Plano de trabalho Natanael Marcos Lemes

1.297 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
615
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano de trabalho Natanael Marcos Lemes

  1. 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO - CAMPUS URUTAÍ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO GERÊNCIA DE PESQUISA Rodovia Geraldo da Silva Nascimento, km 2,5, Urutaí-GO Telefone: (64) 3465-1974– E-mail: pibic.urt@ifgoiano.edu.br Plano de Trabalho do Estudante (Edital 02-2012 ICJ/DPPG/IF Goiano – Câmpus Urutaí)Título do Plano de Trabalho: ATIVIDADE Azospirillum basilense APLICADO DIFERENTESESTÁDIOS FENOLÓGICOS DE SOJA NA PROMOÇÃO DO CRESCIMENTO E CONTROLE DEDOENÇAS NA CULTURA DA SOJA.Título do Projeto do Orientador: CONTROLE DE DOENÇAS E PROMOÇÃO DE CRESCIMENTODE Azospirillum basilense NA CULTURA DO MILHO, SOJA E Brachiaria brizantha.Nome do Estudante: Natanael Marcos Lemes Urutaí, 18 de novembro de 2012.
  2. 2. 1. INTRODUÇÃO O explosivo crescimento da produção de soja no Brasil, de quase 260 vezes no transcorrer deapenas quatro décadas, determinou uma cadeia de mudanças sem precedentes na história do País.Foi a soja, inicialmente auxiliada pelo trigo, a grande responsável pelo surgimento da agriculturacomercial no Brasil. Também, ela apoiou ou foi a grande responsável pela aceleração damecanização das lavouras brasileiras, pela modernização do sistema de transportes, pela expansãoda fronteira agrícola, pela profissionalização e pelo incremento do comércio internacional, pelamodificação e pelo enriquecimento da dieta alimentar dos brasileiros, pela aceleração daurbanização do País, pela interiorização da população brasileira (excessivamente concentrada nosul, sudeste e litoral do Norte e Nordeste), pela tecnificação de outras culturas (destacadamente a domilho), bem como impulsionou e interiorizou a agro-indústria nacional, patrocinando a expansão daavicultura e da suinocultura brasileiras (CNPSO, 2012) Fertilizantes nitrogenados utilizados em plantas não-leguminosas, constituem um dos mais altoscustos da agricultura. Um dos objetivos para agricultura sustentável é o aproveitamento eficiente doN atmosférico (GRAHAM & VANCE, 2000). Dentre os sistemas biológicos capazes de aproveitar o Ndiretamente da atmosfera, a simbiose rizóbio-leguminosas tornou-se o sistema mais especializado,sendo responsável por 22 % de todo o N incorporado ao ecossistema terrestre (PEOPLES et al.,1995), além do uso de outras bactérias diazotróficas (BRASIL et al., 2005). No Brasil, salienta-se aimportância econômica e ecológica da fixação biológica do N2 como exemplo da soja, que dispensatotalmente a adubação nitrogenada sem causar perda de produtividade. O pioneirismo de DÖBEREINER & DAY (1976) utilizando meio de cultivo semi-sólidodesmonstrou a condição ideal para o crescimento de diazotróficos dependentes da fixação biológicado N2 da atmosfera, esse método tem sido empregado extensivamente no isolamento ecaracterização de microrganismos fixadores associados a diferentes plantas e condições de clima esolo. Observou-se que tais diazotróficos ocupam preferencialmente sítios onde a concentração de O2é limitada. Essa descoberta revolucionou e ampliou as pesquisas sobre todos os aspectos da fixaçãobiológica do N2 nas associações entre diazotróficos e não-leguminosas, chamadas comumente desimbiose associativa ou fixação de N2 associativa (BALDANI et al., 1997). As bactérias diazotróficas pertencentes aos gêneros Azospirillum sp., Herbaspirillum sp. eBurkholderia sp., dentre outras, são as responsáveis pela entrada de N nos agroecossistemas. Brasil et al. (2005) Identificaram em amostras de solo do Pantanal mato-grossense Azospirillumbrasilense, A. lipoferum, A. amazonense, Herbaspirillum spp., Burkholderia spp. em amostras desolo, raízes e folhas das três espécies forrageiras. As populações dessas bactérias foram menores Página 2
  3. 3. na época da cheia em comparação com a época da seca. A diversidade genética das bactériasisoladas foi avaliada por meio da técnica de análise de restrição do DNA ribossomal amplificado(ARDRA). Os isolados foram divididos em cinco grupos genotípicos distintos. Os isolados de A.brasilense e A. lipoferum apresentaram cerca de 50 % de similaridade, enquanto, A. amazonenseformou um grupo a parte, com apenas 25 % de similaridade em relação ao grupo das espécies dogênero. As bactérias do gênero Herbaspirillum formaram um grupo isolado com apenas 25 % desimilaridade em relação ao gênero Azospirillum. O quinto grupo foi formado por apenas um isoladocom 25 % de similaridade em relação aos demais (BRASIL et al., 2005).2. OBJETIVOS DO PLANO DE TRABALHO O objetivo deste plano de trabalho é analisar a atividade Azospirillum basilense em diferentesestádios fenológicos de soja na promoção do crescimento e controle de doenças na cultura da soja.3. METODOLOGIA O experimento será realizado em delineamento blocos casualizados, sendo constituídos de setetratamentos, seis blocos, 72 plantas de soja por bloco. Cada parcela apresentará as dimensões de2x5 m, com área de 10 m2 por parcela, espaçamento de entre linhas que será utilizado será de 0,5m, serão desprezados 0,5 m das extremidades das duas linhas centrais, totalizando uma área útil de4 m2. As avaliações serão realizadas nas duas linhas centrais. O número total de plantas por linhaserá de 72 plantas, totalizando 144 plantas por parcela. O produto a ser testado tem denominação comercial AZOS (Azospirillum basilense). Os setetratamentos correspondem: 1) testemunhas sem aplicação de AZOS, 2) aplicação de 0,5 L/ha deAZOS no estádio V2, 3) aplicação de 0,5 L/ha de AZOS no estádio V5, 4) aplicação de 0,5 L/ha deAZOS no estádio V10, 5) aplicação de 0,5 L/ha de AZOS no estádio R1, 6) aplicação de 0,5 L/ha deAZOS no estádio R3, 7) aplicação de 0,5 L/ha de AZOS no estádio R5.1. A identificação do estádio fenológico para aplicação das dosagens de AZOS seguirá a EscalaFenológica de Fehr & Caviness (1977), elaborada para identificação dos estádios dedesenvolvimento da cultura da soja. Após 10 dias após a aplicação ao último tratamento de AZOS osparâmetros de produção a serem avaliados serão: massa fresca de raiz e caule e da parte aérea,além da avaliação do diâmetro do caule, número de internódios, número de vagens por nó,quantidade de vagens por planta e produtividade final, comprimento da planta, numero de nódulosradiculares. Os parâmetros de incidência de doença serão monitorados de sete em sete dias eavaliado a severidade aos 10 dias da doença mais incidente nos tratamentos. Dos parâmetros de produção serão avaliados o peso e 1000 sementes, comprimento de Página 3
  4. 4. internós, altura de planta (cm), diâmetro do colmo (cm), massa fresca de raiz (g), massa seca de raiz(g). Dos parâmetros de sanidade serão avaliados após 50 dias a incidência e severidade da doença(porcentagem de área lesionada) com intervalos intermitentes de sete dias. Serão relacionados aincidência da doença com o estádio fenológico.4. RESULTADOS E IMPACTOS ESPERADOS Espera-se através desse projeto identificar qual estádio fenológico a cultura do da sojaresponda em acréscimos de rendimento com a inoculação de AZO, bem como, sua correção com aredução de doenças na cultura da soja. Página 4
  5. 5. 5. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ANO 2012 ANO 2013 ANO 2014 Atividade NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JANAnálise físico-química do solo Xe microbiológicaPlantio e instalação dos XexperimentosAplicação de AZO X X XAvaliação de parâmetros x x x x xprodutivosAvaliação de parâmetros x x x x xsanitáriosAnálise dos dados x x x xInterpretação dos resultados x x x x x xRedação do relatório técnico x x x x x x xApresentação dos dados no xcongress de IC eespecializado Página 5 de 6
  6. 6. 6. REFERÊNCIAS BALDANI, J.I.; CARUSO, L.; BALDANI, V.L.D.; GOI, R.S. & DÖBEREINER, J. Recentadvances in BNF with non legumes plants. Soil Biol. Biochem., 29:922-928, 1997. BRASIL, M.R., BALDANI, J.I., BALDANI, V.L.D. Ocorrência e diversidade de bactériasdiazotróficas associadas a gramíneas forrageiras do pantanal Sul mato-grossense. RevistaBrasileira Ciência do Solo, 29:179-190, 2005.CNPSO Tecnologias de Produção de Soja Região Central do Brasil 2004. Disponível em:<http://www.cnpso.embrapa.br/producaosoja/SojanoBrasil.htm >, acessado em novembro de2012. DÖBEREINER, J. & DAY, J.M. Associative symbiosis in tropical grasses: Characterization ofmicroorganism and nitrogen-fixing sites.Washington, 1976, Proceedings. First internationalsymposium on nitrogen fixation, (ed.) Newton, p.518-538. 1976. GRAHAM, P.H. & VANCE C.P. Nitrogen fixation in perspective: an overview of research andextension needs. Field Crops Res., 65:93-106, 2000. PEOPLES, M.B.; HERRIDGE, D.F. & LADHA, J.K. Biological nitrogen fixation: an efficientsource of nitrogen for sustainable agricultural prodution. Plant Soils, 174:23-28, 1995.Urutaí, 19 de novembro de 2012. ___________________________________________ Milton Luiz da Paz Lima Assinatura do Orientador ___________________________________________ Natanael Marcos Lemes Assinatura do Estudante Página 6

×