SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Avaliação pelo Fluxo de Caixa
grggggggggggggggggggg
ggggggggg
Disciplina: Finanças Aplicadas II
Objetivo da aula: apresentar os direcionadores de
valor das empresas e como elas podem ser
avaliadas por eles.
Conteúdo: (a) avaliação pelo fluxo de caixa livre e
(b) avaliação de empresas fechadas.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Introdução
• A teoria da avaliação de ativos foi apresentada
anteriormente (fluxos de caixa futuros a valor
presente). Aqui veremos uma fórmula-base que
ligará a teoria com a prática.
2
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Sobre a Prova
• Vocês poderão usar um (e apenas um) lado de uma
folha de caderno para anotar o que quiserem,
quando estiverem estudando e levar para a prova.
3
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
A matemática da criação de valor
Alguns conceitos básicos:
• Net operating profit less adjusted taxes (NOPLAT):
lucro operacional menos os tributos relacionados às
atividades operacionais;
• Capital investido (IC): o nome já é autoexplicativo.
Principalmente o PPE e o capital de giro (WC);
• Investimento líquido (NInvest):
• Fluxo de Caixa Livre (FCF):
• Retorno sobre o capital investido (ROIC):
4
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Introdução
Alguns conceitos básicos:
• Custo médio ponderado de capital (WACC):
discutiremos isso melhor na aula de custo do capital.
• Taxa de crescimento (g): é a taxa de crescimento do
NOPLAT e o CF.
• Taxa de investimento (TI):
Pressuposto básico assumido – o g do CF é constante:
• As receitas e o NOPLAT crescem a uma taxa
constante (g) e a empresa investe a mesma
proporção do NOPLAT em seus negócios todos os
anos.
5
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
A matemática da criação de valor
• Usando a fórmula da perpetuidade:
• Definindo FCF em função do NOPLAT (subscritos
suprimidos):
6
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
A matemática da criação de valor
• Como g é:
• Então TI será:
• Novo FCF:
7
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
A matemática da criação de valor
• A fórmula geral para avaliação de ativos é a seguinte:
• Exemplo 1: NOPLAT t = 100; g = 5%; ROIC = 10% e
WACC = 10%. Qual é o valor desse ativo?
• Exemplo 2: use o g = 8%;
• Exemplo 3: use o ROIC = 20%; e
• Exemplo 4: use o WACC = 20%.
Compare todos os valores
8
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
A matemática da criação de valor
1. Faça com que a fórmula do slide anterior fique em
função do WACC, no lugar do valor da empresa.
2. Essa é uma maneira de encontrarmos o custo do
capital implícito.
3. Para que isso serve?
4. Considerando os dados do exemplo 1 do slide
anterior e que o valor da empresa é $ 1.500, qual
será o custo do capital implícito, com base na sua
fórmula resposta da questão 1?
9
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Direcionadores de valor na prática
• Na prática, muitas vezes, os direcionadores de valor
não são constantes (ROIC e g). Quando isso acontece,
precisa-se utilizar um modelo mais flexível. Contudo,
essa fórmula é importante para sabermos o que
direciona o valor dos ativos (KOLLER; GOEDHART;
WESSELS, 2010).
• Com base nessa fórmula, podemos embasar a
análise por múltiplos (índice P/L):
10
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Direcionadores de valor na prática
Recapitulando...
• Como uma empresa pode aumentar o seu valor de
mercado?
11
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Corolário
• A principal lição sobre valuation e finanças
corporativas:
– Qualquer ação da gestão que não leve a um aumento do
fluxo de caixa, não levará à criação de valor (KGW, 2010).
• Cuidado com empresas muito específicas:
– Empresas de alto crescimento;
– Start-ups;
– Companhias que dependem muito da sazonalidade (como
avaliar uma construtora de navios?!);
– Etc.
12
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Valuation x HME
• Se o valor intrínseco calculado for diferente do valor
de mercado, quer dizer que o mercado não é
eficiente?
– Não necessariamente. Os dois valores (estimados com
base em fundamentos) tendem a convergir (DAMODARAN,
2002).
13
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
14
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
• Os princípios são os mesmos, porém há alguns
problemas.
• Principais diferenças entre empresas abertas e
fechadas:
1. Menor preocupação com a qualidade da informação
contábil;
2. Assimetria informacional;
3. Ausência de um mercado ativo (pouca liquidez);
4. Empresas privadas tem-se o problema do engajamento
do “dono” na gestão (problemas com o princípio da
entidade) e pouca diversificação, pois o dinheiro está
aplicado na empresa.
15
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
TAXAS DE DESCONTO
• Problemas no cálculo da taxa de desconto usando o
Beta:
– Não há como calcular o beta-padrão pelo CAPM; e
– Alguns gestores de empresas privadas falham em
diversificar os investimentos.
• Soluções:
1. Beta contábil;
2. Beta fundamental; e
3. Bottom-up beta.
16
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Beta contábil
a) Beta desalavancado: utiliza-se o lucro operacional;
b) Beta alavancado: utilização do lucro líquido.
Limitações:
– Existem poucas observações (geralmente as empresas
privadas só mensuram o lucro de 31/12); e
– Frequentemente os lucros são gerenciados e são objeto de
julgamento da empresa.
• Exemplo de beta alavancado (dados anuais da Vale).
17
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Beta fundamental
• Estima-se uma regressão do beta contra os
fundamentos da empresa – em cross-section. Após
isso substituem-se os valores das variáveis pelos
fundamentos da empresa fechada.
• Exemplo de Damodaran:
Beta = 0,6507 + 0,25*CV_LO + 0,09*D/E + 0,54*g – 0,000009*TA
R² = 18%
• Uma empresa tem CV_LO = 0,4; D/E = 128,57%; g =
30%; TA = $ 9 milhões.
• O beta estimado é de 1,03.
18
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Bottom-up beta
• Efetua-se um ajuste ao beta desalavancado-médio de
uma carteira de empresas “comparáveis”.
• Exemplo de Damodaran (betas desalavancados):
– Empresas de baseball: aquelas com considerável parte da
receita advinda do baseball (2 empresas e beta de 0,64);
– Empresas de esportes: aquelas com considerável parte da
receita advinda de esportes (22 empresas e beta de 0,90);
– Empresas de entretenimento: 91 empresas e beta de 0,79;
• Considerando D/E = 25% e tributos de 40%:
Beta alavancado = 0,9*[1+(1-0,4*(0,25)] = 1,04
19
Dados de Damodaran
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Alavancado (bL) x Desalavancado (bU)
• Em empresas fechadas devemos usar o beta
alavancado, visto que a estrutura de capital é
importante.
• Passos:
– Encontrar o beta médio do setor;
– Desalavancá-lo;
– Alavancar de acordo com a estrutura de capital da
empresa.
20
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
• Alavancado (bL) x Desalavancado (bU)
• Ver vídeo.
21
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Ajuste para a não diversificação
• Não veremos detalhadamente – mas deve-se levar
em consideração quando:
1. A empresa estiver sendo avaliada para venda – ajustado
com base nos potenciais compradores;
2. Se a avaliação estiver sendo realizada para um outro
indivíduo.
3. Se a avaliação estiver sendo feita para um IPO, não
precisa do ajuste (por quê?).
• Para mais informações ver Damodaran (2002,
p.667).
22
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Custo da dívida
• Para empresas de capital aberto é fácil de se obter:
títulos emitidos e notas explicativas.
• Para empresas fechadas:
1. Taxas de juros de empréstimos recentes (despesa de
juros/valor da dívida, pode não ser uma boa proxy, pois
pode não representar o presente fato);
2. Se for para um IPO podemos considerar a média do setor,
visto que a empresa está buscando se tornar comparável
com os seus pares.
23
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Custo da dívida
• A YANKEES tem um custo de dívida, baseado em seus
últimos empréstimos, de 7%. Como a empresa paga
40% de tributos, o custo da dívida após os tributos é
de: 7%*(1-40%) = 4,2%.
• Em caso de abertura de IPO, deve-se considerar os
ratings (ver DAMODARAN, 2002, p.670).
24
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Custo do capital
• CC = CPP (ou ke) + CD (ou kd)
• Para o CPP considere uma Rf de 6%, o Beta total
(ajustado) de 2,07 e prêmio pelo risco de 4%. O CPP
será de 14,28%.
• Considerando que a estrutura de capital é formada
de 20% de capital de terceiros e 80% de capital
próprio, custo da dívida de 4,2%, então o CC é de
12,26%.
25
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Fluxo de caixa
• Deve-se utilizar a mesma estimativa de fluxo de
caixa para as empresas abertas, porém com alguns
cuidados:
1. Algumas empresas não consideram adequadamente os
salários dos “donos-gestores” (dividendos x salário);
2. Problemas com o princípio da entidade (mais relacionado
às empresas menores);
3. Os tributos podem divergir, dependendo da empresa.
26
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Estimando o lucro operacional
27
$
Receita total 209.000,000
Despesas operacionais 140.153.000
Lucro Operacional (EBIT) 68.847.000
Ajustes 4.500.000
LO ajustado 73.347.000
Tributos (40%) 29.338.800
LO líquido 44.008.200
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Empresas “fechadas”
Crescimento (g)
• Pode ser estimado com base no crescimento
histórico (cuidado!) ou com base nos fundamentos
(ROIC*TI).
• g histórico: (a) problemas com os padrões contábeis,
e (b) os lucros, em média, são apresentados
anualmente.
• A solução é usar os fundamentos (ROIC*TI)!
• Para ver como estimar o crescimento histórico e o
desconto pela iliquidez, ver Damodaran (2002, p.
676-681).
28
Felipe Pontes
www.contabilidademq.blogspot.com
Exercício
• Beta (u) de empresas comparáveis: 0,8
• Correlação das empresas comparáveis com o mercado: 0,5
• Tributos: 34%
• Meta de capital de terceiros: 40% (com base no valor de
mercado: 35%)
• Rf: 6%
• Prêmio pelo risco: 5%
• Custo da dívida: 5%
• Lucro operacional: 150.000.000
• Sabe-se que a empresa paga um salário ao gestor-dono de
120.000,00, quando deveria pagar 140.000,00 ao ano.
• G: 4%
• ROIC: 20%
29
Pede-se:
a) Beta desalavancado total;
b) Beta alavancado total;
c) Custo do capital;
d) Lucro operacional após os
tributos;
e) Fluxo de caixa livre;
f) Valor da empresa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationFelipe Pontes
 
Mensurando (ajustando) os lucros
Mensurando (ajustando) os lucrosMensurando (ajustando) os lucros
Mensurando (ajustando) os lucrosFelipe Pontes
 
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosAvaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosFelipe Pontes
 
Avaliação relativa (múltiplos)
Avaliação relativa (múltiplos)Avaliação relativa (múltiplos)
Avaliação relativa (múltiplos)Felipe Pontes
 
Valuation da Ambev - Turma de 2016.1
Valuation da Ambev - Turma de 2016.1Valuation da Ambev - Turma de 2016.1
Valuation da Ambev - Turma de 2016.1Felipe Pontes
 
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)Felipe Pontes
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosFelipe Pontes
 
Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1Felipe Pontes
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalFelipe Pontes
 
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?Felipe Pontes
 
Estimando o crescimento
Estimando o crescimentoEstimando o crescimento
Estimando o crescimentoFelipe Pontes
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLFelipe Pontes
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finançasFelipe Pontes
 
Valuation da Weg - Turma de 2016.1
Valuation da Weg - Turma de 2016.1Valuation da Weg - Turma de 2016.1
Valuation da Weg - Turma de 2016.1Felipe Pontes
 
Estimando os parâmetros do risco e o custo do financiamento
Estimando os parâmetros do risco e o custo do financiamentoEstimando os parâmetros do risco e o custo do financiamento
Estimando os parâmetros do risco e o custo do financiamentoFelipe Pontes
 
Valor Presente Líquido (Parte 2)
Valor Presente Líquido (Parte 2)Valor Presente Líquido (Parte 2)
Valor Presente Líquido (Parte 2)Felipe Pontes
 
VPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalVPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalFelipe Pontes
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosFelipe Pontes
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeFelipe Pontes
 
Avaliacao de carteiras e fundos de investimentos
Avaliacao de carteiras e fundos de investimentosAvaliacao de carteiras e fundos de investimentos
Avaliacao de carteiras e fundos de investimentosFelipe Pontes
 

Mais procurados (20)

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Mensurando (ajustando) os lucros
Mensurando (ajustando) os lucrosMensurando (ajustando) os lucros
Mensurando (ajustando) os lucros
 
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentosAvaliação de carteiras e fundos de investimentos
Avaliação de carteiras e fundos de investimentos
 
Avaliação relativa (múltiplos)
Avaliação relativa (múltiplos)Avaliação relativa (múltiplos)
Avaliação relativa (múltiplos)
 
Valuation da Ambev - Turma de 2016.1
Valuation da Ambev - Turma de 2016.1Valuation da Ambev - Turma de 2016.1
Valuation da Ambev - Turma de 2016.1
 
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentos
 
Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1Apresentação de finanças 2 2016.1
Apresentação de finanças 2 2016.1
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
 
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
Quando a competição de empresas não maduras reduz seu custo do capital?
 
Estimando o crescimento
Estimando o crescimentoEstimando o crescimento
Estimando o crescimento
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPL
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
 
Valuation da Weg - Turma de 2016.1
Valuation da Weg - Turma de 2016.1Valuation da Weg - Turma de 2016.1
Valuation da Weg - Turma de 2016.1
 
Estimando os parâmetros do risco e o custo do financiamento
Estimando os parâmetros do risco e o custo do financiamentoEstimando os parâmetros do risco e o custo do financiamento
Estimando os parâmetros do risco e o custo do financiamento
 
Valor Presente Líquido (Parte 2)
Valor Presente Líquido (Parte 2)Valor Presente Líquido (Parte 2)
Valor Presente Líquido (Parte 2)
 
VPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalVPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de Capital
 
Avaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentosAvaliação de carteiras de investimentos
Avaliação de carteiras de investimentos
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
 
Avaliacao de carteiras e fundos de investimentos
Avaliacao de carteiras e fundos de investimentosAvaliacao de carteiras e fundos de investimentos
Avaliacao de carteiras e fundos de investimentos
 

Destaque

ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...Felipe Pontes
 
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...Felipe Pontes
 
Política de dividendos
Política de dividendosPolítica de dividendos
Política de dividendosFelipe Pontes
 
Fluxo de caixa livre
Fluxo de caixa livreFluxo de caixa livre
Fluxo de caixa livrekennyaeduardo
 
Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016
Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016
Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016Sala de Ações - UFPB
 
Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016
Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016
Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016Sala de Ações - UFPB
 
Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016
Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016
Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016Sala de Ações - UFPB
 
Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016
Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016
Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016Sala de Ações - UFPB
 
Fusões e aquisições (M&A)
Fusões e aquisições (M&A)Fusões e aquisições (M&A)
Fusões e aquisições (M&A)Felipe Pontes
 
Valuation da Kroton
Valuation da Kroton Valuation da Kroton
Valuation da Kroton Felipe Pontes
 
Valuation da Braskem - Turma de 2016.1
Valuation da Braskem - Turma de 2016.1Valuation da Braskem - Turma de 2016.1
Valuation da Braskem - Turma de 2016.1Felipe Pontes
 
Dividendos_LeidasSA
Dividendos_LeidasSADividendos_LeidasSA
Dividendos_LeidasSAGrupo Shield
 
Relacao entre dividend yield
Relacao entre dividend yieldRelacao entre dividend yield
Relacao entre dividend yieldGrupo Shield
 
Valuation da Natura - Turma de 2016.1
Valuation da Natura - Turma de 2016.1Valuation da Natura - Turma de 2016.1
Valuation da Natura - Turma de 2016.1Felipe Pontes
 

Destaque (17)

ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA TROCA DE EQUIPAMENTOS DE CONDICIONAMENTO DE AR COMO...
 
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
 
Política de dividendos
Política de dividendosPolítica de dividendos
Política de dividendos
 
Fluxo de caixa livre
Fluxo de caixa livreFluxo de caixa livre
Fluxo de caixa livre
 
Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016
Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016
Metodologia de Escolha - Setor Consumo 2016
 
Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016
Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016
Metodologia de Escolha - Setor Básico 2016
 
Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016
Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016
Metodologia de Escolha - Setor Telecomunicações e Transporte 2016
 
Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016
Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016
Metodologia de Escolha - Setor Imobiliário 2016
 
Tractebel - 2016
Tractebel - 2016Tractebel - 2016
Tractebel - 2016
 
Embraer - 2016
Embraer - 2016Embraer - 2016
Embraer - 2016
 
Fusões e aquisições (M&A)
Fusões e aquisições (M&A)Fusões e aquisições (M&A)
Fusões e aquisições (M&A)
 
Valuation da Kroton
Valuation da Kroton Valuation da Kroton
Valuation da Kroton
 
Dividendos
DividendosDividendos
Dividendos
 
Valuation da Braskem - Turma de 2016.1
Valuation da Braskem - Turma de 2016.1Valuation da Braskem - Turma de 2016.1
Valuation da Braskem - Turma de 2016.1
 
Dividendos_LeidasSA
Dividendos_LeidasSADividendos_LeidasSA
Dividendos_LeidasSA
 
Relacao entre dividend yield
Relacao entre dividend yieldRelacao entre dividend yield
Relacao entre dividend yield
 
Valuation da Natura - Turma de 2016.1
Valuation da Natura - Turma de 2016.1Valuation da Natura - Turma de 2016.1
Valuation da Natura - Turma de 2016.1
 

Semelhante a Avaliação pelo Fluxo de Caixa

Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Felipe Pontes
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaFelipe Pontes
 
Apresentação de custos
Apresentação de custosApresentação de custos
Apresentação de custosFelipe Willians
 
2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res
2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res
2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_resRute1980
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasLeandro Trelesse Vieira
 
Prova 2012 02_tecnico_resolução .:. www.tc58n.wordpress.com
Prova 2012 02_tecnico_resolução  .:. www.tc58n.wordpress.comProva 2012 02_tecnico_resolução  .:. www.tc58n.wordpress.com
Prova 2012 02_tecnico_resolução .:. www.tc58n.wordpress.comClaudio Parra
 
Exercicios revisão para prova
Exercicios   revisão para provaExercicios   revisão para prova
Exercicios revisão para provaUniversal.org.mx
 
Valuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptx
Valuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptxValuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptx
Valuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptxssuser6caa0b
 
Plano de negócio para startups
Plano de negócio para startupsPlano de negócio para startups
Plano de negócio para startupsFelipe Perlino
 
Sistemas flexíveis de manufatura aula2
Sistemas flexíveis de manufatura   aula2Sistemas flexíveis de manufatura   aula2
Sistemas flexíveis de manufatura aula2Carlos Melo
 
Sumário de Fundamentos do Valuation.pdf
Sumário de Fundamentos do Valuation.pdfSumário de Fundamentos do Valuation.pdf
Sumário de Fundamentos do Valuation.pdfPedro Luis Moraes
 

Semelhante a Avaliação pelo Fluxo de Caixa (17)

Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
 
Apresentação de custos
Apresentação de custosApresentação de custos
Apresentação de custos
 
2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res
2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res
2013 ist introducao a gestao exame 2 25 01-2014-top_res
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
Prova 2012 02_tecnico_resolução .:. www.tc58n.wordpress.com
Prova 2012 02_tecnico_resolução  .:. www.tc58n.wordpress.comProva 2012 02_tecnico_resolução  .:. www.tc58n.wordpress.com
Prova 2012 02_tecnico_resolução .:. www.tc58n.wordpress.com
 
Exercicios revisão para prova
Exercicios   revisão para provaExercicios   revisão para prova
Exercicios revisão para prova
 
Juros sobre capital
Juros sobre capitalJuros sobre capital
Juros sobre capital
 
Valuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptx
Valuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptxValuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptx
Valuation_aula_Outros_tipos_de_Valuation.pptx
 
Projetos5
Projetos5Projetos5
Projetos5
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
 
Apostila mqaa
Apostila mqaaApostila mqaa
Apostila mqaa
 
Análise Econômica das Decisões
Análise Econômica das DecisõesAnálise Econômica das Decisões
Análise Econômica das Decisões
 
Plano de negócio para startups
Plano de negócio para startupsPlano de negócio para startups
Plano de negócio para startups
 
Sistemas flexíveis de manufatura aula2
Sistemas flexíveis de manufatura   aula2Sistemas flexíveis de manufatura   aula2
Sistemas flexíveis de manufatura aula2
 
Sumário de Fundamentos do Valuation.pdf
Sumário de Fundamentos do Valuation.pdfSumário de Fundamentos do Valuation.pdf
Sumário de Fundamentos do Valuation.pdf
 
Aula09
Aula09Aula09
Aula09
 

Mais de Felipe Pontes

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationFelipe Pontes
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasFelipe Pontes
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFelipe Pontes
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaFelipe Pontes
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationFelipe Pontes
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaFelipe Pontes
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasFelipe Pontes
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Felipe Pontes
 
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisFelipe Pontes
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaFelipe Pontes
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasFelipe Pontes
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeFelipe Pontes
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesFelipe Pontes
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBFelipe Pontes
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsFelipe Pontes
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBFelipe Pontes
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationFelipe Pontes
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosFelipe Pontes
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoFelipe Pontes
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationFelipe Pontes
 

Mais de Felipe Pontes (20)

Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresas
 
Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
 
Apresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuationApresentação do curso de valuation
Apresentação do curso de valuation
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
 
Análise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresasAnálise comparativa de empresas
Análise comparativa de empresas
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
 
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeisObjetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
Objetivos centrais da análise das demonstrações contábeis
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
 
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPBIntrodução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
Introdução à Análise Avançada das Demonstrações Contábeis UFPB
 
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns
 
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPBPIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
PIBIC, Monitoria e Extensão no DFC/UFPB
 
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 

Avaliação pelo Fluxo de Caixa

  • 1. Avaliação pelo Fluxo de Caixa grggggggggggggggggggg ggggggggg Disciplina: Finanças Aplicadas II Objetivo da aula: apresentar os direcionadores de valor das empresas e como elas podem ser avaliadas por eles. Conteúdo: (a) avaliação pelo fluxo de caixa livre e (b) avaliação de empresas fechadas.
  • 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Introdução • A teoria da avaliação de ativos foi apresentada anteriormente (fluxos de caixa futuros a valor presente). Aqui veremos uma fórmula-base que ligará a teoria com a prática. 2
  • 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Sobre a Prova • Vocês poderão usar um (e apenas um) lado de uma folha de caderno para anotar o que quiserem, quando estiverem estudando e levar para a prova. 3
  • 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com A matemática da criação de valor Alguns conceitos básicos: • Net operating profit less adjusted taxes (NOPLAT): lucro operacional menos os tributos relacionados às atividades operacionais; • Capital investido (IC): o nome já é autoexplicativo. Principalmente o PPE e o capital de giro (WC); • Investimento líquido (NInvest): • Fluxo de Caixa Livre (FCF): • Retorno sobre o capital investido (ROIC): 4
  • 5. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Introdução Alguns conceitos básicos: • Custo médio ponderado de capital (WACC): discutiremos isso melhor na aula de custo do capital. • Taxa de crescimento (g): é a taxa de crescimento do NOPLAT e o CF. • Taxa de investimento (TI): Pressuposto básico assumido – o g do CF é constante: • As receitas e o NOPLAT crescem a uma taxa constante (g) e a empresa investe a mesma proporção do NOPLAT em seus negócios todos os anos. 5
  • 6. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com A matemática da criação de valor • Usando a fórmula da perpetuidade: • Definindo FCF em função do NOPLAT (subscritos suprimidos): 6
  • 7. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com A matemática da criação de valor • Como g é: • Então TI será: • Novo FCF: 7
  • 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com A matemática da criação de valor • A fórmula geral para avaliação de ativos é a seguinte: • Exemplo 1: NOPLAT t = 100; g = 5%; ROIC = 10% e WACC = 10%. Qual é o valor desse ativo? • Exemplo 2: use o g = 8%; • Exemplo 3: use o ROIC = 20%; e • Exemplo 4: use o WACC = 20%. Compare todos os valores 8
  • 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com A matemática da criação de valor 1. Faça com que a fórmula do slide anterior fique em função do WACC, no lugar do valor da empresa. 2. Essa é uma maneira de encontrarmos o custo do capital implícito. 3. Para que isso serve? 4. Considerando os dados do exemplo 1 do slide anterior e que o valor da empresa é $ 1.500, qual será o custo do capital implícito, com base na sua fórmula resposta da questão 1? 9
  • 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Direcionadores de valor na prática • Na prática, muitas vezes, os direcionadores de valor não são constantes (ROIC e g). Quando isso acontece, precisa-se utilizar um modelo mais flexível. Contudo, essa fórmula é importante para sabermos o que direciona o valor dos ativos (KOLLER; GOEDHART; WESSELS, 2010). • Com base nessa fórmula, podemos embasar a análise por múltiplos (índice P/L): 10
  • 11. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Direcionadores de valor na prática Recapitulando... • Como uma empresa pode aumentar o seu valor de mercado? 11
  • 12. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Corolário • A principal lição sobre valuation e finanças corporativas: – Qualquer ação da gestão que não leve a um aumento do fluxo de caixa, não levará à criação de valor (KGW, 2010). • Cuidado com empresas muito específicas: – Empresas de alto crescimento; – Start-ups; – Companhias que dependem muito da sazonalidade (como avaliar uma construtora de navios?!); – Etc. 12
  • 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Valuation x HME • Se o valor intrínseco calculado for diferente do valor de mercado, quer dizer que o mercado não é eficiente? – Não necessariamente. Os dois valores (estimados com base em fundamentos) tendem a convergir (DAMODARAN, 2002). 13
  • 15. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” • Os princípios são os mesmos, porém há alguns problemas. • Principais diferenças entre empresas abertas e fechadas: 1. Menor preocupação com a qualidade da informação contábil; 2. Assimetria informacional; 3. Ausência de um mercado ativo (pouca liquidez); 4. Empresas privadas tem-se o problema do engajamento do “dono” na gestão (problemas com o princípio da entidade) e pouca diversificação, pois o dinheiro está aplicado na empresa. 15
  • 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” TAXAS DE DESCONTO • Problemas no cálculo da taxa de desconto usando o Beta: – Não há como calcular o beta-padrão pelo CAPM; e – Alguns gestores de empresas privadas falham em diversificar os investimentos. • Soluções: 1. Beta contábil; 2. Beta fundamental; e 3. Bottom-up beta. 16
  • 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Beta contábil a) Beta desalavancado: utiliza-se o lucro operacional; b) Beta alavancado: utilização do lucro líquido. Limitações: – Existem poucas observações (geralmente as empresas privadas só mensuram o lucro de 31/12); e – Frequentemente os lucros são gerenciados e são objeto de julgamento da empresa. • Exemplo de beta alavancado (dados anuais da Vale). 17
  • 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Beta fundamental • Estima-se uma regressão do beta contra os fundamentos da empresa – em cross-section. Após isso substituem-se os valores das variáveis pelos fundamentos da empresa fechada. • Exemplo de Damodaran: Beta = 0,6507 + 0,25*CV_LO + 0,09*D/E + 0,54*g – 0,000009*TA R² = 18% • Uma empresa tem CV_LO = 0,4; D/E = 128,57%; g = 30%; TA = $ 9 milhões. • O beta estimado é de 1,03. 18
  • 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Bottom-up beta • Efetua-se um ajuste ao beta desalavancado-médio de uma carteira de empresas “comparáveis”. • Exemplo de Damodaran (betas desalavancados): – Empresas de baseball: aquelas com considerável parte da receita advinda do baseball (2 empresas e beta de 0,64); – Empresas de esportes: aquelas com considerável parte da receita advinda de esportes (22 empresas e beta de 0,90); – Empresas de entretenimento: 91 empresas e beta de 0,79; • Considerando D/E = 25% e tributos de 40%: Beta alavancado = 0,9*[1+(1-0,4*(0,25)] = 1,04 19 Dados de Damodaran
  • 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Alavancado (bL) x Desalavancado (bU) • Em empresas fechadas devemos usar o beta alavancado, visto que a estrutura de capital é importante. • Passos: – Encontrar o beta médio do setor; – Desalavancá-lo; – Alavancar de acordo com a estrutura de capital da empresa. 20
  • 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” • Alavancado (bL) x Desalavancado (bU) • Ver vídeo. 21
  • 22. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Ajuste para a não diversificação • Não veremos detalhadamente – mas deve-se levar em consideração quando: 1. A empresa estiver sendo avaliada para venda – ajustado com base nos potenciais compradores; 2. Se a avaliação estiver sendo realizada para um outro indivíduo. 3. Se a avaliação estiver sendo feita para um IPO, não precisa do ajuste (por quê?). • Para mais informações ver Damodaran (2002, p.667). 22
  • 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Custo da dívida • Para empresas de capital aberto é fácil de se obter: títulos emitidos e notas explicativas. • Para empresas fechadas: 1. Taxas de juros de empréstimos recentes (despesa de juros/valor da dívida, pode não ser uma boa proxy, pois pode não representar o presente fato); 2. Se for para um IPO podemos considerar a média do setor, visto que a empresa está buscando se tornar comparável com os seus pares. 23
  • 24. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Custo da dívida • A YANKEES tem um custo de dívida, baseado em seus últimos empréstimos, de 7%. Como a empresa paga 40% de tributos, o custo da dívida após os tributos é de: 7%*(1-40%) = 4,2%. • Em caso de abertura de IPO, deve-se considerar os ratings (ver DAMODARAN, 2002, p.670). 24
  • 25. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Custo do capital • CC = CPP (ou ke) + CD (ou kd) • Para o CPP considere uma Rf de 6%, o Beta total (ajustado) de 2,07 e prêmio pelo risco de 4%. O CPP será de 14,28%. • Considerando que a estrutura de capital é formada de 20% de capital de terceiros e 80% de capital próprio, custo da dívida de 4,2%, então o CC é de 12,26%. 25
  • 26. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Fluxo de caixa • Deve-se utilizar a mesma estimativa de fluxo de caixa para as empresas abertas, porém com alguns cuidados: 1. Algumas empresas não consideram adequadamente os salários dos “donos-gestores” (dividendos x salário); 2. Problemas com o princípio da entidade (mais relacionado às empresas menores); 3. Os tributos podem divergir, dependendo da empresa. 26
  • 27. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Estimando o lucro operacional 27 $ Receita total 209.000,000 Despesas operacionais 140.153.000 Lucro Operacional (EBIT) 68.847.000 Ajustes 4.500.000 LO ajustado 73.347.000 Tributos (40%) 29.338.800 LO líquido 44.008.200
  • 28. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Empresas “fechadas” Crescimento (g) • Pode ser estimado com base no crescimento histórico (cuidado!) ou com base nos fundamentos (ROIC*TI). • g histórico: (a) problemas com os padrões contábeis, e (b) os lucros, em média, são apresentados anualmente. • A solução é usar os fundamentos (ROIC*TI)! • Para ver como estimar o crescimento histórico e o desconto pela iliquidez, ver Damodaran (2002, p. 676-681). 28
  • 29. Felipe Pontes www.contabilidademq.blogspot.com Exercício • Beta (u) de empresas comparáveis: 0,8 • Correlação das empresas comparáveis com o mercado: 0,5 • Tributos: 34% • Meta de capital de terceiros: 40% (com base no valor de mercado: 35%) • Rf: 6% • Prêmio pelo risco: 5% • Custo da dívida: 5% • Lucro operacional: 150.000.000 • Sabe-se que a empresa paga um salário ao gestor-dono de 120.000,00, quando deveria pagar 140.000,00 ao ano. • G: 4% • ROIC: 20% 29 Pede-se: a) Beta desalavancado total; b) Beta alavancado total; c) Custo do capital; d) Lucro operacional após os tributos; e) Fluxo de caixa livre; f) Valor da empresa