Trabalho egito

1.122 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado para a disciplina de História Antiga

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.122
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho egito

  1. 1. http://www.egipto.com.br/camadas-sociais-egito-antigo/
  2. 2. http://colunistas.ig.com.br/moda/2010/03/18/o-primeiro-maxicolar/
  3. 3. Faraós: No topo da pirâmide social estavam o faraó e sua família seguidos do vizir, cargo mais importante, dos sacerdotes e dos escribas. O poder do faraó também advinha de justificações e atribuições mitológicas , ao qual viam o faraó como filho legitimo de Amon-ra, o Deus-Sol egípcio. Há documentos históricos afirmando legitimidade do status divino do faraó , entre eles a Estela da Restauração da época do governo de Tutankhamon na XVIIIª dinastia , a primeira do reino novo , período histórico egípcio de 1550 A.C a 1069 A.C. ( FRONZA, ? ). O faraó era um rei todo-poderoso, proprietário de todo o território. A sagrada figura do faraó era elemento básico para a unidade de todo o Egito. O povo via no faraó a sua própria sobrevivência e a esperança na felicidade. O Faraó tinha poder absoluto e era considerado um Deus vivo na Terra. Ele era dono de todo o Egito, chefe da administração, dos cultos religiosos e também comandava o exército. Tinha como principal função/responsabilidade manter a ordem e a justiça na sociedade, tendo como punição, caso não a mantivesse, a morte (desaparecimento) eterna.
  4. 4. http://www.somoscriativos.com/2012/10/semana-do-demonio-especial-daserie-as-cronicas-dos-kane-curiosidades-sobre-magia-e-egito-antigo.html
  5. 5. Sacerdotes, Nobreza: Aos sacerdotes, classe social privilegiada, cabiam os serviços religiosos. Os sacerdotes tinham enorme prestígio e poder, tanto espiritual como material, pois administravam as riquezas e os bens dos grandes e ricos templos. Eram também os sábios do Egito. Nessa classe enquadrava-se os Viziers, que eram pessoas ligadas diretamente ao Faraó, os Sacerdotes, Oficiais do exército e a sua família. Nessa classe a Rainha era escolhida e apesar do Faraó ter muitas esposas, apenas ela tinha o poder real. O casamento era feito entre os parentes, afim de manter o sangue “azul” da Dinastia.
  6. 6. http://www.estudoazul.com/2013/08/egito-antigo.html
  7. 7. OS SOLDADOS: Essa classe era pequena e sua principal função foi garantir a segurança do território, fazendo quando preciso, escolta nas expedições aos países vizinhos. Posteriormente, devido as invasões e a necessidade em ter uma defesa mais sólida, o exército e a tecnologia em combate foram aumentando. O termo mesha, palavra egípcia que significava exército, descrevia em sua origem tanto forças militares quanto expedições pacíficas enviadas para extrair minerais e sua tradução mais correta talvez seja força operacional. Não dispomos de informações suficientes sobre os exércitos do Império Antigo (c. 2575 a 2134 A.C.) nem do Império Médio (c. 2040 a 1640 A.C.). Os chefes de expedições tinham posições e títulos comparáveis aos das patentes militares, tais como capitães e oficiais de marinha. Durante o Império Antigo, ao que parece, ao surgir uma situação de emergência reunia-se um grupo de homens para apoiarem as pequenas unidades locais permanentes especializadas.
  8. 8. http://pt.wikipedia.org/wiki/Escriba
  9. 9. ESCRIBAS: Considerada uma classe muito importante, os Escribas eram os únicos que poderiam seguir carreira como administradores ou ingressar no serviço público. A escrita servia para o registro de tudo que acontecia no cotidiano egípcio e através dela é que conhecemos um pouco da História dos habitantes das margens do Nilo. Os escribas, provenientes das famílias ricas e poderosas, aprendiam a ler e a escrever e se dedicavam a registrar, documentar e contabilizar documentos e atividades da vida no Egito.
  10. 10. http://discoverybrasil.uol.com.br/egito/vida_egipcia/comercio/index.shtml
  11. 11. OS ARTESÃOS: Essa classe é formada por pessoas com habilidades em todos os tipos de artesanatos. Alguns trabalhavam em aldeias e produziam artefatos para o comércio local. Já os mais habilidosos, eram convocados a trabalhar para o Faraó ou para a classe da nobreza. Os artesãos eram formados por pessoas que não trabalhavam nas lavouras ou em outras atividades. Foram eles juntamente com os escribas que conseguiram deixar o legado que conhecemos hoje. Desde artefatos pequenos até os maiores, os artesãos são responsáveis por toda a beleza decorativa do antigo Egito. Usavam instrumentos que foram retratados em pinturas e que resistiram ao tempo como; Formão, machado, serra, arco entre outros Segundo MILLARD (1975, p. 38, 39) “A vasta maioria dos antigos egípcios era constituída por camponeses, mas existia uma importante minoria formada pelos artesãos. Os mais hábeis trabalhavam para o rei, para os templos ou para os nobres, que tinham oficinas nas suas propriedades. Contudo, houve outros que trabalhavam tranquilamente nas pequenas cidades e aldeias, produzindo objetos para mercados locais. Os filhos dos artesãos deviam seguir a mesma profissão do pais e serem treinados por eles. Os rapazes começavam sua aprendizagem muito cedo.tinham que adquirir prática para trabalhar com suas ferramentas, que eram de cobre, bronze ou pedra, com cabos de marfim.Aprendiam também as inúmeras regras da sua arte.Regras rígidas dos pintores e escultores[...]
  12. 12. http://historianovest.blogspot.com.br/2012/04/quando-surgiu-o-pao.html
  13. 13. O Comércio: No antigo Egito, o comércio era feito entre os egípcios e também entre outros povos. O comércio exterior era organizado pelo Faraó, que ficava responsável por comandar as expedições. Geograficamente o Egito era favorecido e mantinha negócios com algumas ilhas gregas, com a África e com a Ásia. Utilizava-se como câmbio a troca de mercadorias. Os principais produtos que os egípcios exportavam eram ouro (muito requisitado por outros povos), papiro, linho, trigo e artefatos feitos pelos artesãos. Para DAVID (2003, p.300): Os egípcios consideravam seu próprio país como o centro do mundo e, embora tivessem comércio e negociações com outras terras para a obtenção de matériasprimas que eram escassas ou inexistentes no Egito, aparentemente não tinham grande desejo de explorar ou viajar para o exterior. Eles preferiam se concentrar no comércio local.
  14. 14. Camponês e Camponesa: A vida no Egito Antigo era centrada, principalmente, na agricultura. A maioria da população esteve envolvida na agricultura. Trigo, frutas e legumes eram as principais culturas, embora tenha havido algumas pastoris de gado, ovelhas ou cabras. Quando o Nilo baixava, a água escoava lentamente, deixando para trás toda a lama e lodo fértil que então penetrava no fundo no solo. Cerca de um mês e meio depois, o camponês voltava para liberar a água restante, que havia virado salobra por evaporação. Óleos vegetais valiosos eram extraídos do gergelim, linho e de sementes de mamona. As inundações significavam um período de descanso para o agricultor, a menos que ele fosse convocado para serviço militar ou para obras públicas. No auge das inundações, geralmente em torno de meados de agosto, cada agricultor teria de ir até sua terra e fechar as aberturas nos diques ao redor. O abastecimento de água para os campos e para a manutenção das obras de irrigação foram responsabilidades comuns, mas os proprietários locais, especialmente os nobres provinciais, eram muito mais envolvidos do que o governo central. Com exceção da realeza e os escribas, toda população estava envolvida com o trabalho no campo. As pessoas viviam em suas terras de lavoura, e isso não se alterava no caso do dono vender a terra. Membros da nobreza se envolviam no lado econômico do cultivo, já que eram os donos da propriedade, supervisionando o processo agrícola. http://colecaoitan.org/trajes/egito-antigo-campones-e-camponesa.html
  15. 15. Escravos: O Egito não conheceu a escravidão no sentido greco-romano, designando um indivíduo privado de sua liberdade, vivendo sob a autoridade absoluta de um mestre, seja devido ao nascimento – sendo ele mesmo filho de escravo –, seja após ter sido capturado (no decorrer de uma guerra), vendido ou condenado. Considerado como um bem material, ele se torna – para sempre – a propriedade explorável e negociável de outra pessoa. Ao longo do Vale do Nilo, essa forma de escravidão não ocorreu antes da época ptolomaica (século IV antes da nossa era), data em que os gregos se tornaram soberanos do país, levando com eles algumas de suas tradições, em particular a escravidão. Na sociedade egípcia, existiam múltiplos níveis de dependência que ligavam os homens entre si. Alguns podiam ser identificados como uma forma de escravidão, mesmo que estives- sem longe de responder aos critérios impostos pela definição jurídica. http://www2.uol.com.br/historiaviva/artigos/especial_egito_cativos_sim_escrav os_nao.html

×