Estratégias de leitura biologia 2014

694 visualizações

Publicada em

Orientação Técnica para professores de Biologia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
694
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Este slide não é da autora Angela Kleiman. Estas perguntas não são de interpretação. Os textos do material EJA Mundo do Trabalho exigem uma reflexão e análise, e não localização de informações no texto.
  • Estratégias de leitura biologia 2014

    1. 1. Escolas Prioritárias – Biologia II” Profª Msª Fernanda Rezende Pedroza Outubro/2014
    2. 2. Objetivo Vivenciar e refletir sobre estratégias de leitura com vistas à construção da competência leitora na escola.
    3. 3. MANHÃ • Concepção do trabalho com leitura • Atividades para reflexão e compreensão das discussões TARDE • Estratégias de leitura na sala de aula • Leitura do texto “Orientação de Estudos: Como se ensina a estudar?” • Atividades para o desenvolvimento da leitura • Vídeo encerramento: Somos Todos Leitores • Orientações e Avaliação
    4. 4. Prioridade para a competência da leitura e da escrita “ Em uma cultura letrada como a nossa, a competência de ler e escrever é parte integrante da vida das pessoas e está intimamente associada ao exercício da cidadania. As práticas de leitura e escrita, segundo as pesquisas que vêm sendo realizadas na área, têm impacto sobre o desenvolvimento cognitivo do indivíduo. Essas práticas possibilitam o desenvolvimento da consciência do mundo vivido (ler é registrar o mundo pela palavra, afirma Paulo Freire)propiciando aos sujeitos sociais a autonomia na aprendizagem e a contínua transformação, inclusive nas relações pessoais e sociais.” (Currículo Oficial do Estado de São Paulo – Ciências da Natureza)
    5. 5.  Como é trabalhada a leitura nas aulas de Biologia?
    6. 6.  Leitura silenciosa do aluno, grifando as palavras desconhecidas;  Leitura silenciosa, resposta às questões propostas e correção coletiva das questões ;  Leitura oral coletiva (cada aluno lê um trecho) sem interrupção;  Leitura oral do professor com paradas para explicação sobre o texto lido;  Leitura compartilhada – professor medeia de acordo com o grau de dificuldade do texto e com os objetivos de leitura: lê um pouco, propõe questões, sugere a leitura individual de partes, retoma a leitura, lê mais um trecho etc.
    7. 7.  O sentido está dado de antemão no texto e cabe ao leitor decodificá-lo e interpretá-lo;  O(s) sentido(s) é (são) (re)construído(s) no ato de leitura e para tanto o leitor relaciona texto, suas condições de produção, seus próprios conhecimentos prévios, crenças etc. O que é necessário para que o aluno compreenda o assunto de um texto?
    8. 8. SMITH, Frank. Leitura significativa Na leitura...
    9. 9. Vamos fazer algumas leituras...
    10. 10. RUA CORNÉLIO PROCÓPIO, 8IO
    11. 11. RUA CORNÉLIO PROCÓPIO, 810
    12. 12. J K L O M N P R A D E S G H I L U O M B A X C R E
    13. 13. LIMPAR COLA CAVALO NOITE ALGUM
    14. 14. A CHUVA É IMPORTANTE PARA A VIDA
    15. 15.  Toda leitura é sempre um processo interativo onde o leitor aciona seus conhecimentos prévios (linguísticos, textuais e seu conhecimento do mundo).  “Para que haja compreensão durante a leitura, aquela parte do nosso conhecimento de mundo que é relevante para a leitura do texto deve ser ativada, isto é, deve estar num nível ciente, e não perdida no fundo da nossa memória” (p.21).
    16. 16.  Com gemas para financiá-lo, nosso herói desafiou valentemente todos os risos desdenhosos que tentaram dissuadi-lo de seu plano. “Os olhos enganam” disse ele, “um ovo e não uma mesa tipificam corretamente esse planeta inexplorado”. Então as três irmãs fortes e absolutas saíram à procura de provas, abrindo caminho, às vezes através de imensidões tranquilas, mas amiúde através de picos e vales turbulentos. Os dias se tornaram semanas, enquanto indecisos espalhavam rumores apavorantes a respeito da beira. Finalmente, sem saber de onde, criaturas aladas e bem vindas apareceram anunciando um sucesso prodigioso.
    17. 17.  A maioria da pessoas considerou este texto vago e tinham pouquíssimas lembranças, que em geral, eram distorcidas.  Quando as pessoas são informadas do título do texto “A descoberta da América por Colombo”, é possível notar como as palavras que deixavam apenas impressões, passam a ter significados precisos, ou seja, neste caso o título favorece a atribuição de sentido para leitura realizada.  O texto permanece o mesmo, no entanto há uma mudança significativa na compreensão por conta do favorecimento da ativação dos conhecimentos prévios.
    18. 18. Refletindo... Leia atentamente o texto abaixo e descubra do que se trata: Não andar em companhia de homens. Não casar-se. Estar em casa entre as 8:00 horas da noite e 6 :00 horas da manhã. Não ficar vagando pelo centro em sorveterias. Não deixar a cidade em tempo algum. Não fumar cigarros. Não beber cerveja, vinho ou uísque. Não andar de carruagem ou automóvel com qualquer homem, exceto seu irmão ou seu pai. Não vestir roupas demasiadamente coloridas. Não tingir o cabelo. Vestir ao menos duas combinações. Não usar o vestido mais de duas polegadas acima dos tornozelos. Não usar pó no rosto, rímel ou pintar os lábios.
    19. 19. Contrato de professora – 1923 Publicado em O Dia, Educação, Terça-Feira Este é um contrato entre a Senhorita .............................., professora, e o Conselho de Educação da Escola.............., pelo qual a Senhorita ...................... concorda em ensinar por um período de oito meses, começando em 1º de setembro de 1923. O conselho de Educação, concorda em pagar à Senhorita .................................................... a soma de setenta e cinco dólares por mês. A Senhorita ............................concorda com as seguintes cláusulas: Não casar-se. Este contrato torna-se nulo imediatamente se a professora se casar. Não andar em companhia de homens. Estar em casa entre as 8:00 horas da noite e as 6:00 horas da manhã, a menos que esteja assistindo a alguma função da escola. Não ficar vagando pelo centro em sorveterias. Não deixar a cidade em tempo algum sem a permissão do presidente do conselho de curadores. Não fumar cigarros. Este contrato torna-se nulo imediatamente se a professora for encontrada fumando. Não beber: cerveja, vinho ou uísque. Este contrato torna-se nulo imediatamente se a professora for encontrada bebendo cerveja, vinho ou uísque.
    20. 20. Não andar de carruagem ou automóvel com qualquer homem exceto seu irmão ou seu pai. Não vestir roupa demasiadamente coloridas. Não tingir os cabelos. Vestir ao menos duas combinações. Não usar vestidos mais de duas polegadas acima dos tornozelos. Conservar a sala de aula limpa. varrer o chão da sala de aula ao menos uma vez ao dia. Esfregar o chão da sala de aula ao menos uma vez por semana com água quente e sabão. Limpar o quadro negro ao menos uma vez por dia. Acender a lareira às 7:00 horas da manhã de forma que a sala este quente às 8:00 horas, quando as crianças chegarem. Não usar pó no rosto, rímel, ou pintar os lábios.
    21. 21. Isabel esticurava um po e o artamunia a Carmen. Alberto não pintalucava pos ni tenas, porque Isabel e Carmen custoniam nipas.  1.Quem esticurava um po?  2.Por que Alberto não pintalucava pos ni tenas?  3.O que Isabel e Carmen custoniam?
    22. 22. O estudo da montilação da tramolina é muito importante. A traxolina é um novo tipo de zionte. Ela é montilada nos mitossomos ceristianos. Os mistossomos transformam grande quantidades de fevônio e o detacham para obter traxolina. Em relação à montilação, os mitossomos se classificam em: endógenos e exógenos. A tramolina é um dos principais ziontes presentes nos organismos vivos e sua pesquisa terá grande importância no futuro.
    23. 23. 1. O que é a tramolina? 2. Onde ela é montilada? 3. Como é obtida a tramolina? 4. Por que é importante estudar a tramolina?
    24. 24.  Não existe um processo único de compreensão de textos, eles são variados, dependendo dos objetivos do leitor, pois diferentes textos são lidos de diferentes formas, ou seja, os procedimentos de leitura mudam de acordo com cada propósito e gênero textual (polissemia).  A capacidade de estabelecer objetivos claros na leitura é uma estratégia de controle, regulamento e reflexão do próprio saber.  A leitura que não surge de uma necessidade para chegar a um propósito, não é propriamente leitura.
    25. 25.  Os elementos contextuais são de fundamental importância, pois ajudam na compreensão do textos. O que está implícito pode ser inferido, o levantamento de hipóteses é facilitado, assim como o acionamento dos conhecimentos prévios.  Quando a interação com o texto é descontextualizada o processo de compreensão é afetado.
    26. 26. Tarde Estratégias de leitura na sala de aula
    27. 27.  Ativação de conhecimento prévio  Estabelecimento de objetivos  Antecipação/levantamento de hipóteses
    28. 28.  Levantamento e ativação dos conhecimentos prévios;  Criação de expectativas em relação ao autor, ao período em que o texto foi escrito, ao tema, ao local onde o texto circulou e foi publicado;  Criação de expectativas quanto ao gênero, a formatação textual, ao título, subtítulos, ilustrações ou imagens e demais informações gráficas que acompanham o texto;  Estabelecimento claro dos objetivos de leitura.
    29. 29. •Retomar as hipóteses e as expectativas dos estudantes, criadas antes da leitura, a fim de confirma-las ou retificá-las; •Identificar o tema do texto e relacioná-lo ao seu título; •Realizar levantamento do repertório vocabular do texto, esclarecendo palavras desconhecidas com uso de dicionário ou produção de glossários; •Buscar identificação de possíveis palavras-chave para o texto; •Possibilitar informações complementares que seja necessárias, possibilitando a circulação de informação na sala de aula com uso de enciclopédias, dicionários, revistas, entrevistas etc. •Construção sentido global do texto e de sua pistas linguísticas; •Identificar referencias a outros textos, se possível.
    30. 30.  Produzir coletivamente uma síntese do texto, um resumo, uma sinopse, um seminário, uma resenha, um fichamento, ou outro registro que possa sintetizar o texto;  Troca de impressões e compartilhamento de sentidos atribuídos ao texto lido;  Indicações de outras leituras sobre o mesmo tema, se necessário, ou leitura de outras produções do mesmo autor;  Propor uma avaliação crítica do texto;  Registrar o que mais se deseja saber a partir do texto lido, que outros interesses a leitura realizada despertou.
    31. 31. • Conhecimento de mundo; • Conhecimento específico; • Conhecimento do gênero do discurso ou tipo de texto em questão; • Conhecimento linguístico; Desenvolvimento de capacidades leitoras. Desenvolvimento de capacidades leitoras.
    32. 32. Um trabalho adequado c/ leitura, na perspectiva de formação para um exercício mais pleno da cidadania, deve: • Possibilitar que os alunos confiram sentido ao que leem (tomar a leitura como situação de interlocução em que sempre há objetivos e motivações); • Conter atividades que visem subsidiar os alunos para a (re) construção dos sentidos do texto e não simplesmente visar a checagem da compreensão ou fornecer todos os elementos; • Apresentar atividades/questões antes, durante e depois da leitura, levando em conta a legibilidade dos textos para os alunos;
    33. 33. • Explorar diferentes capacidades, levando em conta a legibilidade dos textos para os alunos e os objetivos e conteúdos das disciplinas; • Contemplar o que está nas linhas, entre as linhas e por trás das linhas; • Contemplar diferentes gêneros, explorando suas características, sem perder de vista a compreensão dos textos lidos; • Diversificar estratégias: leitura individual, em dupla, coletiva, leitura do professor, dos alunos, com diferentes tipos de mediação etc.
    34. 34. • Para o desenvolvimento das capacidades de apreciação e réplica, é fundamental fornecer subsídios em termos de conteúdos para que os alunos possam efetivamente se posicionar; • Ex.: produção de artigo de opinião e/ou debate • Não ter a intenção de mobilizar todas ou muitas capacidades de uma só vez (trabalho extenso e sem sentido). O TRABALHO COM LEITURA NA ESCOLA:O TRABALHO COM LEITURA NA ESCOLA:
    35. 35. • Porque o desenvolvimento das capacidades de leitura dos alunos supõe conhecimentos específicos (das várias disciplinas) que muitas vezes o professor de português não possui (veremos adiante); • Porque a leitura e a escrita perpassam toda a produção de conhecimento (e sua (re)construção) em todas as disciplinas e suas práticas pedagógicas; • Porque em diferentes disciplinas circulam gêneros, cujo domínio pode favorecer os processos de compreensão e produção de textos. Para tanto, devem ser explorados por todos os professores no contexto em que circulam de forma articulada com uma exploração da disciplina de LP.
    36. 36. O professor de ciências, é também um professor de linguagem que atenta para a fala, a leitura, a escrita e discussões em grupos.
    37. 37. Atividades para o desenvolvimento da leitura em sala de aula
    38. 38. Título, tema e ideia principal - Título: frase geralmente curta, colocada no início; uma referência ao que será abordado no texto; e, na maioria das vezes, não contém verbo. Pode despertar no leitor a vontade de ler o texto. - Tema: assunto sobre qual o texto trata; é a ideia desenvolvida. - Ideia principal no texto: o que de mais importante o autor tratou no texto. Ela depende da combinação entre os objetivos de leitura, os conhecimentos prévios dos estudantes e a informação que o texto transmite. - Objetivos de leitura / Estratégias de leitura
    39. 39. Antes de formar leitores, precisamos SER leitores!!! Exibição do vídeo: Somos Todos Leitores (Programa EJA Mundo do Trabalho – 6° ano – Língua Portuguesa)
    40. 40.  Objetivo: Observação do desenvolvimento das estratégias de leitura em uma aula.  Enviar o plano de aula com a descrição das estratégias que serão utilizadas no desenvolvimento da aula até o dia 07/11/14;  Não é necessário alterar o planejamento dos conteúdos que serão desenvolvidos nas aulas, apenas priorizar que sejam desenvolvidas as estratégias de leitura.  O acompanhamento poderá ser realizado durante a desenvolvimento da aula ou por meio dos registros: plano de aula, diário de classe, caderno do aluno e outros que o professor possa vier a ter.  Entrarei em contato com a escola (telefone ou email) para agendamento da data do acompanhamento.  O plano de aula deve ser enviado ao Núcleo Pedagógico dejacnpe@see.sp.gov.br e uma cópia deve ser entregue ao Professor Coordenador na mesma data.  Professores que lecionam somente a noite. Agendar a data para o PC acompanhar a aula. Acompanhamento na EscolaAcompanhamento na Escola
    41. 41. Referências Bibliográficas Material da FORMAÇÃO EJA MUNDO DO TRABALHO PARA A SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO. De 07 a 10 de outubro de 2014; Referência a KLEIMAN, Angela B. Texto e Leitor. Campinas: Pontes e Editora da UNICAMP, 1989. Material de Formação “POCO e Supervisor: uma equipe que aprende para ensinar. Competência Leitora e Escritora. 2010; São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas tecnologias / Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Luis Carlos de Menezes. – 1. ed. atual. – São Paulo: SE, 2011.152 p. Item da Avaliação de Aprendizagem em Processo – Língua Portuguesa. 9º ano. 3ª edição. .
    42. 42. Obrigada pela participação!

    ×