SlideShare uma empresa Scribd logo

Técnica+cirúrgica

1 de 21
Baixar para ler offline
TÉCNICA CIRÚRGICA

  Operações Fundamentais
DIÉRESE
  Toda manobra que visa criar descontinuidade de
          tecidos, ou seja, uma via de acesso.
Pode ser na forma de uma:

• Incisão - usando bisturi, raios laser,etc.
• Punção – com uso de          • Divulsão: Separação de
  instrumentos perfurantes,      tecidos com pinça,
  como o trocarte, agulha de     tesoura, etc.
  Veres.




                               • Serração
• Secção: Corte utilizando        • Dilatação: Aumentar
  tesoura, serra, bisturi, etc.     diâmetro de canais,
                                    orifícios - vela de hegar




                                          Vela de Hegar
      Tesoura Mayo
Na escolha da via de acesso considerar:

• Via que confere boa visibilidade do campo, sem a
  realização de incisões extensas;

• Deve ter bordas nítidas;

• Atravessar tecidos respeitando anatomia regional,
  um plano de cada vez;

• Acompanhar, de preferência, as linhas de força da
  pele.
HEMOSTASIA
    Toda manobra destinada a evitar ou estancar
                  hemorragias.




Benefícios também pós-operatório: favorece evolução
  normal da ferida, evita infecções e deiscência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Fios de suturas
Fios de suturasFios de suturas
Fios de suturas
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
Nós Cirúrgicos
Nós CirúrgicosNós Cirúrgicos
Nós Cirúrgicos
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072052-phpapp01
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
 
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
Instrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficialInstrumentação cirúrgica oficial
Instrumentação cirúrgica oficial
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
 
Centro cirurgico e instrumentais
Centro cirurgico e instrumentaisCentro cirurgico e instrumentais
Centro cirurgico e instrumentais
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
 
Hemostasia
HemostasiaHemostasia
Hemostasia
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
 

Semelhante a Técnica+cirúrgica

Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01
Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01
Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01DeyvsonCristuano
 
instrumentação cirurgica
instrumentação cirurgicainstrumentação cirurgica
instrumentação cirurgicaSimone Alvarenga
 
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxAULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxvaniceandrade1
 
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdfaula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdfAlanSantos22653
 
TEMPO CIRÚRGICO.pdf
TEMPO CIRÚRGICO.pdfTEMPO CIRÚRGICO.pdf
TEMPO CIRÚRGICO.pdfInara Lima
 
Manobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoManobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoMirielly Macedo
 
Fios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptxFios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptxssuser80ae40
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptClarissePaes
 
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdfFios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdfzairo fonseca
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
Laparotomia a lennander técnicas e variações
Laparotomia a lennander   técnicas e variaçõesLaparotomia a lennander   técnicas e variações
Laparotomia a lennander técnicas e variaçõesingridsg
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativosLuh Soares
 

Semelhante a Técnica+cirúrgica (20)

FIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.pptFIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.ppt
 
Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01
Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01
Instrumentalcirrgico 140710072151-phpapp01
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
 
instrumentação cirurgica
instrumentação cirurgicainstrumentação cirurgica
instrumentação cirurgica
 
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxAULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
 
Centro Cirúrgico
Centro CirúrgicoCentro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
 
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdfaula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
 
cirurgia.pdf
cirurgia.pdfcirurgia.pdf
cirurgia.pdf
 
TEMPO CIRÚRGICO.pdf
TEMPO CIRÚRGICO.pdfTEMPO CIRÚRGICO.pdf
TEMPO CIRÚRGICO.pdf
 
Manobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas OdontoManobras Cirurgicas Odonto
Manobras Cirurgicas Odonto
 
Fios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptxFios cirúrgicos.pptx
Fios cirúrgicos.pptx
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.ppt
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
 
fios.doc
fios.docfios.doc
fios.doc
 
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdfFios e hemostasia 2020.1.pdf
Fios e hemostasia 2020.1.pdf
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Laparotomia a lennander técnicas e variações
Laparotomia a lennander   técnicas e variaçõesLaparotomia a lennander   técnicas e variações
Laparotomia a lennander técnicas e variações
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 

Técnica+cirúrgica

  • 1. TÉCNICA CIRÚRGICA Operações Fundamentais
  • 2. DIÉRESE Toda manobra que visa criar descontinuidade de tecidos, ou seja, uma via de acesso. Pode ser na forma de uma: • Incisão - usando bisturi, raios laser,etc.
  • 3. • Punção – com uso de • Divulsão: Separação de instrumentos perfurantes, tecidos com pinça, como o trocarte, agulha de tesoura, etc. Veres. • Serração
  • 4. • Secção: Corte utilizando • Dilatação: Aumentar tesoura, serra, bisturi, etc. diâmetro de canais, orifícios - vela de hegar Vela de Hegar Tesoura Mayo
  • 5. Na escolha da via de acesso considerar: • Via que confere boa visibilidade do campo, sem a realização de incisões extensas; • Deve ter bordas nítidas; • Atravessar tecidos respeitando anatomia regional, um plano de cada vez; • Acompanhar, de preferência, as linhas de força da pele.
  • 6. HEMOSTASIA Toda manobra destinada a evitar ou estancar hemorragias. Benefícios também pós-operatório: favorece evolução normal da ferida, evita infecções e deiscência.
  • 7. Classificada em : • Temporária, corretiva ou preventiva Que engloba ações como pinçamento, garroteamento, ação farmacológica, etc. • Definitiva, corretiva ou preventiva Que engloba: ligadura, cauterização, sutura, tamponamento, etc.
  • 8. Exemplos de instrumentos: • Pinça Kelly • Rochester
  • 9. SÍNTESE Aproximação correta das bordas dos tecidos para facilitar cicatrização Nó cirúrgico: Entrelaçamento ordenado e lógico feito com as extremidades livres do fio cirúrgico com o objetivo de uní-las e fixá-las.
  • 10. Ponto cirúrgico: Segmento compreendido entre dois locais consecutivos de apoio do fio cirúrgico no tecido. Sutura cirúrgica: É o ponto ou conjunto de pontos aplicados no tecido, com o objetivo de união, fixação e sustentação deste, durante o processo de cicatrização.
  • 11. Tipos de suturas: • Em pontos separados – vantagens: afrouxamento de um nó não interfere na sutura toda; menor quantidade de corpo estranho no ferimento cirúrgico; pontos menos isquemiantes. • Contínua
  • 12. Instrumentos utilizados Agulhas • Curvas ou retas • Traumáticas ou atraumáticas
  • 13. • Cilíndricas ou • Seleção depende da triangulares acessibilidade e do tipo de tecido • O objetivo é produzir mínima lesão tecidual.
  • 14. Porta agulhas Oferece melhor condução da agulha curva • Porta-agulha de Hegar • Porta-agulha de Mathieu
  • 15. FIOS Podem ser: • Monofilamentares ou trançados • Absorvíveis: serão absorvidos pelo organismo ** Categute simples e cromado – biológico – absorção por fagocitose - usado em suturas gastrointestinais,vasos, tecido subcutâneo, cirurgias ginecológicas,etc.
  • 16. ** Poligalactina (Vicryl*) - sintético – absorção por hidrólise – cirurgias gastrointestinais, ofltalmológicas,etc ** Polidioxanona - sintético – absorção por hidrólise – ciurgia cardiopediátrica, gastrointestinal, fascia aponeurótica, capsulas articulares, etc.
  • 17. • Inabsorvíveis –serão encapsulados pelo organismo. Classificados em: • Biodegradáveis : ** Mononáilon - sintético – degradado enzimaticamente ao longo de dois a cinco anos. Usado na vascular, plástica, neurocirurgia, etc. ** Seda – biológico – absorção por fagocitose em torno de dois anos. Pode ser usado na oftalmologia, gastroenterologia, plástica,etc..
  • 18. ** Linho – biológico – absorção por fagocitose em menos de um ano. • Não biodegradáveis : ** Polipropileno – sintético – fica encapsulado- cardiovascular, plástica, oftalmologia, etc. ** Poliéster – sintético – cirurgia cardiovascular, gastrointestinal, etc ** Aço inox – origem mineral – fica encapsulado – indicado em bucomaxilofacial e fechamento de esterno.
  • 19. Fatores a considerar na escolha do fio: • Baixo custo; • Adequada resistência tênsil; • Maleabilidade; • Mínima reação tecidual; • Tipo de tecido a ser suturado.
  • 20. Exemplos de escolha: • PELE: fios inabsorvíveis, tipo nylon ou poliéster; • TELA SUBCUTÂNEA: absorvíveis, categute; • APONEUROSE: inabsorvíveis, como nylon ou poliester; • TECIDO MUSCULAR: Absorvíveis • VASOS E NERVOS: Inabsorvíveis, como nylon ou poliéster.
  • 21. Instrumentos auxiliares das operações fundamentais • Pinças de dissecação, • Afastadores – dinâmicos tração e preensão e estáticos