A geração 00 
NOVO SÉCULO, NOVAS LITERATURAS .
O fortalecimento da democracia e o protagonismo 
econômico do Brasil solidificaram as bases do mercado 
editorial, criando...
Há de se destacar a importância da Lei Rouanet, 
promulgada em 1991, que, embora ainda hoje suscite 
polêmicas, dinamizou ...
O interesse renovado pela literatura parece estar ligado, de um 
lado, à ampliação do poder aquisitivo da população em ger...
Alguns nomes ganham destaque com a “literatura marginal”, 
tais como: 
Ferréz (pseudônimo de Reginaldo Ferreira da Silva, ...
São importantes nomes também: 
 Marcelino Freire (Sertânia, PE) 
 Evandro Affonso Ferreira (Araxá, MG) 
 Sérgio Rodrigu...
 Paulo Rodrigues (São Paulo, SP) 
 Lourenço Muttarelli (São Paulo, SP) 
 Paulo Scott (Porto Alegre, RS) 
 Edney Silves...
Os jovens escritores, nascidos a partir de 1970, e 
conhecidos como a “geração 00”, começam agora sua 
trajetória. Ainda é...
 Susana Fuentes (Rio de Janeiro, RJ): Escola de gigantes, Luzia; 
 Claudia Lage (Rio de Janeiro, RJ, 1970): A pequena mo...
 Michel Laub (Porto Alegre, RS, 1973): Música anterior, O segundo 
tempo, O gato diz adeus, Diário da queda; 
 Luiz Henr...
 Cecília Giannetti (Rio de Janeiro, RJ, 1976): Lugares que não conheço, 
pessoas que nunca vi; 
 Ana Paula Maia (Rio de ...
 André de Leones (Goiânia, GO, 1980): Hoje está um dia 
morto, Paz na terra entre os monstros, Como desaparecer 
completa...
A chamada “Geração 00” vem causando certa polêmica 
entre os críticos na atualidade. Alguns afirmam se tratar 
apenas de u...
Já Italo Moriconi, organizador de Os cem melhores contos 
brasileiros do século (Objetiva), discorda um pouco de 
Flávio e...
Mas num ponto eles concordam: não há mais espaço para 
uma nova Clarice Lispector ou um novo Guimarães Rosa. 
Essa cobranç...
Italo Mariconi enfatiza ainda a importância da internet como novo 
“andaime” para a propagação da escrita, e não de ameaça...
Nelson de Oliveira, organizador da Geração 00, publicada 
pela Editora Língua Geral, que reúne os novos ficcionistas 
que ...
“[...] o nosso cotidiano se transformou num 
amontoado de bizarrices. A busca da juventude 
eterna, o consumismo desenfrea...
Referências Bibliográficas 
MARICONI, Italo. Literatura 00 (Começa agora o resto 
deste século). Revista online Cronópios....
RUFFATO, Luiz. Alguns apontamentos sobre a literatura 
brasileira contemporânea. Conexões Itaú Cultural. 
Disponível em: 
...
Fernanda Beatriz Niedermeyer 
Vanessa Kauana Daneluz 
Acadêmicas do 3º ano de Licenciatura em Letras 
pela Universidade Es...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A geração 00. Novo século, novas literaturas.

291 visualizações

Publicada em

Um breve panorama da chamada "Geração 00". Seus principais autores e a opinião de críticos a respeito da importância de uma "nova" literatura.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A geração 00. Novo século, novas literaturas.

  1. 1. A geração 00 NOVO SÉCULO, NOVAS LITERATURAS .
  2. 2. O fortalecimento da democracia e o protagonismo econômico do Brasil solidificaram as bases do mercado editorial, criando, pela primeira vez, um ambiente propício à profissionalização do escritor.
  3. 3. Há de se destacar a importância da Lei Rouanet, promulgada em 1991, que, embora ainda hoje suscite polêmicas, dinamizou a paisagem cultural, incentivando empresas privadas e pessoas físicas a destinar parte do Imposto de Renda devido ao patrocínio de atividades artísticas. O governo federal, e em menor escala algumas administrações estaduais e municipais, passaram a destinar verbas exclusivas para a compra de livros para as bibliotecas públicas e escolares, tornando o mercado editorial brasileiro financeiramente interessante .
  4. 4. O interesse renovado pela literatura parece estar ligado, de um lado, à ampliação do poder aquisitivo da população em geral e, de outro, ao fenômeno da internet, que, por suas características intrínsecas, exige um mínimo de letramento do usuário. Assim, os blogs, surgidos no Brasil a partir do final do Século XX, revelam novos autores que, após uma espécie de estágio no mundo virtual, migram para editoras comerciais. Os blogs são também responsáveis pela renovação do gênero conto (a narrativa curta é a que melhor se adequa ao espaço cibernético), gerando subprodutos, como o miniconto e o microconto. Uma última constatação: o acesso à internet democratizou a produção e o consumo da manifestação escrita, o que impeliu o aparecimento, com força, de autores das periferias das grandes cidades, em geral ligados ao hip hop, aglomerados num movimento autointitulado “literatura marginal”.
  5. 5. Alguns nomes ganham destaque com a “literatura marginal”, tais como: Ferréz (pseudônimo de Reginaldo Ferreira da Silva, São Paulo, 1975) que estreia em 2000 com Capão Redondo, retrato cruel de personagens encurralados pela violência na periferia de São Paulo, sem perspectivas, sem saída. Já Marcus Vinícius Faustini (Rio de Janeiro, RJ, 1973), em Guia afetivo da periferia, publicado em 2009, espécie de autobiografia romanceada, explora suas andanças de empregado sem qualificação por lugares afastados dos cartões-postais do Rio de Janeiro, num registro ao mesmo tempo realista e lírico.
  6. 6. São importantes nomes também:  Marcelino Freire (Sertânia, PE)  Evandro Affonso Ferreira (Araxá, MG)  Sérgio Rodrigues (Muriaé, MG)  Joca Reiners Terron (Cuiabá, MT) Nuno Ramos (São Paulo, SP)  José Castello (Rio de Janeiro, RJ) Maria Valéria Rezende (Santos, SP)
  7. 7.  Paulo Rodrigues (São Paulo, SP)  Lourenço Muttarelli (São Paulo, SP)  Paulo Scott (Porto Alegre, RS)  Edney Silvestre (Valença, RJ)
  8. 8. Os jovens escritores, nascidos a partir de 1970, e conhecidos como a “geração 00”, começam agora sua trajetória. Ainda é cedo para formar uma opinião definitiva sobre suas obras, mas alguns nomes já se destacam. Abaixo, uma lista dos principais nomes, que estrearam entre 2000 e 2009:
  9. 9.  Susana Fuentes (Rio de Janeiro, RJ): Escola de gigantes, Luzia;  Claudia Lage (Rio de Janeiro, RJ, 1970): A pequena morte e outras naturezas, Mundos de Eufrásia;  Ana Maria Gonçalves(Ibiá, MG, 1970): Um defeito de cor;  Paulo Sandrini (Vera Cruz, SP, 1971): O estranho hábito de dormir em pé, Códice d’incríveis objetos & Histórias de Lebesraum, Osculum obscenum, O rei era assim;  Whisner Fraga (Ituiutaba, MG, 1971): Seres & sombras, Coreografia de danados, As espirais de outubro, A cidade devolvida, Abismo poente, Sol entre noites;  Marcelo Moutinho (Rio de Janeiro , RJ, 1972): Memória dos barcos, Somos todos iguais nesta noite, A palavra ausente;  Carola Saavedra (Santiago, Chile, 1973): Do lado de fora, Toda terça, Flores azuis, Paisagem com dromedário;
  10. 10.  Michel Laub (Porto Alegre, RS, 1973): Música anterior, O segundo tempo, O gato diz adeus, Diário da queda;  Luiz Henrique Pellanda (Curitiba, PR, 1973): O macaco ornamental;  Verônica Sttiger (Porto Alegre, RS, 1973): O trágico e outras comédias, Gran Cabaret Demenzial, Os anões;  Carlos Brito e Melo (Belo Horizonte , MG, 1974): O cadáver ri de seus despojos, A passagem tensa dos corpos;  Paloma Vidal(Buenos Aires, Argentina, 1975): A duas mãos, Algum lugar, Mais ao Sul, Mar azul;  Andrea del Fuego (São Paulo, SP, 1975): Minto enquanto posso, Nego tudo, Engano seu, Nego fogo, Os Malaquias;  João Filho (Bom Jesus da Lapa, BA, 1975): Encarniçado ou Anotações de um comedor de cânhamo;  Ricardo Lísias (São Paulo, 1975): Cobertor de estrelas, Anna O. e outras novelas, Duas praças, O livro dos mandarins, O céu dos suicidas;
  11. 11.  Cecília Giannetti (Rio de Janeiro, RJ, 1976): Lugares que não conheço, pessoas que nunca vi;  Ana Paula Maia (Rio de Janeiro, RJ, 1977): O habitante das falhas subterrâneas, A guerra dos bastardos, Entre rinhas de cachorros e porcos abatidos, Carvão animal ;  Santiago Nazarian (São Paulo, SP, 1977): Olívio, A morte sem nome, Feriado de mim mesmo, Mastigando humanos, O prédio, o tédio e o menino cego, Pornofantasma;  João Paulo Cuenca (Rio de Janeiro, RJ, 1978): Corpo presente, O dia Mastroianni e O único final feliz para uma história de amor é um acidente;  Manoela Sawitski (Santo Ângelo, RS, 1978): Nuvens de Magalhães, Suíte Dama da Noite;  Daniel Galera (São Paulo, SP, 1979): Dentes guardados, Até o dia em que o cão morreu, Mãos de cavalo, Cordilheira,Barba ensopada de sangue;  Tatiana Salem Levy(Lisboa, Portugal, 1979): A chave de casa , Dois rios;
  12. 12.  André de Leones (Goiânia, GO, 1980): Hoje está um dia morto, Paz na terra entre os monstros, Como desaparecer completamente, Dentes negros, Terra de casas vazias;  Julián Fuks (São Paulo, 1981): Alberto, Ulisses, Carolina e eu, Histórias de literatura e cegueira, Procura do romance;  Renata Belmonte(Salvador, BA, 1982): O que não pode ser, Vestígios da Senhorita B.;  Carol Bensimon(Porto Alegre, RS, 1982): Pó de parede, Sinuca embaixo d’água.  Simone Campos(Rio de Janeiro, RJ, 1983): No shopping, A feia noite, Owned – um novo jogador, Amostra complexa.
  13. 13. A chamada “Geração 00” vem causando certa polêmica entre os críticos na atualidade. Alguns afirmam se tratar apenas de um rótulo, como Flávio Carneiro, autor de No país do presente: ficção brasileira no início do século 21, reunião de 65 resenhas de obras de autores novos e também de consagrados, que em entrevista afirma que “não se deve definir 'geração 2000', pois é apenas mais um rótulo, não ajuda em nada a entender o que se passa na ficção atual.”
  14. 14. Já Italo Moriconi, organizador de Os cem melhores contos brasileiros do século (Objetiva), discorda um pouco de Flávio e até arrisca algumas características da nova safra de escritores: “É uma geração mais linkada a uma literatura surgida a partir do suporte da internet. Às vezes, nem existem referências literárias, a inspiração pode estar vindo do próprio umbigo do escritor, como no caso dos blogueiros.”
  15. 15. Mas num ponto eles concordam: não há mais espaço para uma nova Clarice Lispector ou um novo Guimarães Rosa. Essa cobrança por um novo cânone, que normalmente parte dos próprios críticos, é por eles condenada. Não há mais uma cultura intelectual exclusivamente literária, terreno fértil para o surgimento de gênios. Para Flávio Carneiro, quem reclama a falta de uma ficção original brasileira nos últimos anos deveria rever seus conceitos de inovação. Afinal, o que não falta são bons escritores por aí.
  16. 16. Italo Mariconi enfatiza ainda a importância da internet como novo “andaime” para a propagação da escrita, e não de ameaça como a maioria das pessoas afirma. “A começar pelo fato de que o mais recente capítulo na história da civilização das imagens nos trouxe de volta a palavra escrita. Refiro-me ao computador pessoal, à internet. Se a crise da literatura fôra causada pela sensação de que a palavra escrita estava ameaçada de desaparecimento por efeito das imagens, o pós-crise se caracteriza pela recuperação de um lugar importante pela escrita no interior do simulacro, entendendo-se por simulacro a imagem tecnicamente produzida. A versão mais atualizada do simulacro é a imagem virtual, é o documento virtual, onde o texto escrito sempre se faz presente. A palavra escrita é um instrumento imprescindível na comunicação virtual. O grafema virtual é um híbrido de palavra e imagem.”
  17. 17. Nelson de Oliveira, organizador da Geração 00, publicada pela Editora Língua Geral, que reúne os novos ficcionistas que surgiram na última década, afirma no prefácio do livro que os 21 autores escolhidos possuem um traço em comum: o bizarro. Quando questionado, em entrevista, sobre o que define como bizarro nessas obras, Oliveira afirma que:
  18. 18. “[...] o nosso cotidiano se transformou num amontoado de bizarrices. A busca da juventude eterna, o consumismo desenfreado e a solidão coletiva das redes sociais, por exemplo, estão injetando altas doses de nonsense na realidade. O jeito, sugere Foley, é aceitar que vivemos num mundo maluco. A melhor parcela da Geração zero zero está escrevendo justamente sobre essa realidade excêntrica.”
  19. 19. Referências Bibliográficas MARICONI, Italo. Literatura 00 (Começa agora o resto deste século). Revista online Cronópios. Disponível em: <http://cronopios.com.br/site/colunistas.asp?id_usuario=5 0>. Acesso em 18 de novembro de 2014. _____. Blogueiros na berlinda. Entrevista. 27 de novembro de 2004. Flávio Carneiro Entrevistas. Entrevista concedida a Paula Barcellos. Disponível em: <http://www.flaviocarneiro.com.br/entrevistas/blogueiros naberlinda.html>. Acesso em 18 de novembro de 2004.
  20. 20. RUFFATO, Luiz. Alguns apontamentos sobre a literatura brasileira contemporânea. Conexões Itaú Cultural. Disponível em: <http://conexoesitaucultural.org.br/biblioteca/alguns-apontamentos- sobre-a-literatura-brasileira-contemporanea/>. Acesso em 18 de novembro de 2014. OLIVEIRA, Nelson. Será que o século 21 já “chegou” para os nossos autores?. Entrevista. 02 de março de 2011. Suplemento Cultural do Diário Oficial do Estado de Pernambuco. Entrevista concedida a autor desconhecido. Disponível em: <http://www.suplementopernambuco.com.br/index.php/edicoe s-anteriores/310.html#>.
  21. 21. Fernanda Beatriz Niedermeyer Vanessa Kauana Daneluz Acadêmicas do 3º ano de Licenciatura em Letras pela Universidade Estadual do Paraná – UNIOESTE.

×