Plano de trabalho Luis Gustavo Sousa Assis

1.889 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.889
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
606
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano de trabalho Luis Gustavo Sousa Assis

  1. 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO - CAMPUS URUTAÍ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO GERÊNCIA DE PESQUISA Rodovia Geraldo da Silva Nascimento, km 2,5, Urutaí-GO Telefone: (64) 3465-1974– E-mail: pibic.urt@ifgoiano.edu.br Plano de Trabalho do Estudante (Edital 02-2012 ICJ/DPPG/IF Goiano – Câmpus Urutaí)Título do Plano de Trabalho: ATIVIDADE Azospirillum basilense E DOSAGENS DENITROGÊNIO NA PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E CONTROLE DE DOENÇAS DA CULTURADO MILHOTítulo do Projeto do Orientador: CONTROLE DE DOENÇAS E PROMOÇÃO DE CRESCIMENTODE Azospirillum basilense NA CULTURA DO MILHO, SOJA E Brachiaria brizantha.Nome do Estudante: Luis Gustavo Sousa Assis Urutaí, 18 de novembro de 2012
  2. 2. 1. INTRODUÇÃO A cultura do milho (Zea mays) ocupou, em 2006, uma área em torno de 12,9 milhões dehectares, responsável por uma produção de cerca de 41,3 milhões de toneladas de grãos,apresentando um rendimento médio de 3.198 kg.ha-1 (3.298 kg.ha-1 na safra e 2.907 kg.ha-1 nasafrinha), de acordo com a Conab. Mesmo considerando o rendimento dos estados da regiãoCentro-Sul, que foi de 3.893 kg.ha-1, esse rendimento é muito inferior ao que poderia ser obtido,levando-se em consideração o potencial produtivo da cultura, que é demonstrado que a cultura domilho aumenta sua rentabilidade e sua vantagem comparativa com outras culturas quando suaprodutividade é aumentada (EMBRAPA, 2012). A bactéria do gênero Azospirillum sp. (α-subclasse da Proteobacteria) são conhecidas por muitosanos como rizobactérias promotoras de crescimento denominadas pela sigla de PGPR (OKON,1994; OKON e VANDERLEYDEN, 1997). Estas bactéria são isoladas da rizosfera de muitosgramados e plantios de cereais pelo mundo, tanto em ecossistemas tropicais como em ecossistemastemperados (PATRIQUIN et al., 1983). Em experimentos tanto de casa de vegetação como decampo Azospirillum sp. tem mostrado satisfatórios resultados no crescimento e rendimentos dasculturas (OKON e LABANDERA-GONZALEZ, 1994) Até o presente cinco espécies foram descritas: Azospirillum lipoferum, Azospirillum brasilense(TARRAND et al., 1978), Azospirillum amazonense (MAGALHÃES et al., 1983), Azospirillumhalopraefe-rens (REINHOLD et al., 1987) e Azospirillum irakense (KHAMMAS et al., 1989). A rizobactéria Azospirillum representa o melhor gênero de microrganismo promotor decrescimento. Outras dizotróficas de vida livre são detectadas em associação com raízes de plantascomo Acetobacter diazotrophicus, Herbaspirillum seropedicae, Azoarcus spp. e Azotobacter sp. Quatro aspectos que que envolvem a interação de Azospirillum spp. em raízes de plantas como:habitat natural, interação com raízes de plantas, fixação de nitrogênio e biossíntese de hormôniosreguladores de crescimento. Azospirillum são rizobactérias predominantemente colonizadores desuperfícies, contudo A. diazotrophicus, H. seropedica e Azoarcus sp. que são rizobactériasendofíticas. O agregamento de Azospirillum spp. em células das raizes de plantas ocorrem em duasetapas, inicialmente o flagelo polar que produz a flagelina, mostra ser uma glicoproteina que media aadsorção. Este polissacarídeo de superfície encontra-se ainda não identificado, contudo é essencialpara esta etapa de ancoragem. Para Azoarcus sp. o processo de agregamento é mediado por um pilitipo IV. Os genes de fixação de nitrogênio (nif) são altamente conservados entre todas as bactériasfixadoras de nitrogênio, e todas as espécies diazotróficas pertencem a classe das proteobactériasexaminadas, e o ativador transcripcional NifA que é requerido para a expressão de outros nif genes é Página 2
  3. 3. responsável de dois genes maiores sinalizadores ambientais (oxigênio e fixação de N)(STEENHOUDT e VANDERLEYDEN, 2012). .2. OBJETIVOS DO PLANO DE TRABALHOO objetivo deste plano de trabalho é avaliar a atividade Azospirillum sp. mediante diferentesdosagens de nitrogênio na promoção de crescimento e controle de doenças da cultura do milho.3. METODOLOGIA Na área da Fazenda Palmital (Urutaí, GO) sob condições de Pivô Central (17o29’31” S e48º12’31”O) numa área de aproximadamente 1200 m2 o experimento será instalado na safra agrícola2012-2013. O solo será manejado sob condições de cultivo convencional, sendo utilizada umaoperação de escarificação, uma niveladora e uma sulcadora (espaçamento 0,5 m). A adubação de Pe K será feito a lanço (as adubações nitrogenadas serão distribuídas de acordo com os tratamentos).A cultivar transgênica de milho que será utilizada será 30F53 Pioneer, sendo peletizada cominseticida. Antes da instalação do experimento serão coletadas amostras de solo para análise físico-química e microbiológica antes da instalação do experimento e após a condução do experimento. Esta cultivar tem como principais características, elevado potencial produtivo, precocidade eelevada resposta ao manejo como aumento dos níveis de adubação, redução de espaçamento eaumento da população de plantas dentro dos limites sugeridos para o híbrido. No Centro Alto, CentroBaixo e Safrinha, o Pioneer 30F53 (Fig. 1) é recomendado apenas nas primeiras épocas de plantio,principalmente nas áreas irrigadas. Em regiões de ocorrência de insetos sugadores, que podemprovocar viroses e sintomas de multiespigamento, o seu plantio deve ser evitado e/ou as pragasdeverão ser controladas e monitoradas. Responsivo ao uso de fungicidas (PIONEER, 2012). A concentração de AZOS será de 108 cfu/mL(100 milhões de células bacterianas por mL). No campo o experimento os tratamentos distribuídos de acordo com o Quadro 1. B1 T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 B2 T4 T5 T2 T1 T7 T6 T3 B3 T2 T1 T4 T6 T3 T7 T5 B4 T6 T4 T2 T3 T7 T5 T1 Página 3
  4. 4. B5 T5 T3 T7 T6 T2 T1 T4 B6 T7 T6 T1 T2 T3 T4 T5Quadro 1. Croqui da distribuição dos tratamentos. Página 4
  5. 5. Figura 1. Níveis de tolerância a doenças, herbicidas e análise bromatológica da cultivar de milhoPioneer 30F53 (Fonte: PIONEER, 2012). O experimento estará distribuídos em blocos ao acaso, com sete tratamentos e seisrepetições, totalizando 42 unidades experimentais. Cada parcela apresenta dimensões de 5x6 m,totalizando 30 m2, apresentando cinco linhas experimentais, sendo as três centrais a unidade demedida (excluindo 0,5 m do inici e do fim destas três linhas da parcela). Serão aplicados nomomento do plantio sementes de milho os seguintes tratamentos: 1) Nitrogênio 0 %, 2) Nitrogênio 50%, 3) Nitrogênio 100 %, 4) Nitrogênio 0 % + Azos 500 mL/ha (aplicação em V4), 5) Nitrogênio 50 % +Azos 500 mL/ha (aplicação em V4), 6) Nitrogênio 100 % + Azos 500 mL/ha (aplicação em V4), 7)Masterfix 0,5 L para 100 kg de sementes de milho ( 100 mL/ha-¹), sendo por fim representado por 7tratamentos, quatro repetições, num delineamento em blocos causalizados. O nitrogênio seráaplicado a lanço na parcela. O estádio V4 do milho ocorrerá aproximadamente aos 20 dias após oplantio. Serão avaliados parâmetros de produção e incidência de doenças representados por: a)produção – peso e 1000 sementes, diâmetro do colmo (abaixo da inserção da espiga, cm), altura deplanta (cm), peso de espiga (g), massa fresca de raiz (g), massa seca de raiz (g). Dos parâmetros desanidade serão avaliados após 50 dias a incidência e severidade da doença (porcentagem de árealesionada, %) com intervalos intermitentes de sete dias. A identificação do estádio fenológico para a cultura do milho para estudos de incidência dedoenças obedecerá à escala fenológica de Fancelli (1996). Página 5
  6. 6. 4. RESULTADOS E IMPACTOS ESPERADOS Espera-se através desse experimento determinar a combinação de adubação nitrogenadaassociada com aplicações de Azospirilum que promovam maiores rendimentos, além de verificar otratamento que reduza a incidência de doenças. Espera-se através desse trabalho verificar a eficiência do isolado testado de AZOS com o isoladocomerial para a cultura da soja. Página 6
  7. 7. 5. CRONOGRAMA DE ATIVIDADESEspecificar no quadro as atividades mensais previstas a serem desenvolvidas pelo Estudante, marcando com um “X” no ANO/MÊS correspondente a suaexecução, para que os objetivos possam ser alcançados. Período de Execução: 01/02/2013 a 31/01/2014. ANO 2012 ANO 2013 ANO 2014 Atividade NOV DEZ FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JANAnálise físico-química Xdo solo emicrobiológicaPlantio e instalação Xdos do experimento:Aplicação de AZO XAvaliação de X X X XparâmetrosprodutivosAvaliação de X X X Xparâmetros sanitáriosAnálise dos dados X X XInterpretação dos X X XresultadosRedação do relatório X X X X X X X X X XApresentação dos X X X Xdados no Congressode IC e Especializado Página 7 de 6
  8. 8. 6. REFERÊNCIASEMBRAPA Cultivo do Milho Disponível em :<http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Milho/CultivodoMilho_2ed/index.htm>, acessado em novembro de 2012.KHAMMAS, K.M., AGERON, E., GRIMONT, P.A.D. e KAISER, P. Azospirillum irakense sp.nov., a nitrogen-fixing bacterium associated with rice roots and rhizosphere soil. Res. Microbiol.140, 679-693 1989.MAGALHÃES, F.M., BALDANI, J.I., SOUTO, S.M., KUYKENDALL, J.R. e DOBEREINER, J. Anew acid-tolerant Azospirillum species. An. Acad. Bras. Cienc. 55, 41-429. 1983.OKON, Y. Azospirillum plant associations, pp. 175. CRC Press, Boca Raton, FL. 1994.OKON, Y. e LABANDERA-GONZALEZ, C.A. (1994) Agronomic applications of Azospirillum: anevaluation of 20 years worldwide field inoculation. Soil Biol. Biochem. 26, 1551-1601.OKON, Y. e VANDERLEYDEN, J. Root-associated Azospirillum species can stimulate plants.ASM News 63, 366-370. 1997.PATRIQUIN, D.G., DOBEREINER, J. e JAIN, D.K. Sites and processes of association betweendiazotrophs and grasses. Can. J. Micro-biol. 29, 900-915. 1983.PIONEER Sementes, tecnologia que rende. Disponívelem:http://www.pioneersementes.com.br/ProdutosDetalheMilho.aspx?id=12, acessado emnovembro de 2012.REINHOLD, B., HUREK, T., FENDRIK, I., POT, B., GILLIS, M., KERSTERS, K., THIELEMANS,S. e DE LEY, J. Azospirillum halopraeferens sp. nov., a nitrogen fixing organism associated withroots of Kallar Grass (Leptochloa fusca (L.) Kunth). Int. J. Syst. Bacteriol. 37, 43-511987STEENHOUDT, O., VANDERLEYDEN, J. Azospirillum, a free-living nitrogen-fixing bacteriumclosely associated with grasses: genetic, biochemical and ecological aspects. MicrobiologyReviews 24 487-506 2000.TARRAND, J.J., KRIEG, N.R. e DOBEREINER, J. A taxonomic study of the Spirillum lipoferumgroup, with descriptions of a new genus, Azospirillum gen. nov. and two species, Azospirillumlipoferum (Beijerinck) comb. nov. and Azospirillum brasilense sp. nov.. Can. J. Microbiol. 24,967-980. 1978.Urutaí, 20 de novembro de 2012. ___________________________________________ Milton Luiz da Paz Lima Assinatura do Orientador Página 8
  9. 9. ___________________________________________ Luis Gustavo Sousa Assis Assinatura do Estudante Página 9

×