Apresentação layane h b diniz

293 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação layane h b diniz

  1. 1. Apresentadora : LayaneHyasmin Bernardes Diniz. FUNGICIDA PARA CONTROLE DA MURCHA-de-LAUREL DO ABACATE PLOETZ,R.C.;MARTINEZ,J.M.P.;EVANS,E.A.;INCH,S.A.Towardfungicidalmanagementoflaurelwiltofavocado.PlantDisease,Vol.95No.8.9777-982,2011. Instituto Federal Goiano câmpus Urutaí. Curso de Agronomia Disciplina de Fitopatologia II
  2. 2. 2
  3. 3. INTRODUÇÃO •Xyleborusglabratuséoinsetotransmissordadoença; •RaffaelealauricolaéoagentecausaldadoençaeosimbionteassexualdeX.glabratus; •Abacate(Perseaamericana)éaculturamaisimportantesuscetívelamurchaláurea. •DisseminaçãodadoençaemestadosdosEUAtêmcausadograndepreocupação; •NaFlóridacausaperdasde27a54milhõesdedólarespelaausênciademedidasdecontroledaMurchadeLaurel 3
  4. 4. •Necessáriasmedidaseficazeseeconomicamenteviáveis paraprotegeroabacatedamurchaláurea. •Macroinfusõespermitemainjeçãoeumadistribuiçãouniformedegrandesvolumesdefungicidaemárvores; •Nãoexistemdadossobreaeconomiadousoexperimentaldamacroinfusãoemqualquerculturaalimentar,muitomenosabacate; •Macroinfusãoétrabalhosa,demoradaerequerpessoaltreinado. 4 INTRODUÇÃO
  5. 5. OBJETIVO Oobjetivodestetrabalhofoiavaliararelaçãocusto- benefíciodamacroinfusãoparaproduçãodeabacatecomercialnaFlórida.Alémdisso,avaliaraaçãodeoutrosfungicidasemétodosdeaplicaçãoparaocontroledadoençainvitroeinvivocausadaporR.lauricola. 5
  6. 6. MATERIAL E MÉTODOS Análiseseconômicasdemacroinfusões •Aeconomiadamacroinfusãofoianalisada dentrodoâmbitodatécnicaorçamentoparcial; •Foiusadoparaumpomardeabacate"simbólico"de4,5hacom870árvorescomumdiâmetromédioàalturadopeito(DAP)de50cm; •AsavaliaçõesforamfeitascombasenaeficáciadeAlamopara1,2e3anoseduasestruturasdeaplicaçãodiferentes; 6
  7. 7. Experimentoinvitroenaplanta •ExperiênciasconduzidascomR.lauricolaRL4,recuperadaem2009apartirdeplantasafetadaspelamurchalaureaemabacateironaFlórida,earmazenadosem15%deglicerola-80°C; •Plantasdeabacateenxertadas'Simmonds'(aproximadamente2,5cmdediâmetroe1,5mdealturaemvasosde12litros)foramadquiridosapartirdeumviveirocomercial; •Regadasdiariamenteefertilizadascomosmocote14-14-14livredeimpurezasefertilizadasacadadoismeses. MATERIAL E MÉTODOS 7
  8. 8. InibiçãodocrescimentoinvitrodeR.lauricolaporfungicidas •20fungicidasem15gruposquímicose10gruposdefungicidastestadosnainibiçãodocrescimentodeR.lauricolainvitro. •CrescimentodeR.lauricolaRL4determinadoemextratodemalteágaralteradocomoi.a.dofungicida. •Ostratamentosemblocoscompletamentecasualizado. •Discosdemicéliocolhidosapartirdeculturas. •Ocrescimentodehifasfoimedido. MATERIAL E MÉTODOS 8
  9. 9. •AnálisesdevariânciaforamcalculadoscomoprocedimentoGLMemSAS. •Cálculodaconcentraçãoparaaqualocrescimentofoireduzidoem50%(ED50). •ValoresED50foramusadasparadeterminaratividadefungicidacontraR.lauricola. InibiçãodocrescimentoinvitrodeR.lauricolaporfungicidas MATERIAL E MÉTODOS 9
  10. 10. Experimentoemplantaemcasadevegetação •Amaioriadosprodutosinibidoresforamtestadosinvitroemensaiosdeeficáciadoefeitoemestufacontraadoença; •TiabendazolfoitestadocontraED50; •Salácidodefósforofoitestadonaplanta. MATERIAL E MÉTODOS 10
  11. 11. Experimentoemplantaemcasadevegetação: •Plantastratadasdequatromaneiras: 1.Aplicaçõesde1Ldesuspensõesaquosasdefungicidasnasuperfíciedosolo. 2.Aplicaçõesdesuspensõesfungicidas(100mlcada)pulverizadasemsuperfíciesdetroncosegalhosem2%dePentrabark. 3.AplicaçõesgranularesdePropiconazole. 4.Aplicaçõesdepulverizaçãofoliardosaldeácidodefósforo. MATERIAL E MÉTODOS 11
  12. 12. Experimentoemplantaemcasadevegetação •Depoisde3semanasasplantasforaminoculadascomR. lauricolaRL4. •Estimaçãodagravidadedadoença. MATERIAL E MÉTODOS 12
  13. 13. RESULTADOS Análiseseconômicasdemacroinfusão •Retornospositivos(lucroslíquidosporárvore)nãoforamobservados. 13
  14. 14. Tabela1.CustoestimadoparamacroinfusãodefungicidaAlamo. pCustossãobaseadosemfatoresfixosevariáveis paraumpomarde4,5hacom870árvoresnototal,comumdiâmetromédioàalturadopeito(DAP)de50cm.EstimativascombasenaentradadeM.Winterstein(UnitedStatesDepartmentdoServiçodeAgricultura-dePesquisaAgropecuária,Miami)eT.ProssereJ.Nesser(arco-írisTreecare,St.Paul,MN;http://www.treecarescience.com/).qcustostrabalhistassãobaseadosemumataxadesaláriode15dólaresh-1edonúmerodeárvoresparaqueumadeterminadaatividadepodeserrealizadadentrodeumahora.rRemovergalhosbaixosdasuspensão,medirDAP,edeterminarquantidadedefungicidaparaseraplicado.sRetiradadosoloapartirdeerupçõesderaizesuperfícieslimpas.Processomecanizadoutilizaumcompressordear,ArSPADE2000,egerador.Processomanualutilizaumapáeesfregapincel.tFaçafuros,insiraT,econecteatubulação.uMeçaediluifungicidanaágua,tuboprincipal,epressurizadoesistemademonitoramentoparagarantirquenãohávazamentos.vCustosdosmateriaisqueestãoassociadosamacroinfusãodefungicidamacroinfusion.wAlamo(SyngentaCropProtection,Greensboro,NC).Combasenoscustosdofungicida,umataxadetratamentorecomendadade7,9mlcm-1deDAP,eumaárvorede50cmdediâmetrotípico.xT’ssãoreutilizáveis ,masbrocasdevesersubstituídoacadaquatroárvore.yAssumeumtempodevidaútilde10anosparaocompressordear,ArSPADE2000,egerador.zIncluifuradeiraportátile115-Vkitinfusãomacro. 14
  15. 15. Tabela2.AnálisedarentabilidadeparamacroinfusãodeabacateiroscomfungicidaAlamo. xMecânicaeHomem1,2e3assumem1,2,e3anosdeeficáciaparamacroinfusãodeAlamoconsiderandoosmétodosmecânicosemanuais,respectivamente,paralimpezaderaízesalongadas. ycombasenosrendimentosdeumaárvore,comumdiâmetrode50cmnaalturadopeitoutilizadoemanálisedemicroinfusãoemédiasdemercadorecentes. zcustosfixossãoadicionadosaessestotaisacadaano,independentementedequantotempoAlamoéassumidocomosendoeficaz. RESULTADOS 15
  16. 16. InibiçãodocrescimentoinvitrodeR.lauricolaporfungicidas •TodososprodutosqueforamtestadosafetouocrescimentodeR.lauricolainvitro(regressõeslineares,P<0,01). •Noentanto,menosdametadedosfungicidasreduziramocrescimentodopatógenoempelomenos50%,comingredienteativo0,1mgml-1,queépontodereferênciaparaaatividadeanftifúngicacontraestepatógeno. RESULTADOS 16
  17. 17. wNomesdegrupos,gruposquímicosemododeaçãoouderesistênciasãoencontradosnaLista(4)CódigoFRAC.xOsfungicidasforamtestadosinvitrocomoingredienteativo(ia)a0,001,0,01,0,1,1,e100μgmL-1emagardeextratodemalte(MEA).Regressõeslineares(médiataxadecrescimentoradialdeR.lauricolaemumadadaconcentraçãoi.a./taxamédiadecrescimentoemMEAnãoalteradograficamenteemfunçãodolog10concentraçãofungicida)foramutilizadosparacalcularasconcentraçõesdefungicidas(?gml-1)queforamnecessáriasparainibirocrescimentoem50%(ED50);>100indicaqueumfungicidanãoreduziuocrescimentode,pelomenos50%a100μgml-1.Eficáciaindicaasexperiênciasemqueumdeterminadocompostofoitestadoparaasupressãodemurchaláurea;n.t.=Nãotestado.y=DMIinibidordesmetilação, MBC=metilcarbamatodebenzimidazol,QII=quinonadentroinibidor,QoI=quinonaforainibidoreSDHI=inibidordesuccinatodesidrogenase.zComércio,formulações, efontesdeprodutostestados:Agri-fos:.Agrichem,LiquidFertilizerPtyLtd.,Loganholme,Austrália;Alamo,Arbotect,Daconil,Heritage,RidomileTilt:SyngentaCropProtection,Greensboro,CarolinadoNorte;BAS595,Emerald,Funginex,Insígnia,eEstatura:BASFCorporation,ResearchTrianglePark,NC;Baytan,Bayleton,Compass, prolina,eProstar:BayerEnvironmentalScience,Montvale,NJ;Desarmar:ArystaLifeScienceNorthAmericaCorporation,deCary,NC;Eagle:DowAgroSciencesLLC, Indianapolis,IN;Manzate:EIduPontdeNemoursandCompany,Wilmington,DE;Omega:ISKBiosciencesCorporation,Mentor,OH;Profetiza:OsAndersons,Maumee, OH;Terramaster:UniroyalChemicalCompany,Inc.,umasubsidiáriadeComptonCorporation,Middelbury,CT;Topguard:Cheminova,Inc.,RTP,NC;SCVintage:GowanCompany,Yuma,AZ. Tabela 3.Os fungicidas avaliados para atividade in vitro contra Raffaelea lauricola e eficácia contra murcha laurea em abacate. 17
  18. 18. Experimentoemplantaemcasadevegetação •SeisfungicidasDMIforamtestados(fenarimol,flutriafol, miclobutanil,propiconazole,protioconazole,etriadimenol)etodoseramgeralmentetãoeficazcomopropiconazol. •ApesardasuaelevadainibiçãoinvitrodocrescimentodeR. lauricolaRL4,azoxystrobin,fluazinamepiraclostrobinaforamineficazescontramurchaláurea; RESULTADOS 18
  19. 19. Tabela 4. Efeito em estufa da eficácia de fungicidas contra murcha laurea. wplantas'Simmonds'enxertadaemvasosde12.Diâmetrosdecauledasplantasemmédia2,5cm.Ostratamentosforamrepetidoscincovezes,delineamentoemblocos.Tratamentoscomfungicidasforamimpostastrêssemanasantesdetodos,masasplantasfalsamenteinoculadasforaminoculadascom1x105conídiosdeRaffaelealauricolaR14.xCincosemanasapósainoculação,aseveridadedadoençafoiestimadavisualmenteutilizandoumaescalade1a10.Externamente(Ext),aextensãodacopamurchaenecrosefoiavaliada,einternamente(Int)aextensãodoalburnooudescoloraçãodoxilemacausadapelamurchafoiestimadaapóscascafoiremovidaapartirdasuperfíciedahaste,comumafaca.Gravidadessãomeiodecincorepetições,esãoseparadascomDuncanTestedealcancemúltiplode0,05. yFungicidasparaosdiferentesingredientesativos(ia’s)forampropiconazole:experimento1,Alamo,eexperimentos2e3,Tilt;triadimenol:experimentos1e2, Baytan30;tiabendazol:experimentos1e3,Arbotect20S;eazoxistrobina:experimentos1e3.Fabricanteseconcentraçõesdei.a.paracadaprodutosãoapresentadasnaTabela3.Paracadaplantatratada,asaplicaçõesforamfeitascomosoloúmidoem1litrodeágua,oudeaplicaçõestópicasnacascaem100mldesoluçõesaquosasde2%doPentrabark.ztaxasdefungicidassãogramasdei.a.porcentímetrodediâmetrodocauledeumaplantatratada.Amédiadediâmetrosdecauleforamutilizadosparacalcularastaxas. 19
  20. 20. CONCLUSÕES •Opresenteestudodaanálisedaeconomiacommacroinfusão, indicouquenãopodeserutilizadoeconomicamentenaproduçãocomercialdeabacate; •OsresultadosdesteestudoindicamquearegadosoloedacascacomaplicaçõestópicasdepropiconazoleprotegemárvoresdeabacateàinoculaçãocomR.lauricola,esugeremqueestasmedidaspoderiamserusadas paraaproteçãodemurchalaureaemviveiroscomercialemqueasárvoresdeportesemelhantessãoproduzidos. •Atingirconcentraçõeseficazesnoxilemadequalquerfungicidavaiserclaramenteumdesafionaproteçãodeabacateamurchalaureacommacroinfusõescomomedidasdeaplicação. 20
  21. 21. 1.Alamouti,S.M.,Tsui,C.K.M.,andBreuil,C.2009. Multigenephylogenyoffilamentousambrosiafungiassociatedwithambrosiaandbarkbeetles.Mycol.Res. 113:822-835. 2.Evans,E.A.,Crane,J.H.,Hodges,A.,andOsborne,J.L. 2010.PotentialeconomicimpactoflaurelwiltdiseaseontheFloridaavocadoindustry.HortTechnology20:234-238. 3.FAO.2010.FAOSTATonlinedatabase. http://www.fao.org/default.htm 4.FRAC.2010.FRACCodeList:FungicidesSortedbyModeofAction(includingFRACCodenumbering).Online. http://www.frac.info/frac/publication/anhang/FRAC_Code_List_2010.pdf 5.Fraedrich,S.W.,Harrington,T.C.,Rabaglia,R.J., Ulyshen,M.D.,Mayfield,A.E.,III,Hanula,J.L,Eickwort,J. M.,andMiller,D.R.2008.AfungalsymbiontoftheredbayambrosiabeetlecausesalethalwiltinredbayandotherLauraceaeinthesoutheasternUnitedStates.PlantDis. 92:215-224. 6.Harrington,T.C.1981.CycloheximidesensitivityasataxonomiccharacterinCeratocystis.Mycologia73:1123- 1129. 7.Harrington,T.C.,Fraedrich,S.W.,andAghayeva,D.2008. Raffaelealauricola,anewambrosiabeetlesymbiontandpathogenontheLauraceae. Mycotaxon104:399-404. 8.Hughes,M.,Anderson,C.,Smith,J.A.,andPloetz,R.C. 2010.PopulationgeneticanalysisofRaffaelealauricola:thecausalagentoflaurelwiltinthesoutheasternUnitedStates. XXIIIWorldCongressIUFRO.Seoul,Korea.Int.For.Rev. 12:397. 9.Kay,R.,Edwards,W.,andDuffy,P.2004.FarmManagement.McGrawHill,Boston. LITERATURA CITADA 10.Kim,K.H.,Choi,Y.J.,Seo,S.T.,andShin,H.D.2009. Raffaeleaquercusmongolicaesp.nov.associatedwithPlatypuskoryoensisonoakinKorea.Mycotaxon110:189- 197. 11.Mayfield,A.E.,III,Barnard,E.L.,Smith,J.A.,Bernick, S.C.,Eickwort,J.M.,andDreaden,T.J.2008.Effectofpropiconazoleonlaurelwiltdiseasedevelopmentinredbaytreesandonthepathogeninvitro.Arbor.UrbanFor. 34:317-324. 12.Menge,J.A.,andPloetz,R.C.2003.Diseasesofavocado.Pages35-71in:DiseasesofTropicalFruitCrops. R.C.Ploetz,ed.CABIPublishing. Wallingford,UK. 13.Rabaglia,R.J.,Dole,S.A.,andCognato,A.I.2006. ReviewofAmericanXyleborina(Coleoptera:Curculionidae: Scolytinae)occurringnorthofMexico,withanillustratedkey.Ann.Entomol.Soc.Am.99:1034-1056. 14.Shin,K.,Kim,N.K.,Kim,K.,Lee,S.Y.,andLee,J.K. 2008.Preventiveeffectsoftheselectedfungicidesagainsttheoakwiltdiseasebytrunkinjectionandmacro-infusioninrootflare.Posterpresentation,2008meetingofKoreanSoc. PlantPathol. 15.Stennes,M.A.2000.DutchelmdiseasechemotherapywithArbotect20-SandAlamo.Pages173-188in:TheElms: Breeding,Conservation,andDiseaseManagement.C.E. Dunn,ed.KluwerAcademicPublishers,Boston. 16.Stipes,R.J.2000.ThemanagementofDutchelmdisease.Pages157-172in:TheElms:Breeding, Conservation,andDiseaseManagement.C.E.Dunn,ed. KluwerAcademicPublishers,Boston. 17.Tattar,T.A.2007.Injection,infusion,andsystemicmovementintrees.In:Proc.2ndNatl.OakWiltSymp. Austin,TX.R.F.BillingsandD.N.Appel,eds. 21
  22. 22. layane_hyasmin@hotmail.com 22

×