Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.

734 visualizações

Publicada em

Visite www.blogzanzando.blogspot.com

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
734
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
37
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prado Conversaparaboidormir MarcoauréLio Cia.

  1. 1. Prado Slides – Cidreira / RS Na íntegra, a defesa do senador Renan Calheiros (Ou, uma conversa para boi dormir) By Marco Aurélio & Cia.
  2. 2. Senhores do Conselho de Ética:
  3. 3. Tudo começou quando eu estava no aeroporto de Cumbica, vindo de Brasília, esperando um vôo para Maceió. Iria à capital das Alagoas para recontar meu gado na fazenda de minha propriedade.
  4. 4. Haviam levantado uma dúvida sobre o número do meu rebanho. Meu capataz dizia ser de 1,2 mil cabeças e eu afirmava que seriam 1,7 mil. Imaginei que eles estivessem pulando a cerca. (Por ironia do destino, quem pulou fui eu.)
  5. 5. Mas, voltando ao assunto, foi então que encontrei a jornalista Mônica Veloso, obedecendo ao pedido do Lula de que devemos falar só com as coisas boas do Brasil. Contei a minha história e ela se ofereceu a me acompanhar para recontar o rebanho, afirmando ser forte nos números, o que veio provar mais tarde.
  6. 6. Quando o nosso vôo completava um atraso de mais de 10 horas, resolvi ligar para a ministra do Turismo, Marta Suplicy, para que a mesma tomasse uma providência. A Martaxa foi taxativa: – Relaxe e goze!
  7. 7. Expliquei que estava acompanhado de uma jornalista que iria me ajudar a contar os bois. Quando eu falei em boi, ela entendeu outra coisa. Eu expliquei que não era nada daquilo. Ela então foi enfática: – O que está esperando? Relaxe e goze!
  8. 8. Lembrei-a de que era casado, e a ministra ponderou que já que eu iria contar um rebanho, uma guampa a mais ou uma a menos nada mudaria. Tomando as palavras da ministra como uma ordem, convidei a Mônica pra contar cordeirinhos em vez de bois. Ela reagiu instantaneamente: – Nem Marta!!!
  9. 9. Como o avião não saía... depois de umas e outras, partimos para o Bumba-Meu-Boi. Ato consumado, seguimos para Murici, cidade onde tenho as minhas fazendas e da qual o Renanzinho, meu maninho menor, é prefeito.
  10. 10. Como ilustração, posso dizer que combinamos, eu e a Mônica, que se a criança fosse um menino se chamaria Murici Ramalho, em homenagem à minha cidade e ao São Paulo, meu clube do coração.
  11. 11. A criança nasceu e a Mônica, em vez de contar o rebanho, resolveu dar o nome aos bois. Aí entrou a história da pensão. Aconselhado eticamente pelo meu compadre Collor a não pagar diretamente à mãe por estar exercendo a presidência do Senado, ouvi dele a recomendação de fazer uma "ponte". Alguém levaria o dinheiro para a Mônica.
  12. 12. Ponte? Ponte, pensei eu, só pode ser com uma empreiteira. Procurei a Mendes Júnior e resolvi o problema. Quanto? A Mônica, ainda com todas aquelas cabeças de gado na sua cabeça, me ligou e disse: – Me manda 12 pau... por mês. Como não tinha aquela grana toda, comecei a vender parte de meu gado para a peixaria do Agenor.
  13. 13. Quem conhece Murici sabe onde fica a peixaria do Agenor: quase na esquina da Praça Renan Calheiros com a rua que leva o nome do meu mano Olavo Calheiros. Estão me exigindo as notas. Devo dizer que de 1 a 10 já recebi muitas vezes 9, mas isto é um assunto entre mim e a Mônica e não para a Comissão de Ética
  14. 14. Quanto às minhas obrigações como pai, além da pensão, muitas vezes fiz meu filho dormir cantando "Boi da Cara Preta". Obrigado.
  15. 15. CRÉDITOS Formatação: Prado Slides E-mail: [email_address] Texto: Marco Aurélio & Cia. E-mail [email_address] Extraído do Jornal Zero Hora de 24 de junho de 2007 - Coluna Humor Música: Boi da cara preta

×