SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
RISCOS FÍSICOS
Temperaturas Extremas:
Calor e Frio
 Prof. Ms. Fernando S. S. Barbosa
 Curso de Engenharia de Alimentos
 UNIR – Ariquemes
 Disciplina: Tópicos Especiais – Ergonomia e
Segurança do Trabalho
CALOR
 Aspectos Legais:
 Anexos 3 e 9 da NR 15
 Conforto térmico e iluminação  ergonomia – NR 17
 Perda e ganho de calor:
 1º Variável conforme atividade
 2º Condução-convecção e irradiação   temperatura 
pele-ambiente
 3º Evaporação suor  temperatura
REAÇÕES DO ORGANISMO
 Vaso dilatação periférica
 Sudorese:
 2l/hora
 11l/várias horas
REAÇÕES DO ORGANISMO
DOENÇAS DO CALOR
 Exaustão do calor (prostração térmica)
 Sintomas: cansaço, abatimento, dor de cabeça,
tontura, mal estar, fraqueza e inconsciência
 Desidratação
 volume sanguíneo  exaustão do calor (estágio
inicial)
 Casos extremos: compromete a função celular,
ineficiência muscular, redução da secreção (saliva),
perda de apetite, dificuldade de engolir, acúmulo
de ácidos nos tecidos, febre e óbito
DOENÇAS DO CALOR
 Câimbras de calor
 Perda de sais (sudorese)
 Espasmos musculares dolorosos
 Ingestão de água em grande quantidade x
reposição de sais (suor excessivo)
 Insolação
 Estado patológico de exposição ao calor  sol
(fonte)
DOENÇAS DO CALOR
 Intermação
 Estado patológico de exposição ao calor  fontes
artificiais
 Tontura, vertigem, tremor, convulsão e delírio
 Temperatura interna aumentada  43 graus
centígrados
 Estado de emergência
 Afastamento da fonte de calor
 Retirar roupas
 Toalha úmida sobre o corpo
DOENÇAS DO CALOR
 Catarata
 Doença ocular irreversível
 Exposição prolongada à radiação (calor radiante)
 Tratamento cirúrgico
 Enfermidades das glândulas sudoríparas
 Não evaporação do suor em quantidade suficiente
 Queda ou paralisação do suor em algumas partes
do corpo
 Erupções cutâneas
DOENÇAS DO CALOR
 Edema pelo calor
 Inchaço dos pés e tornozelos, às vezes mãos
 Sintomas podem regredir ou progredir
 Remanejamento para outras atividades
 Estresse pelo calor
FATORES QUE INFLUENCIAM NAS
TROCAS TÉRMICAS
 Temperatura do ar
 Depende da defasagem positiva ou negativa da
temperatura do ar e da pele
 Umidade relativa do ar
 Evaporação
 Relação indireta entre a evaporação e a umidade
 Velocidade do ar
 Depende da temperatura do ar
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Posto de trabalho
 Ciclo de trabalho
 Situação térmica
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Instrumento necessário
 Termômetro de globo (tg)  esfera oca de cobre,
1mm de espessura, 152,4mm de diâmetro, pintada
externamente de preto fosco
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Instrumento necessário
 Termômetro de mercúrio  +10ºC a +150ºC com
precisão mínima de leitura de ±0,1ºC
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Instrumento necessário
 Termômetro de bulbo seco (tbs)  termômetro de
mercúrio, +10ºC a +100ºC com precisão mínima de
leitura de ±0,1ºC
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Instrumento necessário
 Termômetro de bulbo úmido natural (tbm)
 termômetro de mercúrio, +10ºC a
+50ºC com precisão mínima de leitura de
±0,1ºC, erlenmeyer de 125ml, pavio em
forma tubular cor branca de tecido de
algodão com alto poder de absorção de
água com comprimento de 100mm
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Instrumento necessário
 Equipamento complementares: tripé, garrafas com
mufa, anemômetro
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO
OCUPACIONAL AO CALOR
 Medições
 Iniciar após 25’
 Na situação térmica que está sendo avaliada
 Repetir a cada minuto
 Mínimo 3 leituras ou quantas forem necessárias para se
observar um oscilação não superior a 0,1ºC entre as 3
últimas leituras
 Considerar a média
 Não havendo carga solar  termômetro de bulbo seco não
necessário
 Medir também o tempo de permanência do trabalhador na
situação térmica analisada (média de 3 cronometragens)
 Metodologia: FUNDACENTRO NHT-01 C/E e NHO-06
MEDIDAS DE CONTROLE
 Fontes
 Temperatura do ar
 Radiação proveniente do sol e equipamentos
 Calor metabólico em função da atividade física
MEDIDAS DE CONTROLE
 Evaporação suor  pele  dissipação
 Efeito similar com ar frio e seco no corpo do
trabalhador
 Vestimenta  barreiras
INTERFERÊNCIAS
 Na fonte de calor:
 Variar a potência
 Instrumentalização e automação do processo
 Isolamento térmico
 Na trajetória:
 Barreiras fonte-trabalhador
 distância fonte-local de trabalho
 Ventilar ar fresco
 umidade por exaustão do vapor d’água do
processo
INTERFERÊNCIAS
 No homem:
 Limitar o tempo de exposição
 Otimizar os ciclos de trabalho
 Utilizar EPI  óculos com lentes especiais, luva,
avental e capuz de material isolante
 Monitorar trabalhador  exames periódicos
 Aclimatar o trabalhador
 Recompor água e sais minerais perdidos
 Elaborar procedimentos operacionais 
exposição do trabalhador
 Treinar o trabalhador
INTERFERÊNCIAS
 Ventiladores:
 Recomendados apenas em temperatura <40ºC com
URA
INTERFERÊNCIAS
 Aclimatação:
 Imprescindível
 Lenta e progressiva
 5-7 dias
 1ª semana= 80% de aclimatação
 Restante nas 2 semanas seguintes
 Sudorese equilibrada e <concentração eletrolítica,
temperatura sanguínea estável e batimentos
cardíacos e >produtividade e segurança
 Roupas adequadas (evaporação e promovam
isolamento)  minimizar exposição ao calor
INTERFERÊNCIAS
 Suplementação de água e sal:
 1 copo  15-20 minutos
 10-15ºC
 Trabalhadores não bem aclimatizados 1g de sal
para 1l de água
FRIO
 Efeitos:
 <temperatura  <fluxo sanguíneo
 Temperatura corporal 35ºC  pulso, pressão e
taxa metabólica
 Tremor
 Hipotermia   29ºC  atividade cerebral
(hipotálamo)  sonolência e coma
FRIO
 Doenças:
 Ulcerações: feridas, bolhas, rachaduras, necrose...
 Engelamento dos mesmbros  gangrena e amputação
 Doenças reumáticas
 Doenças respiratórias
 Avaliação:
 NR-15, anexo 9; art. 253 da CLT; NR-29

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
conbetcursos
 
Doencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calorDoencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calor
pamcolbano
 
Manual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalhoManual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalho
Filipa Andrade
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
Filipa Andrade
 

Mais procurados (20)

Identificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicosIdentificando os riscos ergonômicos
Identificando os riscos ergonômicos
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
Segurança e higiene do trabalho - Aula 1
 
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
Acidentes de trabalho   (causas e consequências)Acidentes de trabalho   (causas e consequências)
Acidentes de trabalho (causas e consequências)
 
pressões anormais
pressões anormais pressões anormais
pressões anormais
 
Riscos físicos
Riscos físicosRiscos físicos
Riscos físicos
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
 
Ergonomia e Segurança do Trabalho
Ergonomia e Segurança do TrabalhoErgonomia e Segurança do Trabalho
Ergonomia e Segurança do Trabalho
 
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e PericulosidadeNR 15 - Insalubridade e Periculosidade
NR 15 - Insalubridade e Periculosidade
 
Acidentes de trabalho
Acidentes de trabalhoAcidentes de trabalho
Acidentes de trabalho
 
Prevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de TrabalhoPrevenção de Acidentes de Trabalho
Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
Doencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calorDoencas causadas pelo_calor
Doencas causadas pelo_calor
 
Manual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalhoManual higiene e segurança no trabalho
Manual higiene e segurança no trabalho
 
Ergonomia e Fisiologia do Trabalho
Ergonomia e Fisiologia do TrabalhoErgonomia e Fisiologia do Trabalho
Ergonomia e Fisiologia do Trabalho
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
 
ERGONOMIA NO TRABALHO
ERGONOMIA NO TRABALHOERGONOMIA NO TRABALHO
ERGONOMIA NO TRABALHO
 
Controlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionaisControlo de riscos profissionais
Controlo de riscos profissionais
 
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.pptTrabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
Trabalho em Ambientes Frios e Úmidos na Indústria Alimentícia.ppt
 
Aula ergonomia
Aula ergonomia Aula ergonomia
Aula ergonomia
 
Riscos do ruído e da luminosidade
Riscos do ruído e da luminosidadeRiscos do ruído e da luminosidade
Riscos do ruído e da luminosidade
 
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
Segurança e higiene do trabalho - Aula 2
 

Semelhante a Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio

Semelhante a Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio (20)

CIEFF-CEULJI/ULBRA-2014-Parte 2
CIEFF-CEULJI/ULBRA-2014-Parte 2CIEFF-CEULJI/ULBRA-2014-Parte 2
CIEFF-CEULJI/ULBRA-2014-Parte 2
 
calor- - power point - Valter.ppt
calor- - power point - Valter.pptcalor- - power point - Valter.ppt
calor- - power point - Valter.ppt
 
Calor - Exposição Ocupacional_ COM EXERCICIO.ppt
Calor - Exposição Ocupacional_ COM EXERCICIO.pptCalor - Exposição Ocupacional_ COM EXERCICIO.ppt
Calor - Exposição Ocupacional_ COM EXERCICIO.ppt
 
calor-petrobras.ppt
calor-petrobras.pptcalor-petrobras.ppt
calor-petrobras.ppt
 
EXERCÍCIOS CALOR_23.10.23.docx
EXERCÍCIOS CALOR_23.10.23.docxEXERCÍCIOS CALOR_23.10.23.docx
EXERCÍCIOS CALOR_23.10.23.docx
 
Aula agente fisico calor
Aula agente fisico calorAula agente fisico calor
Aula agente fisico calor
 
Seanc tst 22 aula 03 calor paolo
Seanc tst 22 aula 03   calor paoloSeanc tst 22 aula 03   calor paolo
Seanc tst 22 aula 03 calor paolo
 
NR 15 Calor.ppt
NR 15 Calor.pptNR 15 Calor.ppt
NR 15 Calor.ppt
 
Calor apresentacao
Calor apresentacaoCalor apresentacao
Calor apresentacao
 
HIGI CALOR 21 09 07.pptx
HIGI CALOR 21 09 07.pptxHIGI CALOR 21 09 07.pptx
HIGI CALOR 21 09 07.pptx
 
Curso calorpowerpoint
Curso calorpowerpointCurso calorpowerpoint
Curso calorpowerpoint
 
Curso calorpowerpoint
Curso calorpowerpointCurso calorpowerpoint
Curso calorpowerpoint
 
Hegiene ocupacional calor e frio
Hegiene ocupacional calor e frioHegiene ocupacional calor e frio
Hegiene ocupacional calor e frio
 
03a - Temperatura.pptx
03a - Temperatura.pptx03a - Temperatura.pptx
03a - Temperatura.pptx
 
Calor (NR 15)
Calor (NR 15)Calor (NR 15)
Calor (NR 15)
 
Senac tst 22 aula 02 calor paolo
Senac tst 22 aula 02   calor paoloSenac tst 22 aula 02   calor paolo
Senac tst 22 aula 02 calor paolo
 
382
382382
382
 
Termorregulação - Fisiologia
Termorregulação - FisiologiaTermorregulação - Fisiologia
Termorregulação - Fisiologia
 
Aula Pós
Aula PósAula Pós
Aula Pós
 
Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!
Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!
Incubadoras de CO2 para cultura celular - Ultrasafe!
 

Mais de Fernando S. S. Barbosa

Mais de Fernando S. S. Barbosa (20)

Dislexia - Parte 1
Dislexia - Parte 1Dislexia - Parte 1
Dislexia - Parte 1
 
Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade
Transtorno de Déficit de Atenção/HiperatividadeTranstorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade
Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade
 
Artigo Original: ECNPI e Psicomotricidade
Artigo Original: ECNPI e PsicomotricidadeArtigo Original: ECNPI e Psicomotricidade
Artigo Original: ECNPI e Psicomotricidade
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
Plano de curso ou ensino alunos - atualizado
Plano de curso ou ensino   alunos - atualizadoPlano de curso ou ensino   alunos - atualizado
Plano de curso ou ensino alunos - atualizado
 
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de AprendizagemAula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
Aula 1 - Introdução à Neurociência, Aprendizagem e Problemas de Aprendizagem
 
Plano de curso ou ensino atualizado
Plano de curso ou ensino   atualizadoPlano de curso ou ensino   atualizado
Plano de curso ou ensino atualizado
 
Trabalho aprendizagem por projetos
Trabalho aprendizagem por projetosTrabalho aprendizagem por projetos
Trabalho aprendizagem por projetos
 
Plano de curso ou ensino
Plano de curso ou ensinoPlano de curso ou ensino
Plano de curso ou ensino
 
Plano de curso
Plano de cursoPlano de curso
Plano de curso
 
Construção de projeto de pesquisa: ênfase nos métodos de pesquisa
Construção de projeto de pesquisa: ênfase nos métodos de pesquisaConstrução de projeto de pesquisa: ênfase nos métodos de pesquisa
Construção de projeto de pesquisa: ênfase nos métodos de pesquisa
 
Artigo professor
Artigo professorArtigo professor
Artigo professor
 
Apresentação professor
Apresentação professorApresentação professor
Apresentação professor
 
Seriação, classificação, postura e respiração
Seriação, classificação, postura e respiraçãoSeriação, classificação, postura e respiração
Seriação, classificação, postura e respiração
 
Artigo 6
Artigo 6Artigo 6
Artigo 6
 
Artigo 5
Artigo 5Artigo 5
Artigo 5
 
Artigo 4
Artigo 4Artigo 4
Artigo 4
 
Artigo 3
Artigo 3Artigo 3
Artigo 3
 
Artigo 2
Artigo 2Artigo 2
Artigo 2
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (11)

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

Risco Físico: Temperaturas Extremas - Calor e Frio

  • 1. RISCOS FÍSICOS Temperaturas Extremas: Calor e Frio  Prof. Ms. Fernando S. S. Barbosa  Curso de Engenharia de Alimentos  UNIR – Ariquemes  Disciplina: Tópicos Especiais – Ergonomia e Segurança do Trabalho
  • 2. CALOR  Aspectos Legais:  Anexos 3 e 9 da NR 15  Conforto térmico e iluminação  ergonomia – NR 17  Perda e ganho de calor:  1º Variável conforme atividade  2º Condução-convecção e irradiação   temperatura  pele-ambiente  3º Evaporação suor  temperatura
  • 3. REAÇÕES DO ORGANISMO  Vaso dilatação periférica
  • 4.  Sudorese:  2l/hora  11l/várias horas REAÇÕES DO ORGANISMO
  • 5. DOENÇAS DO CALOR  Exaustão do calor (prostração térmica)  Sintomas: cansaço, abatimento, dor de cabeça, tontura, mal estar, fraqueza e inconsciência  Desidratação  volume sanguíneo  exaustão do calor (estágio inicial)  Casos extremos: compromete a função celular, ineficiência muscular, redução da secreção (saliva), perda de apetite, dificuldade de engolir, acúmulo de ácidos nos tecidos, febre e óbito
  • 6. DOENÇAS DO CALOR  Câimbras de calor  Perda de sais (sudorese)  Espasmos musculares dolorosos  Ingestão de água em grande quantidade x reposição de sais (suor excessivo)  Insolação  Estado patológico de exposição ao calor  sol (fonte)
  • 7. DOENÇAS DO CALOR  Intermação  Estado patológico de exposição ao calor  fontes artificiais  Tontura, vertigem, tremor, convulsão e delírio  Temperatura interna aumentada  43 graus centígrados  Estado de emergência  Afastamento da fonte de calor  Retirar roupas  Toalha úmida sobre o corpo
  • 8. DOENÇAS DO CALOR  Catarata  Doença ocular irreversível  Exposição prolongada à radiação (calor radiante)  Tratamento cirúrgico  Enfermidades das glândulas sudoríparas  Não evaporação do suor em quantidade suficiente  Queda ou paralisação do suor em algumas partes do corpo  Erupções cutâneas
  • 9. DOENÇAS DO CALOR  Edema pelo calor  Inchaço dos pés e tornozelos, às vezes mãos  Sintomas podem regredir ou progredir  Remanejamento para outras atividades  Estresse pelo calor
  • 10. FATORES QUE INFLUENCIAM NAS TROCAS TÉRMICAS  Temperatura do ar  Depende da defasagem positiva ou negativa da temperatura do ar e da pele  Umidade relativa do ar  Evaporação  Relação indireta entre a evaporação e a umidade  Velocidade do ar  Depende da temperatura do ar
  • 11. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Posto de trabalho  Ciclo de trabalho  Situação térmica
  • 12. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Instrumento necessário  Termômetro de globo (tg)  esfera oca de cobre, 1mm de espessura, 152,4mm de diâmetro, pintada externamente de preto fosco
  • 13. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Instrumento necessário  Termômetro de mercúrio  +10ºC a +150ºC com precisão mínima de leitura de ±0,1ºC
  • 14. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Instrumento necessário  Termômetro de bulbo seco (tbs)  termômetro de mercúrio, +10ºC a +100ºC com precisão mínima de leitura de ±0,1ºC
  • 15. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Instrumento necessário  Termômetro de bulbo úmido natural (tbm)  termômetro de mercúrio, +10ºC a +50ºC com precisão mínima de leitura de ±0,1ºC, erlenmeyer de 125ml, pavio em forma tubular cor branca de tecido de algodão com alto poder de absorção de água com comprimento de 100mm
  • 16. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Instrumento necessário  Equipamento complementares: tripé, garrafas com mufa, anemômetro
  • 20. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO CALOR  Medições  Iniciar após 25’  Na situação térmica que está sendo avaliada  Repetir a cada minuto  Mínimo 3 leituras ou quantas forem necessárias para se observar um oscilação não superior a 0,1ºC entre as 3 últimas leituras  Considerar a média  Não havendo carga solar  termômetro de bulbo seco não necessário  Medir também o tempo de permanência do trabalhador na situação térmica analisada (média de 3 cronometragens)  Metodologia: FUNDACENTRO NHT-01 C/E e NHO-06
  • 21. MEDIDAS DE CONTROLE  Fontes  Temperatura do ar  Radiação proveniente do sol e equipamentos  Calor metabólico em função da atividade física
  • 22. MEDIDAS DE CONTROLE  Evaporação suor  pele  dissipação  Efeito similar com ar frio e seco no corpo do trabalhador  Vestimenta  barreiras
  • 23. INTERFERÊNCIAS  Na fonte de calor:  Variar a potência  Instrumentalização e automação do processo  Isolamento térmico  Na trajetória:  Barreiras fonte-trabalhador  distância fonte-local de trabalho  Ventilar ar fresco  umidade por exaustão do vapor d’água do processo
  • 24. INTERFERÊNCIAS  No homem:  Limitar o tempo de exposição  Otimizar os ciclos de trabalho  Utilizar EPI  óculos com lentes especiais, luva, avental e capuz de material isolante  Monitorar trabalhador  exames periódicos  Aclimatar o trabalhador  Recompor água e sais minerais perdidos  Elaborar procedimentos operacionais  exposição do trabalhador  Treinar o trabalhador
  • 25. INTERFERÊNCIAS  Ventiladores:  Recomendados apenas em temperatura <40ºC com URA
  • 26. INTERFERÊNCIAS  Aclimatação:  Imprescindível  Lenta e progressiva  5-7 dias  1ª semana= 80% de aclimatação  Restante nas 2 semanas seguintes  Sudorese equilibrada e <concentração eletrolítica, temperatura sanguínea estável e batimentos cardíacos e >produtividade e segurança  Roupas adequadas (evaporação e promovam isolamento)  minimizar exposição ao calor
  • 27. INTERFERÊNCIAS  Suplementação de água e sal:  1 copo  15-20 minutos  10-15ºC  Trabalhadores não bem aclimatizados 1g de sal para 1l de água
  • 28. FRIO  Efeitos:  <temperatura  <fluxo sanguíneo  Temperatura corporal 35ºC  pulso, pressão e taxa metabólica  Tremor  Hipotermia   29ºC  atividade cerebral (hipotálamo)  sonolência e coma
  • 29. FRIO  Doenças:  Ulcerações: feridas, bolhas, rachaduras, necrose...  Engelamento dos mesmbros  gangrena e amputação  Doenças reumáticas  Doenças respiratórias  Avaliação:  NR-15, anexo 9; art. 253 da CLT; NR-29