado pelos anunciantes, não sendo qualificado para nosso programa e para a exibição de anúncios relevantes.

×