Os Parâmetros Balizadores da Pesquisa no Brasil Programa de PósGraduação em Educação Matemática Departamento de Matemática...
<ul><li>Advertências sobre o perigo da mesmice </li></ul><ul><li>em pesquisa e em educação. </li></ul>
<ul><li>“ Devemos fazer um trabalho melhor em educar e comunicar ideias. A quantidade, profundidade e complexidade estrutu...
<ul><li>Citando Seymour Papert, 2001: </li></ul><ul><li>“ No meio dessa explosão de mudanças [da sociedade moderna], a ins...
<ul><li>Algumas citações que destacam questões que considero críticas. </li></ul>
<ul><li>A opinião de Évariste Galois (1811-1832) </li></ul><ul><li>sobre exames e pesquisa (≈ aceitação de </li></ul><ul><...
A lição dada pelos ratos de laboratório. <ul><li>“ Tudo que vale é você fazer o que eles </li></ul><ul><li>querem que você...
<ul><li>fazer o que eles querem que você faça </li></ul><ul><li>≈  A FORMA PREVALECE SOBRE CONTEÚDO. </li></ul><ul><li>FOR...
<ul><li>Sobre verdade científica, pesquisa e orientação, </li></ul><ul><li>rigor e método . </li></ul>
<ul><li>“ O que me frustra é saber que um dia tudo isso será disprovado.” </li></ul><ul><li>Sidney Harris e S.N.Arseculera...
<ul><li>disprovado (não está no Houaiss) = provar ser falso ou errado </li></ul><ul><li>⇛  não há resultados finais, não h...
<ul><li>Sobre metodologia. </li></ul>
<ul><li>Lembro as palavras de René Descartes </li></ul><ul><li>no  Discurso do Método  (Primeira Parte): </li></ul><ul><li...
<ul><li>  ↝  Mas, não proponho este escrito senão  como uma história, ou, se o preferirdes, como uma fábula, na qual, entr...
<ul><li>“ a pesquisa é uma coisa demasiado difícil para se poder tomar a liberdade de confundir a  rigidez , que é o contr...
<ul><li>Sobre as disciplinas ≈ enquadramento em áreas de pesquisa, linhas de pesquisa. </li></ul>
<ul><li>Depoimento de Antonio Coutinho, destacado imunologista da Fundação Gulbenkian: </li></ul><ul><li>“ Eu não poderia ...
<ul><li>↝  Com medo e não seguro, insisti que eu preferiria ter um &quot;projeto&quot; e Goran respondeu &quot; não estou ...
<ul><li>As bases epistemológicas sobre as quais repousam as disciplinas são decisões internas à comunidade de especialista...
<ul><li>Sobre </li></ul><ul><li>os mecanismos de avaliação. </li></ul>
<ul><li>Substituição da responsabilidade dos editores de revistas e de avaliadores de projetos pelo anonimato dos  peer re...
<ul><li>Ainda sobre as disciplinas. </li></ul>
<ul><li>As  DISCIPLINAS , </li></ul><ul><li>particularmente a Matemática, </li></ul><ul><li>tratam de conhecimento “engaio...
<ul><li>Há muito tempo tenho utilizado uma metáfora, equivalente à metáfora das Torres de Marfim (M. Gromov 2009) ou da Ca...
 
<ul><li>Os pássaros vivendo em uma gaiola </li></ul><ul><li>alimentam-se do que encontram na gaiola, </li></ul><ul><li>voa...
<ul><li>As disciplinas são matemática, biologia, </li></ul><ul><li>religião, antropologia, música, linguística, </li></ul>...
<ul><li>O Programa Etnomatemática, pela sua natureza dinâmica, avança sem se submeter às gaiolas epistemológicas e às meto...
<ul><li>O Programa Etnomatemática pode ser definido como o estudo das artes e técnicas que, ao longo da evolução das diver...
<ul><li>ETNOMATEMÁTICA É UM </li></ul><ul><li>PROGRAMA DE PESQUISA EM </li></ul><ul><li>HISTÓRIA E FILOSOFIA, E AS </li></...
ETNOMATEMÁTICA É UM  “NOME CONCEITUAL”, ISTO É, UM NOME QUE CONTÉM UMA DEFINIÇÃO. <ul><li>os modos, estilos, maneiras, art...
<ul><li>A metodologia de pesquisa por excelência do Programa E tnomatemática examina a passagem  </li></ul><ul><li>●  de p...
<ul><li>O Programa Etnomatemática tem por objetivo entender </li></ul><ul><li>●  a GERAÇÃO, </li></ul><ul><li>●  a ORGANIZ...
 
A GERAÇÂO DO CONHECIMENTO: O CICLO REALIDADE  ➣  INDIVÍDUO  ➣  AÇÃO
<ul><li>PREMISSA: o objetivo da geração de conhecimentos e comportamento é a satisfação dos pulsões básicos de SOBREVIVÊNC...
<ul><li>O PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA promove o encontro das disciplinas com as  tradições . </li></ul><ul><li>Entendo por TRA...
<ul><li>UMA QUESTÃO MAIOR: </li></ul><ul><li>Ao longo da história e em lugares diferentes, há  confronto ou encontro das t...
<ul><li>ANTECEDENTES: </li></ul><ul><li>Etnografia, Etnologia </li></ul><ul><li>Fenomenologia </li></ul><ul><li>ver  Ubira...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ubiratan D'Ambrosio na Mesa Redonda "Os Parâmetros Balizadores da Pesquisa no Brasil"

1.959 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.959
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
347
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ubiratan D'Ambrosio na Mesa Redonda "Os Parâmetros Balizadores da Pesquisa no Brasil"

  1. 1. Os Parâmetros Balizadores da Pesquisa no Brasil Programa de PósGraduação em Educação Matemática Departamento de Matemática, UNESP Rio Claro 29 de novembro de 2011 Uma reflexão geral sobre o tema visando estimular discussão. Ubiratan D’Ambrosio [email_address]
  2. 2. <ul><li>Advertências sobre o perigo da mesmice </li></ul><ul><li>em pesquisa e em educação. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>“ Devemos fazer um trabalho melhor em educar e comunicar ideias. A quantidade, profundidade e complexidade estrutural da matemática atual torna imperativo encontrar novos meios de comunicar descobertas matemáticas de uma especialidade para outra e drasticamente melhorar o acesso de ideias matemáticas aos não matemáticos. ... Isso requer novos currículos e um grande esforço por parte dos matemáticos para trazer técnicas matemáticas fundamentais e ideias matemáticas (principalmente as desenvolvidas nas últimas décadas) a uma audiência maior.” </li></ul><ul><li>Mikhael Gromov, 1998 </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Citando Seymour Papert, 2001: </li></ul><ul><li>“ No meio dessa explosão de mudanças [da sociedade moderna], a instituição escola continua do mesmo modo, em todos os países. Bilhões de dólares são desperdiçados .” </li></ul><ul><li>Parafraseando: </li></ul><ul><li>“ No meio dessa explosão de mudanças [da sociedade moderna], os regulamentos balizadores da pesquisa são inibidores. Bilhões de dólares são desperdiçados .” </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Algumas citações que destacam questões que considero críticas. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>A opinião de Évariste Galois (1811-1832) </li></ul><ul><li>sobre exames e pesquisa (≈ aceitação de </li></ul><ul><li>artigos): </li></ul><ul><li>“ uma ciência nova, que vai aumentando cada dia, consiste em conhecer os desgostos e as preferências científicas, as manias e o humor dos senhores examinadores.” É. Galois, Gazette des écoles , 1831 </li></ul><ul><li>Essa CIÊNCIA NOVA é praticada por alunos e por autores ao submeter artigos para publicação . </li></ul>
  7. 7. A lição dada pelos ratos de laboratório. <ul><li>“ Tudo que vale é você fazer o que eles </li></ul><ul><li>querem que você faça”. </li></ul><ul><li>Sidney Harris e S.N.Arseculeratne, 1993 </li></ul>
  8. 8. <ul><li>fazer o que eles querem que você faça </li></ul><ul><li>≈ A FORMA PREVALECE SOBRE CONTEÚDO. </li></ul><ul><li>FORMA: </li></ul><ul><li>● Preencher formulários e relatórios </li></ul><ul><li>● Submeter o texto a padrões editoriais, muitas vezes exagerados, e a várias normas, particularmente sobre referências. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Sobre verdade científica, pesquisa e orientação, </li></ul><ul><li>rigor e método . </li></ul>
  10. 10. <ul><li>“ O que me frustra é saber que um dia tudo isso será disprovado.” </li></ul><ul><li>Sidney Harris e S.N.Arseculeratne, 1993 </li></ul>
  11. 11. <ul><li>disprovado (não está no Houaiss) = provar ser falso ou errado </li></ul><ul><li>⇛ não há resultados finais, não há </li></ul><ul><li>conclusões definitivas. </li></ul><ul><li>A importância dada a conclusões pode </li></ul><ul><li>inibir a criatividade. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Sobre metodologia. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Lembro as palavras de René Descartes </li></ul><ul><li>no Discurso do Método (Primeira Parte): </li></ul><ul><li>“ meu propósito não é ensinar aqui o método que cada qual deve seguir para bem conduzir sua razão, mas somente mostrar de que modo me esforcei para conduzir a minha. ... Os que se aventuram a fornecer normas devem considerar-se mais hábeis do que aqueles a quem as dão; e, se falham na menor coisa, são por isso censuráveis. ↝ </li></ul>
  14. 14. <ul><li> ↝ Mas, não proponho este escrito senão como uma história, ou, se o preferirdes, como uma fábula, na qual, entre alguns exemplos que se podem imitar, encontrar-se-ão talvez muitos outros que se terá razão de não seguir, espero que ele será útil a alguns, sem ser danoso a ninguém, e que todos me serão gratos por minha franqueza.” </li></ul><ul><li>René Descartes, 1637 </li></ul>
  15. 15. <ul><li>“ a pesquisa é uma coisa demasiado difícil para se poder tomar a liberdade de confundir a rigidez , que é o contrário da inteligência e da invenção, com o rigor , e (...) ficar privado deste ou daquele recurso, entre os vários que podem ser oferecidos pelo conjunto das tradições intelectuais da disciplina e das disciplinas vizinhas (...) livrai-vos dos cães de guarda metodológicos .” </li></ul><ul><li>P. Bourdieu </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Sobre as disciplinas ≈ enquadramento em áreas de pesquisa, linhas de pesquisa. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Depoimento de Antonio Coutinho, destacado imunologista da Fundação Gulbenkian: </li></ul><ul><li>“ Eu não poderia ter encontrado um mentor melhor do que Goran Moller. Ao iniciar a orientação, perguntei a ele &quot;o que devo fazer&quot; e a resposta foi &quot;tudo o que você quer&quot;. Eu insisti e disse que precisava de um &quot;projeto&quot; para começar a trabalhar. Ele disse &quot;muito bem, você vai ao redor, converse com as pessoas, leia, volte para discutir sempre que desejar, e em breve você vai encontrar o que você realmente quer fazer &quot;. ↝ </li></ul>
  18. 18. <ul><li>↝ Com medo e não seguro, insisti que eu preferiria ter um &quot;projeto&quot; e Goran respondeu &quot; não estou aqui para ensinar técnicos; meu trabalho é educar cientistas &quot;. Estou certo que se Goran ouvisse a frase &quot;o nosso laboratório está interessado em …&quot;. ele responderia &quot;eu não quero saber no que o laboratório está interessado, mas no que você está interessado &quot; .” </li></ul>
  19. 19. <ul><li>As bases epistemológicas sobre as quais repousam as disciplinas são decisões internas à comunidade de especialistas dessa disciplina. </li></ul><ul><li>“ Tem se tornado cada vez mais influente a ideia que para determinar a aceitação de uma teoria o que conta são as opiniões da comunidade científica (≈ peer review ). Deste ponto de vista, os próprios cientistas constituem a corte suprema para dizer o que é ciência e o que conta como boa ciência” </li></ul><ul><li>G.E.R. Lloyd 2009. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Sobre </li></ul><ul><li>os mecanismos de avaliação. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Substituição da responsabilidade dos editores de revistas e de avaliadores de projetos pelo anonimato dos peer review e pela prática do blind referee e double-blind referee . </li></ul><ul><li>O recurso a peer-review foi introduzido pela Philosophical Transactions of the Royal Society , da Inglaterra, que iniciou sua publicação em 1665. </li></ul><ul><li>⇛ mecanismo de farsa e nepotismo. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Ainda sobre as disciplinas. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>As DISCIPLINAS , </li></ul><ul><li>particularmente a Matemática, </li></ul><ul><li>tratam de conhecimento “engaiolado” na sua fundamentação, na sua epistemologia, </li></ul><ul><li>nos seus critérios de verdade e de rigor, </li></ul><ul><li>nos seus métodos específicos para </li></ul><ul><li>lidar com questões bem definidas, utilizando um código linguístico próprio , </li></ul><ul><li>inacessível aos não iniciados . </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Há muito tempo tenho utilizado uma metáfora, equivalente à metáfora das Torres de Marfim (M. Gromov 2009) ou da Casa de Salomão (Francis Bacon 1624), </li></ul><ul><li>para definir as disciplinas: </li></ul><ul><li>AS GAIOLAS EPISTEMOLÓGICAS . </li></ul>
  25. 26. <ul><li>Os pássaros vivendo em uma gaiola </li></ul><ul><li>alimentam-se do que encontram na gaiola, </li></ul><ul><li>voam só no espaço da gaiola, </li></ul><ul><li>comunicam-se numa </li></ul><ul><li>linguagem conhecida só por eles </li></ul><ul><li>(código linguístico próprio), </li></ul><ul><li>procriam, repetem-se e só vêem e sentem o que as grades permitem. </li></ul><ul><li>NÃO PODEM SABER DE QUE COR </li></ul><ul><li>A GAIOLA É PINTADA POR FORA. </li></ul>
  26. 27. <ul><li>As disciplinas são matemática, biologia, </li></ul><ul><li>religião, antropologia, música, linguística, </li></ul><ul><li>física e muitíssimas outras. </li></ul><ul><li>O PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA = </li></ul><ul><li>PROGRAMA ETNO+MATEMA+TICA </li></ul><ul><li>contempla todas essas disciplinas e não </li></ul><ul><li>apenas a matemática. </li></ul><ul><li>CUIDADO: Apesar de o nome sugerir, o </li></ul><ul><li>objeto da etnomatemática não é apenas </li></ul><ul><li>matemática das etnias. </li></ul>
  27. 28. <ul><li>O Programa Etnomatemática, pela sua natureza dinâmica, avança sem se submeter às gaiolas epistemológicas e às metodológicas que subordinam a busca do novo. </li></ul><ul><li>O Programa Etnomatemática propõe uma leitura crítica e uma nova interpretação, TRANSDISCIPLINAR, TRANSCULTURAL e HOLÍSTICA das ideias basilares às várias disciplinas . </li></ul>
  28. 29. <ul><li>O Programa Etnomatemática pode ser definido como o estudo das artes e técnicas que, ao longo da evolução das diversas culturas, permitem ao homem explicar, entender, lidar com, modificar o ambiente natural, social e imaginário no qual se inserem essas culturas. </li></ul>
  29. 30. <ul><li>ETNOMATEMÁTICA É UM </li></ul><ul><li>PROGRAMA DE PESQUISA EM </li></ul><ul><li>HISTÓRIA E FILOSOFIA, E AS </li></ul><ul><li>IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO. </li></ul><ul><li>Ubiratan D’Ambrosio: Ethnomathematics: A Research Program on the History and Pedagogy of Mathematics with Pedagogical Implications, Notices of the American Mathematical Society , December 1992, vol. 39, n°10, pp.1183-1185 </li></ul>
  30. 31. ETNOMATEMÁTICA É UM “NOME CONCEITUAL”, ISTO É, UM NOME QUE CONTÉM UMA DEFINIÇÃO. <ul><li>os modos, estilos, maneiras, artes ou técnicas ⇛ tecne = tica . </li></ul><ul><li>de entender, de explicar, de aprender e ensinar, e de manejar ⇛ matema . </li></ul><ul><li>o meio ambiente natural, social e político ⇛ etno . </li></ul><ul><li>levou-me a compor a palavra </li></ul><ul><li>ETNO + MATEMA + TICA </li></ul>
  31. 32. <ul><li>A metodologia de pesquisa por excelência do Programa E tnomatemática examina a passagem </li></ul><ul><li>● de práticas ad-hoc para métodos, </li></ul><ul><li>● de métodos para teorias </li></ul><ul><li>( ➣ explicações), </li></ul><ul><li>● de teorias para invenção </li></ul><ul><li>(ciência ➣ projeções ). </li></ul>
  32. 33. <ul><li>O Programa Etnomatemática tem por objetivo entender </li></ul><ul><li>● a GERAÇÃO, </li></ul><ul><li>● a ORGANIZAÇÃO INTELECTUAL E SOCIAL, </li></ul><ul><li>● a DIFUSÃO E TRANSMISSÃO </li></ul><ul><li>do conhecimento e comportamento humanos, acumulados, em permanente evolução, como um “ciclo helicoidal”, em distintas regiões do planeta e em distintos momentos da história, resultado de permanentes encontros culturais. </li></ul>
  33. 35. A GERAÇÂO DO CONHECIMENTO: O CICLO REALIDADE ➣ INDIVÍDUO ➣ AÇÃO
  34. 36. <ul><li>PREMISSA: o objetivo da geração de conhecimentos e comportamento é a satisfação dos pulsões básicos de SOBREVIVÊNCIA e TRANSCENDÊNCIA, o que depende de lidar e de explicar a natureza de tempo e de espaço. </li></ul><ul><li>Esse objetivo é abordado diferentemente em várias TRADIÇÕES. </li></ul>
  35. 37. <ul><li>O PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA promove o encontro das disciplinas com as tradições . </li></ul><ul><li>Entendo por TRADIÇÕES o complexo de conhecimentos compartilhados e de comportamentos compatibilizados, que são intrínsecos a um grupo cultural. </li></ul>
  36. 38. <ul><li>UMA QUESTÃO MAIOR: </li></ul><ul><li>Ao longo da história e em lugares diferentes, há confronto ou encontro das tradições ? </li></ul><ul><li>TRANSDISCIPLINARIDADE e </li></ul><ul><li>TRANSCULTURALIDADE </li></ul><ul><li>focalizam essa questão como a </li></ul><ul><li>DINÂMICA DE ENCONTROS CULTURAIS. </li></ul>
  37. 39. <ul><li>ANTECEDENTES: </li></ul><ul><li>Etnografia, Etnologia </li></ul><ul><li>Fenomenologia </li></ul><ul><li>ver Ubiratan D’Ambrosio: Fenomenologia e etnomatemática: para além das grades da gaiola, IHU ON-LINE Revista do Instituto Humanitas Unisinos , nº378, ano XI, pp.39-40. </li></ul><ul><li>Etnometodologia </li></ul><ul><li>ver Ubiratan D’Ambrosio: Etnometodologia, Etnomatemática, Transdisciplinaridade: embasamento crítico-filosófico comuns e tendências atuais, Revista Pesquisa Qualitativa , ano 1, no 1, 2005, pp. 155-167. </li></ul>

×