O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

A Aia - sistematização.pptx

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 22 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

A Aia - sistematização.pptx

  1. 1. “A AIA” Eça de Queirós
  2. 2. AÇÃO • ESTRUTURA Introdução – desde “Era uma vez um rei…” até “… à beira de um grande rio.” • Apresentação do rei e do seu reino; • Partida e morte do rei, deixando sozinhos a rainha, o seu filho e o reino. Desenvolvimento – começa em “A rainha chorou magnificamente…” e termina em “…que valia uma província”.  A reação da rainha face à morte do rei;  O príncipe fica exposto aos ataques dos inimigos;  O tio bastardo deseja o tesouro;
  3. 3.  Caracterização comparativa do príncipe e do escravo, amamentação de ambos pela aia;  A lealdade da aia, nascida naquela casa real;  Certa noite, a aia pressente uma movimentação estranha no palácio;  A aia troca as crianças dos respetivos berços;  O tio bastardo invade o palácio e arrebata, por engano, o escravozinho;  A rainha fica em desespero com o rapto, no entanto, a aia acalma-a, mostrando-lhe o berço onde dormia o príncipe;  Com este gesto, a aia mostra uma grande lealdade;  O tio bastardo, a sua horda e o escravozinho morrem;  A rainha mostra o seu filho à multidão, que questiona quem terá salvo o príncipe;  Como forma de agradecimento à aia, a rainha quer recompensá-la, conduzindo-a à câmara dos tesouros;  O caminhar doloroso da aia e o comovido “cortejo fúnebre”;  A descrição da magnificência do tesouro real;  A escolha da recompensa da aia: o punhal.
  4. 4. Conclusão – desde “Agarrara o punhal…” até “E cravou o punhal no coração.” • suicídio da aia.
  5. 5. • ORGANIZAÇÃO DAS SEQUÊNCIAS NARRATIVAS O processo de organização utilizado é o encadeamento, uma vez que as ações se sucedem cronologicamente. • DELIMITAÇÃO DA AÇÃO Esta é uma narrativa fechada, pois a ação é solucionada, a personagem principal, a aia, morre.
  6. 6. PERSONAGENS • RELEVO • personagem principal – a aia (nela que se centra toda a ação) • personagens secundárias - rainha, tio bastardo, principezinho, escravozinho, rei, cavaleiro do rei, capitão das guardas e um velho de casta nobre. • figurantes - senhores, cavaleiros, aias, homens de armas, rebeldes e multidão. NOTA: As personagens não estão identificadas com nome próprio, o que acentua o carácter intemporal e universal da história.
  7. 7. • DEFINIÇÃO (COMPOSIÇÃO) A aia é uma personagem modelada (redonda), dado que é dotada de complexidade psicológica, agindo sempre de acordo com as suas convicções religiosas e apresentando um comportamento que nos surpreende. A rainha e o tio bastardo são personagens planas, uma vez que mantém sempre o mesmo comportamento, sem surpreender o leitor.
  8. 8. • TIPOS DE CARACTERIZAÇÃO No conto existe: - caracterização física – ex.: “bela e robusta escrava” - caracterização psicológica – ex.: “leal escrava” - caracterização social – ex.: “escrava”
  9. 9. • PROCESSOS DE CARACTERIZAÇÃO No conto, estão presentes os seguintes processos: - caracterização direta – ex.: “leal escrava” - caracterização indireta – ex.: “tremia pelo seu principezinho…” (preocupada, ansiosa)
  10. 10. Retrato físico Retrato psicológico Aia  Bela;  Robusta.  Leal;  Determinada;  Corajosa;  Mãe extremosa, dedicada, carinhosa;  Perspicaz;  Acredita na vida para além da morte;  Conformada com a sua condição social. Rei  Moço (jovem):  Formoso;  Valente;  Alegre;  Sonhador;  Ambicioso/ conquistador. Rainha  Desgrenhada.  Solitária;  Desventurosa;  Sofredora;  Mãe ditosa. Tio  Enorme;  De face flamejante, mais escura que a noite;  Com um manto negro sobre a cota de malha.  Temeroso;  Depravado;  Bravio;  Cruel;  Faminto do trono;  Consumido de cobiças grosseiras.
  11. 11. Principezinho Escravozinho DIFERENÇAS “cabelo louro e fino” “berço magnífico e de marfim entre brocados” fragilidade/insegurança “cabelo negro e crespo” “berço pobre e de verga” nada tinha a recear/liberdade SEMELHANÇAS os olhos eram reluzentes nasceram na mesma noite de Verão eram criados pela aia a aia cercava-os de carinho eram beijados pela rainha
  12. 12. TEMPO • Tempo da história (cronológico) Referências temporais:  “Era uma vez”;  “A lua cheia…começava a minguar”;  “havia anos”;  “agora”;  “na mesma noite de Verão”;  “E ela um dia”;  “Ora uma noite, noite de silêncio e escuridão”;
  13. 13.  “Depois”;  “nesse instante”;  “a luz da madrugada”;  “céu fresco de madrugada”;  “já o sol se erguia, e era tarde”;  “os primeiros raios de sol”. Os principais acontecimentos ocorrem durante a noite e a madrugada.
  14. 14. • Tempo psicológico Ex.: “pensava na sua fragilidade nos anos lentos que correriam antes que ele fosse ao menos do tamanho de uma espada” Transmite a ansiedade e a preocupação da Aia
  15. 15. • Tempo histórico Toda a atmosfera sugere que a ação se passa na Idade Média, em que os reis partiam para a guerra para conquistar, para ganhar mais poder. Era uma época de monarquia.
  16. 16. ESPAÇO Espaço físico “reino abundante em cidades e searas”, “terras distantes”, “à beira de um grande rio”, “castelo sobre os montes”, “planície”, “aldeias”, “casa real”, “serras”, “palácio”, “entrada dos vergéis”, “entre os jasmineiros”, “fundo da galeria”, “os pátios”, “câmara”,, “galeria de mármore”, “entre o palácio e a cidadela”, “na galeria”, “ao tesouro real”, “câmara dos tesouros” “no meio da câmara”. Espaço exterior - alto – movimenta-se o tio bastardo e a sua horda (terror e ambição); Espaço exterior - baixo – movimenta-se a população feliz (desproteção); Espaço interior – a rainha, a aia, o principezinho e o escravozinho (fragilidade e receio). • NOTA: A descrição é do geral para o particular, do exterior para o interior, uma vez que tudo se vai concentrar à volta da aia (intensificação da ação).
  17. 17. • Espaço psicológico “O rei seu amo, decerto, já estaria agora reinando num outro reino, para além das nuvens…” – a aia julga que o seu senhor continua a reinar no seu palácio noutra vida, que ela acredita existir depois da morte. • Espaço social A ação desenvolve-se num ambiente de corte palaciana, onde existem os reis, os senhores, os cavaleiros, os criados e os guardas. “Senhores, aias, homens de armas, seguiam num respeito…”
  18. 18. NARRADOR • Presença O narrador é não participante (heterodiegético), pois não participa na ação e narra-a na terceira pessoa- “A rainha chorou magnificamente o rei.”. • Posição O narrador é subjetivo, uma vez que emite comentários e transmite alguma parcialidade em relação às personagens- “Ai! A presa agora era aquela criancinha”; “…à maneira de um lobo que, de atalaia, espera a presa.”. • Focalização O narrador é omnisciente, porque conhece todos os factos da história que narra, as personagens, os seus pensamentos e emoções- “Quantas vezes, com ele pendurado do peito, pensava na sua fragilidade…”.
  19. 19. MODOS DE REPRESENTAÇÃO DA AÇÃO/DO DISCURSO No conto existe: • Narração: “A rainha chorou magnificamente o seu rei”; “Descerrou violentamente a cortina.”. • Descrição: “do chão de rocha até às sombrias abóbadas, por toda a câmara, reluziam, cintilavam, refulgiam os escudos de ouro, as armas…”; “Era um punhal de um velho rei, todo cravejado de esmeraldas, e que valia uma província.” • Diálogo: existe apenas uma fala no final do conto – “ – Salvei o meu príncipe - e agora vou dar de mamar ao meu filho!”
  20. 20. LINGUAGEM E ESTILO  Advérbio de modo Ex.: “A rainha chorou magnificamente o rei. Chorou ainda desoladamente o esposo...chorou ansiosamente o pai que assim deixava o filhinho desamparado… ” – os advérbios de modo utilizados intensificam o sentimento da rainha que perdeu o seu rei, seu marido, deixando-a preocupada com o futuro do seu filho que ficou privado do seu pai, da sua proteção e do seu amor.  Adjetivação - dupla adjetivação Ex.: “homem depravado e bravio” – a dupla adjetivação reforça o caráter negativo da personagem (tio bastardo). ● Antítese Ex.: “O berço de um era magnífico e de marfim entre brocados – e o berço do outro pobre e de verga” – a antítese realça a diferença existente entre a riqueza do príncipe e a pobreza do escravo (a diferença social).
  21. 21. ● Comparação Ex.: “…arrancou a criança, como se arranca uma bolsa de oiro,…” – esta comparação realça a violência, a crueldade e a ambição do tio, bem como do valor que o príncipe tinha para ele. ● Metáfora Ex.: “E sem que a sua face de mármore perdesse a rigidez, com um andar de morta...ela foi assim conduzida...” – as metáforas realçam a rigidez e a palidez da aia, expressam a dor sentida pela personagem. ● Enumeração Ex.: “...reluziam... montões de diamantes, as pilhas de moedas, os longos fios de pérolas,...” – a enumeração destaca a grande riqueza existente no tesouro real. ● Símbolo Ex.: “Uma roca não governa como uma espada” – realça a fragilidade do reino, agora nas mãos da rainha. ● Sinédoque Ex.: “…o filhinho desamparado…sem um braço que o defendesse…” – salienta a preocupação da rainha relativamente à fragilidade do filho.
  22. 22. • Hipérbole Ex.: “…tio cruel, de face mais escura do que a noite…” - a hipérbole reforça o lado obscuro do tio através do seu físico. • Personificação Ex.: “A Lua cheia que o vira marchar…” – a lua como testemunha da morte do rei. • Interrogações retóricas Ex.: “Mas como? Que bolsas de ouro podem pagar um filho?” – evidenciam a impossibilidade de existir uma recompensa para perda de um filho. • Frases exclamativas Ex: “Mas ai! Dor sem nome!...” – realçam a emoção perante a morte do suposto príncipe.

×