!"#$%&'()*)+,)*) 
#-,.#+*"#',)/0#+*)$ 
!!!"#$%&'#$()"*+,"-( 
ARQUITETURA 
!"#$%&'()%*'+*(%,-)').+*)%* !"#$%&'()*% 
94 SETE...
!"#$%&'()*+#,"-&"./"-#01"-&"2*"&$3&$4&#',"&"2*0 
0'52#%&%0"6,'"4,16#%0#1"-&"'&7&'8$(#0"-0"92',60 
AGOSTO DE 2014 95 
!"#$%...
Centro Hospitalar Lagny Marne-la-Vallée, França 
tas da refeições incluíram a boa e barata 
culinária hospitalar europeia,...
quiteta em um artigo sobre a viagem. 
!"#$%&$'%$'($%)*$+&$ 
Apesar de todos os países terem agre-gado 
muitas coisas para ...
Foram 40 dias de intercâmbio na 
Europa, mais de 25 hospitais 
referência em Arquitetura Hospitalar 
na Holanda, Inglaterr...
TI 
ARQUITETURA 
ambiente quanto aos equipamentos e 
funcionalidades disponibilizados. “A 
arquitetura possui vários artif...
bastante interesse do casal. “Na Ingla-terra 
havia poucos hospitais novos… 
o principal de lá eram de 
inovações 
em prod...
Explorando as novidades do velho mundo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Explorando as novidades do velho mundo

1.570 visualizações

Publicada em

40 dias de intercâmbio na Europa; + de 25 hospitais referência em Arquitetura Hospitalar na Holanda, Inglaterra e França; 5 dos maiores escritórios de Arquitetura para Saúde;
http://imaginalcamp.tumblr.com

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.570
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.120
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Explorando as novidades do velho mundo

  1. 1. !"#$%&'()*)+,)*) #-,.#+*"#',)/0#+*)$ !!!"#$%&'#$()"*+,"-( ARQUITETURA !"#$%&'()%*'+*(%,-)').+*)%* !"#$%&'()*% 94 SETEMBRO DE 2014
  2. 2. !"#$%&'()*+#,"-&"./"-#01"-&"2*"&$3&$4&#',"&"2*0 0'52#%&%0"6,'"4,16#%0#1"-&"'&7&'8$(#0"-0"92',60 AGOSTO DE 2014 95 !"#$%&'!()$*+&,& Compartilhando um pe-culiar apreço pela ar-quitetura hospitalar, o casal Fábio Cardoso e Moema Falci Lores, no início do ano, começou a caçar espaços na agenda e le-vantar recursos próprios para um novo e ortodoxo investimento: deixar para trás suas merecidas férias e visitar mais de 25 hospitais na Europa. E foi assim que, em 20 de março, o en-genheiro e a arquiteta zarparam para a Holanda, com duas passagens aéreas, adquiridas em programa de milhagem, rumo a um intercâmbio de 40 dias entre o que há de mais novo no Velho Mundo quando se trata de design hospitalar. “A motivação foi a gente estar nesse mercado e a vontade de buscar coisas novas”, disse Fábio, que, junto com sua esposa Moema, possuem um escritório de arquitetura, o IMAginal, e uma empresa de design de móveis hospitalares, a Imma. O objetivo da experiência, claro, seria ver de perto alguns dos mais avançados centros médicos da Europa. Mas, como toda jornada em busca de conhecimento, esse tour europeu serviu como uma ver-dadeira motivação pessoal e, por que não, como uma abertura de “novos horizontes”. Com um custo total entre 20 mil e 25 mil reais, eles visitaram, além da Holanda, a Inglaterra e a França, com direito a uma folga de sete dias na Bélgica para descan-so, porque ninguém é tem design de ferro. A hospedagem deu-se mediante arran-jos feitos plataforma online de aluguéis Airbnb, que acabam saindo mais em con-ta do que hotéis, e as passagens aéreas, da-lhe classe econômica. Além disso, mui- Loures . Depois de dois meses planejando por acreditarmos na importân-o IMMA Design. de ferro. três Ao longo da viagem, o casal ficou hospedado em apartamentos alugados através do website da e permite tembém o con-tato com moradores do país. viajaram o roteiro e agendando as reuniões, embarcaram cia de buscar novos conhecimentos.", disse
  3. 3. Centro Hospitalar Lagny Marne-la-Vallée, França tas da refeições incluíram a boa e barata culinária hospitalar europeia, ao custo estimado de 5 euros. Pode não ser uma viagem de luxo, mas isso tampouco im-portava para eles. “É um in-vestimento que em nenhum momento a gente pensou que não valia a pena”, af ir-mou Fábio. Eles agora buscam maneiras de colocar em prática o que analisaram de perto. “Vamos trazer um pouco dessa ex-periência para o Brasil, e abrir um pouco os horizontes”, segundo Fábio. “A gente tem uma possibili-dade até de uma parceria lá da Holanda para uma possível interação com aqui no Brasil. A gente foi buscando uma experiência, e talvez no médio e longo prazo possa trazer frutos disso tudo, mas não foi o objetivo principal”, disse Fábio. A meta principal foi ver o florescimento da arquitetura hospitalar contemporânea, novos desenvolvimentos de tecnologia e, claro, analisar aplicações no Brasil. O IMAginal já trabalha em um projeto inovador na Santa Casa de Juiz de Fora, mas tudo indica que o escritório está pronto para novos em-preendimentos, talvez ainda mais ousados. “O que vimos são construções bem planejadas e pro-jetadas, com custos semelhantes com a realidade do Brasil”, escreveu a ar- 96 SETEMBRO DE 2014 “O que vimos são construções bem planejadas e pro-jetadas, com cus-tos semelhantes com a realidade do Brasil” - Moema Falci Lores ARQUITETURA nós pensamos Nós estamos estudando a possibilidade Loures de uma parceria entre a Holanda e o Brasil, junto com alguns contatos que estabele-cemos. Buscamos principalmente adquirir voltamos com a possibili-dade de uma interação entre os dois países.", disse Fábio Cardoso.
  4. 4. quiteta em um artigo sobre a viagem. !"#$%&$'%$'($%)*$+&$ Apesar de todos os países terem agre-gado muitas coisas para a experiência do casal, não é necessário investigar muito para saber qual foi o mais im-pressionante. “A Holanda certamente é um dos principais pontos de arquitetura hospitalar de alta qualidade na Europa, talvez no mundo”, disse Cardoso, acres-centando que eles visitaram nada menos do que 15 hospitais em 20 dias por lá. Eles citaram como exemplos bastante notáveis o Orbis Medisch Centrum, na cidade de Sittard, considerado por muitos como o “hospital do futuro”, o Martini Hospital, com sua construção flexível e grande incidência de ilumi-nação natural, e o Den Bosch, o maior hospital não universitário do país. Tal dinamismo na arquitetura hos-pitalar, no entanto, é um cenário que destoa de grande parte da realidade brasileira, apesar de alguns empreendi-mentos pontuais no país. “No Brasil, você ainda tem pouca inovação na ar-quitetura hospitalar e em design de móveis para saúde, apesar de ter bons hospitais e bons projetos.” Ele citou como caso a pouca atenção dada à destinação orçamentária para o projeto arquitetônico de um novo hos-pital, em comparação aos grandes gas-tos como equipamentos e outros itens mais diretamente ligados ao funciona-mento de um centro de saúde. Segundo Moema, no entanto, a questão da saúde está tão ligada ao design do SETEMBRO DE 2014 97 disse Moema
  5. 5. Foram 40 dias de intercâmbio na Europa, mais de 25 hospitais referência em Arquitetura Hospitalar na Holanda, Inglaterra e França
  6. 6. TI ARQUITETURA ambiente quanto aos equipamentos e funcionalidades disponibilizados. “A arquitetura possui vários artifícios que podem diminuir o estresse do ambiente hospitalar, ajudar na recuperação mais rápida do paciente, além de criar um espaço de trabalho que estimule enfermeiros, mé-dicos “No Brasil, você ainda tem pouca inovação na ar-quitetura hospi-talar e em design de móveis para saúde, apesar de ter bons hospitais e bons projetos.” - Fábio Cardoso e funcionários”. Apesar de os Países Baixos estarem à frente do Brasil em termos de design, há um quesito no qual ambos os países são bastante equi-paráveis: o contato de pessoas de fora do meio médico. “A gente começou tentando mar-car direto com os hospitais, e foi um fracasso, a gente não teve retorno, era difícil ter uma área es-pecífica que recebia pessoas de fora. No Brasil é muito difícil também visitar um hospital”, afirmou Cardoso. Um problema, o qual, segundo eles, foi resolvido da forma mais proveitosa possível. ”A gente começou a entrar em contato com os escritórios de arquitetura responsáveis pe-los grandes projetos hospital-ares… e fomos muito bem re-cebidos”, disse o engenheiro. Um tipo de contato que não apenas foi satisfatório para conhecer as instalações na Holanda, como também gerou bastante interesse das contrapartes europeias nos trabalhos dos brasileiros. Já na Inglaterra, o casal teve um contato maior com fabri-cantes de diversos produtos para hospi-tais, inclusive mobiliário, uma área de 100 SETEMBRO DE 2014 hospita-lares Fábio. ´
  7. 7. bastante interesse do casal. “Na Ingla-terra havia poucos hospitais novos… o principal de lá eram de inovações em produtos e mobiliários para área de saúde”, disse ele. Um dos destaques foi o Wilhelmina Children Hospital, que tem um caráter organizacional e f ísico bastante inovador. focamos em visitar centros A França também teve um gosto espe-cial, especialmente por conta do Centro Hospitalar Lagny Marne-la-Vallée, no centro do país, cujas fachadas mudam de cor de acordo com a intensidade da luz do sol, o que, segundo Fábio, dá um tom de humanização à natureza hospi-talar, geralmente vista pelos pacientes como asséptica. “Não foi nem o principal projeto que fomos ver, mas o trabalho que ele tem na fachada, com os painéis de cor, em um momento do dia quando aquela luz bate e você vendo de todo o hospital… aqui-lo dão uma sensação muito agradável.” Foi uma visita ao conhecido Velho Mundo, mas poderia muito bem ter sido um tour pelo futuro. SETEMBRO DE 2014 101 !"#$%$&%'()(&%)(*+% ,"-(%.*/0-+ segundo Moema Ficamos bastante sensibilizados com o trabalho das fachadas, com painéis que mudam de cor de acordo com a variação da luz solar… é possível ver estas variações em diversas perspectivas do hospital.", afirmou Moema.

×