SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
ESTADO DE RORAIMA
                            PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO
                             “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros”



PARECER PROGE/COORD. FISCAL/PROCURADORIA DA DÍVIDA ATIVA Nº 09/2010


ASSUNTO: Pedido de revisão de lançamento de crédito tributário.
INTERESSADO: Boa Vista Energia S.A.
REFERÊNCIA: Processo Administrativo Fiscal nº 22001.02424/07-30



                   EMENTA: PEDIDO DE REVISÃO DE LANÇAMENTO. CRÉDITO
                   TRIBUTÁRIO.   PRECLUSÃO   CONSUMATIVA.     COISA  JULGADA
                   ADMINISTRATIVA. DECISÃO JUDICIAL. LEGALIDADE DA AUTUAÇÃO.
                   PARECER DESFAVORÁVEL.


                    1. RELATÓRIO

                     Trata-se de pedido de revisão de lançamento do crédito tributário
apurado no Auto de Infração nº. 000027/2007, inscrito em Dívida Ativa, cf. CDA nº.
16.218, decorrente da aplicação de multa por suposto recebimento de crédito oriundo
de transferência irregular, praticado, segundo a autoridade autuante, com ofensa ao
RICMS-RR.

                     Defende o contribuinte que a autuação não levou em conta o
disposto nos arts. 655 e 656 do RICMS-RR, que autoriza a centralização da escrituração
fiscal em um único estabelecimento inscrito, o que teria sido feito, inclusive sob a
autorização do Secretário de Estado da Fazenda à época.

                    Requer a revisão do lançamento, com o consequente cancelamento
do débito e arquivamento do processo administrativo fiscal (cf.f.151).

                   Considerando tratar-se de auto de infração cujo débito foi inscrito
em Dívida Ativa, o pedido – direcionado ao Secretário de Estado da Fazenda - foi
encaminhado à Procuradoria-Geral do Estado.

                    É, em apertada síntese, o relatório.

                                         Procuradoria-Geral do Estado
                                             Boa Vista – RR Brasil
                     Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br




                                                                                           1 de 6
ESTADO DE RORAIMA
                            PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO
                             “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros”

                    2. FUNDAMENTAÇÃO

                    2.1 DA COMPETÊNCIA DA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

                     A Procuradoria-Geral do Estado foi institucionalizada com o
advento da Lei Complementar Estadual nº. 71, de 18 de dezembro de 2003, passando a
promover privativamente a inscrição da Dívida Ativa do Estado de Roraima a partir do
Decreto nº. 7.538-E, de 24 de novembro de 2006.

                    Assim, uma vez encaminhado o crédito tributário para a inscrição
em Dívida Ativa – depois da decisão definitiva na esfera do Contencioso Administrativo
Fiscal -, toda e qualquer questão em torno do crédito submete-se ao crivo da
Procuradoria-Geral do Estado, devendo, portanto, ser-lhe direcionada, tal como o fez,
na espécie, acertadamente a Secretária Adjunta de Estado da Fazenda (cf.f.147).

                     Conquanto o pedido tenha sido cunhado como revisão de
lançamento – ato que refoge da esfera de atribuição da Procuradoria-Geral do Estado -,
seu propósito é o reconhecimento da nulidade do débito e o consequente arquivamento
do processo administrativo fiscal (cf.f.151), medidas que indiscutivelmente competem à
PROGE, a partir da inscrição em Dívida Ativa.

                    2.2 DA PRECLUSÃO

                    A preclusão é o fenômeno endoprocessual que impossibilita a
rediscussão da matéria já ventilada e solucionada no âmbito do mesmo processo.

                     Deveras, o contribuinte, em sua impugnação ao auto de infração,
suscitou a centralização da escrituração fiscal em um único estabelecimento inscrito,
com base no art. 656 do RICMS-RR, sob autorização da Secretaria de Estado da Fazenda,
no propósito de ver reconhecida a nulidade da autuação (cf.fls. 16/25).

                    No entanto, em julgamento de primeira instância, o Contencioso
Administrativo Fiscal refutou a impugnação do contribuinte, obtemperando que a
autorização da SEFAZ para a escrita fiscal em um único estabelecimento, plasmada no
PARECER/DEPAR/DITRI Nº. 048/06, é algo absolutamente diferente do aproveitamento
de crédito, concluindo que a autorização foi apenas para a centralização da escrita
fiscal, mas não para o aproveitamento de crédito inexistente, por meio de um
lançamento de crédito sem origem provada (cf.f.62).
                                         Procuradoria-Geral do Estado
                                             Boa Vista – RR Brasil
                     Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br




                                                                                           2 de 6
ESTADO DE RORAIMA
                                             PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO
                                              “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros”



                       No recurso voluntário manejado pelo contribuinte, o argumento da
centralização da escrituração fiscal em um único CGF, com respaldo em parecer da
SEFAZ, foi novamente levantado (cf.fls. 67/81), tendo sido rechaçado – por
unanimidade - pela segunda instância do Contencioso Administrativo Fiscal, sob o
entendimento de que, muito embora o art. 655 do RICMS faculte às empresas públicas
concessionárias de serviço público de energia elétrica a manter inscrição única no CGF,
a empresa autuada possui, no Estado de Roraima, além da matriz, diversos
estabelecimentos filiais, cada um com inscrição própria, de sorte que o
PARECER/DEPAR/DITRI Nº. 048/06 não retrata autorização para que sejam aglutinadas
todas as operações de circulação de mercadoria em uma única conta gráfica do ICMS,
não dispensando as concessionárias da escrituração dos livros Registros de Entradas,
Registros de Saídas e Registros de Apuração do ICMS, tanto que os estabelecimentos,
matriz e filiais, continuam apresentando GIM distintamente (cf.f.90).

                     Ora, a questão subjacente ao pedido de revisão de lançamento já
foi sobejamente debatida e devidamente solucionada no processo administrativo fiscal,
não cabendo mais rediscuti-la no âmbito do mesmo PAF, haja vista a preclusão, que
afasta o tumulto e a eternização do processo.

                                   2.3 DA COISA JULGADA ADMINISTRATIVA

                    A coisa julgada administrativa é o efeito jurídico provocado pelo
encerramento de um procedimento administrativo, pelo qual se torna vedado rever a
decisão nele adotada sem a instauração de um procedimento específico e distinto 1.
Nesse passo, encerrado o processo administrativo, as questões nele decididas não se
sujeitam à revisão no mesmo processo. Isso porque a decisão anterior configura um ato
jurídico autônomo, cuja existência, validade e eficácia hão de ser enfrentadas antes de
ser promovido o desfazimento2.

                     Não é cabível revisar diretamente um ato administrativo anterior
(lançamento fiscal), ignorando a decisão (do Contencioso Administrativo Fiscal) que o
reputou válido. Em verdade, para alcançar a revisão do lançamento, há de se desafiar a
decisão administrativa que o reputou válido, atribuindo-lhe defeito ou omissão aptos a
justificar a renovação de competência, não bastando invocar a existência de defeito no
ato anterior (lançamento).
1
    JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 4ª edição. Editora Saraiva. São Paulo. 2009, p. 270.
2
    idem
                                                          Procuradoria-Geral do Estado
                                                              Boa Vista – RR Brasil
                                      Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br




                                                                                                                  3 de 6
ESTADO DE RORAIMA
                              PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO
                               “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros”

                    Nesse passo, o pedido de revisão de lançamento ignora
completamente a decisão do Contencioso Administrativo Fiscal, não lhe apontando
qualquer defeito ou omissão, esbarrando, portanto, na coisa julgada administrativa.

                       É bem de ver, outrossim, que, o controle suplementar da
legalidade do lançamento conferido à Procuradoria-Geral do Estado no tocante à Dívida
Ativa (art. 2º, § 3º, Lei nº. 6.830/80) não lhe erige em instância recursal das decisões do
Contencioso Administrativo Fiscal, não cabendo encarar, pois, o pedido de revisão de
lançamento como recurso em face da decisão do CAF.

                     2.4 DA DECISÃO JUDICIAL

                    Depois da decisão do Contencioso Administrativo Fiscal –
chancelando o lançamento e constituindo definitivamente o crédito -, o contribuinte
ajuizou ação declaratória de inexigibilidade de crédito tributário (Processo nº.
010.2008.904.556-0 – 8ª Vara Cível), com arrimo na suposta legalidade da transferência
dos crédito de ICMS por conta da centralização da escrita fiscal em seu
estabelecimento-matriz, em consonância com o PARECER/DEPAR/DITRI Nº. 048/06.

                   Em sentença de mérito, o MM. Juiz Titular da 8ª Vara Cível julgou
improcedentes os pedidos do autor, com lastro em arrazoado que merece transcrição:

                     “O autor indica que o auto de infração é inexigível em virtude de que a própria
                     SEFAZ teria autorizado a centralização em um único CGF, de toda a
                     contabilidade da empresas integrantes do grupo, e portanto não poderia agora
                     lavrar auto de infração contra esta medida.
                     Ocorre, que o auto de infração, conforme bem delineado na defesa do Estado,
                     refere-se ao lançamento de crédito de ICMS, sem justificativa para isso.
                     Ressalte-se que a parte autora, nem no procedimento administrativo, nem aqui
                     perante o Juízo juntou a devida comprovação de que havia aquele crédito de
                     ICMS, passível portanto de ser lançado como crédito de ICMS.

                     Digo isto, no sentido de que, no mês de março de 2006, através de GIM, a autora
                     informou ao fisco que não havia crédito de ICMS algum a ser transferido para o
                     mês seguinte, ou seja para Abril de 2006, quando então lançou que havia
                     “SALDO CREDOR DO MÊS ANTERIOR” no valor de R$31.938.613,09.

                     Claro está, que a autorização concedida pela SEFAZ, para centralização em
                     único CGF, em nada tem haver com o discutido nos presentes autos, eis que a
                     lavratura do auto de infração relaciona-se com o lançamento indevido de crédito
                     de ICMS, não devidamente comprovado e escriturado. (...)”
                                           Procuradoria-Geral do Estado
                                               Boa Vista – RR Brasil
                       Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br




                                                                                              4 de 6
ESTADO DE RORAIMA
                             PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO
                              “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros”

                    2.5 DA LEGALIDADE DA AUTUAÇÃO

                     A Procuradoria-Geral do Estado já possui manifestação no tocante
à legalidade da autuação, quer no Contencioso Administrativo Fiscal, quer na via
judicial, cumprindo, nesse aspecto, transcrever os irretocáveis arrazoados que se baseia
a contestação à Ação Declaratória nº. 010.2008.904.556-0 – 8ª Vara Cível, da lavra da
Dra. Daniella Torres de Melo Bezerra, verbis:

                    “(...) não houve nem violação à lei, nem malferimento ao direito, posto que o
                    processo administrativo tributário, como também, o auto de infração,
                    valeu-se de interpretação correta, adequada e perfeitamente consoante com a
                    legislação pertinente.
                    O Auto de Infração, objeto da presente ação, foi lavrado              em vista    do
                    recebimento de crédito de ICMS indevido decorrente de transferência não
                    prevista na legislação ocorrida no mês de abril de 2006, pois o crédito indevido do
                    ICMS foi lançado na Guia de Informação mensal do ICMS- GIM, sob o título de “SALDO
                    CREDOR DO MÊS ANTERIOR” no valor de R$ 31.938.613,09 (trinta e um milhões,
                    novecentos e trinta e oito mil, seiscentos e treze reais e nove centavos).
                    A irregularidade praticada pela parte autora é gritante e de fácil
                    comprovação,      já    que     foram    juntadas     ao procedimento administrativo
                    tributário as cópias das GIM's dos meses de março e de abril de 2006, sendo que na
                    GIM de março, a empresa declarou           não     haver    crédito   algum a    ser
                    transferido para o mês seguinte.
                    Ademais, não constam nos autos quaisquer informações que possam
                    esclarecer     a     origem do        crédito     de     R$ 31.938.613,09 que surgiu
                    repentinamente no mês de abril.
                    Contudo, a autora não se refere a questão da escrituração irregular,
                    apenas fundamente que o auto de infração não deve prosperar, por ter agido com
                    base no parecer da SEFAZ de n.º 48.
                    Vale ressaltar que a demandante pretende induzir o julgador a erro, no momento
                    em que desvirtua os fatos, pois a autuação teve por base fundamento
                    completamente diferente do parecer.
                    No Parecer n.º 48, resultante de uma consulta realizada pela parte autora,
                    versão esta confirmada pela própria parte em sua inicial, autorizou a parte
                    centralizar a escrituração e apuração do imposto de seus estabelecimentos
                    em um único, por haver suporte legal para tanto.
                    Os arts. 655 e 656 do RICMS (RR) aprovado pelo Dec. 4.335-E/2001 facultam as
                    empresas públicas concessionárias de serviço público de energia elétrica a manter
                    inscrição única no CGF, bem como a escrituração fiscal e a apuração do imposto
                    poderão ser centralizadas em um único estabelecimento.
                    Entretanto, a parte autora desvirtua os fatos quando tenta tratar a
                    autorização     para     centralizar   a    escrituração como sendo autorização de
                    aproveitamento de crédito tributário sem origem provada.
                    O Art. 54 dispõe acerca do aproveitamento de crédito:
                    “Art. 54. O direito ao crédito, para efeito de

                                          Procuradoria-Geral do Estado
                                              Boa Vista – RR Brasil
                      Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br




                                                                                                  5 de 6
ESTADO DE RORAIMA
                      PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO
                       “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros”

              compensação com o débito do imposto, reconhecido ao estabelecimento
              que tenha recebido as mercadorias ou para o qual tenham sido prestados os
              serviços, ESTÁ CONDICIONADO À IDONEIDADE DO DOCUMENTO E, SE FOR O
              CASO, À ESCRITURAÇÃO, NOS PRAZOS E CONDIÇÕES ESTABELECIDOS NA
              LEGISLAÇÃO.
              O Art. 69 em seu inciso II, alínea “e” prevê a seguinte penalidade:
              “Art. 69. (...)
              II- infrações relativas ao crédito do imposto:
              (...)
              e) crédito indevido proveniente da hipótese prevista na alínea anterior- multa
              de      200% (duzentos     por     cento)    do   valor    do   crédito irregularmente
              recebido, observado o disposto na parte final da alínea “a” deste inciso>”
              Tendo a conduta infringido as regras dos art. 52 e 54 todos do RICMS, cabe,
              correta e adequadamente, a penalidade prevista no art. 69, inciso II, alínea “e” da
              lei n.º 059/93, aplicando multa, medida punitiva esta conforme legislação
              pertinente e tendo sido respeito o princípio da proporcionalidade, não deve ser
              acolhido o argumento da parte de que a multa foi desproporcional.
              Verifica-se que a exigência do débito fiscal à autora se encontra em
              consonância com toda a legislação, pois está, claramente, configurada a
              escrituração do valor de forma irregular, não devendo ser aceito o argumento
              da       parte     que     houve arbitrariedade por parte do fisco, nem que este
              desconsiderou o seu próprio parecer, pois este não a autorizou a fazer uma
              escrituração em desconformidade com a legislação em vigor.
              Conclui-se que o auto de infração foi lavrado corretamente, tendo sido
              obedecida       toda    a    legislação   fiscal pertinente, bem como o princípio do
              contraditório e da ampla defesa, como se pode ver no próprio processo
              administrativo anexado pela parte autora.”

              3. CONCLUSÃO

              Ex positis, OPINO PELA IMPROCEDÊNCIA do pedido de revisão de
lançamento.

              É o parecer, s.m.j.

              À consideração superior.

              Boa Vista/RR, 10 de novembro de 2010.


                               Francisco Eliton A Meneses
                             Procurador-Chefe da Dívida Ativa


                                   Procuradoria-Geral do Estado
                                       Boa Vista – RR Brasil
               Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br




                                                                                              6 de 6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

JEC - Exceção de Incompetencia
JEC - Exceção de IncompetenciaJEC - Exceção de Incompetencia
JEC - Exceção de IncompetenciaConsultor JRSantana
 
Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira
Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira
Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira Mentor Concursos
 
1138- Contestação à Reconvenção - revisada
1138- Contestação à Reconvenção - revisada1138- Contestação à Reconvenção - revisada
1138- Contestação à Reconvenção - revisadaConsultor JRSantana
 
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual CivilProva testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual Civilabrendamrd
 
Como elaborar agravo de instrumento
Como elaborar agravo de instrumentoComo elaborar agravo de instrumento
Como elaborar agravo de instrumentoConsultor JRSantana
 
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC AtualizadoConsultor JRSantana
 
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPCConsultor JRSantana
 
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoDireito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoPreOnline
 
Demanda de separacion de cuerpos por causal
Demanda de separacion de cuerpos por causalDemanda de separacion de cuerpos por causal
Demanda de separacion de cuerpos por causalMitzi Linares Vizcarra
 
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoTacio Lacerda Gama
 
STJ - Recurso Especial em Acórdão de Ação Rescisória
STJ -  Recurso Especial em Acórdão de Ação RescisóriaSTJ -  Recurso Especial em Acórdão de Ação Rescisória
STJ - Recurso Especial em Acórdão de Ação RescisóriaConsultor JRSantana
 
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)Vivian Nemeth
 
Remedios constitucionais
Remedios constitucionaisRemedios constitucionais
Remedios constitucionaisDaniele Moura
 
Direito Civil IV - Aula 26 usufruto (cont.), uso, habitação, concessões
Direito Civil IV - Aula 26   usufruto (cont.), uso, habitação, concessõesDireito Civil IV - Aula 26   usufruto (cont.), uso, habitação, concessões
Direito Civil IV - Aula 26 usufruto (cont.), uso, habitação, concessõesJordano Santos Cerqueira
 
2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc
2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc
2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo CpcConsultor JRSantana
 

Mais procurados (20)

JEC - Exceção de Incompetencia
JEC - Exceção de IncompetenciaJEC - Exceção de Incompetencia
JEC - Exceção de Incompetencia
 
Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira
Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira
Direito Constitucional - Da ordem econômica e financeira
 
1138- Contestação à Reconvenção - revisada
1138- Contestação à Reconvenção - revisada1138- Contestação à Reconvenção - revisada
1138- Contestação à Reconvenção - revisada
 
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual CivilProva testemunhal - Direito Processual Civil
Prova testemunhal - Direito Processual Civil
 
Espécies tributárias 2013-1
Espécies tributárias   2013-1Espécies tributárias   2013-1
Espécies tributárias 2013-1
 
Como elaborar agravo de instrumento
Como elaborar agravo de instrumentoComo elaborar agravo de instrumento
Como elaborar agravo de instrumento
 
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
2065 - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGOCIO JURÍDICO - CPC Atualizado
 
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
2117 - CONTESTAÇÃO COBRANÇA - Atualizada Novo CPC
 
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do EstadoDireito Administrativo - Intervenção do Estado
Direito Administrativo - Intervenção do Estado
 
Demanda de separacion de cuerpos por causal
Demanda de separacion de cuerpos por causalDemanda de separacion de cuerpos por causal
Demanda de separacion de cuerpos por causal
 
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuraçãoItbi e itcmd – legitimidade e apuração
Itbi e itcmd – legitimidade e apuração
 
STJ - Recurso Especial em Acórdão de Ação Rescisória
STJ -  Recurso Especial em Acórdão de Ação RescisóriaSTJ -  Recurso Especial em Acórdão de Ação Rescisória
STJ - Recurso Especial em Acórdão de Ação Rescisória
 
Modelo de substabelecimento
Modelo de substabelecimentoModelo de substabelecimento
Modelo de substabelecimento
 
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)Ação trabalhista  danos morais   acidente + doença(padrão)
Ação trabalhista danos morais acidente + doença(padrão)
 
Remedios constitucionais
Remedios constitucionaisRemedios constitucionais
Remedios constitucionais
 
Direito Civil IV - Aula 26 usufruto (cont.), uso, habitação, concessões
Direito Civil IV - Aula 26   usufruto (cont.), uso, habitação, concessõesDireito Civil IV - Aula 26   usufruto (cont.), uso, habitação, concessões
Direito Civil IV - Aula 26 usufruto (cont.), uso, habitação, concessões
 
Petição inicial
Petição inicialPetição inicial
Petição inicial
 
Peticao inicial
Peticao inicialPeticao inicial
Peticao inicial
 
Modelo de requerimento
Modelo de requerimentoModelo de requerimento
Modelo de requerimento
 
2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc
2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc
2094 - EMBARGOS DE TERCEIRO - Atualizado Novo Cpc
 

Semelhante a Pedido de revisão de crédito tributário rejeitado

Aula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaAula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaFernanda Moreira
 
Servidor público. mandado de segurança.
Servidor público. mandado de segurança.Servidor público. mandado de segurança.
Servidor público. mandado de segurança.allaymer
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14Fernanda Moreira
 
2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares
2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares
2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregularesFrancisco Luz
 
Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...
Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...
Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...camilavergueirocatunda
 
Tribunal de contas do estado da bahia hrlvf
Tribunal de contas do estado da bahia hrlvfTribunal de contas do estado da bahia hrlvf
Tribunal de contas do estado da bahia hrlvfEmilio Gusmão
 
Aula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costaAula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costaFernanda Moreira
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraFernanda Moreira
 
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14Fernanda Moreira
 
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa CarelliDecisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa Carelliwpaese
 
Liminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobras
Liminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobrasLiminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobras
Liminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobrasJosé Ripardo
 
Fernando daminelli acordão
Fernando daminelli acordãoFernando daminelli acordão
Fernando daminelli acordãoFabio Motta
 
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...Marcelo Bancalero
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioTacio Lacerda Gama
 

Semelhante a Pedido de revisão de crédito tributário rejeitado (20)

Aula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vâniaAula 25 10-14 - íris vânia
Aula 25 10-14 - íris vânia
 
Servidor público. mandado de segurança.
Servidor público. mandado de segurança.Servidor público. mandado de segurança.
Servidor público. mandado de segurança.
 
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14Aula dra. íris vânia santos rosa   25-10-14
Aula dra. íris vânia santos rosa 25-10-14
 
EMPRESA DEVEDORA TEM DIREITO AO TALONÁRIO DE NOTAS FISCAIS
EMPRESA DEVEDORA TEM DIREITO AO TALONÁRIO DE NOTAS FISCAISEMPRESA DEVEDORA TEM DIREITO AO TALONÁRIO DE NOTAS FISCAIS
EMPRESA DEVEDORA TEM DIREITO AO TALONÁRIO DE NOTAS FISCAIS
 
Info 579-stj-resumido1
Info 579-stj-resumido1Info 579-stj-resumido1
Info 579-stj-resumido1
 
2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares
2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares
2012-contas finais do Fundo de Saúde julgadas irregulares
 
Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...
Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...
Parecer PGFN 877/2003 - Prescrição CT - Possibilidade de reconhecimento pela ...
 
Tribunal de contas do estado da bahia hrlvf
Tribunal de contas do estado da bahia hrlvfTribunal de contas do estado da bahia hrlvf
Tribunal de contas do estado da bahia hrlvf
 
Aula dra. leonor 06 09-14
Aula dra. leonor 06 09-14Aula dra. leonor 06 09-14
Aula dra. leonor 06 09-14
 
Aula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costaAula 24 08 - juliana furtado costa
Aula 24 08 - juliana furtado costa
 
Processo Judicial Tributário: Medida cautelar fiscal
Processo Judicial Tributário: Medida cautelar fiscalProcesso Judicial Tributário: Medida cautelar fiscal
Processo Judicial Tributário: Medida cautelar fiscal
 
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIASA CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
A CONFISSÃO DE DÍVIDA PREVIDENCIÁRIA E SUAS CONSEQUENCIAS
 
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieiraAula 17 09-14 - dra. marina vieira
Aula 17 09-14 - dra. marina vieira
 
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14Aula dra. carla de lourdes gonçalves   04-10-14
Aula dra. carla de lourdes gonçalves 04-10-14
 
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa CarelliDecisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
 
Parecer Tribunal
Parecer TribunalParecer Tribunal
Parecer Tribunal
 
Liminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobras
Liminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobrasLiminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobras
Liminar suspende dívida tributária de r$ 7 bilhões da petrobras
 
Fernando daminelli acordão
Fernando daminelli acordãoFernando daminelli acordão
Fernando daminelli acordão
 
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
Cópia da decisão proferida anteriormente no agravo de instrumento nº 1.0024.1...
 
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasioOro.extinção do crédito tributãrio damasio
Oro.extinção do crédito tributãrio damasio
 

Mais de Eliton Meneses

Apelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produção
Apelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produçãoApelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produção
Apelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produçãoEliton Meneses
 
Embargos Infringentes :: Jamilson Antônio
Embargos Infringentes :: Jamilson AntônioEmbargos Infringentes :: Jamilson Antônio
Embargos Infringentes :: Jamilson AntônioEliton Meneses
 
Recurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoal
Recurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoalRecurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoal
Recurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoalEliton Meneses
 
Contestação-Isabel-Cristina
Contestação-Isabel-CristinaContestação-Isabel-Cristina
Contestação-Isabel-CristinaEliton Meneses
 
ACP : Conjunto Jardim Castelão : Réplica
ACP : Conjunto Jardim Castelão : RéplicaACP : Conjunto Jardim Castelão : Réplica
ACP : Conjunto Jardim Castelão : RéplicaEliton Meneses
 
ACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-FortalezaACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-FortalezaEliton Meneses
 
ACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-FortalezaACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-FortalezaEliton Meneses
 
Ação Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria Pública
Ação Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria PúblicaAção Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria Pública
Ação Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria PúblicaEliton Meneses
 
Recomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPE
Recomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPERecomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPE
Recomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPEEliton Meneses
 
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_PereiraRazões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_PereiraEliton Meneses
 
Contrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuel
Contrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuelContrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuel
Contrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuelEliton Meneses
 
Alegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_Carlos
Alegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_CarlosAlegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_Carlos
Alegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_CarlosEliton Meneses
 
Razões_de_apelação_homicídio-diego_rodrigues
Razões_de_apelação_homicídio-diego_rodriguesRazões_de_apelação_homicídio-diego_rodrigues
Razões_de_apelação_homicídio-diego_rodriguesEliton Meneses
 
Alegações_finais_tráfico_drogas
Alegações_finais_tráfico_drogasAlegações_finais_tráfico_drogas
Alegações_finais_tráfico_drogasEliton Meneses
 
Contestação reintegração de_posse_cumbe
Contestação reintegração de_posse_cumbeContestação reintegração de_posse_cumbe
Contestação reintegração de_posse_cumbeEliton Meneses
 
Ação civil pública_ilha_são_josé_
Ação civil pública_ilha_são_josé_Ação civil pública_ilha_são_josé_
Ação civil pública_ilha_são_josé_Eliton Meneses
 

Mais de Eliton Meneses (20)

Apelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produção
Apelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produçãoApelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produção
Apelação-curador-especial-revelia-efeitos-não-produção
 
Embargos Infringentes :: Jamilson Antônio
Embargos Infringentes :: Jamilson AntônioEmbargos Infringentes :: Jamilson Antônio
Embargos Infringentes :: Jamilson Antônio
 
Recurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoal
Recurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoalRecurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoal
Recurso-de-apelação-extinção-intimação-pessoal
 
Contestação-Isabel-Cristina
Contestação-Isabel-CristinaContestação-Isabel-Cristina
Contestação-Isabel-Cristina
 
Jornal Comunidade
Jornal ComunidadeJornal Comunidade
Jornal Comunidade
 
ACP : Conjunto Jardim Castelão : Réplica
ACP : Conjunto Jardim Castelão : RéplicaACP : Conjunto Jardim Castelão : Réplica
ACP : Conjunto Jardim Castelão : Réplica
 
ACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-FortalezaACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
 
ACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-FortalezaACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
ACP-remoções-violentas-Município-de-Fortaleza
 
Ação Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria Pública
Ação Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria PúblicaAção Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria Pública
Ação Civil Pública - Leite-Especial - NDHAC - Defensoria Pública
 
Ação Civil Pública
Ação Civil PúblicaAção Civil Pública
Ação Civil Pública
 
Recomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPE
Recomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPERecomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPE
Recomendação Conjunta 01/2017 DPU/DPE
 
Bhagavad-gita
Bhagavad-gitaBhagavad-gita
Bhagavad-gita
 
Bhagavad-gita
Bhagavad-gitaBhagavad-gita
Bhagavad-gita
 
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_PereiraRazões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
Razões_de_apelação_homicídio - Antônio_Pereira
 
Contrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuel
Contrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuelContrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuel
Contrarrazões apelação maria_da_conceição_antônio_manuel
 
Alegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_Carlos
Alegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_CarlosAlegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_Carlos
Alegações_finais_tráfico_de_drogas-cadeia_Luis_Carlos
 
Razões_de_apelação_homicídio-diego_rodrigues
Razões_de_apelação_homicídio-diego_rodriguesRazões_de_apelação_homicídio-diego_rodrigues
Razões_de_apelação_homicídio-diego_rodrigues
 
Alegações_finais_tráfico_drogas
Alegações_finais_tráfico_drogasAlegações_finais_tráfico_drogas
Alegações_finais_tráfico_drogas
 
Contestação reintegração de_posse_cumbe
Contestação reintegração de_posse_cumbeContestação reintegração de_posse_cumbe
Contestação reintegração de_posse_cumbe
 
Ação civil pública_ilha_são_josé_
Ação civil pública_ilha_são_josé_Ação civil pública_ilha_são_josé_
Ação civil pública_ilha_são_josé_
 

Pedido de revisão de crédito tributário rejeitado

  • 1. ESTADO DE RORAIMA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros” PARECER PROGE/COORD. FISCAL/PROCURADORIA DA DÍVIDA ATIVA Nº 09/2010 ASSUNTO: Pedido de revisão de lançamento de crédito tributário. INTERESSADO: Boa Vista Energia S.A. REFERÊNCIA: Processo Administrativo Fiscal nº 22001.02424/07-30 EMENTA: PEDIDO DE REVISÃO DE LANÇAMENTO. CRÉDITO TRIBUTÁRIO. PRECLUSÃO CONSUMATIVA. COISA JULGADA ADMINISTRATIVA. DECISÃO JUDICIAL. LEGALIDADE DA AUTUAÇÃO. PARECER DESFAVORÁVEL. 1. RELATÓRIO Trata-se de pedido de revisão de lançamento do crédito tributário apurado no Auto de Infração nº. 000027/2007, inscrito em Dívida Ativa, cf. CDA nº. 16.218, decorrente da aplicação de multa por suposto recebimento de crédito oriundo de transferência irregular, praticado, segundo a autoridade autuante, com ofensa ao RICMS-RR. Defende o contribuinte que a autuação não levou em conta o disposto nos arts. 655 e 656 do RICMS-RR, que autoriza a centralização da escrituração fiscal em um único estabelecimento inscrito, o que teria sido feito, inclusive sob a autorização do Secretário de Estado da Fazenda à época. Requer a revisão do lançamento, com o consequente cancelamento do débito e arquivamento do processo administrativo fiscal (cf.f.151). Considerando tratar-se de auto de infração cujo débito foi inscrito em Dívida Ativa, o pedido – direcionado ao Secretário de Estado da Fazenda - foi encaminhado à Procuradoria-Geral do Estado. É, em apertada síntese, o relatório. Procuradoria-Geral do Estado Boa Vista – RR Brasil Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br 1 de 6
  • 2. ESTADO DE RORAIMA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros” 2. FUNDAMENTAÇÃO 2.1 DA COMPETÊNCIA DA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO A Procuradoria-Geral do Estado foi institucionalizada com o advento da Lei Complementar Estadual nº. 71, de 18 de dezembro de 2003, passando a promover privativamente a inscrição da Dívida Ativa do Estado de Roraima a partir do Decreto nº. 7.538-E, de 24 de novembro de 2006. Assim, uma vez encaminhado o crédito tributário para a inscrição em Dívida Ativa – depois da decisão definitiva na esfera do Contencioso Administrativo Fiscal -, toda e qualquer questão em torno do crédito submete-se ao crivo da Procuradoria-Geral do Estado, devendo, portanto, ser-lhe direcionada, tal como o fez, na espécie, acertadamente a Secretária Adjunta de Estado da Fazenda (cf.f.147). Conquanto o pedido tenha sido cunhado como revisão de lançamento – ato que refoge da esfera de atribuição da Procuradoria-Geral do Estado -, seu propósito é o reconhecimento da nulidade do débito e o consequente arquivamento do processo administrativo fiscal (cf.f.151), medidas que indiscutivelmente competem à PROGE, a partir da inscrição em Dívida Ativa. 2.2 DA PRECLUSÃO A preclusão é o fenômeno endoprocessual que impossibilita a rediscussão da matéria já ventilada e solucionada no âmbito do mesmo processo. Deveras, o contribuinte, em sua impugnação ao auto de infração, suscitou a centralização da escrituração fiscal em um único estabelecimento inscrito, com base no art. 656 do RICMS-RR, sob autorização da Secretaria de Estado da Fazenda, no propósito de ver reconhecida a nulidade da autuação (cf.fls. 16/25). No entanto, em julgamento de primeira instância, o Contencioso Administrativo Fiscal refutou a impugnação do contribuinte, obtemperando que a autorização da SEFAZ para a escrita fiscal em um único estabelecimento, plasmada no PARECER/DEPAR/DITRI Nº. 048/06, é algo absolutamente diferente do aproveitamento de crédito, concluindo que a autorização foi apenas para a centralização da escrita fiscal, mas não para o aproveitamento de crédito inexistente, por meio de um lançamento de crédito sem origem provada (cf.f.62). Procuradoria-Geral do Estado Boa Vista – RR Brasil Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br 2 de 6
  • 3. ESTADO DE RORAIMA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros” No recurso voluntário manejado pelo contribuinte, o argumento da centralização da escrituração fiscal em um único CGF, com respaldo em parecer da SEFAZ, foi novamente levantado (cf.fls. 67/81), tendo sido rechaçado – por unanimidade - pela segunda instância do Contencioso Administrativo Fiscal, sob o entendimento de que, muito embora o art. 655 do RICMS faculte às empresas públicas concessionárias de serviço público de energia elétrica a manter inscrição única no CGF, a empresa autuada possui, no Estado de Roraima, além da matriz, diversos estabelecimentos filiais, cada um com inscrição própria, de sorte que o PARECER/DEPAR/DITRI Nº. 048/06 não retrata autorização para que sejam aglutinadas todas as operações de circulação de mercadoria em uma única conta gráfica do ICMS, não dispensando as concessionárias da escrituração dos livros Registros de Entradas, Registros de Saídas e Registros de Apuração do ICMS, tanto que os estabelecimentos, matriz e filiais, continuam apresentando GIM distintamente (cf.f.90). Ora, a questão subjacente ao pedido de revisão de lançamento já foi sobejamente debatida e devidamente solucionada no processo administrativo fiscal, não cabendo mais rediscuti-la no âmbito do mesmo PAF, haja vista a preclusão, que afasta o tumulto e a eternização do processo. 2.3 DA COISA JULGADA ADMINISTRATIVA A coisa julgada administrativa é o efeito jurídico provocado pelo encerramento de um procedimento administrativo, pelo qual se torna vedado rever a decisão nele adotada sem a instauração de um procedimento específico e distinto 1. Nesse passo, encerrado o processo administrativo, as questões nele decididas não se sujeitam à revisão no mesmo processo. Isso porque a decisão anterior configura um ato jurídico autônomo, cuja existência, validade e eficácia hão de ser enfrentadas antes de ser promovido o desfazimento2. Não é cabível revisar diretamente um ato administrativo anterior (lançamento fiscal), ignorando a decisão (do Contencioso Administrativo Fiscal) que o reputou válido. Em verdade, para alcançar a revisão do lançamento, há de se desafiar a decisão administrativa que o reputou válido, atribuindo-lhe defeito ou omissão aptos a justificar a renovação de competência, não bastando invocar a existência de defeito no ato anterior (lançamento). 1 JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 4ª edição. Editora Saraiva. São Paulo. 2009, p. 270. 2 idem Procuradoria-Geral do Estado Boa Vista – RR Brasil Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br 3 de 6
  • 4. ESTADO DE RORAIMA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros” Nesse passo, o pedido de revisão de lançamento ignora completamente a decisão do Contencioso Administrativo Fiscal, não lhe apontando qualquer defeito ou omissão, esbarrando, portanto, na coisa julgada administrativa. É bem de ver, outrossim, que, o controle suplementar da legalidade do lançamento conferido à Procuradoria-Geral do Estado no tocante à Dívida Ativa (art. 2º, § 3º, Lei nº. 6.830/80) não lhe erige em instância recursal das decisões do Contencioso Administrativo Fiscal, não cabendo encarar, pois, o pedido de revisão de lançamento como recurso em face da decisão do CAF. 2.4 DA DECISÃO JUDICIAL Depois da decisão do Contencioso Administrativo Fiscal – chancelando o lançamento e constituindo definitivamente o crédito -, o contribuinte ajuizou ação declaratória de inexigibilidade de crédito tributário (Processo nº. 010.2008.904.556-0 – 8ª Vara Cível), com arrimo na suposta legalidade da transferência dos crédito de ICMS por conta da centralização da escrita fiscal em seu estabelecimento-matriz, em consonância com o PARECER/DEPAR/DITRI Nº. 048/06. Em sentença de mérito, o MM. Juiz Titular da 8ª Vara Cível julgou improcedentes os pedidos do autor, com lastro em arrazoado que merece transcrição: “O autor indica que o auto de infração é inexigível em virtude de que a própria SEFAZ teria autorizado a centralização em um único CGF, de toda a contabilidade da empresas integrantes do grupo, e portanto não poderia agora lavrar auto de infração contra esta medida. Ocorre, que o auto de infração, conforme bem delineado na defesa do Estado, refere-se ao lançamento de crédito de ICMS, sem justificativa para isso. Ressalte-se que a parte autora, nem no procedimento administrativo, nem aqui perante o Juízo juntou a devida comprovação de que havia aquele crédito de ICMS, passível portanto de ser lançado como crédito de ICMS. Digo isto, no sentido de que, no mês de março de 2006, através de GIM, a autora informou ao fisco que não havia crédito de ICMS algum a ser transferido para o mês seguinte, ou seja para Abril de 2006, quando então lançou que havia “SALDO CREDOR DO MÊS ANTERIOR” no valor de R$31.938.613,09. Claro está, que a autorização concedida pela SEFAZ, para centralização em único CGF, em nada tem haver com o discutido nos presentes autos, eis que a lavratura do auto de infração relaciona-se com o lançamento indevido de crédito de ICMS, não devidamente comprovado e escriturado. (...)” Procuradoria-Geral do Estado Boa Vista – RR Brasil Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br 4 de 6
  • 5. ESTADO DE RORAIMA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros” 2.5 DA LEGALIDADE DA AUTUAÇÃO A Procuradoria-Geral do Estado já possui manifestação no tocante à legalidade da autuação, quer no Contencioso Administrativo Fiscal, quer na via judicial, cumprindo, nesse aspecto, transcrever os irretocáveis arrazoados que se baseia a contestação à Ação Declaratória nº. 010.2008.904.556-0 – 8ª Vara Cível, da lavra da Dra. Daniella Torres de Melo Bezerra, verbis: “(...) não houve nem violação à lei, nem malferimento ao direito, posto que o processo administrativo tributário, como também, o auto de infração, valeu-se de interpretação correta, adequada e perfeitamente consoante com a legislação pertinente. O Auto de Infração, objeto da presente ação, foi lavrado em vista do recebimento de crédito de ICMS indevido decorrente de transferência não prevista na legislação ocorrida no mês de abril de 2006, pois o crédito indevido do ICMS foi lançado na Guia de Informação mensal do ICMS- GIM, sob o título de “SALDO CREDOR DO MÊS ANTERIOR” no valor de R$ 31.938.613,09 (trinta e um milhões, novecentos e trinta e oito mil, seiscentos e treze reais e nove centavos). A irregularidade praticada pela parte autora é gritante e de fácil comprovação, já que foram juntadas ao procedimento administrativo tributário as cópias das GIM's dos meses de março e de abril de 2006, sendo que na GIM de março, a empresa declarou não haver crédito algum a ser transferido para o mês seguinte. Ademais, não constam nos autos quaisquer informações que possam esclarecer a origem do crédito de R$ 31.938.613,09 que surgiu repentinamente no mês de abril. Contudo, a autora não se refere a questão da escrituração irregular, apenas fundamente que o auto de infração não deve prosperar, por ter agido com base no parecer da SEFAZ de n.º 48. Vale ressaltar que a demandante pretende induzir o julgador a erro, no momento em que desvirtua os fatos, pois a autuação teve por base fundamento completamente diferente do parecer. No Parecer n.º 48, resultante de uma consulta realizada pela parte autora, versão esta confirmada pela própria parte em sua inicial, autorizou a parte centralizar a escrituração e apuração do imposto de seus estabelecimentos em um único, por haver suporte legal para tanto. Os arts. 655 e 656 do RICMS (RR) aprovado pelo Dec. 4.335-E/2001 facultam as empresas públicas concessionárias de serviço público de energia elétrica a manter inscrição única no CGF, bem como a escrituração fiscal e a apuração do imposto poderão ser centralizadas em um único estabelecimento. Entretanto, a parte autora desvirtua os fatos quando tenta tratar a autorização para centralizar a escrituração como sendo autorização de aproveitamento de crédito tributário sem origem provada. O Art. 54 dispõe acerca do aproveitamento de crédito: “Art. 54. O direito ao crédito, para efeito de Procuradoria-Geral do Estado Boa Vista – RR Brasil Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br 5 de 6
  • 6. ESTADO DE RORAIMA PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO “Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros” compensação com o débito do imposto, reconhecido ao estabelecimento que tenha recebido as mercadorias ou para o qual tenham sido prestados os serviços, ESTÁ CONDICIONADO À IDONEIDADE DO DOCUMENTO E, SE FOR O CASO, À ESCRITURAÇÃO, NOS PRAZOS E CONDIÇÕES ESTABELECIDOS NA LEGISLAÇÃO. O Art. 69 em seu inciso II, alínea “e” prevê a seguinte penalidade: “Art. 69. (...) II- infrações relativas ao crédito do imposto: (...) e) crédito indevido proveniente da hipótese prevista na alínea anterior- multa de 200% (duzentos por cento) do valor do crédito irregularmente recebido, observado o disposto na parte final da alínea “a” deste inciso>” Tendo a conduta infringido as regras dos art. 52 e 54 todos do RICMS, cabe, correta e adequadamente, a penalidade prevista no art. 69, inciso II, alínea “e” da lei n.º 059/93, aplicando multa, medida punitiva esta conforme legislação pertinente e tendo sido respeito o princípio da proporcionalidade, não deve ser acolhido o argumento da parte de que a multa foi desproporcional. Verifica-se que a exigência do débito fiscal à autora se encontra em consonância com toda a legislação, pois está, claramente, configurada a escrituração do valor de forma irregular, não devendo ser aceito o argumento da parte que houve arbitrariedade por parte do fisco, nem que este desconsiderou o seu próprio parecer, pois este não a autorizou a fazer uma escrituração em desconformidade com a legislação em vigor. Conclui-se que o auto de infração foi lavrado corretamente, tendo sido obedecida toda a legislação fiscal pertinente, bem como o princípio do contraditório e da ampla defesa, como se pode ver no próprio processo administrativo anexado pela parte autora.” 3. CONCLUSÃO Ex positis, OPINO PELA IMPROCEDÊNCIA do pedido de revisão de lançamento. É o parecer, s.m.j. À consideração superior. Boa Vista/RR, 10 de novembro de 2010. Francisco Eliton A Meneses Procurador-Chefe da Dívida Ativa Procuradoria-Geral do Estado Boa Vista – RR Brasil Fone/Fax/: 0**(95) 3621-2350 – 3623-1298 Sítio: www.proge.rr.gov.br 6 de 6