OS LUSÍADASpor ANTÓNIO FONSECA  NOTAS DE IMPRENSA
2009
2010
António Fonseca - Destaques - Time Out - Lisboa                                Page 1 of 2 António Fonseca É uma epopeia: ...
António Fonseca - Destaques - Time Out - Lisboa                             Page 2 of 2 Vieira, que é o grande imperador d...
Os Lusíadas à la carte25.11.2010 - Ana Dias CordeiroUm dia António Fonseca vai contar "Os Lusíadas" do princípio ao fim. P...
Epopeia: Ator António Fonseca diz Os Lusíadasde corO ator António Fonseca anda há dois anos e meio a decorar Os Lusíadas, ...
Além de interpretar Os Lusíadas, António Fonseca irá também fazer comentários em determinadosversos, porque na realidade o...
Os Lusíadas (I a V Canto)Teatro MeridionalTeatroQua-SábO cone de luz sobre o corpo dobrado parece realçar a voz, elevar as...
NS259_lusiadas ER.qxd     12/21/10     1:28 PM    Page 42  42 NS TEATRO                 CAMÕES        António        Fonse...
NS259_lusiadas ER.qxd       12/21/10      1:29 PM      Page 43                                                            ...
NS259_lusiadas ER.qxd   12/21/10   4:09 PM   Page 44  44 NS TEATRO              CAMÕES                                    ...
NS259_lusiadas ER.qxd      12/21/10      4:09 PM     Page 45                                                              ...
2011
António Fonseca declama Os Lusíadas em AmaresNo passado dia 20 de Janeiro, o actor António Fonseca esteve na nossa Escola,...
sexta-feira · 10 de junho de 2011                                                                                         ...
parágrafo                                                                                                                 ...
2012
António Fonseca trouxe-nos "Os Lusíadas" ...                               Entrevistado na BibliotecaNo passado dia 26 de ...
Durante duas horas, António Fonseca disse, de memória,algumas estâncias de Os Lusíadas, interpretando os seuspersonagens, ...
Encontro com Ator António FonsecaPor Lígia Fernandes (Professora), em 2012/05/28             37 leram |   0 comentários | ...
Tiragem: 10500       Pág: 2                            País: Portugal       Cores: Cor                            Period.:...
Tiragem: 153674            Pág: 4                                 País: Portugal             Cores: Cor                   ...
Tiragem: 135000                       Pág: 9                   Destak Porto                                               ...
Tiragem: 4000               Pág: 3                                                                                        ...
Famílias de Caldas das Taipas juntam-se naoralização de Os Lusíadas06.JUN.2012 |    Guimarães - CEC 2012                  ...
Quando começou a pensar nesta apresentação, ainda estava longe de pensarque viria a integrar a programação da Capital Euro...
são de Caldas das Taipas e de freguesias circunvizinhas. António Fonsecacomeçará às dez horas com a oralização, de hora a ...
Todos os Cantos de "Os Lusíadas"Alexandra Madeira, RTP08 Jun, 2012, 18:00 / Última atualização 08 Jun, 2012, 18:00De fio a...
Tiragem: 8000                   Pág: 12                                                                                   ...
Tiragem: 46102                    Pág: 44                Público - Porto                              País: Portugal      ...
ATOR ANTÓNIO FONSECARECITA "OS LUSÍADAS"DURANTE 12 HORASEspetáculo emGuimarães assinalaos 440 anos dapublicação da obrade ...
Famílias de Guimarães juntaram-se na oralização de “Os Lusíadas” (FOTOS)12.JUN.2012 |   SociedadeA estreia aconteceu no di...
Lusíadas no CC Vila Florhttp://www.reflexodigital.com/index.php?cat=43&item=13882
OS LUSÍADAS À VOLTA DA MESAO actor António Fonseca disse de cor a obra integral de Camões numa maratona que durou mais de ...
Posto à vontade, o público participava quando queria. Uma criança reparou na ilha de São Lourenço e corrigiu deimediato: «...
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Dossier imprensa   lusiadas - antónio fonseca
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dossier imprensa lusiadas - antónio fonseca

2.317 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
345
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dossier imprensa lusiadas - antónio fonseca

  1. 1. OS LUSÍADASpor ANTÓNIO FONSECA NOTAS DE IMPRENSA
  2. 2. 2009
  3. 3. 2010
  4. 4. António Fonseca - Destaques - Time Out - Lisboa Page 1 of 2 António Fonseca É uma epopeia: a partir de quinta-feira, o actor António Fonseca interpreta os primeiros cinco cantos d´Os Lusíadas no Teatro Meridional. De quarta a sexta, às 21.45, faz uma antologia com uma selecção dos principais episódios; ao sábado, a partir das 17.00, é a vez da maratona com todos os versos da primeira metade do grande livro de Camões. Como é que se decoram cinco cantos dos Lusíadas? Com muito trabalho, não há outros segredos. Há fases, e não se pode saltá-las. Há uma primeira fase que é perceber tudo muito bem e esgravatar a gramática, sobretudo Os Lusíadas, que exigem uma competência técnica muito grande para serem lidos, e uma série de referências. Depois, há uma segunda fase em que se começa a meter tudo dentro da cabeça, a pensar aquele pensamento com aquelas palavras. E depois é como riscar ou fazer um veio numa pedra de mármore: risca-se, risca-se, risca-se, e aquilo vai ficando, com um ritmo e uma subjectividade que é necessariamente a minha. A maratona dos cinco cantos que se vai poder ver aos sábados, quantas horas terá? Cinco. Cada canto será dito na totalidade com um intervalo de dez minutos e o público pode comprar bilhete para um canto ou dois, ou para os cinco. O público escolhe e vai ver quando quiser. Pode ver um num sábado e no sábado seguinte ver outros dois. O terceiro canto é o maior. No total tem uma hora, uma hora e cinco com os comentários. Que comentários? Alguns comentários que vou introduzir em determinados versos e que podem ser espontâneos e depender do público. Porque eu não quero fazer uma coisa arqueológica, quero fazer uma actualização dos Lusíadas, falar com o pensamento e a imaginação portuguesa de hoje. A última coisa que eu queria era que as pessoas fossem ao Meridional para ficar a conhecer Os Lusíadas. Isso é a função da escola, é uma chatice. O que eu quero é que haja fruição, sonora e mental. Como actor, quero que as pessoas se riam, se emocionem e, eventualmente, que se inquietem. Mais nada. E porquê Os Lusíadas? Por muitas razões. Primeiro porque é uma grande obra nossa e do nosso imaginário colectivo. Depois porque eu já fiz um texto do Padre Antóniohttp://timeout.sapo.pt/printn.asp?id_news=6271
  5. 5. António Fonseca - Destaques - Time Out - Lisboa Page 2 of 2 Vieira, que é o grande imperador da língua portuguesa segundo o Camões, e acho que os outros dois grandes pilares são de facto o próprio Camões e o Pessoa, que também gostava de dizer um dia. Outra razão ainda é o facto de termos quase um trauma com este livro: toda a gente acha que sabe Os Lusíadas, mas ninguém sabe. Sabe da escola, mas não sabe. E é muito interessante voltar lá, a esta grande história do ser humano. Porque é isso que Os Lusíadas contam: a história da vida, no sentido em que a vida é uma viagem por um desconhecido, e aquela viagem à Índia foi a viagem por um desconhecido enorme. E os outros cinco cantos que ficam a faltar? O sexto já trabalhei, estou neste momento a fazer a análise do sétimo. Gostava de fazer todos no dia 10 de Junho de 2012. Por ser Dia de Portugal? E porque faz 440 anos da edição d’Os Lusíadas. © 2007 Time Out Group Ltd. Todos os direitos reservados. Ficha Técnica | Estatuto Editorial Av. da Liberdade, nº13 - 3ºEsq. 1250-139 Lisboa Telefone: 21.359.31.00 Fax: 21.359.31.31 e-mail: geral@timeout.pt Empresa jornalística: 223 753 * Registo de título: 125 225 Director: João Cepedahttp://timeout.sapo.pt/printn.asp?id_news=6271
  6. 6. Os Lusíadas à la carte25.11.2010 - Ana Dias CordeiroUm dia António Fonseca vai contar "Os Lusíadas" do princípio ao fim. Porque ouvir não é a mesma coisa que ler. Ameio caminho, o actor diz os primeiros cinco cantos de cor(ação)"Aqui vai haver dois espectáculos. Pode dizer-se que é um espectáculo à la carte. Na verdade, isto não é um espectáculo".Pausa, sem reacções. Há que ouvir. Quem fala é o actor António Fonseca, recuperando o fôlego. Acaba de representarexcertos dos primeiros cantos de "Os Lusíadas" no palco do Teatro Meridional, em Lisboa. Como preparação para aperformance que estreou ontem (até 18 de Dezembro).Preparação, ensaio - mas nunca sem emoções. "O que não está no coração, não está na cabeça" e este não é de certeza"um espectáculo de memória". "É uma contação. Não é uma leitura", explica António Fonseca. É ele o responsável pelaconcepção e interpretação desta performance. "De cor" para ele faz sentido apenas no sentido "de coração." O que lheinteressa é contar. "O texto está a ser inventado no momento em que está a ser dito. É como contar uma história."Sobre o ser ou não espectáculo e "à la carte" significa que terá duas versões. Aos dias de semana - de quarta a sexta - estarepresentação de um homem só começa às 21h45 com uma antologia resumida dos cinco primeiros cantos de "Os Lusíadas"e dura cerca de 1h30. Aos sábados, é apresentada a integral dos cinco primeiros cantos. Neste caso, o espectador escolhe:ver apenas um canto (e pagar 5 euros), dois ou vários; ver uma parte num sábado e outra no seguinte; ver todos. Nessecaso, começa às 17h - entre os três primeiros cantos, há um intervalo de dez minutos - e pára às 20h30 para o jantar. Às22h00 recomeça, com o Canto IV e às 23h00 o Canto V, os preferidos, no conjunto, de António Fonseca. "Como um todo, oIV e o V são muito narrativos e penso que os mais equilibrados." Mas o actor rende-se a momentos e estrofes de outroscantos.No episódio Inês de Castro, no Canto III, acontece por vezes ceder à emoção do texto, "uma coisa de vibração física". Novibrante discurso de Nuno Álvares Pereira, em defesa de Portugal, antes da batalha de Aljubarrota, põe força e determinaçãona voz.O actor-narrador partilha o palco com três grandes velas - são as três naus da armada de Vasco da Gama, de "OsLusíadas". Em cada uma estão estampados os mapas de África, Europa e Portugal e neles escritos os nomes dos locais deentão. Ilha de Moçambique era Ilha de Moçambique; mas as ilhas de Cabo Verde eram as Hespéridas; Madagáscar era SãoLourenço; e as ilhas Bijagós eram as Dórcadas.No momento da partida da nau, ouve-se o som do mar, por entre as três velas. Uma luz fosca alterna com a penumbra. "Agrande coisa dos Descobrimentos é o espaço. Antes [dos Descobrimentos], para um europeu comum, o mundo era oMediterrâneo e pouco mais. Em 20, 30 anos, isso explode. E essa explosão espacial é muito clara n Os Lusíadas. O mundofísico explodiu. E Camões tem consciência disso, uma consciência de época."António Fonseca, que já fez "O Sermão da Sexagésima" do Padre António Vieira, quer "ainda ter tempo" para fazer FernandoPessoa. Com Camões, "são os três grandes pilares da língua portuguesa", considera. Por agora, o objectivo será representaros dez cantos de "Os Lusíadas", entre as dez da manhã e as dez da noite do dia 10 de Junho de 2012. Porque a obra,"história exemplar", "uma epopeia", "é universal", "toca no essencial do ser humano".http://ipsilon.publico.pt/teatro/texto.aspx?id=270253
  7. 7. Epopeia: Ator António Fonseca diz Os Lusíadasde corO ator António Fonseca anda há dois anos e meio a decorar Os Lusíadas, ecomeça hoje no Teatro Meridional a apresentar os primeiros cinco cantos daobra prima de Luís Vaz de Camões. Uma epopeia que só deverá acabar a 10 deJunho de 2012, data em que espera dizer de uma só vez os dez cantos.Anabela Campos18:24 Quinta feira, 25 de novembro de 2010António Fonseca irá por agora e durante um mês - de quarta às sextas às 21:45 e aossábados a partir das 17:00 - apresentar os primeiros cinco cantos de Os Lusíadas, numaversão mais reduzida à semana e a integral ao sábadoNo dia 10 de Junho de 2012, Dia de Portugal e data em que se comemora os 440 anosda primeira edição de Os Lusíadas, espera dizer os 10 cantos durante todo o dia, umatarefa hercúlea, a que se tem dedicado desde Junho 2008 e que obriga o ator a estar emgrande forma física."Há mais de dois anos sonhei dizer os Lusíadas de cor. A ideia foi-se-me impondo. (...)Comecei verso por verso, estrofe por estrofe, episódio por episódio, canto por canto.Foi-se-me revelando uma grande estória da vida, uma grande estória da condição de serhumano, uma metáfora enorme da nossa condição de seres históricos, em qualquer sítio,em qualquer contexto cultural, em qualquer tempo", diz no seu blogue, onde explica porque se decidiu pegar na obra prima de Luís Vaz de Camões."Foi uma ousadia", como o próprio reconhece em declarações ao Expresso. E que lhetem ocupado todas os momentos livres desde que começou a pensar na ideia. Atéporque, sublinha António Fonseca, desde 2008 já fez 7 peças de teatro, deu aulas, feznovelas e séries televisivas."Para já fica uma antologia dos cinco cantos, com os episódios mais significativos: oConsílio dos Deuses, a passagem na Ilha de Moçambique, a traição dos Mouros emMombaça, a visita de Vénus a Júpiter e as queixas que lhe faz, a chegada a Melinde, abatalha de Ourique, o episódio da Inês de Castro, os preparativos e a batalha deAljubarrota, a despedida da Armada em Belém (e não só o velho do Restelo), osfenómenos marítimos, o Fernão Veloso, o Adamastor e o escorbuto", avança AntóniooFonseca.A MEMÓRIA DE ADOLESCÊNCIA"Os Lusíadas evocavam uma memória recorrente da adolescência: um livro truncado com muitasreticências, uma misturada de sentidos que não acabavam, muitos sublinhados a lápis e,sinceramente, uma total ausência de noção da obra. Entre esta memória, que não posso dizer quefosse grata, e tudo o que fui acrescentando ao longo do tempo sobre o lugar e importância daliteratura na vida e o papel dos Lusíadas no nosso imaginário coletivo, foi crescendo umacuriosidade e uma vontade de conhecer verdadeiramente a partitura poética da Epopeia",confessa."Sentia-me algo culpado por desconhecer uma obra que é matriz da nossa memória, tantas vezese de tantas maneiras utilizada para fins patrióticos e patrioteiros, que na intimidade de quempassou pela experiência da sua abordagem obrigatória causa um misto de fascínio e ódio, queninguém pode verdadeiramente dizer que não conhece mas que quase ninguém conheceverdadeiramente", acrescenta.
  8. 8. Além de interpretar Os Lusíadas, António Fonseca irá também fazer comentários em determinadosversos, porque na realidade o ator também quer fazer uma atualização da obra e não fazer umacoisa arqueológica. Cada canto demora a dizer cerca de uma hora e haverá intervalos entre eles eos espetadores podem ver os cantos em dias diferentes, não precisam de ver tudo de uma vez.Depois de apresentar a obra em Lisboa, a intenção de António Fonseca é fazê-lo pelo país e emescolas, se surgirem convites nesse sentido. O ator já está a preparar o sexto canto e esperacomeçar no final de 2011 o décimo.
  9. 9. Os Lusíadas (I a V Canto)Teatro MeridionalTeatroQua-SábO cone de luz sobre o corpo dobrado parece realçar a voz, elevar as palavras que, uma a uma e por aquela exacta ordem,anunciam angústia, visão do fim, pelo menos certeza da dor que a doença garante. É um relato à beira do desespero, cortadoabruptamente pelo silêncio e pela escuridão, deixando o narrador, os marinheiros com o seu escorbuto e os espectadoressuspensos… da leitura da obra ou, com igual desfrute, da sua interpretação integral – o que é só aos sábados, pois às noitesde semana António Fonseca só dispensa Os Lusíadas em modo “antologia”.Começa por “As armas e os barões assinalados,” como toda a gente sabe, e acaba, como quase ninguém faz ideia, em “Semà dita de Aquiles ter enveja” dez cantos depois. Isto no original, que a visão do épico de Luís Vaz de Camões (1524-1580)criada por António Fonseca ainda vai no meio, no Canto V. No fim deste canto, Vasco da Gama agradecerá às musas e lávai, mareando à procura da Índia. Para já, ou melhor, às quartas, quintas e sextas, quando as luzes se fecham sobre o actore encerram esta sessão do best of, a armada portuguesa está em muito maus lençóis por evidente falta de vitamina C.Há muito que os portugueses, a não ser quando vão de férias a crédito, não passam além da Taprobana. Felizmente, hámuito também que o escorbuto não afecta a nação. A não ser, claro, nesse território ardiloso da simbologia da pátriainventada por Herculano, no essencial ainda em vigor, ignorados como costumam ser os críticos da obra, sejam eles DomFrancisco Lobo (que acusou o poeta de desconhecer o amor), Cesário Verde (que não gostou do “desejo absurdo de sofrer”),Hegel (a quem deu para embirrar com a dependência estilística de modelos clássicos), ou António José Saraiva (para quem“o peito ilustre lusitano não passa de uma abstracção incapaz de conjuntivar carnalmente as proezas sucessivas dosguerreiros.”) Considerando ou não estes e outros críticos, aceitando, mesmo que de soslaio, a versão mítico-nacionalista,certo é Os Lusíadas serem, com Menina e Moça, de Bernardim Ribeiro, e os Sermões de António Vieira, obra fundadora dacultura literária e peça fundamental na afirmação da língua portuguesa.Foi isso que interessou a António Fonseca, pois, seja como for – diz o programa –, o texto “é uma grande estória de vida,uma grande estória da condição de ser humano, uma metáfora enorme da nossa condição histórica, em qualquer tempo elugar.” E é isso que o actor dá a ver, entre apartes, comparações e lamentações irónicas, assim combatendo o traumainfligido por sucessivos ministros da Educação em várias gerações de alunos constrangidos a enfrentar Os Lusíadas umaoração de cada vez.Rui Monteiro14.12.2010 © 2007 Time Out Group Ltd. Todos os direitos reservados. Ficha Técnica | Estatuto Editorial Av. da Liberdade, nº13 - 3ºEsq. 1250-139 Lisboa Telefone: 21.359.31.00 Fax: 21.359.31.31 e-mail: geral@timeout.pt Empresa jornalística: 223 753 * Registo de título: 125 225 Director: João Cepedahttp://timeout.sapo.pt/news.asp?id_news=6359
  10. 10. NS259_lusiadas ER.qxd 12/21/10 1:28 PM Page 42 42 NS TEATRO CAMÕES António Fonsecaconta ‘OsLusíadas’ Em 1572 foi publicado pela primeira vez o poema Os Lusíadas, de Camões. Mais de quatrocentos anos depois, o actor António Fonseca diz de cor os primeiros cinco cantos da obra e prepara já os restantes. O espectáculo chega ao Teatro Meridional, em Lisboa, em 2011. TEXTO RITA PENEDOS DUARTE FOTOGRAFIA NUNO PINTO FERNANDES/GLOBAL IMAGENS Proposição ço do Bispo, em Lisboa, saiba que António todo o lado se diz que «o país não presta, que [Chama-se proposição ao momento em que, Fonseca regressará àquele espaço em Ou- isto está uma chatice, o que se deve fazer? Se num texto épico, se procede à apresentação tubro do próximo ano. Parte, depois, em di- calhar dar cabo da cabeça numa coisa inútil. do tema e dos heróis envolvidos.] Porque se gressão pelo país. Coimbra, Aveiro e Gui- Nem tudo tem de servir para alguma coisa. propôs o actor António Fonseca, de 52 anos, marães são locais já confirmados. Nessa al- O azul do céu é inútil e o pôr do Sol também a dizer de cor Os Lusíadas, de Luís Vaz de tura estará em cena «uma nova versão com não serve para nada, mas existem e quando Camões? «Foram muitos motivos mistura- os dez cantos. É um trabalho que pelo me- os vemos é… uau!» dos. Alguns anedóticos, outros mais sérios, nos até Junho de 2012 estará sempre em Se é de razões que se trata, o actor tem mais fundamentados, em termos de refle- progresso», confirma o actor. uma mão-cheia delas. «A certa altura senti xão sobre o que é o papel do actor. Ou qual Há três anos, António Fonseca arregaçou necessidade de estudar e inscrevi-me num é o meu papel cívico. Não sou padeiro, sou as mangas e decidiu empenhar-se em qual- mestrado. Mas não gostei nada da experiên- actor. Um padeiro faz pão e um actor conta quer coisa que teria tanto de «brutal» como cia e pensei que, em vez de fazer um mestra- histórias. Eu não sei fazer pão.» Sabe, po- de «inútil». «Quando disse a um colega de do ou doutoramento que não me serviriam rém, como tornar um texto com quatro sé- profissão que estava a decorar Os Lusíadas, para nada, preferia decorar Os Lusíadas.» culos num espectáculo contemporâneo. ele achou que era brutal e isso mexeu comi- E continua a enumerá-las. «Outra coisa que A peça esteve em cena no Teatro Meridio- go. Parece que tudo o que se faz tem de ser as- me levou a iniciar este projecto foi o comple- nal, entre 25 de Novembro e 18 de Dezem- sim. Não sei se o é, mas implica muito traba- xo de culpa a que o texto está associado. Por bro, e surpreendeu as centenas de especta- lho e nós não estamos habituados a trabalhar um lado, a maioria das pessoas reconhece a dores que por lá passaram. Para quem não muito», diz. Por outro lado, assume que é sua existência e importância mas, por outro teve oportunidade de se deslocar até ao Po- uma «provocação quase vital». Quando por lado, poucos o leram.»
  11. 11. NS259_lusiadas ER.qxd 12/21/10 1:29 PM Page 43 43 NS De qualquer forma, afirma que não é um de pegar no Sermão da Sexagésima do padre não pediu auxílio às ninfas, mas procurou o texto fácil. «Para ler Os Lusíadas, mais do que António Vieira e, desde essa altura, não parou conselho de profissionais para se preparar Os Maias, de Eça de Queirós ou qualquer tex- de o apresentar em escolas secundárias, uni- para esta maratona. «Falei com o professor to de Gil Vicente, é preciso ter uma compe- versidades e em eventos variados. «É um dos João Lobo Antunes [director do Serviço de tência técnica, gramatical, sintáctica, que as textos mais incríveis sobre a comu- Neurocirurgia do Hospital de pessoas não têm, nem têm de ter. Mas ouvir nicação. Demora uma hora, mas «ESTE TRABA- Santa Maria, em Lisboa] para Os Lusíadas todos podem ouvir. É como nu- prende a atenção dos miúdos com LHO EXIGE tentar perceber se um esforço tão ma sinfonia: não sabes ler a partitura, mas uma facilidade incrível. Em algu- MUITO DE NÓS grande e continuado de memória ouves e podes curtir a música. Essa é a minha mas escolas, os professores vinham FISICAMENTE, podia ter quaisquer implicações função: contar esta história, para que as pes- ter comigo a dizer que davam médicas conhecidas ou prová- soas possam conhecê-la, ouvindo.» aquele texto há vinte anos mas que CAUSA UMA veis. Mas a conversa foi pouco António Fonseca não é um marinheiro de nunca o tinham ouvido assim. A ANSIEDADE conclusiva», diz. «Aconteceu nu- primeira viagem. Licenciado em Filosofia, fez o passagem para a oralidade muda GLOBAL», ma altura em que, depois de duas Curso de Formação de Actores e seguiu a carrei- e simplifica o entendimento.» É es- DIZ ANTÓNIO a três horas de trabalho contínuo, ra de actor. A sua experiência no teatro é vasta se o exercício que pretende fazer FONSECA. ficava com dores. Parecia que as e reconhecida. Em 1996, a Câmara Municipal agora com o texto de Camões. paredes da cabeça eram de corti- de Oeiras atribuiu-lhe a Medalha de Mérito ça e que não respirava. Vim a perceber de- Municipal grau Ouro e, em 2006, foi nomeado Invocação pois que o trabalho que estava a fazer exige para melhor actor de teatro na Gala Globos de [Em que Camões invoca as ninfas do Tejo, a muito de nós fisicamente, causando uma an- Ouro, da SIC. Há cerca de dez anos lembrou-se quem pede inspiração para escrever.] António siedade global.»
  12. 12. NS259_lusiadas ER.qxd 12/21/10 4:09 PM Page 44 44 NS TEATRO CAMÕES Em conjunto com o seu médico, António Fonseca adoptou uma profilaxia que deu re- sultado: «Em alturas críticas tomava um an- siolítico que me relaxava e repunha os níveis de energia nos sítios certos.» Por outro lado, tal como um atleta que se prepara para uma prova, também o actor assumiu a máxima «mente sã em corpo são» e mudou os seus há- bitos alimentares. A carne passou a ser uma excepção na sua mesa, dando primazia ao peixe, legumes, fruta e cereais integrais. Di- minuiu consideravelmente o número de ci- garros e de café que consumia e começou a fazer natação, ioga e marcha. «O meu médi- co incentivou e aprovou este regime e refor- çou com selénio, um complexo vitamínico e magnésio.» Agora que o espectáculo começou e não pode parar, os cuidados foram revistos e me- lhorados. «Ao sábado, quando digo os cinco cantos, tento dormir nove a dez horas. O pe- queno-almoço é o habitual: uma tigela de flo- cos de aveia integrais, cozidos em chá ou água, a que acrescento farelo de trigo, quinoa e sementes de linhaça moídas. Depois mistu- ro mel e fruta. Segue-se um passeio pela ma- ta do Estádio Nacional. Pelas duas, sirvo-me de um bom bife com esparguete, uma salada verde (com agrião, alface e rúcula, que tem- pero com gomásio ou sal de sésamo, e um fio de bom azeite do Douro), acompanhados de um copo de vinho tinto, receitado pelo meu médico.» Nem mesmo durante o espectáculo são aceites deslizes neste campo: «Nos intervalos como barras de cereais com chocolate e, du- rante o espectáculo, bebo chá de perpétuas roxas com mel, indicado para a voz. Ao jan- tar, no intervalo do terceiro para o quarto canto, o menu inclui massa com salmão e brócolos e bebo outro copo de vinho. No fim do espectáculo vou para casa, que já dei para noitadas em bares.» Dedicatória [Dedicação do poema a D. Sebastião, incitan- do-o a fazer grandes coisas.] Na plateia há uma cadeira reservada para D. Sebastião, não vá dar-se o caso de o «rei-menino» apa- recer para agradecer a obra que lhe foi de- dicada. Só falta o nevoeiro porque, como diz o actor em palco, ficaria muito caro comprar uma máquina para os efeitos de fumo. Mas se não for el-rei a iluminar a sa- la, que seja o presidente da República, o pri- meiro-ministro ou a ministra da Cultura. Recados à época contemporânea, que sal- picam o espectáculo e o trazem para os dias de hoje. «Eu quero fazer uma actualização d’Os Lu- síadas, não a sua arqueologia», afirma Antó- nio Fonseca. «Quero contá-la neste tempo, porque as grandes histórias fazem sentido, inquietam, fazem rir e chorar, não só na altu- ra em que são escritas como mil anos depois.»
  13. 13. NS259_lusiadas ER.qxd 12/21/10 4:09 PM Page 45 45 NS É só isso que António quer fazer da sua vida na plateia e escreveu um texto que chamou a Epílogo e da sua arte: fazer rir, chorar e inquietar. atenção do encenador Miguel Seabra, que [Momento em que o poeta lamenta as injustiças Entra em cena a discussão sobre qual deve telefonou a António e disse: «Quero entrar contra si e dá conselhos ao rei.] António Fonseca ser a função do teatro e do actor. «O fenó- nisso contigo.» não se lamenta. A sua viagem tem sido bem en- meno performativo existe no momento em A fórmula de apresentação escolhida era caminhada, talvez por ter ganho as boas graças que está a acontecer. Eu não estou a dizer o nova. «Isto não é um espectáculo, são vários. de deuses pagãos que tudo ouvem e tudo vêem. texto de Camões, estou a inventá-lo no mo- Cada canto é uma unidade e os cinco cantos Ou porque o poder das ninfas vai muito além da mento em que estou a dizê-lo. E faço um jo- são outra unidade. Cada um de- simples inspiração. Ou porque esta go duplo: por um lado “traduzo” algumas les também faz sentido indivi- COM A é a hora de se contar de novo a his- referências culturais da época, de onde vem dualmente.» Por isso, foi possível tória de homens que se lançaram o texto, e depois faço as referências actuais, comprar um bilhete único e ver os LEITURA DE por «mares nunca dantes navega- para onde vai o texto.» Um exemplo é o dis- cinco cantos em dias diferentes OS LUSÍADAS dos», enfrentando «perigos e guer- curso de Nun’Álvares de incitação às tropas. sempre com o mesmo bilhete. As- ANTÓNIO ras esforçados,/ Mais do que pro- «É muito actual, apetece perguntar o que sim como se pôde ouvir uma se- FONSECA FAZ metia a força humana», mas que andam a fazer esses grandes patriotas, que lecção de episódios espalhados A APOLOGIA ainda assim «entre gente remota somos, no fundo, todos nós. O que andamos pelos cinco cantos, como o Con- DA CORAGEM edificaram/ Novo Reino, que tanto nós a fazer?» cílio dos Deuses, a passagem pela sublimaram.» Hoje, com este texto, ilha de Moçambique ou a batalha DE AVANÇAR António não faz a apologia de colo- Narração de Ourique. APESAR nialismos desajustados, mas antes [Narrativa da viagem de Vasco da Gama à Ín- Esta antologia foi dita de quar- DO MEDO. da coragem de avançar, apesar do dia.] A história deste espectáculo começou ta a sexta-feira às 21h45, com a medo. Por isso garante que, se não há cerca de três anos e fez-se de acasos, ou duração de hora e meia. Ao sábado ouvia- conseguisse apresentar o espectáculo numa sa- intenções, conforme a crença de cada um. -se os cinco cantos: a maratona começava la de teatro, diria o texto no metro ou em qual- Por razões já anunciadas, o veterano actor às 17h00 e terminava à meia-noite. Cada quer outro lado. Para já são cinco cantos, meta- António Fonseca dispôs-se a decorar Os Lu- canto tinha a duração aproximada de uma de do poema – 110 estrofes por cada canto, oi- síadas e apresentou em Fevereiro de 2009 o hora e separava-se do seguinte por um cur- to versos por cada estrofe, dez sílabas métricas Primeiro Canto na Sala de Espera da Oficina to intervalo. Entre o canto terceiro e o quar- em cada verso. Faça-se contas à vida e são cin- Municipal do Teatro, em Coimbra. Por um to fazia-se uma pausa para jantar e retomar co horas de aventuras: cada hora, um canto, ca- acaso, ou talvez não, uma jornalista estava o fôlego. da canto, uma viagem. NS PUBLICIDADE
  14. 14. 2011
  15. 15. António Fonseca declama Os Lusíadas em AmaresNo passado dia 20 de Janeiro, o actor António Fonseca esteve na nossa Escola, numa actuaçãocom um reconto performativo dos cinco primeiros Cantos de Os Lusíadas. A iniciativa, daresponsabilidade da Biblioteca, proporcionou um momento único a mais de 200 alunos de 9º e 12ºanos, que têm vindo a estudar a obra de Camões. Durante duas horas, António Fonseca declamou,de memória, extractos dos cinco primeiros cantos de Os Lusíadas, interpretando os seuspersonagens, relatando momentos, explicando passagens, explicitando partes para os alunos,mantendo-os “presos” a um texto, tantas vezes de difícil compreensão para os mais jovens.A performance do actor maravilhou os alunos que ouviram em silêncio atento a declamação,apenas interrompida pelos risos provocados por Fonseca, culminando num longo, espontâneo eentusiasmado aplauso final.Numa interpretação reveladora da obra cuja leitura não é fácil, muitos alunos declararam, no final,o seu profundo agrado e uma renovada curiosidade pelo texto de Camões.A actuação de António Fonseca é magistral e este constituiu, sem dúvida um momento único que,por certo, perdurará, por muito tempo, na memória daqueles que tiveram o privilégio de a elaassistir.Jorge Brandão25.01.2011http://poramaresoslivros.blogspot.pt/2011/01/antonio-fonseca-declama-os-lusiadas-em.html
  16. 16. sexta-feira · 10 de junho de 2011 parágrafo CAMÕES DE CORAÇÃO Há um actor português que está a decorar “Os Lusíadas” e a dizer o poema épico nos palcos. António Fonseca quer levar Camões às pessoas e às vidas que precisam de histórias. páginas VI e VII suplemento ponto final | nº 48Conto no pontoUm homem só com vista para Nam Van. Uma mulher que vai revelando os seussegredos fotográficos. Publicamos “Fogo Lento”, conto de Hélder Beja que venceu aversão portuguesa do concurso promovido pelo Macau Daily Times. páginas II a V
  17. 17. parágrafo sexta-feira · 10 de junho de 2011 parágrafo“Precisarmos todos de ficção nas nossas vidas”De ficção e de pensamento. Foi isto, entre muitos outros impulsos, que levou o actor António Fonseca a decorar “Os Lusíadas” para dizer a obra em palco. Leu bem: decorar e dizer “de coração” todo o grande poema épico português. Está quase. Hélder Beja • helderbeja.pontofinal@gmail.com“Isto é uma ideia maluca”, assume o decidiu avançar e de certeza que mui- “Não é preciso saber música para curtir a música.actor António Fonseca, homem do cinema, tos nos revemos nisto: conhecemosda televisão e, sempre e principalmente, do “Os Lusíadas” dos tempos da escola, Como não é preciso entender o sentido das palavras,teatro. A ideia maluca é ‘só’ a de decorar e mas não temos uma noção plena do a letra de todo o sentido das palavras e das metáfo-dizer em palco os dez cantos de “Os Lusíadas”. texto da obra. Também não tinha?Fonseca, que já fez o mesmo com o “Sermão A.F. – Não tinha, não. Tinha estudado ras, para curtir ouvir ‘Os Lusíadas’.”da Sexagésima”, do Padre António Vieira, co- “Os Lusíadas” no secundário, tinha uma vagameçou em 2008 e hoje já sobe a palco – de ideia. Há toda aquela informação que anda àteatros a escolas – com os cinco primeiros volta de “Os Lusíadas”, da cultura e da histó- memória comigo. Um momento de fruição comigo o X. Isto era o que gostava de fazercantos e uma versão “zipada”, como o próprio ria portuguesa, que entretanto fui assimilan- cultural e artística neste sítio é muito interes- durante os anos de 2012 e 2013. Vamos ver.lhe chama, da obra de Luís Vaz de Camões. do, mas a letra do texto não a conhecia. Devo sante. Ao trabalhar estes textos, trabalho uma - Camões também está no nome do Daqui por um ano, para assinalar o 10 de dizer que a 1 de Junho de 2008 comecei a fa- memória colectiva nossa, lusitana. Dia de Portugal e das Comunidades,Junho na então capital europeia da cultura zer este trabalho e não sabia a primeira estrofe - Como têm sido as apresentações que se assinala amanhã [hoje]. Gos-que será Guimarães, o actor formado em de cor, ‘as armas e os barões assinalados’, que do espectáculo ‘zipadas’ e com os cin- tava de levar esse espectáculo às co-Évora e ligado à Cornucópia durante mais quase toda a gente sabe. Portanto, já se pode co primeiros cantos? munidades espalhadas pelo mundo?de dez anos quer apresentar a versão inte- ver o meu conhecimento da letra do texto. A.F. – Há um preconceito enorme contra A.F. – Evidentemente. Mas penso que nãogral de “Os Lusíadas”. Penso que é o que acontece com quase toda “Os Lusíadas” e as pessoas pensam logo ‘nem faria muito sentido levar o espectáculo glo- Em entrevista, Fonseca – que tem um a gente. Se fosse aqui há 20 anos, se calhar pensar’. Há essa resistência. O que acontece bal, levar os dez cantos. Mas gostaria imensovasto trabalho na área da educação e par- tinha o mesmo preconceito da maior parte é que as pessoas que vão ver, mesmo os mi- de fazer “Os Lusíadas Zipados”, até porque éticipações em filmes como “Os Mutantes” das pessoas: ‘Os Lusíadas? É pá, isso é muito údos, têm gostado muito. Ainda no sábado uma coisa que se pode fazer sem nada, comoou “Porto da Minha Infância” – explica as chato’. Não tinha maturidade, porque é uma passado estive num festival de teatro em Si- tenho feito em escolas. Tenho uma versãomotivações desta empreitada, acompanha- obra muitíssimo difícil de entender e de ler. nes, estavam 120 ou 130 pessoas. Eu estava teatral, com cenário e não sei quê, mas nãoda online em http://lusiadasdecoracao.blo- Curiosamente é muito fácil de ouvir. Se eu a dizer a antologia, “Os Lusíadas Zipados”, acrescenta muito. Claro que gostava de fazergspot.com, que lhe ocupa os dias. Fala da conseguir levar isto a algum lado, é por isso, como lhe chamo. As pessoas que ficaram, no isso mas estou um bocadinho à espera demissão de contar histórias e da vontade de por ser fácil de ouvir. Claro que não é fácil fim, estavam fascinadas, encantadas com a ver o que é que isto vai dar. Não posso fazerquebrar o preconceito que existe em relação para alguém que não tenha alguma informa- coisa. Acho que é um duplo fascínio pela obra tudo. Não posso estar a decorar “Os Lusía-ao poema épico de Camões. ção e alguma curiosidade, porque se vai com e também pela musicalidade. Não tenho tido das” e depois ainda ir falar com o Instituto - A ideia de decorar todo “Os Lusía- preconceito não vai gostar. A maior parte das muita gente. Fiz no Teatro Meridional três Camões. O Instituto Camões é que tem dedas” surge em 2008, verdade? Como? pessoas diz-me que não se devia estudar isto semanas seguidas e tive pouca gente. Mas vir ter comigo. Já fiz o meu trabalho, alguém António Fonseca – Começou aí mas a no secundário, que a gente só pode entender as pessoas que vão ficam fascinadas. Estou que faça o seu. Estou disposto a ir a todo oideia é inerente à minha própria condição quando é mais crescida. Isso é verdade, tam- convencido que isto é uma questão de bater sítio e a fazer isto até na casa das pessoas,de actor. Quando se tem como função, entre bém. Não digo que tecnicamente, e na história no preconceito. Não estou preocupado. Isto é se elas quiserem. De resto, não me importooutras coisas, contar histórias, há sempre básica da cultura, não possa ser abordada, uma ideia maluca e se houver cinco mil pes- de passar dois ou três anos da minha vida acoisas que vão aparecendo. A história de “Os mas é uma obra para maiores de 18 anos, não soas que nem vão ver mas vão dizer ‘como fazer isto. Claro que tenho de viver e têm deLusíadas” é antiga e tem que ver como outras tenho dúvida. “Os Lusíadas” não podem ficar é possível um gajo meter-se nisto’, talvez se me pagar. Daqui por um ano, se as pessoasligações, como quando fiz em Braga vários como uma obra para convertidos, para pesso- “Devo dizer que a 1 de Junho de 2008 comecei a fazer a surfar. Isso demora pelo menos mais um deu mais pistas para as pessoas sentirem e metam noutras coisas. Para mim já é fantás- curtirem e acharem que vale a pena expandirprojectos com o Sindicato de Poesia; e onde as que já sabem, para os tipos da Faculdade este trabalho e não sabia a primeira estrofe de cor, mês, mas é o tempo que faz. Tenho de dizer para estarem mais vivas. Pode ser que este tico. Imagine que tenho cinco mil pessoas isto tudo, estou disponível. Posso estar can-fiz também no fim da década de 1990 um de Letras – e duvido que a maior parte das todos os dias aquele canto, todos os dias, ir trabalho, que nesse aspecto ainda não come- que vão ver isto e outras cinco mil que não sado mas este é o meu trabalho e não tenhoespectáculo com o “Sermão da Sexagésima”, pessoas que por lá passaram a tenham lido ‘as armas e os barões assinalados’, que quase toda a sempre lá. O tempo faz o resto. çou, seja a coisa mais importante que faça na vão ver mas que ficam a matutar naquilo, nada que me queixar.de Padre António Vieira. Outras coisas foram do princípio ao fim. Estou a falar de alunos, gente sabe. Portanto, já se pode ver o meu conheci- - E nunca como uma rezinha. Como minha vida, mas isso não sou eu que digo. às tantas até vão fazer alguma coisa na vida - A fechar: nessa também sua desco-aparecendo como possibilidades, sobretudo não de professores. também diz no texto que tem no site, - Este interesse por adaptar textos deles que tenha que ver com isto ou outra berta pessoal de “Os Lusíadas”, quegrandes textos da literatura portuguesa, de - Dizia que é uma obra fácil de ouvir. mento da letra do texto. Penso que é o que acontece “não há entendimento sem coração”. como o “Sermão da Sexagésima” e coisa qualquer. Isto para mim é tão ou mais texto e que autor encontrou?que a maior parte da população tem infor- E de oralizar? Houve dificuldade em com quase toda a gente.” A.F. – Isso sim. Mesmo quando digo e já “Os Lusíadas”, textos que não são de importante do que as pessoas que vão ver. A.F. – Encontrei um grande artista, ummação, já ouviu falar, mas depois realmente actualizar um texto que tem séculos? sei bem, tenho de dizer implicado. Chego ao palco, também tem que ver com a li- - A ideia é chegar a 2012 e poder di- grande poeta, um grande cidadão – e issonão conhece ou até tem preconceito, por- A.F. – A dificuldade maior é a questão fim de hora e meia de dizer, em casa, cansa- gação à educação que de que falava zer “Os Lusíadas” todos? é muito engraçado. Era uma pessoa comque é muito difícil, porque é muito estra- das referências culturais. “Os Lusíadas” são mais interessantes. Por um lado, a possibi- Esse trabalho, por um lado, não é fácil, mas díssimo. Tem de ser muito implicado fisica- há pouco? A.F. – A 9 de Junho do próximo ano, em um humor refinadíssimo e muito mimalha,nho. Em 2008, por várias circunstâncias, feitos em cima dos paradigmas clássicos, lidade de actualização do texto, no sentido para mim é fascinante. Conseguir surfar no mente, se não, não serve para nada. Tanto que A.F. – Tem que ver com uma ideia muito Guimarães, então capital europeia da cultu- que se está sempre a queixar, muito frágil.a coisa amadureceu na cabeça. Tinha um dos deuses, do vocabulário. A maior dificul- de a gente ver que o texto tem ressonâncias texto, isso sim é genial. É só isso que quero preciso de estar numa forma física muito boa, mais vasta, que é nós precisarmos todos mui- ra, vou fazer os dez cantos. Vou fazer nove Isso sente-se em muitas partes da obra. Adilema: estava a pensar fazer um mestrado dade é perceber a que é que correspondem humanas, de vida, de pensamento, que nos passar às pessoas, esse planar nesta música. porque já não sou propriamente novo. to de ficção nas nossas vidas, precisarmos de seguidos: às 10h o primeiro, às 11h o II, ao gente sente a fragilidade mas percebe que éem questões de teatro, mas depois pensei algumas referências, muitas vezes até actu- são familiares e que são as nossas; e por - Diz no site do projecto que este - Diria que este é o seu maior desa- histórias, de pensamento. Esses textos têm meio-dia o III, com um intervalo de duas mimalhice também, e isso é muito bonito.que o mestrado não tinha graça, ia andar alizando. Se no século XVI havia uma elite outro lado jogar com outra coisa, que é a não é um espectáculo circense de fio enquanto actor? muita ficção e muito pensamento. Do meu horas e por aí fora, até às 23h. A essa hora Depois, é uma obra musical absolutamentedois ou três anos a aprender uma coisa que que tinha essas referências da cultura clás- musicalidade do texto. É a mesma coisa que memória. Ainda assim é preciso uma A.F. – Enquanto actor perfomer é sem ponto de vista, uma das minhas funções é entram 40 ou 50 pessoas da população, com fascinante. Tem pedaços melhores e peda-depois não servia para nada. Então decidi sicas, hoje não sei se é assim. Penso muitas ouvir uma sinfonia de Beethoven. Se soube- capacidade grande. Como é o método dúvida o meu maior desafio. Ainda não con- contar histórias. Costumo dizer que só me quem trabalhei nos meses anteriores, uma ços piores. Ainda não trabalhei em porme-decorar “Os Lusíadas”. Parece caricato, mas vezes nisso, sobretudo no canto VI, quando res música, és capaz de curtir mais. Mas, se de trabalho? segui fazê-lo, só daqui a um ano. Como actor interessam três coisas como actor: fazer rir, orquestra e juntos dizemos o X canto. O que nor os VIII, IX e X cantos, mas dá-me im-foi assim que amadureci a ideia, que tirei a é o consílio dos deuses marítimos, porque gostares de música e não souberes, sentas- A.F. – É trabalho, trabalho, trabalho. O cidadão, acho que não é. Distingo o perfor- fazer chorar e inquietar. Não me interessa queria a seguir era, em todas as capitais de pressão que ele está muitíssimo inspiradomaçã da árvore. Claro que há também a li- aquilo parece uma reunião na Quinta da te e apanhas ali um banho que não sabes de método tem fases. Primeiro leio tudo, uma, mer do actor que é cidadão, e aí penso que mais nada. Trabalho com estas três e ideias. distrito, onde há teatros, fazer a antologia até ao fim do canto VII. Os cantos restantesgação que sempre mantive com a educação, Marinha. É tal e qual. Vem um com a espo- quê. Não é preciso saber música para curtir duas, três vezes. Depois começo a desmon- não é de certeza a coisa mais importante e Ora, se a gente vai à procura de textos de que dos dez durante a semana, e depois no sá- já são um bocadinho a arrastar. Para mim,que me leva a pensar que, como actor, devo sa, aquela levava do marido... Parece uma a música. Como não é preciso entender o tar, vendo as notas todas e o que as referên- interessante que fiz na vida. As coisas que fiz as pessoas já têm alguma memória, é mais bado fazer tudo, sendo o X canto sempre globalmente, os grandes cantos são o III, IV,ter imensa responsabilidade de fazer passar reportagem da revista Caras, com umas sentido das palavras, a letra de todo o senti- cias querem dizer. Depois começo estrofe em Braga, ou mesmo as coisas que fiz numa possível viajarmos em conjunto. Proponho a com a população do sítio. Iria um mês antes, V e VI. Se calhar um especialista de Camõespara as pessoas mais novas as grandes obras fotografias e uns comentários do ex-Carlos do das palavras e das metáforas, para curtir a estrofe, ou por blocos. Essa é a fase mais escola secundária em Carnaxide, foram mui- coisa com uma ‘profundidade’, com um co- trabalharia com as pessoas e elas diriam não dirá isto, mas é o que sinto.da literatura e do passado. Deveríamos ter Castro. Estou convencido que, na altura, ouvir “Os Lusíadas”. É nesse sítio que estou violenta, que é fazer isto e ao mesmo tempo to importantes enquanto actor cidadão. Não nhecimento de coração, que as pessoas nuncaessa competência de ler a poesia e os roman- como as pessoas sabiam aquelas coisas dos a trabalhar, fundamentalmente. tentar dizer, mas tentar dizer no pensamento propriamente enquanto ‘artista’ que é visto, tiveram. Esta viagem comum torna-se mais “A questão é esta: qual vai ser a importância distoces de uma forma muito mais fascinante do deuses, fazia sentido e divertiam-se imenso. - E como foi para si ler verdadeira- e não nas palavras. Decorar fôlegos de pensa- mas como cidadão dentro da minha função fácil se as pessoas tiverem as mesmas referên-que a maior parte dos professores de Por- Hoje, a Quinta da Marinha é muito mais mente “Os Lusíadas”? mento, bocados de narrativa. Ao ritmo a que social. Não penso que isto venha a ser a coisa cias. Por exemplo, uma das coisas que queria para as pessoas do meu país? E aí posso vir a dizertuguês faz – e claro que há professores de popular. Há coisas que são desse núcleo e A.F. – É muito difícil desmontar aquilo trabalho nisto – em média duas horas por mais importante, mas pode ser, porque não fazer – e que já não vou fazer, porque estou que foi a coisa mais importante, porque foi a que maisPortuguês que fazem muitíssimo bem. Mas hoje perderam-se. Mesmo a classe ‘culta’ tudo. Tenho de ir à procura das referências dia há três anos e tal – 100 estrofes, uma mé- sei que dimensão vai ganhar. A questão é velho e não vou ter tempo – era pegar no Pes-os actores deviam ter essa competência de tem outras referências e o público em geral todas, que também não as sei. Depois de ter dia de um canto, no princípio demoravam- esta: qual vai ser a importância disto para as soa e fazer duas horas nos heterónimos, um tocou e ajudou as pessoas, que deu mais pistas parafalar um texto escrito. Essa também é uma não tem. Portanto, não pode ser por aí que este trabalho todo mastigado, é quase como me três meses. Umas 150 a 200 horas. Agora pessoas do meu país? E aí posso vir a dizer bocado como “Os Lusíadas”. Porque a geração as pessoas sentirem e para estarem mais vivas.”das razões por que estou a fazer isto. a gente lê “Os Lusíadas”. Essas coisas têm preparar um concerto, é ver os pormeno- demoro menos. Depois, há outra fase que que foi a coisa mais importante, porque foi mais nova de uma forma geral tem muita in- - Li o texto em que explica por que de desvalorizar e valorizar outras que são res todos da escrita e depois deixar surfar. é mecanizar isto. Dizer e dizer até começar a que mais tocou e ajudou as pessoas, que formação sobre o Pessoa e podem jogar essaVI VII
  18. 18. 2012
  19. 19. António Fonseca trouxe-nos "Os Lusíadas" ... Entrevistado na BibliotecaNo passado dia 26 de abril, o ator António Fonseca esteve naEscola EB 2,3 de Celeirós, numa atuação com um recontoextraordinário da antologia dos cinco primeiros Cantos de OsLusíadas. A iniciativa, da responsabilidade do grupo de LínguaPortuguesa, proporcionou um momento inesquecível a todosos alunos do 9ºano, que numa perspetiva única tiveram oprivilégio de assistir a uma análise da obra diferente da quejá tinham feito, nas aulas de Língua Portuguesa. No seu modo teatral, criou entusiasmo em toda a plateia
  20. 20. Durante duas horas, António Fonseca disse, de memória,algumas estâncias de Os Lusíadas, interpretando os seuspersonagens, relatando momentos e explicando passagens,sensibilizando os alunos para uma obra grandiosa que fazparte do imaginário coletivo e que revela o fascínio de umaviagem pelo desconhecido. A atuação de António Fonseca“prendeu “os alunos a um texto, de difícil leitura einterpretação , apenas interrompida pelas explicações doator que provocaram um misto de sensibilização e consciênciado valor de tão grandiosa obra e os seus apartes eloquentes edivertidos. Foram momentos únicos de extasiado silêncio quelevaram os alunos a repensar Os Lusíadas de uma outra formae a quererem ouvir mais ,mas como disse António Fonseca“Só no dia 9 de junho , em Guimarães”. Numa performancemagnífica, António Fonseca deixou na memória de todos osque tiveram o privilégio de o ouvir, um espetáculo magistral.Profª Aurora Oliveiraat Quarta-feira, Maio 02, 2012http://becreceleiros.blogspot.pt/2012/05/antonio-fonseca-trouxe-nos-os-lusiadas.html
  21. 21. Encontro com Ator António FonsecaPor Lígia Fernandes (Professora), em 2012/05/28 37 leram | 0 comentários | 3 gostamEncontro com o ator António Fonseca sobre "Os Lusíadas" Ao longo das manhãs de 16 e 17 de maio, todos os alunos do 9º ano da nossa escola tiveram o privilégio de participar num encontro com o ator António Fonseca. O pretexto para este encontro foi a leitura de “Os Lusíadas”, de Luís de Camões, cuja apresentação integral está a ser preparada pelo ator. Foi uma partilha diferente,inovadora, que possibilitou uma abordagem nova e nos permitiu, a todos, ver esta obra numaperspetiva distinta da habitual, sob o olhar atento e perspicaz de alguém que diz o texto de cor,ou seja, com o coração. A “conversa” repetiu-se no dia 27, desta vez com os professores, não só os de LínguaPortuguesa, mas com todos aqueles que puderam não ficar indiferentes à genialidade de Camõese ao arrojo de alguém que propõe uma leitura muito especial de uma das maiores obras da nossaliteratura. O agrado foi geral e fica, pois, marcado um novo encontro para o dia 9 de junho, no CCVF,onde terá lugar a apresentação integral da obra, com início às 10h da manhã.Lígia Fernandeshttp://meira.wikijornal.com/Artigo.asp?id=1261&d=encontro_com_ator_antonio_fonseca
  22. 22. Tiragem: 10500 Pág: 2 País: Portugal Cores: Cor Period.: Quinzenal Área: 3,79 x 10,00 cm²ID: 42047928 30-05-2012 Âmbito: Lazer Corte: 1 de 1
  23. 23. Tiragem: 153674 Pág: 4 País: Portugal Cores: Cor Period.: Semanal Área: 14,52 x 13,64 cm²ID: 42087301 01-06-2012 | TV Âmbito: Informação Geral Corte: 1 de 1
  24. 24. Tiragem: 135000 Pág: 9 Destak Porto País: Portugal Cores: Cor Period.: Diária Área: 13,54 x 14,42 cm²ID: 42126119 04-06-2012 Âmbito: Informação Geral Corte: 1 de 1 CAPITAL DA CULTURA ‘Os Lusíadas’ com 100 vimaranenses em palco SUSANA PAIVA RAQUEL MADUREIRA rmadureira@destak.pt A Capital Europeia da Cultura estreia, no pró- ximo sábado, no Centro Cul- tural Vila Flor, em Guimarães, uma interpretação de António Fonseca sobre os 10 cantos da obra de Camões, Os Lusíadas, que estará em palco ao longo de oito horas, entre as 10h e as 23h. Numa co-produção do Teatro Meridional e da Ca- pital Europeia da Cultura, a peça junta em palco cerca de 100 vimaranenses que estão, desde Abril, a trabalhar com o actor. A criação, que está a ser de- senvolvida pelo actor há cerca Maratona de oito horas no Centro Cultural Vila Flor de quatro anos, centra-se nu- ma apresentação de excertos tam-se a António Fonseca pa- Camões e das Comunida- da epopeia clássica, interrom- ra interpretarem o 10º e últi- des, um apelo à alma e à his- pida por comentários e inte- mo canto. No dia que antecipa tória nacionais, numa via- racções com o público. No fi- as comemorações de 10 de gem que é também profun- nal, os 100 vimaranenses jun- Junho – Dia de Portugal, damente autobiográfica.
  25. 25. Tiragem: 4000 Pág: 3 País: Portugal Cores: Cor Period.: Bimensal Área: 22,91 x 24,34 cm² ID: 42260162 06-06-2012 Âmbito: Regional Corte: 1 de 1Uma ‘maratona de com especial ênfase para o Canto X. Obra de referência da nossa his- tória e da nossa memória coletiva, construída sob o signo da viagem, ator a partir do coração, que é a for- ma mais intensa do entendimento”, refere a organização dos Festivais Gil Vicente. E, segundo a mesma fonte,falação’ para de Lisboa a Calecut na descoberta do caminho Marítimo para a Índia, “Os Lusíadas” são também a síntese e o prolongamento de todas as via- “num período do mundo em que a todos nós ‘Lusíadas’, afinal a todos os portugueses, nos é exigido um es- forço quase sobre-humano ao nívelcelebrar Camões, gens, numa memorável metáfora da própria vida, emoldurando a nossa alma lusitana e a nossa identidade da nossa sobrevivência individual e coletiva, o Teatro Meridional quer con- tinuar a ver no Mar o horizonte dePortugal e a vida enquanto povo. “Esta é a grande his- todas as Viagens, e exaltar, espalhar tória do ser humano, porque é isso e cantar por toda a parte se a tanto que ‘Os Lusíadas’ contam: a história nos ajudar o engenho e a arte… “Mais da vida, no sentido em que a vida é do que prometia a força Humana”… uma viagem por um desconhecido, e Licenciado em Filosofia, AntónioNO ÂMBITO DOS FESTIVAIS GIL VICENTE, O ATOR ANTÓNIO aquela viagem à Índia foi a viagem Fonseca, natural de Burgães (SantoFONSECA DÁ VOZ A “OS LUSÍADAS”. LEITURA INTEGRAL DA por um desconhecido enorme”, refe- Tirso) é ator desde 1977. Foi nomea- re o ator que em abril deste ano es- do para os Globos de Ouro para me-OBRA DE CAMÕES A PARTIR DAS 10 HORAS DO teve em Vila das Aves no âmbito das lhor ator de teatro por “Wating for Go-PRÓXIMO SÁBADO, DIA 9 DE JUNHO, EM GUIMARÃES sessões da Comunidade de Leitores dot”, encenado por Miguel Seabra, do Centro Cultural, onde leu algu- do Teatro Meridional (2006) e a mes-Desde há uns anos a esta parte que mas das passagens mais marcantes ma nomeação este ano pelo traba-o ator António Fonseca – por inter- da obra de Camões. lho na peça ‘Vermelho’, encenada pormédio do Teatro Meridional - anda “Neste espetáculo, esta grande João Lourenço. Colabora regularmen- TEATRO: “OS LUSÍADAS”às voltas com o épico de Camões. Já Guimarães, Centro Cultural Vila Flor. Dia 9 de junho. estória com História, vai ser contada te em projetos de formação nas áre-fez maratonas de cinco horas com a Apresentações: Canto I - 10h00; Canto II - 11h00; Canto através de episódios e factos referi- as do Teatro, com destaque para a III - 12h00; Canto IV - 15h00; Canto V - 16h00; Canto VIleitura e interpretação da primeira - 17h00; Canto VII - 18h00; Canto VIII - 19h00; Canto IX dos numa viagem profundamente au- colaboração mantida com o Curso de - 22h00; Canto X - 23h00. Bilhetes a 5 euros.metade d’ Os Lusíadas mas ficou sem- Morada: avenida D. Afonso Henriques, 701. 4810-431 tobiográfica como as mais ingénuas Teatro e Educação da ESECoimbra. ||||||pre o desejo de apresentar, num 10 Guimarães. Telefone: 253 424 700. www.ccvf.pt FOTO: SUSANA PAIVA estórias infantis e comunicada pelo SUSANA AIVAde Junho, a obra por inteiro. Quatroanos depois, mais coisa menos coi-sa, António Fonseca, concretiza-o. Integrado nos Festivais Gil Vicente,e em estreia absoluta, o ator sobe, nopróximo sábado, ao palco do CentroCultural Vila Flor, em Guimarães, paraa apresentação integral do épico deCamões numa “maratona de falação”que começa no dia 9 (10h00) e ter-mina a 10 de junho, data em que seassinalam 440 anos da edição d’ “OsLusíadas”. “Será uma momento únicoe uma forma diferente de festejar oDia de Portugal”, sublinhou o progra-mador de artes performativas de Gui-marães Capital da Cultura, no âmbi-to da apresentação dos Festivais GilVicente (ver página 9). António Fon-seca não estará sozinho em palco, jáque para este espetáculo foram convo-cadas “muitas famílias de Guimarães”,
  26. 26. Famílias de Caldas das Taipas juntam-se naoralização de Os Lusíadas06.JUN.2012 | Guimarães - CEC 2012 A iniciativa é inovadora. António Fonseca, actor, apresentará no dia 9 de Junho, no Centro Cultural Vila Flor, Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões.No canto décimo, cederá a voz a várias famílias de Guimarães, para aconclusão da apresentação da obra que canta, como refere, a “vida depessoas com coragem”.O actor, natural de Santo Tirso, nomeado pela segunda vez para os Globos deOuro para melhor ator de teatro (já o tinha sido em 2007), trabalha nesteprojecto já há quatro anos.Quando começou a pensar nesta apresentação, ainda estava longe de pensarque viria a integrar a programação da Capital Europeia da Cultura. Aintegração na CEC 2012 não veio alterar substancialmente a ideia original deAntónio Fonseca, “Já tinha feito a apresentação dos primeiros cinco cantosem vários locais do país e as mudanças, para o dia nove de Junho,prendem-se mais com alguns aspectos ligados aos cenários e aos aspectos
  27. 27. Quando começou a pensar nesta apresentação, ainda estava longe de pensarque viria a integrar a programação da Capital Europeia da Cultura. Aintegração na CEC 2012 não veio alterar substancialmente a ideia original deAntónio Fonseca, “Já tinha feito a apresentação dos primeiros cinco cantosem vários locais do país e as mudanças, para o dia nove de Junho,prendem-se mais com alguns aspectos ligados aos cenários e aos aspectosvisuais”.A inovação principal do projecto original foi o de chamar ao palco váriasfamílias que vão oralizar o canto décimo. Para António Fonseca estaparticipação aconteceu de uma forma natural, “Os Lusíadas é uma coisanossa, é um património colectivo e seria mais interessante juntar maispessoas num projecto que começou mais individual. Quando ficou decididoque a apresentação seria em Guimarães, pensei logo nas famílias. Se fosseem Coimbra, talvez pensasse nos estudantes das diferentes faculdades; nonorte, a família é algo ainda muito forte, muito emocional, muito afectivo eos tempos que vivemos são mais incertos do que há vinte anos atrás. Nãosabemos o que nos reserva o futuro e o que nos espera não será fácil deenfrentar e tudo o que seja cimentar os laços colectivos ajudar-nos-á a viver.A cultura entrar nestas relações familiares é importante e o facto de umafamília se juntar não para um baptizado mas para tratar Os Lusíadas éfantástico”.Ao todo, no palco principal do Centro Cultural Vila Flor, ao lado de AntónioFonseca, passarão 97 pessoas, dividas por várias famílias, das quais quatrosão de Caldas das Taipas e de freguesias circunvizinhas. António Fonsecacomeçará às dez horas com a oralização, de hora a hora, dos nove primeiroscantos. Serão realizados dois intervalos, o primeiro entre as 13 e as 15 horase o segundo será das 20 às 22 horas para jantar, coincidindo com a realizaçãodo primeiro jogo de Portugal no Europeu de futebol. Às vinte e duas horas,canto nono será ainda oralizado por António Fonseca e pelas onze horascomeçam a entrar as famílias que concluirão o canto décimo da obra de
  28. 28. são de Caldas das Taipas e de freguesias circunvizinhas. António Fonsecacomeçará às dez horas com a oralização, de hora a hora, dos nove primeiroscantos. Serão realizados dois intervalos, o primeiro entre as 13 e as 15 horase o segundo será das 20 às 22 horas para jantar, coincidindo com a realizaçãodo primeiro jogo de Portugal no Europeu de futebol. Às vinte e duas horas,canto nono será ainda oralizado por António Fonseca e pelas onze horascomeçam a entrar as famílias que concluirão o canto décimo da obra deCamões.No dia que antecipa as comemorações de 10 de Junho – Dia de Portugal, deCamões e das Comunidades Portuguesas –, o actor apela à alma e à histórianacionais, numa viagem que é também profundamente autobiográfica. Osbilhetes para o espectáculo “Os Lusíadas” já estão disponíveis e podem seradquiridos, por cinco euros, no CCVF, FNAC e Bilheteira Online.
  29. 29. Todos os Cantos de "Os Lusíadas"Alexandra Madeira, RTP08 Jun, 2012, 18:00 / Última atualização 08 Jun, 2012, 18:00De fio a pavio, a obra maior de Luís Vaz de Camões foi dita, hora a hora, no palco do grande auditório doCentro Cultural Vila Flor.Um projeto do ator António Fonseca, que há alguns anos se embrenha pelas estrofes de "Os Lusíadas". É dito um canto por hora. O último,o Canto X, junto com várias famílias entusiastas de Guimarães. Em palco quase cem pessoas numa produção que foi apresentada a 9 dejunho.A antena 1 assistiu a um dos ensaios.Ouvir em http://www.rtp.pt/guimaraes2012/artigo/?t=Todos-os-Cantos-de-Os-Lusiadas&artigo=121
  30. 30. Tiragem: 8000 Pág: 12 País: Portugal Cores: Cor Period.: Diária Área: 15,31 x 4,83 cm²ID: 42215241 09-06-2012 Âmbito: Regional Corte: 1 de 1 GUIMARÃES: ACTOR NARRA prolongamento até amanhã, a “primeira política”, a história épica narrada por LUSÍADAS EM 10 HORAS interpretação integral” da obra maior Camões “não é a de reis e nobres”, A história d’Os Lusíadas, de Luís Vaz de da literatura portuguesa. “é do povo”, como, apontou, “afirma, o Camões, vai ser contada ‘na íntegra’ ao “Trezentos gajos fizeram-se à vida próprio Camões no texto ao dizer: E longo de dez horas, numa peça levada em naus, enfrentaram doenças, também as memórias gloriosas/ Daque- ao palco pelo actor António Fonseca e tempestades. Não eram nobres, eram les Reis, que foram dilatando/ A Fé, o por mais de 100 vimaranenses dos pobres, condenados, marinheiros. Império”, disse. “Esta é uma história sete aos 80 anos. Passaram as tormentas, chegaram ao fechada nos eruditos. Quis conta-la, “Nenhum canto será esquecido”, desconhecido”. - “Esta é a verdadeira fala-la, analisa-la sem perceber nada”. garantiu António Fonseca, que estreia na história d’Os Lusíadas”, explicou o actor. Capital Europeia da Cultura, hoje com Ao contrário do “defendido pela
  31. 31. Tiragem: 46102 Pág: 44 Público - Porto País: Portugal Cores: Preto e Branco Period.: Diária Área: 10,41 x 16,36 cm²ID: 42212105 09-06-2012 Âmbito: Informação Geral Corte: 1 de 1 Poesia PAULO PIMENTA O homem que meteu 8816 hora, com uma interrupção para versos na cabeça almoço a seguir ao canto III, e Os Lusíadas. Espectáculo de outra para jantar depois do VIII, António Fonseca. Guimarães a maratona começa às 10h00 e 2012. Centro Cultural Vila Flor, prevê-se que acabe já no dia 10, a partir das 10h00. quando se comemoram os 444 De cor, par coeur, by heart: são anos decorridos desde a primeira muitas as línguas em que o acto edição do poema. No último de dizer algo que previamente canto, o actor será secundado por se memorizou é relacionado, um coro de cem vimaranenses. não com o cérebro, mas com Não se trata de um espectáculo o coração. Como se o que se mais ou menos circense, nem sabe de cor passasse a fazer de uma tentativa de figurar parte de nós, do nosso corpo. no Guiness. Trata-se de dizer E talvez seja justamente isso o um poema de cor, a partir do que acontece. Há quatro anos, coração, como os poemas devem António Fonseca começou a ser ditos. Os Lusíadas merecem decorar Os Lusíadas. Hoje, em ser ditos assim. Felizmente Guimarães, vai “falá-los” (é ele surgiu alguém suficiente louco próprio quem recorre a este para se propor fazê-lo, alojando verbo, em detrimento de “dizer” na cabeça e no coração as 1102 ou “recitar”) de uma ponta a estrofes, num total de 8816 outra. Ao ritmo de um canto por versos, que Camões nos deixou.
  32. 32. ATOR ANTÓNIO FONSECARECITA "OS LUSÍADAS"DURANTE 12 HORASEspetáculo emGuimarães assinalaos 440 anos dapublicação da obrade Luís de CamõesDelfim Machadocultura@jn.ptA MAIOR epopeia portugue-sa jamais publicada, "Os Lu-síadas", é o tema de um espe-táculo de teatro de 12 horas António Fonseca levou quatro anos a preparar récitaque vai decorrer hoje no Cen-tro Cultural de Vila Flor, em deste trabalho. "Não é uma ca, ao JN. Como profissionalGuimarães. Foi há 440 anos coisa extraordinária andar de histórias, encontra moti-que a obra de Luís Vaz de Ca- quatro anos a trabalhar no vação delineando bem os ob-mões foi publicada pela pri- mesmo projeto, há pessoas jetivosdasuavida, "o porquêmeira vez, e a Capital Euro- que trabalham no mesmo a de ser ator".peia da Cultura não quis dei- vida inteira", afirma Fonse- As 12 horas de "Os Lusía-xar passar a efeméride. das" passam pelos dez cantos Assim, convidou o ator An- da obra no caminho até à ín-tónio Fonseca, que interpre- NO ÚLTIMO dia. No final de cada um, háta Ambrósio Conde na tele- CANTO intervalos de dez minutos.novela "Rosa fogo", para re- O ATOR CONTA No último canto, Antóniocitar a obra na íntegra. Dos 3 5 COMA Fonseca conta com a ajuda deanos de carreira do ator por- COLABORAÇÃO cerca de 80 pessoas. A récitatuguês, os últimos quatro fo- DE 80 PESSOAS começa às 10 horas e terminaram passados na preparação à meia-noite. •
  33. 33. Famílias de Guimarães juntaram-se na oralização de “Os Lusíadas” (FOTOS)12.JUN.2012 | SociedadeA estreia aconteceu no dia 9 de Junho, no âmbito da Capital Europeia da CulturaAo longo de mais de oito horas, entre as 10h00 e as 24h00, António Fonseca apresentou no Centro Cultural Vila Flor(CCVF) os mais de mil versos decorados ao longo de quatro anos. No décimo e último canto, a maratona juntou empalco cerca de 100 vimaranenses que, desde Abril, trabalharam com o actor.No canto décimo, cedeu a voz a várias famílias de Guimarães, para a conclusão da apresentação da obra que canta,como refere, a “vida de pessoas com coragem”. Para António Fonseca esta participação aconteceu de uma formanatural, “Os Lusíadas é uma coisa nossa, é um património colectivo e seria mais interessante juntar mais pessoas numprojecto que começou mais individual.Apesar da primeira edição de Os Lusíadas ter sido publicada pela primeira vez em 1572, António Fonseca entende quenão fazia sentido fixar essa história no tempo em que foi escrita, “Os Lusíadas faz-nos pensar no mundo de hoje, nanossa vida, como povo e como pessoas e temos que inventar Os Lusíadas como se fossem criados agora”.António Fonseca não deixa dúvidas quanto à actualidade da viagem de Camões: “Os Lusíadas é uma grande história devida e viver é ir à aventura, viver é arriscar. O que é que aqueles trezentos homens fizeram? Arriscaram, arriscaram avida, arriscaram viver. O que é que eles estavam a fazer em Portugal? Não foram para dilatar a fé ou o império. OVasco da Gama, eu sei o que ele fazia como o resto dos maiorais da época, mas, e os outros?. Na proposição, Camõesdiz: eu canto, as armas e os barões assinalados que foram descobrir a Índia que se meteram ao mar, a memória dos reisque dilataram a fé e o império e as terras viciosas de África e todos que por obras valorosas se vão da lei da mortelibertando e o peito ilustre lusitano. Ele canta pessoas com coragem, é isso que ele canta. Só canta uma coisarelativamente à memória dos reis, agora, as coisas importantes que canta, são os homens corajosos que se lançaram àvida. Na proposição, “a memória dos reis que dilataram a fé e o império “ é simplesmente uma nota de rodapé e nãopodemos fazer desta nota de rodapé o principal, no meu atender, é adulterar o que Camões escreveu”.
  34. 34. Lusíadas no CC Vila Florhttp://www.reflexodigital.com/index.php?cat=43&item=13882
  35. 35. OS LUSÍADAS À VOLTA DA MESAO actor António Fonseca disse de cor a obra integral de Camões numa maratona que durou mais de meiodia. A primeira estrofe foi ouvida ainda às escuras.Sozinho em palco, o actor António Fonseca apresentou sábado [9 de Junho], em Guimarães, os dez cantos d’OsLusíadas. Mas sozinho nunca esteve. Alguns resistentes ouviram a «falação» desde as 10h, e o Canto X, às23h, foi dito pelos membros de dez famílias do concelho de Guimarães. Durante nove horas, António Fonseca foipuxando conversa, explicando as referências mais obscuras do poema épico e fazendo apartes que mostravama actualidade dos versos: o jogo da selecção, a ilha da Madeira, os jornalistas e o ministro. Os temas actuaissurgiam inesperadamente por conta dos próprios versos. Alguns espectadores davam troco, e assim sepassaram nove cantos, um por hora, com almoço e jantar pelo meio.As famílias, que acompanharam o actor nos últimos dois meses, subiram ao palco do Grande Auditório doCentro Cultural Vila Flor para encerrar o acto, dizendo a maior parte das estrofes do Canto X. A epopeia dosheróis lusitanos tornou-se um serão à volta da mesa, onde se mostraram os lusíadas de hoje, cujo heroísmo foichegar-se à frente para dizer os versos de Camões e, neles, dizerem-se de outra maneira. A primeira estrofe foiouvida ainda com o palco às escuras, fazendo prova que o actor não tinha teleponto. Os versos iniciais, que játoda a gente aprendeu e esqueceu, ressoaram na escuridão como se estivessem a ser arrancados à memória.Pouco a pouco, a sala iluminou-se, revelando os mapas da Europa, de África e da Península Ibérica (depoissubstituído pelo da Índia) estampados em velas de navios. Quando necessário, António Fonseca apontava nomapa, com uma luzinha, o local de que se falava nas estrofes, com os nomes exóticos que Camões designa.
  36. 36. Posto à vontade, o público participava quando queria. Uma criança reparou na ilha de São Lourenço e corrigiu deimediato: «aquela ilha é Madagáscar». Sim, responde o actor, vão ver mais tarde. E no Canto X lá está: «de SãoLourenço vê a ilha afamada / Que Madagáscar é dalguns chamada». No Canto VIII, antes de prosseguir, o actorexplicou que diria algumas estrofes mais rapidamente, para não se demorar muito nos feitos dos vários heróisnacionais. Uma espectadora, comovida, interrompeu para frisar que estavam ali para o ouvir, e que eledemorasse o tempo que fosse preciso. «Não desanime, por favor. Estamos a ver o esforço que está a fazer equeremos ouvir tudo.» António Fonseca aproveitou para lembrar que tudo aquilo – inclusive o aparente esforço –era truque teatral, e que estava ali para mentir, como Camões fazia, porque uma história só é boa se forfingimento. A pena que a espectadora teve dele era o melhor elogio que poderia ouvir.A última parte começou já depois da derrota da selecção portuguesa, motivo para mais apartes. É o mesmo tipode apartes que Fonseca usou nos ensaios com as famílias. Estas famílias lusitanas foram encontradas um poucoao acaso. Augusta Sousa, por exemplo, foi uma das duas famílias contactadas pelo serviço educativo do CCVF.Expôs o caso à família num almoço dominical. Os homens puseram-se logo de fora. Mas entre ela e as filhas,algumas primas e amigos, lá juntaram gente suficiente. Nem sabiam se iam ser escolhidas. Mas ao cabo dealguns ensaios e jantares, lá foram, briosas. Ana Baltar, ao contrário, contracenara com António Fonseca hámais de quarenta anos, num grupo amador da região. Por ocasião dos seus cinquenta anos, as irmãsreconstituíram a representação como prenda de aniversário e contactaram o agora actor profissional para sabercomo tinha sido. Quando o projecto dos Lusíadas veio para Guimarães, António desafiou Ana a participar. E láestavam, na primeira fila, os pais orgulhos dos rebentos, aperaltados, dando o seu melhor, mostrando o valordos portugueses.Faltou um convidado: D. Sebastião. A meio da plateia, uma cadeira iluminada, com um aviso de reservado,simbolizava o Desejado, a quem o poema foi originalmente dedicado, e o lugar dos governantes portugueses. Jádepois dos versos finais, em jeito de coda, António Fonseca apontou a cadeira que estava destinada a D.Sebastião, mas que este não ocupara por falta de nevoeiro. Seria essa a cadeira para Presidentes, Ministros eSecretários de Estado, se tivessem vindo: «Não sabíamos que também precisavam de nevoeiro.» No final,aproveitando as invectivas de Luís Vaz de Camões, António Fonseca interpelou presentes e ausentes. A pátria«está metida no gosto da cobiça e na rudeza de uma austera, apagada e vil tristeza»; «um fraco rei faz fraca aforte gente». A maratona terminou, já depois da meia-noite, com um «Viva a forte gente!», que arrancou asaudação emocionada da plateia.Jorge Louraço Figueirahttp://estadocritico.wordpress.com/2012/06/14/os-lusiadas-a-volta-da-mesa/Público – 12.06.2012

×