O uso de mapas como instrumento
para o manejo colaborativo de
Sistemas Socioecólogicos
Maira Begalli
Laboratório de Cartog...
Introdução
* No século XX: práticas de mapeamento tornaram-se quase que
onipresentes
*Visualização dos fenômenos espaciais...
Introdução
MAS... Mapas de quem? Mapas pra quem? Feitos com o que?
Disponibilizados como?
Mapas podem detalhar interdepend...
Revisão de alguns trabalhos
5 artigos (2003-2013), abordagem socioecológica (uso de mapas e a interação de
populações huma...
Revisão de alguns trabalhos
Revisão de alguns trabalhos
Revisão de alguns trabalhos
.
Revisão de alguns trabalhos
→ A maioria utilizou de softwares e tecnologias proprietárias para a confecção
dos mapas;
→ Ne...
A proposta
Processos participativos e não apenas na coleta de dados pontuais
Abordar as populações locais como colaborador...
Área de Estudo
Área de Estudo
Área de Estudo
Área de Estudo
O estamos fazemos?
Fase 1: Primeiro Semestre
*Desenvolvimento de uma cartografia base para o Riacho Grande usando Qgis
* P...
Obrigada
Maira Begalli
maira.begalli@ufabc.edu.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O uso de mapas como instrumento para o manejo colaborativo de Sistemas Socioecólogicos - por Maira Begalli

301 visualizações

Publicada em

Apresentação de Maira Begalli para a mesa Territórios e conhecimento do Painel Ciência Aberta, durante o Tropixel Ciência Aberta em 03/06/2015, em Ubatuba/SP.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O uso de mapas como instrumento para o manejo colaborativo de Sistemas Socioecólogicos - por Maira Begalli

  1. 1. O uso de mapas como instrumento para o manejo colaborativo de Sistemas Socioecólogicos Maira Begalli Laboratório de Cartografias e Geoprocessamento Doutoranda pela UFABC em Planejamento e Gestão do Território Colaboradorxs: Rogério Rodrigues, Pedro Yukas, Guilherme Frizzi, Camila Brito, Sabrina Nascimento Junho/2015
  2. 2. Introdução * No século XX: práticas de mapeamento tornaram-se quase que onipresentes *Visualização dos fenômenos espaciais, fotografia aérea, sensoriamento remoto * Tecnologias digitais e internet estão possibilitando a concepção de mapas cada vez mais especializados, tanto em estilos estéticos quanto em interatividade
  3. 3. Introdução MAS... Mapas de quem? Mapas pra quem? Feitos com o que? Disponibilizados como? Mapas podem detalhar interdependência entre “cenários ambientais” e “cenários de vulnerabilidade”, correlacionando dados sobre disponibilidade e qualidade das águas nas bacias hidrográficas, o aumento do nível do mar, uso e ocupação do solo, alterações climáticas, condições atmosféricas e qualidade do ar, aos dados demográficos, econômicos, políticos, culturais e institucionais
  4. 4. Revisão de alguns trabalhos 5 artigos (2003-2013), abordagem socioecológica (uso de mapas e a interação de populações humanas) Mineração dos trabalhos, termos (em português e inglês): “cartografia”, “colaborativo”, “populações humanas”, “manejo”, “conservação”, “socioambiental”, “socioecológico”. Variáveis para análise: * Trabalho : nome, área geográfica do estudo, ano de publicação; *Revista : nome da publicação, área do conhecimento, número de citações no Google Acadêmico, nota Qualis *Autor : área de pesquisa acadêmica e número de citações da publicação Ferramentas, processos atrelados às novas tecnologias e plataformas de Compartilhamentos: * Produto: análise do uso de sistemas, softwares e processos digitais citados para a concepção dos mapas, base interativa, disponibilização e compartilhamento do processo, licenças livres ou proprietárias; *Processo: colaboratividade, inclusão de populações locais no processo, abrangência de diferentes esferas;
  5. 5. Revisão de alguns trabalhos
  6. 6. Revisão de alguns trabalhos
  7. 7. Revisão de alguns trabalhos .
  8. 8. Revisão de alguns trabalhos → A maioria utilizou de softwares e tecnologias proprietárias para a confecção dos mapas; → Nenhum estudo disponibilizou seus resultados em plataformas de compartilhamento e não atribuíram licenças livres de uso e compartilhamento aos estudos → A maioria dos trabalhos contou com o conhecimento ecológico local de populações humanas para confeccionar mapas envolvendo contextos socioecológicos. MAS... QUANDO os autores quando foram a campo já possuiam um objeto e uma metodologia pré-estabelecida, considerando os indivíduos como esforço amostral e não como colaboradores. O mapeamento dessas áreas de estudo poderia ter se apropriado das práticas da Ciência Cidadã, ou seja agregar o conhecimento de cientistas (vinculados ou não a instituições de pesquisas) a dos voluntários, como colaboradores, com o objetivo de aprimorar metodologias, desenvolver protótipos e ampliar a capacidade da análise de dados (Cohn, 2008).
  9. 9. A proposta Processos participativos e não apenas na coleta de dados pontuais Abordar as populações locais como colaboradores e não como esforço amostral Não apresentar metodologias pré-estabelecidas, uma vez que a maioria desses trabalhos busca romper com as práticas “top down”. Pesquisas e projetos acadêmicos envolvendo cartografias colaborativas usando sistemas livres e o conhecimento ecológico de populações locais ainda não são aplicados em larga escala. Desafio: abordagem inter e transdisciplinar, UTILIZANDO ferramentas deDesafio: abordagem inter e transdisciplinar, UTILIZANDO ferramentas de geolocalização como instrumento para o manejo colaborativo frente aosgeolocalização como instrumento para o manejo colaborativo frente aos desafios e incertezas dos SSE's na atualidade. MAS sob tecnologiasdesafios e incertezas dos SSE's na atualidade. MAS sob tecnologias livres, tornando a cartografia não um produto em si, mas em um processolivres, tornando a cartografia não um produto em si, mas em um processo constante e interativo para populações e territórios.constante e interativo para populações e territórios.
  10. 10. Área de Estudo
  11. 11. Área de Estudo
  12. 12. Área de Estudo
  13. 13. Área de Estudo
  14. 14. O estamos fazemos? Fase 1: Primeiro Semestre *Desenvolvimento de uma cartografia base para o Riacho Grande usando Qgis * Plataforma colaborativa Neblina (JEO//PimentaLab) * Minidocumentário do território Fase 2: Segundo Semestre * Oficinas de Cartografia * Trabalho/paper: Cartografias experimentais e Apropriação Crítica de Tecnologias
  15. 15. Obrigada Maira Begalli maira.begalli@ufabc.edu.br

×