Artigo de Edumatec

124 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo de Edumatec

  1. 1. Artigo para a disciplina de Educação Matemática e Tecnologia Professora: Leandra Anversa Fioreze Universidade Federal do Rio Grande do Sul Fernando de Freitas Nunes
  2. 2.  Recomendação do I Seminário de Informática na Educação, realizado em 1981: “Não considerar o uso de computadores e recursos computacionais como nova panacéia para enfrentar problemas de educação básica ou como substituto eficaz das carências de docentes e recursos instrucionais elementares ou de outra natureza”. (OLIVEIRA apud RIZZA, 2009, p. 6)
  3. 3.  Barrera-Osorio avaliou um projeto realizado na Colômbia em que foram doados 114 mil computadores a 6 mil escolas. De acordo com seus estudos “o programa parece ter tido pouco efeito sobre as notas dos alunos nos testes e em outros resultados [...] Parece que os computadores não influenciaram a experiência diária de aprendizagem dos alunos” (BARRERA-OSORIO, 2011). “o uso da internet na escola não implica uma maior preferência pelos conteúdos educacionais ou culturais” (SALA; CHALEZEQUER, 2009, p. 65) Pensar e usar esta tecnologia para repetir os procedimentos que ocorriam na escola sem ela, provavelmente manterá o estado atual da educação. Fundamental é descobrir como usá-la para alcançar resultados que aproveitem o máximo de rendimento de suas características específicas e inusuais. (FAGUNDES apud, BASSO ‘et. al.’, 1999)
  4. 4.  Pesquisas mostram que o jovem brasileiro passa em média 4 horas por dia em frente ao computador e costuma fazer várias coisas ao mesmo tempo. Para milhares de jovens, a internet é a melhor forma de encontrar amigos, ouvir músicas, trocar mensagens e se divertir. Hoje a internet é, entre outras coisas, um grande banco de dados multimídia, sem fronteiras e sem limites. Instituições de pesquisa, jornalistas, políticos, bibliotecas do mundo estão acessíveis em um clique. Instituições oferecem cursos à distância. A informação está disponível. O desafio é encontrá-la, analisá-la e usá-la para gerar conhecimento. (Brasil, 2011)
  5. 5.  “Como a escolarização generalizada é uma invenção social muito recente, duas conclusões se impõem: a primeira é rejeitar a confusão que continua a existir entre educação e escolarização; a segunda, é rejeitar uma outra confusão que sobrepões educação a ensino. Todos estamos condenados a aprender, mas a maior parte daquilo que sabemos não nos foi ensinado na escola e, em um passado recente, a maior parte das pessoas não frequentava a escola”. (CANÁRIO, 2006, p. 35)
  6. 6.  Graells (apud. SALA; CHALEZEQUER, 2009, p. 59) sugere: a) Lousas digitais em todas as salas de aula. Pelo menos um computador conectado à internet e um projetor de vídeo [...]; b) Computadores de apoio nas salas de aula. c) Salas de informática ou aulas informatizadas com um computador para cada aluno ou par de alunos. d) Intranet educativa; e) biblioteca ou salas de estudo com computadores com conexão à internet para o trabalho individual dos estudantes, e que eles tenham também um computador conectado à internet em casa.
  7. 7.  [...] produção de mudanças à ruptura com aquilo que têm sido as invariantes organizacionais da escola (os modos de gestão do tempo, do espaço, do grupo de alunos, etc.). Só uma intervenção orientada para essa ruptura poderá prevenir a sorte da maior parte das inovações, condenadas a um estatuto periférico que vem se acrescentar ao que já existe, sem introduzir nenhuma alteração qualitativa na relação com o saber. (CANÁRIO, 2006, p, 19)
  8. 8.  [...] a escola constitui uma ‘invenção’ histórica, [...] porém, é fato que nossa postura geral e habitual frente à escola a considera algo ‘natural’, que nessa qualidade sempre teria existido e sempre existirá na configuração que nos é familiar. Destacar o caráter ‘histórico’ da escola significa destacar que estamos frente a uma criação humana, portanto contingente e suscetível de assumir vários futuros possíveis. É justamente na medida em que constitui uma ‘invenção’ que se torna possível pensar a possibilidade de sua ‘reinvenção’. (CANÁRIO, 2009, p. 85)
  9. 9.  A tecnologia é boa ou ruim para a escola? Como a tecnologia é boa para a escola?
  10. 10.  BARRERA-OSORIO, Felipe. Duas visões sobre tecnologias na educação: depoimento. [07 de fevereiro, 2011]. São Paulo. Entrevista concedida a Mariana Mandelli. BASSO, Marcus V. A. FAGUNDES, Léa da Cruz. TAROUCO, Liane M. R. COSTA, Antônio C. R. Educação tecnológica e/na educação matemática: Aplicações da matemática elementar na sala de aula ou “focinho de porco não é tomada”. Revista Informática na Educação. Pós-Graduação em Informática na Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Outubro de 2009. BRASIL: Ministério da Educação. A era da comunicação. In: Informática e educação. TV Escola – MEC. 2011. v. 5, cap. 2, 13 min. CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre. Artmed. 2006. RIZZA, Cristina M. S. Informática educacional no ensino de geografia por professores de escolas municipais de Uberlândia. 37 f. Monografia. Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia. 2009. SALA, Xavier Bringué; CHALEZQUER, Charo Sádaba (Org.). A geração interativa na Ibero-América: crianças e adolescentes diante das telas. Fundação Telefônica: São Paulo, 2009.

×