O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Rfa 1 sistemas de controle

6.791 visualizações

Publicada em

apresentaçao dos alunos

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Rfa 1 sistemas de controle

  1. 1. FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DE MINAS GERAIS  RACIOCÍNIO FISIOLÓGICO APLICADO
  2. 2. Reinaldo O. Sieiro RFA 01 SISTEMAS DE CONTROLE ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO CORPO HUMANO E SISTEMAS DE CONTROLE DO MEIO INTERNO
  3. 3. SISTEMAS DE CONTROLE CONCENTRAÇÃO IÔNICA VOLUME PRESSÃO OSMOLARIDADE pH P ROCESSOS R EGULATÓRIOS M EIO I NTERNO (LEC)
  4. 4. SISTEMAS DE CONTROLE À manutenção dessas propriedades do MEIO INTERNO em estreitos limites denominamos homeostase . A perda da homeostase impede a adequada função celular , levando à doença ou morte (dependendo do sistema ser ou não vital).
  5. 5. SISTEMAS DE CONTROLE O objetivo da FISIOLOGIA é estudar os mecanismos de controle (SISTEMAS DE CONTROLE) necessários à manutenção da homeostase .
  6. 6. SISTEMAS DE CONTROLE Sistemas / Componentes / Propriedades / Leis ENTRADA SAÍDA
  7. 7. TIPOS DE SISTEMAS DE CONTROLE A saída não tem efeito sobre a entrada , ou seja, o efeito não influencia no mecanismo. Ex.: Ingestão de Líquidos  Aumento da Diurese SISTEMAS DE ALÇA ABERTA
  8. 8. TIPOS DE SISTEMAS DE CONTROLE Há controle da saída sobre a entrada, ou seja, o efeito influencia no mecanismo. SISTEMAS DE ALÇA FECHADA EX:  Retroalimentação Positiva  Retroalimentação Negativa
  9. 9. TIPOS DE SISTEMAS DE CONTROLE RETROALIMENTAÇÃO NEGATIVA – Homeostase Exs.: controle da glicemia controle da diurese controle da pressão arterial RETROALIMENTAÇÃO POSITIVA – Ciclo Vicioso Exs.: hemorragia extrema ( > 2.0 litros ) Contratura muscular Contração uterina ( trabalho de parto )
  10. 10. TIPOS DE SISTEMAS DE CONTROLE FATOR IDEAL FATOR REAL CONTROLE / CONTROLADOR EFEITOS
  11. 11. TIPOS DE SISTEMAS DE CONTROLE OSMOLARIDADE REAL ALTERAÇÕES A.D.H . EXCREÇÃO RENAL DE ÁGUA . OSMORECEPTORES DO HIPOTÁLAMO OSMOLARIDADE IDEAL
  12. 12. FEED BACK COM VÁRIOS SISTEMAS DE CONTROLE PRESSÃO ARTERIAL EXCREÇÃO RENAL DE [ Na + H 2 0 ] VOLUME: - LEC - SANGUÍNEO PRESSÃO MÉDIA DE ENCHIMENTO TAXA DE ACÚMULO [ Na + H20 ] INGESTÃO DE Na+ H20 QUANTIDADE TOTAL Na+ H20 RV + DC ART RPT
  13. 13. Como os Sistemas Mantém a H O M E O S T A S E - Sistema Respiratório - Sistema Cardiovascular - Sistema Endócrino - Sistema Renal - Sistema Digestivo
  14. 14. CONCLUSÃO O estudo da FISIOLOGIA é dividido didaticamente em sistemas ( nervoso, renal, etc ). Cada função do organismo é mantida por SISTEMAS DE CONTROLE . Cada função de cada órgão é, na realidade, a função de cada célula que compõe o órgão.
  15. 15. CONCLUSÃO Para haver uma adequada função celular, todas as células estão imersas em um meio único chamado MEIO INTERNO . Da adequada composição e volume desde meio dependerão as células para exercerem suas funções. Chamamos de HOMEOSTASE a manutenção das condições estáveis do meio interno .
  16. 16. TRANSPORTE ATRAVÉS DE MEMBRANAS ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO CORPO HUMANO E SISTEMAS DE CONTROLE DO MEIO INTERNO
  17. 17. TRANSPORTE´PASSIVO 1 – DIFUSÃO: movimento livre de partículas devido à energia cinética, independente de gradiente . . Velocidade de difusão proporcional diferença de concentração x área de secção tranversa x temperatura
  18. 18. TRANSPORTE PASSIVO SIMPLES: Dissociação pela matriz lipídica Difusão pelos poros - Liposolúveis: O 2 , CO 2 , Álcool, Ác. Graxos - Hidrosolúveis: Água, Uréia, Íons
  19. 19. TRANSPORTE PASSIVO - Diâmetros (Å) Poro : 8 Água: 3 K : 4 Na : 5 Açúcares: > 8 - Variação do diâmetro dos poros: [Ca++], ADH nos túbulos distais
  20. 20. TRANSPORTE PASSIVO Difusão Pelos Poros: Efeito do tamanho do poro (permeabilidade) Efeito da carga elétrica (canais de Na e K, íon hidratado) Outros fatores que afetam a permeabilidade: Ca++, ADH ) Difusão Através Da Membrana Celular: Efeito da diferença de concentração Efeito de uma diferença de potencial elétrico Efeito de uma diferença de pressão
  21. 21. TRANSPORTE PASSIVO Osmose:  Movimento de água através da membrana - Pressão osmótica - Importância do nº de partículas (e não massa ou carga elétrica) - Osmolaridade e osmolalidade
  22. 22. TRANSPORTE PASSIVO VD = Δ [ ] x ASR x T P.M. X d VD= VELOCIDADE DE DIFUSÃO Δ [ ] =DIFERENÇA DE CONCENTRAÇÃO ASR = ÁREA DA SECÇÃO RETA T = TEMPERATURA P.M. = PESO MOLECULAR d = DISTÂNCIA
  23. 23. TRANSPORTE PASSIVO Difusão Facilitada: Dissociação de monossacárides e aminoácidos pela matriz lipídica mediada por carreadores. Osmose: Movimento real da H20 devido a diferença de concentração. É determinada: - Por partículas não difusíveis - Pelo número de partículas (concentração) e Não por suas massas
  24. 24. TRANSPORTE ATIVO HÁ LIBERAÇÃO DE ENERGIA PELO SISTEMA CARREADOR - Transporte de Na e K na manutenção das concentrações dos volumes de LEC LIC - Importância da bomba de Na/ K+ no controle do volume da célula – evita o entumescimento - Existe certa especificidade dos carreadores
  25. 25. TRANSPORTE ATIVO Transporte Ativo Secundário – Co-transporte - Células Epiteliais, Mucosa Intestinal, Túbulos Renais E Glândulas Na+ ____ Glicose Na+ ____ Aminoácido
  26. 27. Equilíbrio de Donnan: Em uma solução hidreletrolítica, a presença de proteinas determina que o equilíbrio através da membrana é do produto dos íons. 5 proteinas ! 10 Na+ ! !  5 proteinas ! 6 Na+ 5 Na+ ! 10 Cl - 9 Na+ 4 Cl - ! 6 Cl -

×