deEurípedes <br />MEDeIA<br />por Eurípedes <br />MEDÉIA<br />
A História<br />A trama se passa em Corinto, onde Medeia e Jasão, seu marido, moravam.  A história começa com Medeia lamen...
O rei  Creonte, sabendo de suas intenções maléficas, decide então banir Medeia e seus filhos de Corinto. Porém Medeia conv...
Então Medeia decide vingar-se tirando de Jasão tudo o que ele amava. Dessa forma, Medeia planeja o assassinato de Glauce, ...
Medeia mata Glauce e Creonte, porém ao ver seus filhos ela fica dividida entre o desejo de se vingar de Jasão e o instinto...
Jasão, atormentado pelas mortes de Creonte e Glauce, vai em busca dos filhos, e ao descobrir que estão mortos entra em des...
Relatos de loucura de Medeia<br />Pedagogo<br />	Pobre louca - se dos amos é lícito dizê-lo - que nada sabe de males mais ...
Injustiça<br />Medeia<br />	Pois a separação para a mulher é inglória, e não pode repudiar o marido.E eu, sozinha, sem pát...
Instinto Maternal<br />Medeia<br />	E, quando tu fazias votos para que os pequenos vivessem, invadiu-me um sentimento de p...
Grupo:<br />Carolina Sobchaki<br />Filipe Santiago<br />José Gustavo Gomes<br />Lorenna Barros<br />Luís Henrique Ramalho<...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst

2.288 visualizações

Publicada em

Apresentação do grupo de Filosofia sobre Medeia.

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Medeia de Eurípedes - Prof. Eduardo Rabenhorst

  1. 1. deEurípedes <br />MEDeIA<br />por Eurípedes <br />MEDÉIA<br />
  2. 2. A História<br />A trama se passa em Corinto, onde Medeia e Jasão, seu marido, moravam. A história começa com Medeia lamentando a traição de Jasão, que a deixou para casar-se com Glauce, filha do rei Creonte. Medeia, movida por ódio e ciúmes, jura vingança.<br />
  3. 3. O rei Creonte, sabendo de suas intenções maléficas, decide então banir Medeia e seus filhos de Corinto. Porém Medeia convence o rei a deixá-la ficar mais um dia para preparar o exílio. O que ela tinha em mente era preparar sua terrível vingança e planejar sua fuga .<br />
  4. 4. Então Medeia decide vingar-se tirando de Jasão tudo o que ele amava. Dessa forma, Medeia planeja o assassinato de Glauce, do seu pai e até dos seus próprios filhos que tivera com Jasão e sua fuga para Atenas.<br />
  5. 5. Medeia mata Glauce e Creonte, porém ao ver seus filhos ela fica dividida entre o desejo de se vingar de Jasão e o instinto materno. Mas sua sede por vingança acaba falando mais alto e ela se tranca em sua casa e esfaqueia os filhos até a morte <br />
  6. 6. Jasão, atormentado pelas mortes de Creonte e Glauce, vai em busca dos filhos, e ao descobrir que estão mortos entra em desespero. E enquanto tenta derrubar a porta, Medeia aparece no céu dentro da carruagem de Apolo rumo a montanha de Hera, onde iria enterrar os filhos, e em seguida para Atenas, com Jasão amaldiçoando-a enquanto ela parte. <br />
  7. 7. Relatos de loucura de Medeia<br />Pedagogo<br /> Pobre louca - se dos amos é lícito dizê-lo - que nada sabe de males mais recentes.<br />Coro<br /> Que desejo é esse das núpcias<br /> que deves evitar, ó louca?<br /> Acaso tens pressa de chegar<br /> ao termo da morte?<br /> Não peças isso.<br /> Se o teu esposo<br /> faz honra a novo leito,<br /> isso é comum; não te exasperes.<br />Creonte<br /> Vai-te, ó louca, e livra-me de trabalhos.<br /> Mensageiro<br /> Que dizes? Estarás no teu juízo, ou estarás louca, ó mulher, tu que, depois de arruinar a casa dos soberanos, te comprazes em ouvi-lo e não te atemorizas?<br />
  8. 8. Injustiça<br />Medeia<br /> Pois a separação para a mulher é inglória, e não pode repudiar o marido.E eu, sozinha, sem pátria, sou ultrajada pelo marido, raptada duma terra bárbara, sem ter mãe, nem irmão, nem parente, para me acolher desta desgraça.<br />Coro<br /> Pobre mulher,<br /> Ai de ti! infeliz pela desgraça, para onde hás de voltar-te? Que hospitalidade, que casa, que país salva teus males?<br /> Tu, coitada, a pátria casa não tens, para refúgio das penas, mas outra mais potente reinará em teu lar.<br />Medeia<br /> Fui eu quem te salvou, como sabem os Helenos quantos embarcaram na mesma nau de Argos, quando te mandaram por o jugo aos touros ignispirantes e semear o campo mortífero. E o dragão, que, envolvendo o velo de ouro, enrolado em espiral, o guardava insone, matei-o levando à tua frente a luz da salvação.<br /> E fui eu que, traindo o meu pai e a minha casa, contigo vim para Iolcos do Pélion, com mais paixão do que sensatez.Estou perdida. E, além disso, sou expulsa do país.<br />
  9. 9. Instinto Maternal<br />Medeia<br /> E, quando tu fazias votos para que os pequenos vivessem, invadiu-me um sentimento de piedade, se assim viria a acontecer.<br />
  10. 10. Grupo:<br />Carolina Sobchaki<br />Filipe Santiago<br />José Gustavo Gomes<br />Lorenna Barros<br />Luís Henrique Ramalho<br />Pâmela Lizandra Dantas<br />Pedro Ivo Fernandes<br />

×