Destaque, Internet, Notícias, Redes Sociais,  HYPERLINK "http://msn.techguru.com.br/category/techguru-2/" o "Ver todos os ...
Tecnologia salvou e ainda salva vidas
Tecnologia salvou e ainda salva vidas
Tecnologia salvou e ainda salva vidas
Tecnologia salvou e ainda salva vidas
Tecnologia salvou e ainda salva vidas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tecnologia salvou e ainda salva vidas

384 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
384
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tecnologia salvou e ainda salva vidas

  1. 1. Destaque, Internet, Notícias, Redes Sociais,  HYPERLINK "http://msn.techguru.com.br/category/techguru-2/" o "Ver todos os posts em Techguru" Techguru,  HYPERLINK "http://msn.techguru.com.br/category/twitter/" o "Ver todos os posts em Twitter" Twitter »<br />Japão: Tecnologia salvou e ainda salva vidas…<br />14 de março de 2011 – 18:30 HYPERLINK "http://msn.techguru.com.br/japao-tecnologia-salvou-e-ainda-salva-vidas/" l "respond" View Comments<br />É com muito pesar que escrevo este post, afinal, um dos maiores terremotos da história, devastou o Japão no final da semana passada. Felizmente, a tecnologia e o preparo do país e da população para estes acontecimentos, com certeza salvaram e ainda estão salvando muitas vidas.<br />Na sexta-feira passada, todos assistimos pela televisão, e vimos pela internet, um terremoto de magnitude 8,9 e uma tsunami, assolarem o Japão. As imagens são fortes e devastadoras, o que nos faz pensar o que poderia ser feito para que desastres como este pudessem ser evitados. Na verdade, evitar desastres naturais é impossível, mas com a ajuda da tecnologia podemos amenizar os estragos, seja nos preparando com antecedência, ou avisando a população um pouco antes do fato ocorrer.<br />Todos sabemos que o Japão é um dos países mais preparados do mundo quando o assunto é terremoto e tsunamis, afinal, está localizado em uma região do globo terrestre extremamente propícia para estes acontecimentos naturais tão devastadores. Em função disso, o preparo da população é feito desde a escola primária, e bilhões são gastos com sistemas de aviso de terremotos e tecnologias de construção capazes de resistir tais acontecimentos.<br />Sistema de monitoramento:<br />O Japão gasta aproximadamente US$ 20 milhões (R$ 33,2 milhões) por ano com um moderno e eficiente sistema de monitoramento de terremotos e de alerta de tsunamis. Ele foi planejado e executado com a experiência de meio século do país convivendo com desastres naturais como o de sexta-feira.<br />O sofisticado sistema é alimentado por uma rede de aproximadamente 1.000 sismógrafos espalhados por todo o país, capazes de detectar e analisar as primeiras ondas dos terremotos, divulgando um alerta em tempo real. Para espalhar rapidamente os alertas, a Agência Meteorológica do Japão e a imprensa desenvolveram um sistema que coloca os avisos nas telas de TV assim que eles são recebidos. Os alertas também são enviados às autoridades locais por um sistema via satélite, que complementa as comunicações terrestres. As autoridades locais ativam sirenes e sistemas de alto-falantes, e também decidem se é preciso ordenar a remoção da população.<br />“O sistema funcionou muito bem, porque os alertas foram mostrados em redes de televisão por todo o país”, disse o especialista Hirohito Naito, da Agência Meteorológica Japonesa. Em Tóquio, o primeiro choque foi sentido cerca de um minuto depois do alerta, tempo suficiente para que as pessoas se preparem conforme foram ensinadas desde a escola primária.<br />Vendo as imagens do desastre pode parecer que não, mas com certeza milhares de pessoas foram salvas em função do aviso prévio feito pelo sistema de monitoramento japonês.<br />Construções resistentes a terremotos:<br />No Japão existe um código de construção, criado em 1981, que prevê as mais rigorosas regras do mundo quando o assunto é a prevenção dos danos causados pelos terremotos. A maioria dos prédios usa um sistema de amortecedor que fica entre as bases de sustentação do edifício. Esses amortecedores absorvem grande parte do impacto provocado pelos tremores. Assim a probabilidade do edifício sofrer rachaduras ou abalos estruturais diminui sensivelmente.<br />O desenvolvimento desta tecnologia de construção é resultado de uma parceria entre o Japão e os Estados Unidos, que juntos desenvolveram um programa chamado E-Defense, que estuda constantemente novos métodos de construção civil, capaz de evitar os danos de um terremoto nas edificações.<br />Construções utilizando a tecnologia do programa E-Defense são padrão no Japão atualmente, ou seja, os edifícios mais novos são equipados com sensores que conseguem detectar as ondas de choque antes da fase mais crítica do terremoto. Com isso, um sistema aciona automaticamente um mecanismo de contrabalanceamento – movido por molas ou macacos hidráulicos – e mantém a construção de pé.<br />Auxílio no pós desastre:<br />O preparo da população, o sofisticado sistema de aviso de terremotos e tsunamis e a tecnologia aplicada nas construções, evitaram que a catástrofe fosse ainda maior, salvando com certeza milhares de vidas. Mas e após o desastre, o que fazer para remediar a situação e auxiliar de alguma maneira todos que sofreram com o terremoto?<br />Neste caso a tecnologia também tem ajudado! Vimos que logo após o terremoto, muitos telefones não estavam funcionando, e um dos principais meios de comunicação, principalmente com o exterior, foi a internet e as redes sociais, como o Twitter por exemplo.<br />A divulgação de fotos e vídeos quase que em tempo real dos locais mais afetados, também auxilia o real entendimento do que aconteceu, e isto só é possível com a larga utilização de dispositivos móveis e internet de alta velocidade, utilizada pela população japonesa.<br />Google cria serviço para localizar vítimas no Japão:<br />Se a tecnologia ajudou e vem ajudando a salvar vidas, nada mais coerente que uma das empresas ícones da tecnologia, internet e comunicações atualmente, faça algo para ajudar também. Pois bem, o Google está de parabéns por criar um serviço/ferramenta chamada  HYPERLINK "http://japan.person-finder.appspot.com/?lang=en" t "_blank" Person Finder, que funciona como um quadro de mensagens e um diretório, por meio do qual as pessoas podem procurar por parentes e amigos, além de escreverem notas com o intuito de descobrir se pessoas estão a salvo.<br />O serviço, que já se comprovou bastante útil em outros desastres de grande magnitude, pode ser adicionado em sites e páginas de redes sociais. Muitos voluntários de vários países ajudam na composição do banco de dados do sistema de localização de pessoas do Google, cujo uso inicial ocorreu durante o terremoto do Haiti, em janeiro de 2010. A ferramenta foi desenvolvida a partir do trabalho feito após a passagem do furacão Katrina, que devastou a cidade de New Orleans em 2005.<br />O  HYPERLINK "http://japan.person-finder.appspot.com/?lang=en" t "_blank" Person Finder do Google para o terremoto no Japão lista atualmente cerca de 7.200 registros, mas esse número está aumentando rapidamente. Todos os dados inseridos estarão disponíveis ao público. O Centro de Crisis do Google também mostra um mapa do terremoto, as últimas notícias relacionadas e listas de ligações aos centros de aviso, quadros dos desastres e informações sobre trens disponíveis e apagões.<br />Tecnologia salvou e ainda salva vidas:<br />Ficou claro e evidente que a tecnologia e o preparo podem salvar muitas vidas, seja prevendo o desastre e se preparando para ele, ou auxiliando de diversas maneiras após o ocorrido. Fatos como este provam que todo e qualquer estudo voltado para tecnologias que de alguma maneira auxiliem o ser humano, são sempre muito bem vindos e apreciados.<br />O Techguru deixa aqui seus sentimentos pelas vítimas do terremoto no Japão, sua maior comunidade de leitores depois do Brasil.<br />Equipe Techguru.<br />

×