O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Islamismo

  • Seja o primeiro a comentar

Islamismo

  1. 1. FEC - MADALENADATA: 14/10/12TRABALHO: ISLAMISMOO QUE É O ISLAMISMO?Islamismo, Islão ou Islã é uma religião abraâmica monoteísta articulada pelo Corão, umtexto considerado por seus seguidores como a palavra literal de Deus (em árabe: Allãh), epelos ensinamentos e exemplos normativos (a chamada suna, parte do hadith) de Maomé,considerado pelos fiéis como o último profeta de Deus. Um adepto do islamismo é chamadode muçulmano.A palavra árabe Islam significa “submissão a Deus”. Os seguidores dessa religião sãochamados de maometanos (seguidores de Maomé) ou muçulmanos (palavra francesa quevem do árabe muslim e que significa “aquele que se entrega de corpo e alma a Deus”).COMO FOI FUNDADO?Muhammad (Maomé) era da tribo de coraich e nasceu na cidade de Meca no ano de 570.Filho de uma família de comerciantes, passou parte da juventude viajando com os pais econhecendo diferentes culturas e religiões. Aos 40 anos de idade, de acordo com a tradição,recebeu a visita do anjo Gabriel que lhe transmitiu a existência de um único Deus. A partirdeste momento, começa sua fase de pregação da doutrina monoteísta, porém encontragrande resistência e oposição. As tribos árabes seguiam até então uma religião politeísta,com a existência de vários deuses tribais.Maomé começou a ser perseguido e teve que emigrar para a cidade de Medina no ano de622. Este acontecimento é conhecido como Hégira e marca o início do calendáriomuçulmano.Em Medina, Maomé é bem acolhido e reconhecido como líder religioso. Consegue unificar eestabelecer a paz entre as tribos árabes e implanta a religião monoteísta. Ao retornar paraMeca, consegue implantar a religião muçulmana que passa a ser aceita e começa a seexpandir pela península Arábica.Reconhecido como líder religioso e profeta, faleceu no ano de 632. Porém, a religiãocontinuou crescendo após sua morte.HISTÓRICOO fundador do islamismo, segundo a onomástica árabe, chamava-se bulgasim MohammadIbn Abdullah Ibn Abd Al-Muttalib Ibn Hãshim.O nome Maomé vem de Mohammad e significa “altamente louvado”. Nasceu em Meca, naatual Arábia Saudita, provavelmente no ano 570 a.D., e foi filho de um pobre mercador datribo Quaraych. Seus pais morreram pouco depois do seu nascimento, tendo sido educadopor seu avô e, mais tarde, por seu tio. Foi em sua juventude, pastor e guia de caravanas decomerciantes. 1
  2. 2. Maomé casou-se com Khádidja – uma rica viúva bem mais velha que ele – quando tinha 25anos. Estabeleceu-se em Meca e tornou-se um próspero mercador, iniciando uma vidacontemplativa. Quinze anos depois, na caverna do monte Hira, ao norte de Meca, Maomédeclarou ter recebido uma revelação de Alá, na qual teria sido ordenado que pregasse umanova religião em todo o mundo.Afirmou ainda ter recebido muitas outras revelações e visões de anjos e arcanjos. Em Hira,por exemplo, apregoou a aparição do anjo Gabriel, que lhe teria dado um manuscrito paraler, e anunciado sua “eleição” como profeta enviado de Deus aos homens. Conta-se tambémque, certa vez no deserto uma eremita cristã lhe teria revelado sua “missão” de profeta,identificando-o por uma mancha branca nas costas tomada por marca identificadora.Segundo crêem, Maomé passou a ouvir vozes que o mandavam pregar ou lhe transmitiamcertos ensinamentos, registrados mais tarde no Alcorão.Convencido de sua “chamada”. Maomé passou a pregar sua doutrina.Os árabes – possíveis descendentes de Abraão através de Ismael, filho de Agar –consideram-no o único profeta de Deus e julgam ser o islamismo o cumprimento dapromessa de Deus em Gênesis 17:20:“Quanto a Ismael, eu te ouvi: abençoá-lo-ei, fá-lo-ei fecundo e o multiplicareiextraordinariamente; gerará doze príncipes, e dele farei uma grande nação.”Maomé conseguiu alguns discípulos em Medina (colônia judaica), cujo significado do nomeem aramaico é “a cidade”.Dos seus discípulos (califas), o mais fiel era Abu Bakr, companheiro de todas as horas. Depoisde uma conspiração dos coraixitas. Maomé fugiu em direção a Medina para não ser morto,chegando lá em 22 de setembro de 622, data que marca a Hégira (emigração ou separação) eo início do calendário muçulmano. Em Medina foi fundada oficialmente a sua religião.Maomé, chefiando os muçulmanos, partiu para invadir Meca em 628, supostamente, emobediência a uma ordem de Alá. Conquistou a cidade e, depois de um acordo com oscoraixitas, destruiu todos os ídolos da Caaba (não confundir com Cabala) e anunciou oadvento de uma era de paz e prosperidade geral. Decorridos aproximadamente dois anos, osvultos de maior projeção em Meca já tinham aderido ao islã.Depois da sua morte, em 8 de junho de 632, seu fiel discípulo Abu Bakr se empenhou naislamização das tribos e empreendeu expedições para a conquista da Síria e da Pérsia. AbuBakr foi morto em 634 e teve por sucessor Umar, que governou por um período de dez anos,durante o qual estendeu os domínios do Estado islâmico até a Índia, vencendo as forças deBizâncio para tomar a Síria, a Palestina, o Egito e outros territórios pertencentes ao impériopersa. 2
  3. 3. Umar foi assassinado em 644, e Otman o substituiu à frente do já então império muçulmano.Otman se dedicou a redigir a versão definitiva do Alcorão.Governou até 655 e foi morto por Ali, cunhado de Maomé, que seria o quarto dos califaseleitos. Depois dele, a chefia dos muçulmanos passou a ser hereditáriaEM QUE ACREDITAM?Os muçulmanos acreditam que Deus é único e incomparável e o propósito da existência éadorá-lo. Eles também acreditam que o islã é a versão completa e universal de uma féprimordial que foi revelada em muitas épocas e lugares anteriores, incluindo por meio deAbraão, Moisés e Jesus, que eles consideram profetas. Os seguidores do islã afirmam que asmensagens e revelações anteriores foram parcialmente alteradas ou corrompidas ao longodo tempo, mas consideram o Alcorão como uma versão inalterada da revelação final da Deus.Os conceitos e as práticas religiosas incluem os cinco pilares do islã, que são conceitos e atosbásicos e obrigatórios de culto, e a prática da lei islâmica, que atinge praticamente todos osaspectos da vida e da sociedade, fornecendo orientação sobre temas variados, como sistemabancário e bem-estar, à guerra e ao meio ambiente.O IMAMÉ o chefe espiritual, o guia ou Sheik no contexto islâmico. O Imam é o sacerdote quetem a incumbência de dirigir as atividades superiores de uma Mesquita.São prelados doutrinados nos divinos e refinados ensinamentos islâmicos.Possuidores de uma memória re-tentativa e privilegiada, altamente capacitada paramemorizar os textos alcorânticos e a tradição - Hadith - oral do sagrado ProfetaMohamad - com ele a oração e a paz.Assim sendo, o Imam tem por dever de dissipar as divergências que surgem no meioda comunidade. Além de harmonizar as pessoas em conflito para superarem asdiscrepâncias.Seus estudos são, na maioria das vezes, realizados na Universidade de Al-Azhar, noEgito, as mais antigas do mundo, nas Universidades da Liga Islâmica Mundial naArábia Saudita ou nas Universidades de outras capitais do mundo muçulmano.O Imam é um homem que pode possuir família, pois o islamismo não admite emhipótese alguma o celibato.Sua função primordial nas Mesquitas é liderar os fiéis nas orações. No entanto, antesdas orações profere um sermão no qual glorifica a Deus o Magnificente, enaltece amissão profética de Mohamad - com ele a oração e a paz -, suplica a misericórdia deDeus para sua família, para seus seguidores e para seus nobres companheiros.O Imam tem também sob sua responsabilidade a incumbência de realizar os 3
  4. 4. casamentos entre os noivos muçulmanos, segundo os mandamentos e normasestabelecidas no contexto islâmico.O serviço fúnebre é também de sua alçada, este serviço consiste em lavar o corpo dofalecido, de perfumá-lo e de envolvê-lo com mortalha. E praticar as orações fúnebrese acompanhar o sepultamento até seu último ato.O ALCORÃOO Alcorão está estruturado em 114 capítulos chamados suras. Cada sura está por sua vezsubdividida em versículos chamados ayat. Os capítulos possuem tamanho desigual (o menorpossui apenas três versículos e os mais longos 286 versículos) e a sua disposição não reflete aordem da revelação. Considera-se que 92 capítulos foram revelados em Meca e 22 emMedina. As suras são identificadas por um nome, que é em geral uma palavra distintivasurgida no começo do capítulo ("A Vaca", "A Abelha", "O Figo").Uma vez que os muçulmanos acreditam que Maomé foi o último de uma longa linha deprofetas, eles tomam a sua mensagem como um depósito sagrado e tomam muito cuidadocom ela, assegurando que a mensagem tenha sido recolhida e transmitida de uma maneira anão trair esse legado. Essa é a principal razão pela qual as traduções do Alcorão para aslínguas vernáculas são desencorajadas, preferindo-se ler e recitar o Alcorão em árabe. Muitosmuçulmanos memorizam uma porção do Alcorão na sua língua original e aqueles quememorizaram o Alcorão por inteiro são conhecidos como hafiz (literalmente "guardião").A mensagem principal do Alcorão é a da existência de um único Deus, que deve ser adorado.Contêm também exortações éticas e morais, histórias relacionadas com os profetasanteriores a Muhammad (que foram rejeitados pelos povos aos quais foram enviados), avisossobre a chegada do dia do Juízo Final, bem como regras relacionadas com aspectos da vidadiária, como o casamento e o divórcio.Além do Alcorão, as crenças e práticas do Islão baseiam-se na literatura hadith, que para osmuçulmanos clarifica e explica os ensinamentos do profeta.AUTORIDADE RELIGIOSANão há uma autoridade oficial que decide se uma pessoa é aceita ou excluída da comunidadede crentes. O Islão é aberto a todos, independentemente de raça, idade, gênero ou crençasprévias. É suficiente acreditar na doutrina central do islamismo, ato formalizado pelarecitação da chahada, o enunciado de crença do Islão, sem o qual uma pessoa não pode serconsiderada um muçulmano.Embora não exista no islamismo uma estrutura clerical semelhante à existente nasdenominações cristãs, existe contudo um grupo de pessoas reconhecidas pelo seuconhecimento da religião e da lei islâmica, denominadas ulemás. Os homens que sedestacam pelo seu grande conhecimento da lei islâmica podem receber o título de mufti, 4
  5. 5. sendo responsáveis pela emissão de pareceres sobre determinada questão da lei islâmica; emteoria esses pareceres (fatwas), só devem ser seguidos pela pessoa que o solicitou.PRECEITOS RELIGIOSOSA Sharia define as práticas de vida dos muçulmanos, com relação aocomportamento, atitudes e alimentação. De acordo com a Sharia, todomuçulmano deve seguir cinco princípios: • Aceitar Deus como único e Muhammad (Maomé) como seu profeta; • Dar esmola (Zakat) de no mínimo 2,5% de seus rendimentos para os necessitados; • Fazer a peregrinação à cidade de Meca pelo menos uma vez na vida, desde que para isso possua recursos; • Realização diária das orações; • Jejuar no mês de Ramadã com objetivo de desenvolver a paciência e a reflexão.A PROFISSÃO DE FÉ (CHAHADA)A profissão de fé consiste numa frase - que deve ser dita com a máxima sinceridade - atravésda qual cada muçulmano atesta que "não há outro deus senão Deus, e Maomé é seu servo emensageiro". No entanto, os muçulmanos xiitas têm por costume acrescentar "e Ali ibn AbiTalib é amigo de Deus". Essa frase também é dita quando se chama à oração (adhan).De acordo com a maioria das escolas islâmicas, para se converter ao Islão é necessárioproclamar três vezes a chahada ("testemunho") perante duas testemunhas: "Achadu alailaha ila Allah. Achadu ana Mohammad Rassululah" ("Testemunho que não há outradivindade senão Deus. Testemunho que Maomé é seu profeta mensageiro").O SALAT (A ORAÇÃO)A oração no Islão (conhecida como Salá) é composta por cinco partes, todas espalhadasdurante o dia e a noite, iniciando pela alvorada até à noite. Considerada o ponto mais próximoque se pode chegar de Deus. No Islão, não há obrigatoriamente hierarquia entre os adeptos,porém a comunidade, conhecida como ummah, escolhe uma pessoa com conhecimentosuficiente para dirigir a adoração.Durante essas orações, são recitadas suratas do Alcorão, geralmente ditas em árabe,conduzidas pelo escolhido entre a comunidade. Não existe restrição para que o crente reze fora 5
  6. 6. da mesquita, tampouco isso é uma desbonificação de sua oração, que pode ser feita emqualquer lugar, desde que tenha feito antes sua puruficação.A purificação é realizada através da higiene especifica e detalhada, que consistebasicamente em lavar as mãos, os antebraços, a boca, as narinas, a face; em passar águapelas orelhas, pela nuca, pelo cabelo e pelos pés.Se um muçulmano se encontrar numa área sem água ou numa área onde o uso da água não éaconselhável (porque poderia causar uma doença), pode substituir as abluções pelo usosimbólico de areia ou terra (tayammum). A oração abre-se com a orientação do crente nadireção de Meca (qibla).LOCAIS SAGRADOSPara os muçulmanos, existem três locais sagrados: A cidade de Meca, onde fica a pedranegra, também conhecida como Caaba. A cidade de Medina, local onde Maoméconstruiu a primeira Mesquita (templo religioso dos muçulmanos). A cidade deJerusalém, cidade onde o profeta subiu ao céu e foi ao paraíso para encontrar comMoises e Jesus.A Caaba ("O Cubo"), um edifício situado dentro da mesquita principal de Meca (Al Masjid Al-Haram), na Arábia Saudita, é o local mais sagrado do Islão. De acordo com o Alcorão, ela foiconstruída por Abraão(Ibrahim) para que todas as pessoas fossem ali celebrar os ritos da Hajj.No tempo do profeta Maomé, o monoteísmo instituído por Abraão tinha sido corrompidopelo politeísmo e pela idolatria. Segundo o islamismo, Maomé não procurou fundar umanova religião, mas antes restabelecer o culto monoteísta que existia no passado. Uma vezque o Islão se identifica com a tradição religiosa do patriarca Abraão, é por isso classificadocomo uma religião abraâmica. O islamismo não nega diretamente o judaísmo e ocristianismo, pelo contrário, considera uma versão antiga e perdida dessas religiõesmonoteístas como parte da sua herança; as suas versões atuais teriam sido alteradas, opróprio Islão considerando-se uma restauração da verdade divina.O segundo local sagrado do islamismo é Medina, cidade para a qual Maomé e os primeirosmuçulmanos fugiram (num movimento conhecido como Hégira), e onde se encontra o seutúmulo.A cidade de Jerusalém é o terceiro local sagrado do Islão . Este estatuto advém da suaassociação aos profetas anteriores a Maomé e sobretudo pelo fato de os muçulmanosacreditarem que o profeta teria viajado para esse local durante a noite, cavalgando um serdenominado Buraq, numa viagem conhecida como Isra. Uma vez em Jerusalém, ele teriaascendido ao céu (Mi’raj), onde dialogou com Deus e outros profetas, entre os quais Moisés.No local de Jerusalém onde se acredita que Maomé subiu ao céu, foi construída a Cúpula daRocha, em cerca de 690, sobre as ruínas do antigo Templo de Salomão dos judeus.Os muçulmanos xiitas consideram ainda como sagradas as cidades de Karbala e Najaf, ambasno Iraque. Na primeira, ocorreu o martírio de Hussein (filho de Ali e neto de Maomé) e dos 6
  7. 7. seus companheiros, quando este contestava o califado omíada. No Irão, devem também sersalientadas duas cidades sagradas para os xiitas, Mashhad e Qom.A PEREGRINAÇÃO (HAJJ)Esse pilar consiste na peregrinação a Meca, obrigatória pelo menos uma vez na vidapara todos os que gozem de saúde e disponham de meios financeiros. Ocorre durante odécimo segundo mês do calendário islâmico.Os muçulmanos vestem-se com um traje especial todo branco, antes de chegar aMeca, para que todos estejam igualmente vestidos e não haja distinção de classes.Durante toda a peregrinação, não se preocupam com o seu aspecto físico. Depois depraticarem sete voltas em torno da Kaaba, os peregrinos correm entre as duascolinas de Safa e Marwa. Na última parte do Hajj, os muçulmanos devem passaruma tarde na planície de Arafat, onde Maomé disse o seu "Último Sermão". Osrituais chegam ao fim com o sacrifício de carneiros e bodes.DIVISÕES DO ISLAMISMO – sunitas 85% e xiitas 15%Antes do aparecimento de Maomé, os árabes viviam em tribos. Eram politeístas e não tinhamgoverno centralizado. Maomé, através da religião, controlou toda a Arábia e, à medida quedominava os povos pela guerra, impunha-lhes também a religião muçulmana. Surgiu então oimpério árabe politicamente falando.Após a morte de Maomé, os quatro primeiros califas (sucessores de Maomé) expandiram oIslã.A máxima expansão dos árabes, no século XI, já não correspondeu a um império unido, poisgovernavam califados independentes. Atualmente, entre as principais áreas de influência doislamismo estão o Oriente Médio, o Norte da África, a Ásia Ocidental e numerosascomunidades na Indonésia, Malásia e Filipinas. Essa influência aumenta ainda rapidamentenos países africanos do Sul do Saara.Quando Otman faleceu, ocorreu uma disputa em torno de quem deveria ser o novo califa.Para alguns essa honra deveria recair sobre Ali, primo de Maomé, que era também casadocom a sua filha Fátima. Para outros, o califa deveria ser o primo de Otman, Muawiyah.Quando Ali é eleito califa em 656, Muawiyah contesta a sua eleição, o que origina uma guerracivil entre os partidários das duas facções. Ali acabaria por ser assassinado em 661 eMuawiyah conquista o poder para si e para a sua família, fundando a dinastia dos Omíadas.Contudo, o conflito entre os dois campos continua e, em 680, Hussein, filho de Ali, émassacrado pelas tropas de Yazid, filho de Muawiyah.Essas lutas estão na origem dos dois principais ramos em que atualmente se divide o Islão. Ospartidários de Ali (shiat ali, ou seja, xiitas) acreditam que os três primeiros califas foramusurpadores que retiraram a Ali o seu direito legítimo à liderança. Essa crença é justificada 7
  8. 8. em hadiths interpretados como reveladores de que, quando Maomé se encontrava ausente,ele nomeava Ali como líder momentâneo da comunidade. • É a segunda maior religião do mundo, com mais de meio bilhão de adeptos.Os seguidores da religião muçulmana se dividem em dois grupos principais : sunitas exiitas. Aproximadamente 85% dos muçulmanos do mundo fazem parte do gruposunita. De acordo com os sunitas, a autoridade espiritual pertence a toda comunidade.Os xiitas também possuem sua própria interpretação da Sharia.A MULHERUma mulher pode ser identificada claramente como muçulmana se ela usa o "chador"(um lenço). Um homem não pode ser identificado facilmente, pois não há nenhumobjeto especial que pode ser reconhecido tão fácil quanto o chador. O lenço pode serde cores diferentes, geralmente preto para o mais religioso, alguns com flores ouornamentos e também simplesmente brancos. Algumas regras: • Só podem estudar junto aos meninos até os 12 anos. Depois vão para escolas somente para meninas. • Circuncisão feminina é praticada em muitos países Islâmicos, por exemplo, Egito, Sudão, Iraque e Somália. • O Alcorão diz que o testemunho de uma mulher não vale tanto quanto o de um homem • O homem pode se casar com até quatro mulheres livres ao mesmo tempo, e pode divorciar-se de uma delas e casar-se com uma quinta, desde que não mantenha mais do que quatro esposas ao mesmo tempo. • Na mesquita, oram em lugar apropriado, separadas dos homens.MISTICISMO - SUFISMOSufis da ordem Melevi, mais conhecidos no Ocidente como dervixes rodopiantes.Às vezes visto pelos fieis muçulmanos comuns como um ramo separado do Islão, osufismo é antes uma forma de mística que pretende alcançar um contacto direto comDeus através de uma série de práticas que geralmente incluem o ascetismo, ameditação, os jejuns, cantos e danças. • ASCETA:1. Pessoa que se entrega a práticas espirituais, levando vida contemplativa com mortificação dossentidos.2. Pessoa de sã moral e vida irrepreensível. 8
  9. 9. ISLÃ NO BRASILO Islã no Brasil conta com 27.239 seguidores, segundo dados do censo demográfico de 2000do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porém, algumas instituições islâmicasbrasileiras consideram que o número de seguidores é muito superior a isso. A FederaçãoIslâmica Brasileira defende que há cerca de 1,5 milhão de fiéis do Islã no país e estima que 50mesquitas e mais de 80 centros islâmicos estão espalhados pelo Brasil. No censo anterior, de1991, o IBGE não tratou o islamismo de maneira isolada, estando os muçulmanos incluídos nacategoria de "outras religiões", um grupo que englobou quase 51.000 brasileiros. Maisrecentemente, o número de brasileiros convertidos ao islã cresceu 25% entre 2001 e 2011.A maior parte dos muçulmanos brasileiros vivem nos estados de São Paulo e Paraná, mastambém existem comunidades significativas em Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul.Grande parte desses muçulmanos são descendentes de imigrantes sírios e libaneses quefixaram residência no país durante a Primeira Guerra Mundial na iminência da dissolução doImpério Otomano. O Brasil também recebeu uma quantidade significativa de refugiados dosconflitos entre israelenses e palestinos, da Guerra do Líbano de 1982 e dos recentes conflitosno Iraque.O ISLÃO NO MUNDOO Islão reúne hoje entre 1,5 a 1,8 bilhão de crentes. Apenas 18% dos muçulmanos vivem nomundo árabe, um quinto encontra-se espalhado pela África subsariana, cerca de 30% vivemno Paquistão, Índia e Bangladesh, e a maior comunidade nacional encontra-se na Indonésia.Há significantes populações islâmicas na China, Ásia Central e Rússia.A Áustria foi o primeiro país europeu a reconhecer o Islão como uma religião oficial (1912),enquanto que a França tem atualmente a população mais elevada de muçulmanos da EuropaOcidental (entre 5 a 10%).CALENDÁRIO ISLÂMICOO (também denominado calendário hegírico em função da sua origem remontar à Hégira oumigração dos primeiros muçulmanos de Meca para Medina em 622 d.C.) segue o ano lunar,que é cerca de onze dias mais curto que o solar. Consequentemente, as comemoraçõesmuçulmanas acabam por circular por todas as estações de ano.As duas comemorações do Islão são o Eid ul-Fitr, que celebra o fim do jejum do Ramadão, e oEid ul-Adha, que marca o fim da peregrinação a Meca (Hajj).Outras comemorações populares incluem o Mawlid, que celebra o aniversário de Maomé (12do mês de Rabi al-Awwal), A Noite da Ascensão (Laylat al-Micraj, no dia 27 de Rajab),quando se recorda o dia em que Maomé subiu ao céu para dialogar com Deus, e A Noite doPoder (Laylat al-Qadr, na noite do 26 para 27 do mês do Ramadão), que marca o aniversárioda primeira revelação do Alcorão e durante a qual muitos muçulmanos acreditam que Deusdecide o que acontecerá durante o ano. 9
  10. 10. FUNDAMENTALISMO:Correntes radicais do islamismo frequentemente são acusadas de atos terroristas, como osatentados às Torres Gêmeas, protagnonizados nos ataques de 11 de setembro de 2001 pelaAl Qaeda. E a defesa intolerante da extinção do Estado de Israel defendida pelos gruposterroristas Hamas e Fatah. Em sua carta de fundação, por exemplo, o Hamas é claro nadefesa da destruição do Estado Sionista, sendo apoiado pela maioria do povo palestino.Fundamentalistas também defendem a submissão da mulher, a perseguição a cristãos e oassassinato de dissidentes em países islâmicos. Estima-se que aproximadamente quatromilhões de cristãos libaneses emigraram de seu país em conseqüência das pressões impostaspelos muçulmanos.A condição de vida das mulheres também é precária em países fundamentalistas islâmicos,como a Arábia Saudita: "Para o pensamento ortodoxo muçulmano, a mulher vale menos doque o homem, explica Leila Ahmed, especialista em estudos da mulher e do Oriente Próximoda Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos […]"Assim sendo, violências físicas etratamentos desumanos, como o apedrejamento, são constantes entre os paísesfundamentalistas: "Segundo a lei islâmica denominada Sharia (Shariah ou Charia), umamulher considerada adúltera deve ser enterrada até o pescoço (ou as axilas) e apedrejada atéa morte […]".A intolerância a críticas também é alvo constante de respostas por parte da imprensa àsvertentes radicais do Islã. Recentemente, cartunistas dinamarqueses foram ameaçados demorte por publicarem charges consideradas insultosas para alguns muçulmanos, algo comumno Ocidente e sua contraparte cristã. O Papa também foi ameaçado de morte por consideraro Islã uma religião violentaCONSIDERAÇÕES FINAISDe uma ou outra forma, o islamismo crê na doutrina do judaísmo, do qual uma vez ou outratira ingrediente para misturar com doutrinas de outras religiões. • Disse Maomé:“Eu acredito em Deus; em seus anjos; livros e mensageiros; no último dia; na ressurreiçãodos mortos; na predestinação por Deus; no bem e no mal; no julgamento; na justiça; noparaíso e no fogo do inferno.”Para os muçulmanos de hoje, Maomé permanece como modelo de ser humano. Suaautoridade como mensageiro da verdade e líder da luta pela justiça continua sendo suprema.No entanto, para aqueles que acreditam nos ensinamentos do Novo Testamento, Maomé éum falso profeta. À medida que foi dominando as nações e aumentando seu próprio poderio, 10
  11. 11. as suas “revelações” de Deus mudaram de estilo e começaram a responder diretamente àsquestões de política local e beduína, tornando-se, por isso, muitas vezes obscuras para nós.Seus ensinamentos se chocam, muitas vezes, com os ensinamentos de Jesus que, dentreoutras coisas, afirmou que o seu reino não é desse mundo. 11

×