SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
Orçamento de Capital
grggggggggggggggggggg
ggggggggg
Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão
Objetivo da aula: o aluno deverá compreender quais são os FC relevantes para a tomada
de decisão e o efeito deles no cálculo do VPL.
Conteúdo: Fluxos de caixa incrementais. Sunk costs. Custo de oportunidade. Decisões de
investimento.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
2
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
O que é um orçamento de capital?
3
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Divulgação
• O orçamento de capital das empresas listadas em bolsa deve ser
divulgado antes da AGE, para aprovação dos acionistas, conforme a
ICVM 481/2009.
• Onde encontrar: no documento “Proposta da Administração”.
• P.s.: não venham me dizer que não encontraram no site de RI. Procurem
por “orçamento de capital”, “Proposta da Administração” etc. Se não
encontrarem de jeito nenhum, entrem em contato com o RI para saber
onde conseguem informações sobre a destinação dos lucros do último
ano. #SeVirem, mas encontrem!
4
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Divulgação
5
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Exemplo da Portobello
6
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Exemplo da Portobello
7
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Exemplo da Portobello
8
Essas informações serão úteis
para a estimação do CAPEX, na
sua valuation
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Exemplos na Vale e Cielo
1. http://www.investidorpetrobras.com.br/pt/comunicados-e-fatos-
relevantes/assembleia-geral-ordinaria
2. http://cielo.riweb.com.br/Show.aspx?IdMateria=PPq5q3g4lFIbpw1UlQ
FyFQ==
3. http://www.vale.com/PT/aboutvale/news/Paginas/nosso-orcamento-
de-investimentos-e-ped-em-2014-sera-de-us-14-bilhoes.aspx
4. http://www.vale.com/PT/aboutvale/news/Paginas/capex-2013.aspx
5. http://www.vale.com/PT/investors/investments/Capex/Capex/120312
Capex2013_p.pdf
9Percebam que os gastos são
altos. Isso justifica a análise
mais detalhada.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
É possível aprovar um orçamento e não gastar?
10
O valor ficará na reserva de lucros – até um limite.
Caso da CSU, em seu Estatuto Social:
Artigo 36 - Dos lucros líquidos apurados, serão destinados: a) 5% (cinco por cento), para a Reserva Legal, até atingir
20% (vinte por cento) do capital social; e b) 25% (vinte e cinco por cento), no mínimo, do lucro líquido ajustado,
calculado de acordo com o artigo 202 da Lei nº 6.404/76, para distribuição aos acionistas a título de dividendo
obrigatório.
Parágrafo Único - O saldo dos lucros líquidos terá a destinação determinada pela Assembleia Geral com base na
proposta da administração. Caso o saldo das reservas de lucros ultrapasse o capital social, a Assembleia Geral
deliberará sobre aplicações do excesso na integralização ou no aumento do capital social ou, ainda, na distribuição de
dividendos adicionais aos acionistas.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Conhecimento básico
• É necessário que o aluno tenha conhecimento de ferramentas básicas
de matemática financeira: VPL, TIR, payback, CAUE, VAUE etc.
11
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Técnicas básicas
12
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
INTRODUÇÃO
• Todos os custos são relevantes para a tomada de decisão?
• Eu comprei minhas passagens para BSB, porém não terei mais aula a
semana toda. Eu paguei R$ 400,00 na minha passagem com volta para o
sábado. Valeria à pena eu comprar outra passagem para voltar na terça?
• Se o meu custo de manutenção em BSB de terça até sábado fosse de R$
300,00, valeria à pena eu comprar outra passagem por R$ 200,00?
• Nas suas decisões, vocês devem considerar os custos relevantes!
13
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
FC diferenciais (incrementais)
• No cotidiano empresarial, os gestores sempre se deparam com mais de
uma alternativa (importante conhecer os custos).
• Os FC diferenciais são compostos pela diferença de FC entre uma
alternativa X e uma outra alternativa Y (fixos ou variáveis).
• Com base nisso, avaliamos se vale ou não a pena o investimento.
14
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
FC diferenciais (incrementais)
• Suponhamos que a Fama e French Ltda esteja analisando a troca do seu
sistema de comercialização, passando da distribuição por varejistas para
a distribuição por venda direta, porta a porta (e.g. Natura x Boticário).
Os custos e despesas atuais e projetados encontram-se na tabela do
próximo slide.
15
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
FC diferenciais (incrementais)
• Encontre os custos e receitas diferenciais (Adaptado de GARISON;
NOREEN, 2011).
16
Trabalhamos com LL só para exemplificar, mas valuation vocês já sabem que devem utilizar o FC
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
FC diferenciais (incrementais)
• Analisando os números da tabela anterior, você daria parecer favorável
à continuidade da venda em varejo, ou a proposta pra venda direta
parece ser mais viável? Por quê?
• Escreva um breve relatório explicando os motivos de sua recomendação
ao seu cliente. 5 minutos.
17
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Praticando...
• A RWJ recebeu uma proposta de vender a franquia da sua rede de lojas.
Os custos e receitas atuais, bem como os incrementais projetados estão
na tabela abaixo. Analise se vale a pena ou não investir nessa franquia,
fazendo um relatório para o dono da empresa (se faça entender!).
Tempo: 10 minutos.
18
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo de oportunidade
• Custo de oportunidade é um conceito econômico, não envolve
movimentação de numerário, mas deve ser considerado em todas as
decisões que couber.
• Custo de oportunidade representa o valor que seria obtido numa opção
que é descartada em benefício de outra (WENRKE, 2008).
• A desconsideração desse custo é um dos maiores problemas da
contabilidade financeira!
• Por ser muito subjetivo e de difícil mensuração não o inserimos na
contabilidade financeira...
19
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo de oportunidade
• Exemplo 1: Ciro, funcionário de uma empresa que tem como salário R$
1.500,00, recebe um convite do chefe para participar de um curso sobre
“a utilização de ferramentas de contabilidade custos para a tomada de
decisão”. No momento, Ciro decide não participar, pois o curso durará 6
meses, sendo às sextas à noite e aos sábados o dia inteiro, dessa forma
ele teria menos tempo para descansar, sair com os amigos, ir à praia etc.
1 ano depois, aparece uma vaga na mesma empresa na área de
contabilidade gerencial, com salário de R$ 3.500,00. Qual seria o custo
de oportunidade de Ciro na época do curso?
20
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo de oportunidade
• Exemplo 2: Arnaldo, gerente financeiro da Arnox Ltda, está com R$
70.000,00 de sobra de caixa no atual mês. Ele tem duas opções de
investir esse dinheiro: comprar um terreno que poderá servir para
expansão da loja, ou investir em títulos que gerem um retorno de 1% ao
mês. Qual é o custo de oportunidade da Arnox se ele decidir comprar o
terreno?
21
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo Irrecuperável (sunk cost)
• “(...) O que passou, passou. O que virá, virá. Invente um sonho novo, o
amanhã te espera (...)” (WANDO, S.d.).
• Esses custos já ocorreram e não podem ser alterados nem agora nem no
futuro – não são relevantes. É difícil convencer as pessoas disso!
22
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo Irrecuperável (sunk cost)
23
http://www.investopedia.com/terms/s/sunkcost.asp
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo Irrecuperável (sunk cost)
24
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo Irrecuperável (sunk cost)
25
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo Irrecuperável (sunk cost)
• Nós cometemos esse erro frequentemente. Consequentemente, as
empresas também.
• Por exemplo, o que você faz quando vai ao cinema e o filme é horrível?
• Nesse caso eu fui embora! Custo irrecuperável!!
26
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Custo Irrecuperável (sunk cost)
• Exemplo 1: Uma empresa comprou uma máquina de costura por R$
2.000,00, com vida útil de 10 anos. No ano seguinte, aparece uma nova
tecnologia e uma nova máquina por R$ 2.500,00. Essa nova tecnologia
faz com que a costura tenha uma melhor qualidade e produza o dobro
do que a outra máquina produz. O gerente não deverá levar em conta o
investimento na máquina anterior, pois é um custo perdido,
irrecuperável.
• Na época da compra anterior, o custo dela era relevante. Hoje não.
27
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
IDENTIFICAÇÃO DOS FC RELEVANTES
• “Somente os custos e os benefícios que se comportam de modo
diferente nas alternativas interessam à decisão” (GARRISON; NOREEN,
2001, p.432).
• É necessário saber quais são os custos evitáveis.
28
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Praticando...
• João e Augusto, dois amigos que torcem para o mesmo time e dividem um
apartamento, querem assistir ao grande clássico deste domingo. Porém o
jogo passará na televisão. Então eles resolvem analisar os custos: assistir na
TV, nós teremos que comprar o jogo pela operadora e o custo é de R$ 40,00;
porém cada entrada custa R$ 15,00, mais os R$ 20,00 de taxi. Com esses
dados, João chega à conclusão de que é melhor assistir ao jogo em casa, já
que o custo dos ingressos (15 + 15 +20) supera o custo de comprar o jogo
(40). Porém, Augusto (que prefere assistir no estádio), considera que o cálculo
de João está incompleto, porque ele não considerou o aluguel do
apartamento, que, dividido por cada dia do mês, dá algo em torno de R$
23,00, sendo então o custo de assistir em casa de R$ 63,00 (40+23), não R$
40,00. Quem está correto, João ou Augusto? Justifique, utilizando os
conceitos vistos anteriormente de custos evitáveis, irrecuperáveis, futuros
ou/e diferenciais, por exemplo. Escreva sua resposta: 5 minutos!
29
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
IDENTIFICAÇÃO DOS FC RELEVANTES
• IMPORTANTE: é preciso lembrar que alguns custos são irrelevantes para
uma determinada situação, mas podem ser relevantes para outra.
Imagine se Augusto e João morassem ao lado do estádio. O custo de ir
ao estádio seria de apenas R$ 30,00. Mais barato que os R$ 40,00 pagos
para comprar pela TV.
30
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
IDENTIFICAÇÃO DOS FC RELEVANTES
• Questão conceitual:
• Por que é necessário separar os custos relevantes dos custos não
relevantes, para a tomada de decisão?
31
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudo de caso prático
Substituição de uma máquina seminova por uma nova
• Você é administrador financeiro da empresa que fabrica carrinhos de
supermercado. Você quer mostrar ao Diretor da empresa que
comprando uma nova máquina de solda, poderá apresentar um lucro
maior. O gestor não acredita que a venda de uma máquina seminova
que está lançada na contabilidade no valor de R$140.000,00, por R$
90.000,00, possa trazer lucro. Prove que você está certo em números!
Identifique os custos e benefícios relevantes e forneça a informação em
pelo menos 5 linhas.
• Continua... Anotem essas informações
32
Fazer em grupo de até três pessoas
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudo de caso prático
33Dica: projete uma DRE para os dois casos,
nos próximos 4 anos e compare.
Por simplificação, não considere o valor do
dinheiro no tempo.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudo de caso prático
• Se considerarmos o valor do dinheiro no tempo, com WACC de 12% a.a.
mudaria sua decisão do caso anterior?
34
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Valor Presente Líquido (VPL)
• Exercício 2: Analise qual das duas opções abaixo é a mais econômica
para a sua empresa (admita que a opção que dura 4 anos pode ser
repetida ao mesmo custo):
35
A B
Custo inicial 400.000 600.000
Vida útil 4 anos 8 anos
Valor residual 40.000 80.000
Manutenção anual 10.000 20.000
TMA 10%
Obs.: se não houver repetição, tem que usar o VAUE
ou CAUE – vistos em análise de investimentos
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudos de caso (VPL)
1. Investimento em um posto de gasolina.
2. GNV ou gasolina?
36
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Compra de um posto de gasolina
• Analise, com base na TIR e VPL, se vale ou não à pena investir no posto.
Façam no Excel em casa também:
a) Investimento físico: $ 120.000 em cada um dos 4 primeiros meses (t0 até t3)
b) Margem de contribuição unitária: $ 0,20 – gasolina, $ 0,15 – álcool e $ 0,10 –
diesel.
c) Custos fixos mensais: $ 22.000
d) Demanda mensal em litros: gasolina = 110.000, álcool = 50.000 e diesel =
230.000
e) TMA = 8% a.m.
f) Manter-se-á o posto por 36 meses
g) No 37º o posto será vendido pelo custo inicial.
h) Considere que o posto só entrará em funcionamento após os 4 meses de
construção, ou seja, no tempo 4.
37
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Gasolina ou GNV? (W)
38
• Dados:
1. Custo da conversão: R$ 4.000,00
2. Valor de revenda do kit após 3 anos (prazo de renovação da frota): R$ 1.200,00
3. Quilometragem mensal percorrida: 3.200 km
4. Km/Litro de gasolina: 12 Km/Litro
5. Preço do litro da gasolina: R$ 2,60
6. Após a conversão ao GNV será preciso percorrer ainda 400 Km por mês com
gasolina
7. Km/m³ de GNV: 14 km/m³
8. Preço do m³ do GNV: R$ 1,499
9. Considere que a TMA é 1,2% a.m.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Taxa Interna de Retorno (TIR)
• Definição: é a taxa que faz com que todos os FC futuros se igualem, a
valor presente, com o FC do tempo zero. Ou seja: a TIR faz o VPL ser
igual a ZERO.
• Para que serve a TIR?
• Exemplo: é feito um investimento de $ 1.000,00 que renderá $ 200,00
por ano durante 6 anos. Qual é a TIR desse projeto?
• Exemplo 2: Qual é a TIR de um projeto que tem os seguintes FC,
começando o tempo 0: -2.000; -1.000; 600; 600; 600; e 2.000.
• OBS.: a TIR só pode ser usada quando temos valores de FCs positivos e
negativos. Não apenas de um tipo!
39
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
TIR
• Regra geral para decisão de investimentos com base na TIR:
– Se: TIR > TMA, investimento viável
– Se: TIR > 0, mas TIR < TMA, o investimento é rentável, porém rende menos do
que o esperado. Cabe ao gestor decidir se aplica ou não os recursos.
– Se: TIR < 0, investimento inviável.
• Regra geral para decisão de captação com base na TIR:
– Se: TIR > 0, mas TIR < TMA, o “empréstimo” é viável, pois o custo é menor do que
o retorno esperado.
– Se: TIR > 0, mas TIR > TMA, o “empréstimo” está “caro”.
40
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Índice de lucratividade
• Consiste em mais uma ferramenta para comparar projetos de
investimentos.
• O IL é dado pela razão entre os VPs dos FCs futuros do projeto e o
investimento inicial. Ou seja: quanto estou tendo de benefício (FC) para
cada $ aplicado no projeto.
• Sempre que o IL for maior que 1, é porque a TIR é maior do que a TMA,
consequentemente o VPL será positivo.
• Exemplo: calcule o IL de um projeto com os seguintes FCs, começando
do tempo 0: - 1.000; 400; 500; 600. Considere uma TMA de 12%.
41
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Índice de lucratividade
• Exemplo 2: analise o seguinte projeto por meio da TIR, VPL e IL: -10.000;
5.000; 7.000; 3.000. A TMA é de 10%.
42
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Questão conceitual
1. Defina TIR, IL e TMA. Para que elas servem? O que diferencia uma da
outra?
43
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Payback
• O payback nos dá o prazo em que o capital investido será recuperado. É
uma ferramenta complementar.
• Exemplo: qual é o PB dos seguintes projetos:
a) - 600; 200; 400; 300
b) -200; 50; 100; 250
• Esse PB simples não considera o valor do dinheiro no tempo, como é o
caso das outras alternativas vistas anteriormente.
44
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Payback descontado
• Para calcular o PB descontado, basta descontar os FC à TMA.
• Exemplo: qual é o PB dos seguintes projetos, considerando uma TMA de
20%:
a) - 600; 200; 400; 300
b) -200; 50; 100; 250
45
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
VPL e TIR
• De modo geral, tanto pela TIR quanto pelo VPL, a decisão será a mesma,
porque a TIR positiva gera VPL positivo.
• Em projetos mutuamente excludentes:
– Os reinvestimentos serão feitos considerando a TMA atual, com o VPL.
– Pela TIR, os reinvestimentos serão feitos com base na taxa interna de retorno,
que pode ser maior ou menor do que a TMA.
– Essa diferença pode levar a decisões distintas.
– Recomenda-se utilizar o VPL, pois considera o custo de oportunidade atual da
empresa.
46
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Análise de Sensibilidade
• A análise de sensibilidade consiste em analisar as variações causadas
por itens que nós prevemos incorretamente ou que variaram de acordo
com a conjuntura econômica ou outros fatores incontroláveis.
• Mais à frente faremos a análise de sensibilidade do posto de gasolina.
47
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Análise de Sensibilidade
• A análise de sensibilidade consiste em analisar as variações causadas
por itens que nós prevemos incorretamente ou que variaram de acordo
com a conjuntura econômica ou outros fatores incontroláveis.
• Mais à frente faremos a análise de sensibilidade do posto de gasolina.
48
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudo de caso
• Eu resolvo esse estudo de caso, para vocês perceberem o que tem que
ser feito.
• Oportunidade de trabalho.
49
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudo de caso
• Analise se vale ou não à pena investir no posto.
a) Investimento físico: $ 120.000 em cada um dos 4 primeiros meses (t0 até t3)
b) Margem de contribuição unitária: $ 0,20 – gasolina, $ 0,15 – álcool e $ 0,10 –
diesel.
c) Custos fixos mensais: $ 22.000
d) Demanda mensal em litros: gasolina = 110.000, álcool = 50.000 e diesel =
230.000
e) TMA = 8% a.m.
f) Manter-se-á o posto por 36 meses
g) No 37º o posto será vendido pelo custo inicial
h) Considere que a demanda por combustíveis possa ser 20% menor ou 20%
maior do que o esperado.
50
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Estudo de caso
• Estudo de caso com projeções de cenários e VPLs.
51
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Recomendação de leitura:
• MIRANDA, Luiz Carlos et al. Decisões de Investimento na Presença de
Sunk Costs: será que os contadores são mais racionais?.Sociedade,
Contabilidade e Gestão, v. 5, n. 2, 2011.
• (Será que os alunos de atuária da UFPB são racionais?)
52
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Questões conceituais
• Quais são os procedimentos de orçamento de capital frequentemente
usados?
• Se o VPL é conceitualmente o melhor procedimento para o orçamento
de capital, por que você acha que, na prática, são usadas várias
medidas?
53
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Trazer pronto na próxima aula
• “Questões e Problemas” do livro de Ross, Westerfield e Jaffe (capítulo
7):
– 7.1;
– 7.4; e
– 7.8
54
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Trabalho adicional
• No mesmo grupo da Valuation.
• Analise, na empresa em que você trabalha ou na sua casa, a viabilidade
da troca de algum equipamento, utilizando uma das metodologias
apresentadas durante a aula.
55
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Para ter acesso a mais conteúdos, acesse:
– Blogs
www.ContabilidadeMQ.com.br
www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com
– Facebook:
www.facebook.com/ContabilidadeMQ
– Twitter:
www.twitter.com/ContabilidadeMQ
– YouTube:
www.youtube.com/ContabilidadeMQ
56
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
57
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD     1
,,2,,10
𝑃𝑡 =
𝜏=1
∞
𝑅𝑓−𝑡
𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Porcentagem e juros simples e compostos
Porcentagem e juros simples e compostosPorcentagem e juros simples e compostos
Porcentagem e juros simples e compostosEgonDaniel
 
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo AlvimAvaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo AlvimValor da Empresa
 
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da ContabilidadeAtivos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da ContabilidadeHerlon Moitinho
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basicaDayane Dias
 
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00apostilacontabil
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Rafael Gonçalves
 
Tudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre InvestimentosTudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre InvestimentosYupee
 
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00capitulocontabil
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasLuciano Pires
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão FinanceiraCadernos PPT
 
Aula 4 debito e credito
Aula 4  debito e creditoAula 4  debito e credito
Aula 4 debito e creditoElane Silva
 
Cálculo VPL, TIR e TIRM
Cálculo VPL, TIR e TIRMCálculo VPL, TIR e TIRM
Cálculo VPL, TIR e TIRMTailine Silva
 
Apostila 10 orçamento de caixa
Apostila 10   orçamento de caixaApostila 10   orçamento de caixa
Apostila 10 orçamento de caixazeramento contabil
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Rafael Gonçalves
 
Contabilidade razonetes resolvidos
Contabilidade razonetes resolvidosContabilidade razonetes resolvidos
Contabilidade razonetes resolvidosrazonetecontabil
 

Mais procurados (20)

Porcentagem e juros simples e compostos
Porcentagem e juros simples e compostosPorcentagem e juros simples e compostos
Porcentagem e juros simples e compostos
 
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo AlvimAvaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
Avaliacao de Empresas por Prof. Marcelo Alvim
 
Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]
 
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da ContabilidadeAtivos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012Aula   Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
Aula Administração do capital de giro - adm caixa 07.05.2012
 
Risco e retorno
Risco e retornoRisco e retorno
Risco e retorno
 
Tudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre InvestimentosTudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
 
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00Lançamentos em razonetes resolvidos 00
Lançamentos em razonetes resolvidos 00
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
Aula 4 debito e credito
Aula 4  debito e creditoAula 4  debito e credito
Aula 4 debito e credito
 
Cálculo VPL, TIR e TIRM
Cálculo VPL, TIR e TIRMCálculo VPL, TIR e TIRM
Cálculo VPL, TIR e TIRM
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Apostila 10 orçamento de caixa
Apostila 10   orçamento de caixaApostila 10   orçamento de caixa
Apostila 10 orçamento de caixa
 
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011Aula 1   Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
Aula 1 Introdução à Gestão Financeira 06.04.2011
 
Idec Aberto "Educação Financeira"
Idec Aberto "Educação Financeira"Idec Aberto "Educação Financeira"
Idec Aberto "Educação Financeira"
 
Contabilidade razonetes resolvidos
Contabilidade razonetes resolvidosContabilidade razonetes resolvidos
Contabilidade razonetes resolvidos
 

Semelhante a Orçamento de Capital e VPL

VPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalVPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalFelipe Pontes
 
Revisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: QuantsRevisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: QuantsFelipe Pontes
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaFelipe Pontes
 
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosAvaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosFelipe Pontes
 
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói Estratégia Concursos
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalFelipe Pontes
 
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158Acade Consultoria
 
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158Acade Consultoria
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Felipe Pontes
 
Prova Comenta - Exame CFC 2016.2
Prova Comenta - Exame CFC 2016.2Prova Comenta - Exame CFC 2016.2
Prova Comenta - Exame CFC 2016.2Gabrielrabelo87
 
Simulado fcc-10.08.2018
Simulado fcc-10.08.2018Simulado fcc-10.08.2018
Simulado fcc-10.08.2018mattoso1970
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosFelipe Pontes
 
parasempre
parasempreparasempre
parasempreatre3
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Felipe Pontes
 
Contabilidade topicos avançados 0
Contabilidade topicos avançados 0Contabilidade topicos avançados 0
Contabilidade topicos avançados 0J M
 
Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)
Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)
Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)Estratégia Concursos
 
Exercicios revisão para prova
Exercicios   revisão para provaExercicios   revisão para prova
Exercicios revisão para provaUniversal.org.mx
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoFelipe Pontes
 
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisFelipe Pontes
 

Semelhante a Orçamento de Capital e VPL (20)

VPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalVPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de Capital
 
Revisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: QuantsRevisão para o enade 2015: Quants
Revisão para o enade 2015: Quants
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
 
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosAvaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
 
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
 
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO VLR 50,00 WPP (92) 994683158
 
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158
DESAFIO PROFISSIONAL AREZZO CONTABILIDADE VLR 50,00 (92) 994683158
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
 
Prova Comenta - Exame CFC 2016.2
Prova Comenta - Exame CFC 2016.2Prova Comenta - Exame CFC 2016.2
Prova Comenta - Exame CFC 2016.2
 
Motivos iss-cuiabá
Motivos iss-cuiabáMotivos iss-cuiabá
Motivos iss-cuiabá
 
Simulado fcc-10.08.2018
Simulado fcc-10.08.2018Simulado fcc-10.08.2018
Simulado fcc-10.08.2018
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentos
 
parasempre
parasempreparasempre
parasempre
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
 
Contabilidade topicos avançados 0
Contabilidade topicos avançados 0Contabilidade topicos avançados 0
Contabilidade topicos avançados 0
 
Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)
Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)
Destaques das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBCs)
 
Exercicios revisão para prova
Exercicios   revisão para provaExercicios   revisão para prova
Exercicios revisão para prova
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
 
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
 

Mais de Felipe Pontes

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationFelipe Pontes
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasFelipe Pontes
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFelipe Pontes
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaFelipe Pontes
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationFelipe Pontes
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaFelipe Pontes
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasFelipe Pontes
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeFelipe Pontes
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaFelipe Pontes
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasFelipe Pontes
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeFelipe Pontes
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesFelipe Pontes
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBFelipe Pontes
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsFelipe Pontes
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBFelipe Pontes
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationFelipe Pontes
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosFelipe Pontes
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationFelipe Pontes
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma Felipe Pontes
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoFelipe Pontes
 

Mais de Felipe Pontes (20)

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresas
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
 

Orçamento de Capital e VPL

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Orçamento de Capital grggggggggggggggggggg ggggggggg Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão Objetivo da aula: o aluno deverá compreender quais são os FC relevantes para a tomada de decisão e o efeito deles no cálculo do VPL. Conteúdo: Fluxos de caixa incrementais. Sunk costs. Custo de oportunidade. Decisões de investimento.
  • 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 2 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!
  • 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br O que é um orçamento de capital? 3
  • 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Divulgação • O orçamento de capital das empresas listadas em bolsa deve ser divulgado antes da AGE, para aprovação dos acionistas, conforme a ICVM 481/2009. • Onde encontrar: no documento “Proposta da Administração”. • P.s.: não venham me dizer que não encontraram no site de RI. Procurem por “orçamento de capital”, “Proposta da Administração” etc. Se não encontrarem de jeito nenhum, entrem em contato com o RI para saber onde conseguem informações sobre a destinação dos lucros do último ano. #SeVirem, mas encontrem! 4
  • 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Exemplo da Portobello 8 Essas informações serão úteis para a estimação do CAPEX, na sua valuation
  • 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Exemplos na Vale e Cielo 1. http://www.investidorpetrobras.com.br/pt/comunicados-e-fatos- relevantes/assembleia-geral-ordinaria 2. http://cielo.riweb.com.br/Show.aspx?IdMateria=PPq5q3g4lFIbpw1UlQ FyFQ== 3. http://www.vale.com/PT/aboutvale/news/Paginas/nosso-orcamento- de-investimentos-e-ped-em-2014-sera-de-us-14-bilhoes.aspx 4. http://www.vale.com/PT/aboutvale/news/Paginas/capex-2013.aspx 5. http://www.vale.com/PT/investors/investments/Capex/Capex/120312 Capex2013_p.pdf 9Percebam que os gastos são altos. Isso justifica a análise mais detalhada.
  • 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br É possível aprovar um orçamento e não gastar? 10 O valor ficará na reserva de lucros – até um limite. Caso da CSU, em seu Estatuto Social: Artigo 36 - Dos lucros líquidos apurados, serão destinados: a) 5% (cinco por cento), para a Reserva Legal, até atingir 20% (vinte por cento) do capital social; e b) 25% (vinte e cinco por cento), no mínimo, do lucro líquido ajustado, calculado de acordo com o artigo 202 da Lei nº 6.404/76, para distribuição aos acionistas a título de dividendo obrigatório. Parágrafo Único - O saldo dos lucros líquidos terá a destinação determinada pela Assembleia Geral com base na proposta da administração. Caso o saldo das reservas de lucros ultrapasse o capital social, a Assembleia Geral deliberará sobre aplicações do excesso na integralização ou no aumento do capital social ou, ainda, na distribuição de dividendos adicionais aos acionistas.
  • 11. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Conhecimento básico • É necessário que o aluno tenha conhecimento de ferramentas básicas de matemática financeira: VPL, TIR, payback, CAUE, VAUE etc. 11
  • 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br INTRODUÇÃO • Todos os custos são relevantes para a tomada de decisão? • Eu comprei minhas passagens para BSB, porém não terei mais aula a semana toda. Eu paguei R$ 400,00 na minha passagem com volta para o sábado. Valeria à pena eu comprar outra passagem para voltar na terça? • Se o meu custo de manutenção em BSB de terça até sábado fosse de R$ 300,00, valeria à pena eu comprar outra passagem por R$ 200,00? • Nas suas decisões, vocês devem considerar os custos relevantes! 13
  • 14. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br FC diferenciais (incrementais) • No cotidiano empresarial, os gestores sempre se deparam com mais de uma alternativa (importante conhecer os custos). • Os FC diferenciais são compostos pela diferença de FC entre uma alternativa X e uma outra alternativa Y (fixos ou variáveis). • Com base nisso, avaliamos se vale ou não a pena o investimento. 14
  • 15. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br FC diferenciais (incrementais) • Suponhamos que a Fama e French Ltda esteja analisando a troca do seu sistema de comercialização, passando da distribuição por varejistas para a distribuição por venda direta, porta a porta (e.g. Natura x Boticário). Os custos e despesas atuais e projetados encontram-se na tabela do próximo slide. 15
  • 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br FC diferenciais (incrementais) • Encontre os custos e receitas diferenciais (Adaptado de GARISON; NOREEN, 2011). 16 Trabalhamos com LL só para exemplificar, mas valuation vocês já sabem que devem utilizar o FC
  • 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br FC diferenciais (incrementais) • Analisando os números da tabela anterior, você daria parecer favorável à continuidade da venda em varejo, ou a proposta pra venda direta parece ser mais viável? Por quê? • Escreva um breve relatório explicando os motivos de sua recomendação ao seu cliente. 5 minutos. 17
  • 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Praticando... • A RWJ recebeu uma proposta de vender a franquia da sua rede de lojas. Os custos e receitas atuais, bem como os incrementais projetados estão na tabela abaixo. Analise se vale a pena ou não investir nessa franquia, fazendo um relatório para o dono da empresa (se faça entender!). Tempo: 10 minutos. 18
  • 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo de oportunidade • Custo de oportunidade é um conceito econômico, não envolve movimentação de numerário, mas deve ser considerado em todas as decisões que couber. • Custo de oportunidade representa o valor que seria obtido numa opção que é descartada em benefício de outra (WENRKE, 2008). • A desconsideração desse custo é um dos maiores problemas da contabilidade financeira! • Por ser muito subjetivo e de difícil mensuração não o inserimos na contabilidade financeira... 19
  • 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo de oportunidade • Exemplo 1: Ciro, funcionário de uma empresa que tem como salário R$ 1.500,00, recebe um convite do chefe para participar de um curso sobre “a utilização de ferramentas de contabilidade custos para a tomada de decisão”. No momento, Ciro decide não participar, pois o curso durará 6 meses, sendo às sextas à noite e aos sábados o dia inteiro, dessa forma ele teria menos tempo para descansar, sair com os amigos, ir à praia etc. 1 ano depois, aparece uma vaga na mesma empresa na área de contabilidade gerencial, com salário de R$ 3.500,00. Qual seria o custo de oportunidade de Ciro na época do curso? 20
  • 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo de oportunidade • Exemplo 2: Arnaldo, gerente financeiro da Arnox Ltda, está com R$ 70.000,00 de sobra de caixa no atual mês. Ele tem duas opções de investir esse dinheiro: comprar um terreno que poderá servir para expansão da loja, ou investir em títulos que gerem um retorno de 1% ao mês. Qual é o custo de oportunidade da Arnox se ele decidir comprar o terreno? 21
  • 22. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo Irrecuperável (sunk cost) • “(...) O que passou, passou. O que virá, virá. Invente um sonho novo, o amanhã te espera (...)” (WANDO, S.d.). • Esses custos já ocorreram e não podem ser alterados nem agora nem no futuro – não são relevantes. É difícil convencer as pessoas disso! 22
  • 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo Irrecuperável (sunk cost) 23 http://www.investopedia.com/terms/s/sunkcost.asp
  • 26. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo Irrecuperável (sunk cost) • Nós cometemos esse erro frequentemente. Consequentemente, as empresas também. • Por exemplo, o que você faz quando vai ao cinema e o filme é horrível? • Nesse caso eu fui embora! Custo irrecuperável!! 26
  • 27. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Custo Irrecuperável (sunk cost) • Exemplo 1: Uma empresa comprou uma máquina de costura por R$ 2.000,00, com vida útil de 10 anos. No ano seguinte, aparece uma nova tecnologia e uma nova máquina por R$ 2.500,00. Essa nova tecnologia faz com que a costura tenha uma melhor qualidade e produza o dobro do que a outra máquina produz. O gerente não deverá levar em conta o investimento na máquina anterior, pois é um custo perdido, irrecuperável. • Na época da compra anterior, o custo dela era relevante. Hoje não. 27
  • 28. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br IDENTIFICAÇÃO DOS FC RELEVANTES • “Somente os custos e os benefícios que se comportam de modo diferente nas alternativas interessam à decisão” (GARRISON; NOREEN, 2001, p.432). • É necessário saber quais são os custos evitáveis. 28
  • 29. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Praticando... • João e Augusto, dois amigos que torcem para o mesmo time e dividem um apartamento, querem assistir ao grande clássico deste domingo. Porém o jogo passará na televisão. Então eles resolvem analisar os custos: assistir na TV, nós teremos que comprar o jogo pela operadora e o custo é de R$ 40,00; porém cada entrada custa R$ 15,00, mais os R$ 20,00 de taxi. Com esses dados, João chega à conclusão de que é melhor assistir ao jogo em casa, já que o custo dos ingressos (15 + 15 +20) supera o custo de comprar o jogo (40). Porém, Augusto (que prefere assistir no estádio), considera que o cálculo de João está incompleto, porque ele não considerou o aluguel do apartamento, que, dividido por cada dia do mês, dá algo em torno de R$ 23,00, sendo então o custo de assistir em casa de R$ 63,00 (40+23), não R$ 40,00. Quem está correto, João ou Augusto? Justifique, utilizando os conceitos vistos anteriormente de custos evitáveis, irrecuperáveis, futuros ou/e diferenciais, por exemplo. Escreva sua resposta: 5 minutos! 29
  • 30. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br IDENTIFICAÇÃO DOS FC RELEVANTES • IMPORTANTE: é preciso lembrar que alguns custos são irrelevantes para uma determinada situação, mas podem ser relevantes para outra. Imagine se Augusto e João morassem ao lado do estádio. O custo de ir ao estádio seria de apenas R$ 30,00. Mais barato que os R$ 40,00 pagos para comprar pela TV. 30
  • 31. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br IDENTIFICAÇÃO DOS FC RELEVANTES • Questão conceitual: • Por que é necessário separar os custos relevantes dos custos não relevantes, para a tomada de decisão? 31
  • 32. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudo de caso prático Substituição de uma máquina seminova por uma nova • Você é administrador financeiro da empresa que fabrica carrinhos de supermercado. Você quer mostrar ao Diretor da empresa que comprando uma nova máquina de solda, poderá apresentar um lucro maior. O gestor não acredita que a venda de uma máquina seminova que está lançada na contabilidade no valor de R$140.000,00, por R$ 90.000,00, possa trazer lucro. Prove que você está certo em números! Identifique os custos e benefícios relevantes e forneça a informação em pelo menos 5 linhas. • Continua... Anotem essas informações 32 Fazer em grupo de até três pessoas
  • 33. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudo de caso prático 33Dica: projete uma DRE para os dois casos, nos próximos 4 anos e compare. Por simplificação, não considere o valor do dinheiro no tempo.
  • 34. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudo de caso prático • Se considerarmos o valor do dinheiro no tempo, com WACC de 12% a.a. mudaria sua decisão do caso anterior? 34
  • 35. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Valor Presente Líquido (VPL) • Exercício 2: Analise qual das duas opções abaixo é a mais econômica para a sua empresa (admita que a opção que dura 4 anos pode ser repetida ao mesmo custo): 35 A B Custo inicial 400.000 600.000 Vida útil 4 anos 8 anos Valor residual 40.000 80.000 Manutenção anual 10.000 20.000 TMA 10% Obs.: se não houver repetição, tem que usar o VAUE ou CAUE – vistos em análise de investimentos
  • 36. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudos de caso (VPL) 1. Investimento em um posto de gasolina. 2. GNV ou gasolina? 36
  • 37. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Compra de um posto de gasolina • Analise, com base na TIR e VPL, se vale ou não à pena investir no posto. Façam no Excel em casa também: a) Investimento físico: $ 120.000 em cada um dos 4 primeiros meses (t0 até t3) b) Margem de contribuição unitária: $ 0,20 – gasolina, $ 0,15 – álcool e $ 0,10 – diesel. c) Custos fixos mensais: $ 22.000 d) Demanda mensal em litros: gasolina = 110.000, álcool = 50.000 e diesel = 230.000 e) TMA = 8% a.m. f) Manter-se-á o posto por 36 meses g) No 37º o posto será vendido pelo custo inicial. h) Considere que o posto só entrará em funcionamento após os 4 meses de construção, ou seja, no tempo 4. 37
  • 38. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Gasolina ou GNV? (W) 38 • Dados: 1. Custo da conversão: R$ 4.000,00 2. Valor de revenda do kit após 3 anos (prazo de renovação da frota): R$ 1.200,00 3. Quilometragem mensal percorrida: 3.200 km 4. Km/Litro de gasolina: 12 Km/Litro 5. Preço do litro da gasolina: R$ 2,60 6. Após a conversão ao GNV será preciso percorrer ainda 400 Km por mês com gasolina 7. Km/m³ de GNV: 14 km/m³ 8. Preço do m³ do GNV: R$ 1,499 9. Considere que a TMA é 1,2% a.m.
  • 39. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Taxa Interna de Retorno (TIR) • Definição: é a taxa que faz com que todos os FC futuros se igualem, a valor presente, com o FC do tempo zero. Ou seja: a TIR faz o VPL ser igual a ZERO. • Para que serve a TIR? • Exemplo: é feito um investimento de $ 1.000,00 que renderá $ 200,00 por ano durante 6 anos. Qual é a TIR desse projeto? • Exemplo 2: Qual é a TIR de um projeto que tem os seguintes FC, começando o tempo 0: -2.000; -1.000; 600; 600; 600; e 2.000. • OBS.: a TIR só pode ser usada quando temos valores de FCs positivos e negativos. Não apenas de um tipo! 39
  • 40. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br TIR • Regra geral para decisão de investimentos com base na TIR: – Se: TIR > TMA, investimento viável – Se: TIR > 0, mas TIR < TMA, o investimento é rentável, porém rende menos do que o esperado. Cabe ao gestor decidir se aplica ou não os recursos. – Se: TIR < 0, investimento inviável. • Regra geral para decisão de captação com base na TIR: – Se: TIR > 0, mas TIR < TMA, o “empréstimo” é viável, pois o custo é menor do que o retorno esperado. – Se: TIR > 0, mas TIR > TMA, o “empréstimo” está “caro”. 40
  • 41. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Índice de lucratividade • Consiste em mais uma ferramenta para comparar projetos de investimentos. • O IL é dado pela razão entre os VPs dos FCs futuros do projeto e o investimento inicial. Ou seja: quanto estou tendo de benefício (FC) para cada $ aplicado no projeto. • Sempre que o IL for maior que 1, é porque a TIR é maior do que a TMA, consequentemente o VPL será positivo. • Exemplo: calcule o IL de um projeto com os seguintes FCs, começando do tempo 0: - 1.000; 400; 500; 600. Considere uma TMA de 12%. 41
  • 42. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Índice de lucratividade • Exemplo 2: analise o seguinte projeto por meio da TIR, VPL e IL: -10.000; 5.000; 7.000; 3.000. A TMA é de 10%. 42
  • 43. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Questão conceitual 1. Defina TIR, IL e TMA. Para que elas servem? O que diferencia uma da outra? 43
  • 44. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Payback • O payback nos dá o prazo em que o capital investido será recuperado. É uma ferramenta complementar. • Exemplo: qual é o PB dos seguintes projetos: a) - 600; 200; 400; 300 b) -200; 50; 100; 250 • Esse PB simples não considera o valor do dinheiro no tempo, como é o caso das outras alternativas vistas anteriormente. 44
  • 45. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Payback descontado • Para calcular o PB descontado, basta descontar os FC à TMA. • Exemplo: qual é o PB dos seguintes projetos, considerando uma TMA de 20%: a) - 600; 200; 400; 300 b) -200; 50; 100; 250 45
  • 46. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br VPL e TIR • De modo geral, tanto pela TIR quanto pelo VPL, a decisão será a mesma, porque a TIR positiva gera VPL positivo. • Em projetos mutuamente excludentes: – Os reinvestimentos serão feitos considerando a TMA atual, com o VPL. – Pela TIR, os reinvestimentos serão feitos com base na taxa interna de retorno, que pode ser maior ou menor do que a TMA. – Essa diferença pode levar a decisões distintas. – Recomenda-se utilizar o VPL, pois considera o custo de oportunidade atual da empresa. 46
  • 47. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Análise de Sensibilidade • A análise de sensibilidade consiste em analisar as variações causadas por itens que nós prevemos incorretamente ou que variaram de acordo com a conjuntura econômica ou outros fatores incontroláveis. • Mais à frente faremos a análise de sensibilidade do posto de gasolina. 47
  • 48. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Análise de Sensibilidade • A análise de sensibilidade consiste em analisar as variações causadas por itens que nós prevemos incorretamente ou que variaram de acordo com a conjuntura econômica ou outros fatores incontroláveis. • Mais à frente faremos a análise de sensibilidade do posto de gasolina. 48
  • 49. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudo de caso • Eu resolvo esse estudo de caso, para vocês perceberem o que tem que ser feito. • Oportunidade de trabalho. 49
  • 50. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudo de caso • Analise se vale ou não à pena investir no posto. a) Investimento físico: $ 120.000 em cada um dos 4 primeiros meses (t0 até t3) b) Margem de contribuição unitária: $ 0,20 – gasolina, $ 0,15 – álcool e $ 0,10 – diesel. c) Custos fixos mensais: $ 22.000 d) Demanda mensal em litros: gasolina = 110.000, álcool = 50.000 e diesel = 230.000 e) TMA = 8% a.m. f) Manter-se-á o posto por 36 meses g) No 37º o posto será vendido pelo custo inicial h) Considere que a demanda por combustíveis possa ser 20% menor ou 20% maior do que o esperado. 50
  • 51. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Estudo de caso • Estudo de caso com projeções de cenários e VPLs. 51
  • 52. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Recomendação de leitura: • MIRANDA, Luiz Carlos et al. Decisões de Investimento na Presença de Sunk Costs: será que os contadores são mais racionais?.Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 5, n. 2, 2011. • (Será que os alunos de atuária da UFPB são racionais?) 52
  • 53. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Questões conceituais • Quais são os procedimentos de orçamento de capital frequentemente usados? • Se o VPL é conceitualmente o melhor procedimento para o orçamento de capital, por que você acha que, na prática, são usadas várias medidas? 53
  • 54. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Trazer pronto na próxima aula • “Questões e Problemas” do livro de Ross, Westerfield e Jaffe (capítulo 7): – 7.1; – 7.4; e – 7.8 54
  • 55. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Trabalho adicional • No mesmo grupo da Valuation. • Analise, na empresa em que você trabalha ou na sua casa, a viabilidade da troca de algum equipamento, utilizando uma das metodologias apresentadas durante a aula. 55
  • 56. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Para ter acesso a mais conteúdos, acesse: – Blogs www.ContabilidadeMQ.com.br www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com – Facebook: www.facebook.com/ContabilidadeMQ – Twitter: www.twitter.com/ContabilidadeMQ – YouTube: www.youtube.com/ContabilidadeMQ 56
  • 57. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br 57 it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD     1 ,,2,,10 𝑃𝑡 = 𝜏=1 ∞ 𝑅𝑓−𝑡 𝐸𝜏 𝑑 𝑡+𝜏 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!