O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Sala de Aula Interativa

378 visualizações

Publicada em

Um fichamento da introdução do livro Sala de Aula Interativa de Marco Silva.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sala de Aula Interativa

  1. 1. SALA DE AULA INTERATIVA UM CONVITE À INTERATIVIDADE E À COMPLEXIDADE PRINCIPAIS TÓPICOS Felipe Alves da Silva
  2. 2. Reações ao termo “interatividade”• Modismo• Estratégia de marketing• Submissão do homem ao computador tornando-se ele mesmo uma máquina
  3. 3. Mudança no paradigma das comunicações• Transição da modalidade massiva para a modalidade interativa• A lógica da distribuição dá lugar a lógica da comunicação• Emerge a interatividade, manifestando-se “nas esferas tecnológica, mercadológica e social”
  4. 4. Emerge a interatividade• A partir de novas tecnologias que permitem a produzir e publicar com facilidade• A partir de uma tentativa de diálogo entre produtor, produto e um consumidor cada vez mais exigente• A partir da busca do público por autonomia e voz• A partir da perda de espaço dos grandes referentes (igrejas, partidos, família, etc.)
  5. 5. O pensamento complexo• Pensar apenas em causas que geram efeitos, produtores que criam produtos, de maneira linear, não basta para compreender as transformações que presenciamos• Efeitos e produtos são também “causas e produtores daquilo que os produziu”• O pensamento complexo supera a linearidade e o determinismo, incorpora o acaso e a incerteza, contempla a ideia de múltiplas interações entre diferentes elementos de nosso mundo
  6. 6. Fundamentos do pensamento complexo• Recursividade• Diálogo• Holograma
  7. 7. A mensagem, o emissor e o receptor no novo paradigma• Na interatividade a mensagem é modificável, pode ser (re)construída na colaboração entre o emissor e o receptor• O emissor abre portas para a exploração de novas possibilidades• Enquanto o receptor pode deixar sua posição de consumidor passivo tornando-se cocriador
  8. 8. O hipertexto e o novo espectador• A informação disponibilizada como hipertexto não é mais uma página estática, mas uma rede de links entre inúmeros textos que se complementam ou mesmo se contradizem• O novo espectador abandona a linearidade e a passividade típicas da mídia de massa e passa a explorar os links, aprofundando seu conhecimento e avaliando argumentos conflitantes para formar sua opinião
  9. 9. A contradição da escola• Ser professor não é ser um transmissor de informação• Bem como educar não é discursar para uma turma• Mesmo assim a escola ainda é centrada na figura do professor que tudo sabe e transmite esse saber aos alunos que o aceitam passivamente
  10. 10. Tornando a sala de aula interativa• Abrir espaço para a participação do aluno• Estimular a autonomia• Viabilizar a coautoria• Construir o currículo em rede

×