Seminários em Fitopatologia II - Sérgio Alves Barbosa Neto

1.543 visualizações

Publicada em

Nyczepir, A. P., Kluepfel, D. A., Waldrop, V., and Wechter, W. P. 2012. Soil solarization and biological control for managing Mesocriconema xenoplax and short life in a newly established peach orchard. Plant Dis. 96:1309-1314.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
928
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminários em Fitopatologia II - Sérgio Alves Barbosa Neto

  1. 1. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Goiano Curso de Agronomia Disciplina de Fitopatologia I I Solarização e o controle biológico para o Manejo Mesocriconema xenoplax e vida breve em um pêssego recém-criado. Apresentador: Sérgio Alves Barbosa Neto NYCZEPIR, A. P., KLUEPFEL, D. A., WALDROP, V., E WECHTER, W. P. 2012. Soil solarization and biological control for managing Mesocriconema xenoplaxand short life in a newly established peach orchard. Plant Dis. 96:1309-1314. 1
  2. 2. 2
  3. 3. Introdução •Pessêgo; •Mesocriconemaxenoplax; •Pseudomonasspp. •Solarização. Objetivos •Controle de mesocriconemaxenoplax. Materiais e MétodosResultados e DiscussõesConclusão 3
  4. 4. Pêssego Tempo de vida produtiva; Características; Características quanto ao interesse econômico. 4
  5. 5. Mesocriconemaxenoplax Fitonematoide; Ciclo de vida; Reprodução; Hospedeiros. 5
  6. 6. Pseudomonasspp. Bactéria; Característicasgerais. 6
  7. 7. Solarização O que é ? Como se aplica ? 7
  8. 8. Objetivo OobjetivodestetrabalhofoiavaliaraeficiênciadeumcoqueteldecepasdePseudomonasspp.,isoladamenteouemcombinaçãocomsolarizaçãodosolooudotrigo, parasuprimirpopulaçõesdeMesocriconemaxenoplaxparaauxiliarnasaúdedaárvoreduranteoestabelecimentodeumpomardepessegueiros. 8
  9. 9. Materiais e Métodos Bactéria: CincocepasdePseudomonasspp.previamentedemonstradoparasuprimirM.xenoplaxmultiplicado,queforamavaliadoscoletivamenteemcondiçõesdecamponesteestudo; Sendoumadessas5cepas,Pseudomonassp.BG33R(Istoé, resistenteàrifampicinaeconhecidopormatarM.xenoplaxnafasedeovos). 9
  10. 10. Nematóides: OsnemátoidesMesocriconemaxenoplaxforamextraídosapartirde100cmrepartidosem3sub-amostrasdesolocomumelutrituradorsemiautomáticoeflotaçãocentrífuga,econtadas. Pêssego: TodasasparcelasdenematóidesforamplantadasparapessegueiroDixi-landeNemaguardondesuasraízesforamplantadasemumespaçamentode1,5por6,1memmarçode2005.Cadaparcelateveoitoárvores,asduasparcelasexterioresserviucomofronteirasparaasseisárvoresdocentrocomoaunidadeexperimental. 10
  11. 11. Tratamento do solo utilizado para a plantação: foramplantadospessegueiroscom9tratamentos,naseguinteordem:MBrfumigação,não-solarizadoesozinho,não- solarizadocomtrigo,solarizadocomsolosozinho,solarizadocomtrigo,bactériasesolarizado,bactériasesolarizadocomtrigo,bacteriasesolonãosolarizado,ebacteriasesolonãosolarizadocomtrigo. 11
  12. 12. Métodos utilizados: Árvoresplantadasemtodasasparcelastratadasforamcolocadaspelaprimeiravezemumbaldede18,9litros(ouseja,seisárvoresporbalde)contendocercade10,8litrosdeumcombinadodesuspensãobacterianadoscincoPseudomonasspp. (ouseja,cocktail).Asraízesdasárvoresestavamsubmersosnocoqueteldebactériasdurantecercade30minutosantesdaplantação. Cadacovadeplantiotambémrecebeucercade1,8litrosdasoluçãodecoquetel,obtidoapartirdobalde,antescobrindoasraízesdaárvorecomosolo. 12
  13. 13. Métodos utilizados: Noexperimentofoiutilizadoumequipamentodeirrigaçãocomuminjetordeprodutoquímico,ondeasarvoresdepessegueiroreceberamomesmovolumedeáguadiariamenteeforaminoculadosasbactériasdepseudomonasspp.Incorporadasnaáguanomomentodairrigação. 13
  14. 14. Resultados e Discussões Temperatura máxima do solo atingida; Temperatura do solo em que ocorre a mortalidade dos nematóides. 14
  15. 15. 15
  16. 16. AdensidademédiadapopulaçãoM.xenoplaxantesdasolarizaçãodosoloetratamentoMBrparaseisrepetiçõesfoide60±/100centímetrosdosoloemJunho2004. Resultado de algumas parcelas: Solarizado; Não solarizado; MBr; Solarizadosozinho; Não solarizadosozinho; 16
  17. 17. Morte dos pessegueiros por PTSL: Não solarizado; Não solarizadocom bacteria; Não solarizadocom trigo; OlocaldopomarexperimentaltemumahistóriaconhecidadePTSL,ondeforamreplantadasmudasdepêssegoquatrovezesaolongodosúltimos40anos.TemsidorelatadoqueodesenvolvimentoédependentedePTSLcumulativoexposiçãodeárvoresdecrescentesdepopulaçõesdeM.xenoplax. 17
  18. 18. Conclusões Conclui-sequeasolarizaçãosozinhadosoloteveumefeitomaissignificativosobreonematoideMesocriconemaxenoplax, sendoqueantesdaplantaçãoasolarizaçãofoiumaboaaplicação,poisosoloteveumlongotempodesupressãodonematoide,easobrevivênciadaspopulaçõesemcimadePTSL,depoisde6anos,foiutilizadootratamentosolarizadocomtrigo. 18
  19. 19. Economicamente, a solarização sozinho, em termos de custo, parece ser mais eficaz sendo aproximadamente US $500/ha. Em comparação com o tratamento MBrque foi cerca de US $2,5 mil Dólares/ha. 19
  20. 20. Referências 20
  21. 21. 21
  22. 22. 22
  23. 23. 23
  24. 24. 24

×