A realidade, o livro e o filme em "O Lobo de Wall Street"

865 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
865
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A realidade, o livro e o filme em "O Lobo de Wall Street"

  1. 1. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes A realidade, o livro e o filme em “O Lobo de Wall Street” Fernando Carvalho Tabone São Paulo Junho/2014
  2. 2. 1. Introdução: a dobradinha “livro-filme” Apesar de ser um negócio lucrativo, produzir um filme para o cinema é uma tarefa custosa e envolve grandes riscos. Para um roteiro sair do papel e virar filme, é necessário um alto investimento financeiro, e onde há muito investimento, espera-se também grande retorno, que não é garantido. Diante desta lógica, para diminuir os riscos de fracasso e aumentar a probabilidade de lucro, muitas produções tem apostado em adaptar sucessos literários para o cinema. Na última semana, por exemplo, estrearam nos cinemas americanos dois filmes: “No Limite do Amanhã” e “A Culpa é das Estrelas”. O primeiro, que tem Tom Cruise como protagonista, teve um custo de produção estimado em US$ 178 milhões¹ e já arrecadou nas bilheterias US$ 29,1 milhões, um alto valor, porém baixo quando comparado ao outro filme, “A Culpa é das Estrelas”, baseado no romance homônimo de John Green, que já arrecadou US$ 48,2 milhões, quatro vezes mais que o custo da sua produção, orçada em US$ 12 milhões. Um dos autores literários que mais teve obras adaptadas ao cinema, são 6 no total, Nicholas Sparks, comenta que a lógica “filme-livro” é boa não só para o cinema, mas também para a indústria editorial. : “As pessoas veem mais filmes do que leem livros. E duvido que isso vá mudar. Sendo assim, adaptações beneficiam um autor, pois mais pessoas entram em contato com seu trabalho, e algumas delas eventualmente compram o livro. Geralmente, isso é o suficiente para um título acabar na lista de best-sellers.” ² Uma das obras literárias mais vendidas de Nicholas Sparks é o romance “Um amor para recordar”, que já foi adaptado ao cinema e hoje tem mais de 5 milhões de exemplares vendidos no mundo. Dessa maneira, muitas pessoas acabam tendo contato com ambas as obras: o livro e o filme. Isto provoca, inevitavelmente, que surjam comparações sobre as obras e consequentes questões sobre fidelidade autoral e liberdade de criação.
  3. 3. Em seu último lançamento, um dos diretores de cinema mais consagrados de Hollywood, Martin Scorsese, também se arriscou na produção de um filme a partir de uma adaptação literária. “O Lobo de Wall Street”, dirigido por ele e protagonizado por Leonardo DiCaprio, foi adaptado do livro de mesmo nome, de autoria de Jordan Belfort. A tentativa de adaptação foi muito bem sucedida e se configurou no maior sucesso de arrecadação de um filme dirigido por Scorsese, superando a marca de US$ 300 milhões³ arrecadados em bilheteia. O sucesso do filme também alavancou as vendas do livro e, consequentemente, ganharam notoriedade na mídia e entre o público as diferenças entre o que é relatado no filme e no livro. Também foram levantadas questões sobre a realidade da história – o livro de Belfort relata a experiência de vida do próprio autor, que após a popularização do filme e do livro, também foi questionada quanto à veracidade. Este trabalho, no ensejo das discussões sobre livros que viram filmes, adota o filme “O Lobo de Wall Street” como objeto de estudo e discute algumas das polêmicas levantadas sobre este filme em relação às diferenças entre o filme, o livro de mesmo nome e a realidade vivida pelo autor Jordan Belfort. 2. Discussão: as diferenças realmente importam? “O livro é um parente distante da verdade, e o filme é um parente distante do livro.” Danny Porush, cofundador da Stratton Oakmont4 O filme “O Lobo de Wall Street” é uma adaptação do livro de mesmo nome, de autoria de Jordan Belfort, que relata, baseado em fatos reais, como foi experiência de vida do próprio autor em enriquecer rapidamente trabalhando como corretor de ações no mercado financeiro americano, isto logo após uma época difícil, a da queda da Bolsa de Valores no final dos aos 80, até abrir sua própria corretora, chamada Stratton Oakmont, que faturou bilhões de dólares e
  4. 4. levou Belfort a se afundar em “um mundo de loucuras”, como o próprio autor diz, e acabar preso por fraudes fiscais e operações irregulares na bolsa. Não é a primeira vez que um filme é fruto deste curioso processo de adaptação de um livro que é baseado em fatos reais. O filme “A Rede Social”5 , de 2010, por exemplo, também é originário de um processo semelhante. Adaptado do livro “Bilionários por Acidente”6 , no qual o escritor Ben Mezrich se baseia em fatos reais para contar como foi o processo de criação do Facebook, o filme fez sucesso nos cinemas durante o ano de lançamento e também recebeu diversas críticas quanto a sua fidelidade à realidade - muitas das críticas, inclusive, foram exploradas na produção do documentário lançado em 2012, chamado “Mark Zuckerberg, a verdadeira face do Facebook”7 . Um exemplo de distorção, apontando por Eduardo Saverin, que é um dos fundadores do Facebook e um dos personagens centrais do filme “A Rede Social”, em entrevista a revista Veja8 , é que a cena retratada no filme em que ele escreve uma equação na janela de um dos dormitórios de Harvad, para que Zuckerberg a utilize na programação da página “Facemash”, na verdade nunca existiu, e aquela equação é, na realidade, uma simples equação utilizada no jogo de xadrez9 . Já no filme “O Lobo de Wall Street”, são diversas as diferenças apontadas entre filme, livro e realidade. Talvez uma das mais cruciais entre o filme e o livro, é que o filme omite o longo relato presente no livro no qual Belfort conta como foi o processo de recuperação do vício das drogas, que antecederia sua prisão. Diferenças significativas como esta chamam bastante atenção, e foram exploradas por diversas reportagens e entrevistas na televisão - Jordan Belfort chegou a ser entrevistado pelo popular programa, de origem americana, chamado “60 Minutes” 10 - mas, segundo o crítico de cinema
  5. 5. do jornal Folha de São Paulo, essas diferenças existem por alguns motivos simples: por não representarem o que é essencial na história; para permitirem adequação entre a história e o estilo Scorsese de cinema; e por didática, ao facilitarem o entendimento dos fatos narrados. “O desafio consistia em captar o essencial dos livros sem adulterar os fatos. Tratava-se de não “adaptar” (trair), no mau sentido da palavra. E, ao mesmo tempo, de construir a base para uma narrativa à maneira de Martin Scorsese. O que Terence Winter (o roteirista) fez foi, claro, suprimir certas ações e personagens, tornar certos momentos mais didáticos, de maneira a facilitar a compreensão rápida do espectador das sujeiras financeiras em que estava envolvido o fundador da Stratton Oakmont, Jordan Belfort. Mas tudo que está lá é, basicamente, o que Belfort conta, e os momentos essenciais da narrativa foram preservados.”11 Há, além de diferenças significativas, aquelas mais discretas que apenas um leitor e expectador atentos perceberiam. Belfort, por exemplo, relata no livro que quando almoçou com seu primeiro chefe, recusou-se a beber martini e pediu ao garçom apenas uma coca-cola. No filme, no entanto, Leonardo DiCaprio, que interpreta o personagem de Belfort, pede ao garçom um copo d’água12 . O leitor e expectador mais crítico quanto à veracidade, diante desta contradição, poderia se indagar “o que foi, afinal, que Belfort pediu ao garçom: coca-cola, água ou aceitou mesmo o martini?” Sorri para Mark e disse, num tom humilde: “Desculpe-me, mas eu não bebo”. Então me virei para o garçom “Você pode me trazer apenas uma Coca. Isso seria bom.”13
  6. 6. Diante dessas questões, cabe-nos como leitores e expectadores adotar uma entre duas posições: fixar-nos à distorções e contradições, e desqualificarmos as obras; ou nos questionarmos se elas realmente são relevantes e prejudiciais no entendimento da obra. Segundo o professor e pesquisador Randal Johnson, da University of California (UCLA), na reportagem da revista Cult, intitulada “Filme é melhor que o Livro?”, muitos expectadores adotam a primeira posição e exigem do filme fidelidade precisa ao livro, acabando por vezes em desacreditá-lo quando não cumprida. “A insistência na fidelidade da adaptação cinematográfica à obra literária originária pode resultar em julgamentos superficiais que frequentemente valorizam a obra literária em detrimento da adaptação, sem uma reflexão mais profunda. Os filmes são julgados criticamente porque, de um modo ou de outro, não são “fieis” à obra modelo. O conceito de ‘fidelidade’ assume conotação crucial, tornando-se o chamado “X” da questão na reflexão sobre o relacionamento entre cinema e literatura. 14 Mas, no caso de “O Lobo de Wall Street”, é curioso que já no próprio livro, o autor está atento a isto e deixa uma nota inicial, anterior ao primeiro capítulo, esclarecendo que o seu relato pode não ser exatamente fiel aos fatos originais: “É uma história verdadeira, baseada em recordações de vários eventos de minha vida. Em certos trechos, reorganizei e/ou abreviei eventos e períodos de tempo a serviço da narrativa e recriei diálogos para adaptá-los às lembranças desse momentos.” Portanto, se o próprio autor já alerta que sua narração sobre sua própria vida pode conter distorções, por que filmes, dirigidos e escritos por pessoas que sequer vivenciaram as experiências relatadas, também não podem conter imprecisões ou alterações? Fica evidente que a exigência de fidelidade precisa
  7. 7. aos fatos em uma obra artística é preciosismo, e dá lugar ao que é mais importante: a mensagem. Semelhantemente a Belfort, porém de maneira ainda mais desapegada a realidade, enfatizando claramente que a obra tem um objetivo maior que a fidelidade aos fatos, os autores André Batista, Luiz Eduardo Soares e Rodrigo Pimentel, escreveram no prefácio do livro “Elite da Tropa”, que esteve entre os mais vendidos no Brasil e serviu de inspiração para criação do filme “A Tropa de Elite” do diretor José Padilha e lançado em 2006: “Este livro foi escrito com o propósito de enriquecer o processo de reflexão dos policiais e da opinião pública. Seu objetivo não é depreciar os profissionais da segurança, mas valorizá-los; não é atingir as instituições, mas promover seu aperfeiçoamento.(...) Os três autores sonhamos com o dia em que poderemos celebrar, no Rio de Janeiro, a reconciliação entre a sociedade e as instituições policiais (...) Elite da Tropa é dedicado aos que trabalham, nas polícias e fora delas, para que a reconciliação seja um dia possível. Os relatos que compõem este livro são ficcionais, no sentido de que todos os cenários, fatos e personagens foram alterados, recombinados e tiveram seus nomes trocados. Se, por acaso, nossa imaginação se equiparar ao que efetivamente acontece, talvez isso decorra do fato de termos escrito este livro a partir das nossas experiências, e de termos vivido, cada um à sua maneira, a realidade da segurança pública do Rio de Janeiro.”15 3. Considerações finais: a mensagem e o exemplo da fotografia Se por acaso o objetivo deste trabalho fosse apenas o de destacar as diferenças existem entre o filme, o livro e a realidade, no caso de “O Lobo de Wall Street”, talvez jamais alcançássemos uma lista exaustiva e nos perderíamos em meio as inúmeras distorções e contradições presentes na obra. No entanto, este trabalho se prestou a esclarecer que o mais importante em adaptações entre cinema, literatura e realidade, no que se refere à arte, é a mensagem e o poder de provocar sensações no leitor ou expectador. O roteirista, Doc Comaparato, a respeito do mesmo tema, diz o seguinte:
  8. 8. “Não temos a responsabilidade de nos limitar ao sistema ideológico que nos ampara, mas sim a de dar forma artística e dramática aos conflitos do homem do nosso tempo. Expressar as suas aspirações, necessidades, contradições e complexidades. Mostrar o mundo injusto que nos rodeia e revelar a profundidade de paixões, ou nos conformar com o estabelecido. Sendo uma decisão de cada dia e de cada um. Uma coisa é certa: aborrecer mortalmente o espectador não é permitido.”16 Este conceito apresentado por Comparato, de entretenimento e valorização da mensagem, também esta presente na fotografia. Podemos exemplificar com uma das imagens mais icônicas da história da fotografia, chamada de “A Morte de Um Miliciano”, registrada pelo fotógrafo Robert Capa durante o período da Guerra Civil Espanhola na década de 30, que, apesar de especialistas a considerarem montagem, por hipoteticamente não reproduzir uma cena real17 , ainda é reconhecida como um dos mais belos retratos de combates de guerra da história. A respeito do filme, “O Lobo de Wall Street”, podemos dizer que, assim como em “A Rede Social” e “Tropa de Elite”, a presença de diferenças em relação ao livro ou a realidade, não o desqualificam no aspecto artístico e apenas indicam que, a despeito do que foi escrito por Belfort no livro ou
  9. 9. realmente aconteceu, o diretor Martin Scorsese buscou provocar sensações no expectador e transmitir uma mensagem específica. O consequente sucesso do filme, tanto a respeito de arrecadação em bilheteria, em que ultrapassou a marca de US$ 300 milhões³, quanto a crítica, em que recebeu 5 indicações ao Oscar, demonstram que o diretor atingiu algum sucesso no que se comprometeu. 4- Referências Filme: O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street), EUA, Martin Scorsese, 2013. Livro: O Lobo de Wall Street, Jordan Belfort (tradução: Pedro Barros), São Paulo, Planeta, 2014. 1- Em estreia, "A Culpa é das Estrelas" fatura quatro vezes quanto custou, Uol, 08/06/2014. Disponível em: http://cinema.uol.com.br/noticias/redacao /2014/06/08/a-culpa-e-das-estrelas-lidera-bilheteria-dos-eua-com-us-482- milhoes.htm 2- Livros que viraram filmes (muitas vezes estrelados por astros teen) dominam lista das obras mais vendidas, Marina Cohen, O Globo, 07/06/2011. Disponível em: http://oglobo.globo.com/cultura/megazine/livros- que-viraram-filmes-muitas-vezes-estrelados-por-astros-teen-dominam-lista-das- obras-mais-vendidas-2760960 3- O Lobo de Wall Street torna-se o filme de maior bilheteria da carreira de Scorsese, O Globo, 12/02/2014. Disponível em: http://oglobo.globo.com/cultura/ o-lobo-de-wall-street-torna-se-filme-de-maior- bilheteria-da-carreira-de-scorsese-11580410 4- Lobo de Wall Street vende cursos éticos, Rodolfo Lucena, Folha de São Paulo, 2014. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014 /02/1409523-lobo-de-wall-street-vende-cursos-eticos.shtml 5- A Rede Social (The Social Network), EUA, David Fincher, 2010. 6- Bilionários por Acidente (The Accidental Billionaires), Ben Mezrich, Intrinsica, São Paulo, 2009. 7- Mark Zuckerberg: A verdadeira Face do Facebook (Mark Zuckerberg: The Real Face of Facebook), EUA, Lauren Klein e Julien Pradinaud, 2012.
  10. 10. 8- Eduardo Saverin, o brasileiro do Facebook, conta sua história, Fábio Altman, Revista Veja, 26/05/2012. Disponível em: http://veja.abril.com.br/ noticia/vida-digital/eduardo-saverin-o-brasileiro-do-facebook-conta-sua-historia 9- Algoritmo de Eduardo Saverin – Facemash, Angel R Debone, Geek, 2013. Disponível em: http://www.geek.com.br/posts/21834-algoritmo-de- eduardo-saverin-facemash 10 - Entrevista Jordan Belfort (Jordan Belfort Interview), 60 minutes. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=S8i13AqvV3M 11- Memórias do “Lobo de Wall Street” geram filme invulgar, Inácio Araújo, Folha de São Paulo, 10/02/2014. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ ilustrada/2014/02/1409727-critica-memorias-do-lobo-de-wall-street-real-geram- filme-invulgar.shtml 12- O Lobro de Wall Street (The Wolf of Wall Street), EUA, Martin Scorsese, 2013. Aos 8:10 min. 13- O Lobo de Wall Street, Jordan Belfort (tradução: Pedro Barros), São Paulo, Planeta, 2014. Página 16. 14- O filme é melhor que o livro?, Revista Cult, Edição 135, 2010. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home/2010/03/o-filme-e-melhor-que-o-livro/ 15 – Elite da Tropa, André Batista, Luiz Eduardo Soares e Rodrigo Pimentel, Objetiva, São Paulo, 2006. Página 7. 16 - Da criação ao roteiro: teoria e prática, Doc Comparato, São Paulo, Summus, 2009. Página 370. 17- A sombra de uma dúvida, tradução de Christian Schwartz publicado originalmente no The New York Times, Gazeta do Povo, 01/09/2009. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/cadernog/conteudo.phtml?id= 920142

×