A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014

1.581 visualizações

Publicada em

A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.581
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
386
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014

  1. 1. A inserção da mulher no mercado de trabalho da RMPA – 2014 Março de 2015
  2. 2. Para as mulheres trabalhadoras, o desempenho do mercado de trabalho, em 2014, evidenciou queda da ocupação, declínio da taxa de desemprego e relativa estabilidade do rendimento médio real. Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre PED-RMPA
  3. 3. Mercado de trabalho da RMPA em 2014 • As informações da PED-RMPA, para o ano de 2014, indicam comportamento desfavorável para diversos indicadores. • O nível ocupacional evidenciou retração de 2,1%, após 10 anos de elevação continuada. • A taxa de desemprego total apresentou redução, situando-se em 5,9% da População economicamente Ativa - o mais baixo valor anual da série histórica da PED-RMPA. Esse resultado deveu-se ao fato de o número de pessoas que saíram do mercado de trabalho (51 mil) ter sido superior à contração do nível ocupacional (38 mil). • O rendimento médio real dos ocupados registrou relativa estabilidade em 2014, interrompendo o processo de elevação iniciado em 2005. Ressalta-se que esse indicador havia registrado aumento de 3,0% em 2013.
  4. 4. Para as mulheres trabalhadoras, observou-se comportamento desfavorável para alguns indicadores e as desigualdades de gênero pouco se alteraram. 1. Reduz-se a participação das mulheres no mercado de trabalho • taxa de participação das mulheres (%PIA feminina) – 2013: 48,9% – 2014: 46,7% • taxa de participação dos homens (%PIA masculina) – 2013: 65,2% – 2014: 63,3% • A participação das mulheres no mercado de trabalho continua inferior à dos homens
  5. 5. Taxa de Participação por sexo, na RMPA – 2000-14 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. 49,7 69,2 48,9 46,7 65,2 63,3 40.0 45.0 50.0 55.0 60.0 65.0 70.0 75.0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 % Mulheres Homens
  6. 6. PEA, Ocupados e Desempregados - RMPA - 2014 46.1 53.9 PEA Mulheres Homens 45.8 54.2 Ocupados Mulheres Homens 51.148.9 Desempregados Mulheres Homens Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT.
  7. 7. 2. Taxa de desemprego apresenta declínio para as mulheres e estabilidade para os homens • A queda da taxa de desemprego feminina deveu-se ao fato de o número de mulheres que saíram do mercado de trabalho (-27 mil) ter sido superior à contração do nível ocupacional (-17 mil). • A taxa de desemprego feminina permanece mais elevada do que a masculina e as mulheres seguem representando mais da metade dos desempregados (51,1% do total). Mulheres Homens 2013 2014 2013 2014 Taxa de desemprego (%) 7,5 6,6 5,4 5,4 Contingente de desempregados (mil pessoas) 66 56 56 53
  8. 8. Evolução da taxa de desemprego, por sexo, na RMPA – 2000-2014 6.4 5.9 5.4 5.4 7.5 6.6 0 5 10 15 20 25 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Total Homens Mulheres 19,6 14,2 16,6 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. (%)
  9. 9. Taxa de desemprego segundo posição na família, na RMPA – 2014 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 14.0 Chefe Cônjuge Filho 4.1 5.0 12.6 3.1 11.5 Mulheres Homens (%) Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT.
  10. 10. 3. O tempo médio de procura de trabalho – indicador da vulnerabilidade ao desemprego – apresentou aumento para ambos os sexos • 23 semanas entre as mulheres (2 semanas a mais do que no ano anterior). • 24 semanas para os homens (5 semanas a mais). • Pela primeira vez, na série da Pesquisa, as mulheres apresentam um tempo de procura do trabalho inferior ao dos homens.
  11. 11. TEMPO MÉDIO DESPENDIDO NA PROCURA DE TRABALHO, POR SEXO, NA RMPA – 2000-14 (em semanas) 21 19 15 20 25 30 35 40 45 50 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Mulheres Homens 23 24 45 44 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT.
  12. 12. 4. Redução da ocupação e da formalização entre as mulheres • Queda do nível ocupacional para o contingente feminino, pela primeira vez nos últimos dez anos. • Mulheres - retração dos postos de trabalho em 2,1% (menos 17 mil mulheres ocupadas) - contingente feminino ocupado estimado em 796 mil pessoas - redução do número de assalariadas com carteira assinada (menos 10 mil ou -2,4%), após 10 anos de elevação • Homens - decréscimo de 2,2% (21 mil trabalhadores a menos) - contingente masculino ocupado foi estimado em 944 mil - redução do número de assalariados com carteira assinada (menos 9 mil ou -1,7%) • Manteve-se praticamente inalterada a distribuição da ocupação por sexo na RMPA: a proporção de mulheres no total de ocupados continua inferior à dos homens, situando-se em 45,8%, em 2014 (homens, 54,2%).
  13. 13. Característica da ocupação feminina: formas de inserção, na RMPA -2014 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. 50,1% 5,0% 15,5% 10,5% 10,4% 8,5% Assal. c/ carteira Assal. s/ carteira Assal. Setor Público Autônomos Empregadas Domésticas Outros
  14. 14. Característica da ocupação masculina: formas de inserção, na RMPA - 2014 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. 55,2% 6,3% 9,9% 17,2% 11,1% Assal. c/ carteira Assal. s/ carteira Assal. Setor Público Autônomos Outros
  15. 15. Características da ocupação feminina: distribuição por setores de atividade, na RMPA - 2014 12,0% 19,4% 1,3% 56,9% 10,4% Indústria Comércio Serviços Serviços Domésticos Outros Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT.
  16. 16. Características da ocupação masculina: distribuição por setores de atividade, na RMPA - 2014 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. 20,9% 19,9% 45,3% 12,3% 1,6% Indústria de transformação Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas Serviços Construção Outros
  17. 17. 5. Relativa estabilidade do rendimento médio real das mulheres ocupadas (0,1%), interrompe tendência de crescimento desde 2004 Rendimento médio real dos ocupados no trabalho principal, por sexo, na RMPA – 2000-14 Período Mulheres Homens %Rendimento feminino 2000 1.398 2.047 68,3 2001 1.359 1.968 69,1 2002 1.380 1.925 71,7 2003 1.259 1.744 72,2 2004 1.284 1.719 74,7 2005 1.298 1.746 74,3 2006 1.293 1.779 72,7 2007 1.345 1.807 74,4 2008 1.399 1.842 76,0 2009 1.426 1.920 74,3 2010 1.481 2.001 74,0 2011 1.516 2.023 74,9 2012 1.516 2.051 73,9 2013 1.578 2.097 75,3 2014 1.579 2.093 75,4 Fonte: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT.
  18. 18. Rendimentos médios reais dos ocupados, no trabalho principal, por sexo, na RMPA — 2000-14 FONTE: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. NOTA: O inflator utilizado é o IPC-IEPE; valores em reais de nov./14.
  19. 19. Rendimento das mulheres: proporção em relação ao dos homens – 2000 e 2014 0.0 10.0 20.0 30.0 40.0 50.0 60.0 70.0 80.0 90.0 100.0 2000 2014 68.3 75.4 Mulheres Homens (%) FONTE: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS, PMPA, SEADE, DIEESE e apoio MTE/FAT. NOTA: O inflator utilizado é o IPC-IEPE; valores em reais de nov./14.
  20. 20. Pontos favoráveis Diferenças não favoráveis Ocupação Queda do nível ocupacional para ambos os sexos, sendo que o contingente feminino ocupado continua inferior ao dos homens Redução da formalização do emprego para ambos os sexos Desemprego taxa de desemprego - para as mulheres houve redução - para os homens ficou estável taxa de desemprego continua mais elevada para as mulheres - para as mulheres a taxa vem caindo desde 2004 - diminui desigualdade nas taxas de desemprego mulheres constituem a maioria dos desempregados, desde 1998 Rendimento desigualdade de rendimentos entre gêneros praticamente não se altera mulheres seguem tendo rendimento inferior ao dos homens persiste desigualdade de rendimentos Considerações

×