Quadro global de                     «Os Lusíadas
                                                                        ...
Canto II
          O rei de Mombaça, instigado por Baco, convida a armada a entrar no porto, com a intenção de a
  1-9    ...
Canto IV
         O Gama continua a narrar ao rei de Melinde a História de Portugal: crise de 1383-1385 e parte
 1-27     ...
Canto VI
 1-5    Festa de despedida em Melinde e partida para a Índia.                                            Viagem d...
Canto VIII
                                                                                                               ...
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ft28 Quadro Global Lusiadas

8.165 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.184
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
438
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ft28 Quadro Global Lusiadas

  1. 1. Quadro global de «Os Lusíadas usíadas» PLA OS DA I TERVE ÇÃO ESTROFES ARRATIVA ARRADOR ARRATIVA DO POETA Canto I 1-3 PROPOSIÇÃO – o poeta propõe-se cantar os feitos gloriosos dos Portugueses. 4-5 I VOCAÇÃO – Camões invoca as Ninfas do Tejo (Tágides). POETA 6-18 DEDICATÓRIA – o poema é dedicado a el-rei D. Sebastião. 19 Início da ARRAÇÃO – a armada já navega no Oceano Índico. Viagem do Gama Consílio dos Deuses no Olimpo. Baco manifesta-se contra os Portugueses. Júpiter, Vénus e 20-41 Intervenção dos deuses Marte defendem-nos. A armada chega à Ilha de Moçambique, em frente à qual lança ferro. O Gama recebe mouros e o Viagem do Gama Regedor a bordo; este, instigado por Baco, tenta destruir os Portugueses, mas é vencido. 42-99 Fingindo-se arrependido, oferece-lhes um piloto para os guiar, mas cuja verdadeira missão é CAMÕES Intervenção dos deuses aniquilá-los. O piloto (falso) dirige a armada para Quíloa, com a intenção de a destruir, o que Vénus impede, Viagem do Gama 100-102 por meio de ventos contrários. Novas tentativas do mouro e nova intervenção de Vénus. Intervenção dos deuses 103-104 Chegada a Mombaça. Viagem do Gama 105-106 Exclamações do Poeta sobre os perigos que ameaçam o Homem. POETA
  2. 2. Canto II O rei de Mombaça, instigado por Baco, convida a armada a entrar no porto, com a intenção de a 1-9 Viagem do Gama destruir. Baco, fingindo-se sacerdote cristão, engana os dois condenados que vão levar falsas 10-13 Intervenção dos deuses informações ao Gama. Vasco da Gama recebe as falsas informações fornecidas pelos dois enviados e decide entrar no 14-18 Viagem do Gama porto. Em terra, prepara-se uma cilada. CAMÕES 19-24 Vénus e as Nereidas opõem o peito à nau do Gama, impedindo-a de entrar no porto. Intervenção dos deuses Com receio de terem sido descobertos, o piloto embarcado em Moçambique e os mouros que 25-28 Viagem do Gama tinham vindo de Mombaça fogem. 29-32 O Gama apercebe-se da situação e suplica à “Guarda Divina” que o conduza à terra que busca. Intervenção de Deus Vénus sobe ao Olimpo e queixa-se a Júpiter da falta de protecção dispensada aos Portugueses. CAMÕES Júpiter acede ao pedido da filha e profetiza feitos gloriosos para os Portugueses. 33-63 Intervenção dos deuses e Mercúrio é enviado a terra por Júpiter para preparar uma boa recepção em Melinde e, JÚPITER simultaneamente, inspirar ao Gama, através de sonhos, o caminho a seguir. 64-71 A armada sai de Mombaça e retoma a viagem. Viagem do Gama Os Portugueses chegam a Melinde, onde são magnificamente recebidos. CAMÕES 72-113 O rei de Melinde visita a armada e pede ao Gama que lhe conte a história de Portugal e a sua Viagem do Gama própria viagem. Canto III 1-2 Camões invoca Calíope. POETA 3-5 Vasco da Gama inicia a sua narração ao rei de Melinde, expondo-lhe o que lhe vai contar. História de Portugal 6-21 O Gama descreve a Europa e situa Portugal neste continente. História de Portugal Vasco da Gama, depois de aludir a Luso e a Viriato, fala do Conde D. Henrique e refere-se aos 22-118 História de Portugal VASCO DA reis de Portugal, de D. Afonso Henriques a D. Afonso IV. GAMA 119-135 O Gama conta o episódio de Inês de Castro (ainda no reinado de D. Afonso IV). História de Portugal 136-137 Vasco da Gama fala do rei D. Pedro e do seu reinado. História de Portugal 138-143 O Gama refere-se a D. Fernando e ao seu reinado e faz reflexões sobre o amor (140 a 143). História de Portugal
  3. 3. Canto IV O Gama continua a narrar ao rei de Melinde a História de Portugal: crise de 1383-1385 e parte 1-27 História de Portugal do reinado de D. João I. Vasco da Gama relata o episódio da Batalha de Aljubarrota (reinado de D. João I) – estrofes 28 28-45 História de Portugal a 44 – e os momentos que lhe sucedem – estrofe 45. O Gama continua a narração da História de Portugal: última parte do reinado de D. João I, VASCO DA 46-82 reinado de D. Duarte, D. Afonso V, D. João II e parte do reinado de D. Manuel I (exactamente História de Portugal GAMA até ao momento anterior à partida da sua armada). 83-89 Vasco da Gama refere a preparação da partida e as despedidas em Belém. História de Portugal 90-93 O Gama conclui o relato das despedidas em Belém. História de Portugal 94-104 Vasco da Gama narra o episódio do Velho do Restelo. História de Portugal Canto V 1-3 O Gama começa a narrar a sua viagem ao rei de Melinde. Partida de Lisboa. Viagem do Gama VASCO DA 4-36 Vasco da Gama relata a viagem até ao cabo das Tormentas. Viagem do Gama GAMA VASCO DA GAMA 37-60 O Gama refere o episódio do Gigante Adamastor. Viagem do Gama e ADAMASTOR 61-85 Vasco da gama conclui o relato da viagem até Melinde. Viagem do Gama VASCO DA 86-89 O Gama elogia a coragem dos Portugueses e conclui a sua narrativa. Viagem do Gama GAMA Camões faz considerações, criticando o desprezo que os seus contemporâneos revelam pela 90-100 POETA poesia.
  4. 4. Canto VI 1-5 Festa de despedida em Melinde e partida para a Índia. Viagem do Gama Baco desce ao palácio de Neptuno e convoca os deuses marinhos para um consílio, no qual se CAMÕES 6-37 Intervenção dos deuses vai decidir que Éolo solte os ventos contra os navegadores. CAMÕES A viagem prossegue. Para evitarem o sono, os Portugueses contam histórias: Veloso relata o Viagem do Gama 38-69 e episódio dos “Doze de Inglaterra”. História de Portugal MARINHEIROS Viagem do Gama 70-84 Tempestade e súplica do Gama à “ Divina Guarda” (81-83). Intervenção de Deus 85-91 Vénus intervém a favor dos Portugueses, mandando as Ninfas abrandarem os ventos. Intervenção dos deuses CAMÕES Viagem do Gama 92-94 Chegada a Calecut e agradecimento do Gama a Deus. Intervenção de Deus 95-99 Camões medita sobre o verdadeiro valor da glória. POETA Canto VII 1 A armada encontra-se na barra de Calecut. Viagem do Gama CAMÕES Camões elogia o espírito de cruzada dos portugueses e critica as nações europeias que não 2-14 POETA seguem tal exemplo. 15-22 Entrada no porto de Calecut e descrição da terra. Viagem do Gama 23-27 Primeiro contacto dos portugueses com os asiáticos. Viagem do Gama 28-41 O mouro Monçaide a frota e descreve o Malabar. Viagem do Gama O Gama e os nobres portugueses desembarcam e são recebidos pelo Catual que os conduz ao CAMÕES 42-66 Viagem do Gama Samorim, com o qual o Gama dialoga. 67-72 O Catual recebe informações dos portugueses (pelo mouro Monçaide). Viagem do Gama Paulo da Gama recebe o Catual na nau do capitão. Este pergunta-lhe o significado das figuras 73-77 Viagem do Gama pintadas nas bandeiras. 78-87 Camões invoca às Ninfas do Tejo e do Mondego e queixa-se dos seus infortúnios. POETA
  5. 5. Canto VIII PAULO DA 1-43 Paulo da Gama explica ao Catual as figuras pintadas nas bandeiras. História de Portugal GAMA 44-46 O Catual regressa a terra. Viagem do Gama 47-50 Baco aparece em sonhos a um sacerdote maometano, indispondo-o contra os portugueses. Intervenção dos deuses CAMÕES Em Calecut nasce a indisposição contra os portugueses. O Samorim, depois de longa discussão 51-95 com o Gama, determina que este regresse à armada mas o Catual, subornado pelos muçulmanos, Viagem do Gama decide retê-lo, só vindo a permitir o seu regresso às naus, resgatado por fazendas europeias. 96-99 Camões faz considerações sobre o valor do dinheiro. POETA Canto IX Dois feitores portugueses são retidos em terra, para empatar tempo, de modo a que uma armada muçulmana, vinda de Meca, destrua os portugueses. 1-17 Monçaide informa o Gama e este, como represália, retém na nau vários mercadores indianos que Viagem do Gama aí se encontravam e ordena a partida. Por ordem do Samorim, os dois feitores são restituídos ao CAMÕES Gama, os mercadores indianos têm ordem de regressar a terra e inicia-se a viagem de regresso. Vénus decide recompensar os navegantes e proporcionar-lhes uma agradável estadia na “Ilha 18-92 Intervenção dos deuses dos Amores”, onde serão tratados como deuses (divinização dos nautas). 93-95 Camões exorta aqueles que aspiram à imortalidade. POETA Canto X 1-7 Na “Ilha dos Amores”, as Ninfas oferecem um banquete aos navegantes. Intervenção dos deuses CAMÕES 8-9 Camões invoca, de novo, Calíope. POETA Uma Ninfa profetiza o futuro glorioso dos portugueses e Tétis conduz o Gama ao alto de um CAMÕES, 10-142 monte onde lhe mostra uma miniatura do Mundo, situando nele os locais onde os portugueses Intervenção dos deuses NINFA e hão-de praticar grandes feitos (profecias). TÉTIS 143-144 Viagem de regresso e chegada a Portugal. Viagem do Gama CAMÕES 145-156 Camões lamenta-se, exorta D. Sebastião e promete contar-lhe ao feitos futuros. POETA Estrofes destinadas a leitura orientada.

×