Viva suas emoções

149 visualizações

Publicada em

Viva suas emoções.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
149
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Viva suas emoções

  1. 1. Alimente o Cérebro http://alimenteocerebro.com Viva suas emoções! [intro]O ser humano é conhecido por ser uma espécie que expressa suas emoções de maneira vívida. Ódio, amor, prazer... todos os sentimentos são fortes e nos fazem humanos. Externe suas emoções![/intro] [ads tipo="direita" pessoa="fernanda"] Todos são capazes de externá-las, sejam de teor dramático, com um pouco de raiva ou então com uma quantia de amor tão grande que chega a causar tristeza naqueles que a sentem do lado de fora. Afinal, ver as emoções de alguém e senti-las do lado de fora é como assistir a uma realidade que nem sempre vai causar boas sensações. Emoções existem para serem externadas não de uma forma superficial, mas de uma maneira única e autêntica, que faça com que aquele que sentir sua emoção do lado de fora, queira quase que sem saber porquê, querer senti-la novamente. Uns externam-se através de composições de música, de textos, outros preferem as imagens para definir o que sentem, seja ela uma foto de um momento especial ou um quadro feito com tinta a óleo. Existem também aqueles que se externam através da elaboração de refeições. Não importa como uma pessoa se externa. O que importa é essencialmente necessário para qualquer ser vivo é que este externe suas emoções da melhor maneira possível. Uma emoção só é verdadeira quando provoca naqueles que estão do lado de fora exatamente a mesma sensação que o fornecedor da emoção estava sentindo. Se uma letra musical é composta em um momento de revolta, é exatamente a sensação de revolta que a letra vai transmitir aos seus ouvintes (aqueles que estão do lado de fora). Se um casal se despede na volta para casa e a saudade está estampada nos olhos de um e do outro, se houver um fotógrafo pronto para registrar o momento mais especial, é exatamente ela que será expressa naquela imagem. Se uma refeição for elaborada em um momento de furor no cozinheiro, pode ser que ela termine salgada demais. E a sensação daquele 1 / 3
  2. 2. que a degustar depois de ter pago uma bela quantia de reais não será nada além do próprio furor do cozinheiro! Afinal, o que esperar de algo preparado com ódio? Da mesma forma que quando se escreve um texto gerado através de reflexão, provavelmente o leitor será levado àquela emoção sentida pelo autor do texto, quando refletiu através das palavras a sua emoção. O importante é saber que quando uma emoção é passada e aquele que está do lado de fora fica feliz com o resultado, é sinal que a emoção foi demonstrada exatamente como deveria, visto que o momento foi marcado com sentimentos que emocionaram de forma positiva o "recebedor da emoção" (seja ela em uma foto, em uma música, ou em um texto). É válido lembrar que emoções negativas, como o ódio e a inveja, são tão marcantes quanto uma emoção como a saudade. Pois o cérebro é dotado da capacidade de memória e esta memória funciona como herói do coração. Uma vez tendo comido a sopa salgada de ódio daquele fulano, cozinheiro de tal restaurante, nunca mais a pessoa porá seus pés e sua carteira lá novamente. Por mais que lá o sorvete seja sensacional, a sopa salgada demais será sempre mais lembrada. O cérebro diz: Não, aí de novo não! 2 / 3
  3. 3. Já quando algo é extremamente bom de sentir, o cérebro diz: Vamos de novo? (ouvir aquela música boa de novo, ler aquele texto interessante de novo ou tornar aquela imagem o plano de fundo do seu computador, de tão bem que ela te faz). Há de saber que cada um tem o direito de pensar e sentir o que bem entender e da maneira que achar que deve. Porém, não é válido obrigar àqueles que estão do lado de fora engolirem o sal que o outro não soube dosar. A emoção é como uma divisão celular. Se tudo estiver sobre controle e a emoção (divisão) estiver sendo desenvolvida de uma maneira produtiva, ótimo! Porém, quando a emoção (divisão) é descontrolada, corre-se o risco de ter uma reação bastante desagradável do organismo (àqueles que estão do lado de fora). Um tumor, por exemplo, que nada mais é, neste contexto, que um fruto que já nasce podre, uma emoção descontrolada. Emocione-se, transmita seus sentimentos, mas não permita que um momento de sentimento, marque de maneira negativa, uma vida inteira. É perigoso viver, pois aqui se nasce para morrer, é perigoso sentir, pois aqui se nasce para aprender. Que o aprendizado seja marcado por sentimentos bons e ruins, mas que a vida seja marcada pelo melhor deles, e que o amor prevaleça sempre. [ads tipo="centro" pessoa="fernanda"] Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) 3 / 3

×