SlideShare uma empresa Scribd logo

Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período

Vanda Sousa
Vanda Sousa
Vanda SousaProfessor em Escola Secundária Francisco Franco

Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período

1 de 5
Baixar para ler offline
TRABALHO ESCRITO INDIVIDUAL DE PORTUGUÊS           10º ANO 2010-11

Aluno:____________________________________________________________Nº:____Turma:_____

Professor:_____________________________________Classificação:___________________________



                                                Texto




           “(…) O filósofo do rei, quando não tinha que fazer, ia sentar-se ao pé de mim, a ver-me
passajar as peúgas dos pajens, e às vezes dava-lhe para filosofar, dizia que todo o homem é uma ilha,
eu, como aquilo não era comigo, visto que sou mulher, não lhe dava importância, tu que achas, Que é
necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não nos saímos de nós, Se não saímos de
nós próprios, queres tu dizer, Não é a mesma coisa. O incêndio do céu ia esmorecendo, a água
arroxeou-se de repente, agora nem a mulher da limpeza duvidaria de que o mar é mesmo tenebroso,
pelo menos a certas horas. Disse o homem, Deixemos as filosofias para o filósofo do rei, que para isso é
que lhe pagam, agora vamos nós comer, mas a mulher não esteve de acordo, Primeiro, tens de ver o
teu barco, só o conheces por fora, Que tal o encontraste, Há algumas bainhas das velas que estão a
precisar de reforço, Desceste ao porão, encontraste água aberta, No fundo vê-se alguma, de mistura
com o lastro, mas isso parece que é próprio, faz bem ao barco, Como foi que aprendeste essas coisas,
Assim, Assim como, Como tu, quando disseste ao capitão do porto que aprenderias a navegar no mar,
Ainda não estamos no mar, Mas já estamos na água, Sempre tive a ideia de que para a navegação só há
dois mestres verdadeiros, um que é o mar, o outro que é o barco, E o céu, estás a esquecer-te do céu,
Sim, claro, o céu, Os ventos, As nuvens, O céu, Sim, o céu.
               Em menos de um quarto de hora tinham acabado a volta pelo barco, uma caravela,
mesmo transformada, não dá para grandes passeios. É bonita, disse o homem, mas se eu não conseguir
arranjar tripulantes suficientes para a manobra, terei de ir dizer ao rei que já não a quero, Perdes o
ânimo logo à primeira contrariedade, A primeira contrariedade foi estar à espera do rei três dias, e não
desisti, Se não encontrares marinheiros que queiram vir, cá nos arranjaremos os dois, Estás doida, duas
pessoas sozinhas não seriam capazes de governar um barco destes, eu teria de estar sempre ao leme, e
tu, nem vale a pena estar a explicar-te, é uma loucura, Depois veremos, agora vamos mas é comer.
Subiram para o castelo de popa, o homem ainda a protestar contra o que chamara loucura, e, ali, a
mulher da limpeza abriu o farnel que ele tinha trazido, um pão, queijo duro, de cabra, azeitonas, uma
garrafa de vinho. A lua já estava meio palmo sobre o mar, as sombras da verga e do mastro grande
vieram deitar-se-lhes aos pés. É realmente bonita a nossa caravela, disse a mulher, e emendou logo, A
tua, a tua caravela, Desconfio que não o será por muito tempo, Navegues ou não navegues com ela, é
tua, deu-ta o rei, Pedi-lha para ir procurar uma ilha desconhecida, Mas estas coisas não se fazem do pé
para a mão, levam o seu tempo, já o meu avô dizia que quem vai ao mar avia-se em terra, e mais não
era ele marinheiro, Sem tripulantes não poderemos navegar, Já o tinhas dito, E há que abastecer o
barco das mil coisas necessárias a uma viagem como esta, que não se sabe aonde nos levará,
Evidentemente, e depois teremos de esperar que seja a boa estação, e sair com a boa maré, e vir gente
ao cais a desejar-nos boa viagem, Estás a rir-te de mim, Nunca me riria de quem me fez sair pela porta
das decisões, Desculpa-me, E não tornarei a passar por ela, suceda o que suceder. O luar iluminava em
cheio a cara da mulher da limpeza, É bonita, realmente é bonita, pensou o homem, que desta vez não
estava a referir-se à caravela(…).”




                      José Saramago, Conto da Ilha Desconhecida, Editorial Caminho




Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo                           Página 1/Vanda Sousa
Grupo I

1. Atente nas frases seguintes:

          a)   A mulher informa o homem do estado da embarcação.
          b)   Os dois comem o farnel no castelo da popa do barco.
          c)   O homem enuncia as condições necessárias para navegar em busca de uma ilha
               desconhecida.
          d)   O homem e a mulher da limpeza dialogam filosoficamente sobre o sentido metafórico do
               vocábulo “ilha”.
          e)   O homem revela um estado de espírito dominado pelo desânimo.
          f)   A mulher faz uma proposta que desconcerta o homem.
          g)   O homem e a mulher identificam os mestres da arte de navegar.




1.1.Ordene-as, de acordo com a sequencialização lógica das ideias do texto transcrito.

2. Localize acção no tempo e no espaço.

3. Refira três traços caracterizadores do homem e da mulher da limpeza.

4. Identifique a figura de estilo presente na linha 15.

4.1. Explicite o significado da resposta do homem:” Que é necessário sair da ilha para ver a ilha, que
não nos vemos se não nos saímos de nós.”(l.4).

5. Interprete a afirmação da mulher:”Nunca me riria de quem me fez sair pela porta das decisões (ll.33-
35).

6. Classifique o narrador, quanto à presença, à ciência e à posição.




Grupo II

1. Identifique o elemento antecedente da palavra “ela” (l.34).

1.1Classifique-a, morfologicamente (classe e subclasse).

2. Considere a expressão:
         “Primeiro tens de ver o teu barco”(l.9).

2.1Classifique o acto ilocutório aí presente e esclareça a sua intencionalidade comunicativa.

3. Reescreva no discurso indirecto o texto desde “Primeiro tens de ver o teu barco”(l.9) até que
“aprendeste essas coisas”(l.12).

4. Classifique e divida a seguinte oração:
          A entrega do prémio Nobel que foi atribuído a José Saramago, ocorreu em Estocolmo.

5. Explique o processo de formação da palavra: esmorecendo (l. 5).




Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo                            Página 2/Vanda Sousa
6. Seleccione, na sopa de letras, 9 palavras que se prendam ao conteúdo estudado: processos
regulares e irregulares de formação de palavras. Enumere-as e dê um exemplo de cada.




                           Q S C P R E F             I X O T A E O J
                           X H A F        I X O L T P P C B G F
                           G A D H P E X Q H A B R L                       I B
                           Y O B O G E I             L A R S O R I A
                           D B P E H V K I               I A Y N S X C
                           P O K Q Z S R X E S G I T M N
                           X U Y Q M A G Q P S P M I G U
                           Q B E Z A M W W O I D O M L N
                           C L F T J A S M T N M V Z K P
                           Y A C F Q G U R A T N A W L D
                           Y Q C Y N L F Z M E C L Z L P
                           C W V W F A I H O S I G A H T
                           Q F T S K M X K N E K I Y H W
                           C F N F E A O B O F G S B Q W
                           D M R E M P R E S T                  I M O Z S




        1……………………………………………Exemplo………………………………

        2……………………………………………Exemplo………………………………

        3……………………………………………Exemplo………………………………

        4……………………………………………Exemplo………………………………

        5……………………………………………Exemplo………………………………

        6……………………………………………Exemplo………………………………

        7……………………………………………Exemplo………………………………

        8……………………………………………Exemplo………………………………

        9……………………………………………Exemplo ………………………………




Grupo III

Classifique as afirmações seguintes em verdadeiras (V) ou falsas (F). Corrija as falsas. Se não o fizer,
não obterá classificação na questão.




1. São três os modos literários - o lírico, o narrativo e a comédia - nos quais, por sua vez, se distinguem
vários géneros literários.



Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo                              Página 3/Vanda Sousa
2. O tempo histórico obedece à sequência do próprio enunciado, podendo alongar, resumir, alterar ou
omitir os dados do tempo cronológico.


3. Este tipo de texto centra-se na segunda pessoa gramatical.


4. O texto narrativo é atemporal e a localização espacial e/ou a descrição, quando existe, surge
intimamente relacionada com os sentimentos do protagonista.


5. Neste tipo de texto há sempre um narrador que conta a acção, que é sustentada pelas personagens e
se localiza num tempo e num espaço.


6. A prolepse constitui um recuo no tempo, evocação de factos ("flashback", na terminologia
cinematográfica).


7. Este modo literário abrange vários géneros como a epopeia, o romance, a novela e o conto.


8. A epopeia é uma narrativa em verso, geralmente numa estrutura de poema, que traduz as façanhas
ou o espírito de um povo e que tem interesse para esse povo e para a Humanidade. A sua estrutura
obedece a regras rígidas.


9. A caracterização directa é feita a partir das atitudes, dos gestos, dos comportamentos e dos
sentimentos da personagem ou a partir dos símbolos que a acompanham, o leitor forma as suas próprias
opiniões acerca das características físicas ou psíquicas da personagem.


10. A novela é um género narrativo que se distingue normalmente por uma extensão menor que a do
conto e maior que a do romance.


11. O conto é uma narrativa pouco extensa e concisa. Detentora de unidade dramática, a sua acção
concentra-se num único ponto de interesse. Os eventos surgem concentrados, estando a descrição
praticamente ausente, ao contrário do diálogo que assume um papel importante.


12. Na descrição, o tempo verbal privilegiado é pretérito imperfeito do indicativo, pelo seu valor durativo
e de continuidade.


13. Na narração, o tempo verbal privilegiado é o pretérito perfeito do indicativo, na medida em que
torna as acções como únicas, emprestando-lhes um carácter de momentaneidade.


14. O discurso indirecto caracteriza-se pela transcrição integral das falas das personagens.


15. No discurso directo são reproduzidas as declarações das personagens sem que, no entanto, estas
falem.


16. O narrador é a entidade responsável pela produção do discurso narrativo.


17. O narrador autodiegético participa na história narrada, mas como personagem secundária.


18. O narrador homodiegético não participa como personagem na história narrada.


19. O narrador omnisciente mostra conhecer tudo, de forma limitada, tanto os pormenores da intriga
como os pensamentos mais íntimos das personagens.


20. O tempo psicológico corresponde ao tempo filtrado pelas vivências psicológicas das personagens.
Constitui também o referencial da mudança operada nas personagens: o desgaste que sobre elas
provoca a passagem do tempo.




Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo                             Página 4/Vanda Sousa
Grupo IV

Redija um pequeno comentário, num máximo de 7 linhas, sobre a afirmação seguinte:

                 O importante é partir, não chegar…




                                                 Fim!




                                          Bom trabalho!

                                              O professor

                                         _____________




Cotações:

Grupo I     Grupo II   Grupo III   Grupo IV
90          60         30          20           Total:200
                                                pontos=20
                                                valores




Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo                      Página 5/Vanda Sousa

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisando o arcadismo, 01
Revisando o arcadismo, 01Revisando o arcadismo, 01
Revisando o arcadismo, 01ma.no.el.ne.ves
 
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...dpport
 
Atividade sobre o genero textual relato
Atividade sobre o genero textual relatoAtividade sobre o genero textual relato
Atividade sobre o genero textual relatoMarilza Fuentes
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23luisprista
 
Usina Elevatória de Traição
Usina Elevatória de Traição Usina Elevatória de Traição
Usina Elevatória de Traição Jorge Rocha
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)apfandradeg
 
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84Luciana Silveira
 
Problemas interessantes de matemática e lógica
Problemas interessantes de matemática e lógicaProblemas interessantes de matemática e lógica
Problemas interessantes de matemática e lógicaCorreios
 
D9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introduçãoD9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introduçãomiguelribeiro
 
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.Elisabete
 

Mais procurados (17)

Revisando o arcadismo, 01
Revisando o arcadismo, 01Revisando o arcadismo, 01
Revisando o arcadismo, 01
 
Português8ºanos
Português8ºanosPortuguês8ºanos
Português8ºanos
 
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...Viagem ao centro da terra   interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
Viagem ao centro da terra interpretação - sujeito - classificação do sujeit...
 
Publicidade.04
Publicidade.04Publicidade.04
Publicidade.04
 
Prova3358
Prova3358Prova3358
Prova3358
 
Atividade sobre o genero textual relato
Atividade sobre o genero textual relatoAtividade sobre o genero textual relato
Atividade sobre o genero textual relato
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 65-66
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 23
 
Usina Elevatória de Traição
Usina Elevatória de Traição Usina Elevatória de Traição
Usina Elevatória de Traição
 
Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)Teste 9 b_auto (1)
Teste 9 b_auto (1)
 
Poesia e prosa
Poesia e prosaPoesia e prosa
Poesia e prosa
 
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
 
Problemas interessantes de matemática e lógica
Problemas interessantes de matemática e lógicaProblemas interessantes de matemática e lógica
Problemas interessantes de matemática e lógica
 
D9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introduçãoD9 abi 089_introdução
D9 abi 089_introdução
 
Axioma
AxiomaAxioma
Axioma
 
Revisando arcadismo, 02
Revisando arcadismo, 02Revisando arcadismo, 02
Revisando arcadismo, 02
 
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
A Passarola (sonho/utopia) em Memorial do Convento.
 

Destaque

Sugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de ContosSugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de ContosVanda Sousa
 
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoVanda Sousa
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º PeríodoVanda Sousa
 
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoTeste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 FevereiroVanda Sousa
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º Período
Guião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º PeríodoGuião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º Período
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º PeríodoVanda Sousa
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da NarrativaVanda Sousa
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoVanda Sousa
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011 Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaVanda Sousa
 
Teste 2 Fevereiro Camões Lírico
Teste 2   Fevereiro  Camões LíricoTeste 2   Fevereiro  Camões Lírico
Teste 2 Fevereiro Camões LíricoVanda Sousa
 

Destaque (20)

Sugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de ContosSugestões de Leitura de Contos
Sugestões de Leitura de Contos
 
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto Icónico
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
 
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões LíricoTeste/Fevereiro/Camões Lírico
Teste/Fevereiro/Camões Lírico
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º Período
Guião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º PeríodoGuião da Apresentação do Conto                  Oral Reflectido  2º Período
Guião da Apresentação do Conto Oral Reflectido 2º Período
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos MediaTeste nº 2 /Março/Textos dos Media
Teste nº 2 /Março/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
 
Camões lírico
Camões líricoCamões lírico
Camões lírico
 
Teste fevereiro
Teste fevereiroTeste fevereiro
Teste fevereiro
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral Reflectido
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos MediaGuia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
Guia de Correcção do Teste/Março 2011/Textos dos Media
 
Teste 2 Fevereiro Camões Lírico
Teste 2   Fevereiro  Camões LíricoTeste 2   Fevereiro  Camões Lírico
Teste 2 Fevereiro Camões Lírico
 

Semelhante a Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período

Semelhante a Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período (20)

Elementos da Narrativa - 6º ano
Elementos da Narrativa - 6º anoElementos da Narrativa - 6º ano
Elementos da Narrativa - 6º ano
 
Em4ºano
Em4ºanoEm4ºano
Em4ºano
 
Guião de leitura
Guião de leituraGuião de leitura
Guião de leitura
 
RecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 EmRecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 Em
 
Autobiografia de Erico Verissimo by José Roig
Autobiografia de Erico Verissimo by José RoigAutobiografia de Erico Verissimo by José Roig
Autobiografia de Erico Verissimo by José Roig
 
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
 
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
Ficha de leitura do livro "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry.
 
Autobiogr..
Autobiogr..Autobiogr..
Autobiogr..
 
Mitos Gregos
Mitos GregosMitos Gregos
Mitos Gregos
 
Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.Semear, Resistir, Colher.
Semear, Resistir, Colher.
 
Prova por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteProva por-3 em-noite
Prova por-3 em-noite
 
Prova por-3 em-noite
Prova por-3 em-noiteProva por-3 em-noite
Prova por-3 em-noite
 
4. funções da linguagem
4. funções da linguagem4. funções da linguagem
4. funções da linguagem
 
Revisão discursivas
Revisão discursivasRevisão discursivas
Revisão discursivas
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
10 os-escritos-de-chuang-tsu
10  os-escritos-de-chuang-tsu10  os-escritos-de-chuang-tsu
10 os-escritos-de-chuang-tsu
 
Sergio vasconcelos mitos gregos
Sergio vasconcelos   mitos gregosSergio vasconcelos   mitos gregos
Sergio vasconcelos mitos gregos
 
O sábio e o pássaro
O sábio e o pássaroO sábio e o pássaro
O sábio e o pássaro
 
O sábio e o pássaro
O sábio e o pássaroO sábio e o pássaro
O sábio e o pássaro
 
O jardim
O jardimO jardim
O jardim
 

Mais de Vanda Sousa

Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e SínteseVanda Sousa
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e SínteseVanda Sousa
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e SínteseVanda Sousa
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoVanda Sousa
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011Vanda Sousa
 
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro  Camões LíricoTeste 1 Fevereiro  Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro Camões LíricoVanda Sousa
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 

Mais de Vanda Sousa (11)

Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Resumo e Síntese
Resumo e SínteseResumo e Síntese
Resumo e Síntese
 
Avaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral ReflectidoAvaliação do Oral Reflectido
Avaliação do Oral Reflectido
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro  Camões LíricoTeste 1 Fevereiro  Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 
Camões Lírico
Camões LíricoCamões Lírico
Camões Lírico
 

Último

Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfAnaRitaFreitas7
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOColaborar Educacional
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 

Último (20)

Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 

Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período

  • 1. TRABALHO ESCRITO INDIVIDUAL DE PORTUGUÊS 10º ANO 2010-11 Aluno:____________________________________________________________Nº:____Turma:_____ Professor:_____________________________________Classificação:___________________________ Texto “(…) O filósofo do rei, quando não tinha que fazer, ia sentar-se ao pé de mim, a ver-me passajar as peúgas dos pajens, e às vezes dava-lhe para filosofar, dizia que todo o homem é uma ilha, eu, como aquilo não era comigo, visto que sou mulher, não lhe dava importância, tu que achas, Que é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não nos saímos de nós, Se não saímos de nós próprios, queres tu dizer, Não é a mesma coisa. O incêndio do céu ia esmorecendo, a água arroxeou-se de repente, agora nem a mulher da limpeza duvidaria de que o mar é mesmo tenebroso, pelo menos a certas horas. Disse o homem, Deixemos as filosofias para o filósofo do rei, que para isso é que lhe pagam, agora vamos nós comer, mas a mulher não esteve de acordo, Primeiro, tens de ver o teu barco, só o conheces por fora, Que tal o encontraste, Há algumas bainhas das velas que estão a precisar de reforço, Desceste ao porão, encontraste água aberta, No fundo vê-se alguma, de mistura com o lastro, mas isso parece que é próprio, faz bem ao barco, Como foi que aprendeste essas coisas, Assim, Assim como, Como tu, quando disseste ao capitão do porto que aprenderias a navegar no mar, Ainda não estamos no mar, Mas já estamos na água, Sempre tive a ideia de que para a navegação só há dois mestres verdadeiros, um que é o mar, o outro que é o barco, E o céu, estás a esquecer-te do céu, Sim, claro, o céu, Os ventos, As nuvens, O céu, Sim, o céu. Em menos de um quarto de hora tinham acabado a volta pelo barco, uma caravela, mesmo transformada, não dá para grandes passeios. É bonita, disse o homem, mas se eu não conseguir arranjar tripulantes suficientes para a manobra, terei de ir dizer ao rei que já não a quero, Perdes o ânimo logo à primeira contrariedade, A primeira contrariedade foi estar à espera do rei três dias, e não desisti, Se não encontrares marinheiros que queiram vir, cá nos arranjaremos os dois, Estás doida, duas pessoas sozinhas não seriam capazes de governar um barco destes, eu teria de estar sempre ao leme, e tu, nem vale a pena estar a explicar-te, é uma loucura, Depois veremos, agora vamos mas é comer. Subiram para o castelo de popa, o homem ainda a protestar contra o que chamara loucura, e, ali, a mulher da limpeza abriu o farnel que ele tinha trazido, um pão, queijo duro, de cabra, azeitonas, uma garrafa de vinho. A lua já estava meio palmo sobre o mar, as sombras da verga e do mastro grande vieram deitar-se-lhes aos pés. É realmente bonita a nossa caravela, disse a mulher, e emendou logo, A tua, a tua caravela, Desconfio que não o será por muito tempo, Navegues ou não navegues com ela, é tua, deu-ta o rei, Pedi-lha para ir procurar uma ilha desconhecida, Mas estas coisas não se fazem do pé para a mão, levam o seu tempo, já o meu avô dizia que quem vai ao mar avia-se em terra, e mais não era ele marinheiro, Sem tripulantes não poderemos navegar, Já o tinhas dito, E há que abastecer o barco das mil coisas necessárias a uma viagem como esta, que não se sabe aonde nos levará, Evidentemente, e depois teremos de esperar que seja a boa estação, e sair com a boa maré, e vir gente ao cais a desejar-nos boa viagem, Estás a rir-te de mim, Nunca me riria de quem me fez sair pela porta das decisões, Desculpa-me, E não tornarei a passar por ela, suceda o que suceder. O luar iluminava em cheio a cara da mulher da limpeza, É bonita, realmente é bonita, pensou o homem, que desta vez não estava a referir-se à caravela(…).” José Saramago, Conto da Ilha Desconhecida, Editorial Caminho Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo Página 1/Vanda Sousa
  • 2. Grupo I 1. Atente nas frases seguintes: a) A mulher informa o homem do estado da embarcação. b) Os dois comem o farnel no castelo da popa do barco. c) O homem enuncia as condições necessárias para navegar em busca de uma ilha desconhecida. d) O homem e a mulher da limpeza dialogam filosoficamente sobre o sentido metafórico do vocábulo “ilha”. e) O homem revela um estado de espírito dominado pelo desânimo. f) A mulher faz uma proposta que desconcerta o homem. g) O homem e a mulher identificam os mestres da arte de navegar. 1.1.Ordene-as, de acordo com a sequencialização lógica das ideias do texto transcrito. 2. Localize acção no tempo e no espaço. 3. Refira três traços caracterizadores do homem e da mulher da limpeza. 4. Identifique a figura de estilo presente na linha 15. 4.1. Explicite o significado da resposta do homem:” Que é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não nos saímos de nós.”(l.4). 5. Interprete a afirmação da mulher:”Nunca me riria de quem me fez sair pela porta das decisões (ll.33- 35). 6. Classifique o narrador, quanto à presença, à ciência e à posição. Grupo II 1. Identifique o elemento antecedente da palavra “ela” (l.34). 1.1Classifique-a, morfologicamente (classe e subclasse). 2. Considere a expressão: “Primeiro tens de ver o teu barco”(l.9). 2.1Classifique o acto ilocutório aí presente e esclareça a sua intencionalidade comunicativa. 3. Reescreva no discurso indirecto o texto desde “Primeiro tens de ver o teu barco”(l.9) até que “aprendeste essas coisas”(l.12). 4. Classifique e divida a seguinte oração: A entrega do prémio Nobel que foi atribuído a José Saramago, ocorreu em Estocolmo. 5. Explique o processo de formação da palavra: esmorecendo (l. 5). Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo Página 2/Vanda Sousa
  • 3. 6. Seleccione, na sopa de letras, 9 palavras que se prendam ao conteúdo estudado: processos regulares e irregulares de formação de palavras. Enumere-as e dê um exemplo de cada. Q S C P R E F I X O T A E O J X H A F I X O L T P P C B G F G A D H P E X Q H A B R L I B Y O B O G E I L A R S O R I A D B P E H V K I I A Y N S X C P O K Q Z S R X E S G I T M N X U Y Q M A G Q P S P M I G U Q B E Z A M W W O I D O M L N C L F T J A S M T N M V Z K P Y A C F Q G U R A T N A W L D Y Q C Y N L F Z M E C L Z L P C W V W F A I H O S I G A H T Q F T S K M X K N E K I Y H W C F N F E A O B O F G S B Q W D M R E M P R E S T I M O Z S 1……………………………………………Exemplo……………………………… 2……………………………………………Exemplo……………………………… 3……………………………………………Exemplo……………………………… 4……………………………………………Exemplo……………………………… 5……………………………………………Exemplo……………………………… 6……………………………………………Exemplo……………………………… 7……………………………………………Exemplo……………………………… 8……………………………………………Exemplo……………………………… 9……………………………………………Exemplo ……………………………… Grupo III Classifique as afirmações seguintes em verdadeiras (V) ou falsas (F). Corrija as falsas. Se não o fizer, não obterá classificação na questão. 1. São três os modos literários - o lírico, o narrativo e a comédia - nos quais, por sua vez, se distinguem vários géneros literários. Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo Página 3/Vanda Sousa
  • 4. 2. O tempo histórico obedece à sequência do próprio enunciado, podendo alongar, resumir, alterar ou omitir os dados do tempo cronológico. 3. Este tipo de texto centra-se na segunda pessoa gramatical. 4. O texto narrativo é atemporal e a localização espacial e/ou a descrição, quando existe, surge intimamente relacionada com os sentimentos do protagonista. 5. Neste tipo de texto há sempre um narrador que conta a acção, que é sustentada pelas personagens e se localiza num tempo e num espaço. 6. A prolepse constitui um recuo no tempo, evocação de factos ("flashback", na terminologia cinematográfica). 7. Este modo literário abrange vários géneros como a epopeia, o romance, a novela e o conto. 8. A epopeia é uma narrativa em verso, geralmente numa estrutura de poema, que traduz as façanhas ou o espírito de um povo e que tem interesse para esse povo e para a Humanidade. A sua estrutura obedece a regras rígidas. 9. A caracterização directa é feita a partir das atitudes, dos gestos, dos comportamentos e dos sentimentos da personagem ou a partir dos símbolos que a acompanham, o leitor forma as suas próprias opiniões acerca das características físicas ou psíquicas da personagem. 10. A novela é um género narrativo que se distingue normalmente por uma extensão menor que a do conto e maior que a do romance. 11. O conto é uma narrativa pouco extensa e concisa. Detentora de unidade dramática, a sua acção concentra-se num único ponto de interesse. Os eventos surgem concentrados, estando a descrição praticamente ausente, ao contrário do diálogo que assume um papel importante. 12. Na descrição, o tempo verbal privilegiado é pretérito imperfeito do indicativo, pelo seu valor durativo e de continuidade. 13. Na narração, o tempo verbal privilegiado é o pretérito perfeito do indicativo, na medida em que torna as acções como únicas, emprestando-lhes um carácter de momentaneidade. 14. O discurso indirecto caracteriza-se pela transcrição integral das falas das personagens. 15. No discurso directo são reproduzidas as declarações das personagens sem que, no entanto, estas falem. 16. O narrador é a entidade responsável pela produção do discurso narrativo. 17. O narrador autodiegético participa na história narrada, mas como personagem secundária. 18. O narrador homodiegético não participa como personagem na história narrada. 19. O narrador omnisciente mostra conhecer tudo, de forma limitada, tanto os pormenores da intriga como os pensamentos mais íntimos das personagens. 20. O tempo psicológico corresponde ao tempo filtrado pelas vivências psicológicas das personagens. Constitui também o referencial da mudança operada nas personagens: o desgaste que sobre elas provoca a passagem do tempo. Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo Página 4/Vanda Sousa
  • 5. Grupo IV Redija um pequeno comentário, num máximo de 7 linhas, sobre a afirmação seguinte: O importante é partir, não chegar… Fim! Bom trabalho! O professor _____________ Cotações: Grupo I Grupo II Grupo III Grupo IV 90 60 30 20 Total:200 pontos=20 valores Texto Narrativo/Contos de Autor do Séc. XX/3ºPeríodo Página 5/Vanda Sousa