Exercícios
I
1. As personagens intervenientes são o Rei
Leandro e o Bobo.
2. A acção decorre no jardim do palácio real de
...
4. O Bobo tece várias críticas. Por um lado, critica o
facto dos pobres, como ele, trabalharem demasiado e
nem terem tempo...
5. O Bobo afirma que os pobres não sonham,
porque sonhar é um luxo ao qual eles não têm
direito. Sonhar é tempo mal aprove...
6. a. «No jardim do palácio real de Helíria»;
b. «Rei Leandro passeia com o bobo»; «Pára, de
repente. Fica por momentos a ...
7. Os apartes ocorrem quando o Bobo fala sobre ser
deus e quando se dirige aos espectadores para falar
sobre o modo como o...
III
a. espaço; tempo;
b. cenas; personagens;
c. indicações cénicas; didascálias;
d. diálogo; monólogo; aparte.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Leandro

1.940 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.940
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
276
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Leandro

  1. 1. Exercícios I 1. As personagens intervenientes são o Rei Leandro e o Bobo. 2. A acção decorre no jardim do palácio real de Helíria. 3. O Rei encontra-se agitado, assustado e preocupado, porque teve um sonho em que perdia o seu manto, a sua coroa e o seu ceptro, ou seja, em que perdia o seu Reino.
  2. 2. 4. O Bobo tece várias críticas. Por um lado, critica o facto dos pobres, como ele, trabalharem demasiado e nem terem tempo para dormir. Critica o Rei (e todos os nobres) por se achar superior e pensar que os pobres não sonham, não choram, não têm pai, nem mãe, etc. Critica também o facto dos pobres viverem em condições sub-humanas e dos reis considerarem fundamental ter inimigos. 4.1. O Bobo é irónico quando afirma que é uma pessoa cheia de sorte por dormir ao frio e em cima de palha estendida no chão. Ao revelar que quando um inimigo faz com que ele seja espancado no pelourinho, ele afirma «Ainda bem que tenho inimigos» está também a ser irónico.
  3. 3. 5. O Bobo afirma que os pobres não sonham, porque sonhar é um luxo ao qual eles não têm direito. Sonhar é tempo mal aproveitado e os deuses não necessitam de mandar recados aos pobres.
  4. 4. 6. a. «No jardim do palácio real de Helíria»; b. «Rei Leandro passeia com o bobo»; «Pára, de repente. Fica por momentos a olhar para o bobo…»; «Aproxima-se do bobo e diz-lhe ao ouvido»; «afasta o bobo»; c. «com as mãos nas orelhas»; «agitado»; «afasta o bobo»; d. «Ri»; «com ar muito intrigado»; «rindo»; «agitado»; «retoma a sua dignidade real»; e. «Ri»; «rindo»; «irónico»; «agitado»; «retoma a sua dignidade real»;
  5. 5. 7. Os apartes ocorrem quando o Bobo fala sobre ser deus e quando se dirige aos espectadores para falar sobre o modo como os nobres vêem os pobres. II 1.1. Os elementos frásicos são: «Senhor»; «Ó sócio»; e «Meu senhor». 2. a. Palavra grave; b. Palavra aguda; c. Palavra esdrúxula; d. Palavra grave; e. Palavra aguda.
  6. 6. III a. espaço; tempo; b. cenas; personagens; c. indicações cénicas; didascálias; d. diálogo; monólogo; aparte.

×