Estrumate intervet2003

657 visualizações

Publicada em

MSD Finca Productiva Reproduccion

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estrumate intervet2003

  1. 1. Colombia 14/07/2009 Carlos Antônio de Carvalho Fernandes Med. Vet. PhD. cacf@biotran.com.br
  2. 2. Involução uterina em bovinos
  3. 3. Infecção uterina em bovinos Capacidade do útero da vaca: 1 dia após o parto=6 litros – 9kg 30 dias pós-parto=0,2 litros – 0,5kg
  4. 4. ??? Redução de 95% da massa (Cerca de 8-9kg) em 20-25 dias Como isto ocorre? 1 - Via Lóquio (20%) Descamação interna e das carúnculas 2 – Absorção (80%) Semelhante a um processo inflamatório
  5. 5. Retrospectiva
  6. 6. Retrospectiva da utilização de prostaglandinas no pós-parto Iniciou com o tratamento de problemas de parto (desde 1978). Posteriormente verificou-se que os animais tratados, além de melhoria clínica, retornavam a reprodução mais cedo (1987).
  7. 7. * Significativo pelo teste de ‘t’ a 5% de probabilidade Eficiência do tratamento de retenção de placenta com cloridrato de oxitetraciclina associado ou não ao cloprostenol (Fernandes, 1999). Variáveis Oxitetraciclina Oxitetraciclina + Cloprostenol Número de animais 90 90 Infecção 30 dias pós-parto (%) 44,4 42,2 Grau de involução *(1-3) 1,92 2,43 Intervalo parto - 1º estro (dias)* 78,4 54,1 Período de Serviço (dias)* 131,3 111,7 Serviços/concepção 2,41 2,03
  8. 8. Retrospectiva da utilização de prostaglandinas no pós-parto Iniciou com o tratamento de problemas de parto (desde 1978). Posteriormente verificou-se que os animais tratados, além de melhoria clínica, retornavam a reprodução mais cedo (1987). Relação entre involução uterina e reinicio da atividade ovariana (1993). Utilização em animais sem problemas de parto (2002)
  9. 9. Efeitos do Ciosin pós-parto em diferentes estudos científicos, em relação ao grupo controle Autor Nº de fêmeas Redução no IP (dias) Raça Fernandes, 2002 217 32,0 Holandês Zanchet,2004 159 38,7 Holandês Zanchet,2004 227 32,5 Jersey Fernandes,2004 190 17,3 Nelore (primíparas) Fernandes,2004 295 12,2 Nelore (multíparas) Fernandes,2006 320 14,7 Vacas mestiças Silveira 2008 78 12,3 Bufalos
  10. 10. Involução uterinaO processo de absorção depende de um mecanismo semelhante a inflação. Os mediadores químicos envolvidos também são semelhantes Os derivados do ácido araquidônico, principalmente as prostaglandinas estão entre as mais importantes Cuidado com os Anti-inflamatórios
  11. 11. Tamanho do útero e velocidade de involução de acordo com os dia após o parto Mais da metade da involução ocorre na 1ª semana Maio produção de PGF e substâncias relacionadas Maior o número de RECEPTORES para PGF e análogos 1 5 10 15 20 25 30 Tamanho do útero Dias Pós-parto
  12. 12. Grupo Esquema de tratamento Controle Aplicação de 2 ml soro fisiológico dose única, via intramuscular, até dois dias pós-parto Grupo 2 Aplicação de 0,530 mg de cloprostenol (Ciosin - Coopers Brasil) dose única, via intramuscular, até 2 dias pós-parto. Grupo 3 Aplicação de 0,530 mg de cloprostenol (Ciosin- Coopers Brasil) via intramuscular, até 2 dias pós-parto e outra aplicação 3 a 5 dias após a primeira Efeito do cloprostenol sódico no pós-parto de vacas leiteiras e retorno á atividade reprodutiva (Fernandes et al, 2002ab) Esquema de tratamento dos animais após o parto
  13. 13. Grau médio de involução uterina, mesurada por palpação retal 30 dias após parto, nos diferentes grupos (Fernandes et al. 2002) Escala Involução 1 – Possibilidade de palpação apenas do início dos cornos uterinos 2 – Possibilidade de palpação de mais da metade do útero na cavidade abdominal 3 -Mais da metade da massa uterina na pelve.
  14. 14. Incidência média de infecção uterina pós- puerperal em vacas leiteiras recebendo ou não cloprostenol sódico no pós-parto (Fernandes et al. 2002) Efeito da PGF 1 – Mecânico – Redução do volume e expulsão do material 2 – Efeito direto da PGF na ativação das células de defesa uterina
  15. 15. Número de serviços por concepção de vacas recebendo ou não cloprostenol sódico após o parto (Fernandes et al. 2002)
  16. 16. Performance reprodutiva de vacas recebendo ou não cloprostenol sódico após o parto (Fernandes et al. 2002)
  17. 17. Novas resultados Comprovação do período ideal para aplicação Dose e frequencia de aplicação
  18. 18. Camargos e Fernandes (2009). Dados não publicados!!!
  19. 19. Esquema de tratamento dos animais após o parto Grupo N Descrição Esquema de tratamento Controle 120 Controle 2 ml de Salina intramuscular, duas doses Grupo 2 120 Clorp - 1ª Semana Duas doses de 0,530mg de Cloprostenol via intramuscular, na primeira semana pós- parto, com 2 a 3 dias de intervalo Grupo 3 120 Clorp - 2ª Semana Duas doses de 0,530mg de Cloprostenol via intramuscular, na segunda semana pós- parto, com 2 a 3 dias de intervalo
  20. 20. Esquema de tratamento dos animais após o parto GRUPO N Descrição Controle 120 Sem tratamento Clorp 2x – 1ª Sem 120 Duas doses de 0,530mg de Cloprostenol via intramuscular, na 1ª semana pós-parto, com 2 a 3 dias de intervalo Clorp 2x – 3ª Sem 120 Duas doses de 0,530mg de Cloprostenol via intramuscular, na 3ª semana pós-parto, com 2 a 3 dias de intervalo Efeitos do cloprostenol em diferentes períodos no pós-parto de vacas leiteiras (Camargos e Fernandes, 2009)
  21. 21. Efeitos do cloprostenol em diferentes períodos no pós-parto de vacas leiteiras (Camargos e Fernandes, 2009)
  22. 22. Fernandes et. al. - A Hora Veterinária. , v.156, p.09 - 13, 2007.
  23. 23. Esquema de tratamento dos animais após o parto GRUPO N Descrição Controle 130 Sem tratamento Clorp 2ml 132 Uma doses de 0,530mg de Cloprostenol via intramuscular, entre 0 a 2 dias após o parto Clorp 4ml 136 Uma doses de 1,060mg de Cloprostenol via intramuscular, entre 0 a 2 dias após o parto Efeitos de diferentes doses cloprostenol (ciosin®) no pós-parto de vacas de corte (Fernandes et al, 2007)
  24. 24. Média de intervalo parto-1ª Inseminação Geral e nos diferentes núcleos de produção, nos diferentes grupos de tratamento (Fernandes et al., 2007)
  25. 25. Média de Período de serviços Geral e nos diferentes núcleos de produção, nos diferentes grupos de tratamento (Fernandes et al., 2007)
  26. 26. Trabalho Piloto – 20 animais Fernandes et al., 2009 – Não Publicado – (Iniciação Científica) Esquema de tratamento dos animais após o parto GRUPO N Descrição Controle 5 Sem tratamento Clorp 1x 5 0,530mg de Cloprostenol dose única Clorp 2x 5 0,530mg de Cloprostenol dividida em 2 doses -24h Intervalo Clorp 4x 5 0,530mg de Cloprostenol dividida em 4 doses - 12h Intervalo
  27. 27. Média de intervalo parto-1ª Inseminação Geral e nos diferentes núcleos de produção, nos diferentes grupos de tratamento (Fernandes et al., 2007)
  28. 28. Conclusões DOSES E NÚMERO DE APLICAÇÃO O aumento das doses não é sempre acompanhado de melhora de resultados Saturação dos receptores existentes Metabolismo rápido (meia vida de 90 min.) Dividir a dose num maior número de aplicações Conseguir melhor resultados com a mesma dose total!!!
  29. 29. “O sucesso nasce do querer. Sempre que o homem aplicar a determinação e a persistência para um objetivo, ele vencerá os obstáculos, e, se não atingir o alvo, pelo menos fará coisas admiráveis”. José de Alencar Carlos Antônio de Carvalho Fernandes Med. Vet. D.Sc. cacf@biotran.com.br

×