Apresentadora: Ana Carolina Damião Araújo
Trichoderma asperellum: Um potencial agente de
controle biológico de Pythium myr...
INTRODUÇÃO
 Taioba [Xanthosoma sagittifolium (L.) Schott ]:
• Elevados níveis de consumo em Camarões;
• Alto valor nutric...
 Podridão da raiz (Pythium myriotylum)
• Principal doença que limita o crescimento e a produtividade da
cultura;
• Várias...
• O controle químico é o mais eficaz, porém apresenta
efeitos secundários negativos:
 poluição do meio ambiente,
 prejud...
Trichoderma sp.
• Organismos que podem ser encontrados frequentemente
em materiais em decomposição bem como na rizosfera ...
MATERIAL E MÉTODOS
 Material fúngico
• Isolado Pythium myriotylum (P60), isolado em 2005 a partir das
raízes de taioba ap...
 Testes de antagonismo in vitro
• Utilizado protocolo descrito por Benhamou e Chet
(1997), ligeiramente modificado;
• Cep...
• Placas de Petri foram incubadas durante seis dias;
• A capacidade de estirpes de T. asperellum reduzir a expansão
de P. ...
• Foram observados diariamente para verificar se houve
crescimento do Trichoderma inoculado, sendo medido como
descrito po...
 Testes in vivo de antagonismo
• O substrato utilizado foi fornecido pela BLERCAR, Ekona
, Camarões.
• Terra preta (ester...
• Plantas de uma variedade de taioba branca, altamente
suscetíveis à podridão radicular e obtidos por
micropropagação (for...
• Os efeitos dos tratamentos foram avaliados 30 dias após
transplantar observando e quantificar os sintomas da doença
que ...
 Análises estatísticas
• A percentagem de inibição do crescimento de P. myriotylum
[I ( % )] por T. asperellum foi calcul...
• Usando os dados obtidos, a inibição da doença em
percentagem (PI) foi calculada para cada isolado de T.
asperellum usand...
RESULTADOS
 Efeito de T. asperellum sobre o crescimento de P.
myriotylum in vitro
• Os quatro cepas de T. asperellum apre...
• As quatro cepas de T. asperellum apresentaram atividade
micoparasíticas .
•O micoparasitismo necrotrófico foi confirmado...
Figura 1. Antagonismo de Trichoderma asperellum contra Pythium myriotylum após um teste de confronto
direto: AeD: Zona de ...
 Efeito do tratamento das plantas com
desenvolvimento de podridão da raiz
• Depois de 30 dias de crescimento em vasos , a...
• As cepas PR11 e PR10 de T. asperellum, com índices de
severidade médios de 1,58 e
1,67, respectivamente, apresentou maio...
Tabela 1. Efeitos de tratamentos de plantas com cepas de
Trichoderma asperellum sobre a podridão da raiz de taioba.
Nota: ...
DISCUSSÃO
• A caracterização do potencial antagônico de T. asperellum
contra P. myriotylum é o primeiro passo para avaliar...
• Os testes in vivo mostraram que as quatro cepas de T.
asperellum reduziu a gravidade de podridão radicular da
taioba, co...
References
Adiobo, A., 2006. Biological control of cocoyam (X. sagittifolium (L.) Schott) root rot
disease caused by Pythi...
• Hannada, R.E., Pomella, A.W.V., Soberanis, W., Loguercio, L.L., Pereira, J.O., 2009.
Biocontrol potential of Trichoderma...
Le, H.T., Black, L.L., Sikora, R.A., 2003. Evaluation of Trichoderma spp. for biocontrol
of tomato sudden caused by Pythiu...
Trichoderma asperellum: Um potencial agente de controle biológico de Pythium myriotylum,  agente causal da podridão de rai...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trichoderma asperellum: Um potencial agente de controle biológico de Pythium myriotylum, agente causal da podridão de raiz em planta de taioba (Xanthosoma sagittifolium) em Camarões

2.846 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.319
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trichoderma asperellum: Um potencial agente de controle biológico de Pythium myriotylum, agente causal da podridão de raiz em planta de taioba (Xanthosoma sagittifolium) em Camarões

  1. 1. Apresentadora: Ana Carolina Damião Araújo Trichoderma asperellum: Um potencial agente de controle biológico de Pythium myriotylum, agente causal da podridão de raiz em planta de taioba (Xanthosoma sagittifolium) em Camarões J.B. Mbarga; G. Martijn Ten Hoopen; J. Kuaté ; A. Adiobo ; M.E.L. Ngonkeu; Z. Ambang d; A. Akoa; P.R. Tondje; B.A.D. Begoude. Crop Protection (2012) pag. 18 a 22 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CAMPUS URUTAÍ Curso Superior de Bacharelado em Agronomia FITOPATOLOGIA I
  2. 2. INTRODUÇÃO  Taioba [Xanthosoma sagittifolium (L.) Schott ]: • Elevados níveis de consumo em Camarões; • Alto valor nutricional e econômicos; • Produção anual aproximadamente 1.668.130 toneladas. Reino:Plantae Divisão:Magnoliophyta Classe:Liliopsida Ordem:Alismatales Família:Araceae Género:Xanthosoma
  3. 3.  Podridão da raiz (Pythium myriotylum) • Principal doença que limita o crescimento e a produtividade da cultura; • Várias estratégias de controle (química , genética e métodos agrícolas); Reino: Chromalveolata Filo: Heterokontophyta Classe: Oomycetes Ordem: Pythiales Família:Pythiaceae Gênero:Pythium
  4. 4. • O controle químico é o mais eficaz, porém apresenta efeitos secundários negativos:  poluição do meio ambiente,  prejudicial a saúde de agricultores e consumidores, aparecimento estirpes de patógenos resistentes; • Controle biológico: “Controle de um microrganismo por outro microrganismo”. • Controle biológico utilizando microrganismo antagônico pode ajudar a complementar as estratégias de controle de doenças convencionais;
  5. 5. Trichoderma sp. • Organismos que podem ser encontrados frequentemente em materiais em decomposição bem como na rizosfera da planta; • Simbiontes de plantas e não patogênicos, pode ser isolado e crescer facilmente em uma variedade de substratos; • Geralmente possui funções antagônicas com base em vários mecanismos, tais como antibiose e competição; • Induz a resistência das plantas contra alguns patógenos, promovendo o crescimento e melhorarando a atividade fotossintética.
  6. 6. MATERIAL E MÉTODOS  Material fúngico • Isolado Pythium myriotylum (P60), isolado em 2005 a partir das raízes de taioba apresentando sintomas de podridão de raiz em Ekona (sudoeste Camarões), preservaqdo coleção micológica da Biotecnologia Laboratório do Centro Regional Ekona de Pesquisa Agropecuária. • Quatro cepas de Trichoderma asperellum utilizados: PR10 (GJS 02-65 ) , PR11 ( GJS 02-64 ) , PR12 ( GJS 02-66 ) e 659-7 (GJS 02-63), provenientes do Laboratório Regional do IRAD para Controle Biológico e de Microbiologia Aplicada, originado a partir de amostras de solo de campos agrícolas.
  7. 7.  Testes de antagonismo in vitro • Utilizado protocolo descrito por Benhamou e Chet (1997), ligeiramente modificado; • Cepas de T. asperellum e P. myriotylum foram cultivadas separadamente em agar de dextrose de batata (PDA) durante cinco dias; • Discos de agar de 3 mm de diâmetro contendo as cepas (1 disco de Trichoderma e 1 disco de Pythium), foram colocados em placa de Petri contendo 15 ml de PDA, equidistante 80 milímetros uma da outra; • Cinco placas foram utilizadas para cada confronto (P. myriotylum e T. asperellum) e três repetições para os controles;
  8. 8. • Placas de Petri foram incubadas durante seis dias; • A capacidade de estirpes de T. asperellum reduzir a expansão de P. myriotylum foi avaliada determinando quando a primeira zona de inibição podia ser observada; • A ação de concorrência de P. myriotylum por T. asperellum, foram avaliadas sob o ponto de contato entre as duas linhagens na placa. • A atividade das estirpes T. asperellum avaliada usando o método de placa de pré-colonizada: Três placas idênticas, pré- colonizados com P. myriotylum, foram inoculados com uma faixa de meio BDA (1 x 6 centímetros) colonizada por um dos quatro isolados de T. asperellum.
  9. 9. • Foram observados diariamente para verificar se houve crescimento do Trichoderma inoculado, sendo medido como descrito por Krauss et al (1998); • Depois de três dias de incubação, o nível de micoparasitismo e a progressão dos micoparasitas foi determinada pela presença ou ausência do crescimento de P. myriotylum indicando sua destruição pelas cepas de T. asperellum. • Toda a experiência foi repetida duas vezes .
  10. 10.  Testes in vivo de antagonismo • O substrato utilizado foi fornecido pela BLERCAR, Ekona , Camarões. • Terra preta (esterilizada duas vezes a 121 ºC durante 15 min.) misturado com perlita na proporção de 4:1 e alterada com 6 g de CaMg (CO3)2 , 320 mg de Ca (NO3)2 e 220 mg KH2PO4/kg. • O substrato foi primeiro incubado a 60 º C para cinco dias em sacos de polietileno e depois alterado com 860 mg de Fertilizantes DCM Ecomix ( 7-7-10 ) por kg de substrato. • Subsequentemente , o inoculo do patógeno foi incorporado no substrato na proporção de 1 ml/g de substrato. Um kg de substrato inoculado foi transferido para vasos de plástico de diâmetro de 15 cm.
  11. 11. • Plantas de uma variedade de taioba branca, altamente suscetíveis à podridão radicular e obtidos por micropropagação (fornecida pela BERCAR) foram utilizadas. • Depois de crescer de seis a oito semanas em uma estufa, estes plantas foram embebidas por 24 horas em suspensão de conídios puros (106 conidios/ml) de cada uma das quatro estirpes de T. asperellum. • Os vasos foram regados a cada três dias com 250 ml de água. • Cada tratamento consistiu de 10 vasos e o experimento foi realizado duas vezes.
  12. 12. • Os efeitos dos tratamentos foram avaliados 30 dias após transplantar observando e quantificar os sintomas da doença que apareceram nas folhas. • A severidade da doença foi caracterizada utilizando a escala de Tambong et al. (1999), que varia a partir de classe 1 e classe 5 da seguinte forma:  1 nenhum sintoma da doença no folha,  2 = início do amarelecimento da folha;  3 = pronunciado total e amarelamento de toda a folha,  4 = início da secagem da folha;  5 = total de dessecação e morte de toda a folha.
  13. 13.  Análises estatísticas • A percentagem de inibição do crescimento de P. myriotylum [I ( % )] por T. asperellum foi calculada pela fórmula: em que C é a média do diâmetro das colónias na presença do antagonista (Cn) ou controle (C0). • Velocidades micoparasitismo em mm/dia foram calculados para cada estirpe utilizando o declive da regressão linear do crescimento curva. A podridão radicular índice de gravidade (SI) foi calculada usando a fórmula: em que Ci representa a classe sintoma e Ni o número de folhas pertencente à classe dos sintomas .
  14. 14. • Usando os dados obtidos, a inibição da doença em percentagem (PI) foi calculada para cada isolado de T. asperellum usando a seguinte fórmula: PI = [(SIc SIt)/SIc] x 100 onde a SIc é o índice de severidade do controle e SIt é o índice de severidade das plantas tratadas com um dos quatro cepas de T. asperellum. Os dados foram analisados, utilizando SAS (Statistical Analysis System , versão 9.1), através do teste comparação de médias de Duncan.
  15. 15. RESULTADOS  Efeito de T. asperellum sobre o crescimento de P. myriotylum in vitro • Os quatro cepas de T. asperellum apresentou atividade antagônica contra P. myriotylum nos testes de confronto direto • O antagonismo resultou na cessação de crescimento de P. myriotylum quando em contato com T. asperellum. • Em comparação com o controle, a inibição percentual era cerca de 66% no sexto dia . • A esporulação denso seguido por um crescimento excessivo de T. asperellum em P. myriotylum foi observada no sexto dia. PLANTAS MEDICINALES, 2014
  16. 16. • As quatro cepas de T. asperellum apresentaram atividade micoparasíticas . •O micoparasitismo necrotrófico foi confirmado pela ausência de crescimento de P. myriotylum no meio de cultura seletivo . • A análise de variância mostrou que houve uma diferença significativa (P<0,05) entre as velocidades dos diferentes micoparasitismo de cepas T. asperellum. • A maior taxa de crescimento foi observado com a estirpe T. asperellum PR11 (10,6 10 mm/dia), seguido por PR10 (10,2 0,04 mm/dia) e PR12 (10,1 0,05 mm/dia).
  17. 17. Figura 1. Antagonismo de Trichoderma asperellum contra Pythium myriotylum após um teste de confronto direto: AeD: Zona de contato entre P. myriotylum e PR10, PR11, PR12 e 659-7, respectivamente; EeG: esporulação densa e crescimento de T. asperellum em P. myriotylum; H: crescimento da P. myriotylum; I: crescimento de T. asperellum .
  18. 18.  Efeito do tratamento das plantas com desenvolvimento de podridão da raiz • Depois de 30 dias de crescimento em vasos , as mudas tiveram , em média, cinco folhas. • Não foi observada diferença significativa no número total cocoyam de folhas entre os tratamentos . • A percentagem de folhas saudáveis ​​(Classe 1) foi maior para PR10 , PR11 , PR12 e 659-7 tratamentos, quando comparado com o controle. • A porcentagem de folhas doentes (classe 5) foi mais elevada para o controle, quando comparado com as plantas tratadas com os agentes de controle biológico.
  19. 19. • As cepas PR11 e PR10 de T. asperellum, com índices de severidade médios de 1,58 e 1,67, respectivamente, apresentou maior redução na severidade da infecção. • A estirpe PR11 e PR10 reduziram a severidade da doença por mais de 50% , com a maior porcentagem de inibição foram obtidos para a estirpe PR11 (56,7 %). • As estirpes PR12 e 659-7 de T. asperellum foram menos eficazes, com porcentagens de inibição de 31,0 e 43,6% , respectivamente .
  20. 20. Tabela 1. Efeitos de tratamentos de plantas com cepas de Trichoderma asperellum sobre a podridão da raiz de taioba. Nota: Os valores na coluna com letras diferentes são significativamente diferentes (P <0,05) de acordo com testede Duncan de comparação de médias. aNL - Número médio NL de folhas por planta. b Índice de Severidade - SI. c Os dados apresentados a percentagem de folhas por classes: C1 - sem sintomas de doença; C2 - sintomas começando amarelecimento; C3 - folhas com total sintomas amarelados; C4 - folhas com início de secagem e C5 - deixa totalmente desidratado e morto.
  21. 21. DISCUSSÃO • A caracterização do potencial antagônico de T. asperellum contra P. myriotylum é o primeiro passo para avaliar a capacidade de biocontrole desses agentes. • Todas as cepas de T. asperellum foram antagonistas P. myriotylum e mostra ser micoparasitas agressivos . • A análise do desenvolvimento do confronto mostrou o inibição do crescimento de P. myriotylum pouco depois de entrar em contato com as cepas de T. asperellum. •A idéia de que micoparasitismo é uma das principais formas de Trichoderma controlar patógenos e é suportado por estudos anteriores como de John et al (2010), Hibar et al. (2005) e Tondje et al. (2007).
  22. 22. • Os testes in vivo mostraram que as quatro cepas de T. asperellum reduziu a gravidade de podridão radicular da taioba, com as cepas mais eficientes sendo PR11 e PR10, modo semelhante , um estudo realizado por John et al (2010). • Este teste mostrou uma evolução direta das cepas de T. asperellum em detrimento a P. myriotylum, assemelhando-se aos resultados obtidos por Tondje et al. (2007). • É necessário realizar ais ensaios de campo, a fim de determinar a capacidade destas estirpes para proteger as plantas de taioba contra a podridão radicular sob naturais condições, pois não basta o antagonista ser um potente agente de controle in vitro. É preciso conhecer os fatores ecológicos que podem afetar o desempenho.
  23. 23. References Adiobo, A., 2006. Biological control of cocoyam (X. sagittifolium (L.) Schott) root rot disease caused by Pythium myriotylum Dreschl.: importance of soil organic matter content. Faculty of Bioscience Engineering, Ghent University, Belgium. Ph.D. Thesis, 181 pp. Aerts, R., De Schutter, B., Rombouts, L., 2002. Suppression of Pythium spp. by Trichoderma spp. during germination of tomato seeds in soilless growing media. Meded. Rijksuniv. Gent Fak. Landbouwkd. Toegep. Biol. Wet. 67, 343e351. Affokpon, A., Coyne, D.L., Htay, C.C., Agbèdè, R.D., Lawouin, L., Coosemans, J., 2011. Biocontrol potential of native Trichoderma isolates against root-knot nematodes in West African vegetable production systems. Soil Biol. Biochem. 43, 600e608. Begoude, B.A.D., Lahlali, R., Friel, D., Tondje, P.R., Jijakli, M.H., 2007. Response surface methodology study of the combined effects of temperature, pH, and aw on the growth rate of Trichoderma asperellum. J. Appl. Microbiol. 103, 845e854. Benhamou, N., Chet, I., 1997. Cellular and molecular mechanisms involved in the interaction between Trichoderma harzianum and Pythium ultimum. J. Appl. Environ. Microbiol. 63, 2095e2099. Deberdt, P., Mfegue, C.V., Tondjé, P.R., Bon, M.C., Cucamp, M., Hurard, C., Begoude, B.A.D., Ndoume-Nkeng, M., Helbar, P.K., Cilas, C., 2008. Impact of environmental factors. Fungicides and biological control on cocoa pod on cocoa pod production dynamics and black pod diseases (Phytophthora megakarya) in Cameroon. Biol. Contr. 44, 149e159. Elad, Y., 2000. Biological control of foliar pathogens by means of Trichoderma harzianum and potential modes of action. Crop Prot. 19, 709e714. FAO, 2009. Internet Resource. FAOSTATeagriculture. http://faostat.fao.org/site/339/
  24. 24. • Hannada, R.E., Pomella, A.W.V., Soberanis, W., Loguercio, L.L., Pereira, J.O., 2009. Biocontrol potential of Trichoderma martiale against the black-pod disease (Phytophthora palmivora) of cacao. Biol. Contr. 50, 143e149. Hebbar, K.P., Lumsden, R.D., 1999. Formulation and fermentation of biocontrol agents of cocoa fungal pathogens: example of Trichoderma species. In: Krauss, U., Hebbar, K.P. (Eds.), Research Methodology in Biocontrol of Plant Diseases with Special Reference to Fungal Disease of Cocoa. CATIE, Costa Rica, pp. 63e68. Hibar, K., Daami-Remadi, M., Khiareddine, H., El Mahjoub, M., 2005. Effet inhibiteur in vitro et in vivo du Trichoderma harzianum sur Fusarium oxysporum f. sp. radicis-lycopersici. Biotechnol. Agron. Soc. Environ. 9 (3), 163e171. Holmes, K.A., Schroers, H.J., Thomas, S.E., Evans, H.C., Samuels, G.J., 2004. Taxonomy and biocontrol potential of a new species of Trichoderma from the Amazon basin of South America. Mycol. Progr. 33, 199e210. Jaklitsch, W.M., 2009. European species of Hypocrea. Part I. The green-spored species. Stud. Mycol. 63, 1e91. John, R.P., Tyagi, R.D., Prévost, D., Satinder, K.B., Pouleur, S., Surampalli, R.Y., 2010. Mycoparasitic Trichoderma viride as a biocontrol agent against Fusarium oxysporum f. sp. adzuki and Pythium arrhenomanes and as a growth promoter of soybean. Crop Prot. 29, 1452e1459.
  25. 25. Le, H.T., Black, L.L., Sikora, R.A., 2003. Evaluation of Trichoderma spp. for biocontrol of tomato sudden caused by Pythium aphanidermatum following flooding in tropical hot season. Commun. Agric. Appl. Biol. Sci. 68, 463e474. Muthukumar, A., Eswaran, A., Nakkeeran, S., Sangeetha, G., 2010. Efficacy of plant extracts and biocontrol agents against Pythium aphanidermatum inciting chilli damping-off. Crop Prot. 29, 1083e1088. Nzietchueng, S., 1983. La pourriture racinaire du macabo (Xanthosoma sagittifolium) au Cameroun: symptomatologie et étiologie de la maladie. Agron. Trop. 38, 321e325. Rosa, R.D., Herrera, C.J.L., 2009. Evaluation of Trichoderma spp. as biocontrol agents against avocado white root rot. Biol. Contr. 51, 66e71. Samuels, G.J., 2006. Trichoderma: systematics, the sexual state, and ecology. Phytopathology 96, 195e206. Samuels, G.J., Ismaiel, A., Bon, M.C., De Respinis, S., Petrini, O., 2010. Trichoderma asperellum sensu lato consists of two cryptic species. Mycologia 102, 944e966. Sant, D., Casanova, E., Segarra, G., Avilés, M., Reis, M., Trillas, M.I., 2010. Effect of Trichoderma asperellum strain T34 on Fusarium wilt and water usage in carnation grown on compost-based growth medium. Biol. Contr. 53, 291e296. Shoresh, M., Mastouri, F., Harman, G.E., 2010. Induced systemic resistance and plant responses to fungal biocontrol agents. Annu. Rev. Phytopathol. 48, 21e43. Tambong, J.T., Höfte, M., 2001. Phenazines are involved in biocontrol of Pythium myriotylum on cocoyam by Pseudomonas aeruginosa PNA1. Eur. J. Plant Pathol. 107, 511e521.

×