Matematica a 12

Fernando Murta
Fernando MurtaEscola Básica e Secundária do Carmo
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO

MATEMÁTICA A
12º ANO

Cursos Científico-Humanísticos de
Ciências e Tecnologias e de Ciências Socioeconómicas

Autores
Jaime Carvalho e Silva (Coordenador)
Maria Graziela Fonseca
Arsélio Almeida Martins
Cristina Maria Cruchinho da Fonseca
Ilda Maria Couto Lopes

Homologação
17/05/2002
Departamento do Ensino Secund´rio
a

1

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Matem´tica A
a o
Programa do 12¯ Ano

Tema I – Probabilidades e Combinat´ria
o
30 aulas de 90 minutos
As probabilidades fornecem conceitos e m´todos para estudar casos de incerteza e para interpree
tar previs˜es baseadas na incerteza. Este estudo, que pode ser em grande parte experimental,
o
fornece uma base conceptual que capacita para interpretar, de forma cr´
ıtica, toda a comunica¸˜o
ca
que utiliza a linguagem das probabilidades, bem como a linguagem estat´
ıstica. As t´cnicas de
e
contagem que aqui aparecem como auxiliar do c´lculo de probabilidades constituem uma aprena
dizagem significativa por si s´, especialmente se desenvolverem mais as capacidades do racioc´
o
ınio
combinat´rio e as conex˜es matem´ticas e menos a aplica¸˜o das f´rmulas. Considera-se ainda
o
o
a
ca
o
que o tema das Probabilidades constitui uma boa oportunidade para a introdu¸˜o de uma axioca
m´tica, uma das formas de organizar uma teoria matem´tica, permitindo que os estudantes
a
a
tenham uma melhor compreens˜o do que ´ a actividade demonstrativa em Matem´tica. Finala
e
a
mente, qualquer destes assuntos ´ bom para prosseguir objectivos de trabalho em aspectos da
e
Hist´ria da Matem´tica. Saliente-se que h´ muitos exemplos hist´ricos interessantes no c´lculo
o
a
a
o
a
´
de probabilidades. E aconselh´vel a leitura da brochura de apoio a este tema.
a
Pr´-requisitos:
e
No¸˜es elementares sobre conjuntos,
co
a
Probabilidades do 3o Ciclo do Ensino B´sico.
¯
Departamento do Ensino Secund´rio
a

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Desenvolvimento

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

Introdu¸˜o ao c´lculo de
ca
a
Probabilidades:
Experiˆncia aleat´ria; cone
o
junto de resultados; acontecimentos.
Opera¸˜es sobre acontecico
mentos.
Aproxima¸˜es conceptuais
co
para Probabilidade:

Experiˆncias que permitam tirar partido de materiais l´dicos e
e
u
de simula¸˜es com a calculadora contribuir˜o para esclarecer conco
a
ceitos atrav´s da experimenta¸˜o e para dinamizar discuss˜es de
e
ca
o
tipo cient´
ıfico, bem como para incentivar o trabalho cooperativo. A simula¸˜o e o jogo ajudam a construir adequadamente
ca
o espa¸o dos resultados e a encontrar valores experimentais para
c
´
a probabilidade de acontecimentos que est˜o a ser estudados. E
a
importante incentivar o estudante, sempre que poss´
ıvel, a resolver
os problemas por v´rios processos, discutindo cada um deles com o
a
professor e com os restantes colegas de modo a poder apreciar cada
uma das formas de abordar o problema. O professor deve solicitar, frequentemente, que descrevam com pormenor, oralmente e
´
por escrito, os racioc´
ınios efectuados. E aconselh´vel elaborar
a
boas formas de registo para os resultados das suas experiˆncias
e
de modo a poderem ser partilhadas em grupo. A axiom´tica
a
das Probabilidades, por ser curta, permite alguns exerc´
ıcios de
verifica¸˜o simples, capazes de motivar a apropria¸˜o da utilica
ca
dade deste tipo de abordagem matem´tica. O facto de tanto as
a
defini¸˜es frequencista e cl´ssica de probabilidade como a probaco
a
bilidade condicionada satisfazerem a axiom´tica das Probabilia
dades permite compreender melhor o papel de uma axiom´tica
a
em Matem´tica.
a
Os estudantes j´ sabem como descrever os acontecimentos asa
sociados a uma experiˆncia aleat´ria usando o espa¸o ou cone
o
c
junto de resultados e sabem, ainda, como determinar a probabilidade de acontecimentos. Ora ´ muitas vezes necess´rio associar
e
a
a uma experiˆncia aleat´ria (associada a um modelo de probae
o
bilidade) valores num´ricos pelo que ´ importante introduzir o
e
e
conceito de vari´vel aleat´ria bem como o de fun¸˜o massa de
a
o
ca
probablidade. Os estudantes poder˜o utilizar simula¸˜es para
a
co
´
construir distribui¸˜es emp´
co
ıricas de probabilidades. E importante
que compreendam a rela¸˜o entre as estat´
ca
ısticas e os parˆmetros
a
populacionais. N˜o ´ objectivo do programa entrar no estudo
a e
das vari´veis cont´
a
ınuas mas o estudante poder´ investigar se n˜o
a
a
haver´ nenhuma representa¸˜o que seja para a popula¸˜o o equivaa
ca
ca
lente ao histograma na amostra. Das distribui¸˜es cont´
co
ınuas a
mais conhecida foi obtida pelo matem´tico Gauss e tem hoje um
a
papel importante j´ que muitos processos de inferˆncia estat´
a
e
ıstica
a tˆm por base.
e

– aproxima¸˜o frequencista de
ca
probabilidade;
– defini¸˜o cl´ssica de probabilica
a
dade ou de Laplace.
– defini¸˜o axiom´tica de proca
a
babilidade (caso finito); propriedades da probabilidade.

Probabilidade condicionada
e independˆncia; probabilie
dade da intersec¸˜o de aconca
tecimentos. Acontecimentos
independentes.
Distribui¸˜o de frequˆnca
e
cias relativas e distribuica
¸˜o de probabilidades.
Vari´vel aleat´ria; fun¸˜o
a
o
ca
massa de probabilidade:
– distribui¸˜o de probabilidades
ca
de uma vari´vel aleat´ria discrea
o
ta; distribui¸˜o de frequˆncias
ca
e
versus distribui¸˜o de probabilica
dades;
– m´dia versus valor m´dio;
e
e
– desvio padr˜o amostral versus
a
desvio padr˜o populacional.
a

Modelo Binomial.
Modelo Normal; histograma
versus fun¸˜o densidade.
ca

2
Departamento do Ensino Secund´rio
a

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Desenvolvimento

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

An´lise Combinat´ria
a
o
Arranjos completos, arranjos simples, permuta¸˜es e
co
combina¸˜es.
co
Triˆngulo de Pascal.
a
Bin´mio de Newton.
o
Aplica¸˜o ao c´lculo de proca
a
babilidades.

No caso das contagens que sejam facilitadas por racioc´
ınios combinat´rios, ´ aconselh´vel que os estudantes comecem por contar
o
e
a
os elementos um a um, utilizando exemplos (desde os mais simples at´ aos mais complicados), at´ que reconhe¸am a utilidade dos
e
e
c
diagramas e depois das organiza¸˜es simplificadoras. Os exemplos
co
de conjuntos para a contagem podem surgir de situa¸˜es probleco
m´ticas que lhes forem sendo propostas. Mesmo o triˆngulo de
a
a
Pascal pode ser introduzido a partir de problemas. Muitos problemas postos podem e devem resultar da an´lise de jogos conhecia
dos. Os racioc´
ınios combinat´rios facilitam a abordagem de proo
priedades envolvendo combina¸˜es, mas n˜o deve ser desprezada a
co
a
ideia de, caso seja poss´
ıvel, introduzir conex˜es matem´ticas - com
o
a
m´todos recursivos e fazendo alguma demonstra¸˜o por indu¸˜o
e
ca
ca
matem´tica.
a
Pascal, Tartaglia e Laplace s˜o exemplos ”interessantes” para reaa
lizar incurs˜es na hist´ria dos conceitos matem´ticos, na vida dos
o
o
a
matem´ticos, nas liga¸˜es da Matem´tica com outros ramos de
a
co
a
´
saber e actividade. E importante referir que muitos resultados de
contagens j´ eram conhecidos anteriormente noutras civiliza¸˜es
a
co
(por exemplo, o triˆngulo de Pascal era conhecido na China v´rios
a
a
s´culos antes de Pascal)
e

3
Departamento do Ensino Secund´rio
a

4

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Tema II – Introdu¸˜o ao C´lculo Diferencial II
ca
a
30 aulas de 90 minutos
Aqui s˜o estudados de forma mais rigorosa conceitos j´ utilizados antes de forma intuitiva:
a
a
limite, continuidade e derivada. O estudo das fun¸˜es ´ ampliado com as fun¸˜es exponencial e
co e
co
logar´
ıtmica.
V´rios conceitos deste tema s˜o importantes noutras disciplinas como “F´
a
a
ısica”, “Qu´
ımica”,
“Economia” e “‘Geografia”. Por isso ´ bastante importante haver uma colabora¸˜o estreita entre
e
ca
os professores de Matem´tica e os das outras disciplinas. A utiliza¸˜o de exemplos concretos
a
ca
dessas disciplinas, a realiza¸˜o das actividades comuns ou a lecciona¸˜o de algum aspecto numa
ca
ca
dessas disciplinas para posterior aprofundamento na disciplina de Matem´tica s˜o algumas das
a
a
possibilidades que se oferecem aos professores.
Pr´-requisitos:
e
Fun¸˜es e Gr´ficos do 10o ano.
co
a
¯
Introdu¸˜o ao C´lculo Diferencial I do 11o ano.
ca
a
¯
Desenvolvimento

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

Fun¸˜es exponenciais e
co
logar´
ıtmicas
Fun¸˜o exponencial de base
ca
superior a um; crescimento
exponencial; estudo das propriedades anal´
ıticas e gr´ficas
a
da fam´ de fun¸˜es definida
ılia
co
por f (x) = ax com a > 1
Fun¸˜o logar´
ca
ıtmica de base
superior a um; estudo das propriedades anal´
ıticas e gr´ficas
a
da fam´ de fun¸˜es definida
ılia
co
por f (x) = loga x com a > 1.
Regras operat´rias de expoo
nenciais e logaritmos.
Utiliza¸˜o de fun¸˜es exca
co
ponenciais e logar´
ıtmicas na
modela¸˜o de situa¸˜es reais.
ca
co

Com as novas fam´
ılias de fun¸˜es surgem, tamb´m, novas oporco
e
tunidades para cada estudante obter uma maior compreens˜o da
a
matem´tica e suas aplica¸˜es, bem como para conectar e relaa
co
cionar os novos conhecimentos com os j´ adquiridos em anos ana
teriores (quer dentro do mesmo tema quer com temas diferentes).
´
E fundamental apresentar aos estudantes actividades diversificadas (ver, por exemplo, brochura de apoio ao programa sobre
este tema) tendo-se em conta que a explora¸˜o com a utiliza¸˜o
ca
ca
das v´rias tecnologias pode permitir discuss˜es ricas, quer sobre o
a
o
processo de modela¸˜o, quer sobre os conceitos matem´ticos funca
a
damentais, para al´m de facilitarem propostas aconselh´veis de
e
a
investiga¸˜es.
co
Os estudantes precisam de desenvolver a compreens˜o de procedia
mentos alg´bricos e utiliz´-los (a par da utiliza¸˜o da calculadora)
e
a
ca
sem que para isso tenham que fazer exerc´
ıcios repetitivos.
A modela¸˜o com fun¸˜es exponenciais e logar´
ca
co
ıtmicas pode ser
feita tanto usando capacidades espec´
ıficas da calculadora gr´fica
a
(por exemplo, usando a regress˜o estat´
a
ıstica a partir de dados
recolhidos experimentalmente ou numa base de dados), como por
an´lise alg´brica da adequa¸˜o de um modelo fornecido pelo proa
e
ca
fessor.
Departamento do Ensino Secund´rio
a

5

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Desenvolvimento
Teoria de limites
Limite de fun¸˜o segundo
ca
Heine.
Propriedades operat´rias sobre limites (ino
forma¸˜o); limites not´veis
ca
a
(informa¸˜o). Indeterminaca
co
¸˜es. Ass´
ımptotas. Continuidade.
Teorema de Bolzano–Cauchy (informa¸˜o) e aplica¸˜es
ca
co
num´ricas.
e

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

C´lculo Diferencial
a
Fun¸˜es deriv´veis.
co
a
Regras de deriva¸˜o (demonca
stra¸˜o da regra da soma e
ca
do produto; informa¸˜o das
ca
restantes regras). Derivadas
de fun¸˜es elementares (inco
forma¸˜o baseada em intui¸˜o
ca
ca
num´rica e gr´fica). Segunda
e
a
defini¸˜o do n´mero e. Teoca
u
rema da derivada da fun¸˜o
ca
composta (informa¸˜o).
ca
Segundas derivadas e concavidade (informa¸˜o baseada
ca
em intui¸˜o geom´trica).
ca
e
Estudo de fun¸˜es em casos
co
simples.

Derivada da fun¸˜o composta: grau de dificuldade a n˜o ultrapasca
a
sar f (ax), f (x + b), f (xk )
´
E importante analisar em todos os teoremas a necessidade das
condi¸˜es do enunciado atrav´s de contra-exemplos.
co
e
Deve ser adoptada a defini¸˜o: f ´ deriv´vel quando a derivada
ca
e
a
existe.

As indetermina¸˜es s˜o referidas apenas para mostrar as
co
a
limita¸˜es dos teoremas operat´rios. o programa apenas presco
o
sup˜e que se levantem as indetermina¸˜es em casos simples. Difio
co
culdade a n˜o exceder:
a
√
√
5x4 − 2x + 1
x3 − 1
; lim ( x + 1 − x) ; lim
2+3
x→+∞
x→+∞
x→1 x − 1
x
lim

´
E aconselh´vel que os estudantes experimentem num´rica e grafia
e
camente a rela¸˜o entre os limites no infinito da exponencial, da
ca
potˆncia e dos logaritmos.
e

e ´ o unico n´mero real tal que (ex ) = ex .
e ´
u

O estudo de fun¸˜es deve seguir o modelo que se encontra na
co
brochura de fun¸˜es pag 149 e que combina m´todos anal´
co
e
ıticos
com o uso da calculadora gr´fica.
a
Dificuldade a n˜o ultrapassar:
a
f (x) = 2−x + 2x , f (x) =

Integra¸˜o do estudo do
ca
C´lculo Diferencial num cona
texto hist´rico.
o

x
x2 + x + 1
, f (x) =
2x + 1
1 − log x

Os estudantes poder˜o realizar trabalhos individuais ou em grupo
a
de Hist´ria do C´lculo Diferencial referindo o trabalho de alguns
o
a
matem´ticos como Fermat, Newton, Leibniz, Berkeley, Anast´cio
a
a
´
da Cunha, Bolzano, Cauchy, etc. E obrigat´ria a referˆncia a
o
e
Jos´ Anast´cio da Cunha; com esse pretexto referir um pouco de
e
a
hist´ria da Matem´tica em Portugal desde o tempo dos descobrio
a
mentos at´ ` actualidade.
ea
Departamento do Ensino Secund´rio
a

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Desenvolvimento

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

Problemas de optimiza¸˜o.
ca

Os problemas de optimiza¸˜o devem ser escolhidos de modo a que
ca
um estudante trabalhe de uma forma t˜o completa quanto poss´
a
ıvel
a modela¸˜o. E uma boa oportunidade para discutir com os estuca ´
dantes o processo de modela¸˜o matem´tica e a sua importˆncia
ca
a
a
no mundo actual.

(*) Demonstra¸˜o de alguns
ca
teoremas elementares do
c´lculo diferencial.
a

(*) Os teoremas a demonstrar devem incluir:
– continuidade implica limita¸˜o numa vizinhan¸a;
ca
c
– continuidade e f (x) > 0 ou f (x) < 0 implicam permanˆncia de sinal numa vizinhan¸a de x;
e
c
– derivabilidade implica continuidade;
– derivada da potˆncia inteira e racional e do quociente.
e

6
Departamento do Ensino Secund´rio
a

7

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Tema III –Trigonometria e N´meros Complexos
u
24 aulas de 90 minutos
Completa-se, agora, o estudo da trigonometria que se estuda no ensino secund´rio. Pretende-se
a
que os estudantes resolvam problemas que apelem simultaneamente ao estudo intuitivo apoiado
na calculadora gr´fica como ao c´lculo de derivadas, em casos simples. Com pretexto de resa
a
ponder a problemas de resolubilidade alg´brica amplia-se o conceito de n´mero. As opera¸˜es
e
u
co
com n´meros complexos, nas formas alg´brica e trigonom´trica s˜o aproveitadas para que o
u
e
e
a
estudante compreenda melhor as diferentes representa¸˜es anal´
co
ıticas para dom´
ınios definidos geometricamente, bem como para dominar as rela¸˜es entre opera¸˜es alg´bricas e transforma¸˜es
co
co
e
co
geom´tricas. O estudante precisa dos conhecimentos de Geometria Anal´
e
ıtica, em geral, e da
Trigonometria e IR, e precisa de saber resolver equa¸˜es e inequa¸˜es dos 1o e 2o graus.
co
co
¯
¯
As fun¸˜es trigonom´tricas s˜o importantes noutras disciplinas como “F´
co
e
a
ısica” e “Qu´
ımica”, pelo
que o estudo das fun¸˜es trigonom´tricas para os alunos dos respectivos cursos gerais dever´
co
e
a
levar em conta este facto. Por isso, ´ bastante importante haver uma colabora¸˜o estreita entre
e
ca
os professores de Matem´tica e os das outras disciplinas. A utiliza¸˜o de exemplos concretos
a
ca
dessas disciplinas, a realiza¸˜o de actividades comuns ou a lecciona¸˜o de algum aspecto numa
ca
ca
dessas disciplinas para posterior aprofundamento na disciplina de Matem´tica s˜o algumas das
a
a
possibilidades que se oferecem aos professores.
Pr´-Requisitos:
e
Trigonometria do Tema ”Geometria no Plano e no Espa¸o” do 11o ano.
c
¯
Desenvolvimento

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

Fun¸˜es seno, co-seno,
co
tangente.
Estudo intuitivo com base
no c´
ırculo trigonom´trico,
e
tanto a partir de um gr´fico
a
particular,
como usando
calculadora gr´fica ou coma
putador.
Estudo intuitivo de

As propriedades a serem investigadas, recorrendo a calculadora
`
gr´fica, s˜o: dom´
a
a
ınio, contradom´
ınio, per´
ıodo, pontos not´veis,
a
monotonia, continuidade, extremos (relativos e absolutos), simetrias em rela¸˜o ao eixo dos YY e ` origem, ass´
ca
a
ımptotas, limites
nos ramos infinitos. Os estudantes podem investigar, tal como o
fizeram nas fam´
ılias de fun¸˜es anteriores, qual a influˆncia da muco
e
dan¸a de parˆmetros na escrita da express˜o que define a fun¸˜o
c
a
a
ca
(em casos simples e se poss´ ligados a problemas de modela¸˜o).
ıvel
ca
As derivadas do seno e do co-seno podem ser obtidas a partir das
f´rmulas do seno e do co-seno da soma e de que
o

senx
x→0 x
lim

.

Derivadas do seno, co-seno
e tangente.
Utiliza¸˜o de fun¸˜es trigoca
co
nom´tricas na modela¸˜o de
e
ca
situa¸˜es reais.
co

lim

x→0

senx
=1
x

.

A modela¸˜o com fun¸˜es trigonom´tricas pode ser feita tanto
ca
co
e
usando as capacidades espec´
ıficas da calculadora gr´fica (por
a
exemplo, usando a regress˜o estat´
a
ıstica a partir de dados recolhidos experimentalmente ou numa base de dados) como por an´lise
a
alg´brica da adequa¸˜o de um modelo fornecido pelo professor.
e
ca
Departamento do Ensino Secund´rio
a

Matem´tica A—12o Ano
a
¯

Desenvolvimento
Complexos
Introdu¸˜o elementar de
ca
problemas de resolubilidade
alg´brica e do modo como se
e
foram considerando novos n´u
meros. Apropria¸˜o de um
ca
modo de desenvolvimento da
Matem´tica, atrav´s da evolua
e
ca
¸˜o do conceito fundamental
de n´mero. Experimenta¸˜o
u
ca
da necessidade de i, a seme`
lhan¸a da aceita¸˜o da necesc
ca
sidade dos n´meros negativos
u
e fraccion´rios.
a
N´meros complexos. O n´u
u
mero i. O conjunto C dos n´u
meros complexos

Indica¸˜es metodol´gicas
co
o

A forma alg´brica dos come
plexos. Opera¸˜es com comco
plexos na forma alg´brica.
e
Representa¸˜o de complexos
ca
na forma trigonom´trica.
e
Escrita de complexos nas duas
formas, passando de uma para
outra.
Opera¸˜es com complexos na
co
forma trigonom´trica.
e
Interpreta¸˜es
co
geom´tricas
e
das opera¸˜es.
co
Dom´
ınios planos e condi¸˜es
co
em vari´vel complexa.
a

As opera¸˜es com complexos podem ser definidas na base da
co
manuten¸˜o das propriedades das opera¸˜es e do quadrado de i
ca
co
´
ser −1. E aconselh´vel que |z| seja introduzido de modo intuitivo,
a
estendendo a no¸˜o de valor absoluto de um real (distˆncia de
ca
a
dois pontos no eixo, distˆncia de dois pontos no plano cartesiano)
a
A passagem ` forma trigonom´trica pode ser feita com referˆncia
a
e
e
´
a outros sistemas de coordenadas. E importante explorar a multiplica¸˜o por i e as diversas opera¸˜es ligadas a outras realidades
ca
co
matem´ticas - vectores, opera¸˜es com vectores, transforma¸˜es
a
co
co
geom´tricas.
e
A resolu¸˜o e a interpreta¸˜o das solu¸˜es de condi¸˜es em z,
ca
ca
co
co
devem ajudar a compreender a utilidade dos diversos sistemas
de representa¸˜o anal´
ca
ıtica. O recurso a programas de geometria
dinˆmica pode ser motivadora para a realiza¸ao de demonstra¸˜es.
a
c
co
Assim o professor deve propor que depois de investigadas sejam
demonstradas propriedades de pol´
ıgonos.

(*) Demonstra¸˜o de proca
priedades de Geometria usando n´meros complexos
u

O estudante precisa de explorar sempre que poss´
ıvel a liga¸˜o
ca
dos n´meros complexos ` geometria. Ela fornece uma perspecu
a
tiva mais rica dos m´todos geom´tricos com que se trabalha habie
e
tualmente – m´todo das coordenadas, dos vectores e das transe
forma¸˜es geom´tricas, bem como uma nova compreens˜o da
co
e
a
demonstra¸˜o, tornado poss´ ligar as caracter´
ca
ıvel
ısticas num´ricas,
e
alg´bricas e geom´tricas (ler a brochura referente a este tema).
e
e
A introdu¸˜o dos complexos deve ser ancorada numa peca
quena abordagem hist´rica, do ponto de vista dos probleo
mas/escolhos que foram aparecendo no desenvolvimento dos estudos matem´ticos. Os estudantes podem realizar trabalhos sobre a
a
extens˜o do conceito de n´mero e sobre problemas de resolubilia
u
dade alg´brica, quer do ponto de vista hist´rico, quer do ponto
e
o
de vista da sua experiˆncia com anteriores desenvolvimentos. Ser´
e
a
interessante a referˆncia ` impossibilidade da extens˜o a C de uma
e
a
a
ordena¸˜o compat´ com a adi¸˜o e a multiplica¸˜o.
ca
ıvel
ca
ca

8

Recomendados

Prob est por
Prob estProb est
Prob estSolange Licks
241 visualizações11 slides
2863474 por
28634742863474
2863474Profª Cristiana Passinato
2.9K visualizações500 slides
Unidade tematica enviar por
Unidade tematica enviarUnidade tematica enviar
Unidade tematica enviarJéssica Freitas
645 visualizações17 slides
Plano de unidade temática por
Plano de unidade temáticaPlano de unidade temática
Plano de unidade temáticaFernando Murta
10.1K visualizações2 slides
A importancia do plano de aula por
A importancia do plano de aulaA importancia do plano de aula
A importancia do plano de aulaRê Rodrigues
11.5K visualizações4 slides
A viabilidade da construção do conhecimento por
A viabilidade da construção do conhecimentoA viabilidade da construção do conhecimento
A viabilidade da construção do conhecimentoslucarz
549 visualizações118 slides

Mais conteúdo relacionado

Similar a Matematica a 12

Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010 por
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010JOÃO RILDO DE OLIVEIRA
113 visualizações7 slides
Artigo ciem1 por
Artigo ciem1Artigo ciem1
Artigo ciem1Simone Pinheiro
327 visualizações14 slides
Matematica a 10 por
Matematica a 10Matematica a 10
Matematica a 10marilia65
1.1K visualizações40 slides
Orientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdf por
Orientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdfOrientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdf
Orientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdfssuser24a8bb1
3 visualizações32 slides
Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46 por
 Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46 Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46
Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46Célia Mestre
240 visualizações79 slides
Considerações sobre matemática camara e figueiredo por
Considerações sobre matemática   camara e figueiredoConsiderações sobre matemática   camara e figueiredo
Considerações sobre matemática camara e figueiredoDouglas Barbosa
91 visualizações19 slides

Similar a Matematica a 12(20)

Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010 por JOÃO RILDO DE OLIVEIRA
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010
JOÃO RILDO DE OLIVEIRA113 visualizações
Artigo ciem1 por Simone Pinheiro
Artigo ciem1Artigo ciem1
Artigo ciem1
Simone Pinheiro327 visualizações
Matematica a 10 por marilia65
Matematica a 10Matematica a 10
Matematica a 10
marilia651.1K visualizações
Orientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdf por ssuser24a8bb1
Orientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdfOrientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdf
Orientações-Curriculares-para-o-Ensino-Médio-Matemática.pdf
ssuser24a8bb13 visualizações
Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46 por Célia Mestre
 Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46 Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46
Materiais proporcionalidade__(imlna)_4cfc0dcb29b46
Célia Mestre240 visualizações
Considerações sobre matemática camara e figueiredo por Douglas Barbosa
Considerações sobre matemática   camara e figueiredoConsiderações sobre matemática   camara e figueiredo
Considerações sobre matemática camara e figueiredo
Douglas Barbosa91 visualizações
Second Life como recurso para o ensino da Matemática por luciano greis
Second Life como recurso para o ensino da MatemáticaSecond Life como recurso para o ensino da Matemática
Second Life como recurso para o ensino da Matemática
luciano greis460 visualizações
Plano de aula luciane antoniolli números racionais por Luciane Antoniolli
Plano de aula luciane antoniolli   números racionaisPlano de aula luciane antoniolli   números racionais
Plano de aula luciane antoniolli números racionais
Luciane Antoniolli7.3K visualizações
A cultura digital e Educacao Basica XX ENDIPE RIO 2020 por AdrianaBruno9
A cultura digital e Educacao Basica XX ENDIPE RIO 2020A cultura digital e Educacao Basica XX ENDIPE RIO 2020
A cultura digital e Educacao Basica XX ENDIPE RIO 2020
AdrianaBruno978 visualizações
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8 Parte 3 - Conexões Matemáticas por Felipe Silva
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8   Parte 3 - Conexões MatemáticasPNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8   Parte 3 - Conexões Matemáticas
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8 Parte 3 - Conexões Matemáticas
Felipe Silva14.8K visualizações
Matematicaearelacaocomosoutroscamposdosabernociclodaalfabetizacao por Rute Pereira
MatematicaearelacaocomosoutroscamposdosabernociclodaalfabetizacaoMatematicaearelacaocomosoutroscamposdosabernociclodaalfabetizacao
Matematicaearelacaocomosoutroscamposdosabernociclodaalfabetizacao
Rute Pereira148 visualizações
A Matemática e a relação com outros campos do saber no ciclo de alfabetização por Fabiana Esteves
A Matemática e a relação com outros campos do saber no ciclo de alfabetizaçãoA Matemática e a relação com outros campos do saber no ciclo de alfabetização
A Matemática e a relação com outros campos do saber no ciclo de alfabetização
Fabiana Esteves9.2K visualizações
10 macs convertido por soniadomngues
10 macs convertido10 macs convertido
10 macs convertido
soniadomngues300 visualizações
Os números irracionais e suas conseq. completo por slucarz
Os números irracionais e suas conseq. completoOs números irracionais e suas conseq. completo
Os números irracionais e suas conseq. completo
slucarz1.5K visualizações
Estatistica nos anos inicias por Naysa Taboada
Estatistica nos anos iniciasEstatistica nos anos inicias
Estatistica nos anos inicias
Naysa Taboada4.1K visualizações
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008 por Nanci Rodrigues
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
Nanci Rodrigues1.5K visualizações
P R O P O S T A C U R R I C U L A R D E M A T E MÁ T I C A 1º M O Mabr09 por Andrea Cortelazzi
P R O P O S T A  C U R R I C U L A R  D E  M A T E MÁ T I C A 1º  M O Mabr09P R O P O S T A  C U R R I C U L A R  D E  M A T E MÁ T I C A 1º  M O Mabr09
P R O P O S T A C U R R I C U L A R D E M A T E MÁ T I C A 1º M O Mabr09
Andrea Cortelazzi764 visualizações
Dos naturais aos racionais. texto por CidaLoth
Dos naturais aos racionais. textoDos naturais aos racionais. texto
Dos naturais aos racionais. texto
CidaLoth1.2K visualizações
Matematica financeira e modelagem matemática por Lindalva Barros
Matematica financeira e modelagem matemáticaMatematica financeira e modelagem matemática
Matematica financeira e modelagem matemática
Lindalva Barros877 visualizações
Microsoft Word Matematca por guestd57ddf
Microsoft Word   MatematcaMicrosoft Word   Matematca
Microsoft Word Matematca
guestd57ddf610 visualizações

Último

ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023 por
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023IntegrareAcademy2
60 visualizações2 slides
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ... por
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...mariaclarinhaa2723
12 visualizações4 slides
Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim... por
Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim...Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim...
Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim...azulassessoriaacadem3
11 visualizações3 slides
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des... por
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...azulassessoriaacadem3
12 visualizações3 slides
Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para... por
Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para...Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para...
Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para...azulassessoriaacadem3
131 visualizações3 slides
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr... por
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...LuizHenriquedeAlmeid6
10 visualizações56 slides

Último(20)

ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023 por IntegrareAcademy2
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023
ATIVIDADE 1 - RH - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - 54/2023
IntegrareAcademy260 visualizações
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ... por mariaclarinhaa2723
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...
Olá, acadêmico(a)! O objetivo básico dos demonstrativos contábeis é fornecer ...
mariaclarinhaa272312 visualizações
Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim... por azulassessoriaacadem3
Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim...Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim...
Questão 01. Sobre os princípios. De acordo com a reportagem e com os conhecim...
azulassessoriaacadem311 visualizações
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des... por azulassessoriaacadem3
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...
Você foi convidado a ser o Nutricionista integrante de uma equipe que vai des...
azulassessoriaacadem312 visualizações
Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para... por azulassessoriaacadem3
Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para...Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para...
Considere o seguinte cenário: Um programador está realizando um trabalho para...
azulassessoriaacadem3131 visualizações
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr... por LuizHenriquedeAlmeid6
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
Slides Lição 11, Betel, O Verdadeiro Discípulo é uma referência no serviço cr...
LuizHenriquedeAlmeid610 visualizações
a. Sabemos que a causa da dermatite seborreica é multifatorial e pode estar r... por azulassessoriaacadem3
a. Sabemos que a causa da dermatite seborreica é multifatorial e pode estar r...a. Sabemos que a causa da dermatite seborreica é multifatorial e pode estar r...
a. Sabemos que a causa da dermatite seborreica é multifatorial e pode estar r...
azulassessoriaacadem318 visualizações
4- Escrever na tela os setores que alcançaram a meta. por AzulAssessoria5
4- Escrever na tela os setores que alcançaram a meta.4- Escrever na tela os setores que alcançaram a meta.
4- Escrever na tela os setores que alcançaram a meta.
AzulAssessoria510 visualizações
c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ... por azulassessoriaacadem3
c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ...c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ...
c. Proponha uma adaptação para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem ...
azulassessoriaacadem322 visualizações
Questão 02. Sobre os direitos fundamentais. O texto menciona que o governo es... por azulassessoriaacadem3
Questão 02. Sobre os direitos fundamentais. O texto menciona que o governo es...Questão 02. Sobre os direitos fundamentais. O texto menciona que o governo es...
Questão 02. Sobre os direitos fundamentais. O texto menciona que o governo es...
azulassessoriaacadem311 visualizações
b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial... por azulassessoriaacadem3
b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial...b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial...
b. Selecione uma deficiência e apresente duas estratégias que podem potencial...
azulassessoriaacadem339 visualizações
Sobre essa temática, considere a seguinte situação hipotética: Breno Giord é ... por marcosvsoares
Sobre essa temática, considere a seguinte situação hipotética: Breno Giord é ...Sobre essa temática, considere a seguinte situação hipotética: Breno Giord é ...
Sobre essa temática, considere a seguinte situação hipotética: Breno Giord é ...
marcosvsoares15 visualizações
Diante do exposto, pesquise em quaisquer fontes de consultas ou in loco em su... por azulassessoriaacadem3
Diante do exposto, pesquise em quaisquer fontes de consultas ou in loco em su...Diante do exposto, pesquise em quaisquer fontes de consultas ou in loco em su...
Diante do exposto, pesquise em quaisquer fontes de consultas ou in loco em su...
azulassessoriaacadem3110 visualizações
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ... por azulassessoriaacadem3
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...
2 - Você estudou as principais teorias pedagógicas para prática de educação. ...
azulassessoriaacadem313 visualizações
a. O papel do psicopedagogo no trabalho com o professor para que a aprendizag... por azulassessoriaacadem3
a. O papel do psicopedagogo no trabalho com o professor para que a aprendizag...a. O papel do psicopedagogo no trabalho com o professor para que a aprendizag...
a. O papel do psicopedagogo no trabalho com o professor para que a aprendizag...
azulassessoriaacadem331 visualizações
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par... por IntegrareAcademy2
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
Agora é o momento de estudarmos sobre a história da sua futura profissão, par...
IntegrareAcademy245 visualizações
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere... por HelpEducacional
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...
a) ​DETERMINE quais as funções dos conceitos T1 e T2 e suas principais difere...
HelpEducacional12 visualizações
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f... por azulassessoriaacadem3
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...
Etapa 3: - Definindo a localização da extremidade da sonda, ou seja, se vai f...
azulassessoriaacadem320 visualizações
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei... por pauladiasuni
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...
A Lei da Libras nº 10.436, de 24 de abril de 2002 reconhece a Língua Brasilei...
pauladiasuni61 visualizações

Matematica a 12

  • 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DO ENSINO SECUNDÁRIO MATEMÁTICA A 12º ANO Cursos Científico-Humanísticos de Ciências e Tecnologias e de Ciências Socioeconómicas Autores Jaime Carvalho e Silva (Coordenador) Maria Graziela Fonseca Arsélio Almeida Martins Cristina Maria Cruchinho da Fonseca Ilda Maria Couto Lopes Homologação 17/05/2002
  • 2. Departamento do Ensino Secund´rio a 1 Matem´tica A—12o Ano a ¯ Matem´tica A a o Programa do 12¯ Ano Tema I – Probabilidades e Combinat´ria o 30 aulas de 90 minutos As probabilidades fornecem conceitos e m´todos para estudar casos de incerteza e para interpree tar previs˜es baseadas na incerteza. Este estudo, que pode ser em grande parte experimental, o fornece uma base conceptual que capacita para interpretar, de forma cr´ ıtica, toda a comunica¸˜o ca que utiliza a linguagem das probabilidades, bem como a linguagem estat´ ıstica. As t´cnicas de e contagem que aqui aparecem como auxiliar do c´lculo de probabilidades constituem uma aprena dizagem significativa por si s´, especialmente se desenvolverem mais as capacidades do racioc´ o ınio combinat´rio e as conex˜es matem´ticas e menos a aplica¸˜o das f´rmulas. Considera-se ainda o o a ca o que o tema das Probabilidades constitui uma boa oportunidade para a introdu¸˜o de uma axioca m´tica, uma das formas de organizar uma teoria matem´tica, permitindo que os estudantes a a tenham uma melhor compreens˜o do que ´ a actividade demonstrativa em Matem´tica. Finala e a mente, qualquer destes assuntos ´ bom para prosseguir objectivos de trabalho em aspectos da e Hist´ria da Matem´tica. Saliente-se que h´ muitos exemplos hist´ricos interessantes no c´lculo o a a o a ´ de probabilidades. E aconselh´vel a leitura da brochura de apoio a este tema. a Pr´-requisitos: e No¸˜es elementares sobre conjuntos, co a Probabilidades do 3o Ciclo do Ensino B´sico. ¯
  • 3. Departamento do Ensino Secund´rio a Matem´tica A—12o Ano a ¯ Desenvolvimento Indica¸˜es metodol´gicas co o Introdu¸˜o ao c´lculo de ca a Probabilidades: Experiˆncia aleat´ria; cone o junto de resultados; acontecimentos. Opera¸˜es sobre acontecico mentos. Aproxima¸˜es conceptuais co para Probabilidade: Experiˆncias que permitam tirar partido de materiais l´dicos e e u de simula¸˜es com a calculadora contribuir˜o para esclarecer conco a ceitos atrav´s da experimenta¸˜o e para dinamizar discuss˜es de e ca o tipo cient´ ıfico, bem como para incentivar o trabalho cooperativo. A simula¸˜o e o jogo ajudam a construir adequadamente ca o espa¸o dos resultados e a encontrar valores experimentais para c ´ a probabilidade de acontecimentos que est˜o a ser estudados. E a importante incentivar o estudante, sempre que poss´ ıvel, a resolver os problemas por v´rios processos, discutindo cada um deles com o a professor e com os restantes colegas de modo a poder apreciar cada uma das formas de abordar o problema. O professor deve solicitar, frequentemente, que descrevam com pormenor, oralmente e ´ por escrito, os racioc´ ınios efectuados. E aconselh´vel elaborar a boas formas de registo para os resultados das suas experiˆncias e de modo a poderem ser partilhadas em grupo. A axiom´tica a das Probabilidades, por ser curta, permite alguns exerc´ ıcios de verifica¸˜o simples, capazes de motivar a apropria¸˜o da utilica ca dade deste tipo de abordagem matem´tica. O facto de tanto as a defini¸˜es frequencista e cl´ssica de probabilidade como a probaco a bilidade condicionada satisfazerem a axiom´tica das Probabilia dades permite compreender melhor o papel de uma axiom´tica a em Matem´tica. a Os estudantes j´ sabem como descrever os acontecimentos asa sociados a uma experiˆncia aleat´ria usando o espa¸o ou cone o c junto de resultados e sabem, ainda, como determinar a probabilidade de acontecimentos. Ora ´ muitas vezes necess´rio associar e a a uma experiˆncia aleat´ria (associada a um modelo de probae o bilidade) valores num´ricos pelo que ´ importante introduzir o e e conceito de vari´vel aleat´ria bem como o de fun¸˜o massa de a o ca probablidade. Os estudantes poder˜o utilizar simula¸˜es para a co ´ construir distribui¸˜es emp´ co ıricas de probabilidades. E importante que compreendam a rela¸˜o entre as estat´ ca ısticas e os parˆmetros a populacionais. N˜o ´ objectivo do programa entrar no estudo a e das vari´veis cont´ a ınuas mas o estudante poder´ investigar se n˜o a a haver´ nenhuma representa¸˜o que seja para a popula¸˜o o equivaa ca ca lente ao histograma na amostra. Das distribui¸˜es cont´ co ınuas a mais conhecida foi obtida pelo matem´tico Gauss e tem hoje um a papel importante j´ que muitos processos de inferˆncia estat´ a e ıstica a tˆm por base. e – aproxima¸˜o frequencista de ca probabilidade; – defini¸˜o cl´ssica de probabilica a dade ou de Laplace. – defini¸˜o axiom´tica de proca a babilidade (caso finito); propriedades da probabilidade. Probabilidade condicionada e independˆncia; probabilie dade da intersec¸˜o de aconca tecimentos. Acontecimentos independentes. Distribui¸˜o de frequˆnca e cias relativas e distribuica ¸˜o de probabilidades. Vari´vel aleat´ria; fun¸˜o a o ca massa de probabilidade: – distribui¸˜o de probabilidades ca de uma vari´vel aleat´ria discrea o ta; distribui¸˜o de frequˆncias ca e versus distribui¸˜o de probabilica dades; – m´dia versus valor m´dio; e e – desvio padr˜o amostral versus a desvio padr˜o populacional. a Modelo Binomial. Modelo Normal; histograma versus fun¸˜o densidade. ca 2
  • 4. Departamento do Ensino Secund´rio a Matem´tica A—12o Ano a ¯ Desenvolvimento Indica¸˜es metodol´gicas co o An´lise Combinat´ria a o Arranjos completos, arranjos simples, permuta¸˜es e co combina¸˜es. co Triˆngulo de Pascal. a Bin´mio de Newton. o Aplica¸˜o ao c´lculo de proca a babilidades. No caso das contagens que sejam facilitadas por racioc´ ınios combinat´rios, ´ aconselh´vel que os estudantes comecem por contar o e a os elementos um a um, utilizando exemplos (desde os mais simples at´ aos mais complicados), at´ que reconhe¸am a utilidade dos e e c diagramas e depois das organiza¸˜es simplificadoras. Os exemplos co de conjuntos para a contagem podem surgir de situa¸˜es probleco m´ticas que lhes forem sendo propostas. Mesmo o triˆngulo de a a Pascal pode ser introduzido a partir de problemas. Muitos problemas postos podem e devem resultar da an´lise de jogos conhecia dos. Os racioc´ ınios combinat´rios facilitam a abordagem de proo priedades envolvendo combina¸˜es, mas n˜o deve ser desprezada a co a ideia de, caso seja poss´ ıvel, introduzir conex˜es matem´ticas - com o a m´todos recursivos e fazendo alguma demonstra¸˜o por indu¸˜o e ca ca matem´tica. a Pascal, Tartaglia e Laplace s˜o exemplos ”interessantes” para reaa lizar incurs˜es na hist´ria dos conceitos matem´ticos, na vida dos o o a matem´ticos, nas liga¸˜es da Matem´tica com outros ramos de a co a ´ saber e actividade. E importante referir que muitos resultados de contagens j´ eram conhecidos anteriormente noutras civiliza¸˜es a co (por exemplo, o triˆngulo de Pascal era conhecido na China v´rios a a s´culos antes de Pascal) e 3
  • 5. Departamento do Ensino Secund´rio a 4 Matem´tica A—12o Ano a ¯ Tema II – Introdu¸˜o ao C´lculo Diferencial II ca a 30 aulas de 90 minutos Aqui s˜o estudados de forma mais rigorosa conceitos j´ utilizados antes de forma intuitiva: a a limite, continuidade e derivada. O estudo das fun¸˜es ´ ampliado com as fun¸˜es exponencial e co e co logar´ ıtmica. V´rios conceitos deste tema s˜o importantes noutras disciplinas como “F´ a a ısica”, “Qu´ ımica”, “Economia” e “‘Geografia”. Por isso ´ bastante importante haver uma colabora¸˜o estreita entre e ca os professores de Matem´tica e os das outras disciplinas. A utiliza¸˜o de exemplos concretos a ca dessas disciplinas, a realiza¸˜o das actividades comuns ou a lecciona¸˜o de algum aspecto numa ca ca dessas disciplinas para posterior aprofundamento na disciplina de Matem´tica s˜o algumas das a a possibilidades que se oferecem aos professores. Pr´-requisitos: e Fun¸˜es e Gr´ficos do 10o ano. co a ¯ Introdu¸˜o ao C´lculo Diferencial I do 11o ano. ca a ¯ Desenvolvimento Indica¸˜es metodol´gicas co o Fun¸˜es exponenciais e co logar´ ıtmicas Fun¸˜o exponencial de base ca superior a um; crescimento exponencial; estudo das propriedades anal´ ıticas e gr´ficas a da fam´ de fun¸˜es definida ılia co por f (x) = ax com a > 1 Fun¸˜o logar´ ca ıtmica de base superior a um; estudo das propriedades anal´ ıticas e gr´ficas a da fam´ de fun¸˜es definida ılia co por f (x) = loga x com a > 1. Regras operat´rias de expoo nenciais e logaritmos. Utiliza¸˜o de fun¸˜es exca co ponenciais e logar´ ıtmicas na modela¸˜o de situa¸˜es reais. ca co Com as novas fam´ ılias de fun¸˜es surgem, tamb´m, novas oporco e tunidades para cada estudante obter uma maior compreens˜o da a matem´tica e suas aplica¸˜es, bem como para conectar e relaa co cionar os novos conhecimentos com os j´ adquiridos em anos ana teriores (quer dentro do mesmo tema quer com temas diferentes). ´ E fundamental apresentar aos estudantes actividades diversificadas (ver, por exemplo, brochura de apoio ao programa sobre este tema) tendo-se em conta que a explora¸˜o com a utiliza¸˜o ca ca das v´rias tecnologias pode permitir discuss˜es ricas, quer sobre o a o processo de modela¸˜o, quer sobre os conceitos matem´ticos funca a damentais, para al´m de facilitarem propostas aconselh´veis de e a investiga¸˜es. co Os estudantes precisam de desenvolver a compreens˜o de procedia mentos alg´bricos e utiliz´-los (a par da utiliza¸˜o da calculadora) e a ca sem que para isso tenham que fazer exerc´ ıcios repetitivos. A modela¸˜o com fun¸˜es exponenciais e logar´ ca co ıtmicas pode ser feita tanto usando capacidades espec´ ıficas da calculadora gr´fica a (por exemplo, usando a regress˜o estat´ a ıstica a partir de dados recolhidos experimentalmente ou numa base de dados), como por an´lise alg´brica da adequa¸˜o de um modelo fornecido pelo proa e ca fessor.
  • 6. Departamento do Ensino Secund´rio a 5 Matem´tica A—12o Ano a ¯ Desenvolvimento Teoria de limites Limite de fun¸˜o segundo ca Heine. Propriedades operat´rias sobre limites (ino forma¸˜o); limites not´veis ca a (informa¸˜o). Indeterminaca co ¸˜es. Ass´ ımptotas. Continuidade. Teorema de Bolzano–Cauchy (informa¸˜o) e aplica¸˜es ca co num´ricas. e Indica¸˜es metodol´gicas co o C´lculo Diferencial a Fun¸˜es deriv´veis. co a Regras de deriva¸˜o (demonca stra¸˜o da regra da soma e ca do produto; informa¸˜o das ca restantes regras). Derivadas de fun¸˜es elementares (inco forma¸˜o baseada em intui¸˜o ca ca num´rica e gr´fica). Segunda e a defini¸˜o do n´mero e. Teoca u rema da derivada da fun¸˜o ca composta (informa¸˜o). ca Segundas derivadas e concavidade (informa¸˜o baseada ca em intui¸˜o geom´trica). ca e Estudo de fun¸˜es em casos co simples. Derivada da fun¸˜o composta: grau de dificuldade a n˜o ultrapasca a sar f (ax), f (x + b), f (xk ) ´ E importante analisar em todos os teoremas a necessidade das condi¸˜es do enunciado atrav´s de contra-exemplos. co e Deve ser adoptada a defini¸˜o: f ´ deriv´vel quando a derivada ca e a existe. As indetermina¸˜es s˜o referidas apenas para mostrar as co a limita¸˜es dos teoremas operat´rios. o programa apenas presco o sup˜e que se levantem as indetermina¸˜es em casos simples. Difio co culdade a n˜o exceder: a √ √ 5x4 − 2x + 1 x3 − 1 ; lim ( x + 1 − x) ; lim 2+3 x→+∞ x→+∞ x→1 x − 1 x lim ´ E aconselh´vel que os estudantes experimentem num´rica e grafia e camente a rela¸˜o entre os limites no infinito da exponencial, da ca potˆncia e dos logaritmos. e e ´ o unico n´mero real tal que (ex ) = ex . e ´ u O estudo de fun¸˜es deve seguir o modelo que se encontra na co brochura de fun¸˜es pag 149 e que combina m´todos anal´ co e ıticos com o uso da calculadora gr´fica. a Dificuldade a n˜o ultrapassar: a f (x) = 2−x + 2x , f (x) = Integra¸˜o do estudo do ca C´lculo Diferencial num cona texto hist´rico. o x x2 + x + 1 , f (x) = 2x + 1 1 − log x Os estudantes poder˜o realizar trabalhos individuais ou em grupo a de Hist´ria do C´lculo Diferencial referindo o trabalho de alguns o a matem´ticos como Fermat, Newton, Leibniz, Berkeley, Anast´cio a a ´ da Cunha, Bolzano, Cauchy, etc. E obrigat´ria a referˆncia a o e Jos´ Anast´cio da Cunha; com esse pretexto referir um pouco de e a hist´ria da Matem´tica em Portugal desde o tempo dos descobrio a mentos at´ ` actualidade. ea
  • 7. Departamento do Ensino Secund´rio a Matem´tica A—12o Ano a ¯ Desenvolvimento Indica¸˜es metodol´gicas co o Problemas de optimiza¸˜o. ca Os problemas de optimiza¸˜o devem ser escolhidos de modo a que ca um estudante trabalhe de uma forma t˜o completa quanto poss´ a ıvel a modela¸˜o. E uma boa oportunidade para discutir com os estuca ´ dantes o processo de modela¸˜o matem´tica e a sua importˆncia ca a a no mundo actual. (*) Demonstra¸˜o de alguns ca teoremas elementares do c´lculo diferencial. a (*) Os teoremas a demonstrar devem incluir: – continuidade implica limita¸˜o numa vizinhan¸a; ca c – continuidade e f (x) > 0 ou f (x) < 0 implicam permanˆncia de sinal numa vizinhan¸a de x; e c – derivabilidade implica continuidade; – derivada da potˆncia inteira e racional e do quociente. e 6
  • 8. Departamento do Ensino Secund´rio a 7 Matem´tica A—12o Ano a ¯ Tema III –Trigonometria e N´meros Complexos u 24 aulas de 90 minutos Completa-se, agora, o estudo da trigonometria que se estuda no ensino secund´rio. Pretende-se a que os estudantes resolvam problemas que apelem simultaneamente ao estudo intuitivo apoiado na calculadora gr´fica como ao c´lculo de derivadas, em casos simples. Com pretexto de resa a ponder a problemas de resolubilidade alg´brica amplia-se o conceito de n´mero. As opera¸˜es e u co com n´meros complexos, nas formas alg´brica e trigonom´trica s˜o aproveitadas para que o u e e a estudante compreenda melhor as diferentes representa¸˜es anal´ co ıticas para dom´ ınios definidos geometricamente, bem como para dominar as rela¸˜es entre opera¸˜es alg´bricas e transforma¸˜es co co e co geom´tricas. O estudante precisa dos conhecimentos de Geometria Anal´ e ıtica, em geral, e da Trigonometria e IR, e precisa de saber resolver equa¸˜es e inequa¸˜es dos 1o e 2o graus. co co ¯ ¯ As fun¸˜es trigonom´tricas s˜o importantes noutras disciplinas como “F´ co e a ısica” e “Qu´ ımica”, pelo que o estudo das fun¸˜es trigonom´tricas para os alunos dos respectivos cursos gerais dever´ co e a levar em conta este facto. Por isso, ´ bastante importante haver uma colabora¸˜o estreita entre e ca os professores de Matem´tica e os das outras disciplinas. A utiliza¸˜o de exemplos concretos a ca dessas disciplinas, a realiza¸˜o de actividades comuns ou a lecciona¸˜o de algum aspecto numa ca ca dessas disciplinas para posterior aprofundamento na disciplina de Matem´tica s˜o algumas das a a possibilidades que se oferecem aos professores. Pr´-Requisitos: e Trigonometria do Tema ”Geometria no Plano e no Espa¸o” do 11o ano. c ¯ Desenvolvimento Indica¸˜es metodol´gicas co o Fun¸˜es seno, co-seno, co tangente. Estudo intuitivo com base no c´ ırculo trigonom´trico, e tanto a partir de um gr´fico a particular, como usando calculadora gr´fica ou coma putador. Estudo intuitivo de As propriedades a serem investigadas, recorrendo a calculadora ` gr´fica, s˜o: dom´ a a ınio, contradom´ ınio, per´ ıodo, pontos not´veis, a monotonia, continuidade, extremos (relativos e absolutos), simetrias em rela¸˜o ao eixo dos YY e ` origem, ass´ ca a ımptotas, limites nos ramos infinitos. Os estudantes podem investigar, tal como o fizeram nas fam´ ılias de fun¸˜es anteriores, qual a influˆncia da muco e dan¸a de parˆmetros na escrita da express˜o que define a fun¸˜o c a a ca (em casos simples e se poss´ ligados a problemas de modela¸˜o). ıvel ca As derivadas do seno e do co-seno podem ser obtidas a partir das f´rmulas do seno e do co-seno da soma e de que o senx x→0 x lim . Derivadas do seno, co-seno e tangente. Utiliza¸˜o de fun¸˜es trigoca co nom´tricas na modela¸˜o de e ca situa¸˜es reais. co lim x→0 senx =1 x . A modela¸˜o com fun¸˜es trigonom´tricas pode ser feita tanto ca co e usando as capacidades espec´ ıficas da calculadora gr´fica (por a exemplo, usando a regress˜o estat´ a ıstica a partir de dados recolhidos experimentalmente ou numa base de dados) como por an´lise a alg´brica da adequa¸˜o de um modelo fornecido pelo professor. e ca
  • 9. Departamento do Ensino Secund´rio a Matem´tica A—12o Ano a ¯ Desenvolvimento Complexos Introdu¸˜o elementar de ca problemas de resolubilidade alg´brica e do modo como se e foram considerando novos n´u meros. Apropria¸˜o de um ca modo de desenvolvimento da Matem´tica, atrav´s da evolua e ca ¸˜o do conceito fundamental de n´mero. Experimenta¸˜o u ca da necessidade de i, a seme` lhan¸a da aceita¸˜o da necesc ca sidade dos n´meros negativos u e fraccion´rios. a N´meros complexos. O n´u u mero i. O conjunto C dos n´u meros complexos Indica¸˜es metodol´gicas co o A forma alg´brica dos come plexos. Opera¸˜es com comco plexos na forma alg´brica. e Representa¸˜o de complexos ca na forma trigonom´trica. e Escrita de complexos nas duas formas, passando de uma para outra. Opera¸˜es com complexos na co forma trigonom´trica. e Interpreta¸˜es co geom´tricas e das opera¸˜es. co Dom´ ınios planos e condi¸˜es co em vari´vel complexa. a As opera¸˜es com complexos podem ser definidas na base da co manuten¸˜o das propriedades das opera¸˜es e do quadrado de i ca co ´ ser −1. E aconselh´vel que |z| seja introduzido de modo intuitivo, a estendendo a no¸˜o de valor absoluto de um real (distˆncia de ca a dois pontos no eixo, distˆncia de dois pontos no plano cartesiano) a A passagem ` forma trigonom´trica pode ser feita com referˆncia a e e ´ a outros sistemas de coordenadas. E importante explorar a multiplica¸˜o por i e as diversas opera¸˜es ligadas a outras realidades ca co matem´ticas - vectores, opera¸˜es com vectores, transforma¸˜es a co co geom´tricas. e A resolu¸˜o e a interpreta¸˜o das solu¸˜es de condi¸˜es em z, ca ca co co devem ajudar a compreender a utilidade dos diversos sistemas de representa¸˜o anal´ ca ıtica. O recurso a programas de geometria dinˆmica pode ser motivadora para a realiza¸ao de demonstra¸˜es. a c co Assim o professor deve propor que depois de investigadas sejam demonstradas propriedades de pol´ ıgonos. (*) Demonstra¸˜o de proca priedades de Geometria usando n´meros complexos u O estudante precisa de explorar sempre que poss´ ıvel a liga¸˜o ca dos n´meros complexos ` geometria. Ela fornece uma perspecu a tiva mais rica dos m´todos geom´tricos com que se trabalha habie e tualmente – m´todo das coordenadas, dos vectores e das transe forma¸˜es geom´tricas, bem como uma nova compreens˜o da co e a demonstra¸˜o, tornado poss´ ligar as caracter´ ca ıvel ısticas num´ricas, e alg´bricas e geom´tricas (ler a brochura referente a este tema). e e A introdu¸˜o dos complexos deve ser ancorada numa peca quena abordagem hist´rica, do ponto de vista dos probleo mas/escolhos que foram aparecendo no desenvolvimento dos estudos matem´ticos. Os estudantes podem realizar trabalhos sobre a a extens˜o do conceito de n´mero e sobre problemas de resolubilia u dade alg´brica, quer do ponto de vista hist´rico, quer do ponto e o de vista da sua experiˆncia com anteriores desenvolvimentos. Ser´ e a interessante a referˆncia ` impossibilidade da extens˜o a C de uma e a a ordena¸˜o compat´ com a adi¸˜o e a multiplica¸˜o. ca ıvel ca ca 8